ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental"

Transcrição

1 ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental

2 Tema 2 O MERCADO

3 O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no intuito de determinarem a forma como são usados os recursos escassos de que as sociedades humanas dispõem. Talvez o mais importante conjunto de instituições estudado seja o dos Mercados. O Mercado não é mais do que o local onde se encontram vendedores e compradores, com vista à realização de trocas de bens e serviços. Por isso os Mercados podem ocorrer a muitos e diferentes níveis e escalas. Tanto podemos falar do Mercado Local ou do Mercado Mundial de determinado bem, como do Mercado de Trabalho ou do Mercado de Acções de uma cidade ou de um país.

4 O Mercado Os Mecanismos do Mercado só podem funcionar plenamente quando as pessoas seguem um certo conjunto de normas comportamentais de mercado. Assim assumimos que: 1. Os vendedores de bens e serviços devem estar motivados pela obtenção de Lucros. 2. Os compradores de bens e serviços devem estar motivados por conseguirem obter o máximo possível do seu dinheiro (quer em termos de quantidade, quer em termos de qualidade).

5 O Mercado A PROCURA Quando se recorre ao mercado com vista à obtenção de um bem ou serviço, diz-se que se está numa situação de PROCURA (ou Demand, conforme a terminologia Anglo-Saxónica). Como consumidores reagimos a mudanças nos preços dos bens e serviços. Se os preços sobem, normalmente compramos menos, porque: 1. Um aumento no preço daquilo que queremos comprar nos torna mais pobres. Precisamos de uma maior quantidade de dinheiro para adquirir a mesma quantidade do bem ou serviço. 2. Somos sensíveis aos preços de outros bens e serviços que possam satisfazer o mesmo tipo de necessidades. Se o preço das maçãs sobe, podemos bem passar a comprar mais pêras, assumindo que o preço destas se mantém.

6 O Mercado A PROCURA No primeiro caso estávamos a reagir a um preço de um bem relacionando-o com o nosso nível de rendimentos. No segundo caso estávamos a reagir a um preço de um bem relacionando-o com o preço de outros bens. Note-se que reagiríamos em direcção oposta se o preço do bem ou serviço que procurávamos baixasse. Os Economistas acham que esta resposta a variações de preços é tão universal que lhe chamam: A Lei da Procura

7 A LEI DA PROCURA Podemos então enunciar a Lei da Procura da seguinte forma: Mantendo-se todas as demais coisas constantes, a procura de um bem ou serviço aumenta quando o seu preço baixa, e diminui quando o seu preço sobe. Note-se que não podemos deixar de considerar o facto de todas as demais coisas terem de se manter constantes, uma vez que a procura de um dado bem ou serviço depende, como já se viu, de outros aspectos, como sejam, o preço de bens relacionados, o nível de rendimentos, os gostos, etc., etc..

8 A LEI DA PROCURA P A preços elevados correspondem quantidades compradas baixas. p1 A preços mais baixos correspondem quantidades compradas mais elevadas. p2 D q1 q2 Q

9 ELASTICIDADE DA PROCURA A Lei da Procura, por nos dar apenas uma relação qualitativa, e não quantitativa, entre o preço a a quantidade procurada de um determinado bem ou serviço, tem por si só pouca utilidade. Por exemplo para uma empresa, seria bem mais interessante poder saber quanto subirão ou baixarão as suas vendas, em consequências desta ou daquela baixa ou aumento de preços nos seus produtos. Os Economistas desenvolveram uma medida numérica, para exprimir os diferentes graus de resposta dos consumidores a variações dos preços dos diferentes produtos, a que se chama Elasticidade da Procura em Relação ao Preço.

10 ELASTICIDADE DA PROCURA A Elasticidade da Procura em Relação ao Preço calcula-se dividindo a variação percentual na quantidade procurada pela variação percentual do preço que a originou: No gráfico anteriormente apresentado, se o preço do bem passasse de p1 para p2, a Elasticidade da Procura em Relação ao Preço viria dada por: ε = % Q % P = q p 2 q q1 p p

11 ELASTICIDADE DA PROCURA Os consumidores reagem de forma distinta a variações de preços em produtos distintos. Por exemplo, um aumento de 30% no preço das tangerinas pode implicar uma baixa de 70% nas suas compras. Mas um aumento de 50% no preço da gasolina pode implicar uma redução no consumo de menos de 10%. Quando o preço varia muito mas a quantidade procurada varia pouco, como o caso da gasolina, diz-se que a Procura é Inelástica. Quando pelo contrário o preço varia pouco e a variação na procura é proporcionalmente maior, diz-se que a Procura é Elástica. Procuras Inelásticas têm Elasticidades entre 0 e 1. Uma Elasticidade de 1 marca a fronteira entre Procuras Elásticas e Inelásticas (Diz-se Elasticidade Unitária). Procuras Elásticas têm Elasticidades maiores que 1.

12 O Mercado A OFERTA Vejamos agora o lado dos vendedores de bens e serviços. O seu objectivo é ganhar o máximo lucro possível, no quadro das condições que enfrentam. No seu conjunto, produzirão o que quer que seja desde que tal lhes seja rentável. Se o preço que conseguem obter aumenta, terão maiores lucros. Podem aumentar a produção. Se o preço que conseguem obter baixa, algumas empresas cortam nas suas produções, enquanto outras se vêem mesmo forçadas a abandonar o negócio. Na globalidade a produção tende a baixar. A Oferta (Supply na língua Inglesa) tem portanto um comportamento semelhante, mas oposto, ao da Procura. Um preço em alta diminui a quantidade comprada, mas aumenta a quantidade oferecida. Um preço em baixa aumenta a quantidade comprada, mas diminui a quantidade oferecida. Mantidas constantes todas as demais coisas.

13 A OFERTA P S p1 A preços elevados correspondem quantidades oferecidas altas. p2 A preços mais baixos correspondem quantidades oferecidas mais baixas. q2 q1 Q

14 Mercados e Concorrência Perfeita As regras gerais faladas para a Procura, e muito mais em particular para a Oferta, são mais fortes quando há Maior Concorrência, e mais fracas quando há Menor Concorrência. A forma como as empresas respondem a mudanças de preços é influenciada pelo grau de concorrência existente no seio do seu sector industrial. Os mercados podem variar desde aqueles em que nada do que uma empresa isolada possa fazer altera o preço do seu produto, até àqueles em que uma única empresa tem possibilidades fortes de alterar esse preço, isoladamente. Vejamos então as condições que devem existir para que os mercados operem de forma concorrencial.

15 Mercados e Concorrência Perfeita 1. Deve haver um grande número de produtores (empresas) e um grande número de compradores. De tal forma que se uma empresa sair do mercado ou, pelo contrário, triplicar a sua produção, o preço do produto por ela produzido não é alterado. 2. Os Direitos de Propriedade devem estar perfeitamente definidos. Quando compramos um quilo de carne, ele passa a pertencer-nos. Contudo não podemos comprar um litro de ar puro. Por isso há um mercado para a carne, mas não há um para o ar limpo. 3. Deve haver Competição. Ou algo a que podemos chamar de rivalidade. Quando compramos gasolina Galp, não compramos gasolina Cepsa. Ambas competem pelas nossas compras de gasolina, e fornecem-nos bens que podemos considerar como exactamente iguais.

16 Mercados e Concorrência Perfeita 4. Deve ser possível entrar ou abandonar o mercado com toda a facilidade. Quer dizer que o Mercado deve permitir a exclusão e o fácil acesso. Produtores e consumidores podem ser excluídos do mercado dependendo de factores como a oferta, a procura, e outros. 6. O Mercado não deve ser coercivo. Quer os consumidores, quer os vendedores, devem ser livres de fazer as suas escolhas, e devem estar livres de situações de coerção nas suas transacções. 7. A informação deve ser barata e fácil de obter. Tanto os consumidores como os vendedores devem ter fácil acesso à informação que consideram necessária para melhor tomarem decisões relativas às suas transacções.

17 Outras Formas de Concorrência 1. Concorrência Monopolística. É muito semelhante à concorrência perfeita. Só que as empresas de concorrência monopolística produzem bens ou serviços ligeiramente diferentes daqueles que são produzidos pelos seus concorrentes. Um bom exemplo são os Restaurantes (e não as cadeias de Fast Food), ou os Cabeleireiros. 2. Oligopólio. É uma estrutura de mercado na qual um pequeno número de grandes empresas produz a maior parte do bem ou serviço produzido. Exemplos são as cadeias de Fast Food, a indústria de Motores para Automóveis, as Siderurgias, etc..

18 Outras Formas de Concorrência 3. Monopólio. Uma única empresa produz a totalidade do bem ou do serviço disponível. Tal bem ou serviço não tem qualquer substituto. Uma vez que o monopólio deixa o consumidor sem escolha para além de poder escolher ficar sem o bem ou serviço é normalmente proibido nos países industrializados. Nos casos em que a tecnologia de produção é tal que não permite a concorrência directa como o fornecimento de água potável, os sistemas de esgotos, a produção de electricidade os monopólios podem existir mas os seus preços são determinados pelos governos, ou então são directamente possuídos ou operados pelos governos.

19 Mercados e Preço de Equilíbrio Os Mercados proporcionam às pessoas: 1) a oportunidade de vender os bens ou serviços para cuja produção trabalharam e, 2) a oportunidade de comprarem os bens e serviços de que necessitam ou que desejam. O equilíbrio do mercado dá-se quando a Oferta de um bem ou serviço iguala a Procura. Os economistas usam as Curvas da Oferta e da Procura (anteriormente mostradas) para descrever este equilíbrio. Analisemos o gráfico seguinte, que inclui as duas curvas da Oferta e da Procura para um determinado bem ou serviço, conforme o anteriormente mostrado:

20 Vejamos uma situação de Excesso Se o preço prevalecente do produto for demasiado alto, a quantidade oferecida será muito superior à quantidade procurada, verificando-se a existência de excedentes de mercado para o mesmo. P S Excedente = q2-q1 p1 D q1 q2 Q

21 Vejamos uma situação de Excesso À medida que os vendedores se tentam ver livres do excesso de produto, tendem a baixar o preço do mesmo. A resposta dos compradores é, como se viu, comprar mais. Se mais for sendo comprado, e menos for sendo produzido (devido à diminuição do preço) os excedentes acabarão por desaparecer. P S Excedente Inicial p1 p2 Novo Exced. D q1 q3 q4 q2 Q

22 Vejamos uma situação de Escassez Se o preço prevalecente do produto for demasiado baixo, a quantidade oferecida será muito inferior à quantidade procurada, verificando-se a existência de escassez de mercado para o mesmo. P S p 1 Escassez = q2-q1 D q1 q2 Q

23 Vejamos uma situação de Escassez À medida que os compradores tentam adquirir o produto, que é escasso ao preço prevalecente, tendem a oferecer um preço mais alto. A resposta dos vendedores é, como se viu, produzir mais e aumentar o preço. Os compradores reagem então consumindo menos. Se menos for sendo comprado, e mais for sendo produzido (devido ao aumento do preço) a escassez acabará por desaparecer. P S p2 p 1 Nova Escas. Escassez Inicial D q1 q3 q4 q2 Q

24 O Preço de Equilíbrio Se quando há excedentes de oferta os preços tendem a baixar, diminuindo a quantidade oferecida e aumentando a quantidade procurada... E quando há excesso de procura os preços tendem a aumentar, aumentando a quantidade oferecida e diminuindo a quantidade procurada... P S Então tende-se para um Preço - p* p* Que corresponderá a uma quantidade Procurada que é igual à quantidade Oferecida - q* D A p* chamamos de Preço de Equilíbrio e a q* chamamos de Quantidade de Equilíbrio. q* Q

25 Mercados e Preço de Equilíbrio Vimos então que há excedentes quando a oferta é superior à procura, para o preço prevalecente de mercado. E vimos também que há escassez quando a oferta é inferior à procura, para o preço prevalecente de mercado. E vimos ainda que são as forças que se encontram no mercado que empurram os preços para o chamado Preço de Equilíbrio. O Preço de Equilíbrio é o preço para o qual os compradores estas dispostos a comprar a mesma quantidade do bem ou do serviço que os vendedores estão dispostos a vender. O Preço de Equilíbrio só se altera quando se alteram as condições da oferta ou da procura, ou seja, quando se alteram todas as outras coisas que considerámos constantes para além do preço condição ceteris paribus

26 Como se viu, as forças que se encontram no mercado Vendedores e Compradores ou, dito doutra maneira, a OFERTA e a PROCURA empurram o preço dos bens e serviços para o chamado PREÇO DE EQUILÍBRIO. Mas há um aspecto bem mais profundo para o resultado dos mecanismos do mercado do que este, e que é, por assim dizer, um resultado socialmente desejado. Para o analisarmos temos de compreender melhor o que está por trás dos conceitos de Oferta e Procura.

27 Algo mais sobre a PROCURA P p1 D Que significado tem dizer-se que, ao preço p1, os consumidores desejam comprar q1 unidades do bem, por exemplo, energia? q1 Q Os consumidores estarão a comparar os benefícios que obtêm do consumo de energia com os custos que têm de pagar o preço da energia. Estes custos representam de facto os benefícios que obteriam pelo consumo de outros bens que tivessem adquirido com o dinheiro gasto na compra da energia, ou Custo de Oportunidade.

28 Algo mais sobre a PROCURA P p1 D Se desejam adquirir q1 unidades de energia ao preço p1, é porque o benefício que daí obtêm é pelo menos tão alto como os custos que têm de suportar. q1 Q Em termos marginais, o benefício do consumo de energia deve ser igual ao seu preço. Se o benefício obtido de uma unidade extra de energia fosse superior ao seu preço, certamente que os consumidores comprariam mais... Se o benefício obtido fosse inferior ao preço, certamente que os consumidores comprariam menos.

29 Procura e Disposição para Pagar P p1 D Podemos então pensar no preço p1 como uma medida do benefício marginal que os consumidores obtêm por consumir a última unidade de energia, quando a quantidade consumida é q1. q1 Q Podemos igualmente dizer que o preço p1 mede, relativamente ao consumidor, a sua Disposição Marginal para Pagar a energia (DMP). A DMP representa então a quantidade máxima de dinheiro que os consumidores estão dispostos a pagar por mais uma unidade do bem neste caso energia quando o consumo total é de q1 unidades.

30 Procura e Disposição para Pagar A argumentação anterior sugere que se p1 é igual ao benefício da última unidade de energia consumida quando o consumo total é q1, então as unidades anteriores de energia devem ter dado aos consumidores pelo menos tanto benefício quanto p1. Se o preço fosse p2 os consumidores só comprariam q2 unidades de energia, e para a última unidade de energia consumida obteriam um benefício marginal de p2 > p1. p2 é a Disposição Marginal para Pagar dos consumidores para a última unidade de energia consumida, quando o consumo total é de q2. O mesmo raciocínio se poderá fazer quando a última unidade consumida for q3, que deverá originar um benefício marginal igual a p3. P p3 p2 p1 q3 q2 q1 D Q

31 Procura e Disposição para Pagar Então, e de acordo com o que se disse, se os consumidores compram q1 unidades de energia ao preço p1, o benefício total que os consumidores obtêm dessa situação deverá ser igual à área ABEF a área debaixo da curva da Procura. A p1 C B De igual modo, a área ABEF mede, por parte dos consumidores, a sua Disposição Total para Pagar (DTP) as q1 unidades de energia. F q1 E D

32 Procura e Excedente do Consumidor Mas, para adquirirem a quantidade q1 os consumidores apenas despendem o equivalente à área BCEF igual à despesa total dos consumidores em energia = p1 q1. A p1 C B Assim, os consumidores recebem um benefício líquido, também chamado de Excedente do Consumidor, equivalente à área ABC, quando compram q1 unidades ao preço p1. F q1 E D

33 Algo mais sobre a OFERTA P S p4 q4 Q Que significado tem dizer-se que, ao preço p4, os vendedores desejam vender q4 unidades do bem? (continuemos com o exemplo da energia) Similarmente os vendedores estarão a comparar os benefícios que obtêm da venda de energia (o preço recebido por cada unidade de energia vendida) com os custos de produção da mesma. Mais uma vez, o preço da energia, p4, deve igualar o custo marginal de produção da última unidade de energia, quando a produção total é de q4.

34 Algo mais sobre a OFERTA P p4 q4 S Q Se o custo marginal fosse menor que o preço, poderiam obter maiores lucros produzindo mais energia. Se o custo marginal fosse maior que o preço, poderiam obter maiores lucros produzindo menos energia. Portanto, a curva da Oferta mede o Custo Marginal de produção da última unidade de energia produzida, para os diferentes níveis de produção total. Mais uma vez, esta situação implica que se o preço p4 apenas cobre o custo marginal de produção da última unidade de energia quando a produção total é q4, então p4 deve ser pelo menos tão elevado quanto o custo marginal de produção das unidades anteriores de energia.

35 Algo mais sobre a OFERTA P p4 p5 S Se a produção total fosse apenas de q5, então o custo marginal de produzir essa última unidade de energia deveria ser de apenas p5. q5 q4 Q Vejamos então, usando a representação gráfica, quais serão os custos totais de produção e os rendimentos totais dos produtores, tal como fizemos anteriormente para o caso dos consumidores.

36 Oferta e Excedente do Produtor Podemos dizer que quando ocorre a produção de q4 unidades de energia a um preço p4, o Custo Total de Produção corresponde à área GJKL a área debaixo da curva da oferta, enquanto que o Rendimento Total corresponde à área LHJK = p4 q4. A S p4 H G J Assim, os produtores recebem um benefício líquido, também chamado de Excedente do Produtor, equivalente à área GHJ, quando vendem q4 unidades ao preço p4 Lucro. L q4 K

37 As Curvas da Oferta e da Procura juntas Juntemos agora ambas as curvas: P S P e D Q e Q

38 As Curvas da Oferta e da Procura juntas P O equilíbrio de mercado conduz a uma produção de energia Q e que maximiza os benefícios líquidos que a sociedade obtém da energia. S P e D Q e Q

39 As Curvas da Oferta e da Procura juntas P A quantidade de equilíbrio Q e é tal que o benefício marginal que os consumidores obtêm do consumo de energia apenas cobre o custo marginal de produção da mesma. S P e D Q e Q

40 As Curvas da Oferta e da Procura juntas P A uma quantidade maior que Q e o custo marginal de produção excede o benefício marginal que os consumidores obtêm do consumo de energia a sociedade estaria a produzir energia a mais. S CM P e BM D Q e Q Q

41 As Curvas da Oferta e da Procura juntas P A uma quantidade menor que Q e o benefício marginal que os consumidores obtêm do consumo de energia excede o custo marginal de produção produzir mais energia seria mais benéfico para a sociedade. S BM P e CM D Q Q e Q

42 As Curvas da Oferta e da Procura juntas P O máximo benefício líquido pode ser medido pela área ABC, que é igual à soma do excedente do consumidor (ABM) mais o excedente do produtor (CBM). A S P e M B A quantidade Q e é aquela que maximiza o excedente do consumidor mais o excedente do produtor. C D Q e Q

43 Conclusão O Mercado garante que obtemos a quantidade certa que é produzida de um determinado bem ou serviço, uma vez que garante, em termos marginais, que o benefício social derivado do seu consumo cobre o seu custo social de produção.

44 Que tem tudo isto a ver com o Ambiente? Como vimos em aula anterior, há certos tipos de bens para os quais as leis do mercado não funcionam convenientemente. O mercado, e consequentemente a economia, funcionam convenientemente quando é possível que se atinja aquilo a que chamámos de preço de equilíbrio. Ora como muitos bens não são objecto de pagamento monetário, tal como muitas acções dos agentes económicos que consideramos nocivas também não são alvo de compensações monetárias, acontecem situações de Falência do Mercado. Com os bens ambientais esta é a situação mais frequente, e a ela dedicaremos as próximas aulas.

45 FIM Tema 2 O MERCADO

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 9 O Valor Económico do Meio Ambiente O porquê da Valorização Ambiental Como vimos em tudo o que para trás

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 6 IMPOSTOS E CONTAMINAÇÃO ÓPTIMA Para quê a Regulamentação? No tema anterior vimos que as soluções de mercado

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.3 Oligopólio em Restrições de Capacidade (Edgeworth). Oligopólio de Stackelberg. Variações Conjecturais Isabel Mendes

Leia mais

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A.

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A. ECONOMIA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2006 2 DEMANDA E OFERTA A Teoria Microeconômica

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

LEI DA PROCURA. Lei da Procura (demand):

LEI DA PROCURA. Lei da Procura (demand): MERCADO LEI DA PROCURA Lei da Procura (demand): A procura de um bem/serviço aumenta quando o seu preço baixa, e diminui quando o seu preço sobe, mantendo-se todo o resto constante (ceteris paribus) Note-se

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

Organização interna da empresa

Organização interna da empresa Organização interna da empresa IST, LEGI - Teoria Económica II Margarida Catalão Lopes 1 Duas questões neste capítulo: A) Em que circunstâncias as empresas preferirão englobar internamente as várias fases

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Bundling: Examinations of Experimental Data

Bundling: Examinations of Experimental Data Bundling: Examinations of Experimental Data Isabel C. Moura Seminários DSI 11 de Novembro de 24 Escola de Engenharia Universidade do Minho Alguns Exemplos de Bundling Microsoft Office; Microsoft Windows

Leia mais

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados

Estruturas de Mercado. 17. Concorrência Monopolística. Competição Imperfeita. Competição Monopolísitica. Muitos Vendedores. Produtos Diferenciados Estruturas de Mercado 17. Concorrência Monopolística Número de Firmas? Muitas firmas Tipo de Produto? Uma firma Poucas firmas Produtos diferenciados Produtos idênticos Monopólio Oligopólio Competição Monopolística

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

2.7 - Curva de Possibilidades de Produção

2.7 - Curva de Possibilidades de Produção 2.7 - Curva de ossibilidades de rodução Exemplo : Sendo os recursos escassos temos que sacrificar total ou parcialmente outro bem qualquer. Utilizando todos os recursos disponíveis ( " pleno emprego dos

Leia mais

Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa

Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa Artigo Opinião AEP /Novembro 2010 Por: Agostinho Costa COMO ESTIMULAR A MUDANÇA NA SUA EMPRESA Parte II «O novo líder é aquele que envolve as pessoas na acção, que transforma seguidores em líderes, e que

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas

A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas A Teoria da Endogeneidade da Moeda:Horizontalistas X Estruturalistas Professor Fabiano Abranches Silva Dalto Departamento de Economia da UFPR Disciplina Economia Monetária e Financeira Bibliografia Sugerida:

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 2, Oferta e Demanda :: REVIÃO 1. uponha que um clima excepcionalmente quente ocasione um deslocamento para a direita da curva de demanda de sorvete. Por que o preço de equilíbrio

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira PROCON MICROECONOMIA - Prof. I Introdução A teoria econômica é um instrumental extremamente útil para o entendimento de uma série questões do mundo moderno. Neste curso estudaremos o comportamento de consumidores,

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

Curso Direito Empresarial Básico

Curso Direito Empresarial Básico Seja bem Vindo! Curso Direito Empresarial Básico CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 20hs Conteúdo Programático: 01. Introdução 02. Definições 03. Conceito contemporâneo de marketing 04. História do marketing

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Mercado e a concorrência

Mercado e a concorrência Mercado e a concorrência Trabalho realizado por: Sandra Costa Nº 15 12º S Mercado É o local no qual agentes económicos procedem à troca de bens por uma unidade monetária ou por outros bens. Os mercados

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. A empresa e o mercado Fernando Branco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno essão 4 A empresa produz para servir os seus clientes (o mercado). Não há uma teoria geral para prescrever as decisões óptimas

Leia mais

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs)

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) AS COMUNICAÇÕES ENTRE ADVOGADO E CLIENTE SÃO ESTRITAMENTE CONFIDENCIAIS Este documento destina-se a abordar questões que possam surgir no decurso

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental

Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental. Subsídio Ambiental Instrumentos Econômicos de Gestão Ambiental Subsídio Ambiental Acabamos de perceber que um tributo sobre emissões funciona como se estivéssemos estabelecendo um preço pelo uso do patrimônio ambiental que

Leia mais

Estratégia empresarial e gestão de custos

Estratégia empresarial e gestão de custos Estratégia empresarial e gestão de custos Marcello Lopes dos Santos* A empresa e seu ambiente Uma adequada formação de preço de venda é uma questão crucial para que uma empresa possa sobreviver e crescer,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação)

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) ECONOMIA MÓDULO 17 AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) Índice 1. As Elasticidades da Demanda (continuação)...3 1.1. Elasticidade-preço cruzada da demanda... 3 1.2. Elasticidade-renda da demanda...

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução

CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO. Introdução CAPÍTULO 3 A ANATOMIA DA ECONOMIA DE MERCADO Introdução Em aulas anteriores discutimos três conceitos fundamentais na Ciência Económica: escassez, escolha e custo de oportunidade. O fenómeno da escassez

Leia mais

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2)

PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PERSPECTIVAS MUNDIAIS DA TECNOLOGIA ENERGÉTICA 2050 (ESTUDO WETO-H2) PRINCIPAIS MENSAGENS O estudo WETO-H2 elaborou uma projecção de referência do sistema energético mundial e dois cenários alternativos,

Leia mais

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico.

GESTÃO. 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado. 3. O ambiente económico. GESTÃO 3. O Ambiente Económico. Mercados: Procura e oferta; Custos; Estruturas de mercado; Papel do Estado Mercados 1 Meio envolvente global: o ambiente económico A empresa insere-se num ambiente macroeconómico,

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA 01 1 - INTRODUÇÃO COETERIS PARIBUS Para analisar determinado mercado isoladamente, supõe-se que todos os demais são constantes; ou seja,

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 2.6 Concorrência Monopolística: Modelo Espacial e Concorrência pela Variedade Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz 1 1. O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é: a) A pobreza. b) O controle dos bens produzidos. c) A escassez. d) A taxação daqueles que recebem toda e qualquer espécie de renda. e) A

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL 1 FCULDDE DE ECONOMI DO PORTO NO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMI INTERNCIONL 2. Política comercial externa 2.1. Instrumentos de política comercial externa 2.2. Efeitos de mercado e de bem-estar associados

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE PROJETOS

AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA DE PROJETOS Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE COOPERATIVAS ESAPL / IPVC Objectivos de Constituição de uma Cooperativa: normalmente OBJECTIVOS DE CARÁCTER ECONÓMICO. por exemplo, MELHORAR O RENDIMENTO DOS ASSOCIADOS. são objectivos

Leia mais

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5

Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial. Aula - 5 Estudo das Cinco Forças de Porter para a Análise do Ambiente Competitivo ou Setorial Aula - 5 Modelo de Porter do Ambiente Competitivo 1- Ameaças de novos concorrentes que ingressam no setor Ameaças de

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015

Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo - ECONOMIA Curso Profissional de Restauração e Bar Ano de Escolaridade 10ºano Ano Letivo 2014/2015 MÓDULO 1 A ECONOMIA NO CONTEXTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS Disciplina Economia

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 3 A ANÁLISE DE MERCADO

PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 3 A ANÁLISE DE MERCADO PROJETOS ESTUDO, ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO MÓDULO 3 A ANÁLISE DE MERCADO 1 - INTRODUÇÃO A análise do mercado não só é o ponto de partida para a elaboração do projeto como também é um de seus aspectos mais

Leia mais

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES

A ESCOLHA DOS TRABALHADORES A ESCOLHA DOS TRABALHADORES Economia A escolha dos trabalhadores Em princípio, são duas as escolhas relevantes aqui: Trabalhar ou não trabalhar? Trabalhar quanto? A escolha dos trabalhadores Benefícios

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI

Teoria da utilidade / CI. Sumário. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI. Teoria da utilidade / CI Sumário Teoria da utilidade Bens complementares Bens substitutos Vimos que os agentes económicos Confrontam-se com cabazes E que dos seus gostos/preferências resulta uma função de utilidade u: Se A f B

Leia mais

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS

1. UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS . UMA RAZÃO PARA OS LOGARITMOS.. INTRODUÇÃO Os logaritmos foram inventados, no começo do século XVII, como um instrumento para facilitar e simplificar o cálculo aritmético, permitindo que se efetuassem,

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Preço Máximo. Sumário, aula 12. Preço Máximo. Preço Máximo. Preço Máximo. Preço Máximo. Intervenções do Governo. Em termos de teoria económica,

Preço Máximo. Sumário, aula 12. Preço Máximo. Preço Máximo. Preço Máximo. Preço Máximo. Intervenções do Governo. Em termos de teoria económica, Sumário, aula 12 Intervenções do Governo Imposição de um s Imposição de um s Subsídios Impostos Específicos Em termos de teoria económica, Os monopolistas fixam um preço superior ao preço de concorrência

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção

Marketing, Planejamento e Desenvolvimento de Produto. Professor Carpi. 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Professor Carpi 3. OS 4 P s DO MARKETING 3. OS 4 P s DO MARKETING 3.1 Produto 3.2 Preço 3.3 Praça 3.4 Promoção Preço Valor que o consumidor troca para obter benefícios por ele esperado. Funções e objetivos

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica Centro de Economia e Administração - CEA Administração Estratégica AULA 3 ANÁLISE SETORIAL Cinco forças competitivas básicas (Porter, 1980): Ameaça de novos concorrentes Intensidade de rivalidade Ameaça

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

MICROECONOMIA. Paulo Gonçalves

MICROECONOMIA. Paulo Gonçalves MICROECONOMIA Preços não Lineares e Discriminação de Preços Paulo Gonçalves pgoncalves@concorrencia.pt Preços Não Lineares e Discriminação de Preços exemplos e ratio Revistas têm descontos para determinados

Leia mais

Efeito de substituíção

Efeito de substituíção Efeito de substituíção Y Recta orçamental 2 Y3 óptimo do consumidor X, Y = Bens Y1 Y2 Recta orçamental 1 Y 0 X2 X3 X1 Efeito rendimento P Efeito de substituíção P2 P1 0 X2 X1 QX X Para bens normais, existe

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Princípios microeconómicos. Sumário aula 1-2. Princípios microeconómicos. Princípios microeconómicos. Exemplos de Custo/Benefício

Princípios microeconómicos. Sumário aula 1-2. Princípios microeconómicos. Princípios microeconómicos. Exemplos de Custo/Benefício Sumário aula 1-2 1) Princípios Os agentes económicos têm necessidades Os recursos são escassos / preço de reserva 2) Custo e Benefício 3) Custo de oportunidade Exemplos 1) Cada indivíduo tem necessidades

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1 pg. 1 pg. 2 pg. 3 pg. 4 Índice 2. Despacho, Operador de Mercado e Contractos Bilaterais Página 6 a) Despacho dos Geradores Página 7 b) Pool Simétrico Página 14 c) Pool Assimétrico Página 24 d) Trânsito

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

Análise Microeconômica

Análise Microeconômica Análise Microeconômica Volume 1 - Módulos 1 e 2 Marco Antonio Vargas Mariana Iootty Apoio: Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Rua Visconde de Niterói, 1364 Mangueira Rio de Janeiro, RJ CEP 20943-001 Tel.:

Leia mais

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros *

Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * P6_TA(2006)0334 Impostos sobre os veículos automóveis ligeiros de passageiros * Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de directiva do Conselho relativa à tributação aplicável aos

Leia mais

- Estruturas de Mercado. Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores

- Estruturas de Mercado. Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores - Estruturas de Mercado Introdução Mercado em Concorrência Perfeita Monopólio Oligopólio Concorrência Monopolística Estruturas do Mercado de Fatores Introdução As várias formas ou estruturas de mercado

Leia mais

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações?

Capitulo 2. Autarcia ou Comércio entre as Nações? Capitulo 2 Vantagem Absoluta e Comparativa Autarcia ou Comércio entre as Nações? A visão mercantilista: Comércio como um jogo com resultado zero-sum Adam Smith: vantagens absolutas e especialização. Um

Leia mais