< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS"

Transcrição

1 MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS

2 POLÍTICA INDUSTRIAL DO RS Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do RS Março de

3 Sumário MODELO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO RS Destaques da Indústria do Rio Grande do Sul O Sistema de Desenvolvimento Sistematização e Organização Institucional PROGRAMAS SETORIAIS Setores Estratégicos Determinantes da Competitividade Ações 3 3

4 MODELO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO RS 4

5 Destaques da Indústria do RS 5 Primeiro parque industrial de: Automação Biodiesel Implementos Rodoviários e Ônibus Máquinas e Implementos Agrícolas Couro e Calçados Vinhos e Espumantes Agroindústria do Arroz Segundo parque industrial de: Eletroeletrônicos Móveis Bebidas Máquinas e Equipamentos Produtos Químicos Metal-mecânica Plástico e Borracha Naval Terceiro maior centro de geração de energia eólica Quarto parque industrial de: Alimentos Veículos Automotores Fonte: SDPI

6 O Sistema de Desenvolvimento do RS Atividade-meio Atividade-fim Gabinete do Governador Planejamento, Gestão e Participação Cidadã Infraestrtura e Logística CDES Gabinete dos Prefeitos e Relações Federativas Economia Solidária e Apoio à MPE SDPI Meio Ambiente Desenvolvimento Rural e Cooperativismo Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico Turismo AGDI BADESUL- BRDE Agricultura, Pecuária e Agronegócio Sefaz/Banrisul 6

7 Política industrial do RS: Sistematização e Organização Institucional 7 EIXO I POLÍTICA SETORIAL Programas Setoriais Programa de ações internacionais EIXO II POLÍTICA DA ECONOMIA DA COOPERAÇÃO Programa Estadual de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais (Programa de APLs) Programa de Redes de Cooperação (PRC) / SESAMPE Programa de Apoio aos Polos Tecnológicos / SCIT Apoio ao Sistema Cooperativista: Programa Gaúcho do Cooperativismo Rural / SDR EIXO III POLÍTICA DA FIRMA Sala do Investidor Programa de Apoio à Captação de Recursos para Empresas Inovadoras Programa Extensão Produtiva e Inovação EIXO IV INSTRUMENTOS TRANSVERSAIS FUNDOPEM/RS Programa Estadual de Desenvolvimento Industrial (PROEDI) Programa de Apoio a Iniciativas Municipais Programa Pró-Inovação / SCIT Programa Gaúcho de Parques Científicos e Tecnológicos (PGTec) / SCIT INVESTE/RS / SEFAZ Sistema Financeiro do RS: Banrisul, Badesul e BRDE EIXO V INFRAESTRUTURA PARA O DESENVOLVIMENTO Informação e Planejamento da Infraestrutura para o Desenvolvimento Logística / SEINFRA Energia / SEINFRA Comunicação Irrigação / SEAPA

8 8

9 PROGRAMAS SETORIAIS 9

10 Social Desenv. Trib. Seleção dos setores estratégicos Critérios para priorização 1 Massa salarial 2 Valor adicionado na cadeia produtiva-rs 3 Arrecadação com ICMs 4 Crédito de ICMs para OUF 5 Nível de investimentos 6 Alinhamento com Política de Desenvolvimento Estadual 7 Alinhamento com Política de Desenvolvimento Federal 8 Agregação de valor em produtos da indústria gaúcha 9 Potencial de alocação em regiões deprimidas 10 Posicionamento competitivo do RS 11 Portadora de futuro ou Alta tecnologia 12 Nível de adensamento econômico 10

11 Programas Estratégicos NOVA ECONOMIA PARA O RS Prioritários Indústria Oceânica e Polo Naval ECONOMIA TRADICIONAL DO RS Prioritários Agroindústria Grãos Soja e Milho Leite e Derivados Vitivinicultura Grãos Arroz Carne Bovina Carne Suína Avicultura Automotivo 11 Preferenciais Reciclagem e Despoluição Energia Eólica Especiais Biocombustíveis (Etanol e Biodiesel) Semicondutores Saúde Avançada e Medicamentos Indústria da Criatividade 11 Preferenciais Máquinas e Implementos Agrícolas Madeira, Celulose e Móveis Especiais Equipamentos para Indústria de Petróleo e Gás Petroquímica, Produtos de Borracha e Material Plástico Software Eletroeletrônica, Automação e Telecomunicações Calçados e Artefatos

12 Determinantes da Competitividade do RS Sistema de incentivos e fomento a investimentos, produtividade e inovação Fatores de Produção Contexto para desenvolvimento e prosperidade Promoção comercial e inserção internacional Indústrias correlatas e de apoio 12

13 Fatores para ação do Governo 1. Processo para acesso à incentivos 2. Incentivos tributários para MPs e componentes 3. Incentivos tributários para produtos 4. Incentivos para investimentos 5. Incentivos para P&D&I Educação e Treinamento 7. Atividades de P&D&I 8. Recursos Naturais 9. Infraestrutura (energia, logística e comunicação) 10. Bens de capital 11. Financiamento RS 12. Financiamento federal 13. Processos para licenciamento ambiental 13 Fatores de Produção 17. Fornecedores locais de MPs e componentes 18. Fornecedores de serviços relacionados Sistema de incentivos e fomento a investimentos, produtividade e inovação Contexto para desenvolvimento e prosperidade Indústrias correlatas e de apoio Promoção comercial e inserção internacional 14. Demanda local 15. Canais de distribuição para fora do RS 16. Poder de compra do Estado 19. APL s competitivos 20. Parques tecnológicos 21. Áreas e distritos industrias estaduais 22. Áreas e distritos industriais municipais

14 SALA DE GESTÃO Ações da Política Setorial Total de 267 ações Todos os setores: 51 Setor 1 Agroindústrias: 13 Ação transversal 1 Setor 2 Ações setoriais 2 Transversais Específicas: 203 Ação transversal 2 Ação transversal 3 Ação transversal 4 Ação transversal n Setor n Setor 1 Setor 2 Setor 3 Setor 4 Setor n 14 14

15 Abrangência das ações nos setores 15 Agroindústria - Avicultura Agroindústria - Carne Bovina Agroindústria - Carne Suína Agroindústria - Grãos - Arroz Agroindústria - Grãos - Soja e Milho Agroindústria - Leite e Derivados Agroindústria - Vitivinicultura Automotivo e Imprelmentos Máquinas e Implementos Agrícolas Madeira, Celulose e Móveis Equipamentos para Indústria de Indústria Petroquímica, Produtos de Software Eletroeletrônica, Automação e Calçados e Artefatos Indústria Oceânica e Polo Naval Reciclagem e Despoluição Energia Eólica Biocombustíveis (Etanol e Biodiesel) Semicondutores Saúde Avançada e Medicamentos Indústria da Criatividade 15 Ações Transversais Ações Agro Ações Específicas

16 Status das ações A iniciar: 104 Em andamento:

17 Distribuição de ações específicas por tipo de setor Setores Tradicionais: 64% Nova Economia: 38% 17

18 Distribuição de ações nos fatores determinantes de competitividade 19,0 % Sistema de incentivos e fomento a investimentos, produtividade e inovação 38,3 % Fatores de Produção Promoção comercial e inserção internacional 23,3 % Indústrias correlatas e de apoio ,3 %

19 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Canais de Distribuição para fora do RS Desafio Promover o acesso das empresas gaúchas aos mercados nacionais e internacionais Ação / Programa Apoiar a participação de empresas gaúchas em Feiras internacionais no Brasil e no Exterior, em missões prospectivas, governamentais e de manutenção. Em 2012 serão apoiadas 22 Feiras e 17 Missões 19 19

20 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa Atividades e infraestrutura de P&D&I Parques Tecnológicos Ofertar um ambiente propício para o desenvolvimento de empresas inovadoras e para a instalação de centros de P&D de empresas Aporte de recursos para consolidação de Parques Tecnológicos no Estado através do Programa Gaúcho de Parques Científicos e Tecnológicos (PGTEC): Ex.: Orientar alguns Polos de Modernização Tecnológica para apoiar projetos na área de agricultura de precisão SCIT 20 20

21 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Sistema Financeiro Gaúcho Subvenção Desafio Melhorar as condições de oferta de crédito para os setores estratégicos Ação / Programa Conceder subvenção através da concessão de subsídio para taxas de juros em operações de crédito BNDES destinadas à produção e aquisição de bens de capital e inovação tecnológica ( PSI do RS ) 21 21

22 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa Áreas e Distritos industriais estaduais e municipais Facilitar a instalação de empresas nos setores estratégicos visando o adensamento das cadeias produtivas Maior aporte de recursos para melhoria de infraestrutura em Áreas e Distritos Industriais Estaduais e Municipais: - Programa Estadual de Desenvolvimento Industrial - Programa de Apoio a Iniciativas Municipais Infraestrutura Promover a ampliação da área irrigada nas culturas em áreas de sequeiro Programa Estadual de Expansão da Agropecuária Irrigada - SEAPA 22 Infraestrutura Melhorar as condições de navegação em hidrovias Dragagem e sinalização de hidrovias - Convênio celebrado entre a SEINFRA e o DIA (Departamento de Infraestrutura Aquaviária) / DNIT (Departamento Nacional de Transportes Rodoviários) 22

23 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa Processos para licenciamento ambiental Garantir aos municípios sua competência para o licenciamento ambiental, independentemente de habilitação através da Lei Complementar 140/2011 Agilizar o processo de licenciamento ambiental Avançar o processo de municipalização do licenciamento ambiental através da ampliação dos "portes municipais" e do número de prefeituras aptas a conceder o licenciamento ambiental: - Nova resolução de impacto ambiental do CONSEMA Implantar o SIRAM - Sistema Integrado de Regularização Ambiental, que tem como um dos objetivos prioritários desburocratizar o controle ambiental, publicizar, simplificar e agilizar procedimentos - SEMA/FEPAM 23 23

24 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Desafio Ampliar a oferta de cursos de formação técnica em vagas em cursos de curta duração até 2014 Ação / Programa Educação e Treinamento Ampliar a oferta de cursos de formação técnica em vagas em cursos de média e longa duração até 2014 Pacto Gaúcho pela Educação Profissionalizante, Técnica e Tecnológica: - PRONATEC - PROUNI RS Ampliar a oferta de bolsas de nível superior em vagas até 2014, em parceria com o Universidades Comunitárias Gaúchas 24 24

25 Exemplos de ações transversais Fator de Competitividade Incentivos tributários para matérias-primas e componentes Desafio Melhorar as condições tributárias dos setores estratégicos da economia gaúcha Ação / Programa Diferimento parcial na aquisição de insumos produzidos no Estado Incentivos tributários para máquinas e equipamentos Melhorar as condições tributárias dos setores estratégicos da economia gaúcha Redução gradativa do prazo de creditamento do ICMS incluído nas aquisições de bens do ativo permanente produzidos no Estado 25 25

26 Exemplos de ações específicas Diversos setores Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa Fortalecimento de APL para o Setor Eletroeletrônica e Automação Lançado edital para apoio à APL de Eletroeletrônica e Automação Fortalecimento de APL para o Setor Petroquímica, Produtos de Borracha e Material Plástico Lançado edital para apoio à APL de Produtos de Plástico e Borracha APL's Competitivos Fortalecimento de APL para o segmento Audiovisual - Setor Indústria Criativa Lançado edital para apoio à APL de Audiovisual 26 Fortalecimento de APL de Agroindústria Familiar - Setor Agroindústria Lançado edital para apoio à dois APL's de Agroindústria Familiar 26

27 Exemplos de ações específicas Indústria Oceânica e Polo Naval Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa APL's competitivos Desconcentrar a localização da indústria naval, superando os riscos de saturação de recursos humanos e infraestrutura no Pólo Naval de RG Estudo e levantamento de localizações alternativas para empreendimentos ligados à Indústria Oceânica e Pólo Naval, no âmbito do PGPIN Educação e treinamento Qualificação e formação profissional para as atividades da cadeia produtiva da indústria offshore Programa de promoção da qualificação e formação profissional para as atividades da cadeia produtiva da Indústria Oceânica e Polo Naval no Rio Grande do Sul 27 27

28 Exemplos de ações específicas Semicondutores Fator de Competitividade Incentivos tributários para produtos Desafio Melhorar as condições tributárias dos setores estratégicos da economia gaúcha Ação / Programa Desoneração do ICMS nas operações com produtos beneficiários do Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Indústria de Semicondutores (PADIS)

29 Exemplos de ações específicas Agroindústria Leite e Derivados Fator de Competitividade Incentivos tributários para produtos Desafio Melhorar as condições tributárias dos setores estratégicos da economia gaúcha Ação / Programa Criação de um programa específico orientado ao aumento da produtividade e qualidade do leite e da agregação de valor, com base na revisão dos benefícios fiscais vigentes

30 Exemplos de ações específicas Calçados e Artefatos Fator de Competitividade Desafio Ação / Programa 30 Incentivos tributários para produtos Nova política tributária para apoiar a competitividade com vistas à ampliação de participação no mercado interno: - Empresas instaladas no RS a mais de 8 anos terão tributação de 3% sobre o faturamento incremental relativo às operações internas (Brasil); Melhorar as condições tributárias - limitado ao dobro do faturamento em dos setores estratégicos da unidades produtivas localizadas em economia gaúcha - Setor Calçados e COREDEs com IDESE acima da média Artefatos estadual e sem limite de expansão em região deprimida, como no quarto sudoeste do Estado; - serão condições para opção pelo benefício, além dos 8 anos de atividade produtiva no Estado, o compromisso de manutenção do número de empregos nos COREDES atuais e a aquisição de insumos no RS.

31 Política Industrial Comunicação 31 Acesse o conteúdo no site da Sala do Investidor:

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial. Setembro 2013

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial. Setembro 2013 FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL Política Industrial Setembro 2013 BRASIL BRASIL Avanços sociais A extrema pobreza (pessoas vivendo com US$1,25 por dia) caiu de 10% em 2004 para 3,4% em 2011 Plano

Leia mais

Política de Comércio Exterior, Industrial. XIX Congresso Brasileiro de Custos Bento Gonçalves, Novembro de 2012

Política de Comércio Exterior, Industrial. XIX Congresso Brasileiro de Custos Bento Gonçalves, Novembro de 2012 Política de Comércio Exterior, Industrial e de Inovação do Rio Grande do Sul XIX Congresso Brasileiro de Custos Bento Gonçalves, Novembro de 2012 Segunda maior federação de indústrias do Brasil, com 45.000

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Política Industrial 2011-2014

Sistema de Desenvolvimento Política Industrial 2011-2014 Sistema de Desenvolvimento Política Industrial 2011-2014 Estrutura do SDRS CDES Conselho de Desenvolvimento Governador SDPI Secretaria de Desenvolvimento SEFAZ Secretaria da Fazenda AGDI Agência de Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO

Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento I CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL VETORES DE DESENVOLVIMENTO 1 Desenvolvimento... o desenvolvimento é uma corrida de longa distância, e nela há um elemento de solidão,

Leia mais

Programa setorial Indústria Oceânica e Polo Naval

Programa setorial Indústria Oceânica e Polo Naval Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul Política Setorial Programa setorial Indústria Oceânica e Polo Naval 2012-2014 Política Industrial Modelo de Desenvolvimento

Leia mais

Programa setorial Máquinas e Implementos Agrícolas

Programa setorial Máquinas e Implementos Agrícolas Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul Política Setorial Programa setorial Máquinas e Implementos Agrícolas 2012-2014 Política Industrial Modelo de Desenvolvimento

Leia mais

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Panorama Ciclo econômico do Pré-Sal Prioridade de Governo Sustentabilidade socioeconômica e ambiental Indústria offshore

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE

PROGRAMA RS TECNÓPOLE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA RS TECNÓPOLE Porto Alegre, abril de 2011. 1 1. CONCEITOS BÁSICOS E ANTECEDENTES A inovação

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016

Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016 Caderno de Diretrizes - lista de produtos elegíveis Consulta Popular 2015/2016 NOME ÓRGÃO Demanda Produto FUNDAÇÃO DE AMPARO A FOMENTO À PESQUISA, AO PESQUISA DO ESTADO DO RIO DESENVOLVIMENTO E À GRANDE

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Reunião com Entidades Parceiras do APL Carlos Homero Dornelles Agosto 2013

Reunião com Entidades Parceiras do APL Carlos Homero Dornelles Agosto 2013 Reunião com Entidades Parceiras do APL Carlos Homero Dornelles Agosto 2013 O que é um APL?? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs NEAT. Rio Grande do Sul

Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs NEAT. Rio Grande do Sul Núcleo Estadual de Ações Transversais nos APLs NEAT Rio Grande do Sul NEAT-RS Instituído pela Lei nº 13.839/11, que cria o Programa de Fortalecimento de Cadeias e Arranjos Produtivos Locais, e regulamentado

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste

5º Congresso Fluminense de Municípios & I Encontro Regional Edição Sudeste MACUCO SÃO SEBASTIÃO DO ALTO FRIBURGO CACHOEIRAS DE MACACU SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS BARRA MANSA RIO CLARO BARRA DO PIRAÍ VALENÇA 5º Congresso Fluminense de

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Plano Nacional de Resíduos Sólidos Logística Reversa de Embalagens Bernardo Pires Coordenador de Sustentabilidade São Paulo - SP 10 de novembro de

Leia mais

SETORIAIS VISÃO GERAL

SETORIAIS VISÃO GERAL MCT FUNDOS SETORIAIS VISÃO GERAL Financiamento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil RECURSOS GOVERNAMENTAIS IMPOSTOS e TAXAÇÃO SISTEMA DE CT&I Universidades Centros de Pesquisas Empresas do Governo

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 DECRETO Nº 56.074, DE 9 DE AGOSTO DE 2010 Institui o Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, cria o Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização. Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Leia mais

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035

11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 11. ESTIMATIVA DE VALOR DO PORTFÓLIO DE OPORTU- NIDADES DE INVESTIMENTO NO RN - QUANTIFICAÇÃO IN- DICATIVA 2016-2035 217 218 A partir da escolha do melhor cenário Um Pacto pelo Mais RN o Mais RN definiu

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Dimensões do PBM Oportunidades Desafios Sistema de Gestão Desdobramento do Plano Brasil Maior na Política de Arranjos Produtivos

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM Coordenador: Visão: Que a indústria de Santa seja reconhecida pela utilização de processos ambientalmente sustentáveis e alcance 1,5% de participação no VAB Industrial do Estado Objetivo 1. Universalizar

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

O BNDES e os Investimentos Sociais de

O BNDES e os Investimentos Sociais de INVESTIMENTOS SOCIAIS DE EMPRES O BNDES e os Investimentos Sociais de Empresas Angela Regina P. Macedo Departamento de Operações Sociais Área de Inclusão Social Out/2007 OBJETIVO INVESTIMENTOS SOCIAIS

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

PLANO DE GOVERNO - PSDB - 2013/2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ

PLANO DE GOVERNO - PSDB - 2013/2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ PLANO DE GOVERNO - PSDB - 2013/2016 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ ADMINISTRAÇÃO 1. Redução do número de cargos em comissão (CCs) e contratações, bem como o número de Secretarias, contemplando um rigoroso

Leia mais

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Colesta seletiva Consumidor Triagem Indústria Comercialização

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º WORKSHOP PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS FPSO Automação e Instrumentação

Leia mais

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares.

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares. 12.1) Otimizar a capacidade instalada da estrutura física e de recursos humanos das instituições públicas de educação superior mediante ações planejadas e coordenadas, de forma a ampliar e interiorizar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo...

Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Uma oportunidade para seu projeto pode estar se abrindo... Fonte de recursos para projetos novembro 2012 1. Patrocínios 1.1 PATROCÍNIO A EVENTOS E PUBLICAÇÕES (Revisado) Data limite: 60 dias de antecedência

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010.

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010. Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário Porto Alegre, agosto de 2010. APOIO AO Polo Naval - Rio Grande Atuação integrada do Governo, por meio da SEINFRA e SEDAI, voltada

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 35 1 Este capítulo apresenta uma síntese de quatro cenários prospectivos elaborados pelo Mais RN. O documento completo, contendo o detalhamento dessa construção,

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

ARTICULAR A BASE CIENTÍFICA COM TECNOLOGIA APLICADA AO DESENVOLVIMENTO

ARTICULAR A BASE CIENTÍFICA COM TECNOLOGIA APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DIRETRIZ ESTRATÉGICA ARTICULAR A BASE CIENTÍFICA COM TECNOLOGIA APLICADA AO DESENVOLVIMENTO A diretriz traduz o propósito que norteará os Programas e ações desta nova atuação governamental. Para isso,

Leia mais

Provedores Serviços de Internet (ISP): Apoio do BNDES

Provedores Serviços de Internet (ISP): Apoio do BNDES Provedores Serviços de Internet (ISP): Apoio do BNDES Encontro Provedores Regionais Bauru BNDES / P&D Brasil Luís Otávio Reiff Assessor da Presidência BNDES/GP Brasília, 17 Novembro de 2015 Histórico Programa

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Programa Territorial de Integração

Programa Territorial de Integração Programa Territorial de Integração Estudo de Caso Corredor Ferroviário Montevideo-Cacequi Buenos Aires, 09/04/2013 1 Agenda Territorial - Reconhecimento - Reconhecimento dos diversos recortes territoriais

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul 2012-2014

Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul 2012-2014 Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul 2012-2014 1 Política Industrial Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio Grande do Sul 2012-2014 Tarso

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Coordenação Geral de Inovação Tecnológica INVESTIMENTOS GOVERNAMENTAIS EM C,T&I NAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS

Leia mais

CÂMARA JAPONESA RIO GRANDE DO SUL: UM LUGAR PARA INVESTIR JOSÉ IVO SARTORI GOVERNADOR DO ESTADO

CÂMARA JAPONESA RIO GRANDE DO SUL: UM LUGAR PARA INVESTIR JOSÉ IVO SARTORI GOVERNADOR DO ESTADO RIO GRANDE DO SUL: UM LUGAR PARA INVESTIR JOSÉ IVO SARTORI GOVERNADOR DO ESTADO PERFIL DO RIO GRANDE DO SUL 11 MILHÕES DE HABITANTES (5,43% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA) PIB (2014): US$ 137,5 BILHÕES (R$ 331,508

Leia mais

Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria PROPUESTA DE PROYECTO DE TRABAJO PERIODO 2015-2016

Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria PROPUESTA DE PROYECTO DE TRABAJO PERIODO 2015-2016 Solicitud de Coordinación Comisión de Economía Social y Solidaria ---------------------------------------------------------------------------------------------- Presentada por la Ciudad de: Osasco, Sp,

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec Barcos de Apoio Offshore - Equipamentos de Propulsão,

Leia mais

Economia Criativa conceito

Economia Criativa conceito Economia Criativa conceito A Economia Criativa é um conceito ainda em desenvolvimento, que compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

Paulínia Petróleo, Gás e Energia. Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural

Paulínia Petróleo, Gás e Energia. Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural Paulínia Petróleo, Gás e Energia Como tornar-se fornecedor da cadeia produtiva Cenários e Oportunidades do Setor de Petróleo e Gás Natural Paulínia 25/out/2011 Agenda 1) O CIESP 2) PETROBRAS - Plano de

Leia mais

O Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 I Seminário O Comércio Exterior e a Indústria Centro Internacional de Negócios (CIN) - PR 24 de outubro de

O Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 I Seminário O Comércio Exterior e a Indústria Centro Internacional de Negócios (CIN) - PR 24 de outubro de O Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 I Seminário O Comércio Exterior e a Indústria Centro Internacional de Negócios (CIN) - PR 24 de outubro de 2013 FIEP Curitiba, SP Roteiro 1 2 3 4 A CONSTRUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES Governo do Estado da Bahia Seplan / SPO Cadastro do PPA PPA 22 25 Valores Iniciais Parametrização: Órgão Coordenador Órgão Responsável Órgão Orçamentário 3.11.640 Universidade Estadual de Santa Cruz PROGRAMA

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Subsecretaria de Empreendedorismo e da micro e pequena empresa Ciência, Tecnologia e Inovação Desenvolvimento

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás Área de Insumos Básicos Outubro de 2011 1 Agenda 1.OBNDESeaIndústriadeP&G 2.ACadeiadeFornecedoresdeP&G

Leia mais

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio

Incentivos Fiscais. Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins. Secretaria da Indústria e do Comércio Incentivos Fiscais Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Secretaria da Indústria e do Comércio março de 2012 1 Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado do Tocantins Lei nº

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Exportações Objetivos: (i) aumentar o nº de empresas exportadoras; (ii) diversificar

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE: O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VIA ESTÍMULO À AMBIENTES DE INOVAÇÃO

PROGRAMA RS TECNÓPOLE: O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VIA ESTÍMULO À AMBIENTES DE INOVAÇÃO Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PROGRAMA RS TECNÓPOLE: O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL VIA ESTÍMULO À AMBIENTES DE INOVAÇÃO PROGRAM RS TECNÓPOLE: SUSTAINABLE DEVELOPMENT VIA STIMULATE INNOVATION

Leia mais

Dr. Carlos Alexandre Geyer. Diretor Presidente da ALANAC

Dr. Carlos Alexandre Geyer. Diretor Presidente da ALANAC Dr. Carlos Alexandre Geyer Diretor Presidente da ALANAC São Paulo, 01 de março de 2010 Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Nacionais Desde 1983 Laboratórios de Capital Nacional 36 FABRICANTES: Similar

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs

Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL. Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Chamada de Projetos 01/2014 - FUNDOAPL Projeto de Fortalecimento das Cadeias e APLs Objetivos: Apoiar a execução de projetos coletivos, de soluções coletivas e/ou que estejam disponíveis para um conjunto

Leia mais

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica ProGD Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis Brasília, 15 de dezembro de 2015 Metas renováveis Brasil/ONU

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Petróleo e Gás/BNDES Oportunidades e Desafios da Agenda de Competitividade para Construção de uma Política Industrial na Área de Petróleo: Propostas para um Novo Ciclo de Desenvolvimento Industrial Carlos Soligo Camerini Desenvolvimento

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

Capacitação de Agentes Gestores de APLs

Capacitação de Agentes Gestores de APLs Capacitação de Agentes Gestores de APLs Fontes de Fomento à Inovação sandro.cortezia@venti.com.br Sandro Cortezia, MSc. Apresentação Nome: Onde trabalha/função: Já elaborou ou foi contemplado em projetos

Leia mais

Política Industrial Modelo de desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul. Caxias do Sul Julho de 2013

Política Industrial Modelo de desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul. Caxias do Sul Julho de 2013 Política Industrial Modelo de desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul Caxias do Sul Julho de 2013 Estrutura do SDRS CDES Conselho de Desenvolvimento Governador SDPI Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL

Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL Exercício 2009 R$ 1,00 17601 - Fundo de Desenvolvimento Industrial e Comercial REPASSE DE RECURSOS DO TESOURO ESTADUAL E S P E C I F I C A Ç Ã O ESF VALOR 101 - Recursos de Incentivos Concedidos Relativos

Leia mais

Ana Vitória Alkmim Supervisora Unidade de Inteligência Comercial e Competitiva

Ana Vitória Alkmim Supervisora Unidade de Inteligência Comercial e Competitiva A Apex-Brasil e a Promoção Comercial Brasileira Ana Vitória Alkmim Supervisora Unidade de Inteligência Comercial e Competitiva MISSÃO Promover as exportações de produtos e serviços, contribuindo para a

Leia mais

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PARA APLs. Serviços Tecnológicos do CDT/UnB

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PARA APLs. Serviços Tecnológicos do CDT/UnB INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PARA APLs Serviços Tecnológicos do CDT/UnB Brasília, 5 de dezembro de 2013 Centro de Excelência Missão do CDT Apoiar e promover o desenvolvimento tecnológico, a inovação e o empreendedorismo

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS

Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS Programa BRDE Produção e Consumo Sustentáveis BRDE/PCS AGENDA 1. CONTEXTO ESPECÍFICO E CONTEXTO HISTÓRICO a) Contexto Específico b) Contexto Histórico no Mundo c) Contexto Histórico no Brasil 2. PRODUÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ Estratégias para inovar Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ I - Razões para inovar Brasil (Pintec 2001-2003) Empresas que inovam e diferenciam produtos: têm melhor produtividade; pagam

Leia mais

Painel da Inovação Empresarial no Brasil

Painel da Inovação Empresarial no Brasil Painel da Inovação Empresarial no Brasil Prof. Dr. David Ferreira Lopes Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus de Jaboticabal-SP (FCAV/UNESP) 2015 Agenda 1. Contexto 2. Macro

Leia mais