Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escrituração Contábil Fiscal (ECF)"

Transcrição

1 Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

2 Índice 1. ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Obrigatoriedade... 5 Geração da ECF... 6 Prazo... 6 Multa Blocos e Registros da ECF Blocos do Arquivo Registros Como interpretar o Layout Retificação...17 Assinatura SISTEMA Cadastro do Estabelecimento...19 Centro de Custo...21 SCP...21 Contador...22 Plano de Contas...23 Plano de Contas Referencial ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL Roteiro sugerido para geração da ECF Lucro Presumido...26 Parâmetros da Escrituração Contábil Fiscal...36 Roteiro sugerido para geração da ECF Lucro Real Lalur/Lacs Manutenção de Históricos... 47

3 Lançamentos Emissão Parte A Emissão Parte B Geração da Escrituração Contábil Fiscal...53

4 1. Escrituração Contábil Fiscal (ECF) O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) foi instituído pelo Decreto no 6.022, de 22 de janeiro de 2007, que o definiu da seguinte maneira: Instrumento que unifica as atividades de recepção, validação, armazenamento e autenticação de livros e documentos que integram a escrituração comercial e fiscal dos empresários e das sociedades empresárias, mediante fluxo único, computadorizado, de informações. O projeto SPED tem como objetivos principais: Promover a integração dos fiscos, mediante a padronização e compartilhamento das informações contábeis e fiscais, respeitadas as restrições legais de acesso; Racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias para os contribuintes, com o estabelecimento de transmissão única de distintas obrigações acessórias de diferentes órgãos fiscalizadores; e Tornar mais célere a identificação de ilícitos tributários, com a melhoria do controle dos processos, a rapidez no acesso às informações e a fiscalização mais efetiva das operações com o cruzamento de dados e auditoria eletrônica. São vários os benefícios propiciados pelo SPED, entre eles: Diminuição do consumo de papel, com redução de custos e preservação do meio ambiente; Redução de custos com a racionalização e simplificação das obrigações acessórias; Uniformização das informações que o contribuinte presta aos diversos entes governamentais; Redução do envolvimento involuntário em práticas fraudulentas; Redução do tempo despendido com a presença de auditores fiscais nas instalações do contribuinte; Simplificação e agilização dos procedimentos sujeitos ao controle da administração tributária; Fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de intercâmbio de informações entre as administrações tributárias; Rapidez no acesso às informações; Aumento da produtividade do auditor através da eliminação dos passos para coleta dos arquivos;

5 Possibilidade de troca de informações entre os próprios contribuintes a partir de um leiaute padrão; Redução de custos administrativos; Melhoria da qualidade da informação; Possibilidade de cruzamento entre os dados contábeis e os fiscais; Disponibilidade de cópias autênticas e válidas da escrituração para usos distintos e concomitantes; Redução do "Custo Brasil"; e Aperfeiçoamento do combate à sonegação. A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), a partir do ano-calendário 2014, com entrega prevista para o último dia útil do mês de Setembro de 2015 no ambiente do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) Obrigatoriedade São obrigadas ao preenchimento da ECF todas as pessoas jurídicas, inclusive imunes e isentas, sejam elas tributadas pelo lucro real, lucro arbitrado ou lucro presumido, exceto: I - às pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006; I. aos órgãos públicos, às autarquias e às fundações públicas; e II. às pessoas jurídicas inativas de que trata a Instrução Normativa RFB no 1.306, de 27 de dezembro de Há que se ressaltar que, caso a pessoa jurídica tenha Sociedades em Conta de Participação (SCP), cada SCP deverá preencher e transmitir sua própria ECF, utilizando o CNPJ da pessoa jurídica que é sócia ostensiva e um código criado pela própria pessoa jurídica para identificação de cada SCP de forma unívoca. Uma das inovações da ECF corresponde, para as empresas obrigadas a entrega da Escrituração Contábil Digital (ECD), a utilização dos saldos e contas da ECD para preenchimento inicial da ECF. Ademais, a ECF também recuperará os saldos finais das ECF anterior, a partir do ano-calendário Na ECF haverá o preenchimento e controle, por meio de validações, das partes A e B do Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-lalur) e do Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-lacs).

6 Todos os saldos informados nesses livros também serão controlados e, no caso da parte B, haverá o batimento de saldos de um ano para outro. Finalmente, a ECF apresentará as fichas de informações econômicas e de informações gerais em novo formato de preenchimento para as empresas Geração da ECF A empresa deverá gerar o arquivo da ECF com recursos próprios. O arquivo será obrigatoriamente submetido ao programa gerador da ECF para validação de conteúdo, assinatura digital, transmissão e visualização. É possível o preenchimento da ECF no próprio programa gerador da ECF, em virtude da funcionalidade de edição de campos Prazo Conforme Instrução Normativa nº 1.524, 8 de Dezembro de "Art. 3º A ECF será transmitida anualmente ao Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) até o último dia útil do mês de setembro do ano seguinte ao ano-calendário a que se refira Multa A não apresentação da ECF nos prazos fixados, ou a sua apresentação com incorreções ou omissões, acarretará aplicação, ao infrator, das multas previstas no art. 57 da Medida Provisória nº , de 24 de agosto de De acordo com o art. art. 57 da MP nº /2001, com a redação dada pela Lei nº /2013, o sujeito passivo que deixar de cumprir as obrigações acessórias exigidas nos termos do art. 16 da Lei no 9.779, de 19 de janeiro de 1999, ou que as cumprir com incorreções ou omissões será intimado para cumpri-las ou para prestar esclarecimentos relativos a elas nos prazos estipulados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil e sujeitar-se-á às seguintes multas: a) por apresentação extemporânea: 1. R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas jurídicas que estiverem em início de atividade ou que sejam imunes ou isentas ou que, na última declaração apresentada, tenham apurado lucro presumido ou pelo Simples Nacional; 2. R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às demais pessoas jurídicas;

7 3. R$ 100,00 (cem reais) por mês-calendário ou fração, relativamente às pessoas físicas; b) por não cumprimento à intimação da Secretaria da Receita Federal do Brasil para cumprir obrigação acessória ou para prestar esclarecimentos nos prazos estipulados pela autoridade fiscal: R$ 500,00 (quinhentos reais) por mês-calendário; c) por cumprimento de obrigação acessória com informações inexatas, incompletas ou omitidas: 1. 3% (três por cento), não inferior a R$ 100,00 (cem reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa jurídica ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário, no caso de informação omitida, inexata ou incompleta; 2. 1,5% (um inteiro e cinco décimos por cento), não inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais), do valor das transações comerciais ou das operações financeiras, próprias da pessoa física ou de terceiros em relação aos quais seja responsável tributário, no caso de informação omitida, inexata ou incompleta Blocos e Registros da ECF Blocos do Arquivo Entre o registro inicial e o registro final, o arquivo digital é constituído de blocos, referindo-se cada um deles a um agrupamento de informações. O ECF é composto por 14 Blocos e 161 Registros. Portanto, o arquivo digital é composto por blocos de informação e cada bloco terá um registro de abertura, registros de dados e um registro de encerramento. Após o bloco inicial (Bloco 0), a ordem de apresentação dos demais blocos é a sequência constante na tabela de blocos acima.

8 Salvo quando houver especificação em contrário, todos os blocos são obrigatórios e o respectivo registro de abertura indicará a presença ou a ausência de dados informados. Seção Tabela de Registros O arquivo digital pode ser composto com os registros abaixo descritos (Tabela de Registros). Código de Obrigatoriedade: O = Obrigatório F = Facultativo OC = Obrigatório Condicional FC = Facultativo Condicional N = Não Deve Existir Código de Ocorrência: [0] = não há ocorrência [1:1] = 1 ocorrência [2:2] = 2 ocorrências [0: 12] = de zero a 12 ocorrências [1:N] = de uma até n ocorrências (várias ocorrências) [0:N] = de zero até n ocorrências XXXX.Nome: XXXX = Número do registro Nome = Nome do campo Para ter acesso a Tabela dos Blocos acesse o site da Receita Registros Bloco 0 Abertura e Identificação: abre o arquivo, identifica a pessoa jurídica e referencia o período da ECF Abertura do Arquivo Digital e Identificação da Pessoa Jurídica Abertura do Bloco Parâmetros da Tributação

9 0020 Parâmetros Complementares 0030 Dados Cadastrais 0035 Identificação das SCP 0930 Identificação dos signatários da ECF 0990 Encerramento do Bloco Bloco C Informações recuperadas da ECD (Bloco recuperado pelo sistema não é importado): recupera das ECD do período da escrituração da ECF, as informações do Plano de Contas e os Saldos Mensais. C001 Abertura do Bloco C, informações recuperadas da ECD C040 Identificador da ECD C050 Plano de Contas da ECD C051 Plano Referencial C053 Subcontas Correlatas C100 Centro de Custo C150 Identificação do período dos saldos periódicos das contas patrimoniais C155 Detalhes dos saldos contábeis das contas patrimoniais C157 Transferência de saldos de plano de contas anterior C350 Identificação da data dos saldos das contas de resultado antes do encerramento C355 Detalhes dos Saldos das contas de resultado antes do encerramento C990 Encerramento do bloco C Bloco E Informações recuperadas da ECF anterior e cálculo fiscal dos dados recuperados da ECD (Bloco recuperado pelo sistema não importado): recupera da ECF imediatamente anterior, os saldos finais das contas referenciais e da parte B (do e-lalur e e-lasc). Calcula os saldos contábeis de acordo com o período de apuração do tributo. E001 Abertura do bloco E, informações recuperadas da ECF anterior e cálculo fiscal dos dados recuperados da ECD

10 E010 Saldos finais recuperados da ECF anterior E015 Contas contábeis mapeadas E020 Saldos finais das contas da parte B do e-lalur da ECF imediatamente anterior E030 Identificação do período E115 Detalhes dos saldos contábeis calculados com base nas ECD E355 Detalhes dos saldos das contas de resultado antes do encerramento E990 Encerramento do bloco E Bloco J Plano de Contas e Mapeamento: apresenta o mapeamento do plano de contas contábil para o plano de contas referencial. J001 Abertura do bloco J, Plano de contas e mapeamento J050 Plano de Contas do Contribuinte J051 Plano de Contas Referencial J053 Subcontas Correlatas J100 Centro de Custo J990 Encerramento do bloco J Bloco K Saldos das contas contábeis e Referenciais: apresenta os saldos das contas contábeis patrimoniais e de resultado por período de apuração e o seu mapeamento para as contas referenciais. K001 Abertura do Bloco K saldos das contas contábeis e referenciais K030 Identificação dos períodos e formas de apuração do IRPJ e da CSLL no ano calendário K115 Detalhes dos saldos contábeis (Depois do encerramento do Resultado do Período) K156 Mapeamento Referencial do saldo final K355 Saldos Finais das contas contábeis de resultado antes do encerramento K356 Mapeamento Referencial dos Saldos Finais das Contas de Resultado Antes do Encerramento K990 Encerramento do Bloco K

11 Bloco L Lucro Líquido: apresenta o balanço patrimonial, a demonstração do resultado do exercício, os ajustes do RTT, caso existam, e apura o lucro líquido. L001 Abertura do bloco L, Lucro Real L030 Identificação dos períodos e formas de apuração do IRPJ e da CSLL no Ano-Calendário L100 Balanço Patrimonial L200 Método de avaliação do estoque final L210 Informativo da composição de Custos L300 Demonstração do Resultado do Exercício L990 Encerramento do bloco L Bloco M e-lalur e e-lacs: apresenta os livros eletrônicos de escrituração e apuração do IRPJ (e-lalur) e da CSLL (e-lacs) da Pessoa Jurídica Tributada pelo Lucro Real partes A e B. M001 Abertura do Bloco M Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-lalur) e Licro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-lacs) M010 Identificação da Conta na Parte B e-lalur e do e-lacs M030 Identificação do Período e Forma de Apuração do IRPJ e da CSLL das Empresas Tributadas pelo Lucro Real M300 Lançamentos da Parte A do e-lalur. M305 Conta da Parte B do e-lalur M310 - Contas Contábeis Relacionadas ao Lançamento da Parte A do e-lalur. M312 - Números dos Lançamentos Relacionados à Conta Contábil M315 Identificação de Processos Judiciais e Administrativos Referentes ao Lançamento M350 Lançamentos da Parte A do e-lacs M355 Contas da parte B do e- Lacs M360 Contas Contábeis Relacionadas ao Lançamento da Parte A do e-lacs. M362 Números dos Lançamentos Relacionados à Conta Contábil M365 Identificação de Processos Judiciais e Administrativos Referentes ao Lançamento

12 M410 Lançamentos na Conta da Parte B do e-lalur e do e-lacs Sem Reflexo na Parte A M415 Identificação de Processos Judiciais e Administrativos Referentes ao Lançamento M500 Controle de Saldos das Contas da Parte B do e-lalur e do e-lacs M990 Encerramento do bloco M Bloco N Imposto de Renda e contribuição Social (Lucro Real): calcula o IRPJ e a CSLL com base no Lucro Real (estimativas mensais e ajuste anual ou valores trimestrais) N001 Abertura do bloco N Cálculo do IRPJ e da CSLL N030 - Identificação do Período e Forma de Apuração do IRPJ e da CSLL das Empresas Tributadas pelo Lucro Real N500 Base de Cálculo do IRPJ Sobre o Lucro Real Após as Compensações de Prejuízos N600 Demonstração do Lucro da Exploração N610 Cálculo da Isenção e Redução do Imposto sobre Lucro Real N615 Informações da Base de Cálculo de Incentivos Fiscais N620 Cálculo do IRPJ Mensal por Estimativa N630 - Cálculo do IRPJ Com Base no Lucro Real N650 - Base de Cálculo da CSLL Após Compensações das Bases de Cálculo Negativa N660 - Cálculo da CSLL Mensal por Estimativa N670 - Cálculo da CSLL Com Base no Lucro Real N990 - Encerramento do Bloco N Bloco P Lucro Presumido: apresenta o Balanço Patrimonial e apura o IRPJ e a CSLL com base no Lucro Real (Estimativas mensais e ajuste anual ou valores trimestrais) P001 Abertura do Bloco P Lucro Presumido P030 Identificação do Período e Forma de Apuração do IRPJ e da CSLL das Empresas Tributadas pelo Lucro Presumido P100 Balanço Patrimonial

13 P130 Demonstração das Receitas Incentivadas do Lucro Presumido P150 Demonstração do Resultado P200 Apuração da base de cálculo do Lucro Presumido P230 Cálculo da Isenção e redução do Lucro Presumido P300 Cálculo do IRPJ com base no Lucro Presumido P400 Apuração da Base de Cálculo da CSLL com base no Lucro Presumido P500 Cálculo da CSLL com base no Lucro Líquido P990 Encerramento do Bloco P Bloco T Lucro Arbitrado: apura o IRPJ e a CSLL com base no Lucro Arbitrado. T001 Abertura do Bloco T Lucro Arbitrado T030 Identificação dos Período e Forma de Apuração do IRPJ e CSLL das Empresas Tributadas pelo Lucro Arbitrado T120 Apuração da Base de Cálculo do IRPJ com Base no Lucro Arbitrado T150 Cálculo do Imposto de Renda com Base no Lucro Arbitrado T170 Apuração da Base de Cálculo da CSLL com Base no Lucro Arbitrado T181 Cálculo da CSLL com Base no Lucro Arbitrado T900 Encerramento do Bloco T Bloco U Imunes ou Isentas: apresenta o Balanço Patrimonial das imunes ou isentas. Apura, quando for o caso, o IRPJ e a CSLL com base no Lucro Real U001 Abertura do Bloco U Imunes e Isentas U030 - Identificação dos Períodos e Formas de Apuração do IPRJ e da CSLL das Empressa Imunes e Isentas U100 Balanço Patrimonial U150 Demonstração do Resultado U180 Cálculo do IRPJ das Empresas Imunes ou Isentas U182 Cálculo da CSLL das Empresas Imunes ou Isentas

14 U990 Encerramento do Bloco U Bloco X Informações Econômicas: apresenta as informações econômicas da pessoa jurídica. X001 Abertura do Bloco X Informações econômicas X280 Atividades incentivadas PJ em Geral X291 Operações com o Exterior - Pessoa Vinculada/Interposta/País com Tributação Favorecida. X292 Operações com o Exterior - Pessoa Não Vinculada/ Não Interposta/País sem Tributação Favorecida X300 Operações com o Exterior - Exportações (Entradas de Divisas) X310 Operações com o Exterior - Contratantes das Exportações X320 Operações com o Exterior - Importações (Saídas de Divisas) X330 Operações com o Exterior - Contratantes das Importações X340 Identificação da Participação no Exterior X350 Participações no Exterior - Resultado do Período de Apuração X351 Demonstrativo de Resultados e de Imposto a Pagar no Exterior X352 Demonstrativo de Resultados no Exterior de Coligadas em Regime de Caixa X353 Demonstrativo de Consolidação X354 Demonstrativo de Prejuízos Acumulados X355 - Demonstrativo de Rendas Ativas e Passivas X356 - Demonstrativo de Estrutura Societária X366 - Demonstrativo de Imposto Pago no Exterior X390 - Origem e Aplicação de Recursos - Imunes ou Isentas X400- Comércio Eletrônico e Tecnologia da Informação X410 - Comércio Eletrônico X420 - Royalties Recebidos ou Pagos a Beneficiários do Brasil e do Exterior X430 - Rendimentos Relativos a Serviços, Juros e Dividendos Recebidos do Brasil e do Exterior X450 Pagamentos/Remessas Relativos a Serviços, Juros e Dividendos Recebidos do Brasil e do Exterior X460 Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Tecnológico

15 X470 Capacitação de Informática e Inclusão Digital X480 Repes, Recap, Padis, PATVD, Reidi, Repenec, Reicomp, Retaero, Recine, Resíduos Sólidos, Recopa, Copa do Mundo, Retid, REPNBL-Redes, Reif e Olimpíadas X490 Pólo Industrial de Manaus e Amazônia Ocidental X500 Zonas de Processamento de Exportação (ZPE) X510 - Áreas de Livre Comércio (ALC) X990 - Encerramento do Bloco X Bloco Y Informações Gerais: apresenta informações Gerais de Pessoa Jurídica. Y001 Abertura do bloco Y, informações gerais Y520 - Pagamentos/Recebimentos do Exterior ou de Não Residentes Y540 - Discriminação da Receita de Vendas dos Estabelecimentos por Atividade Econômica Y550 - Vendas a Comercial Exportadora com Fim Específico de Exportação Y560 - Detalhamento das Exportações da Comercial Exportadora Y570 - Demonstrativo do Imposto de Renda e CSLL Retidos na Fonte Y580 - Doações a Campanhas Eleitorais Y590 - Ativos no Exterior Y600 - Identificação de Sócios ou Titular Y611 - Rendimentos de Dirigentes, Conselheiros, Sócios ou Titular Y612 - Rendimentos de Dirigentes e Conselheiros - Imunes ou Isentas Y620 - Participação Permanente em Coligadas ou Controladas Y630 - Fundos/Clubes de Investimento Y640 - Participações em Consórcios de Empresas Y650 - Participantes do Consórcio Y660 - Dados de Sucessoras Y665 - Demonstrativo das Diferenças na Adoção Inicial Y671 - Outras Informações Y672 - Outras Informações (Lucro Presumido ou Lucro Arbitrado)

16 Y680 - Mês das Informações de Optantes pelo Refis (Lucro Real, Presumido e Arbitrado) Y681 - Informações de Optantes pelo Refis (Lucro Real, Presumido e Arbitrado) Y682 - Informações de Optantes pelo Refis - Imunes ou Isentas Y690 - Informações de Optantes pelo Paes Y800 - Outras Informações Y900 - Encerramento do Bloco Y Bloco 9 Encerramento do arquivo digital Abertura do Bloco Registros do arquivo 9099 Encerramento do Bloco Encerramento do Arquivo digital Como interpretar o Layout Cada Registro irá gerar uma linha com campos, por exemplo: 0000 LECF EMPRESA TESTE N : Identificação do tipo do registro. LECF : Identificação do tipo de SPED (LECF = Escrituração Contábil Fiscal) : Código da versão do leiaute (Versão 1.00) : CNPJ: ( / ). EMPRESA TESTE : Nome empresarial. 0 : Indicador de início do período (0 = Regular início no primeiro dia do ano). 0 : Situação especial (0 = Normal sem ocorrência de situação especial ou evento). : Patrimônio remanescente em caso de cisão (Não há). : Data da situação especial ou evento (Não há) : Data inicial das informações contidas no arquivo (01/01/2014) : Data final das informações contidas no arquivo (31/12/2014). N : Escrituração original (não é retificadora).

17 : Número do recibo da ECF a ser retificada (Não há). 0 : Tipo da ECF (0 = ECF da empresa não participante de SCP). : Identificação da SCP (Não há) Retificação A pessoa jurídica poderá efetuar a remessa de arquivo em retificação ao arquivo anteriormente remetido, observando-se a permissão, as regras e prazos estabelecidos pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). Como há controle de saldos, se houver retificação da ECF transmitida de anos anteriores, deverá ocorrer a retificação de todos os anos posteriores já transmitidos. Será possível fazer a retificação da ECF dos últimos 5 (cinco) anos. A retificação de arquivos já transmitidos deverá ser feita na sua íntegra, não se aceitando arquivos complementares para o mesmo período informado Assinatura No Registro 0930 deve-se informar os dados dos signatários da escrituração. São obrigatórias duas assinaturas: uma do contabilista e uma pela pessoa jurídica. Para a assinatura do contabilista só podem ser utilizados certificados digitais de pessoa física (e-pf ou e-cpf). Poderão assinar a ECF, com certificado digital válido (do tipo A1 ou A3): 1 o e-pj ou e-cnpj que contenha a mesma base do CNPJ (8 primeiros caracteres) do estabelecimento; 2. o representante legal da empresa ou procurador constituído nos termos da Instrução Normativa RFB nº 944, de 2009, com procuração eletrônica cadastrada no site da RFB. Cadastramento de Procuração Eletrônica: No site da RFB, na aba Empresa, clicar em Todos os serviços, selecionar Procuração Eletrônica e Senha para pesquisa via Internet, procuração eletrônica e continuar ou opcionalmente 1. Login com certificado digital de pessoa jurídica ou representante legal/procurador; 2. Selecionar Procuração eletrônica ; 3. Selecionar Cadastrar Procuração ou outra opção, se for o caso; 4. Selecionar Solicitação de procuração para a Receita Federal do Brasil ; 5. Preencher os dados do formulário apresentado e selecionar a opção Transmissão de Declarações/Arquivos, inclusive todos do CNPJ, com Assinatura Digital via Receitanet.

18 6. Para finalizar, clicar em Cadastrar procuração, ou Limpar ou Voltar. A assinatura digital será verificada quanto a sua existência, prazo e validade para a pessoa jurídica identificada na ECF, no início do processo de transmissão do arquivo digital.

19 2. Sistema 2.1. Cadastro do Estabelecimento Em Cadastros / Empresas / Estabelecimento/ Cadastrais, informe os dados cadastrais da Pessoa Jurídica para alimentar o Registro 0000, como CNPJ, Nome Empresarial, Tipo de SCP, já para o registro 0030 informe os dados como endereço, número, complemento, bairro/distrito, UF, CEP, Telefone, . Defina qual a tributação, qualificação e o regime de Apuração de Tributos Federais. Estes dados irão para o registro 0010.

20 O Registro 0020 apresenta os parâmetros que identificam quais blocos e registros a serem preenchidos, entre eles PJ sujeita à alíquota de CSLL de 15%.

21 2.2. Centro de Custo Em Cordilheira Sistema Contábil / Cadastros / Centro de Custo, cadastre o centro de custo que será utilizado nos lançamentos contábeis. O Centro de Custo esta presentes e vários registros da ECF, como por exemplo, Bloco C no registro C100 que busca as informações recuperadas da ECD SCP

22 Em Sage Fiscal / Cadastros/ Sociedade em Conta de Participação cadastre as SCP s que contém na empresa. A informação da SCP apresenta em vários registros da ECF, por exemplo, 0035 Identificações das SCP Contador Em Cadastros / Responsáveis informe o contador da empresa para alimentar o registro 0930 Identificação dos signatários da ECF.

23 2.5. Plano de Contas O Plano de contas é de grande importância para a geração da ECF. Cadastros / Plano de Contas. O Registro do Plano de Contas irá apresentar no registro C050 Plano de Contas da ECD o qual irá importar os dados da ECD.

24 2.6. Plano de Contas Referencial O Cadastro do Plano Referencial pode ser informado no próprio cadastro do Plano de Contas, na opção Plano Referencial.

25 Ou através da Rotina de Vinculação automática, Módulos/ SPED/ Plano Referencial/ Vinculação Automática é possível efetuar a vinculação de forma automática.

26 3. Escrituração Contábil Fiscal A Escrituração Contábil Fiscal é uma nova obrigação acessória, cuja primeira entrega será efetuada até a data de 30/09/2015 referente ao ano calendário É uma obrigação complexa, pois reúne dados dos sistemas contábil, fiscal e folha de pagamento, além de informações diversas anteriormente apresentadas na DIPJ. Para a correta geração da ECF, é absolutamente indispensável a correta vinculação do plano de contas da empresa ao plano de contas referencial, uma vez que o Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício na ECF serão gerados com base no plano referencial. E esta vinculação deve ser feita de forma detalhada, vinculando todas as contas ANALÍTICAS do plano da empresa (mesmo aquelas sem movimento no período) às contas ANALÍTICAS do plano referencial. Em caso de dúvidas nesse procedimento, consulte o Ajuda do sistema para obter dicas importantes sobre como executar esta tarefa de forma rápida e prática. Outra questão de suma importância é a diferença conceitual entre a ECD, que tem cunho societário, da ECF, que tem cunho eminentemente fiscal. Isso significa que as demonstrações contábeis na ECF devem OBRIGATORIAMENTE ser geradas de acordo com a periodicidade relativa ao regime de tributação da empresa. Ou seja, para empresas do lucro presumido, cujo período de apuração é trimestral, devem ser geradas demonstrações contábeis trimestrais, ainda que na ECD tenham sido apresentados apenas Balanço Patrimonial e DRE anual. Esta informação consta inclusive do site da ECF no portal da Receita Federal do Brasil. A seguir apresentamos um roteiro para o cumprimento desta obrigação da forma mais prática possível, ressaltando que este roteiro é apenas uma sugestão, podendo ser adaptado às suas necessidades, se assim o preferir Roteiro sugerido para geração da ECF Lucro Presumido 1. Selecione as empresas para a geração do arquivo. Sugerimos começar pelas mais simples, com pouco movimento, até estar bem familiarizado com os procedimentos a serem adotados tanto no sistema contábil quanto no PVA da ECF. Só então parta para empresas mais complexas (seja em função da quantidade de lançamentos, seja em função de maior variedade nas operações fiscais de compra, venda, prestação de serviços, etc). 2. Verifique se todas as contas analíticas do plano de contas da empresa estão vinculadas à contas analíticas do plano referencial através da rotina Módulos/ SPED/ Plano Referencial/ Relatório, marcando a opção Somente contas não vinculadas. Enquanto estiver sendo listada alguma conta nesse relatório não adianta gerar a ECF, pois ocorrerão erros na importação.

27 3. Após a vinculação, a partir do momento em que nenhuma conta esteja sendo listada no relatório quando marcada a opção anterior, liste novamente o relatório, marcando agora a opção Todas as contas. Certifique-se que as contas estejam vinculadas corretamente em seus respectivos grupos no plano referencial. Se por exemplo você vincular uma conta de Despesa, a uma conta de Receita no plano referencial, sua DRE ficará totalmente inconsistente após ser importada para a ECF. 4. Como já dito, a ECF é fiscal. Portanto, obrigatoriamente os Balanços/DRE devem ser gerados de forma trimestral. Caso tenha sido efetuada apenas a transferência de resultados anual, é necessário estornar esse lote, e gerar lotes trimestrais de transferência. Este procedimento deve ser feito exatamente nesta ordem: Estorne o lote de transferência anual. Gere o lote do primeiro trimestre, e libere o lote. Gere o lote do segundo trimestre, e libere o lote. Gere o lote do terceiro trimestre, e libere o lote.

28 Gere o lote do quarto trimestre, e libere o lote. 5. Acesse a rotina Módulos/ SPED/ Apuração das Demonstrações Contábeis e gere a apuração marcando a opção Trimestral.

29 6. Somente então pode-se efetivamente dar início aos procedimentos de geração da ECF. Acesse a rotina Módulos/ SPED/ Escrituração Contábil Fiscal/ Parâmetros e preencha os campos de acordo com as informações de cada empresa. O sistema já traz como sugestão algumas informações de acordo com o cadastro da empresa, podendo ser alteradas conforme necessário. As informações constantes da aba Parâmetros Complementares são os mesmos que eram anteriormente solicitados na DIPJ, entretanto a maioria das informações ali constantes não fazem parte do sistema contábil ou fiscal, devendo ser preenchidas diretamente no PVA da ECF. 7. Gere o arquivo da ECF em Módulos/ SPED/ Escrituração Contábil Fiscal/ Geração do Arquivo da ECF. Para o Lucro Presumido serão gerados os registros dos blocos: 0, J, P e Y (exceto para as empresas com escrituração por Livro Caixa, hipótese em que não será gerado o bloco J).

30 8. Efetue a importação do arquivo no validador, marcando a importação de todos os blocos. Tecle na primeira pergunta e na segunda.

31 9. Se não ocorrer erro de estrutura (situação em que você terá que identificar o problema e corrigi-lo, gerando novamente o arquivo e repetindo as etapas acima), será apresentada a tela de validação do arquivo. Você pode efetuar a validação agora, mas provavelmente ocorrerão diversos erros informando a ausência de registros do bloco K. Caso a empresa esteja parametrizada como escrituração Contábil, esses registros devem obrigatoriamente serem recuperados da ECD, portanto pode efetuar desde já esta etapa, clicando no botão Recuperar ECD. Caso a empresa esteja parametrizada como escrituração por Livro Caixa, não serão gerados na ECF os registros do Balanço Patrimonial e DRE (registros P100 e P150). Assim, não haverá recuperação da ECF. Lembrando que a forma de escrituração por Livro Caixa deve ser utilizada também para as empresas dispensadas de entrega da ECD, conforme disposto no manual da ECF. Para a recuperação dos dados da ECD, o PVA contendo as declarações devidamente assinadas (pelo menos pelo contador), deverá estar instalado na mesma máquina que o PVA da ECF. Selecione a escrituração correspondente, e tecle para regravar os blocos.

32 10. Se a importação ocorrer sem problemas, será novamente apresentada a tela de validação do arquivo. Caso a ECD tenha sido gerada já com as declarações trimestrais, e a vinculação do plano referencial tenha sido corretamente informada na ECD, você já pode efetuar a validação. Caso contrário, ocorrerão inúmeros erros de validação. Nesse caso, novamente deve ser importado o mesmo arquivo anteriormente gerado da ECF para regravação das demonstrações. Com a escrituração aberta, clique novamente no botão de importação da ECF, informe o arquivo, e marque para sobrescrever os blocos J, P e Y (o bloco 0 não estará disponível para sobrescrever).

33 11. Agora finalmente pode ser efetuada a validação da ECF, correção de eventuais inconsistências e informação de dados referentes aos campos marcados na aba Parâmetros Complementares. Confira o Balanço Patrimonial e a DRE na ECF (registros P100 e P150) comparando-os com as mesmas demonstrações geradas pelo sistema contábil. Se houver diferença entre eles, muito provavelmente é devido a erro de vinculação com o plano referencial. Corrija os problemas e refaça as etapas acima. Confira também os registros de informação de Receita Bruta e apuração dos tributos (registros P200 e P300), comparando-os com a memória de cálculo das apurações trimestrais. Se necessário, complemente alguma informação que porventura esteja faltando (principalmente no caso de apuração por regime de caixa, ou em que tenha havido lançamentos de ajuste em Bases/Valores extras tributáveis). Algumas inconsistências são normais nessa primeira entrega, em razão da inexistência de saldos anteriores da ECF (Bloco E do manual de orientação, que não pode ser importado, mas somente recuperado da ECF do ano anterior). Portanto, desconsidere as seguintes mensagens de advertência: A conta referencial possui saldo inicial incompatível com o saldo final recuperado da ECF anterior. Saldo inicial não é compatível com o saldo recuperado do período anterior do E010, ou Saldo inicial não é compatível com o saldo inicial do registro K155 (considerando o mapeamento das contas referenciais do saldo Final-K156). O registro não é compatível com os valores recuperados e calculados pelo sistema.

34 Caso a ECD tenha sido entregue com encerramento anual, haverá também diferença na conta de transferência do lucro do exercício, na conta de Patrimônio Líquido. Nesse caso, provavelmente serão apresentadas as mensagens de advertência abaixo: Total dos débitos difere do total de créditos no período informado nos registros de Saldos Periódicos (K155). Saldos iniciais possuem valores diferentes para a soma de débitos e créditos Saldos finais possuem valores diferentes para a soma de débitos e créditos Caso queira eliminar essas mensagens de advertência, é necessário corrigir os valores da conta de Lucros/Prejuízos decorrentes da transferência de resultados. Essa orientação consta do site da RFB, em perguntas e respostas da ECF: Recuperação de ECD Com Encerramento do Exercício Diferente dos Encerramentos da ECF: Os encerramentos do exercício na ECF seguem o período de apuração do tributo. Por exemplo, se a empresa é do lucro presumido, os encerramento do exercício da ECF serão trimestrais. Caso a ECD recuperada tenha encerramento diferente (por exemplo, a ECD recuperada tenha apenas um encerramento anual), no momento da validação no programa da ECF, poderá aparecer uma mensagem de advertência, com o valor da diferença entre os saldos finais credores e os saldos iniciais credores. Nesse caso, a pessoa jurídica poderá ajustar os saldos por meio de alteração no registro K155 (alteração de saldo de uma ou mais contas). Também há a opção de criar uma nova conta do plano de contas da pessoa jurídica (J050) para fazer o ajuste. Contudo, neste caso, também será necessário fazer o mapeamento desse conta para o plano de contas referencial (J051). Para efetuar os ajustes recomendados acima, siga os seguintes procedimentos: Consulte a conta de Lucros/Prejuízos que recebeu os lançamentos de transferência de resultados no Patrimônio Líquido, através do menu Consultas/Plano de Contas, e anote os valores das transferências trimestrais e respectivos saldos. (uma boa dica é digitar esses valores num editor de textos, para depois simplesmente copiar/colar esses valores na ECF. Nesse caso, efetue a digitação dos valores somente com a vírgula separando os centavos. Por ex: ,64)

35 Anotados os valores, acesse a rotina de edição da ECF, para editar os registros K155, escolha o trimestre para edição, localize a conta de Lucros/Prejuízos, e dê um duplo clique nessa linha: Dê novo duplo clique na mesma conta, na janela superior de edição:

36 Altere o saldo anterior, débito, crédito e saldo atual de acordo com os valores anteriormente anotados: Repita esta operação para os demais trimestres, e efetue nova validação. Se estiver tudo OK pode-se proceder a assinatura e transmissão da ECF. Após a entrega, estorne ou exclua os lotes trimestrais de transferência de resultados e libere novamente o lote de transferência anual Parâmetros da Escrituração Contábil Fiscal

37 Informe os parâmetros da empresa para a geração da Escrituração Contábil Fiscal ECF IDENTIFICAÇÃO: Ano calendário: Preenchido automaticamente com o ano anterior a data atual da máquina, pode ser alterado conforme a necessidade. Indicador do Início do Período: Informe o indicador do início do período.

38 Indicador de Situação Especial: Informe o indicador conforme a situação da empresa. Data da Situação Especial: Campo habilitado apenas quando o Indicador de Situação Especial for diferente de 0. Informe a data da situação especial. Patrimônio Remanescente em Caso de Cisão: Campo habilitado apenas quando o Indicador de Situação Especial for igual a 6. Informe o percentual do patrimônio remanescente. Período da Escrituração: Informe o período da escrituração. Escrituração Retificadora: Marcar a opção se for uma entrega referente a período já entregue. Neste caso deve ser informado o número do recibo da declaração entregue anteriormente.

39 PARÂMETROS DE TRIBUTAÇÃO: Tipo de Escrituração: Informe se o Tipo de Escrituração é Contábil ou conforme Livro Caixa. Essa informação irá alimentar o registro 10 campo 10, conforme manual de orientações da ECF diz: Escrituração: L Livro Caixa ou Hipótese prevista no 1o do art. 129, Instrução Normativa no 1.515/2014 (Lucro Presumido) ou Sem Escrituração (Imunes ou Isentas) ou Não obrigadas a entregar a ECD, de acordo com a Instrução Normativa no 1.420/2014. C Contábil (Lucro Presumido, Imunes ou Isentas)

40 ATENÇÃO: A hipótese prevista no 1o do art. 129, Instrução Normativa no 1.515/2014 prevê que a pessoa jurídica que mantiver escrituração contábil, na forma da legislação comercial, deverá controlar os recebimentos de suas receitas em conta específica, na qual, em cada lançamento, será indicada a nota fiscal a que corresponder o recebimento. - A opção C contábil corresponde às pessoas jurídicas tributadas pelo lucro presumido ou imunes ou isentas que estão obrigadas a entregar a ECD (Escrituração Contábil Digital), de acordo com a Instrução Normativa no 1.420/ Atividade Tributada para Imune ou Isenta: Esse campo só deve ser informado se a empresa for imune ou isenta, caso contrário deve ser informado Não se Aplica. Forma de Tributação do Lucro: Esse campo corresponde a tributação da empresa no ano calendário da geração do arquivo. O sistema traz como padrão a informação da apuração dos tributos do último mês do ano da geração.

41 Período de Apuração do Lucro: Informe se o período foi anual, trimestral ou não se aplica. Forma de Tributação: Informe por trimestre qual foi a tributação da empresa, caso tenha mais de uma tributação no ano pode ser separado por trimestre cada uma delas.

42 Forma de Apuração: Campo habilitado apenas se o Período de Apuração do Lucro for Anual. Informe por mês qual foi a forma de apuração do lucro. Caso tenha sido usado mais de uma forma no ano pode ser separdo mensalmente cada tipo. ATENÇÃO: As demais opções devem ser marcadas conforme a situação de cada empresa, os dados preenchidos serão utilizados somente para compor o registro correspondente ao bloco 0 Abertura, Identificação e Referências. Não serão gerados os registros correspondentes a cada uma das opções, devendo estas ser informadas diretamente no validador da ECF, após importado o arquivo. PARÂMETROS COMPLEMENTARES: Nesta aba, devem ser marcadas as opções pertinentes a empresa.

43 Estas informações precisam ser geradas no arquivo, pois após a importação não é possível alterá-las diretamente no validador da ECF, ficando os campos desabilitados. Para identificar quais opções devem ser geradas pela empresa, verifique o manual da ECF. ATENÇÃO: Os dados preenchidos nesta tela serão utilizados somente para compor o registro correspondente ao bloco 0 Abertura, Identificação e Referências. Não serão gerados os registros correspondentes a cada uma das opções, devendo estas ser informadas diretamente no validador da ECF, após importado o arquivo Roteiro sugerido para geração da ECF Lucro Real Este roteiro visa apresentar uma sugestão para a geração e entrega da ECF para as empresas optantes pelo Lucro Real, e parte do princípio que você já está familiarizado com os procedimentos de entrega utilizados para optantes pelo Lucro Presumido, em especial quanto à vinculação das contas ao Plano Referencial da RFB. Caso não tenha dúvidas quanto a esse procedimento, sugerimos que leia antes o material de apoio disponibilizado para aquele tipo de geração. 1) Nesta versão não estão, ainda, sendo gerados automaticamente os lançamentos referentes ao Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real LALUR e o Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL LACS (bloco M) da ECF, que será liberado até o final de agosto/2015. Portanto, devem ser gerados num primeiro momento arquivos de empresas que não tenham ajustes de Lalur, ou que os tenha em pequena quantidade, que possam ser lançados diretamente no PVA da ECF. 2) Selecione as empresas para a geração do arquivo. Sugerimos começar pelas optantes pelo Lucro Real Trimestral, cuja apuração tende a ser mais simples. Após familiarizar-se com o processo, podem ser gerados os arquivos das empresas optantes pelo Lucro Real que não tenham variação na forma de apuração ao longo do ano (ou seja, que efetuem a apuração todos os meses por estimativa mensal, ou então, que todos os meses utilizem balancetes de redução/suspensão do imposto). Por último gere as empresas optantes pelo Lucro Real Anual, que tenham apurações por estimativa e balancetes no mesmo ano. 3) Para gerar corretamente os arquivos, é necessário preencher uma informação adicional no plano de contas, para fins de geração do registro L210, que apresenta a composição dos custos do período de apuração. Para tanto, foi criado no cadastro campo para informar o código da conta de custos da ECF. Este campo estará habilitado apenas para as contas analíticas. Para as contas do Ativo é possível informar apenas os códigos referentes ao estoque e compras. As contas devem ser informadas de acordo com as atividades próprias de cada empresa (estoques/compras de insumos, produtos acabados etc., para as indústrias, estoques/compras de mercadorias no caso de comércio e assim por diante).

44 Para os códigos referentes à compra de mercadorias para revenda, há um tratamento específico. Caso seja associada uma ou mais contas do plano à conta de custo ECF 34 Compras de mercadoria no mercado interno, será considerada para a ECF a movimentação ocorrida nessas contas. Caso não haja nenhuma associação, o valor das compras será calculado levando em conta o valor do CMV (-) estoque inicial (+) estoque final de mercadorias para revenda. Para fins de apuração do CMV, será considerada a movimentação das contas do plano associadas à conta do Plano Referencial (no caso de PJ em geral). Para as contas de Resultado é possível informar códigos referentes aos custos de produção, serviços, produtos rurais, etc: 4) Acesse a rotina Módulos/ SPED/ Escrituração Contábil Fiscal/ Parâmetros e preencha os campos de acordo com as informações de cada empresa. Informe os Parâmetros da ECF e gere o arquivo. Para o Lucro Real serão gerados os registros dos blocos: 0, J, L e Y. Posteriormente serão gerados também os registros do bloco M, referentes ao LALUR/LACS. Efetue a importação do arquivo no validador, marcando a importação de todos os blocos, efetue o procedimento de Recuperação de dados da ECD, importe novamente o arquivo gerado anteriormente, e valide o arquivo. 5) Confira o Balanço Patrimonial e a DRE na ECF (registros L100 e L300) comparando-os com as mesmas demonstrações geradas pelo sistema contábil. Se houver diferença entre eles, muito provavelmente é devido a erro de vinculação com o plano referencial. Corrija os problemas e refaça as etapas acima. Confira também os registros de informação referentes aos custos do período (registros L210). Caso tenha optado por não associar diretamente as contas de compras de mercadorias (hipótese em que poderiam ser associadas contas específicas para compras no mercado interno e externo), ou seja, apurando as compras com base no CMV, os valores serão gerados sempre como compras do mercado interno. Caso efetue importação de mercadorias, os valores devem ser distribuídos manualmente nos dois campos. Confira o registro de apuração dos tributos (Registros N500 e N630 para o IRPJ e N650 e N670 para a CSLL). Caso queira, é possível efetuar lançamentos nos blocos do LALUR/LACS para ajustes na apuração diretamente no PVA. Como efetuar lançamentos do LALUR/LACS 6) Para efetuar lançamentos em contas controladas na parte B (por exemplo, prejuízos acumulados), é necessário primeiramente criar uma conta, informando, se for o caso, eventuais saldos de períodos anteriores à Janeiro/2014. Lembrando que o procedimento deve ser efetuado tanto para o LALUR (IRPJ) quanto para o LACS (CSLL). Clique no botão Editar Escrituração e acesse o menu LALUR / Parte B Controle das contas / Identificação da conta na parte B. Sugerimos utilizar a mesma codificação adotada no sistema contábil. Neste menu é possível também efetuar lançados sem reflexo na parte A, ou seja, transferência de valores entre contas da parte B.

45 Para efetuar lançamentos da parte A, acesse o menu LALUR / Parte A Demonstração do lucro real, escolha o trimestre e linha para o lançamento do ajuste e informe o valor desejado. Caso queira complementar o lançamento, associando-a a uma conta/lançamento contábil, ou a uma conta da parte B, dê um duplo clique sobre a linha.

46 Idêntico procedimento deve ser utilizado para a compensação de prejuízos fiscais, devendo nesse caso o valor ser associado à conta da Parte B anteriormente cadastrada: Efetuados as ajustes, as bases de cálculo e tributos serão automaticamente recalculados. Confira os valores, e se estiver tudo OK a declaração pode ser assinada e transmitida.

47 3.4. Lalur/Lacs A legislação do Imposto de Renda exige para algumas empresas, a escrituração do chamado LALUR/LACS (Livro de Apuração do Lucro Real e Livro de Apuração da Contribuição Social), onde são registrados todos os ajustes do Lucro ou Prejuízo de cada período de apuração. Através destas rotinas, poderá efetuar os lançamentos de históricos e contas (parte A e B), podendo importar os lançamentos contábeis para a escrituração do LALUR. E ao final emitir o Demonstrativo do Livro Real e o Registro dos Ajustes do Lucro Líquido do Exercício. As rotinas permitem a importação de lançamentos efetuados na contabilidade, bem como a digitação de lançamentos extra-contábeis Manutenção de Históricos Cadastre os históricos e as contas necessários para o controle e emissão do LALUR/LACS, parte A e B. Código: Informe um código de cadastro, campo numérico. Descrição: informe uma descrição No quadro Livro, selecione se o histórico é parte A ou parte B.

48 No quadro Apuração, selecione se o histórico é referente ao IRP, CSLL ou Ambos. Informações da Parte A: Tipo de Lançamento: Selecione o tipo de lançamento. Relacionamento: Informe qual será o relacionamento desse histórico. Código ECF IRPJ: Campo exclusivo para cadastros de Parte A, só habilitado se o campo de apuração estiver como IRPJ ou ambos. Código ECF CSLL: Campo exclusivo para cadastros de Parte A, só habilitado se o campo de apuração estiver como CSLL ou ambos. Informações da Parte B:

49 Natureza do saldo: defina se é devedor ou credor. Data de criação: Informe a data de criação do histórico. Data limite: Informe a data limite para a exclusão, adição ou compensação do valor controlado. Saldo Inicial: Saldo no período inicial desse histórico. Lançamento na parte A: Informe o código do lançamento na parte A que deu origem à conta. CNPJ Situação especial: CNPJ da outra pessoa jurídica relacionada com evento originário da conta Lançamentos Importação Facilita a integração contábil com o LALUR, permitindo importar os lançamentos normais para o LALUR. Esta rotina é executada em duas (02) etapas: 1ª Etapa - Seleção de Lançamentos para Importação. Consiste em selecionar os lançamentos que deseja importar, através dos filtros de pesquisa. Serão exibidos, na janela os lançamentos, apresentando os Totais da Pesquisa. Tendo a opção de Marcar/Desmarcar todos, ou selecionar um a um dos lançamentos apresentados na tabela de resultado da pesquisa. 2ª Etapa - Importação de Lançamentos para o LALUR.

50 Clique no botão Importar, e informe os seguintes dados: Histórico: Selecione o histórico de lançamento de LALUR. O histórico deve estar previamente cadastrado em Módulos/LALUR/Manutenção de Históricos (parte A). Número Livro: Informe o número do livro Diário, no qual se encontram os lançamentos Lançamentos LALUR/LACS Parte A Efetue os lançamentos das adições, exclusões e compensações de ajuste do lucro, para posterior emissão do Demonstrativo do Lucro Real e Registro dos Ajustes do Lucro Líquido do Exercício. Estabelecimento: Selecione o estabelecimento. Histórico: Selecione o histórico de lançamento. Data: Informe a data de lançamento, no formato DD/MM/AAAA. Valor: Informe o valor de lançamento. Conta contábil: Informe a conta contábil relacionada ao lançamento. Campo habilitado de acordo com o cadastro do histórico do Lalur. Conta da parte B: Informe a conta do Lalur parte B relacionada ao lançamento. Campo habilitado de acordo com o cadastro do histórico do Lalur. Descrição: Detalhe o lançamento. Este é um campo tipo texto, e permite digitar até 60 caracteres por linha. O número de linhas é ilimitado. Número do lançamento na ECD: Número do Lançamento Descrito na ECD (Escrituração Contábil Digital) no campo 2 (NUM_LCTO) registro I200 Lançamento Contábil. Para alterar ou excluir um lançamento: Clique em Pesquisar; Localize o lançamento, e dê um duplo clique sobre o mesmo.

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL Geração da ECF para empresas optantes pelo Lucro Presumido Informações importantes A Escrituração Contábil Fiscal é uma nova obrigação acessória, cuja primeira entrega

Leia mais

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL Geração da ECF para empresas optantes pelo Lucro Real INFORMAÇÕES IMPORTANTES Este roteiro visa apresentar uma sugestão para a geração e entrega da ECF para as empresas

Leia mais

SPED ECF. ECF Escrituração Contábil Fiscal. Danilo Lollio São Paulo - SP. Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft.

SPED ECF. ECF Escrituração Contábil Fiscal. Danilo Lollio São Paulo - SP. Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft. SPED ECF ECF Escrituração Contábil Fiscal Danilo Lollio São Paulo - SP Esta apresentação é de propriedade da Wolters Kluwer Prosoft. É proibida a reprodução, distribuição ou comercialização deste conteúdo.

Leia mais

Livro Eletrônico de Escrituração e Apuração do IRPJ e CSLL sobre o Lucro Líquido da Pessoa Jurídica Tributada pelo Lucro Real e-lalur

Livro Eletrônico de Escrituração e Apuração do IRPJ e CSLL sobre o Lucro Líquido da Pessoa Jurídica Tributada pelo Lucro Real e-lalur Livro Eletrônico de Escrituração e Apuração do IRPJ e CSLL sobre o Lucro Líquido da Pessoa Jurídica Tributada pelo Lucro Real e-lalur São Paulo, 11 de setembro de 2012 Abrangência do Sped NF-e Integração

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

SEMINÁRIO ECF CRC SANTA CATARINA

SEMINÁRIO ECF CRC SANTA CATARINA SEMINÁRIO ECF CRC SANTA CATARINA Este material foi produzido pela BDO para o presente seminário, com base na legislação publicada até o momento. As informações não devem ser consideradas como suficientes

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Índice 1. ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)... 4 1.1. 1.2. 1.3. 1.4. Obrigatoriedade... 5 Geração da ECF... 6 Prazo... 6 Multa... 6 1.5. Blocos e Registros da ECF...

Leia mais

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL

ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL Geração da ECF para empresas optantes pelo Lucro Real Informações importantes Este roteiro visa apresentar uma sugestão para a geração e entrega da ECF para as empresas

Leia mais

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais.

1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6. Considerações Finais. ECF Escrituração Contábil Fiscal Aspectos gerais. Por: Luana Romaniuk. Em junho de 2015. SUMÁRIO 1. O que é ECF? 2. Obrigatoriedade; 3. Prazo de Entrega; 4. Informações e Estrutura; 5. Penalidades; 6.

Leia mais

ECF Considerações Iniciais

ECF Considerações Iniciais Outubro de 2014 ECF Considerações Iniciais A ECF é mais um dos projetos da RFB que integrará o SPED (Disciplinada pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013). O layout da ECF pode ser encontrado no website

Leia mais

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 Versão 1.0 (08/2015) Prazo de entrega 2015-30/09/2015. Instrução Normativa RFB nº 1524, de 08 de dezembro de 2014) Art. 3º A ECF será transmitida anualmente ao Sistema

Leia mais

Prof. Filemon Augusto de Oliveira

Prof. Filemon Augusto de Oliveira Prof. Filemon Augusto de Oliveira Mini Curriculum Prof. Filemon Augusto de Oliveira Contador Especialista em Gestão Financeira MBA Controladoria e Auditoria Empresário Contábil Membro do GT Tributário

Leia mais

Bloco K + ECF. Bloco K no SPED Fiscal. Apresentação: 20/11/2014

Bloco K + ECF. Bloco K no SPED Fiscal. Apresentação: 20/11/2014 Bloco K + ECF Apresentação: Danilo Lollio Graduado em Análise de Sistemas pela Universidade Mackenzie. Formado em Pedagogia pela Universidade de São Paulo -USP. Gerente de Legislação da Wolters Kluwer

Leia mais

Guia Rápido ECF e ECD - SPED Contábil 2016

Guia Rápido ECF e ECD - SPED Contábil 2016 ÍNDICE Introdução... 3 SPED Contábil: Maio de 2016... 4 O que é o ECD - SPED Contábil?... 4 Empresas obrigadas a entregar o SPED Contábil... 4 Layout 4: enquadre de forma legal sua empresa... 5 Prazo de

Leia mais

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal IRPJ/JR Phoenix

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal IRPJ/JR Phoenix Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal IRPJ/JR Phoenix De acordo com o Decreto no 6.022, de 22 de janeiro de 2007 e pela Instrução Normativa RFB no 1.422, de 19 de dezembro de 2013 e alterações

Leia mais

ÍNDICE. - Instrução Normativa RFB nº 1.463/2014...02. - Fichas da DIPJ 2014...04

ÍNDICE. - Instrução Normativa RFB nº 1.463/2014...02. - Fichas da DIPJ 2014...04 ÍNDICE - Instrução Normativa RFB nº 1.463/2014...02 - Fichas da DIPJ 2014...04 1 Instrução Normativa RFB nº 1.463, de 24 de abril de 2014 DOU 25.04.2014 Aprova o programa gerador e as instruções para preenchimento

Leia mais

EM 2015 ALGUMAS EXIGENCIAS PASSAM A SER MAIS EVIDENTES, E UMA DELAS E O ECF EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO E REAL.

EM 2015 ALGUMAS EXIGENCIAS PASSAM A SER MAIS EVIDENTES, E UMA DELAS E O ECF EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO E REAL. EM 2015 ALGUMAS EXIGENCIAS PASSAM A SER MAIS EVIDENTES, E UMA DELAS E O ECF EMPRESAS OPTANTES PELO LUCRO PRESUMIDO E REAL. A VELOCIDADE DE INFORMACAO NOS NOSSOS DIAS SE TORNA A CHAVE PARA TANTAS MUDANCAS.

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) Grant Thornton - Brasil Junho de 2015 Agenda Considerações Iniciais; Obrigatoriedade de Transmissão; Penalidades (Multas); Informações a serem Transmitidas; Recuperação

Leia mais

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ECF Escrituração Contábil Fiscal. Maio de 2015

ECF Escrituração Contábil Fiscal. Maio de 2015 Maio de 2015 Histórico Desde o ano de 2007, com a criação Sistema público de Escrituração Digital (SPED), por meio do Decreto nº 6.022, o fisco vem gradativamente migrando sua base de análises para os

Leia mais

Baker Tilly Internacional

Baker Tilly Internacional Baker Tilly Internacional Baker Tilly Brasil A Baker Tilly Brasil é uma empresa de auditoria e consultoria, com atuação em todo o território nacional e membro independente da Baker Tilly Internacional,

Leia mais

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r

Mapeamento ECF. w w w. b r l c o n s u l t o r e s. c o m. b r Mapeamento ECF Projeto SPED ECF Introdução A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) substitui a Declaração de Informações Econômico- Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ), a partir do ano-calendário 2014. São

Leia mais

SPED Contábil e SPED ECF

SPED Contábil e SPED ECF SPED Contábil e SPED ECF Impactos nas Rotinas Empresárias Prof. Marcos Lima Marcos Lima Contador (graduado pela UECE) Especialista em Auditoria (UNIFOR) Diretor de Relacionamentos da Fortes Contabilidade

Leia mais

WK Sped Contábil WK Sistemas

WK Sped Contábil WK Sistemas WK Sped Contábil Rua Alm. Barroso, 730 Vila Nova Blumenau SC 1 SPED O que é: Sistema Público de Escrituração Digital, instituido pelo Decreto nº. 6.022, de 22 de janeiro de 2007. Faz parte do Programa

Leia mais

SPED ECD 2015 Conteúdo

SPED ECD 2015 Conteúdo Conteúdo Apresentação... 3 Para gerar o Arquivo... 4 1. Passo a passo... 4 2. Referenciação do Plano de Contas... 7 3. Relatórios... 8 4. Obrigações Federais... 8 2 Apresentação Bem-vindo ao Guia SPED

Leia mais

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF 1 - Configurações Necessárias: 1.1 Pacote 3000 Apontar o plano referencial a ser utilizado pela empresa; 1.2 Pacote 3012 (planos referenciais)

Leia mais

E C D Escrituração Contábil Digital. Manual Prático

E C D Escrituração Contábil Digital. Manual Prático E C D Escrituração Contábil Digital ALDENIR ORTIZ RODRIGUES Contabilista, advogado, especialista em tributos diretos, contribuições para o PIS/Cofins e legislação societária. Coautor de livros das áreas

Leia mais

PALESTRA. A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal

PALESTRA. A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal PALESTRA A ECF e a Eficiência no Controle Fiscal Palestrante: Ivo Ribeiro Viana Advogado, contabilista, especialista em direito tributário pela PUC-SP, MBE em gestão e controladoria pela FECAP-SP. Consultor

Leia mais

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF

Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF Resumo Socion das configurações no JB Cepil para geração da ECF 1 - Configurações Necessárias Empresa Lucro Real: 1.1 Pacote 3000 Apontar o plano referencial a ser utilizado pela empresa; 1.2 Pacote 3012

Leia mais

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira

Palestra. SPED - Escrituração Contábil Digital - ECD - Roteiro. Julho 2012. Elaborado por: Antonio Sérgio de Oliveira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social...

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social... Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2 a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3 b) Cálculo do IRPJ... 4 c) Cálculo da Contribuição Social... 5 d) Plano de Contas... 6 e) Histórico Padrão... 7 f) Lançamentos

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2014 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Julho de 2014

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o XX/2014 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Julho de 2014 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO LEIAUTE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)... 10 Capítulo 1 Informações Gerais... 10 Seção 1.1. Introdução... 10 Seção 1.2. Legislação... 12

Leia mais

SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) Este tutorial destina-se a empresas de Regime Lucro Presumido. A exportação para o SPED Escrituração Contábil Fiscal (ECF) no Sistema LedWin, deverá ser feita da

Leia mais

EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012

EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012 EFD-PIS/COFINS Regras Gerais Aplicáveis a Partir de 2012 Matéria Elaborada com Base na Legislação Vigente em: 09/01/2012. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 Obrigatoriedade em

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013

Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 Instrução Normativa RFB n 1.353/13 MAIO DE 2.013 PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES O Art. 1 da IN RFB n 1353/13 instituiu a Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o

Leia mais

TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF)

TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) TUTORIAL LUCRO PRESUMIDO BLOCO 0 ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL (ECF) A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) é uma nova obrigação imposta às pessoas jurídicas estabelecidas no Brasil. O sujeito passivo deverá

Leia mais

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012

ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de Março de 2012 Circular 112/2012 São Paulo, 06 de Março de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DA CONTRIBUIÇÃO (EFD CONTRIBUIÇÕES) Diário Oficial da União Nº 43, Seção 1, sexta-feira, 2 de

Leia mais

Auditoria Financeira

Auditoria Financeira Auditoria Financeira Processo de Uso da Auditoria Financeira CADASTRO DE EMPRESA PARÂMETROS No Gerenciador de Sistemas, em Empresas\ Cadastro de Empresas, é necessário parametrizar os dados para a Auditoria

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Roteiro de Escrituração das Contribuições Sociais (Pessoa Jurídica

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF Comparativo leiaute DIPJ 2014 x ECF 05/05/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Time da Eficiência Comercial... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Comparativo

Leia mais

Emissor Fiscal. LAUREmissor Fiscal Fiscal

Emissor Fiscal. LAUREmissor Fiscal Fiscal Emissor Fiscal LAUREmissor Fiscal Fiscal Índice 1. 1.1. 2. 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 3. 2.5. 4. 5. 6. LALUR/ LACS... 1 O que é o LALUR?... 1 PARTE A... 2 Adições:... 2 Exclusões:... 2 Principais Exclusões:...

Leia mais

ECF - escrituração contábil fiscal

ECF - escrituração contábil fiscal ECF - escrituração contábil fiscal O que é a ECF? Escrituração Contábil Fiscal é uma nova obrigação do SPED Sistema Público de Escrituração Digital, que entrará em vigor em 2015 e nessa deverão ser informados

Leia mais

Ciências Contábeis. Centro Universitário Padre Anchieta

Ciências Contábeis. Centro Universitário Padre Anchieta Ciências Contábeis Centro Universitário Padre Anchieta Projeto SPED Em 2007, foi aprovado o Projeto SPED Sistema Público de Escrituração Digital, foi oficializado. Trata-se de uma solução tecnológica que

Leia mais

www.pwc.com.br Sped Contábil (ECD) e Escrituração Contábil e Fiscal (ECF) em 2016

www.pwc.com.br Sped Contábil (ECD) e Escrituração Contábil e Fiscal (ECF) em 2016 www.pwc.com.br Sped Contábil (ECD) e Escrituração Contábil e Fiscal (ECF) em 2016 Escrituração Contábil - ECD Alteração de prazos para entrega em 2016 Prazo para entrega em 2015 Prazo para entrega em 2016

Leia mais

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015.

ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015. ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL SPED ECF PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Sergipe, 24 de Agosto de 2015. PROFESSOR: FELLIPE GUERRA Contador, Consultor Empresarial e Especialista em SPED. Coordenador da Comissão

Leia mais

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015

ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 ECF- Escrituração Contábil Fiscal 2015 Versão 1.4 (03/09/2015) Prazo de entrega 2015-30/09/2015. Instrução Normativa RFB nº 1524, de 08 de dezembro de 2014) Art. 3º A ECF será transmitida anualmente ao

Leia mais

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012.

Espaço DIPJ 2013. Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. Espaço DIPJ 2013 Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ-2013), relativa ao ano-calendário de 2012. SUMÁRIO 1. Introdução 2. Quem Está Obrigado à Apresentação da DIPJ 2.1.

Leia mais

Indenização adicional a data base da categoria. Neste bip. Você Sabia? Geração do arquivo Homolognet. Edição 58 Junho de 2015

Indenização adicional a data base da categoria. Neste bip. Você Sabia? Geração do arquivo Homolognet. Edição 58 Junho de 2015 Neste bip Indenização Artigo 9º, Lei n.º 7.238/84... 1 Geração do arquivo Homolognet... 1 Escrituração Contábil Digital... 2 Você Sabia? Que no sistema rumo é possível emitir o recibo de devolução e entrega

Leia mais

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - PA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 IPI ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2010 DIF PAPEL IMUNE - ANO-BASE 2010 - NOVAS DISPOSIÇÕES Introdução - Obrigatoriedade - Apresentação - Prazos - Retificação - Penalidades

Leia mais

1.1 - Campo 17 - Indicador de entidade sujeita a auditoria independente

1.1 - Campo 17 - Indicador de entidade sujeita a auditoria independente SPED Contábil Alterações do Layout 3.0 Produto : RM TOTVS Gestão Contábil 11.82 Processo : SPED Contábil Subprocesso : Data da publicação : 16/04/15 Este documento tem o objetivo de apresentar as alterações

Leia mais

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES

GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES GUIA PRÁTICO EFD-CONTRIBUIÇÕES Maio de 2012 O QUE É A EFD-Contribuições trata de arquivo digital instituído no Sistema Publico de Escrituração Digital SPED, a ser utilizado pelas pessoas jurídicas de direito

Leia mais

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8

Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO E SENHA... 8 Sumário PANORAMA... 6 APRESENTAÇÃO... 6 O QUE É GISSONLINE?... 6 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 6 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 6 PORTAL GISSONLINE... 7 ACESSO PARA CONTRIBUINTES COM IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ECF - Lucro Real - Regras Gerais e Preenchimento. 1. Tela inicial da ECF... 3. 2. Visualização dos dados da ECF... 3

ECF - Lucro Real - Regras Gerais e Preenchimento. 1. Tela inicial da ECF... 3. 2. Visualização dos dados da ECF... 3 ECF - Lucro Real - Regras Gerais e Preenchimento 1. Tela inicial da ECF... 3 2. Visualização dos dados da ECF... 3 3. Bloco 0 - Abertura e Identificação... 4 3.1 Registro 0000 - Abertura do Arquivo Digital

Leia mais

As diferenças apuradas entre as duas metodologias comporão ajuste específico a ser efetuado no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR).

As diferenças apuradas entre as duas metodologias comporão ajuste específico a ser efetuado no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR). 1 Geração do FCont Objetivo: Atender todas as empresas que fazem uso da entrega desta informação junto à Receita Federal do Brasil (RFB). Trata-se de empresas enquadradas no Lucro Real. Benefícios: Este

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO EBS Horário de atendimento: Das 08h00min às 18h00min, de Segunda a Sexta-feira. Formas de atendimento:

SUPORTE TÉCNICO EBS Horário de atendimento: Das 08h00min às 18h00min, de Segunda a Sexta-feira. Formas de atendimento: SUPORTE TÉCNICO EBS Horário de atendimento: Das 08h00min às 18h00min, de Segunda a Sexta-feira. Formas de atendimento: E-mail: Envie-nos suas dúvidas e/ou sugestões para suporte@ebs.com.br. Suporte Online

Leia mais

Compartilhamento de Informação

Compartilhamento de Informação Objetivos Promover a integração dos fiscos federal, estaduais e, futuramente, municipais, mediante a padronização, racionalização e compartilhamento das informações contábil e fiscal digital, assim como,

Leia mais

2016 GVDASA Sistemas SPED-ECD Escrituração Contábil digital - 2016 2

2016 GVDASA Sistemas SPED-ECD Escrituração Contábil digital - 2016 2 2016 GVDASA Sistemas SPED-ECD Escrituração Contábil digital - 2016 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED)

Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED) Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED) Tabela de Conteudo - Indices 1 - Criando Nova declaração... 3 1.1 - Procedimentos Iniciais... 3 1.2 - Recuperando

Leia mais

FCONT 2013 - Correção dos erros apresentados na validação

FCONT 2013 - Correção dos erros apresentados na validação FCONT 2013 - Correção dos erros apresentados na validação Produto: Totvs Gestão Contábil Versão: 11.52 Processo do Sistema: SPED FCONT Sub-processo: Listagem e correção dos erros apresentados na validação

Leia mais

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte.

empresas constantes de seus anexos, de acordo com o Estado da Federação em que estava localizado o contribuinte. SPED O Sistema Público de Escrituração Digital, mais conhecido como Sped, trata de um projeto/obrigação acessória instituído no ano de 2007, através do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007. É um

Leia mais

Boletim Técnico. Sped Contábil Layout 3.00. Procedimento para Implementação. Datasul, MLF (Configuração Livros Fiscais), TOTVS 12 / EMS 2.

Boletim Técnico. Sped Contábil Layout 3.00. Procedimento para Implementação. Datasul, MLF (Configuração Livros Fiscais), TOTVS 12 / EMS 2. Produto : Data da criação Sped Contábil Layout 3.00 País(es) : Brasil Datasul, MLF (Configuração Livros Fiscais), TOTVS 12 / EMS 2.06B Chamado : PCREQ-3700 : 19/03/2015 Data da revisão : 30/04/15 Banco(s)

Leia mais

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012

GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0. Janeiro de 2012 GUIA PARA GERAÇÃO DO SPED PIS/COFINS LBCGAS STATION VERSÃO DESTE GUIA: 1.0 Janeiro de 2012 AS INFORMAÇÕES (LEIS, DECRETOS, PORTARIAS, LAYOUTS) AQUI CONTIDAS FORAM EXTRAÍDAS DE VÁRIAS FONTES E PODEM TER

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999)

- No primeiro campo informe o numero da empresa que serão copiadas as informações.(ex: 9999) 1 2 1. Duplicação das informações de uma empresa para outra Juntamente com a instalação do sistema Office encaminhamos anexada a empresa modelo, que contem cadastros que podem ser utilizados nas empresas

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL

PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA A NEGOCIAÇÃO DE CONSOLIDAÇÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO E PAGAMENTO À VISTA COM UTILIZAÇÃO DE PF/BCN DE CSLL LEIS 12.996/2014 E 13.043/2014 MODALIDADES PGFN-DEMAIS DÉBITOS

Leia mais

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD

TÍTULO 10 SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED E ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL EFD (*) 1) SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL SPED 1.1) FINALIDADE: instituído pelo Decreto nº 6.022, de janeiro de 2007, o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital SPED faz parte do programa

Leia mais

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED?

O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? SPED PIS/COFINS Teoria e Prática O que é o Sistema Público de Escrituração Digital - SPED? E v e l i n e B a r r o s o Maracanaú - CE Março/2 0 1 2 1 2 Conceito O SPED é instrumento que unifica as atividades

Leia mais

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos

Objetivos e Módulos do SPED. Dulcineia L. D. Santos Objetivos e Módulos do SPED Dulcineia L. D. Santos Sistema Público de Escrituração Digital SPED Decreto n. 6.022, de 22/01/2007 Objetivos do SPED: unificar as atividades de recepção, validação, armazenamento

Leia mais

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix

Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix Manual de Geração da ECF Escrituração Contábil e Fiscal Contábil Phoenix A seguir iremos demonstrar o processo para uma perfeita geração da ECF (Escrituração Contábil e Fiscal). Fique atento as telas e

Leia mais

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS

LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS LEI 12.973/2014 E SPED: ADAPTAÇÃO ÀS NOVAS OBRIGAÇÕES TRIBUTÁRIAS Visão geral dos impactos das novas evidenciações e diferenças de práticas contábeis advindas da IN 1.515. Subcontas. ECF e suas implicações.

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED)

Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED) Criar nova ECF(Escrituração Contabil Fiscal) e recuperar dados da ECD no PVA(Validador do SPED) TABELA DE CONTEUDO - INDICES 1 - Criando Nova declaração... 3 1.1 - Procedimentos Iniciais... 3 1.2 - Recuperando

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

EFD PIS COFINS Teoria e Prática

EFD PIS COFINS Teoria e Prática EFD PIS COFINS Teoria e Prática É uma solução tecnológica que oficializa os arquivos digitais das escriturações fiscal e contábil dos sistemas empresariais dentro de um formato digital específico e padronizado.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e)

ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES. NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) ESTADO DE SANTA CATARINA GOVERNO DE BIGUAÇU SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA GUIA DE ORIENTAÇÕES NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS (NFS-e) Diretoria Geral de Tributos Biguaçu, Janeiro de 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital? 2 SPED - Sistema Público de Escrituração Digital Projeto do PAC 2007-2010 Instituído pelo Convênio ICMS 143/06.

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Vários arquivos da ECD para o mesmo ano calendário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Vários arquivos da ECD para o mesmo ano calendário Vários arquivos da ECD para o mesmo ano calendário 15/07/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Confira também a legislação estadual do seu domicílio nos portais das Secretarias Estaduais de Fazenda.

Confira também a legislação estadual do seu domicílio nos portais das Secretarias Estaduais de Fazenda. Legislação pertinente ao SPED FISCAL em ordem anticronológica: Ato COTEPE/ICMS 17, de 15 de junho de 2011 - Altera o Ato COTEPE/ICMS 09/08, que dispõe sobre as especificações técnicas para a geração de

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( 0 4 8 ) 3 2 4 7-0 0 0 1

Jd Soft Informática Ltda F o n e : ( 0 4 8 ) 3 2 4 7-0 0 0 1 ! "# " $ % &'()*+,(&)-!" # " $% $ &' $ $ ($ ) & * $+ *('./,+)() (012+0345 (65)*+,(&)-& 05 07'&5,-.//0# 1 2 34") $ 25 + 8 9,.1:( + + ;8 9,.1:( + +

Leia mais

Manual Sped ECF. Procedimentos iniciais para geração do arquivo Registro J050: Plano de Contas do Contribuinte

Manual Sped ECF. Procedimentos iniciais para geração do arquivo Registro J050: Plano de Contas do Contribuinte Manual Sped ECF O intuito deste manual é mostrar um pouco dos registros que serão utilizados pelo PVA e de como configurá-los no sistema contábil da Imediata. Começaremos mostrando alguns registros importantes

Leia mais

Manual Escrituração Fiscal Digital

Manual Escrituração Fiscal Digital Manual Escrituração Fiscal Digital NOVEMBRO/2013 Sumário Sumário... 2 1 Introdução... 3 2 Funcionalidade... 3 3 Navegação no Sistema... 4 3.1 Inicialização... 4 4 Configurações Gerais... 7 4.1 Domínios...

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013

Dicas de importação na RAIS. Neste bip. Você Sabia? edição 30 Fevereiro de 2013 Neste bip Dicas sobre RAIS... 1 Contribuição Patronal para RAIS... 2 Rumodoc - Ajuda no sistema Rumo... 2 Fechamento contábil... 2 Dispensa da entrega da DACON... 3 Dicas de importação na RAIS Já era um

Leia mais

Versão 8.2C-07. Versão da Apostila de Novidades: 1

Versão 8.2C-07. Versão da Apostila de Novidades: 1 Versão 8.2C-07 Versão da Apostila de Novidades: 1 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda.

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

PROJETO SPED SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL (SPED CONTÁBIL, SPED FISCAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA) por Eduardo Purcena

PROJETO SPED SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL (SPED CONTÁBIL, SPED FISCAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA) por Eduardo Purcena PROJETO SPED SISTEMA PÚBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL (SPED CONTÁBIL, SPED FISCAL E NOTA FISCAL ELETRÔNICA) por Eduardo Purcena O que é SPED? Sistema Público de Escrituração Digital É um projeto de âmbito

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2. Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.6) Portaria SUACIEF nº 001/2009 SUMÁRIO 1. TELA PRINCIPAL... 3 2. MENU

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA VERSÃO 2 (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando

Leia mais

SPED CONTÁBIL. Escrituração Contábil Digital. Professor Filemon Augusto de Oliveira 23/05/2014 Congresso de Contabilidade do Agreste Alagoano

SPED CONTÁBIL. Escrituração Contábil Digital. Professor Filemon Augusto de Oliveira 23/05/2014 Congresso de Contabilidade do Agreste Alagoano SPED CONTÁBIL Escrituração Contábil Digital Professor Filemon Augusto de Oliveira 23/05/2014 Congresso de Contabilidade do Agreste Alagoano É HORA DE AGRADECER!!! O modelo mudou... Quem escrevia cartinha,

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e.

Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. Conhecimento de Transporte Eletrônico OBJETIVO Este documento tem por objetivo a definição das especificações necessárias para transmissão de Conhecimento de Transporte eletrônico - CT-e. CONSIDERAÇÕES

Leia mais