Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos)"

Transcrição

1 Recomendações para as Empresas Transportadoras de Medicamentos (Produtos Farmacêuticos) Estudo da NTC juntamente com a empresa Jogsolutions indica que o transporte de medicamentos no Brasil sofreu grandes alterações nos últimos 5 anos, exigindo das empresas que operam neste segmento grandes investimentos em mão de obra, veículos e infraestrutura (terminais). Estes movimentos demonstram claramente que as transportadoras estão incorporando atividades antes exercidas por distribuidores e redes de farmácias sem a reciprocidade da remuneração, causando graves prejuízos ao setor. A atuação neste segmento pressupõe a realização de várias atividades/exigências novas: agendamento ou cumprimento de ordem de chegada para as entregas, utilização de veículos dedicados, envio prévio de NFs, tempo de descarga com duração de 4 horas a até 3 dias, envio ou contratação de 1 ajudante para cada 200 a 300 volumes a serem descarregados (Exemplo: para a descarga de 1 carreta são exigidos 10 ajudantes), índice de furtos crescentes, paletização, permanência de cargas em terminais e separação prévia da carga (por NF, item, lote, etc), entre outros. Não há como afirmar que alguma destas exigências seja absurda ou inaceitável, até porque, é direito de quem contrata dizer o que quer e a forma que deseja o serviço. O problema está na falta de ressarcimento pela execução das mesmas. Segue abaixo um resumo comparativo e os respectivos impactos: 1

2 Considerando o forte incremento de custos gerado no atendimento às necessidades das grandes redes e dos distribuidores de medicamentos, recomendamos que os custos desses serviços sejam repassados aos clientes. Os principais são: 1) Agendamento: atividade realizada via sistema do transportador, portal do embarcador ou portal do destinatário, por NF ou por CTe com varias NFs consolidadas, que requer envio de informação das NFs, dos pedidos ou remessas, adequação ao tempo de trânsito e chegada no destino com prazo suficiente para as devidas triagem e preparação da carga. Para realização desta atividade são utilizadas equipes dedicadas, investimentos em sistemas além de custos continuados de comunicação. a. Valor de Custo: R$ 30,00 por NF agendada 2) Permanência de Carga no Terminal: ocorre quando o agendamento da carga é para data posterior à chegada do material no terminal, podendo se estender por vários dias de espera. Há ocorrências também quando o destinatário aponta qualquer desvio entre seu pedido e a NF de venda dos produtos, seja por motivos quantitativos, qualitativos ou financeiros. A cobrança deve ser considerada a partir do 5º dia da carga no terminal. a. Valor de Custo: R$ 19,98 por pallet PBR/dia 3) Triagem e Paletização: Ocorre no terminal destino, quando a carga consolidada é aberta e os produtos triados conforme requisitos do destinatário final, normalmente por NF, Item, Lote e as respectivas quantidades são paletizadas individualmente, provocando a multiplicação dos pallets e da frota para entrega. 2

3 a. Valor de Custo: R$ 50,00 por pallet PBR final, após triagem 4) Ajudante para Descarga: O destinatário determina a quantidade de ajudantes adicionais conforme o volume de carga, mas a predominância é de 1 ajudante adicional para cada 200 a 300 volumes, independente do tamanho, peso ou embarcador, podendo estes serem de equipes fixas, volantes ou mistas, desde que sejam fornecidas pelos transportadores e aprovadas pelos distribuidores. a. Valor de Custo: R$ 140,00 por diária de ajudante 5) Tempo de espera: Compreende o tempo de espera para carga ou descarga, a partir da 4ª hora na fila, sendo a custo por hora adicional parada: a. Veículo Toco ou menor: R$ 98,16/h b. Truck: R$ 122,63/h c. Conjunto Cavalo+Carreta: R$ 146,58/h d. Apenas a carreta: R$ 63,86/h 6) Agravamento de GRIS: Para suportar o aumento de custos específicos decorrentes das medidas de prevenção e combate ao furto das cargas, que ocorrem devido à maior exposição das cargas nos terminais, seja por manipulação ou aguardando agendamento: a. Gris Adicional: 0,05% sobre o valor da mercadoria 3

4 7) Allowance para Avarias: Devido ao maior rigor das áreas de qualidade e associada à manipulação adicional das cargas, o que provoca pequenos amassamentos e a consequente recusa pelo mercado, há necessidade de tolerância mínima da quantidade de cartuchos considerados avariados: a. Allowance: 0,010% sobre a quantidade de cartuchos manuseados no transporte Sobre o quesito retenção de Canhotos de NF e do Conhecimento de Transportes, recomendamos que nestes casos nenhuma reclamação posterior seja aceita, pois esta prática não transparente distancia o transportador da gestão e da responsabilidade pela carga. Recomendamos que os motoristas e conferentes esperem o tempo que for necessário para devida conferência das cargas, lembrando que após o período de 4 horas será iniciada a contagem de hora adicional por tipo de veiculo, conforme item 5 deste comunicado. Lembramos também que o INCT-F relativo aos últimos 12 meses, impõe um reajuste de frete de 7,30%. Como forma de ajuda, a NTC&Logística elaborou esta lista para este segmento com as Generalidades e Serviços Adicionais, com os respectivos custos estimados, que devem ser consideradas às tabelas atuais de fretes referentes aos transporte de produtos farmacêuticos: Tipo de Cobrança Forma de Cobrança Custos Estimados Taxa de Permanência da Carga por palete padrão PBR/dia ou fração R$ 19,98 Toco (3/4) R$ 98,16 Hora parada por tipo de veículo (deve-se cobrar a partir da 5ª hora) Truck R$ 122,63 Conjunto (Cav.+Carreta) R$ 146,58 Carreta (3 eixos) R$ 63,68 Mão de obra para carga/descarga por ajudante/dia R$ 140,00 Allowance para Avarias sobre o volume movimentado 0,010% PRINCIPAIS SERVIÇOS ADICIONAIS Triagem e Paletização da carga por palete padrão PBR R$ 50,00 Taxa de Agendamento s/ o valor do frete 20% - até o valor do frete de R$ 150,00 cobrar por conhecimento R$ 30,00 Entrega com veículo dedicado por entrega R$ 581,59 Como as atividades solicitadas pelos distribuidores ou grandes redes já vêm sendo praticadas diariamente, a recuperação destes custos deve ser feita imediatamente ou, se possível, de forma retroativa. 4

5 São Paulo, 15 de outubro de 2013 DECOPE Departamento de Custos Operacionais, Estudos Técnicos e Econômicos da NTC&Logística 5

Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística

Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística Fonte: Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Econômicas - Decope/NTC&Logística JUNHO/12 Multiplicador 3,50 2,30 1,75 1,40 1,25 1,12 1,05 1,00 de 1 a 10 kg de 11 a 20 kg de 21 a 30 kg de 31 a

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL)

Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) Planilha Referencial de Custo de Transporte de Carga Seca Fracionada (LTL) A planilha referencial de cargas secas fracionadas (mercadorias de vários embarcadores para vários destinatários, geralmente incluindo

Leia mais

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos )

Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) Planilha Referencial de Custo de Transporte Rodoviário com Equipamento Silo ( Granéis Sólidos ) DECOPE/NTC A planilha referencial de granéis sólidos foi elaborada pelo DECOPE/NTC&LOGÍSTICA sob supervisão

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais

Política Comercial. DISTRIBUIDOR: Setor Comercial e Qualidade. ED. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR.

Política Comercial. DISTRIBUIDOR: Setor Comercial e Qualidade. ED. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. Folha: 1 de 7 RELAÇÃO DE CARGAS COM RESTRIÇÃO DE TRANSPORTE Tendo em vista os transtornos e prejuízos constantes na nossa rotina, estamos determinando que: não negociem, não coletem e nem recepcionem mercadorias

Leia mais

Manual de Transportes ISMA

Manual de Transportes ISMA Manual de Transportes ISMA 2 ÍNDICE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 3 1.1. SOLICITAÇÕES DE TRANSPORTES (ID)... 3 1.2. CARREGAMENTOS E DESCARREGAMENTOS... 3 1.3. CANHOTOS DAS NFS, CTE S E COMPROVANTE ENTREGAS...

Leia mais

Serviço de Atendimento ao Cliente SAC

Serviço de Atendimento ao Cliente SAC Serviço de Atendimento ao Cliente SAC Índice: 1 - Como Atua o Sac 2 - Ferramentas de Trabalho do SAC 3 - Irregularidades nos dados da Nota Fiscal 4 - Irregularidades na Entrega 5 - Devoluções de mercadoria

Leia mais

Sistema TMS Integrador para Embarcadores

Sistema TMS Integrador para Embarcadores Sistema TMS Integrador para Embarcadores APRESENTAÇÃO DA ACTIVE CORP HISTÓRICO A Active Corp atua a mais de 16 anos fornecendo sistemas completos para o segmento de transporte e logística. Uma das únicas

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Sobre a G R S Moto Express Missão: Atender a crescente demanda do mercado logístico, proporcionando aos nossos clientes e parceiros, um atendimento de referência em Gestão, Rápidez

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE DEZEMBRO/12 À DEZEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 31/12/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas

Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas Custeio do Transporte Rodoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Gestão de Custos X Gastos; 3. Custo Direto, Indireto, Fixo e Variável; 4. Custo Marginal, Histórico, Orçado. 5. Etapas do Custeio;

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13

INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 2013 INCT-F DECOPE/NTC DE NOVEMBRO/12 À NOVEMBRO/13 DECOPE NTC & LOGÍSTICA 30/11/2013 Comunicado A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que a variação média do Índice Nacional da de Custos do Transporte

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Cópia Não-Controlada

Cópia Não-Controlada Tipo de Documento PROCEDIMENTO Título do Documento Procedimento para Devolução de Produtos de Varejo no Ato da Entrega Número e Versão do Documento Fase Elaborado por PRO/GIQ-0014 - V.1 Vigente Rogerio

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF 1º período de 7 dias ou fração

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo

Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Avaliação do uso de frota dedicada versus transporte spot para distribuição no varejo Fernanda Hashimoto e Celso Hino O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização do melhor modelo de distribuição

Leia mais

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619 Possíveis Impactos da Lei 12.619 Introdução Custos do TRC Comportamento dos Custos Produtividade no TRC Exemplos COMPLEXIDADE da escolha de um Preço FRETE $ FRETE x Qtde Vendida CUSTOS RECEITA Concorrentes

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS APM TERMINALS ITAJAÍ. (vigência a partir de 01/01/2015 Valores Expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS APM TERMINALS ITAJAÍ. (vigência a partir de 01/01/2015 Valores Expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS APM TERMINALS ITAJAÍ (vigência a partir de 01/01/2015 Valores Expressos em Reais) A Armazenagem de Importação (carga contêinerizada) www.apmterminals.com.br 1º Período Período

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 25/02/2014 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros

Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros CUSTOS Vantagens e desvantagens de se utilizar carreteiros O modelo de cálculo da NTC&Logística parte do pressuposto de que a transportadora usa apenas veículos próprios. L F = ( A + Bp + DI)(1 + ) 100

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL/FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A

Leia mais

Orientações Básicas Repom.

Orientações Básicas Repom. Orientações Básicas Repom. Considerações importantes: 1 A viagem deverá estar autorizada para depois solicitar o pagamento. 2 É obrigatório informar o campo NCM da mercadoria, que está em tabela>auxiliares>mercadoria.

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria Executiva PREGÃO ELETRÔNICO N.º 005/2014 ANEXO I E

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria Executiva PREGÃO ELETRÔNICO N.º 005/2014 ANEXO I E ANEXO I E TABELA DE CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS CARGA E DESCARGA DE LIVROS CARGA ARRUMAÇÃO P/ CAMINHÃO DE 1,5 T 40 min 4 h P/ CAMINHÃO DE 3,5 T 60 min 6 h P/ CAMINHÃO DE 6 T 80 min 1 dia P/ CAMINHÃO DE

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga

Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Lucro e Sustentabilidade no Transporte Rodoviário de Carga Comportamento dos Custos Resumo Lei 12.619 Produtividade no TRC Possíveis Impactos da Lei Sustentabilidade uma forma de aumentar os Lucros contribuindo

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 05/14 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TUBOS DE PEAD 1 - OBJETIVO 1.1 A presente licitação tem por objeto o fornecimento e entrega, pela empresa a ser CONTRATADA, de tubos de POLIETILENO DE ALTA DENSIDADE PE 100

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente

LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY. #QueroSerConferente LOGÍSTICA PORTUÁRIA E CONFER NCIA DE CARGAS CONFORMITY A C A D E M Y #QueroSerConferente O SETOR Exportações Brasileiras Em 2015 a produção agropecuária do Brasil atingiu um volume recorde, chegando a

Leia mais

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas

Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas Formação de Custos no Transporte Rodoviário de Cargas São Paulo, 01/12/2008 Neuto Gonçalves dos Reis Mestre em Engenharia de Transportes (EESC-USP) Pós-graduado em Administração de Empresas (FGV) Pós-graduado

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015

Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 Tabela de preços dos serviços oferecidos e prestados pela Bandeirantes Logística Integrada. Vigência a partir de 02/01/2015 IMPORTAÇÃO CONTAINER LCL/FCL PERÍODO DE 10 DIAS OU FRAÇÃO. 1. Armazenagem FCL

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista

Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista Lei 12 619 Regulamentação Profissão Motorista 1. Introdução Este documento tem por objetivo apresentar a solução de software e serviço que atenderá a Lei nº 12.619 de 30 de abril de 2012,publicada no Diário

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232

Leia mais

ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES

ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES ANEXO VI INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES 1 / 8 ANEXO VI - INVESTIMENTOS E RESPONSABILIDADES 6.1. Investimento em frota de veículos - disponibilidade de frota para o início da operação 6.2. Frota de veículos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Rua Amauri, 255 6º andar 01448-000 São Paulo SP Brasil T (+55 11) 3019 3400 F (+55 11) 3019 3414 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Definição e Finalidade De acordo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES DE FORNECIMENTO I - Formalização e Aceitação do Pedido 1.1 - O Aceite será automático caso o fornecedor não faça uma recusa parcial ou total, Por escrito no prazo de 2(dois) após o recebimento

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário

Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário AP 0/0 Contribuições metodológicas para o próximo ciclo tarifário Contribuição para o Quarto Ciclo de Revisões Tarifárias ª Etapa 9 de janeiro de 05 Remuneração de OE e ATD A gestão de OE e ATD adicionam

Leia mais

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...]

Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10. 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) [...] Resolução 3.658/11 (RNTRC) Capítulo 10 2 - Solicitar o Certificado do RNTRC (CRNTRC) - Também será admitido o CRLV contendo o número do RNTRC ; (Art. 39 da Res. 3.056/09/ANTT, alterada pela 3.658/11) -

Leia mais

NORMA DA INFRAERO DIRETORIA COMERCIAL (DC) SUPERINTENDÊNCIA DE LOGÍSTICA DE CARGA (DCLC) 26/AGO/2005 24/AGO/2005 NI - 19.08/A (LOG) - 03 - GERAL

NORMA DA INFRAERO DIRETORIA COMERCIAL (DC) SUPERINTENDÊNCIA DE LOGÍSTICA DE CARGA (DCLC) 26/AGO/2005 24/AGO/2005 NI - 19.08/A (LOG) - 03 - GERAL ASSUNTO FIXA PREÇOS E ESTABELECE CRITÉRIOS DE COBRANÇA PARA UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FACILIDADES E SERVIÇOS NOS TERMINAIS DE LOGÍSTICA DE CARGA RESPONSÁVEL DIRETORIA COMERCIAL (DC) SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Gerenciamento de Fretes

Gerenciamento de Fretes Gerenciamento de Fretes 1 Gerenciamento de Fretes - Características Solução Standard Transportation (LES) o Inbound (Pedido de Compras Aviso de Recebimento Recebimento Físico (Custo) Revisão de Fatura)

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Tutorial. O Trade e o SNGPC

Tutorial. O Trade e o SNGPC Tutorial O Trade e o SNGPC Este tutorial explica como realizar no Trade Solution as principais atividades relacionadas ao SNGPC - Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados 1. Introdução

Leia mais

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa.

PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. PORTO DE VITÓRIA Abaixo estão as Tabelas com as tarifas referentes à utilização da infra-estrutura portuária dos portos da Codesa. - TABELA I - Proteção e Acesso ao Porto - TABELA II - Instalações de Acostagem

Leia mais

O TÁXI PARA A SUA MERCADORIA

O TÁXI PARA A SUA MERCADORIA O TÁXI PARA A SUA MERCADORIA Miles de experiência DESDE 1992, A ADER TAXI COMERCIAL DESENVOLVE A SUA ATIVIDADE NO SEGMENTO DO TRANSPORTE EXCLUSIVO DE MERCADORIAS, OFERECENDO UM SERVIÇO DE ALTO VALOR ACRESCENTADO

Leia mais

Divulgar aos fornecedores os padrões de agendamento e entrega na Central de Distribuição Mercearia (CD1) e Não alimentos (CD06)

Divulgar aos fornecedores os padrões de agendamento e entrega na Central de Distribuição Mercearia (CD1) e Não alimentos (CD06) NORMATIZAÇÃO Manual para o Fornecedor Procedimento de agendamento e entrega de produtos na Central de Distribuição CD1 Mercearia e CD6 Não Alimentos Ref.: M-GEF-010/05-6 Revisão: 23/01/07 Emissão: 28/11/05

Leia mais

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 Poder Legislativo Regulamenta área para estacionamento exclusivo de veículos pesados no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Passo a Passo para Iniciar o Carregamento pelo código de Barras com Rota Mista

Passo a Passo para Iniciar o Carregamento pelo código de Barras com Rota Mista Passo a Passo para Iniciar o Carregamento pelo código de Barras com Rota Mista Neste processo iremos utilizar os sistemas SysDif e Tecnocargas Passo 1: No SYSDIF inicie o carregamento, pela ordem de carregamento

Leia mais

Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. DEFINIÇÃO... 3 5. RESPONSABILIDADE... 3 6. HISTÓRICO DE REVISÕES...

Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. DEFINIÇÃO... 3 5. RESPONSABILIDADE... 3 6. HISTÓRICO DE REVISÕES... REF: CE-M-001 REV: 2 de 9 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. DEFINIÇÃO... 3 5. RESPONSABILIDADE... 3 6. HISTÓRICO DE REVISÕES... 4 7. DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO... 4 POLÍTICAS...

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Abordagens de Vendas / Estilos

Abordagens de Vendas / Estilos Quem somos. Somos uma empresa especializada em Gestão de Frotas, Seguros e Telemetria, Administrada por profissionais com mais de 20 anos de experiência no mercado, atuando em parceria com nossos clientes

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais.

As revisões e/ou alterações ao acordado, são devidamente registadas e analisadas conforme descrito para o caso da definição das condições iniciais. Preparação da Qualidade Página 1 de 6 5.1. COMERCIALIZAÇÃO 5.1.1. Transporte A empresa através da sua área de operações ou da administração, tem como objectivo em cada serviço adjudicado, entre vários,

Leia mais

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO O CUSTEIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO Maurício Pimenta Lima Introdução O transporte de carga rodoviário no Brasil chama a atenção por faturar mais de R$ 40 bilhões e movimentar 2/3 do total de carga do país.

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS

GERENCIAMENTO DE VEÍCULOS 1. OBJETIVO Estabelecer o procedimento padrão a ser implementado na Irapuru Transportes Ltda quanto ao gerenciamento (solicitação e programação) de veículos (carretas e cavalos) da frota própria bem como

Leia mais

Políticas de entrega

Políticas de entrega Políticas de entrega Situação: 01.03.2012 AXRO Bürokommunikation Distribution Import Export GmbH Schnackenburgallee 183-201 D-22525 Hamburg Tel.: +(49) 40 54 711-0 Fax: +(49) 40 54 711-711 Mail: axro@axro.de

Leia mais

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa

Microempreendedor Individual. Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Microempreendedor Individual Passo a Passo Como requerer uma Nota Fiscal Avulsa Acesse o link https://www2.fazenda.mg.gov.br/sol/ctrl/sol/nfae/servico_007?acao=novo&acesso_ex TERNO=1 da Secretaria de Estado

Leia mais

Guia de Special Bids Parceiros Comerciais IBM

Guia de Special Bids Parceiros Comerciais IBM IBM Guia de Special Bids Parceiros Comerciais IBM Esclarecer dúvidas sobre as documentações que devem ser mantidas como backup quando solicitado um Special Bid. IBM Fevereiro de 2015 Índice 1- Objetivo

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

4) O CLIENTE deverá a fornecer seus dados pessoais de forma completa e real, devendo atualizá-los sempre que necessário e/ou solicitado;

4) O CLIENTE deverá a fornecer seus dados pessoais de forma completa e real, devendo atualizá-los sempre que necessário e/ou solicitado; TERMOS E CONDIÇÕES Estes Termos e Usos (doravante denominados "Termos e Condições") regulamenta a prestação de serviço por parte da TUDO DA GRINGA (doravante denominada EMPRESA ) oferece ao seu CLIENTE.

Leia mais

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.

PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI. Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov. 1 PASSO A PASSO REQUERIMENTO DE NFA MEI Acessar a página da Secretaria de Estado de Fazenda na internet. Endereço: www.fazenda.mg.gov.br Clicar em SIARE conforme indicação abaixo: Clicar em Sistema Integrado

Leia mais

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados?

Gestão de Transporte. Gestão do Transporte: Próprio ou Terceiros? Gestão de Transporte Avaliação das modalidades. Que fatores a serem considerados? Gestão de Transporte Que fatores a serem considerados? A Atividade de Transporte: Sua Gestão Barco Trem Caminhão Peso Morto por T transportada 350 kg 800kg 700 kg Força de Tração 4.000 kg 500 kg 150 kg

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1

INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 INCT-F DECOPE/NTC DE OUTUBRO/11 À OUTUBRO/12 1 A NTC&LOGÍSTICA comunica aos associados que por conta da Resolução CONAMA 403/2008, a partir de 1º de janeiro de 2012, entrou em vigor a Fase P-7 do Programa

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais