Panorama sobre Economias de Aglomeração: Tendências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama sobre Economias de Aglomeração: Tendências"

Transcrição

1 Panorama sobre Economias de Aglomeração: Tendências Enegep Salvador 2013 Prof. Nelson Casarotto Filho UFSC

2 Economias de Aglomeração Distritos industriais marshalianos: economias passivas de aglomeração Laissez - faire Distritos industriais italianos: Economias ativas de aglomeração Intervenção

3 Distritos Industriais Italianos Economias Passivas de Aglomeração: Trocas: Comercialização, conhecimento Economias Ativas de Aglomeração: Trocas + Iniciativas de desenvolvimento Consórcios entre empresas, Consórcios com o poder público e instituições, relação com o planejamento territorial e desenvolvimento regional, Centros de apoio às empresas: informação, criação de valor com base em valores da região (design, marca, cultura), tecnologia, capacitação, consultorias e serviços. Iniciativas de desverticalização das empresas e verticalização da região. (becattini/79 escreveu sobre isso)

4 Empresas Desverticalizadas + Região Verticalizada (clusters): (em torno do segmento básico) -Ocupação de todos os espaços da cadeia nos três setores da economia > Empreendedorismo >Distribuição de Renda -Tecnologia -> Inovação e Conhecimento (ex.: o fabricante e o utilizador do equipamento estão próximos)

5 Condicionantes CULTURA DE GOVERNANTES CULTURA DE EMPRESÁRIOS CULTURA DE CONSUMIDOR, e Firmeza de propósitos

6 O exemplo da firmeza de propósitos é o da Emilia Romagna, que iniciou um processo no início dos anos 70, e 40 anos depois, entra na sua quarta fase de apoio aos distritos.

7 La tradizione delle politiche regionali di sviluppo Obiettivo generale costante Sviluppo diffuso e coesione interna 4 fasi: 1. Interventi di base orizzontali 2. Ristrutturazione industriale nei distretti produttivi 3. Politiche di nuova generazione 4. Ecosistema regionale dell innovazione, conoscenza e smart specialisation (ERVET 1974) Adaptado de Silvano Bertini Florianopolis, 19 setembro 2012

8 Fontes importantes AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DESINDUSTRIALIZAÇÃO EM SANTA CATARINA 1996 a Cario S. et al. UFSC/FIESC site do Osservatorio Nazionale Distretti Italiani III RAPPORTO DELL OSSERVATORIO DISTRETTI (2012) (2013) portal da FEDERAZIONE DEI DISTRETTI ITALIANI Mosconi, Franco et al la metamorfosi del modelo emiliano, 2012, Il Molino Silvano Bertini, governo da Emilia Romagna (apresentação) Tese em andamento: Ana Paula Sohn, Análise comparativa da competitividade de clusters no Brasil, Portugal, Espanha e Itália com ênfase na aprendizagem colaborativa, engenharia de produção/ufsc

9 III e IV RAPPORTO 2012 e 13 (III e IV rapporto dell osservatorio distretti) 101 distritos 274 mil empresas 1,5 milhão de empregados Valor adicionado 70 bi euros Exportações: 70 bi euros Aprox. 30% da indústria manufatureira em todos os itens acima

10 Dados desde 2008 (crescimento) conta Faturamento distritos Faturamento empresas fora Exportações distritos * -18,5% 9,7% 5,2% -5,6% 7,7% 4,3% -20,3% 12,9% 9,0% ** -1,9% * 41% das empresas dos distritos exportam, contra 30 % das empresas localizadas fora de distritos. ** 9 meses contra 9 meses

11 Crescimento do Faturamento de empresas dos distritos

12 Export dei 101 principali distretti manifatturieri per settore/area geografica: (valori in milioni di euro; variazioni % sul corrispondente periodo dell'anno precedente) Totale Italia (101 distretti) Var. % 2010 Var. % 2011 Var. % Abbigliament o-moda (31 distretti) , ,8-19,8% ,9 13,6% ,1 9,7% 0,0% Arredo-casa (16 distretti) 9.264, ,9-21,1% 7.761,8 6,2% 8.019,6 3,2% -13,5% Automazionemeccanicagommaplastica (32 distretti) , ,8-27,0% ,2 16,8% ,7 12,6% -4,0% Alimentarivini (15 distretti) 5.534, ,0-1,8% 5.801,1 6,7% 6.161,8 6,2% 11,3% High-tech (7 distretti) 6.719, ,7-13,0% 6.592,0 12,8% 6.888,4 4,5% 2,6% TOTALE (101 distretti) , ,2-20,3% ,8 12,9% ,6 9,0% -1,9% Fonte: Fondazione Edison su dati Istat

13 Destino das exportações dos distritos (crescimento) Exportações dos 101 distritos 2011 Para UE 6% Para fora da UE 12,7%

14 Resultados e Constatações Distritos deram a resposta rápida a uma crise, tanto no mercado italiano como nas exportações. Distritos buscaram novos mercados fora da UE Para crescer tem que se buscar novos mercados, fora da EU Reforçar rede de fornecedores, inclusive no exterior Melhorar inovação: baseada no detalhe, capacidade de projetar e na estratégia de comercialização

15 Redefinição do modelo dos distritos Entes locais: não estão acompanhando a dinâmica da competição Pois: Conformação das redes é diferente do passado. Têm geometria variável. Inovação não mais baseada na qualidade do produto mas no diálogo do produto com o cliente Empresas necessitam de Inteligência empresarial voltada à inovação Próximo desafio será compartilhamento de inovação e conhecimento

16 La tradizione delle politiche regionali di sviluppo (Emilia Romagna) Obiettivo generale costante Sviluppo diffuso e coesione interna 4 fasi: 1. Interventi di base orizzontali 2. Ristrutturazione industriale nei distretti produttivi 3. Politiche di nuova generazione 4. Ecosistema regionale dell innovazione, conoscenza e smart specialisation Adaptado de Silvano Bertini Florianopolis, 19 settembre 2012

17 As 4 fases na ER A fase 1 foi de apoio individual às empresas A fase 2, a partir da ERVET (74), foi de criar os centros de serviços para estruturar os distritos. EX. CITER Centro de informação têxtil da ER, criado em 76 e que começou a operar em 79, como um consorcio entre empresas, governo e entes locais no apoio ao distrito de Carpi. A fase 3 foi de implementar valor: design, tecnologia, valorização territorial, estimular consórcios. A fase atual. Aumentar ainda mais o valor pela inovação e conhecimento. Nova visão em relação ao tradicional do Becattini de 79. Alguns entes como o CITER (local) não existem mais.

18 (Importância dos atores)

19 Divisione di competenze e ruolo della Regione Nel passaggio ad una strategia regionale centrata sull economia della conoscenza la Regione ha avuto il ruolo di LEADERSHIP verso tutti gli altri attori. (agora é necessário ter ESCALA)

20 Passaggi fondamentali Costruzione del partenariato regionale per la ricerca e l innovazione tra Regione, Università ed enti di ricerca, organizzazioni imprenditoriali ( Tripla Elica ): ASTER Società consortile Costruzione della Rete Regionale dell Alta Tecnologia costituita da Laboratori di Ricerca Industriale e Centri per l Innovazione

21 Le 6 piattaforme della Rete Regionale Alta Tecnologia Meccanica Avanzata e Materiali Agroindustria Edilizia e Costruzioni Scienze della Vita (bio-engenharia, fármacos e outros) Energia e Ambiente ICT(TIC) e design

22 Giacomo Becattini: conclusões da carta ao primeiro ministro italiano (06/03/2012): Vamos cuidar dos nossos distritos

23 Situação em Santa Catarina Moveis São Bento Moveis Oeste Calçados São João Batista Textil Confecções Vale do itajaí TIC Grande Florianopolis Metal Mecânico: Joinville/Jaraguá Vinhos Videira/Acavits Cerâmica Branca Sul Cerâmica vermelha Sul, Vale Tijucas e Alto Vale do Itajaì Frutas (banana Luis Alves), (maçã Fraiburgo) Carnes (Oeste)

24 Situação em Santa Catarina (cont.) Molduras Braço do norte Embalagens Plásticas Criciúma Construção Naval Itajaí Redes de Pequenas Agroindústrias

25 Ex. Concentração do Segmento da Conf. & Têxtil Confecção & Têxtil

26 Relação VTI/VBPI (%) da indústria de transformação SC e Brasil Setores Total SC Total Br Cario S. et al. UFSC/FIESC 2012

27 Relação VTI/VBPI da indústria de transformação SC e Brasil 96/ Série1 SC Série2 BR

28 SC: VTI/VBPI (%) Setores Material de escritório e informática Máquinas e equipamentos mecânicos n. e. Construção e reparação naval Borracha e produtos plásticos Produtos minerais não-metálicos Madeira e seus produtos, papel e celulose Alimentos, bebidas e tabaco Têxteis, couro e calçados

29 Valor SMILE CURVE Cadeia de valor P e D Aquisições Produção Distribuição Mark./Vendas

30 Valor SMILE CURVE Situação B Situação A Cadeia de valor P e D Aquisições Produção Distribuição Mark./Vendas

31 Se transferir parte da produção para o exterior, tem que aumentar o valor nos extremos através da inovação e conhecimento!

32 Adaptado de Gurizatti consórcio Parceria Publico/Privadas: Manter a cadeia na região aumentando valor e distribuição de renda? Fonte: Paolo Gurizatti Centro de Tecnologia /Informação/Capacitação - ADRS

33 GRANDES EMPRESAS Empresa de logística fornecedores revendedores

34 consorcio + inst. suporte Empresas consorciadas consorcio + empresa logística CONSÓRCIOS

35 Tendência para empresas líderes CLUSTERS Empresas líderes + inst. suporte Empresas fornecedoras na região Empresas fornecedoras fora da região Empresas líderes + empresas logística

36 Tendência para empresas líderes Empresas líderes + rede de inovação e consultorias CLUSTERS Empresas fornecedoras na região Empresas fornecedoras fora da região Empresas líderes + empresas logística

37 Valor agregado em cada etapa Valor agregado acumulado

38 consórcio A região na liderança: Fortalecimento do Associativismo / Cooperação Adaptado de Gurizatti Fonte: Paolo Gurizatti Rede de Inovação

39 Quociente de localização da inovação: Patentes por município no Distrito de máquinas agrícolas da Emilia Romagna

40 OBS. 101 distritos classificados

41

42 Cont.

43

44 Inovação em Clusters Texteis Itens de avaliação de inovação Vale do Itajaí Brasil Norte de Portugal Galiza EuroClusTex Carpi Itália Grau de relacionamento entre as empresas de menor capacidade inovadora e as empresas líderes e inovadoras do cluster 3,0 2,875 3,00 2,93 3,80 Influência dos fornecedores de matéria prima nos processos de inovação das empresas do cluster Influência dos fornecedores de máquinas/equipamentos nos processos de inovação das empresas do cluster Ambiente cultural: Motivação para partilha de conhecimento entre as empresas do cluster 5,5 4,375 3,66 4,015 5,80 5,833 4,75 4,50 4,625 5,80 3,166 3,25 3,33 3,29 4,20 Departamentos de I&D nas empresas do cluster 3,50 4,125 2,00 3,062 2,00 Tese em andamento: Ana Paula Sohn, Análise comparativa da competitividade de clusters no Brasil, Portugal, Espanha e Itália com ênfase na aprendizagem colaborativa engenharia de produção/ufsc

45 Aglomerações produtivas e Qualidade de Vida das empresas

46 Índice de Qualidade de vida das empresas do Distrito

47 42 Indicadores da Qualidade de Vida na Região do Distrito

48

49 OBRIGADO

50 «Il modello dei nostri distretti viene utilizzato per accrescere la cooperazione tra imprese e il sistema della ricerca e dell istruzione. Se non bastasse, va aggiunto che il Ministero del commercio estero cinese ha preso atto che il 50% della produzione nell area più industrializzata del Paese è organizzata in distretti specializzati, conseguentemente lo stesso governo ha deciso di continuare ad ivestire in quelle aree.» (Daniela Fontana - Direttore della Federazione dei Distretti italiani)

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

Dell Computadores do Brasil. Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa

Dell Computadores do Brasil. Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa Dell Computadores do Brasil Impactos da Lei de Informática no estímulo à realização de pesquisa e desenvolvimento na empresa Agenda A Dell no Brasil O que diferencia a Dell Os fatores de inovação na Dell

Leia mais

A importância da interclusterização no desenvolvimento da Economia do Mar

A importância da interclusterização no desenvolvimento da Economia do Mar PÓLO DAS TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO A importância da interclusterização no desenvolvimento da Economia do Mar Fórum do Mar 2013 Conferência Desafios do Mar 31-05-2013, Exponor, Leça do Balio António de Sousa

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SENAI

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SENAI INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SENAI Unidade de Tecnologia Industrial - Unitec Estrutura do Senai 765 Unidades Operacionais 396 Unidades Fixas 369 Unidades Móveis 1.800 programas educacionais oferecidos 1.918.363

Leia mais

LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012. Logotipo da Empresa

LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012. Logotipo da Empresa LE PERFORMANCE DEL FRANCHISING BRASILIANO NEL 2012 \ Logotipo da Empresa Confronto crescita PIL e FRANCHISING Il franchising nel 2012 ha rappresentato il 2,3% do PIL brasiliano. Fontes: ABF, IBGE Franchising

Leia mais

Viaggi di studio di Tor Vergata in Brasile. Un approccio di extensão.

Viaggi di studio di Tor Vergata in Brasile. Un approccio di extensão. Viaggi di studio di Tor Vergata in Brasile. Un approccio di extensão. O que é Extensão De acordo com o Plano Nacional de Extensão brasileiro, publicado em 1999, essa prática acadêmica é entendida como:

Leia mais

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana Date 5 may 2015 SISTEMA S - Brasil Dionisio Parise SENAI Departamento Regional do Parana AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE CNA Confederação da Agricultura

Leia mais

Projeto CREA-FOR-MA Impresa. Formação, assistência e acompanhamento na criação e no gerenciamento de micro e pequenas empresas Rio de Janeiro 2010

Projeto CREA-FOR-MA Impresa. Formação, assistência e acompanhamento na criação e no gerenciamento de micro e pequenas empresas Rio de Janeiro 2010 Projeto CREA-FOR-MA Impresa Formação, assistência e acompanhamento na criação e no gerenciamento de micro e pequenas empresas Rio de Janeiro 2010 As novidades do Edital 1/2007 Intervir nas necessidades

Leia mais

O que é inovação? Por onde começar? Tipos de Inovação. Custa caro inovar? Tem risco? É para a minha empresa?

O que é inovação? Por onde começar? Tipos de Inovação. Custa caro inovar? Tem risco? É para a minha empresa? O que é inovação? Por onde começar? Tipos de Inovação Custa caro inovar? Tem risco? É para a minha empresa? Como o SEBRAE pode auxiliar sua empresa a inovar? O que é? Innovatio (latim) = introduzir novidades

Leia mais

< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS

< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS POLÍTICA INDUSTRIAL DO RS Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do RS Março de 2012. 2 Sumário MODELO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO RS Destaques

Leia mais

José Manuel Cerqueira

José Manuel Cerqueira José Manuel Cerqueira A Indústria cerâmica no contexto nacional A indústria portuguesa de cerâmica representou em 2013 um volume de negócios de 897,8 milhões de euros, um valor acrescentado bruto de 327,6

Leia mais

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000

Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 Grandes empresas familiares brasileiras Uma análise da publicação VALOR 1000 VALOR 1000 é uma publicação anual do jornal Valor Econômico Copyright 2004 Prosperare SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO PANORAMA

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

O Papel da Engenharia no Crescimento

O Papel da Engenharia no Crescimento O Papel da Engenharia no Crescimento Visão e Objectivos Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Iniciativa António Manzoni e Vilar Filipe 11 de Abril de 2013 Projecto Engenharia 2020 Plataforma

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

BOLETIM DE ENCADEAMENTO PRODUTIVO

BOLETIM DE ENCADEAMENTO PRODUTIVO BOLETIM DE ENCADEAMENTO PRODUTIVO 02/2015 Indústria Agronegócios Serviços Agronegócios AURORA Cadeia produtiva de aves, suínos e leite A Cooperativa Central Oeste Catarinense, Aurora Alimentos, fundada

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste MACUCO SÃO SEBASTIÃO DO ALTO FRIBURGO CACHOEIRAS DE MACACU SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS BARRA MANSA RIO CLARO BARRA DO PIRAÍ VALENÇA 5º Congresso Fluminense de

Leia mais

RIAD Descentralização da gestão pública e a contribuição do Planejamento Territorial

RIAD Descentralização da gestão pública e a contribuição do Planejamento Territorial Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos RIAD Descentralização da gestão pública e a contribuição do Planejamento Territorial Recife, 26 de

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR

INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR INDICE INTRODUÇÃO OBJETIVOS RESULTADOS DESTINATÁRIOS CONDIÇÕES DE ACESSO BENEFÍCIOS PARA AS EMPRESAS PARTICIPANTES CLUSTER AGROALIMENTAR PLANO DE AÇÃO DO CLUSTER CONTATOS PARCEIROS 1 INTRODUÇÃO O desafio

Leia mais

Pequim, Shanghai e Hong Kong!! Agosto de 2013

Pequim, Shanghai e Hong Kong!! Agosto de 2013 MISSÃO SEBRAE À CHINA Pequim, Shanghai e Hong Kong!! Agosto de 2013 1- Reconhecimento de melhores práticas bem sucedidas do modelo Chinês Ao desenvolvimento dos pequenos negócios; 2- Modelos de governança

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande.

QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande. QREN 2007-2013 Agenda Factores de Competitividade Sistemas de Incentivos Workshop Medidas de Apoio às Empresas Marinha Grande Carlos Castro 1 SI I&DT Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS. romoção do Desenvolvimento e Cooperação écnica POLITICHE PUBBLICHE E PICCOLE E MEDI IMPRESE LA COOPERAZIONE ITALIA AMERICA LATIN

ESTADO DE ALAGOAS. romoção do Desenvolvimento e Cooperação écnica POLITICHE PUBBLICHE E PICCOLE E MEDI IMPRESE LA COOPERAZIONE ITALIA AMERICA LATIN POLITICHE PUBBLICHE E PICCOLE E MEDI IMPRESE LA COOPERAZIONE ITALIA AMERICA LATIN ESTADO DE ALAGOAS romoção do Desenvolvimento e Cooperação écnica CeSPI Centro Studi di Politica Internazionale GOVERNO

Leia mais

O Novo Modelo de Vendas para Resultado. Palestra de Vendas. Realização. www.lampsi.net.br. www.juliusassessoria.wordpress.com

O Novo Modelo de Vendas para Resultado. Palestra de Vendas. Realização. www.lampsi.net.br. www.juliusassessoria.wordpress.com O Novo Modelo de Vendas para Resultado Palestra de Vendas Realização www.lampsi.net.br www.juliusassessoria.wordpress.com O que estou fazendo aqui? Procuro respostas! O que aconteceu com minhas Vendas???

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

AS FEIRAS ITALIANAS: passaporte para o mundo

AS FEIRAS ITALIANAS: passaporte para o mundo AS FEIRAS ITALIANAS: passaporte para o mundo UMA FEIRA PARA CADA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO As empresas deparam-se todos os dias com a necessidade de ampliar os contactos, mostrar aos seus clientes a própria

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas

Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Uma Visão da Carreira em Áreas Tecnológicas Prof. Paulo César Crepaldi UNIFEI Coordenação Prof. Dr. Evaldo Cintra 26/02/2013 Tecnologia - Definição A palavra Tecnologia (s. f.) tem a seu significado baseado

Leia mais

14.º Encontro de Verificadores Ambientais Desenvolvimento do EMAS a nível Comunitário. Maria Gorete Sampaio

14.º Encontro de Verificadores Ambientais Desenvolvimento do EMAS a nível Comunitário. Maria Gorete Sampaio 14.º Encontro de Verificadores Ambientais Desenvolvimento do EMAS a nível Comunitário Maria Gorete Sampaio 10 de Dezembro de 2015 ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO ISO 14001 e integração no EMAS Estudo REFIT Revisão

Leia mais

A empresa. Por mais uma edição fomos indicados como fornecedores preferidos dos leitores da Revista NEI.

A empresa. Por mais uma edição fomos indicados como fornecedores preferidos dos leitores da Revista NEI. A empresa Fundada em 1945, a Autotravi atua no mercado nacional e internacional, destacando-se na fabricação de borrachas e plásticos. Ao longo destes anos a empresa tornou-se referência nos segmentos,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO 1. INTRODUÇÃO A indústria moveleira na região norte do Espírito Santo iniciou com o surgimento de grupos populacionais próximos da região de Colatina. Esse

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

TRADIÇÃO E REPRESENTATIVIDADE A SERVIÇO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE AUTOPEÇAS

TRADIÇÃO E REPRESENTATIVIDADE A SERVIÇO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE AUTOPEÇAS TRADIÇÃO E REPRESENTATIVIDADE A SERVIÇO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE AUTOPEÇAS FOCO EM INICIATIVAS E OPORTUNIDADES PARA ASSOCIADOS DE PEQUENO, MÉDIO E GRANDE PORTES Mais do que representar legitimamente

Leia mais

Inovação Tecnológica na WEG

Inovação Tecnológica na WEG Seminário Inovação e Desenvolvimento Econômico Como superar a dependência tecnológica brasileira? Inovação Tecnológica na WEG Siegfried Kreutzfeld Diretor Superintendente WEG Equipamentos Elétricos S.A.

Leia mais

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor)

Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad. 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Panel I - Formación e innovación para la mejora de la productividad y la competitividad 42ª Reunión de la Comisión Técnica (OIT/Cinterfor) Principais obstáculos à ampliação da produtividade do trabalho

Leia mais

Valencia, 14/10/2014 Med on the Move

Valencia, 14/10/2014 Med on the Move Valencia, 14/10/2014 Med on the Move Origens do projecto: 3C4 Incubators juntou 9 parceiros de 6 países, de diversos projectos previamente desenvolvidos, financiados pelo Programa MED e pelo INTERREG IV-C.

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Antonio Carlos de Francisco GC/PPGEP/GEPPG/UTFPR 1 1.1 - Fundamentos da economia

Leia mais

IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.

IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei. IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. A importância das TIC na inovação e na internacionalização Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Aveiro, 17 de setembro de 2015 Grandes objetivos da economia

Leia mais

PROGRAMA AL-INVEST. Cooperação Internacional Centro Internacional de Negócios MG

PROGRAMA AL-INVEST. Cooperação Internacional Centro Internacional de Negócios MG PROGRAMA AL-INVEST Cooperação Internacional Centro Internacional de Negócios MG O QUE É O PROGRAMA AL-INVEST Um programa de internacionalização de PMEs co-financiado pela Comissão Europeia para estimular

Leia mais

II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese

II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese II Convegno di Studi di Genere La donna in contesto italiano e nei paesi di lingua portoghese Università degli Studi di Napoli L Orientale 4 e 5 novembre 2015 II Jornada em Estudos de Género A mulher no

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos (Fase 2) António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projetos Colaborativos O PE2020 trata-se de uma iniciativa bottom

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

BRIO BBT - BRAZILIAN BUSINESS TOUR FEBBRAIO - MARZO - APRILE Brazilian Real Investment Opportunities

BRIO BBT - BRAZILIAN BUSINESS TOUR FEBBRAIO - MARZO - APRILE Brazilian Real Investment Opportunities BRIO Brazilian Real Investment Opportunities BRIO Road Show: 01 dicembre Torino e Milano 02 dicembre Padova 05 dicembre Bologna 06 dicembre Roma: evento finale Ambasciata del Brasile PRESENTAZIONE Organizzato

Leia mais

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Pós Graduação em Engenharia de Produção VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Profª Dra. Mirian Buss Gonçalves mirianbuss@deps.ufsc.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO DO SETOR BIOMASSA SÓLIDA - MESA REDONDA - Joésio Siqueira joesio@stcp.com.br Florianópolis, SC 12 / Novembro / 2015 1 2 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

diretamente na fatura energética, o que equivale a mais de 23GWh de energia.

diretamente na fatura energética, o que equivale a mais de 23GWh de energia. Save: to Compete 1 Save: to Compete Num contexto económico exigente, com elevada concorrência, pressão de custos e reduzido acesso a financiamento, as empresas necessitam de se tornar mais eficientes e

Leia mais

GESTÃO DA COMPLEXIDADE: O PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EXISTENTES

GESTÃO DA COMPLEXIDADE: O PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EXISTENTES GESTÃO DA COMPLEXIDADE: O PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE EDIFICAÇÕES EXISTENTES Hugo Camilo LUCINI Dr. Arq. Prof. Arquitetura e Urbanismo, UNIVALI, SC. e Progr. Mestrado Arquitetura, UFSC, Av. Atlântica 3640,

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

O BNDES e os Investimentos Sociais de

O BNDES e os Investimentos Sociais de INVESTIMENTOS SOCIAIS DE EMPRES O BNDES e os Investimentos Sociais de Empresas Angela Regina P. Macedo Departamento de Operações Sociais Área de Inclusão Social Out/2007 OBJETIVO INVESTIMENTOS SOCIAIS

Leia mais

Competitividade sistêmica de distritos industriais no desenvolvimento regional: uma comparação

Competitividade sistêmica de distritos industriais no desenvolvimento regional: uma comparação Revista da FAE Competitividade sistêmica de distritos industriais no desenvolvimento regional: uma comparação Systemic competitiveness of industrial districts and regional development: a comparative analysis

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Prof. Giorgio de Tomi Agosto/2012 Sumário Contexto de Pequena Mineração Responsável

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão

Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão 11 GEOGRAFIA Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. NÚMERO DE INVERSÕES

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa

O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa Reunião do Grupo Socialista do Parlamento Europeu Porto, 7 de Dezembro de 2006 O Caso da Indústria Têxtil e Vestuário Portuguesa no quadro da Regeneração Industrial Europeia ATP Associação Têxtil e Vestuário

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

Joinville/SC - Fábrica de ensino

Joinville/SC - Fábrica de ensino Joinville/SC - Fábrica de ensino PUC do Paraná aluga o tradicional prédio da Wetzel, em Joinville. Aulas devem começar em 2011. A Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) vai transformar o prédio

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Desenvolvimento. Tecnológico e Industrial para. os Próximos Dez Anos. Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira

Desenvolvimento. Tecnológico e Industrial para. os Próximos Dez Anos. Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira Desenvolvimento Tecnológico e Industrial para os Próximos Dez Anos Prof. Adm. Dr. Welington da Silva Vieira PANORAMA GERAL DA INDÚSTRIA EM GOIÁS E NO BRASIL - 2013 INDICADOR GOIÁS BRASIL Número de indústrias

Leia mais

FAÇA COMO AS INDÚSTRIAS CATARINENSES: AUMENTE SUA COMPETITIVIDADE COM A FIESC.

FAÇA COMO AS INDÚSTRIAS CATARINENSES: AUMENTE SUA COMPETITIVIDADE COM A FIESC. FAÇA COMO AS INDÚSTRIAS CATARINENSES: AUMENTE SUA COMPETITIVIDADE COM A FIESC. QUANTO MAIOR A COMPETITIVIDADE, MAIS NEGÓCIOS SUA EMPRESA FAZ. A FIESC produz uma série de publicações destinadas a empresários,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Dimensões do PBM Oportunidades Desafios Sistema de Gestão Desdobramento do Plano Brasil Maior na Política de Arranjos Produtivos

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF

Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF Palestra Conheça o Natural.PT por João Carlos Farinha (DGACPPF/DVAC) 16 de abril 2015 Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF Sede do ICNF, Lisboa, às quintas (14H-14H30) Foto: Pedro Soares O objetivo

Leia mais

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA

PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA PROJETO ESTRUTURANTE DE COSMÉTICO DE BASE FLORESTAL DA AMAZÔNIA ESTUDO USO DE INSUMOS NA PRODUÇÃO DE COSMÉTICOS NA AMAZÔNIA ENTRAVES E GARGALOS DA PRODUÇÃO DE INSUMOS E PRODUTOS ACABADOS DO SEGMENTO DE

Leia mais

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China China Brazil Santa Catarina Santa Catarina Dados Gerais SANTA CATARINA Área: 95,442 Km² População: 6,38 Milhões (2012) Densidade: 67 habitantes/km²

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Ferreira Barros & Filhos, Lda.

Ferreira Barros & Filhos, Lda. Ferreira Barros & Filhos, Lda. Metalomecânica & Manutenção Indústrial O sucesso comercial de uma empresa está efetivamente ligado a um plano estratégico que ajuda os clientes a alcançar a excelência, a

Leia mais

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos

Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor. Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Iniciativas para mobilização do setor Palestrante: Edson Vieira Coordenador de Eletromédicos Fevereiro de 2011 A ABIMO Associação Brasileira da Indústria

Leia mais

Propriedade Intelectual e Exportação

Propriedade Intelectual e Exportação Propriedade Intelectual e Exportação Rita Pinheiro Machado Coordenadora Geral ACADEMIA/ INPI Rio de Janeiro, 12 de abril de 2016 Sumário O que é e como se divide a Propriedade Intelectual? Desde quando

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento

Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento Volta ao Emprego Albufeira 23.10.14 Catarina Cruz mcruz@ccdr-alg.pt A Politica de Coesão 2014-2020 e

Leia mais

I&D colectiva Possibilidades oferecidas pelos Pólos de Competitividade e Clusters

I&D colectiva Possibilidades oferecidas pelos Pólos de Competitividade e Clusters I&D colectiva Possibilidades oferecidas pelos Pólos de Competitividade e Clusters Tim Hogg UCP Porto 8º Simpósio de Vitivinicultura do Alentejo Évora 6 de Maio 2010 Tim Hogg UCP Porto Como está a I&D relevante

Leia mais