Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa"

Transcrição

1 Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Isabel Mendes /11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1

2 O que até agora foi dado na Economia da Incerteza e suas aplicações ao mercado de seguros, parte do princípio de que: - Os agentes concordam e conhecem os resultados observáveis nos diversos estados do mundo; - Os agentes concordam e conhecem a distribuição das probabilidades de ocorrência dos diversos estados do mundo. No entanto e na realidade, raramente esta informação está na posse de todos os agentes: dados vários grupos de agentes envolvidos em transacções de diverso tipo, nem todos dispõem de completa informação sobre os resultados observáveis nos estados do mundo, nem sobre o distribuição da probabilidade de ocorrência dos estados do mundo. Em que medida é que esta situação designada por assimetrias de informação (ou falhas de informação ou informação assimétrica) pode afectar os comportamentos de óptimo descritos anteriormente? 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 2

3 Estas assimetrias de informação são geralmente consideradas e descritas no âmbito do estudo do mercado de trabalho, mercado de seguros e mercado de produtos em 2ª mão (mercado dos lemons). Basicamente, existem dois tipos de assimetrias de informação: Risco Moral (Moral Hazard); Selecção Adversa (Âdverse Selection). RISCO MORAL: existe quando um agente está exposto a acontecimentos imprevisíveis que podem afectar a sua performance. Quando tal acontece, o agente tenderá a esforçar-se menos (há um incentivo ao menor esforço) atribuindo a culpa do seu insucesso ao acontecimento imprevisível e não à sua falta de esforço. Os agentes que interagem com ele, não têm informação suficiente que lhes permita identificar a causa real do insucesso. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 3

4 Exemplos de aplicação de Risco Moral: Mercado de seguros: existe risco moral quando a seguradora não consegue distinguir o cliente de baixo risco que desenvolve esforços pessoais para diminuir a probabilidade de ocorrência do estado mau, do cliente de alto risco que não tem incentivo para ser cuidadoso, porque sabe que a empresa seguradora não consegue fazer a distinção entre uns e outros. Nesta situação, o prémio de seguro não é actuarialmente justo: será igual ao valor médio entre o prémio de valor mais baixo (que seria aplicado ao cliente cuidadoso) e o prémio de valor mais alto (que seria aplicado ao cliente menos cuidadoso) se a companhia os pudesse distinguir. O cliente cuidadoso fica prejudicado; o cliente menos cuidadoso sairá a ganhar. A companhia poderá ter lucros negativos. O cliente cuidadoso não contratará seguros de cobertura total. Os clientes menos cuidadosos é que estarão interessados nestes seguros pela lei dos grandes números a seguradora enfrentará a probabilidade elevada de ter de proceder a maior nº de reembolsos. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 4

5 Exemplos de aplicação de Risco Moral (continuação): Mercado de seguros (continuação) : Conclusão: no mercado de seguros com risco moral, não é possível alcançar um equilíbrio à Pareto, mesmo que existam clientes avessos ao risco e neutros perante o risco (ver AULA 3.3); quanto maior for o seguro contratado por um indivíduo, menos cuidadoso ele é; os clientes menos cuidadosos têm um incentivo para fingirem o que não são cuidadosos e, assim, beneficiaem de prémios mais baixos; a seguradora acabará por ter de pagar, em média, mais em direitos de consumo (em reembolsos) do que as suas receitas em prémios. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5

6 Exemplos de aplicação de Risco Moral (continuação): Mercado de seguros (continuação) : O que pode fazer a seguradora para diminuir os efeitos do risco moral? Arranjar informação adicional acerca dos clientes potenciais de forma a poder aperceber-se do tipo de cliente. Em seguida agrupar os clientes por grupos de risco e aplicar prémios de valor diferentes, consoante o grau de risco (aplicações a seguros de saúde e de automóvel); Cobrar um taxa extra sobre o prémio actuarialmente justo para cobrir o custo associado ao risco moral; Aplicar cláusulas de redução do valor do prémio, consoante o comportamento histórico observável do cliente. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 6

7 Exemplos de aplicação de Risco Moral (continuação): Mercado de Trabalho: existe quando o empregador não consegue distinguir um trabalhador competente do trabalhador incompetente. A produção PMgL do trabalhador depende não apenas do seu esforço (não observável), mas depende também de um acontecimento aleatório o empregador não distingue se a baixa produção é devida a preguiça ou ao acontecimento aleaório. Com risco moral, o incompetente tem sempre um incentivo a trabalhar, porque sabe que obterá um salário médio, superior ao seu salário eficiente que seria dado por w = PMg L. A aplicação mais estudada de risco moral é o Problema do Agente-Principal. O Problema do Agente-Principal existe quando um indivíduo (o Agente) faz um trabalho para outro indivíduo (o Principal) numa situação em que não é possível distinguir as diferenças de resultados devidas a diferenças de qualidade de trabalho das diferenças de resultados devidas a acontecimentos aleatórios. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 7

8 Selecção Adversa 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa SELECÇÃO ADVERSA: existe quando não é possível distinguir os bons produtos (ou os bons trabalhadores, ou os clientes cuidadosos) dos maus produtos (ou dos maus trabalhadores, ou dos clientes menos cuidadosos). Nestes casos existe uma maior tendência para se adquirir gato por lebre. Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) Neste mercado os consumidores/vendedores têm informação diferente sobre a qualidade do produto vendido produtos em 2ª mão: modelo de Akerlof (1970) do mercado dos limões ou dos carros usados. O Mercado dos Limões (carros de má qualidade): Este mercado caracteriza-se pelos seguintes aspectos: 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 8

9 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) Os carros dividem-se em dois grupos: os de boa qualidade e os de má qualidade; O comprador é incapaz de distinguir entre os dois e só se apercebe depois da compra; sabe que uma determinada percentagem são de má qualidade; Só o vendedor conhece efectivamente a qualidade do produto têm um incentivo para apresentar todos os seus carros como sendo de boa qualidade; Seja CMgBQ e CMgMQ, os custos marginais de fornecer um carro de boa qualidade e de má qualidade, respectivamente, tal que CMgBQ > CMgMQ num mercado competitivo sem falhas de informação, os preços dos carros seriam: pbq = CMgBQ > pmq = CMgMQ ; 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 9

10 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) Segundo o modelo de Akerlof, na presença de falhas de informação: - não há um preço de equilíbrio que separe os bons dos maus carros; - a ausência deste preço de equilíbrio os compradores só comprarão limões, porque não estão dispostos a pagar um prémio adicional por carros apresentados como sendo bons, mas que podem ser limões. Seja: - Um mercado de um produto Q com dois tipos de qualidades onde Q 1 = quantidade de limões; Q 2 Q 2 = quantidade de produtos de boa qualidade; p 1 e p 2 são os respectivos preços de mercado com p 2 >p 1 ; - U = U(m,Q) = função de utilidade do comprador avesso ao risco (FIG 1), onde m = rendimento disponível e Q a quantidade do produto tal que: 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 10

11 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) ( 2) > ( 1) > ( 0) U m,q U m,q U m, U U(m, Q 2 ) U(m,Q 1 ) U(m,0) FIG 1 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 11 m

12 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) - O consumidor dispõe de um rendimento inicial m 0 e não distingue Q1 de Q2 : ou paga p1 e recebe Q1 de certeza L ( ) U = U m p,q ou paga p2 por um produto apresentado como Q2 mas apenas recebe Q1 com probabilidade ρ ou, então, recebe de facto Q2 com probabilidade (1 ρ) { } = ρ ( ) + ( 1 ρ) ( ) E U U m p,q U m p,q /11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 12

13 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) Quanto maior for a probabilidade ρ de ser enganado (de comer gato por lebre ) mais os consumidores compram limões e apenas este tipo de carros é oferecido, porque: L O consumidor só tentará comprar Q2 se a utilidade esperada desta acção for maior do que a utilidade certa de comprar Q1 ao preço p1, ou seja se: L = ( 0 1 1) > E{ U} = ρu( m p,q ) + ( 1 ρ) U( m p,q ) U U m p,q = ( ) < E{ U} = ρu( m p,q 0 2 1) + ( 1 ρ) U( m p,q 0 2 2) U U m p,q O que só acontece se a probabilidade de ser enganado for baixa. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 13

14 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) A FIG 2 mostra o processo de decisão que descrevemos: U U(m, Q 2 ) E { U} 2 U L E { U} 1 U U(m,Q 1 ) U(m,0) E { U} 2 E { U} 1 se ρ baixa se ρ alta FIG 2 m 0 -p2 m 0 -p1 m 0 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 14 m

15 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado dos Produtos em 2ª Mão (Lemmons Market) (continuação) Na FIG 2: - Se a probabilidade ρ de ser enganado for baixa, então a utilidade é igual a E{ U} 2 e é superior a, e é suficientemente elevada para a compra de Q2 ser atractiva; - Se a probabilidade ρ de ser enganado for alta, então a utilidade é igual a E{ U} 1 U L U L e é inferior a, e é suficientemente baixa para incentivar a compra de limões, ou seja de Q1. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 15

16 Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado de Seguros A seguradora não distingue o cliente cuidadoso do cliente não cuidadoso; apenas o cliente sabe aquilo que vale; A seguradora pratica um prémio igual ao valor esperado da perda para a população independentemente da classe de risco do cliente o cliente cuidadoso apenas adquire seguros que não são de cobertura total enquanto que os clientes menos cuidadosos estão na disposição de fazer seguros de cobertura total. Aplicação da Selecção Adversa ao Mercado de Trabalho Com falha de informação o empregador está sujeito a contratar o mau trabalhador em vez do bom, pagando-lhe um salário mais elevado (igual ao salário médio pago no sector) do que aquilo de facto ele merece. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 16

17 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa: uma das formas mais comuns é a de atribuir um sinal, que permita separar de alguma forma os bons dos maus. Mercado dos limões: SINAL = GARANTIA. O vendedor oferece uma garantia ao cliente: compromete-se a pagar um determinado montante se o carro for um limão. O vendedor de bons carros pode fazê-lo; o vendedor de limões não o pode fazer clarificação do mercado na medida em que só os vendedores de bons carros podem suportar economicamente este tipo de sinal. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 17

18 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: Seja: SINAL = NÍVEL DE EDUCAÇÃO. - Dois grupos de trabalhadores: os trabalhadores incapazes (grupo 1) e os trabalhadores capazes (grupo 2), tal que PMg1 < PMg2; - Seja b a fracção de trabalhadores incapazes e L 1 e L 2 o nº total de trabalhadores de ambos os tipos; - Se a função de produção for linear então a produção total Q é dada por: Q = PMg L + PMg L /11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 18

19 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: - Se a qualidade dos trabalhadores pudesse ser observada, o salário pago correspondente ao equilíbrio competitivo seria w 1 = PMg 1 e w 2 = PMg 2 ; - Mas, como a qualidade não é observável, o salário pago é igual ao valor esperado dos salários dos dois grupos, ou seja: ( 1 ) w = b PMg + b PMg Me 1 2 Se todos concordarem com o salário médio pago, a selecção adversa não trará problemas para a empresa: ela produz o mesmo output e terá o mesmo lucro que obteria se conhecesse a qualidade dos trabalhadores. O problema, no entanto, coloca-se se os bons trabalhadores se sentirem injustiçados. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 19

20 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: Um dos sinais usados para distinguir o bom do mau trabalhador é usar o nível de educação. Baseia-se nos princípios de que é custoso aprender e de é custoso fingir aquilo que não se é. Seja então: - e 1 e e 2 o nível de educação dos grupos de trabalhadores incapazes e dos trabalhodres capazes, respectivamente; - c 1 e c 2 = custo por unidade de educação para um trabalhador incapaz e para um trabalhador capaz, respectivamente (inclui custos monetários com educação, custos de oportunidade do tempo gasto a estudar e custos do esforço dispendido); 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 20

21 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: - admita-se ainda que c1 > c2 e que e* é o nível de educação óptimo tal que: PMg PMg PMg PMg < e* < c c 1 2 NOTA: repare que, porque c1 > c2 e PMg1 < PMg2 este equilíbrio é possível. PERGUNTA: será que e* é, de facto, um equilíbrio estável? Será que para e* algum dos agentes pretende alterar o seu comportamento? Vejamos: 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 21

22 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: As empresas consideram e* um nível de educação compatível com um trabalhador de alta qualidade o trabalhador com este grau de educação é considerado bom e a empresa paga-lhe o salário = ao seu produto marginal (w 2 = PMg 2 ); o trabalhador sem este grau de educação é considerado mau e a empresa paga-lhe o salário = ao seu produto marginal (w 1 = PMg 1 ); O mau trabalhador não tem incentivo para adquirir e* porque o seu benefício seria PMg2 - PMg1 e o custo c 1 e* tal que: PMg 2 -PMg 1 < c 1 e* Por hipótese relacionada com e*. O seu nível de educação compatível com o seu grau de qualidade é e 1 = 0; 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 22

23 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: O bom trabalhador tem incentivo para adquirir e* porque o seu benefício seria PMg 2 -PMg 1 e o custo c 2 e* tal que: PMg 2 -PMg 1 > c 2 e* Por hipótese relacionada com e*. O nível de educação compatível com a sua qualidade é e 2 = e*. CONCLUSÃO: e* é um equilíbrio estável e um equilíbrio separador: Estável porque para e* nenhum agente tem incentivos para alterar a sua decisão, nem empresas nem trabalhadores; 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 23

24 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Trabalho: Separador porque e* permite diferenciar os bons dos maus trabalhadores e pagar-lhes o salário competitivo para cada um dos grupos. Vantagens e desvantagens da prática de sinalização: Vantagem: no mercado dos limões porque é eficiente do ponto de vista social; Desvantagens: no mercado de trabalho, porque obriga os trabalhadores a gastarem recursos para obterem um sinal (o nível de educação pretendido) sem que isso se reflicta na melhoria da produtividade global; o benefício do sinal é totalmente privado e deriva de uma externalidade negativa (um custo) que os trabalhadores incapazes impõem aos capazes 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 24

25 Formas de ultrapassar os problemas de falha de informação com selecção adversa (continuação): Mercado de Seguros: No mercado de seguros é possível combater o problema da selecção adversa através das seguinte práticas: Obtenção de um equilíbrio separador: a seguradora oferece um seguro de cobertura total com prémio elevado (comprado pelos clientes de alto risco) e um seguro com uma provisão dedutível e com prémio mais baixo (comprado pelos clientes de baixo risco); Atribuição a cada grupo de clientes de uma classe de risco calculada a partir de informação adicional; Seguros de grupo. 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 25

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica

Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica Aula 5 Contratos, custos de transacção e informação assimétrica 2.4 Contratos e custos de transacção 2.4.1 Os custos de transacção (económicos e políticos) 2.4.2 O Teorema de Coase 2.5 Agência e problemas

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.2 Utilidade Esperada Von Neumann-Morgenstern: Aplicação ao Mercado de Seguros Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham?

PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham? Módulo 9 Por que Mercados Falham? PG Eng.Econômica 2015/2016 Pg.1/24 PG ENG. ECONÔMICA - MICROECONOMIA Prof. Flávio Alencar do Rêgo Barros (Uerj, sala 5020E) Módulo 9 Por que os mercados falham? Notas

Leia mais

Organização interna da empresa

Organização interna da empresa Organização interna da empresa IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Duas questões neste capítulo: A) Em que circunstâncias as empresas preferirão englobar internamente as várias fases

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 17, Informação Assimétrica::EXERCÍCIOS 1. Muitos consumidores consideram uma marca conhecida como um sinal de qualidade e, por isso, estarão dispostos a pagar um preço mais

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia Parte 9. Jogos e Assimetria Informacional. Prof. Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Parte 9 Jogos e Assimetria Informacional Prof. Antonio Carlos Assumpção Observações sobre jogos, assimetria Informacional Teoria dos Jogos Supondo que meus concorrentes sejam racionais e

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA)

LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA) 1 UFRGS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA (PPGE/UFRGS) DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II PROF. GIACOMO BALBINOTTO NETO LISTA DE EXERCÍCIOS N. 2 (SELEÇÃO ADVERSA)

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

Motivação: Empresarial e Escolar

Motivação: Empresarial e Escolar Motivação: Empresarial e Escolar ISEP 2003/2004 Introdução à gestão aluno: Filipe Costa numero: 1020525 turma: 2ID Introdução A motivação como factor fundamental que dita a produtividade de uma pessoa

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE?

PROGRAMAS DE INCENTIVOS: DINHEIRO OU ESPÉCIE? Rafael Mahave Tradução e adaptação de Amândio da Fonseca Ninguém duvida da utilidade dos incentivos para se atingirem objectivos, quer no âmbito profissional quer empresarial. E quando falamos de objectivos

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

INVESTIMENTO INVESTIMENTO O ABC DO. Em colaboração com:

INVESTIMENTO INVESTIMENTO O ABC DO. Em colaboração com: ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO INVESTIMENTO O ABC DO INVESTIMENTO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana.

Leia mais

Externalidades. Externalidades. Externalidades

Externalidades. Externalidades. Externalidades Externalidades IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Externalidades As externalidades são uma falha de mercado (por isso a intervenção governamental pode ser aconselhável). As externalidades

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

CURSO DE MICROECONOMIA 2

CURSO DE MICROECONOMIA 2 CURSO DE MICROECONOMIA 2 TEORIA DOS CONTRATOS - Seleção Adversa PROF Mônica Viegas e Flavia Chein Cedeplar/UFMG 2/2009 Cedeplar/UFMG (Institute) MICRO 2 2/2009 1 / 30 Seleção Adversa Seleção adversa: se

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.3 Oligopólio em Restrições de Capacidade (Edgeworth). Oligopólio de Stackelberg. Variações Conjecturais Isabel Mendes

Leia mais

NCRF 28 Benefícios dos empregados

NCRF 28 Benefícios dos empregados NCRF 28 Benefícios dos empregados Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 19 - Benefícios dos Empregados, adoptada pelo texto original do

Leia mais

Investimentos e Mercados Financeiros

Investimentos e Mercados Financeiros MESTRADO EM CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS 1º SEMESTRE 2007/2008 Investimentos e Mercados Financeiros Caderno de Exercícios nº3 Escolha da Carteira Óptima Raquel M. Gaspar 1 Teoria

Leia mais

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Ester Saverson Jr. Director-Adjunto do Departamento de Assuntos Internacionais US SEC Dia 25OU2010 º Tema 1 1 Os pontos de vista aqui expressos

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 9 O Valor Económico do Meio Ambiente O porquê da Valorização Ambiental Como vimos em tudo o que para trás

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO

CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO CAPÍTULO III TOMADA DE DECISÃO COM INCERTEZA E RISCO TOMADA DE DECISÃO 36 Tomada de Decisões Primeiro Passo i. Identificar decisões alternativas. ii. Identificar consequências possíveis. iii. Identificar

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação?

Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação? Reflexão sobre o custo dos alunos no ensino público e no ensino privado Quem ganha com os Contratos de Associação? Há já mais de 30 anos (Decreto Lei nº 553/80, de 21 de Novembro) que o Governo estabeleceu

Leia mais

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana. ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO SEGURO O ABC DO SEGURO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes

NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes NCRF 21 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 37 - Provisões, Passivos Contingentes

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos O que é risco? Um risco é um evento incerto que, se ocorrer, pode comprometer a realização do objetivo do projeto. Identificação de riscos inclui determinar quais riscos

Leia mais

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores)

NOME: NÚMERO: GRUPO I (8 valores) Universidade do Minho Curso de Comunicação Social Disciplina de Economia 8 de Junho de 2004 PROVA DE AVALIAÇÃO NOME: NÚMERO: Observações obrigatórias - antes de começar a responder, siga as seguintes instruções:

Leia mais

Contraditório Think Tank. Artigo

Contraditório Think Tank. Artigo Contraditório Think Tank Artigo O dever cívico de não votar Luís Faria As opiniões expressas no artigo são da inteira responsabilidade do(s) autor(es) e não coincidem necessariamente com a posição do Contraditório.

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO HOTEL TATUAPÉ ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO

Leia mais

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber.

a dinheiro deve ser reconhecida como um juro de acordo com a NCP 13, refletindo o rendimento efetivo sobre a conta a receber. compensações por terceiros, e qualquer compra ou construção subsequente de ativos de substituição, constituem acontecimentos económicos separados e devem ser contabilizados da seguinte forma: (a) A imparidade

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989.

PARECER DE ORIENTAÇÃO CVM Nº 17, DE 15 DE FEVEREIRO DE 1989. 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas e auditores independentes na elaboração e publicação das demonstrações financeiras, do relatório da administração e do parecer

Leia mais

EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS

EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS EFM- 1 EFICIÊNCIA DOS MERCADOS FINANCEIROS EFM- 2 O mercado eficiente é aquele onde os preços reflectem completa e instantaneamente toda a informação relevante e disponível. Se os mercados forem efectivamente

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ESTRUTURAS DE CONCORRÊNCIA E TEORIA DOS JOGOS Adriana Kumiko Takahagui, AN091321

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

Economia Financeira Internacional Ano Lectivo 2000/2001

Economia Financeira Internacional Ano Lectivo 2000/2001 Economia Financeira Internacional Ano Lectivo 2000/2001 PAER 09/2001 Duração: 2 horas Parte A (em consulta 60 minutos) 1. uponha que tem um depósito em escudos no valor de 100 000$00 e que decide trocar

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Condições e formulários de aceitação DEGIRO

Condições e formulários de aceitação DEGIRO Condições e formulários de aceitação DEGIRO 1/25 Endereço para onde pode enviar este formulário: Pode enviar este formulário devidamente preenchido por e-mail para: clientes@degiro.pt 2/25 Condições para

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos

Custos e benefícios. Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Custos e benefícios Custos a longo prazo tipos de custos contigência benefícios e teste de benefícios avaliação de investimentos Os verdadeiros custos da informação são raramente estudados....para fazer

Leia mais

Economia Financeira Internacional

Economia Financeira Internacional Economia Financeira Internacional Curso de Economia, 3º ano, 2001-2002 Época Especial de Exame Dirigentes Associativos 03/05/2002 Parte A Sem consulta Duração: 1 hora 1. Considere as economias A, B e C,

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO GRUPO: ADMINISTRAÇÃO II DATA: HORÁRIO: NOME DO CANDIDATO: CPF: ASSINATURA: INSTRUÇÕES:

Leia mais

Como funciona o seguro

Como funciona o seguro Como funciona o seguro Sobre a Insurance Europe A Insurance Europe é a federação de seguradoras e resseguradoras da Europa. Por meio dos seus 34 órgãos membros as associações nacionais de seguradoras a

Leia mais

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas

Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas Estruturação de uma Concessão/PPP: Regulação Econômica de Infraestruturas 1º Simpósio Nacional de Auditoria de PPPs 15/05/2013 Roteiro da Apresentação 1. Motivação 2. Governo e Infraestrutura 3. Quando

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social

Resumo do relatório de estudo do Regime da Segurança Social Resumo do de estudo do Regime da Segurança Social Introdução De acordo com o de estudo principal do dia 18 de Abril e os dois anexos respectivamente dos dias 29 de Maio e 27 de Junho (Análises 1 e 2 dos

Leia mais

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público

Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Grupo Parlamentar PROJECTO-LEI N.º /X Política Tarifária nos Sistemas de Transporte Público Exposição de Motivos Nas sociedades actuais a mobilidade das populações é cada vez maior. A política de transportes

Leia mais

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ

Finanças Públicas. Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ Finanças Públicas Seguro Social & Benefício Social CAP. 14 STIGLITZ 1. INTRODUÇÃO Seguro Social X Programas de Bem estar Principais tipos de Seguro Social: Seguridade Social (aposentadoria) Seguro Saúde

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada CUSTOS DE PRODUÇÃO Profª Graciela Cristine Oyamada Curva de Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados) Teoria dos Custos de

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO Introdução Em aulas anteriores discutimos três conceitos fundamentais na Ciência Económica: escassez, escolha e custo de oportunidade. O fenómeno da escassez

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessão 2 Compreensão

Leia mais

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Adoptada no Comité Executivo a 13-14 de Outubro de 2010 Governação económica europeia e a U.E.2020: As propostas da Comissão 1. Um Pacto de Estabilidade

Leia mais

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador

DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador DMA Acesso Directo ao Mercado Manual do utilizador Manual do utilizador Conteúdos Conteúdos 01 Uma introdução à negociação com DMA 02 Início O que é o DMA Vantagens do DMA Activação do DMA Permissões &

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I O sistema de informação contabilística Ponto da situação Visão global dos principais produtos ( outputs ) da contabilidade como sistema de informação: Balanço, Demonstração de

Leia mais

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS 2º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS Msc. Economista Carlos Kibuba INAPEM-MALANJE carloskibuba@hotmail.com GESTÃO DE PEQUENOS NEGÓCIOS CARLOS QUIBUBA REPRESENTANTE PROVINCIAL DO INAPEM-MALANJE.

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

motivações da política económica

motivações da política económica POLÍTICA ECONÓMICA E ACTIVIDADE EMPRESARIAL Licenciaturas em Economia e em Gestão 1. O contexto histórico e teórico da Moderna Política Económica 1.2. motivações da política económica 1 POLÍTICA ECONÓMICA

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Quando QUERO encontro uma SOLUÇÃO.

Quando QUERO encontro uma SOLUÇÃO. O objectivo fundamental de qualquer reunião de negociação coincide com o desejo de quem nela intervém: concretizar algum tipo de ganho e evitar algum tipo de perda. Quem se prepara bem para uma negociação,

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão

Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂ1VLARA MUNICIPAL Conselho Municipal de Educação de Vila Velha de Ródão ACTA N~ 42 Aos dez dias do mês de Setembro do ano de dois mil e catorze, pelas catorze horas, reuniu

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento

O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento Capítulo II O branqueamento de capitais afecta o desenvolvimento A. As consequências negativas para os países em desenvolvimento 1. Aumento do crime e da corrupção 2. Consequências internacionais e investimento

Leia mais

Princípios do teste de software

Princípios do teste de software Teste de Software Princípios do teste de software Conforme a Lei de Pareto, 80% dos erros podem ser localizados em 20% do projeto, geralmente nos módulos principais do sistema; A atividade de teste não

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Tópico 9. Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas. Fátima Barros Organização Industrial 1

Tópico 9. Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas. Fátima Barros Organização Industrial 1 Tópico 9 Os Limites Horizontais e Verticais das Empresas Fátima Barros Organização Industrial 1 Fusões e Aquisições Fusões, aquisições e integração: situações em que empresas, independentes do ponto de

Leia mais

Contrato de Aliança. Bruno Dario Werneck

Contrato de Aliança. Bruno Dario Werneck Bruno Dario Werneck Estruturas de Preços dos Contratos de Construção Preço Unitário Preço Máximo Garantido (PMG). Preço Global (Lump Sum). Reembolso de custos mais margem (Cost Plus). 2 Alguns problemas

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais