Universo Autista. um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universo Autista. um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS. www.universoautista.com.br"

Transcrição

1 Universo Autista um mundo a ser descoberto APOSTILA PECS

2 PECS - Sistema de Comunicação através da troca de Figuras - é uma forma de comunicação alternativa e aumentativa que treina a criança com autismo a trocar símbolos para se comunicar. A pesquisa mostra que crianças com autismo típico podem desenvolver habilidades com PECS rapidamente, e então podem usar seu treinamento para se comunicar com uma variedade de pessoas. Há muitos benefícios do PECS : *aumento nem comunicação espontânea *aumento em comunicação verbal * diminuição em comportamentos inadequados * aumento em itneração social Pesquisas estão sendo realizadas para comparar PECs a outras formas de AAC, incluindo sistemas como linguagem gestual. Aumente Consultores Educacionais, Inc. Foi estabalecidade em 1992 por Andrew Bondy, Ph.D, Lori Geade, CCC/SLP. Eles e a equipe da Pirâmide, oferecem serviços consultivos em cenários do lar, escolas públicas/privadas que combinam a análise aplicada do comportamento (ABA) a uma comunicação fucional. A empresa oferece programas de treinamento altamente qualificado. A pirâmide é a fonte para o Quadro do sistema de Comunicação - PECS - o sistema dinâmico de alternativo/aumentativo que focaliza em iniciação de comunicação antes que o professor controle respostas O PECS escrito pela Sra Geada Bondy, vem ajudando milhares de pessoas no mundo inteiro, e é a base da pirâmide para aproximar a educação e desenvolver ambientes que mistura sistemas motivacionais com atividades funcionais e estratégias criativas de comunicação. Como pode ver o PECS pode ser um sistema de comunicação muito funcional para as crianças que nao conseguiram adquirir a fala na maneira típica. O PECS imita o desenvolvimento de fala em crianças típicas, também pode sre usado como uma ponte á linguagem verbal para crianças com autismo. Como PECS pode ajudar crianças com autismo? A maneira que o PECS ajuda as crianças com autismo é fornecendo apoio para o ensinao de linguagem verbal. Muitas crianças com autismo tem dificuldades com a comunicação verbal, e parte destas crianças nao desenvolvem a comunicação verbal. Os estudos mostram que o uso do PECS resulta em vocabulário aumentativo, comunicação espontânea e aumentada, e em alguns casos, fala verbal funcional. Temos que perceber que a incapacidade em se comunicar com o mundo frusta a criança autista e com isso geram explosões e comportamentos inadequados Funcionamento funcional é um déficit do típico do autismo ( Pesquisa Conselho Nacional ) CRIANDO O PECS Nome da criança Faixa seleta destacável Estrutura base para a colocação das figuras

3 Abaixo figuras PECS (boardmakers), Imprimir ou recortar, Plastificar ou usar papel contact PECS - Um caminho para a comunicação A parte principal de muitas incapacidades Expressão: Como me comunico com outras pessoas? Compreensão : Entendo o que está sendo dito a mim? Linguagem : Onde ir? O que fazer? O que fazer depois? Como fazer? O que escolher? O que pode fazer? O que não pode fazer? Fala/ linguagem X comunicação: º articulação º expressão vocal º sintaxe º semântica A comunicação envolve: Sintaxe : parte de gramática que estuda a disposição das palavras na frase e das frases no discursso, bem como a relação lógica des frases entre si e a correta e a correta construção gramatical Semântica :estudo das mudanças ou translações sofridas,no tempo e no espaço pela significação das palavras º estabelecer atenção º colher informação º processar informações º armazenar informação º cobrar informação º enviar informação Comunicação Expressiva/ funções Pragmáticas Pragmática : que vem do pragmatismo Pragmatismo : doutrina de Charles Sanders Peirce, filósofo americano ( ) cuja tese fundamental é que a idéia que temos de um objeto qualquer nada mais é senão a soma de idéias de todos os efeitos imagináveis atribuidos por nós e que possa ter um efeito prático qualquer. Formas de comunicação: fala, linguagem, língua de Sinais(libras), figuras, comunicação corporal/gestual, linguagem escrita... Comportamentos inadequados atribuidos a falta de comnicação: chutar, bater, gritar, birras, morder etc... Função da comunicação - Solicitar : alimentos, atenção, protestos, cumprimentos, fazer perguntas, interagir socialmente e etiqueta.

4 Pragmático - tornar a comunicação eficiente (linguagem social) - atenção - contato visual - responder a iniciação com os outros - retornar - regras de diálogos : começar, parar Parceiros receptiva - frequentemente esquece - não faz comparaçãol - recursos pobres de comunicação - não a utiliza de forma funcional Observando alunos com habilidades de comunição receptiva - quais as formas de comunicação para que um aluno possa entender? - gestos/ linguagem corporal, fala, sinais manuais/ libras, objetos Esta forma de comunicação se torna: -Eficiente, efetiva, fácil de usar, socialmente aceitável, promove independência, torna funcional, torna a comunicação agradável, Não importa se são alunos verbais ou não verbais. A maioria dos estudantes são : aprendizes visuais - Se eu posso ver eu entendo Estratégias visuais tornam a comunicação eficiente. Ferramentas visuais são informação - O que está acontecendo - O que acontecerá - Posso escolher - Posso trocar - Quem irá chegar - O que posso fazer Noção de tempo - O que está acontecendo - O que irá acontecer - Qual a sequência dos acontecimentos Ferramentas que dão ORIENTAÇÃO - Dar atenção aos alunos - Utilização de formas de comunicação simples com figuras ou palavras escritas. Ferramentas visuais que estabelecem regras - Dizer o que fazer - Dizer o que não fazer - Definir recompensas - Definir consequências Ferramentas visuais para ensinar habilidades sociais - Utilização de figuras ou formas e desenhos em que os alunos possam entender de forma rápida e e fácil. - Não use quadros ambíguos nem complexos parta evitar que ocorra um colapso

5 Criando ferramentas visuais FAÇA : - Usar formas que o aluno entenda rapidamente e facilmente - Crie ferramentas que são universalmente entendidas. - Observar como os alunos respondem - Ensinar o que você criou - Utilizar ferramentas visuais em todos os ambientes Estratégias visuais A nossa meta é descobrir como usar etsratégias que possam apoiar uma comunicação visual que faça a diferença na vida do aluno CONVERSAR Este tipo de comunicação é significativo e altamente motivador. Os materiais podem ser feitos por nós mesmos. Com o PECs a criança terá uim pool ilimitado de comunicação. Qualquer pessoa que receber a figura ou foto entenderá o objetivo. O PECS é um excelente meio de comunicação para individuos com dificuldade motoras e que não conseguem realizar sinais, quando tulizado de forma frequente a criança assimila rapidamente e também rapidamente são generalizados para a vida da criança sem ter que ensinar a equipe de funcionários da escola e familiares. A figura é o sinal mais importante de um discurso para atender uma criança não verbal, evitando comportamento inadequado; Para o indivíduo verbal o pensamento é o sinal e o discurso é um formulário. FASES DO PECS Há 6 fases para se ensinar uma criança a utilizar o PECS. Estas fases devem ser ensinadas de forma se_ quencial onde o principal objetivo é aumentar a habilidade no aumento da comunicação. Fase 1: A primeira lição para iniciar o PECS é fazer com que a criança peça de forma espontânea artigos ou atividades. Esta primeira fase requer geralmente duas pessoas, professores ou membros da família para trabalhar com a criança O primeiro adulto deverá estar a frente da criança e manter o contato visual, este adulto será a pessoa com que nós queremos que a criança se dirija na maioria das vezes. O papel dos egundo adulto é permanecer atrás da criança e ajudá-la fisicamente para alcançar a figura de seu desejo, retirar e entregar ao primeiro adulto. Quando o primeiro adulto recebe a figura imediantamente o ítem solicitado pela criança é junto reforçado verbalmente ( Oh! Você quer coca -cola! ) O mais cedo possível o auxilio físico do segundo adulto dever ser retirado até que a criança consiga trocar de forma independente a figura pelo ítem. Objetivo da fase 1: O objetivo desta faze é que a criança inicie uma comunicação e também para que ela possa ser espontânea. Pais e profissionais devem resistir ao impulso - O que voce quer? Ou outros alertas verbais. A criança desde o início aprenderá a solicitar seu desejo de dentro para fora.

6 Fase 2: Nesta fase a criança deverá de forma confiante e independente solicitar um ítem desejado, este ítem de grande valor (reforçador). A criança é incentivada a utilizar esta forma de comunicação durante o dia inteiro e o ítem deve ser colocado a uma distância mais longa. Nesta fase é inserida nova figra, ou seja mais de um brinquedo, mais de um alimento, roupas etc... A criança também é incentivada a solictar ítens de sua preferência para os pais, familiares, professores, terapeutas, outras crianças etc. Nesta fase a criança já expandiu o vocabulário e aumentou o números de pessoas para que seus desejos sejam atendidos. Fase 3: Na terceira fase começamos a pedir que a criança discrimine entre um número de artigos em uma placa, fazendo escolhas a respeito de que ítem irá querer. O profissional ou pais, perguntam : o que voce quer fazer? Mostrando a placa, mas esta pergunta deverá ser desvanecida rapidamente assim que a criança consiga de forma espontânea fazer suas escolhas tão bem quanto responder uma pergunta. Deve-se iniciar esta fase com uma disposição pequena, geralmente 2 artigos. Quando a criança estiver mais segura para escolher um ítem de seu desejo, um terceiro deve ser adicionado e assim por diante até que a criança consiga encontrar um ítem de seu desejo dentro de uma disposição com várias figuras (6 em cada placa). Fase 4: Nesta fase a criança consegue com facilidade fazer um pedido para uma variedade de artigos, há uma variedade de pessoas e uma variedade de locais. A criança é ensinada a usar tiras de sentença e a fazer um pedido mais longo. A criança combinará uma figura eu quero com outra figura de seu ítem de desejo ou atividade. As duas figuras deverão ser unidas a uma tira da sentença e a tira inteira será entregue a outra pessoa que a criança está se comunicando e esta deverá entregar pelo ítem solicitado. EX: Fase 5: As fases 5 e 6 ocorrem ao mesmo tempo, onde é focalizada extensão diferente da habilidade da criança pela troca do item. A fase 5 estende a estrutura da sentença começada na fase. Os adjetivos e outras podem ser adicionadas ao repertório da crianla para ajudar que seu pedido se torne mais refinado. Exemplo: * quero 3 balas vermelhas * quero o tênis branco e azul * quero macarrão com queijo BATATA * quero passear no parque

7 Fase 6: A fase 6 do sistema PECS é um objetivo previsto na comunicação e no resultado previsto da criança pelo professor]agora é concluída na comunicação a figura: eu vejo eu escuto eu sinto e etc... A criança será ensinada a comentar os elementos do ambiente que vive. EU QUERO IR SHOPPING Quando se ensina um determinado vocabulário para uma pessoa, há uma expectativa de que os termos aprendidos seja utilizados. Quando a pessoa aprende a usar esse vocabulário constrói sua linguagem modificando sua forma de pensar e de se expressar. A modificação não depende exclusivamente da linguagem na qual a interação é feita. Todas as modalidades são válidas : gestuais, verbais, exposições às experiências e etc. Baseado nestas conclusões podemos ajudar a criar mais fases aumentativas? Exemplos da fase 7 A fase 7 do sistema PECS é o resultado da continuidade do trabalho previsto em uma comunicação aumentativa. Agora é incluida na comunicação as figuras com perguntas e respostas e frases mais complexas, sendo elas: O que? Onde? Quando? Quem? Porque que? O QUE? VOCÊ VER? EU VEJO 1UM PÁSSARO AZUL

8 Exemplos da fase 8 Dando continuidade a linguagem aumentativa e alternativa iniciamos neste momento a criança de textos simples e que são funcionais na vida diária. Esta também poderá ser a última fase para indivíduos que não conseguem chegar a fala. OlÁ EU QUERO BRINCAR VOCÊ Exemplos da fase 9 Nesta fase chega o momento de substituir figuras por palavras e colocar a fala junto com a palavra escrita da seguinte forma: Quando a criança sollicita : Eu quero bala A pessoa que está junto deve ajudar a criança a verbalizar junto apontando o indicador para sua boca e repetindo Eu quero bala Qualquer som produzido pela criança deve ser reforçado vrblamente isso muito bem e etc. EU VEJO ÔNIBUS Exemplos da fase 10 Este é o momento da retirada do PEC para indivíduo que contruíram uma linguagem verbal, visual e escrita. Este é um momento em que os profissionais / pais devem solicitar e verbalizar muito mais, mesmo que a criança procure o PECS. O PECS não deve ser retirado em sua totalidade mas de forma gradual. Materiais para criar o PECS Os símbolos usados em PECS possuem uma grande variedade de fontes. - bordmakers - desenho próprio - fotos e figuras de revistas, livros etc - fotografias: câmera, tradicionais e digitais - internet e cds cliparts - Criando livros PECS Os livros de seleção dos símbolos utilizados no PECS apresenta, uma variedade enorme de finalidades. Os livros de figuras baseados em atividades. Assim uma criança pode ter um livro que organize todos os símbolos que precisar usar: no carro; na casa da vovó; na escola; no mercado; no shopping, no quarto, na cozinha; no quintal; no clube etc

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO Nos últimos anos, numerosas equipas multidisciplinares têm dedicado esforços ao desenvolvimento de métodos e estratégias para:. aumentar a comunicação

Leia mais

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem

LAHMIEI - UFSCar. + DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA. + Por que linguagem é importante? + Como ensinar linguagem? Tipos de linguagem DSM-IV - Critérios Diagnósticos TEA Prejuízo qualitativo na interação social Prejuízos qualitativos na comunicação www.ijobasd.org Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades

Leia mais

Como Começar a Usar o PECS

Como Começar a Usar o PECS Como Começar a Usar o PECS PASSO 1 - As instruções que me foram dadas pela professora com treinamento no Teacch e pela fonoaudióloga da primeira escola que meu filho freqüentou são as seguintes: Eu deveria

Leia mais

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo Contornando os prejuízos de comunicação: Ensino de Comportamento Verbal Robson Brino Faggiani Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo 1 O que é Comportamento Verbal? 2 Análise Funcional

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA Dr. Márcio Borges Moreira Instituto de Educação Superior de Brasília Instituto Walden4 Conceitos Básicos Reforço Comportamento Consequência Punição

Leia mais

Programa para promover as competências numéricas

Programa para promover as competências numéricas Programa para promover as competências numéricas Luísa Cotrim, Teresa Condeço ACTIVIDADES PARA PROMOVER A LINGUAGEM E O AMBIENTE MATEMÁTICO EM IDADE PRECOCE A experiência do numérico nas actividades quotidianas

Leia mais

Workshops e Produtos

Workshops e Produtos Workshops e Produtos Serviços e produtos concebidos para melhorar a qualidade de vida das pessoas com Autismo e outras perturbações do desenvolvimento. A P yramid já treinou mais de 215.000 pais e profissionais

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Justin A. Haegele. Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015

Justin A. Haegele. Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015 Justin A. Haegele Adapted Physical Activity Symposium University of Brasilia Day 1: June 17 th, 2015 1 Para Pensar Ao preparar uma atividade para as crianças com autismo, um "professor deve planejar utilizar

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

Apêndice A Objetivos PEI

Apêndice A Objetivos PEI A Apêndice A Objetivos PEI Legenda: (A) = aluno; R+ = reforçador; E = esquerda; D = direita Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (PECS) Objetivos - Amostra (A)luno: Local: Fase Fase I Ao ver e

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls

Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls Boletim de Guia para os Pais das Escolas Públicas Elementar de Central Falls O objetivo principal do cartão de relatório elementar é comunicar o progresso do aluno para os pais, alunos e outros funcionários

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

CAPÍTULO 4. Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear. Procedimentos iniciais. Hierarquia auditiva

CAPÍTULO 4. Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear. Procedimentos iniciais. Hierarquia auditiva 24 GUIA PARA EDUCADORES CAPÍTULO 4 Professores: parte da equipe de apoio à criança com implante coclear Hierarquia auditiva Estágios do processo aprender a ouvir desenvolvimento da habilidade auditiva

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Ficar ao mesmo nível da criança

Ficar ao mesmo nível da criança Ficar ao mesmo nível da criança Ponha-se ao nível dos olhos com a criança, toque o braço dela ou diga o seu nome para que ela saiba que você está pronto(a) para fazer parte de uma conversação. Imitar De

Leia mais

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula.

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula. COMUNICAÇÃO VISUAL O tema da nossa primeira aula é a Comunicação Visual, que pode ser definida como todas as formas de expressão da linguagem que possam ter seus conteúdos apreendidos pela visão. A manifestação

Leia mais

Exemplos de alfabetização simbólica

Exemplos de alfabetização simbólica Exemplos de alfabetização simbólica 1. Conversa geral 2. Falando sobre... 3. Conversação 4. Anotando comunicação 5. Colocando o aprendiz em controle 6. Horários 7. Planejamento em grupo 8. Organização

Leia mais

DESENVOLVENDO AÇÕES NO AMBIENTE NATURAL PARA FAVORECER A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DE UM ADULTO COM DEFICIÊNCIA MENTAL GRAVE

DESENVOLVENDO AÇÕES NO AMBIENTE NATURAL PARA FAVORECER A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DE UM ADULTO COM DEFICIÊNCIA MENTAL GRAVE DESENVOLVENDO AÇÕES NO AMBIENTE NATURAL PARA FAVORECER A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DE UM ADULTO COM DEFICIÊNCIA MENTAL GRAVE Camila Graciella Santos Gomes 1 Rafael Alves de Souza 2 Rafiza Drumond Cedro Lobato

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

PS COMUNICAÇÃO PROFISSIONAL

PS COMUNICAÇÃO PROFISSIONAL Gino Cammarota PS COMUNICAÇÃO PROFISSIONAL Especializada em cursos, treinamentos, workshops, palestras e programas de apoio que abordam a Comunicação Comportamental e os Relacionamentos Interpessoais no

Leia mais

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita:

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: Nadia Browning Nadiabrowning@gmail.com Julho 2008, Porto Alegre Objetivo: proporcionar um conhecimento básico em COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA (CA) falada

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Princípios de Ensino e. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

Princípios de Ensino e. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva Princípios de Ensino e Programas de Aprendizagem Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva 1 Programando a Terapia Preparar ambiente especial para o ensino; Conhecer

Leia mais

Guia do Usário Rosetta Course

Guia do Usário Rosetta Course Guia do Usário Rosetta Course 7000502 ISBN 978-1-61716-391-3 Todas as informações neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. Este documento é fornecido apenas para fins informativos,

Leia mais

Guia do Usário Rede i

Guia do Usário Rede i Guia do Usário Rede i Sumário Capítulo 1: Iniciar o aprendizado com o Rosetta Stone.... 1 Acompanhar o curso.......................... 2 Selecionar o curso............................ 3 Iniciar o curso...............................

Leia mais

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas

Jovens do mundo todo Conheça outras culturas 5 a a 8 a séries Ensino Fundamental Jovens do mundo todo Conheça outras culturas Softwares Necessários: Microsoft Encarta 2000 Internet Explorer 5,0 Microsoft Publisher 2000 Microsoft Word 2000 Áreas:

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH Por: Aparecida Cristina de Freitas Sandra Aparecida Pondé Regiane Aparecida Ribeiro Professoras do Método Teach Apae de Quatiguá/PR Atualmente vários métodos

Leia mais

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo.

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo. Centro Educacional Mundo do Saber Maternal II Ano Letivo: 2013 Tema: A fazenda do tio Chico Professora: Heloiza Regina Gervin Plano Anual Eu sou tio Chico, um menino muito esperto e que adora brincar e

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE E SURDOCEGUEIRA E DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA Aspectos Importantes para saber sobre Surdocegueira e DMU Shirley Rodrigues Maia Sobre Conceito, Definição e Terminologia A surdocegueira é uma terminologia adotada mundialmente para se referir a pessoas

Leia mais

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Infantil Típico e Atípico 2 Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Desenvolvimento Atípico Presença de atrasos de desenvolvimento ou anormalidades no comportamento da criança quando comparado

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

COMPILADORES E INTERPRETADORES

COMPILADORES E INTERPRETADORES Aula 16 Arquitetura de Computadores 12/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber COMPILADORES E INTERPRETADORES Um compilador transforma o código fonte

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

Análise de um procedimento de comunicação funcional alternativa (picture exchange communication system)

Análise de um procedimento de comunicação funcional alternativa (picture exchange communication system) ISSN 1982-3541 Belo Horizonte-MG 2008, Vol. X, nº 1, 51-66 Análise de um procedimento de comunicação funcional alternativa (picture exchange communication system) Analysis of an alternative functional

Leia mais

Inspirados pelo Autismo

Inspirados pelo Autismo INSPIRADOS PELO AUTISMO Inspirados pelo Autismo Folheto Informativo Recrutando Voluntários no Programa Son-Rise As seguintes informações foram retiradas de um resumo do manual do Start-Up, o curso de introdução

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

Diversidade de experiências

Diversidade de experiências Aprender linguagem > 3 a 4 anos > VOCABULÁRIO Para ampliar seu conhecimento de mundo e seu vocabulário, as crianças precisam: Diversidade de experiências 1 Aprender linguagem > 3 a 4 anos > VOCABULÁRIO

Leia mais

Introdução à Terapia ABA. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva

Introdução à Terapia ABA. Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva Introdução à Terapia ABA Psic. Me. Robson Brino Faggiani Especialista em Terapia Comportamental e Cognitiva ABA Análise do Comportamento Aplicada O objetivo principal da Terapia ABA para as crianças diagnosticadas

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL]

2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] 2012/13 [PLANO ANUAL - AEC DE EXPRESSÃO MUSICAL] Plano Anual de Expressão Musical Ano Letivo 2012/2013 Introdução: Esta atividade pretende que os alunos fortaleçam o gosto natural pela expressão musical

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

PROGRAMA DE TRATAMENTO GAROTO

PROGRAMA DE TRATAMENTO GAROTO PROGRAMA DE TRATAMENTO GAROTO Terapeuta responsável: Robson Brino Faggiani 1. AVALIAÇÃO INICIAL 2. PROGRAMAÇÃO DA TERAPIA ABA O objetivo principal da Terapia ABA para as crianças diagnosticadas com autismo

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015

Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Planificação Anual 1º Ano AEC Expressão Musical 2014/2015 Unidades Conteúdos Competências Actividades Recursos/Materiais Unidade 1 Unidade 2 Primeira Abordagem lúdica de Sensibilização e exploração do

Leia mais

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção

Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Métodos de Intevenção Estruturada (TEACCH e ABA) Módulo 5: Processos de Intervenção + Análise Aplicada do Comportamento (ABA) Modelo de intervenção embasado no Behaviorismo Radical, de Skinner (O comportamento

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento

LIVRO DO PROFESSOR LIBRAS 1 O ANO 35. Espaços da escola. Encaminhamento Atividade 9 Espaços da escola Encaminhamento Leve os alunos para conhecer os espaços da escola: sala de leitura, informática, refeitório, quadra de futebol, parque, etc. Peça para os alunos registrarem

Leia mais

Uma Oportunidade Única de Negócio

Uma Oportunidade Única de Negócio Uma Oportunidade Única de Negócio no Setor de Ensino de Língua Ingles Por ser um empresário bem-sucedido, você certamente está em busca de novas oportunidades de ampliar seu negócio atual e maximizar o

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

pesquisa histórias arte jogos

pesquisa histórias arte jogos O Colégio Trevo oferece quatro anos de ensino na Educação Infantil: Mini Maternal,Maternal, Jardim I e Jardim II. Cada sala de aula possui ambientes exclusivos, onde alunos desenvolvem suas habilidades

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS

Updates. Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS. Updates do Desafio do Robô FLL WORLD CLASS Updates da Pesquisa FLL WORLD CLASS 2 ANIMAIS Para escrever a sua Questão da FLL WORLD CLASS, seu time precisa escolher um tópico em que uma PESSOA possa aprender. Tudo bem se há um animal envolvido em

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções?

Boa Saúde. crianças, como lidam com suas dificuldades e decepções? Amigos do Zippy Boa Saúde Nós cuidamos muito da saúde física das nossas crianças - cuidamos para que comam bem, estejam agasalhadas no tempo do frio, as motivamos para a prática de esportes e para se

Leia mais

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Fluxogramas PROFESSORA CINTIA CAETANO Problemas & Algoritmos Para resolver um problema através dum computador é necessário encontrar em primeiro lugar uma maneira de descrevê-lo

Leia mais

PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS

PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS PAINEL A MÚSICA NA LINGUAGEM DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS Tirza Sodré Almeida (graduanda em Licenciatura em Música) Universidade Federal do Maranhão - UFMA Resumo: O presente trabalho visa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016 EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES Ano letivo 2015/2016 3.º Ano Descoberta e organização progressiva de volumes Modelagem

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância

Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância Projeto Iniciação Musical no Jardim de Infância ( ) o movimento, o cantar e o tocar se tornam um todo ( ) Com base na espontaneidade dos jogos musicais e corporais das crianças, que têm, na sua base razões

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

A emoção de trabalhar com livros criativos nos reportam ao mundo das palavras que não podem ser ditas, somente sentidas em qualquer lugar e hora.

A emoção de trabalhar com livros criativos nos reportam ao mundo das palavras que não podem ser ditas, somente sentidas em qualquer lugar e hora. A emoção de trabalhar com livros criativos nos reportam ao mundo das palavras que não podem ser ditas, somente sentidas em qualquer lugar e hora. Bons livros são grandes companheiros que nos reportam a

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos Autoria: Patricia Araujo Nunes dos Santos Palavras-chave: Autismo, Brinquedos Eletrônicos e Aprendizagem

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Guias de Treinamento Treinando atletas da Special Olympics

Guias de Treinamento Treinando atletas da Special Olympics Guias de Treinamento Treinando atletas da Special Olympics Treinando atletas da Special Olympics Introdução Parte I: Perguntas freqüentes O que preciso saber sobre o atleta com deficiência intelectual?

Leia mais

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo Esta é a segunda edição do manual sobre o autismo, elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais