Células solares com nanotubos de carbono

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Células solares com nanotubos de carbono"

Transcrição

1 Células solares com nanotubos de carbono

2 Nanotubos de carbono descoberta dos nanotubos (Nature 354, 56) Nanotubos de parede simples (SWNTs) e múl>pla (MWNTs) armchair zig zag quiral

3 Crescimento de nanotubos de carbono Descarga de arco Forno de laser Deposição de vapor químico ( Chemical Vapour Deposition, CVD)

4 1. Descarga de arco Aplicação de uma tensão dc entre dois toros de grafite em atmosfera inerte. Na fuligem ( soot ) depositada no cátodo foram iden>ficados os nanotubos. Uso de grafite pura MWNT Uso de ânodo de grafite com catalisador metálico (Fe, Co, etc ) e cátodo de grafite pura SWNT Técnica pode ser usada para obter fulerenos desde que não haja gases com hidrogénio.

5 Os nanotubos mais pequenos com diâmetros de 4Å e 3Å por descarga de arco.

6 2. Forno de laser Método de vaporização com laser, desenvolvido para fabricar fulerenos e CNTs. Permite obter SWNTs com elevada pureza. Para melhorar a pureza, promove- se uma oxidação com ar quente ( o C) ou com H 2 O 2, que ataca essencialmente o carbono amorfo contaminante e o catalisador. O controle do diâmetro dos SWNT é feito com base na temperatura do forno, metais catalí>cos e fluxo de gás inerte.

7 3. Deposição de vapor químico (CVD) Decomposição térmica de um hidrocarboneto (benzeno,ace>leno, e>leno, metano) na presença de um catalisador metálico (nanopar^culas de Fe inicialmente, Co, Ni) a cerca de o C. Geralmente: - baixa temperatura ( o C) MWNT - alta temperatura ( o C) SWNT

8 Estrutura de nanotubos de carbono Vector quiral: C h =na 1 +ma 2, que determina a direcção de enrolamento do tubo e se relaciona com o diâmetro do tubo, d t. O ponto (n,m) sobrepõe- se com a origem (0,0) Ângulo quiral, Θ Zig zag: Θ=0; (n,m)=(p,0), sendo p inteiro Armchair: Θ=±30 o ; (n,m)=(2p,- p) ou (p,p) Os CNTs são semicondutores ou metálicos dependendo de (n,m) Metálico: n=m; outros são semicondutores (com excepções)

9 Propriedades ópmcas opmcal gaps and excitons Gama de diâmetros acessível E11! E11, E22, E33...! E22! E33!

10 Propriedades ópmcas

11 Estrutura de nanotubos de carbono Actualmente há vias de síntese que permitem obter SWNTs com baixa dispersão de diâmetros e com baixo teor de nanotubos metálicos. Para células solares: SWNTs semicondutores com quiralidade única

12 Células solares Purificação de SWNTs para OPVs 1) Isolamento dos semicondutores 2) Isolamento de uma quiralidade específica Uma das vias: interacção com polímeros conjugados e separação por ultracentrifugação

13 EnergéMca - 2,1-2,8-3,8-3,7 a ,7-5,3 MDMO- PPV P3HT - 6,1 sc- SWCNTs a PCBM P3HT:sc- SWCNTs transf carga (heterojunção de Mpo II) MDMO- PPV:sc- SWCNTs transf energia (heterojunção de Mpo I) PCBM:sc- SWCNTs transf carga ou energia?? ACS Nano 4,5657

14 EnergéMca P3HT:sc- SWCNTs

15 Algumas estruturas NIR PV cell PCE=0.6% Bindl et al., Nano Lem. 11, 455 (2011) Bulk heterojuncmon geometry (sc- SWCNTS:PCBM/C 60 /BCP) Bindl et al., Nano Res. 4, 1174 (2011)

16 Algumas estruturas Adição de sc- SWCNTs melhora eficiência da célula de P3HT:PCBM. Comportamento ambipolar dos sc- SWCNTs

17 Células solares nanoestruturadas

18 a) ImprinMng 1: A Si mold is used to pamern the first film on a suitable substrate. ImprinMng 2: The pamerned first film is used as a mold to imprint the second film, resulmng in a double- imprinted PV device. The bomom- right drawing shows a 3D close- up cross- secmonal view of the interdigitated nanostructured ordered- BHJ. Adv. Funct. Materr. DOI: /adfm

19

20 Espectros de PL de filmes de F8TBT e de P3HT e de filmes de misturas de F8TBT:PCBM e P3HT:PCBM e dos filmes nanopadronizados das mesmas combinações com dimensão dos padrões de 80 e 25 nm.

21 Comparações Tipo Dimensão padrão Voc (V) Jsc (ma/cm 2 ) FF PCE (%) F8TBT:PCBM 40 nm nm Mistura (1:5) P3HT:PCBM 40 nm nm Mistura (1:0.8) Mistura (1:0.8) (ar)

22 Plasmónicas

23 Nanopartículas de metais: propriedades Propriedades Para um metal bulk : só ouro e cobre exibem côr; os outros exibem um aspecto prateado se a supergcie es>ver polida. Para um metal, cons>tuido por electrões livres, excitados pela radiação electromagné>ca, o índice de refracção complexo, é n 2 = 1 e2 N E ε 0 m e ν 2 em que N E é a densidade de electrões, m e a massa do electrão, ν a frequência da radiação electromagné>ca e ε 0 a constante dieléctrica do vácuo. O índice de refracção de um metal relaciona- se com a reflec>vidade, R ν, pela equação de Beer R ν = (n' 1)2 + k 2 (n'+1) 2 + k 2 sendo k o coeficiente de absorção e n a parte real do índice de refracção complexo. Se ν é pequeno, n 2 <0, n=0+in, R=1 os metais reflectem totalmente a radiação Se ν é grande, n >1 com k=0, n 1 e R 0 os metais tornam- se transparentes (metais alcalinos são transparentes no UV próximo

24 Nanopartículas de metais: propriedades No contexto do modelo do electrão livre, a frequência limite ou frequência de plasma, ν P, para a transição de R=0 para R=1 é ν P = e2 N E ε 0 m e Nos metais reais os processo de colisões com os defeitos induzem um amortecimento desta frequência. Se a dimensão das par^culas de um metal for reduzida, de modo que o seu diâmetro seja inferior ao livre percurso médio dos electrões, ocorre um desvio ao comportamento ideal e os electrões podem ser excitados por luz visível, exibindo oscilações de plasmões.

25 Nanopartículas de metais: propriedades As propriedades óp>cas de pequenas nanopar^culas de metal são dominadas por oscilações colec>vas dos electrões de condução, resultantes da interacção com a radiação electromagné>ca. O comprimento de onda de ressonância (a que ocorre a oscilação do dipolo), depende, entre outros factores, do tamanho e forma das nanopar^culas e do meio envolvente. No caso dos nanorods, podem ocorrer duas frequências de oscilação: transversal e longitudinal.

26 Nanopartículas de metais: propriedades Obtenção de nanodots de Au por redução lenta de sais de ouro (HAuCl 4 ou AuBr 3 ) em soluções aquosas de PAMAM (dendrímero de poli(amidoamina)), seguida de centrifugação para remoção das par^culas maiores. Foram preparados clusters de Au 5, Au 8, Au 13, Au 23 e Au 31. Espectros de excitação (tracejado) e de emissão dos clusters de Au (Phys. Rev. Les. 93, (2004))

27 Nanopartículas de metais: síntese Métodos baseados em reacções químicas em solução: 1. Nano- esferas de Au dispersas em água: redução de HAuCl 4 numa solução de citrato de sódio (HOC(CO 2 Na)(CH 2 CO 2 Na) 2 ) em ebulição: aparecimento de uma cor de vinho >nto intensa. Variando a razão das concentrações de sal de ouro e de citrato de sódio, permite controlar o diâmetro médio das par^culas ( nm). 2. A mesma via do citrato de sódio pode ser usada para reduzir sais de Ag e para fabricar colóides de Pt. 3. Nanoparcculas de Au ou aminoalcanos: HAuCl 4 (aq) é transferido para tolueno, usando TOAB [(H 17 C 8 ) 4 NBr] como agente de transferência de fase. Esta solução de tolueno é depois misturada com uma solução aquosa de NaBH 4, na presença de >o ou aminoalcanos, que se ligam às nanopar^culas. O tamanho das par^culas (1nm a 10 nm) é controlado pela razão entre a quan>dade de sal de Au e de agente de capping 4. Redução de sais metálicos com solventes orgânicos - Etanol tem sido usado para preparar nanopar^culas de Pt, Pd, Au ou Rh na presença de um polímero protector, e.g polivinilpirrolidona (PVP). Nanofios ( nanowires ) e prismas de Ag foram ob>dos por redução de AgNO 3 com e>lenoglicol ou DMF na presença de Polivinilfenol.

28 Nanopartículas de metais: síntese 5. Síntese de nanobastões ( nanorods ) de Au - redução electroquímica de HAuCl 4 na presença de surfactantes ca>ónicos indutores dessa forma; 6. Síntese de nanopar^culas com outras formas (nanorods, nanowires, nanodisks, nanoprisms, etc) é também possível Au Au Imagens de TEM Dispersões coloidais de nanopar^culas de ligas AuAg, com teor crescente de Au Nanorods de Au com razão de aspecto crescente Ag Nanoprismas de Ag com tamanho lateral crescente

29 Nanoparwculas metálicas em PVs Podem aumentar a absorção de luz: 1. Absorção de luz com excitação dos plasmões, sendo esta energia transferida para o material acmvo (doador e/ou aceitador) 2. Provocando dispersão da luz ( scamering ), aumentam a captura de luz. ObjecTvo: Aumentar a eficiência de absorção de radiação (podendo reduzir- se a quanmdade de material acmvo)

30 Estratégias para usar plasmões A camada azul é um espaçador dieléctrico e a camada vermelha aquela onde ocorre absorção. a) Nanoparwculas metálicas na superxcie frontal da célula solar. (dispersão e redução de perdas por reflexão) b) Nanoparwculas metálicas dipersas no interior da célula. (funcionam como antenas concentrando a luz) c) Corrugação metálica na superxcie oposta da célula. (aumenta a concentração do campo ópmco e acopla a luz incidente a modos de propagação na camada de absorção)

31 OpMcal cross- secmon Lei de Lambert- Beer: A=- log 10 (I/I o )=- log 10 T=αd=σ A c d, c é a concentração em número por unidade de volume de absorvedor σ A é a secção cruzada de absorção. Secção cruzada de dispersão, σ disp, é a área hipotémca que descreve a probabilidade de dispersão da luz por uma parwcula. É diferente da secção cruzada/projectada geométrica, já que depende do cdo da luz, da constante dieléctrica do meio e da forma e tamanho da parwcula. Secção cruzada total tem contribuições de absorção, dispersão e luminescência

32 Dispersão por np metálicas Nanoparwculas metálicas são centros eficientes de dispersão da luz para cdo próximos da resonância de plasmão. A condição de resonância do plasmão de superxcie ocorre quando a frequência da luz iguala a frequência de oscilação da nuvem electrónica. A frequência de resonância para uma esfera no vácuo está relacionada com a frequência de plasma (ν P ) do bulk desse metal (ν SP =(3) 1/2 ν P ). Esta frequência de ressonância depende da constante dieléctrica do meio. Quando se estabelece esta condição de resonância, a secção cruzada de dispersão é superior à secção cruzada geométrica.

33 Dispersão por np metálicas Secções cruzadas de absorção (linha conwnua) e de dispersão (tracejado) para esferas de Ag de 100 nm de diâmetro em vários meios (ar, Si 3 N 4 e Si) O plasmão de superxcie em resonância (surface plasmon resonance or surface plasmon polariton (SPPs)) é uma excitação colecmva das ondas electromagnémcas e dos electrões livres na interface do metal e do meio. Está fortemente confinada a essa interface, decaindo exponencialmente com a distância. Se a ressonância ocorre no visível, os comprimentos de decaímento são da ordem de dezenas a centenas de nanómetros. Este processo resulta numa retenção de luz que promove um aumento da eficiência de absorção.

34 Efeitos plasmónicos em células solares 1. Nanoparwculas (Au) fora da área acmva (P3HT:PCBM) PCE=3,57% PCE=4,24% Retenção da luz por dispersão Aumento do campo electromagnémco local Adv. Mater. 2013, DOI: /adma

35 Efeitos plasmónicos em células solares 2. Nanoparwculas (Au) dentro da área acmva (PCDTBT:PC 71 BM) PCE (ref)=6,3% PCE(40 nm NPs)=7,1%

36 Efeitos plasmónicos em células solares 3. Nanopadrão metálico 1- D ( gramng ) PTB7:PC 71 BM PCE aumenta de 7,2% para 7,73%

37 Nanocristais de semicondutores

38 Materiais Semicondutores CdS, CdSe, CdTe, PbS, PbSe Óxidos metálicos: TiO 2, ZnO

39 Nanopartículas de semicondutores Métodos de síntese: 1. Precipitação controlada: adição de um composto do não metal a uma solução do camão metálico. A presença de agentes estabilizadores (polifosfatos ou polímeros orgânicos) impede a aglomeração e coalescência dos nanocristais (e.g. CdS, PbS, Ag 2 S) 2. Formação em nanocompartmentos - controle da precipitação usando micelas invermdas ou zeólitos. 3. Precursores moleculares Controle da dimensão e dispersividade!

40 Nanopartículas de semicondutores Usando micelas invermdas de um surfactante funcionalizado (e.g. NaAOT ou diemlsulfosuccinato de sódio): mistura de duas soluções micelares com o mesmo teor de água (w=[h 2 O]/[AOT]): 0.1M de NaAOT contendo S 2- + solução de NaAOT contendo Cd(AOT) 2, A adição de dodecanomol permite estabilizar as nanoparwculas formadas de CdS. Reacção de pirólise de precursores unimoleculares injectados num solvente coordenador quente: TOPO- nccdse

41 Confinamento quânmco Efeitos de confinamento são relevantes se uma dimensão do nanocristal: 1) Se aproxima do cdo de de Broglie dos electrões e buracos no semicondutor. h λ e = m e,ef kt Para Si, λ e =24 nm, λ e (PbSe)=40nm Ou 2) É inferior ao raio de Bohr (separação electrão- buraco no excitão) O raio de Bohr pode calcular- se por a B = εh 2 µe 2 Em que ε é a constante dieléctrica dos semicondutor e µ é a massa efecmva reduzida do electrão e do buraco. Tipicamente varia de 2 a 100nm (sendo 47 nm para PbSe e 4 nm para Si)

42 Efeitos do confinamento quânmco ~1/raio Espectros de absorção de ncpbse (QD) de dimensões entre 3,3nm a 8,1 nm evidenciando o desvio da absorção. São observadas várias transições discretas. Materials Today 15, 508 (2012)

43 Heterojunção do Mpo II entre nc- CdSe e P3HT ev Bulk CdSe ev

44 Nanocristais de CdSe Dimensões (TEM): (A) 7 nm x 7 nm; (B) 7 nm x 30 nm; (C) 7 nm x 60 nm. Science 295, 2425 (2002)

45 7nm x (7, 30 e 60) nm 7nm x 60 nm 7nm x 60 nm 7nm x 60 nm 3nm x 60 nm PCE max =1,7%

46 APFO- 3: CdSe - 3,5 ev - 4,6 ev APFO- 3_filme APFO- 3: CdSe APFO- 3: 6 CdSe APFO- 3_soln - 5,8 ev - 6,8 ev APFO- 3_filme PCE (1:6)=2.4% c- APFO- 3: CdSe d- APFO- 3: 6 CdSe Nano Lem. 6, 1789 (2006)

47 Improved P3HT: CdSe TOPO- nccdse Piridina py- nccdse Se=C(NH 2 ) 2 SeU- nccdse (c) PCE, max=2.63% J. Mater. Chem. A, 1, 2401 (2013) Com PbS valores de 7,1% foram reportados

48 CdTe/CdSe PCE, max =0.25%

49 Geração de excitões múlmplos Tratamento com hidrazina de filmes de ncpbse aumenta a mobilidade dos electrões EMlenodiMol origina filmes de nc ligeiramente dopados com menor mobilidade mas bons resultados em células solares Science 334, 1530 (2011)

50 Geração de excitões múlmplos

51 Óxidos metálicos: TiO 2 e ZnO (BHJ) Bulk - 4,2 ev - 4,19 ev - 7,4 ev - 7,39 ev TiO 2 ZnO

52 Óxidos metálicos: TiO 2 e ZnO (BHJ) Bulk - 2,9-3,2-3,0-4,2 ev - 4,19 ev - 4,9-5,4-5,1-7,4 ev - 7,39 ev P3HT MDMO- PPV MEH- PPV O TiO 2 ZnO H 3 CO O ZnO tem maior mobilidade electrónica que TiO 2 H 3 CO

53 Óxidos metálicos: TiO 2 e ZnO (BHJ) MEH- PPV: nanorods de TiO 2 : PCE=0,5% P3HT: nanorods de TiO 2 (superxcie modificada): PCE=2,2% Modificação da superxcie para compambilizar o carácter hifroxlico do TiO 2 com carácter hidrofófico do polímero conjugado. Factores limitantes: baixa absorção do TiO 2, baixa mobilidade dos electrões e dixcil percolação J. Am. Chem. Soc., 131, 3644 (2009)

54 Óxidos metálicos: TiO 2 e ZnO (BHJ) Mesmo com ZnO os valores são ainda baixos P3HT: nczno PCE=0,9% MDMO- PPV: nczno PCE=1,6%

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios

Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios Faculdade de Tecnologia Programa de Pós Graduação em Engenharia de Recursos Amazônicos Nanomateriais Prof. Lucas Freitas Berti 1 a Lista de exercícios 1-) Questão Comente sobre os seguintes personagens

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Células solares orgânicas (cont)

Células solares orgânicas (cont) Células solares orgânicas (cont) Caracterís4cas eléctricas de OPVs R s R p R ext Célula Resistência em paralelo relacionada com curto- circuitos PCE pode ser reduzido devido a resistências de série e de

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências ANÁLISE INSTRUMENTAL MESTRADO BIOQUÍMICA 1.ºANO Capítulo 2 2. Espectroscopia de emissão e absorção atómica 2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4.

Leia mais

Fontes de energia convencionais. Quanto resta? Petróleo: 40 125 anos Gás Natural: 65-210 anos Carvão: 250 360 anos Nuclear: 80 300 anos

Fontes de energia convencionais. Quanto resta? Petróleo: 40 125 anos Gás Natural: 65-210 anos Carvão: 250 360 anos Nuclear: 80 300 anos Energia sustentável A Terra à noite Consumo mundial de energia em 2004 foi de 15TW, segundo o Departamento de Energia dos EUA, tendo 86,5% deste valor origem em combuseveis fósseis: petróleo 36,0% + carvão

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA Eng.ª Maria Fátima Sá barroso Métodos Instrumentais de Análise I Engenharia Química Elaborado por: Vera Pereira nº990542 Turma:

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Objectivos Usar a espectroscopia na identificação de substâncias puras ou compostos orgânicos compreender a interacção

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

Catalisadores. Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas

Catalisadores. Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas Catalisadores Substâncias que aumentam a velocidade de uma reacção sem serem consumidas mecanismo: diminuição da barreira de energia de activação a adição de um catalisador não altera a posição de equilíbrio

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz

Leia mais

2 Células solares semicondutoras

2 Células solares semicondutoras 2 Células solares semicondutoras 2.1 Princípios de conversão fotovoltaica Um fóton quando incidido sobre um material semicondutor fornece uma energia de hc para os elétrons que se situam na banda de valência.

Leia mais

Dispositivos. Junção Metal-Metal V A > V B

Dispositivos. Junção Metal-Metal V A > V B Dispositivos Dispositivos Junção Metal-Metal M t l V A > V B Heterojunções Junção p-n Electrões livres Tipo n Tipo p Átomos doadores Átomos aceitadores Buracos livres Junção p-n Electrões livres Tipo n

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES http:// 2 Introdução Histórico / aspectos gerais Análise qualitativa / análise quantitativa Análise clássica / análise instrumental Análise espectrofotométrica Introdução

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático).

A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). 61 b A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação descrita

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA

APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA APLICAÇÃO DE LASERS NA MEDICINA Questões associadas à aplicação dos lasers na Medicina Princípios Físicos e aspectos técnicos do equipamento Interacção da luz laser com os tecidos: fotocoagulação, fotovaporização,

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt

Pedro Barquinha. e-mail: pmcb@fct.unl.pt Óxidos(semi) (semi)condutores: uma(r) (r)evoluçãonaelectrónica Pedro Barquinha Departamentode Ciênciados Materiais, CENIMAT/I3N, Faculdadede Ciênciase TecnologiadaUniversidadeNova de Lisboa, Campus de

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese

Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese Reacções Fotoquímicas da Fotossíntese -A A energia luminosa como força motriz da fotossíntese -O Cloroplasto- - membranas tilacoidais e estroma -Conceito de Unidade Fotossintética e Centro de Reacção -Cooperação

Leia mais

3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010

3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010 FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 3ª sessão na área da Física de preparação para a EUSO2010 Espectros de riscas de gases sujeitos a descargas: em cima mercúrio e em baixo do

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

10 Plasma: o quarto estado da matéria

10 Plasma: o quarto estado da matéria 10 Plasma: o quarto estado da matéria Petrus Josephus Wilhelmus Debye (1884-1966) Químico holandês nascido em Maastricht, que deixou importantes estudos no domínio da estrutura molecular. Em 1908 obteve

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche. Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS Projeto Físico F Digital Aula 02 Processo de Fabricação Prof. Sandro Vilela da Silva sandro@cefetrs.tche.br Copyright Diversas transparências

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES

SUSPENSÕES E SOLUÇÕES SUSPENSÕES E SOLUÇÕES Definições SUSPENSÃO Mistura heterogênea de substâncias Ex.: sangue (suspensão de plasma e células) água e óleo; água e areia, água e açúcar SOLUÇÃO Mistura homogênea de substâncias

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Fontes Ópticas - Tipos e principais características -

Fontes Ópticas - Tipos e principais características - Fontes Ópticas Tipos e principais características As principais fontes ópticas utilizadas em comunicações ópticas são o LED (light emitting diode) e o LD (Laser diode que funciona segundo o princípio LASER

Leia mais

Correção da ficha de trabalho N.º3

Correção da ficha de trabalho N.º3 Correção da ficha de trabalho N.º3 1- Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas, corrigindo estas últimas: A. A passagem de um átomo de um estado excitado ao estado fundamental é acompanhada

Leia mais

COLÓIDES QUÍMICA FRENTE 2

COLÓIDES QUÍMICA FRENTE 2 COLÓIDES QUÍMICA FRENTE 2 1- CONCEITO. Solução é toda e qualquer mistura homogênea, seus componentes (soluto e solvente) não podem ser separados por decantação ou filtração, em razão de as partículas do

Leia mais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais

Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Exercícios de Ciências dos Materiais Isabel Abreu Maria Alzira Dinis UFP 2005/2006 ESTRUTURA ATÓMICA E LIGAÇÕES 1. Calcule: a. A massa em

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos

Volume 8 óptica. Capítulo 49 Espelhos Planos Volume 8 óptica Vídeo 49.1 Vídeo 49.2 Vídeo 49.3 Vídeo 49.4 Vídeo 49.5 Vídeo 49.6 Vídeo 49.7 Vídeo 49.8 Vídeo 49.9 Capítulo 49 Espelhos Planos Um feixe de micro-ondas refletido por uma placa metálica plana

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

1. Espectros, radiação e energia

1. Espectros, radiação e energia 1. Espectros, radiação e energia Radiação é a propagação da energia por meio de partículas ou ondas no espaço. A radiação pode ser identificada: Pelo elemento condutor de energia: Radiação electromagnética

Leia mais

COM POLI(ÁLCOOL VINÍLICO): EFEITO DA FRAÇÃO MOLAR DOS PRECURSORES

COM POLI(ÁLCOOL VINÍLICO): EFEITO DA FRAÇÃO MOLAR DOS PRECURSORES SÍNTESE E CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS QUÂNTICOS DE CdS ESTABILIZADOS COM POLI(ÁLCOOL VINÍLICO): EFEITO DA FRAÇÃO MOLAR DOS PRECURSORES Fábio P. Ramanery 1, Juan C. González 2, Alexandra A. P. Mansur 1 Herman

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NVA DE LISBA Faculdade de Ciências e Tecnologia Síntese de ácido acetilsalicílico (aspirina). Análise por TLC do produto obtido. 1. Cromatografia Misturas de compostos podem ser separados

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 5 Cromatografia a Gás Profa. Daniele Adão CROMATÓGRAFO CROMATOGRAMA Condição para utilização da CG Misturas cujos constituintes sejam VOLÁTEIS Para assim dissolverem-se, pelo

Leia mais

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( )

Cor e frequência. Frequência ( ) Comprimento de onda ( ) Aula Óptica Luz visível A luz que percebemos tem como característica sua freqüência que vai da faixa de 4.10 14 Hz ( vermelho) até 8.10 14 Hz (violeta). Esta faixa é a de maior emissão do Sol, por isso

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

Espectrofotometria Molecular UV-VIS

Espectrofotometria Molecular UV-VIS Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança Química Alimentar dos Alimentos II Espectrofotometria Molecular UV-VIS 1 Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança

Leia mais

Métodos Espectroanalítcos. Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução Aula 6

Métodos Espectroanalítcos. Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução Aula 6 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química Métodos Espectroanalítcos Espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica (ETAAS) - Introdução

Leia mais

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 2S 2012. Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 2S 2012 Aula 4: 10-12-12 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Giovanni de Lima Cabral Conturbia

Giovanni de Lima Cabral Conturbia i Instituto de Química Área de Concentração: Físico-Química Dissertação de Mestrado Células solares baseadas em nanotubos de carbono modificado e nanopartículas de ouro Giovanni de Lima Cabral Conturbia

Leia mais

Degradação Fotoquímica

Degradação Fotoquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução Os efeitos da radiação em polímeros de engenharia, tornaram-se objeto de consideração de importância

Leia mais

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS

ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS ESTRUTURA CRISTALINA DOS METAIS Estrutura cristalina dos metais 1 DEFINIÇÃO DE CRISTAL - Sólidos cristalinos: Uma substância pode ser considerada cristalina quando os átomos (ou moléculas) que a constitui

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura

DISPERSÕES. Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÕES Prof. Tatiane Kuchnier de Moura DISPERSÃO Mistura DISPERSO + DISPERSANTE Classificação das Dispersões Nome da dispersão Diâmetro médio das partículas dispersas Exemplos Solução verdadeira Entre

Leia mais

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1

Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 Arranjos Atômicos 26/3/2006 CM I 1 26/3/2006 CM I 2 Arranjo Periódico de Átomos Sólido: constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:»

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Sólidos Sólidos 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:

Leia mais

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS

O primeiro forno de microondas -1949. O inventor do forno de microondas INTRODUÇÃO MICROONDAS: Microondas PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UFMG DEPARTAMENTO DE ALIMENTOS ALM 024- Processamento de Alimentos PROCESSAMENTO DE ALIMENTOS POR MICROONDAS INTRODUÇÃO São empregadas em alimentos porque geram calor O forno de

Leia mais

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa

código 171608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa código 7608 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Direção Regional de Educação de Lisboa Ciclo: º Ano: 8º Disciplina: Físico-Química Conteúdos. Reações Químicas..Tipos de reações Investigando algumas

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

FIBRAS DE ÓXIDO DE ZINCO OBTIDAS POR ELECTROSPINNING APLICADAS À FOTOCATÁLISE

FIBRAS DE ÓXIDO DE ZINCO OBTIDAS POR ELECTROSPINNING APLICADAS À FOTOCATÁLISE FIBRAS DE ÓXIDO DE ZINCO OBTIDAS POR ELECTROSPINNING APLICADAS À FOTOCATÁLISE D. Gerchman; A.K. Alves; F.A.Berutti; C.P. Bergmann Av. Osvaldo aranha, 99 sala 705C - Porto Alegre-RS Brazil 90035-190 gerchmans@gmail.com

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Espectroscopia de Raios X

Espectroscopia de Raios X Espectroscopia de Raios X 1. Introdução Raios X O conhecimento da estrutura dos materiais, a maioria dos quais são cristalinos no estado sólido, s é fundamental para a caracterização das propriedades físicas

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE.

ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. Atividade didático-experimental ORBITAIS DE ELÉTRONS, FLUORESCÊNCIA E FOTOSSÍNTESE. O objetivo desta atividade é proporcionar contato com alguns fenômenos e conceitos físicos e químicos que permitem avançar

Leia mais

Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação

Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação Patrocinadores: Instrutor: Nilton Pereira Alves Métodos Espectrofotométricos São um conjunto de técnicas relacionadas com a interação da radiação

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

ENEM 2009 - Prova resolvida Química

ENEM 2009 - Prova resolvida Química ENEM 2009 - Prova resolvida Química 01. A atmosfera terrestre é composta pelos gases nitrogênio (N 2) e oxigênio (O 2), que somam cerca de 99 %, e por gases traços, entre eles o gás carbônico (CO 2), vapor

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010

CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CONCURSO PÚBLICO UERJ 2010 CADERNO DE PROVA DISCURSIVA Este caderno, com nove páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões discursivas. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Espectros, radiação e energia

Espectros, radiação e energia Espectros, radiação e energia O espectro visível da luz solar Nos arco-íris, a luz do sol, ao atravessar as gotas de água suspensas nas nuvens desdobra-se num conjunto de luzes (radiações) coloridas que

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

Microscopia Eletrônica na Engenharia

Microscopia Eletrônica na Engenharia Microscopia Eletrônica na Engenharia 1. INTRODUÇÃO Diego Augusto de Sá policristalino de material opticamente anisotrópico é analisado sob luz polarizada, cada grão do material aparece com uma Este trabalho

Leia mais

Fotometria de Chama e Absorção Atômica

Fotometria de Chama e Absorção Atômica Fotometria de Chama e Absorção Atômica CAP 28 do Fundamentos de química analítica, Skoog, 2004, 8ed. ou Cap 21 do Química analítica quantitativa, Vogel Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br

Leia mais

CONSTANTE DE PLANCK 739EE

CONSTANTE DE PLANCK 739EE 1 T E O R I A 1. INTRODUÇÃO Segundo Studart (2000).. A invenção do quantum de energia é um dos muitos exemplos na historia da ciência que revela que conceitos científicos são criados por ações da imaginação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Física Atómica e Nuclear

Física Atómica e Nuclear Física Atómica e Nuclear ESPECTROSCOPIA DA RADIAÇÃO GAMA OBJECTIVO : Estudo das propriedades dos espectros da radiação gama quando observados com um detector de cintilação, o NaI(Tl), acoplado a um analisador

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais