TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE NA CADEIA DO FRIO: O CASO TRU LOGÍSTICA E KARNEKEIJO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE NA CADEIA DO FRIO: O CASO TRU LOGÍSTICA E KARNEKEIJO."

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de TERCEIRIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE NA CADEIA DO FRIO: O CASO TRU LOGÍSTICA E KARNEKEIJO. Solano Mineiro de Sousa Filho (UFRPE) Luiz Andrea Favero (UFRPE) Reginaldo José Carlini Junior (UFRPE) O objetivo deste artigo é descrever a terceirização de serviços logísticos na gestão da cadeia de suprimentos de alimentos climatizados, tendo como objeto de estudo a relação entre a Tru Logística, operador logístico especializado em gestãoo da cadeia do frio, e a KarneKeijo maior empresa de distribuição atacadista do Brasil no segmento de frigorificados na atividade de transporte. No que se refere aos instrumentos de coleta de dados foram utilizados a entrevista, as pesquisas bibliográfica e documental e a observação, caracterizando, assim, de acordo com a classificação de dados uma pesquisa de natureza qualitativa. Os dados obtidos revelaram que mesmo a Tru Logística fazendo parte do grupo KarneKeijo, são empresas independentes, com um modelo organizacional bem definido e papéis assegurados dentro de uma governança coerente, executados com a independência necessária para manutenção da individualidade organizacional. Palavras-chaves: Cadeia do Frio; Terceirização; Logística e Transporte

2 1 Introdução A expansão da economia brasileira seguida de sua estabilização, bem como da queda da inflação, aumentaram o acesso dos brasileiros aos bens de consumo. A condição de mercado aberto ampliou e diversificou a oferta direcionada ao novo poder de compra dos brasileiros. As mudanças nos hábitos dos consumidores atingiram em diferentes níveis todos os setores de bens de consumo, principalmente o setor de alimentos. Tais mudanças direcionam o segmento atacadista, distribuidor e de serviço ao aperfeiçoamento de seus modelos de atuação para se adaptar às novas características impostas pela globalização, bem como às novas perspectivas do mercado interno. Este movimento tem inicio a partir da década de 1990, onde, o novo paradigma econômico gerou uma notória diversificação de produtos na mesa do consumidor. Tais condições revelaram a necessidade de adaptação do modelo de distribuição, impulsionada pelo incremento no número de variáveis complicadoras no que se refere à gestão de suprimentos para os mercados varejista, industrial e de food service, ocasionando a necessidade da terceirização logística de suprimento e distribuição. Haja vista, a ampla necessidade de investimentos em estrutura, armazenagem, estocagem, distribuição e climatização, bem como a necessidade de foco no core business por parte dos contratantes. Tanto a indústria de alimentos quanto o setor supermercadista perceberam que com a climatização a gestão da cadeia de suprimentos teria que se especializar. O padrão de integração haveria de mudar para uma terceirização estruturada por ser esta uma atividade crítica, de alta responsabilidade, pois envolve segurança alimentar, algo ligado diretamente à saúde do consumidor, e é governado por uma rígida legislação. Cada vez mais preocupadas com seu core bussiness, as organizações, citadas acima, estão terceirizando algumas de suas atividades. A terceirização é a procura externa por parte das empresas por um serviço que provenha soluções capazes de suprir a operacionalização de um ou vários processos que não fazem parte do negócio principal dessa empresa. A eficiência do operador logístico é um fator estratégico para a empresa contratante que tem que optar entre integrar ou terceirizar sua logística. Essas empresas buscam os operadores logísticos para reduzir seus custos, seu tempo e prazo de entrega, aumentar sua flexibilidade de operação e melhorar o nível de seus serviços, focando seus esforços e competências em suas atividades fins, reduzindo, assim, o risco de investimentos, principalmente nos ativos logísticos. A cadeia do frio é definida como sendo o processo de circulação e manipulação dos produtos desde a produção até o consumo final com a manutenção de temperatura e umidade adequadas à sobrevida de produtos perecíveis, isentando-os de contaminação bacteriológica e da adulteração de suas especificidades intrínsecas, mantendo seu cheiro, cor, sabor e aparência no prazo de validade. Uma empresa que vem se destacando no setor de terceirização de serviços logísticos para a cadeia do frio é a Tru Logística líder de mercado nas regiões Norte e Nordeste do país, sendo referência de benchmark para outras empresas do setor. A empresa se insere na Cadeia do Frio de indústrias de alimentos, rede varejista, restaurantes, padarias, lanchonetes, lojas de conveniência, mercados locais, refeições coletivas, hospitais, entre outros segmentos do food service em geral. A Tru Logística trabalha com a recepção, armazenagem, paletização, separação de pedidos, cross-doking, distribuição e coleta de produtos refrigerados, congelados e secos. Prestando serviços de logística a empresas como Wall Mart e Kibon, A Tru insere-se na cadeia do frio de alimentos, operando três grandes grupos de produtos climatizados, sendo 2

3 eles, os congelados, resfriados e refrigerados. No caso dos congelados, é necessário que o produto entre congelado na câmara, ou seja, deve-se congelar o produto fora da câmara frigorífica, pois ela não foi preparada para congelar e sim para manter o congelamento, exceção feita aos túneis de congelamento rápido. No caso dos resfriados e refrigerados, as exigências são menores devido às temperaturas mais altas e às menores perdas, mas os cuidados devem ser os mesmos, apenas em escala menor. O armazém multi-temperatura da Tru Logística está construído em uma área de m2, onde são movimentadas por mês, em média, 11 mil toneladas de produtos refrigerados, congelados e secos. A empresa possui posições pallets de congelados, de resfriados e de secos. A área total construída para armazenagem dos produtos é de m2, destinada a produtos congelados com temperaturas de 25ºc a 20ºc, m2 para produtos resfriados com temperaturas de 2ºc a 15ºc e m2 para produtos secos com temperaturas de 26ºc a 29ºc. Vale ressaltar que os produtos resfriados, refrigerados e congelados representam 90% do faturamento da empresa enquanto os produtos secos representam 10%. Observa-se que a Tru Logística opera com recepção e expedição paletizada, o que configura um bom critério de rateio para os custos de movimentação, pois quantifica os custos pelo número de pallets expedidos de cada produto. O consumo dos recursos se dá pela movimentação da empilhadeira, que carrega sempre um pallet, independente da quantidade de produtos ou caixas nele contida. A distribuição e coleta são feitas por uma frota com 47 caminhões, sendo 22 próprios que percorrem em média km por mês, realizando algo em torno de entregas, o que significa o transporte de toneladas por mês. Em relação ao manuseio dos produtos, a empresa consegue separar e carregar uma carreta com até 200 pedidos em pouco mais de 30 minutos, é prática a simultaneidade de carregamento. Sendo assim, este artigo tem como objetivo compreender como ocorre o processo de terceirização de serviços logísticos da cadeia do frio, através da análise das atividades de coordenação e operação de transportes pertinentes a esta cadeia, geridos pela Tru logística através da análise de sua relação com a maior empresa de distribuição atacadista do Brasil no segmento de frigorificados, segundo o ranking da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores (ABAD/ 2006). É importante destacar que a TRU Logística faz parte do Grupo KarneKeijo, que é constituído por mais quatro empresas, sendo a KarneKeijo distribuidor e frigorífico, Unidade de Serviços Compartilhados (USC), KarneKeijo Food Service e o DesKontão atacado. 2 Revisão de literatura 2.1 Terceirização como solução logística para produtos alimentares Há, certamente, um cenário de crescente customização e complexidade, principalmente na logística agroalimentar por elencar fatores como congelamento, refrigeração e perecibilidade. A complexidade agregada a produtos perecíveis impulsiona a necessidade de colaboração dos diversos agentes da cadeia produtiva e de suprimentos. Ações como segmentação de fornecedores, composição de parcerias e instrumentos de governança figuram como premissa para obtenção de eficácia sobre a concorrência. Um exemplo clássico dessa problemática é o enfoque em custos, que, devido à climatização, aumentam em média 30%, tanto na armazenagem quanto na distribuição em relação a uma operação com produtos secos (POZO, 2004). 3

4 Como em outros segmentos produtivos do país, existem problemas de infra-estrutura que justificam a dependência de acertos precisos na estratégia de terceirização de serviços logísticos capazes de agregar valor, principalmente nos quesitos de armazenagem, estocagem e transporte. De acordo com Fleury e Wanke (2003), os motivos mais citados para a terceirização logística são, por ordem de freqüência, a redução de custos: 83%, o Foco no Core Business: 76%, o aumento da flexibilidade: 68%, e a redução de investimentos em ativos: 67%, e o aumento dos níveis de serviços: 57%, aumentar eficiência operacional: 44%, geração de novas soluções logísticas: 35%, melhoramentos em tecnologia de informação: 30%, aumento do controle sobre a logística: 29%, e expansão de mercado 22%. Segundo Abrahão e Soares (2007), a terceirização de serviços logísticos pode ser dividido em atividades básicas, intermediárias e sofisticadas. Entende-se por atividades básicas o transporte in bound, out bound, transferências, e desembaraço aduaneiro. As atividades intermediárias incluem armazenagem, milk run e gerenciamento de transporte multimodal. Por fim, as atividades sofisticadas são compostas por gestão de estoques, e montagens de kits e projetos logísticos. 2.2 Operador Logístico: Conceito Com a finalidade de se buscar a redução de custos e investimentos em infra-estrutura ou de conseguir maior eficiência e flexibilidade em determinados serviços logísticos, os operadores logísticos têm atuado preferencialmente em atividades de transporte e armazenamento, tanto na logística de suprimento quanto na de distribuição. Existem várias denominações normalmente utilizadas na literatura para designar empresas prestadoras de serviços logísticos, tais como: provedores de serviços logísticos terceirizados (third-party logistics providers ou 3PL), provedores de logística integrada (integrated logistics providers), empresas de logística contratada (contract logistics companies) e operadores logísticos (logistics operators). Segundo Gardner (1994 apud FLEURY, 2007), o termo third-party logistics (3PL) começou a ser utilizado na década de 80, como um sinônimo de subcontratação de elementos do processo logístico. O operador logístico é um fornecedor de serviços para integração da logística, busca atender com total eficácia as necessidades das empresas nessa área. Os operadores logísticos podem ser percebidos por proporcionar ativos móveis e imóveis, know-how, seguridade de cargas e serviços de gestão. Fleury (2001) define operador logístico como um fornecedor de serviços logísticos integrados, capaz de atender a todas ou a quase todas as necessidades logísticas de seus clientes, de forma personalizada. Conclui-se que o operador logístico é uma empresa prestadora de serviços, especializada em gerenciar a armazenagem, estocagem e transporte de maneira total ou parcial nas várias fases da cadeia de suprimento de seus clientes, agregando valor seja por estratégia de custo ou de qualidade. Na operação para indústrias agroalimentares, destaca-se das demais, a necessidade de controle de perecibilidade, manutenção da temperatura, processos de conferência de especificidades, milk run com características sofisticadas com práticas de Just-in-sequence para produção industrial de alimentos, montagem de pickins, armazenagem, estocagem e distribuição climatizada, e, planos de distribuição compatíveis com todos os controles sanitários regulados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF). 4

5 Tais fatores proporcionam custos adicionais, seja pela necessidade de manutenção da cadeia do frio, ou seja, pela notória complexidade gerada pelo conjunto de fatores intrínseco a gestão da cadeia de suprimentos de produtos climatizados. 2.3 Atividades logísticas A logística era vista apenas como um meio de as empresas distribuírem os seus produtos no mercado. A preocupação era, exclusivamente, com a distribuição de produtos acabados na cadeia de suprimento. No entanto, todo o contexto no que se refere à movimentação de produtos sofreu modificações. As mudanças que vêm acontecendo no cenário mundial como, por exemplo, a redução dos ciclos de vida dos produtos e a exigência cada vê maior dos clientes por produtos da mais alta qualidade, fazem da logística um meio pelos quais as empresas podem obter diferenciais competitivos. Podemos entender logística como o gerenciamento do fluxo físico de materiais que começa com a fonte de fornecimento no ponto de consumo. É mais do que uma simples preocupação com produtos acabados, o que era a tradicional preocupação da distribuição física. Na realidade, a logística está preocupada com a fabrica e os locais de estocagem, níveis de estoques e sistemas de informação, bem como com seu transporte e armazenagem. (CHING, 1999, p ). A preocupação atual está com a escolha do melhor modal de transporte, com a definição dos melhores armazéns, com a otimização dos níveis de estoques em todos os elos da cadeia, com o sistema de informação, com a redução do lead time com o melhor manuseio dos materiais e com uma programação de produção eficiente. A logística tem como objetivo movimentar materiais nos ambientes interno e externo à empresa, desde o seu ponto de origem até o seu ponto de consumo. As atividades logísticas são divididas em atividades primárias e secundárias. Vale ressaltar que uma questão coordenada entre essas atividades possibilita a empresa oferecer aos mercados que atua e/ou serviços mais competitivos, ampliando, assim, as chances de satisfazer aos seus diversos clientes. De acordo com Ching (1999), as atividades primárias são essenciais para o cumprimento da função logística, e contribuem com o maior montante do custo total. Estas atividades são o transporte, controle de estoques e o processamento de pedidos. Por outro lado as secundárias exercem a função de apoio as atividades primárias na obtenção dos níveis de bens e serviços requisitados pelos clientes. Essas atividades são armazenagem, o manuseio de materiais, a embalagem de proteção, a programação de produção e a previsão de vendas. 2.4 Transporte O transporte é uma das principais funções logísticas. Além de representar a maior parcela dos custos logísticos na maioria das organizações, tem papel fundamental no desempenho de diversas dimensões do serviço ao cliente. Do ponto de vista de custo, representa, em média, cerca de 60% das despesas logísticas, o que, em alguns casos, pode significar duas ou três vezes o lucro de uma companhia (NAZÁRIO, 2000, p. 126). O transporte é utilizado pelas empresas para disponibilizar os produtos nos diversos pontos de consumo existentes dentro dos prazos acordados e nas condições de entrega préestabelecidas. É o elo entre as colunas da logística, ou seja, ele une o fornecedor de matériaprima à indústria, esta ao canal intermediário, este ao canal de varejo. Para cada intervalo o uso de um tipo de transporte diferenciado pode ser a melhor opção de escolha e uma estratégia para a maior eficiência da logística. 5

6 Os tipos de transporte utilizados são denominados de modais. A escolha pelos modais dependerá do nível de serviço ofertado e dos custos associados. Os cinco modais de transporte básicos são o ferroviário, o rodoviário, o aquaviário, o dutoviário e o aéreo. (NAZÁRIO, 2000, p. 129). A escolha por cada modal dependerá das características do produto, do cliente, e dos aspectos operacionais. Vale ressaltar que cada uma dessas modalidades de transporte possuem características distintas, também, no que se refere a custo e aos serviços prestados. Segundo Abrahão e Soares (2007) as principais questões normalmente envolvidas no processo de terceirização da atividade de transporte são as seguintes: controlar o risco de dependência por parte do embarcador em relação à (s) transportadora (s) selecionada (s); garantir flexibilidade operacional e mecanismos de contingência; evitar excesso de complexidade na gestão dos PSL s; promover atratividade ao mercado de transportadoras e escala mínima de operação; maximizar a utilização dos ativos de transporte; e possibilitar o aproveitamento da especialização geográfica e de competências das transportadoras. Há de se considerar na decisão quanto à terceirização o controle do risco de dependência, tendo em vista a transferência de informações e responsabilidades do embarcador à transportadora. Esta a partir desse momento detém os ativos da empresa, bem como, informações-chave e know-how, que podem vir a ser um considerável risco à estratégia da empresa, em virtude da formação de um quadro de dependência excessiva com relação ao operador logístico, o que gera um alto custo de mudança e, assim, perda do poder de barganha por parte do cliente. Abrahão e Soares (2007), ainda afirmam que os riscos são ampliados pela possibilidade do desenvolvimento de um comportamento oportunista por parte do operador logístico. Por conhecer a operação e já ter desenvolvido as capacitações para fazê-la, a transportadora pode acreditar que possui uma posição de vantagem sobre a concorrência, assumindo uma postura menos comprometida e eficiente. Algumas questões devem ser levadas em consideração nesse momento. No entanto, a utilização de um único operador logístico não é necessariamente um fator negativo. Pode-se ainda ressaltar a complexidade na gestão sobre vários operadores logísticos levando à ampliação dos custos de transação do cliente através dos custos indiretos, associados ao esforço desprendido por diferentes equipes de logística ou suprimentos para negociação com diversos fornecedores, bem como à manutenção de controles aplicados a um número extenso em transportadores com diferentes perfis. Fatores como a manutenção de padrões uniformes de operação e construção de mecanismos de difusão do aprendizado na base das transportadoras ainda contribuem com a redução do número de transportadoras. Abrahão e Soares (2007) destacam os seguintes fatores para a decisão quanto à terceirização do transporte: número máximo de transportadoras a serem contratadas; gestão de contratos central ou local (realizado, por exemplo, por regionais e filiais; responsabilidade pelo controle de desempenho operacional; mecanismos de difusão de melhores práticas entre transportadoras. A logística envolve a movimentação de produtos (matérias-primas, peças, produtos semi-acabados e acabados) do ponto-de-origem ao ponto-de-consumo. Um produto produzido em um determinado ponto tem pouco valor para o cliente em potencial, a menos que seja transportado para outro ponto onde será comercializado e finalmente consumido. O transporte consegue a movimentação e a circulação de produtos através do espaço ou distância, criando utilidade e valor ao lugar. A utilidade de tempo é, em sua maior parte, criada ou adicionada pela guarda e armazenagem do produto até que ele seja necessário. O transporte é fator determinante para a dinâmica de gestão da cadeia do frio, pois determina 6

7 com que rapidez e consistência um produto se move de um ponto para o outro, conhecido como tempo-em-trânsito e consistência de serviço. Se um produto não estiver disponível na data exata em que se precisa dele, poderá haver repercussões dispendiosas, tais como vendas perdidas, insatisfação do cliente e parada da produção. 3 Metodologia Este artigo tem como objeto de estudo a interação empresarial entre a Tru Logística na operação de transporte e a maior empresa de distribuição atacadista do Brasil no segmento de frigorificados a KarneKeijo. Fez-se uso do método de estudo de caso, tendo esse uma abordagem qualitativa, amplamente utilizada no âmbito das Ciências Sociais Aplicadas, principalmente no que diz respeito à Administração de Empresas. Segundo Yin (2001), o estudo de caso é uma inquirição empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de um contexto da vida real, quando a fronteira entre o fenômeno e o contexto não é claramente evidente e onde múltiplas fontes de evidência são utilizadas. No que se refere ao tipo de pesquisa, trata-se de uma pesquisa descritiva, pois o artigo apresentado tem como objetivo descrever todo o processo de terceirização de serviços logísticos da cadeia do frio através de análises do processo de transporte entre a Tru Logística e a KarneKeijo. Gil (1991, p.46), afirma que as pesquisas descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis. Foram utilizados quatro procedimentos técnicos: entrevista; pesquisa bibliográfica; pesquisa documental; e a observação. As entrevistas realizadas na Tru Logística foram do tipo não-estruturada onde o roteiro definido não foi seguido à risca, havendo, assim uma flexibilização em sua condução. É importante destacar que durante as entrevistas foi utilizado um gravador, na qual todas as respostas eram devidamente gravadas e, posteriormente, transcritas e analisadas. As entrevistas foram realizadas, com os gestores da Tru e da KarneKeijo. A pesquisa bibliográfica, de extrema importância, foi desenvolvida com o objetivo de agregar conhecimento teórico aos autores deste trabalho e de solidificar, dando credibilidade aos resultados obtidos. Outras fontes de informações foram as análises dos documentos cedidos pela Tru que foram devidamente analisados e interpretados. Uma importante e relevante fonte de coleta de dados, utilizada na elaboração deste trabalho foi a observação dos fatos ocorridos. Richardson (1999, p. 259) afirma que a observação, sob algum aspecto, é imprescindível em qualquer processo de pesquisa científica, pois ela tanto pode conjugar-se a outras técnicas de coleta de dados como pode ser empregada de forma independente e/ou exclusiva. Vale ressaltar que existe a observação participante e a não-participante. Na primeira o pesquisador participa, como integrante, do fenômeno pesquisado. Por outro lado na observação não-participante este é um mero espectador. Em ambas o pesquisador observa a ocorrência do fenômeno e faz os devidos registros. Os autores deste trabalho utilizaram a observação do tipo não-participante. Este procedimento foi utilizado em todas as áreas logísticas da usina. Vale ressaltar que os dados coletados são de natureza qualitativa dado aos instrumentos de coleta utilizados e a não utilização de um tratamento estatístico. 4 Análise dos Resultados 7

8 4.1 Tru Logística e KarneKeijo Distribuidora: relação entre as empresas Como foi relatado anteriormente, a Tru Logística faz parte do Grupo KarneKeijo, que é constituído por mais quatro empresas, sendo a KarneKeijo distribuidor e frigorífico, Unidade de Serviços Compartilhados (USC), KarneKeijo Food Service e o DesKontão atacado. A KarneKeijo distribuidora e frigorífico é cliente da Tru Logística. A empresa é responsável pela operação logística executando armazenagem e distribuição dos produtos da empresa. Essa análise está focada na relação para operacionalização do transporte de produtos. As atividades principais da Tru logística para com a KarneKeijo se dão na recepção de produtos, formação de carga, faturamento e devolução de produtos. Há interação do setor de logística da KarneKeijo com a Tru Logística é dada de forma gerencial, ficando a cargo do operador apenas a execução do processo. 4.2 Recepção e armazenamento de cargas A entrega de mercadoria segue os trâmites de manuseio físico estabelecidos pela Tru Logística. Os veículos descarregam e todo o material que é conferido pelo operador logístico através de uma guia cega, que é repassada para o setor de logística da KarneKeijo que inspeciona o pedido de compras, a guia cega e a nota fiscal. São inspecionados os valores em moeda corrente, as quantidades, o valor social, o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), entre outras referências. Após essa conferência, há o registro dos dados no sistema e gerada uma Ordem de Transferência (OT), constando o endereço de cada produto a ser armazenado no Centro de Distribuição (CD). A OT é enviada para a Tru Logística que recepciona o veículo, faz a descarga dos produtos e inicia o processo de formação dos pallets, de acordo com o endereçamento determinado na OT. Vale ressaltar que essa guia só contém informações nominais. A Tru Logística não sabe qual o valor da carga trazida pelo veículo. Sabe-se qual é o produto e sua marca. O processo de armazenamento é feito de acordo com o registro da quantidade, do endereço e da data de validade, sendo essa considerada importante fator de controle do estoque. Após a conclusão do serviço operacional a guia sobe novamente para o setor de Logística da KarneKeijo, onde os dados são inseridos no sistema e há uma verificação das quantidades anteriormente lançadas. Esse processo identifica possíveis perdas por extravio na operacionalização da recepção e armazenagem feita pela Tru Logística. Com a consolidação dos dados, é gerada uma ordem de serviço para o setor financeiro da KarneKeijo, que efetua o pagamento e a liberação do motorista responsável pela entrega. Caso exista alguma divergência, inicia-se uma re-contagem dos produtos. Caso se confirme a falta de produtos é emitida uma nota de devolução para o fornecedor. Caso exista sobra, comunica-se o fornecedor para a emissão de uma nota fiscal do produto que é incorporada ao estoque. 4.3 Formação de carga Existem características intrínsecas ao negócio da KarneKeijo que valem ser ressaltadas em sua gestão logística. Uma delas é a variedade do peso dos produtos. Após a formação de carga, as guias para montagem física dessa carga vão para a Tru Logística que tem de se ater com a pesagem dos produtos, pois, cerca de 80% apresenta peso variado. Por se tratar em grande parte de produtos frigorificados, cada unidade tem um peso variado, sendo necessária a manipulação de líquidos. O exemplo mais representativo segundo a empresa, são os cortes de carne que não conseguem apresentar um peso padrão por conta da variação de líquido, 8

9 ficando a cargo da Tru Logística a manipulação e pesagem do produto para que o cliente receba exatamente o que pagou. Ainda na gestão da formação de cargas, o setor de logística da KarneKeijo faz a separação da carga por transporte, em cada veículo vão vários produtos de vários clientes, seguindo as restrições intrínsecas à carga. Porém, para que a Tru Logística possa operacionalizar a formação de carga, a separação é feita de acordo com a linha de armazenagem da empresa. Sendo assim, os valores inerentes de cada produto para cada carro já vem referenciados, ficando a cargo do operador apenas a movimentação dos valores do CD para o veículo. A KarneKeijo utiliza três tipos de câmaras diferentes, sendo para carga seca, resfriada e congelada. Então, a guia de formação de carga também é feita por tipo de câmara. Existem equipes especificas para cada câmara, em cada guia há a notificação especificando em qual pallet deve ser recolhido o produto, com as guias por faturamento há a manipulação. A manipulação deve revelar a quantidade real que foi separada. Se o pedido foi de 25 kg e há apenas 24,9 Kg o valor dever ser acusado para que na segunda manipulação seja consolidado o valor real do peso do produto. A segunda manipulação é necessária, pois a quantidade de itens é muito grande por veículo e um erro no faturamento traz grandes complicações. Todos os produtos estão contidos em caixas, sendo assim, não há incidência de contaminação por cheiro e líquidos. Outro fator importante do uso do sistema de caixarias, é a facilidade na unitização da carga, que depende quase que exclusivamente do fator peso em sua distribuição na cápsula de transporte. O planejamento para unitização é feito pelo sistema SAP, que conduz o plano de unitização estabelecendo a provisão de vários dados para auditoria logística, além de todo o controle de produtos que saem do CD. 4.4 Romaneio Após a segunda manipulação, é feita a fatura. Emitem-se as notas fiscais, que hoje saem em quatro vias. A primeira, a terceira e a quarta são dos clientes, a segunda fica como arquivo. A terceira e a quarta quando a entrega necessita de tráfego em rodovias estaduais e nacionais e há inspeção no trajeto, ficam no posto fiscal. Quando o transporte é feito em região metropolitana, o cliente recebe a primeira a terceira e a quarta. É impreterível que o cliente receba a primeira via. Com as vias das notas fiscais o motorista recebe a ficha de romaneio com a seqüência de entregas que será feita. No romaneio consta o cliente e quais e quantos produtos serão descarregados. A unitização da carga na cápsula de armazenagem já é disposta para facilitar essa operação. Há também a forma de cobrança e o embasamento para a prestação de contas do motorista. 4.5 Logística reversa Como toda empresa que participa da cadeia do frio, a logística reversa é um fator crítico por conta da perecibilidade e da perda de qualidade. Esse fato é mais danoso em rotas de viagem. Dada a maior exposição a variações termais, é normal que haja perdas, pois há uma faixa de resgate que não cobre o custo de transporte. Some-se o fato de que um baú com uma única caixa que retorne de uma viagem interestadual, por mais que a capacidade de condicionamento climático seja eficiente, ou por mais que o veículo seja capaz de cumprir o tempo correto de translado, haverá perdas de qualidade. Por conta do acúmulo de calor 9

10 instalado na célula durante o manuseio de descarga que por conseqüência gera uma variação termal ocasionando uma discrepância na cadeia do frio. A empresa executa, então, um trabalho exigente, distribuindo protocolos de ação para evitar possíveis perdas, gerando fatores de responsabilidade com o transporte e o armazém. Esses pacotes de processos logísticos são chamados de Movimentação e Armazenagem (MEA), que também se estendem à participação da equipe comercial quanto à solução de problemas com logística reversa. O trabalho é desenvolvido visando à diminuição da logística reversa, e passa por fatores de manutenção da qualidade do produto até negociações por parte do setor comercial com o comprador. Sendo assim, a interação entre cliente e motorista é relatada a central, que entra em contato o vendedor para que esse entre em negociação com o cliente a fim de minimizar possíveis perdas. A integração da cadeia é amplamente utilizada neste momento. Dentro dos níveis de conformidade é preferível um desconto ao cliente que o custo de transporte reverso, pois o gasto com combustível extra na volta, usado para o condicionamento na temperatura para manter a qualidade de um produto que já sofreu agressões por calor, é insolvente em muitos casos. Os produtos que retornam são re-analisados para que sua qualidade seja comprovada. Caso estejam em ordem, retornam para o estoque, caso contrário irão para o estoque de avarias ou serão liquidados. 4.6 Roteirização Nessa etapa do processo, é planejada a roteirização a ser seguida pelos veículos que farão as diversas entregas. Nesse momento é constituída a ficha de romaneio citada no tópico anterior. Esse processo determina o percurso feito para as entregas e segue certos preceitos. Nas regiões metropolitanas o encaminhamento é feito por bairros. Na área de viagem, que se pode entender como rotas principais das rodovias federais e estaduais, o encaminhamento é feito por cidade. Devem-se considerar dois limitadores ressaltados pela empresa, sendo eles o peso e a quantidade de notas. Pode-se entender o fator peso como limitador para entregas urbanas, por necessitarem de veículos de porte menor por conta do tráfego e da compatibilidade do veículo com seu trajeto, principalmente quanto a altura máxima, peso e a área para manobra de docagem. A quantidade de notas denota a quantidade de paradas e o tempo de entrega em cada estabelecimento. Sendo assim, a cadência de entregas deve perceber uma função corroborativa entre o tamanho da carga e a quantidade de notas de entrega, que dizem respeito tanto às frações por cliente quanto à quantidade de paradas. A distorção do valor ótimo provoca em uma faixa menor a insolvência do processo e o desperdício de recursos, bem como para uma faixa maior a ineficiência da entrega que gerará atrasos e descontrole do processo. Sendo assim, existem rotas que são concluídas em dois, três e até quatro dias de entrega, cada uma, com média de sessenta a setenta notas. É normal que o vendedor da KarneKeijo agende em uma segunda-feira, e a entrega seja feita na quarta-feira. O espaço de quarenta e oito horas supre bem o giro da operação. Há uma integração de informações do setor de vendas quanto às rotas de entrega. Os vendedores têm consciência dos cronogramas de entregas em sua área de atuação, e mantêm os clientes informados sobre as opções acessíveis em seu endereço. São trinta e cinco veículos da Tru Logística, divididos em três tamanhos, sendo parte compostas de caminhões menores que comportam em torno de e quilos, também 10

11 são utilizados caminhões tipo toco que carregam em torno de Kg e, por fim, caminhões tipo truck que comportam o transporte de Kg. A média de movimentação gira em torno de notas/noite, o que representa uma média de 180 tonelada/noite. Para o transporte total dos pedidos, a KarneKeijo necessita fazer uso da frota de agregados, pois a Tru Logística não comporta todas as suas necessidades. São agregados em torno de quinze veículos, dependendo do dia da semana, de quarta-feira a sextafeira há um fluxo maior. O espaço de tempo entre rotas é dividido em três grupos. As rotas diárias englobam a região metropolitana do Recife, João Pessoa e Caruaru. Fora desses locais, existem rotas com uma, duas ou três saídas por semana, dependendo da necessidade dos clientes. A região metropolitana do Recife agrega em torno de 40% das operações. As entregas para outros estados também são feitas em áreas metropolitanas. A análise dos resultados e do desempenho é feito por rotas. Para a KarneKeijo o maior custo é o de transporte, sendo esse fluxo operacional maior que o fluxo de armazenagem, logo para um melhor desempenho financeiro a empresa busca uma melhor eficácia nessa atividade, desenvolvendo o conhecimento sobre a roteirização e consolidação de cargas. Existem em torno de 25 a 30 rotas pré-estabelecidas, onde circulam em torno de 50 caminhões. Há uma mudança prevista de acordo com a sazonalidade, que ocorre com maior relevância na semana santa, feriado de quatro dias referente à páscoa, onde há uma média de expedição de 300 toneladas/noite. Toda a cadeia é gerenciada pelo setor de logística da KarneKeijo e pela Tru Logística, seu único operador. Entre outras funções, a KarneKeijo planeja a formação de carga e passa as necessidade para Tru logística que disponibiliza a escala de motoristas e veículos disponíveis. Essa interação visa pré-estabelecer o motorista e o veículo mais adequado para a rota, tendo em vista que tanto o conhecimento das peculiaridades da rota quanto a dos horários de tráfego para melhor itinerário na entrega para cada cliente facilitam uma melhor operacionalização do processo. Porém, faz-se necessário um rodízio para que outros motoristas ganhem experiência na execução das várias rotas a fim de se manter a qualidade e o padrão do serviço de entregas. 4.7 Rastreamento A Tru Logística utiliza para gestão de risco no transporte de cargas os serviços da CSP, empresa especializada no ramo de rastreamento. O sistema consiste em um equipamento para monitoramento de veículo, o AutoCap. Esse equipamento possibilita a transmissão de imagens da cabine ou da carga, efetuação do bloqueio de combustível, acionamento do alarme de maneira remota, verificação do travamento das portas e do funcionamento do veículo; acompanha a distância percorrida, verifica se o engate de quinta-roda está conectado, bloqueia a trava da quinta-roda, verifica a temperatura do baú frigorífico, e por fim bloqueia a trava da porta do baú. O equipamento AutoCap é utilizado em conjunto ao sistema RODOCAP, que é um software desktop para o controle e monitoramento do veículo em particular ou de toda a frota. Trata-se de um software de rastreamento via satélite, que possui um mapa que possibilita a visualização da posição do veículo através das suas coordenadas GPS, fazendo o registro da rota percorrida, bem como a obtenção da telemetria dos veículos, analisando entre outros a distância percorrida e notificações de acionamento do botão de pânico. O sistema também permite o envio de informações, comunicando-se com o sistema embarcado para traçar uma nova rota a ser percorrida e cerca eletrônica, que define a região geográfica onde o veículo pode atuar avisando o motorista e a empresa se o mesmo sair da 11

12 área especificada. Por fim, o sistema emite relatórios simples ou detalhados sobre vários eventos mecânicos ocorridos no veículo. 5 Considerações finais A manutenção da Cadeia do Frio no Brasil se mostra como uma questão de necessidade, posto que o nível econômico e social dos consumidores cresce atrelado ao desempenho econômico do país, tornando-se um mercado atraente para grandes companhias do cenário alimentício mundial e solo fértil para o crescimento de empresas nacionais desse setor. Para que a cadeia de suprimentos se ajuste às exigências de um mercado mais dinâmico e que atenda prontamente às exigências do consumidor, renovam-se os elos entre os operadores logísticos, as indústrias, o auto-serviço, bem como atacadistas e distribuidores. A distribuição é o elo estratégico da cadeia de abastecimento, e nos últimos dez anos, está passando por rápidas transformações no Brasil. Observa-se que a gestão da cadeia do frio, através de operadores logísticos, está sendo direcionada por dois fatores dinamizadores desse processo. O primeiro está vinculado à expansão das grandes redes supermercadistas e às ações de pequenos e médios varejistas que em busca de maior competitividade vêm alterando a estrutura da distribuição no país. O segundo fator refere-se à indústria fornecedora que busca um alcance maior dos seus produtos, investe e passa a exigir parceiros com igual nível de desenvolvimento tecnológico. Atento a esses dois fatores e, principalmente, às mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, o segmento atacadista-distribuidor aperfeiçoa seus modelos de atuação para se adaptar às mudanças impostas pela globalização, reduzir custos fixos e aumentar a eficiência na prestação de serviços. O mercado de operadores logísticos voltados para a cadeia do frio, principalmente no Nordeste, encontra-se em franca expansão e a popularização desse tipo de empresa na região está apenas começando. Sendo assim, a Tru Logística destaca-se ao oferecer este tipo de serviço, diferentemente do que ocorre nas regiões Sul e Sudeste do país, onde já existem empresas de grande porte consolidadas no mercado e com filiais em vários estados da respectiva região, como a Standard Log no Sul e a Refrio na região Sudeste. A estabilidade alcançada por essas empresas promove o caminho que a Tru Logística vem trilhando ao buscar tecnologias de gestão e controle do processo logístico. Quanto ao procedimento de contratação de operadores logísticos da cadeia do frio para gestão de transportes, destaca-se nível de serviço, diferente do caso de cargas secas, nessa indústria, mesmo com a pulverização da oferta gerada por pequenos embarcadores, a qualidade oferecida funciona como classificadora e, o preço se torna qualificador. Foi observado na relação entre a Tru Logística e a KarneKeijo uma preocupação por parte deste operador logístico com o processo de garantir técnicas e processos contínuos de padronização nos atendimentos aos clientes e desenvolvimento de melhores métodos de trabalho, considerando-se a experiência de uma empresa de distribuição e transporte atuando há décadas no mercado nordestino. Foi percebido um programa para padronizar ações de trato com o cliente e gestão da atividade desempenhada pelo motorista em todo processo de entrega dos produtos e com sua logística reversa. Como foi relatado nesse estudo, o custo com transporte é a conta mais elevada para um distribuidor de alimentos, sendo assim, um fator crítico na gestão do seu negócio. A KarneKeijo mantém uma estreita comunicação com a Tru Logística, também troca dados de forma eletrônica, desenvolve gestão da roteirização, formação de cargas e manutenção da qualidade dos produtos com o uso do RODOCAP. Possui o monitoramento dos veículos bem como todo controle de telemetria para análise do desempenho dos veículos empregados no 12

13 transporte de seus produtos. Também, deve-se relatar que a Tru Logística faz a gestão dos fretes de terceiros, contratando e gerenciando autônomos para o transporte complementar. Fica claro que a relação dessas empresas participa para um estruturação do brocker, que é o grupo KarneKeijo, pois a gestão da cadeia de suprimento necessita de vários componentes administrativos para a solução adequada se suas necessidades, o que se vê na terceirização para gestão da cadeia do frio. Referências ABRAHÃO, F. A.; SOARES, N. Estratégia de terceirização de serviços de transporte. Centro de Estudos em Logística CEL/Coppead. Disponível em: <http://www.centrodelogistica.org/new/fs-public.htm>. Acesso em: 18 Fev CHING, H. Y. Gestão de estoques da cadeia logística integrada. São Paulo: Atlas, FLEURY, P. F.; WANKE, P. A Logística no Brasil. In: WANKE, Peter; FLEURY, Paulo Fernando (Orgs.). Logística e o Gerenciamento da Cadeia de Suprimento: Planejamento do Fluxo de Produtos e de Recursos. São Paulo: Atlas, FLEURY, P. F. A Indústria de Operadores Logísticos no Exterior. Revista Tecnologística, v. 6, 2001, p Vantagens competitivas e estratégias no uso de operadores logísticos. Centro de Estudos em Logística (CEL). UFRJ, Disponível em <http://www.cel.coppead.ufrj.br> Acesso em: 04 Nov GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, NAZÁRIO, P. Papel do transporte na estratégia logística. IN: FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter; FIGUEIREDO, Kleber Fossati (Orgs.). Logística empresarial: a perspectiva brasileira. Centro de Estudos em Logística (CEL). São Paulo: Atlas, POZO, H. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. São Paulo: Atlas, RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman,

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS

Tecnologia e Comércio de Equipamentos Eletrônicos LTDA PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS PORTAL DE TELEMETRIA SYSTEMTEK PARA GERENCIAMENTO DE FROTAS Características Design inovador Controle de acesso Permite criar usuários com senhas podendo-se definir no sistema quais as funcionalidades cada

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Estratégia de terceirização de serviços de transporte

Estratégia de terceirização de serviços de transporte Estratégia de terceirização de serviços de transporte Parte 1 Fábio Abrahão e Newton Soares Introdução Este artigo está dividido em duas partes. A primeira trata dos conceitos envolvidos na definição da

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil!

OPERADORES LOGÍSTICOS. Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADORES LOGÍSTICOS Realidade, Perspectivas e Expectativas no Brasil! OPERADOR LOGÍSTICO PROVEDOR DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS QUE, COM BASE EM CONTRATO, ATENDE A VÁRIAS OU TODAS AS NECESSIDADES

Leia mais

www.transplaylog.com.br

www.transplaylog.com.br Soluções integradas para movimentação dos seus produtos. Ligue pra gente! (11) 3588-6868 / 3983-1793 - E-mail: comercial@transplaylog.com.br www.transplaylog.com.br QUEM SOMOS. A Transplay Logística é

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações

Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações Página 1 Seção 1: Informação Geral sobre a Empresa e Instalações 1. Nome da Empresa: 2. CNPJ: 3. Código CNAE: 4. Grupo Setorial de Empresa: 5. Logradouro: Nº: Complemento: Bairro: CEP: Cidade: Estado:

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos

Ensino Técnico. Plano de Trabalho Docente 2015. ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código: 091.01. Município: São Carlos Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Ensino Técnico Código: 09101 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF Distribuição Urbana de Food Service Francisco Moura, ABIAF Agenda O Mercado de Food Service e segmentos Como as cadeias de suprimentos estão organizadas EUA e Brasil O Operador Logístico de FS dificuldades,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho

SOBRE A SOFTLOG. APRESENTAÇÃO - SoftLog LOGuinho SOBRE A SOFTLOG A SoftLog Tecnologia é uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas para empresas e instituições de diversos modais de transporte. Dentre os diversos tipos de soluções

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais.

A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. A Multimex é mais do que uma Empresa de Comércio Exterior, é um portal de negócios internacionais. Entre outras vantagens, oferece importantes benefícios fiscais que visam diminuir o custo de seus clientes.

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Projeto Final do Semestre. Construxepa

Projeto Final do Semestre. Construxepa Universidade de Brasília FACE Departamento de Administração Disciplina: Administração de Recursos Materiais Professor: Guillermo José Asper Projeto Final do Semestre Construxepa Turma: 19 Grupo: H Integrantes:

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais