Correção da ficha de trabalho N.º3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Correção da ficha de trabalho N.º3"

Transcrição

1 Correção da ficha de trabalho N.º3 1- Classifique as afirmações seguintes em verdadeiras ou falsas, corrigindo estas últimas: A. A passagem de um átomo de um estado excitado ao estado fundamental é acompanhada de libertação de energia; V B. Um átomo fica num estado excitado se absorver uma radiação; V, pode ficar mas só se a energia da radiação incidente for suficiente para o eletrão saltar para um nível superior, caso contrário é falsa C. Se um átomo absorve radiação visível também é capaz de emitir radiação visível; F, Quando um átomo emite radiação visível é porque transita para o nível 2, não depende da energia que foi previamente absorvida, mas também pode acontecer apenas por coincidência. D. O estado de menor energia de um átomo é o estado fundamental, a todos os outros chamamos estados excitados. V 2. Considere as transições A, B, C e D do eletrão no átomo de hidrogénio indicadas na figura Indique, justificando, as transições em que há absorção de energia. B e C porque os eletrões transitam para níveis superiores Em qual das transições é emitida radiação de maior comprimento de onda? Justifique. As transições emitidas são A e D, porque transitam para níveis superiores, destes a que tem maior energia (ou frequência) é a D, por isso, tem menor comprimento de onda, logo a que tem maior comprimento de onda é a A. E f = h. υ => E f e ν são diretamente proporcionais υ = c => ν e são inversamente proporcionais E f = h.υ => E f e são inversamente proporcionais Logo E f => ν => 2.3. Determine a frequência da radiação correspondente à transição D. A transição D corresponde à transição de n = 3 para n = 1, por isso, devemos calcular a energia associada à transição, ΔE, esta energia corresponde à energia de uma radiação (energia do fotão emitido), só depois podemos calcular a frequência da radiação pela expressão: E f = h. υ ΔE = E 1 E 3 <=> ΔE = -2, (- 2, ) <=> ΔE = -2, , <=> ΔE = -1, J ΔE = E f => E f = h. υ Sendo h constante e igual a 6, J.s E f = h. υ <=> 1, = 6, ν <=> υ = 1, <=> ν = 6, , Hz 2.4. Qual a energia envolvida na transição C? A transição C corresponde à transição do nível 1 para o nível 4: ΔE = E 4 E 1 <=> ΔE = -1, (-2, ) <=> ΔE = -1, , <=> ΔE = 2, J 3. Considere as transições A, B, C, D e E do eletrão no átomo de hidrogénio apresentadas na figura Indique uma transição correspondente a: A. uma radiação ultravioleta; A e D B. uma radiação visível; C e B C. uma radiação infravermelha. E 3.2. Qual a energia de ionização do átomo de hidrogénio? E ionização = E E n=1 <=> E ionização = 0 ( 2, ) <=> E ionização = 2, J 3.3. Qual o comprimento de onda correspondente à transição C? ΔE = E 2 E 4 <=> ΔE = 5, ( 1, ) ΔE = 4, J h. c = ΔE <=> = 6, , <=> = 4, m <=> = 490 nm 3.4. Qual o número de ondas da radiação correspondente à transição A? ΔE = E 1 E 2 <=> ΔE = 2, ( 5, ) <=> ΔE = 1, J 1

2 E f = h.υ h.υ <=> = <=> = 6, <=> = 1, m E f 1, O número de ondas é dado pela expressão: υ = 1 (não sai do teste) υ = 1 <=> υ = 1 1, <=> υ = 8,2 106 m No diagrama da figura estão representados alguns níveis de energia do átomo de hidrogénio Qual a posição do eletrão relativamente ao núcleo atómico, quando a sua energia eletrónica é zero. O eletrão está fora do átomo e parado Por que razão estão associados valores de energia negativos aos diferentes níveis de energia do átomo? O sinal menos indica que quanto menor o n, mais interna será a órbita (menor o raio) e mais negativa será a energia do eletrão. Os físicos usam energias negativas para indicar "confinamento". Isto é, um objeto que tem energia negativa está confinado a uma dada região do espaço (orbita). Este é o caso do eletrão, confinado a uma órbita bem definida. Se a energia fosse positiva, o eletrão ficaria livre para sair do átomo. Obviamente que só é assim porque a carga do eletrão é negativa Desenhe sobre o diagrama setas que representem transições eletrónicas da série de Balmer. A B 4.4. Determine a energia correspondente a cada uma dessas transições. A Transição de N (n = 4) para L (n = 2) Antes devemos calcular a energia dos níveis 4 e 2, através da expressão:e n = 2, n 2 (J) Assim para n=2, E 2 = 2, = 2, = 5, J Para n = 4 E 4 = 2, = 2, = 1, J Calculemos agora a energia de transição, ΔE = E 2 E 4 <=> ΔE = -5, (1, ) <=> ΔE = - 5, , <=> ΔE = - 4, J B Transição de M (n = 3) para L (n = 2) Antes devemos calcular a energia do nível 3, porque a do nível 2 já foi calculada anteriormente, através da expressão:e n = 2, n 2 (J) Assim para n = 3 E 3 = 2, = 2, = 2, J Calculemos agora a energia de transição, ΔE = E 2 E 3 <=> ΔE = -5, (-2, ) <=> ΔE = - 5, , <=> ΔE = - 3, J 2

3 4.5. Qual a frequência do fotão menos energético emitido quando o eletrão transita de um nível excitado para o nível K. O fotão menos energético numa transição para n =1, tem que ser resultante da transição mais curta logo o eletrão deveria estar em n =2. ΔE = E 1 E 2 Primeiro vamos calcular as energias dos níveis 1 e 2, através da expressão: E n = 2, (J) n 2 E 1 = 2, = 2, = 2, J E 2 = 2, = 2, = 5, J ΔE = E 1 E 2 <=> ΔE = -2, (-5, ) <=> ΔE = - 2, , <=> ΔE = - 1, J E f = h. υ <=> 1, = 6, ν <=> υ = 1, , <=> ν = 2, Hz 4.6. A radiação emitida pertence ao domínio do visível? Justifique. υ = c <=> = c υ <=> <=> = , <=> = 1, m = 121,7 nm radiação UV 5. O diagrama de energia da figura representa transições possíveis do eletrão do átomo de hidrogénio entre estados estacionários diferentes Indique: uma transição que corresponda a um processo de excitação; a transição que dá origem à risca visível de menor frequência do espectro de emissão do H; uma transição que corresponda à absorção de energia igual a 2, J; uma transição que ocorra com a emissão de um fotão U.V.; uma transição em que o estado final de energia corresponda a 0 J. 1 ou A partir dos valores de energia libertados nas transições 5 e 6, calcule: a variação da energia do eletrão na transição M N. De M para N é o mesmo que de n =4 para n =3. Esta transição pode-se calcular subtraindo as transições de N (n = 4) para L (n = 2) da transição de M (n =3) para L (n = 2). E f = h.υ ΔE = E 3 E 4 ΔE 3-4 = ΔE 2-4 ΔE 2-3 <=> ΔE 3-4 = 4, , <=> ΔE 3-4 = 1, J o c.d.o. do fotão absorvido na transição referida. h.υ <=> = <=> = 6, <=> = 1, m <=> = 187,6 nm E f 1, O eletrão do átomo de hidrogénio, situado no nível de energia L (n=2), é atingido por um fotão de luz de c.d.o. igual a 484 nm. Para que nível de energia transita o eletrão? = 484 nm <=> = m Se o eletrão está no nível 2, então devemos calcular a energia do eletrão nesse nível: E 2 = 2, = 2, = 5, J A energia da transição será igual à energia do fotão incidente: E = E f logo E f = h.υ f = 6, f = 4, J Logo E = 4, J 3

4 E n corresponde à energia do eletrão no nível para o qual transitou. ΔE = E n E 2 <=> 4, = E n (-5, ) <=> - E n = - 4, , E n = - 1, J Para calcularmos o nível recorremos à expressão de Bohr mais uma vez: E n = 2, (J) n 2 E n = 2, <=> 1, = 2, <=> n 2 = 2, <=> n 2 n 2 1, n2 = 16,25 <=> n 4 7. O eletrão do átomo de hidrogénio, no estado fundamental, ao absorver um fotão transita para o nível de energia M. Pode regressar ao estado fundamental de dois modos diferentes: ou transita diretamente para o nível fundamental (1); ou transita para o nível L (n=2) (2) e seguidamente para o nível fundamental (3) Desenhe num diagrama de energia estas transições. (2) (1) (3) 7.2. Em quais destas transições é emitido o fotão: de menor energia? (2) ou de n = 3 para n = de maior frequência? (1) ou de n = 3 para n = de c.d.o. mais elevado? (2) ou de n = 3 para n = Calcule o c.d.o., em nanometros, do fotão emitido na transição (1). (1) ou de n = 3 para n = 1 E 1 = 2, = 2, = 2, J E 3 = 2, = 2, = 2, J ΔE = E 1 E 3 <=> ΔE = -2, (- 2, ) <=> ΔE = -2, , <=> ΔE = -1, J E f = h.υ h.υ <=> = <=> = 6, <=> = 1, m <=> = 102,6 nm E f 1, Determine o c.d.o. do fotão capaz de ionizar o átomo de hidrogénio quando o seu eletrão se encontra no estado excitado L. Se a radiação é capaz de ionizar o átomo significa que extraiu o eletrão do átomo (ionizar é o mesmo que ceder um eletrão), neste caso ele está no nível L (n =2), logo vamos calcular a energia neste nível: E 2 = 2, = 2, = 5, J O eletrão saiu do átomo e ficou com energia zero, uma vez que não há nenhuma referência à energia cinética, para ionizar um átomo fornece-se a energia mínima para extrair o eletrão logo a energia cinética é zero, por isso este é o valor da energia do eletrão, nestes casos, fora do átomo. Consideremos a energia fora do átomo E = 0 ΔE = E E 2 <=> ΔE = 0 (-5, ) <=> ΔE = 5, J E = E f logo E f = h.υ h.υ <=> = <=> = 6, <=> = 3, m <=> = 366,0 nm E f 5,

5 9. Considere quatro átomos A, B, C, e D de hidrogénio. Nos átomos A e B o eletrão encontra-se no estado fundamental, no átomo C encontra-se no nível de energia L e no átomo D no nível de energia N. Os eletrões destes quatro átomos são atingidos por fotões de c.d.o. respetivamente iguais a: A = 91,0 nm ; B = 400,0 nm; C = 484,0 nm; D = 337,0 nm. Verifique para cada caso se: h. c E A = A = 6, A 91, A = 2, J h. c E B = B = 6, B 400, B = 4, J h. c E C = C = 6, C 484, C = 4, J h. c E D = D = 6, D 337, D = 5, J 2, E n=1 = 1 2 n=1 = 2, J 2, E n=2 = 2 2 n=1 = 5, J 2, E n=4 = 4 2 n=4 = 1, J 9.1. o átomo fica excitado; C, porque a energia do fotão C (E C ) é inferior à energia da camada L(n=2) em módulo, não é suficiente para extrair o eletrão, apenas o vai excitar o átomo se ioniza; A, porque a energia do fotão A (E A ) é igual à energia da camada K (n=1) em módulo o átomo se ioniza e o seu eletrão sai já com energia cinética; D, porque a energia do fotão D (E D ) é superior à energia da camada N (n=4) em módulo. Com E = 0 ΔE = E E 4 <=> ΔE = 0 (-1, ) <=> ΔE = 1, J E = E f = E D e E rem = E 4 logo E f = E rem + E cinética <=> 5, = 1, E cinética <=> E cinética = 5, , cinética = 4, J 9.4. o átomo não absorve o fotão. B, porque a energia do fotão B (E B ) é inferior à energia da camada K (n=1, estado fundamental) em módulo. 10. O eletrão do átomo de hidrogénio, no estado fundamental, absorve um fotão de luz que faz com que ele transite para a camada M (n=3) Determine a frequência do fotão absorvido. O estado fundamental do átomo de hidrogénio corresponde a n = 1 Vamos calcular em primeiro lugar as energias dos níveis 1 e 3: E 1 = 2, = 2, = 2, J E 3 = 2, = 2, = 2, J ΔE = E 3 E 1 <=> ΔE = - 2, (-2, ) <=> ΔE = - 2, , <=> ΔE = 1, J E = E f E f = h. υ <=> 1, = 6, ν <=> υ = 1, , <=> ν = 2, Hz Qual o tipo de radiações que esse átomo pode emitir? Justifique. Visível (quando transita do nível 3 para o 2) Ultravioleta (quando transita do nível 2 para o 1 ou diretamente do nível 3 para o 1) Determine a frequência das radiações referidas na alínea anterior. Como a frequência da transição direta do nível 3 para o 1 já foi calculada no 23.1, vamos calcular a frequência das outras duas transições. Antes devemos calcular a energia do nível 2: E 2 = 2, = 2, = 5, J 5

6 Transição do nível 3 para o nível 2: ΔE = E 2 E 3 <=> ΔE = - 5, (-2, ) <=> ΔE = - 5, , <=> ΔE = -3, J E = E f E f = h. υ <=> 3, = 6, ν <=> υ = 3, , <=> ν = 4, Hz Transição do nível 2 para o nível 1: ΔE = E 1 E 2 <=> ΔE = - 2, (-5, ) <=> ΔE = - 2, , <=> ΔE = -1, J E = E f E f = h. υ <=> 1, = 6, ν <=> υ = 1, , <=> ν = 2, Hz Qual a energia necessária para remover um eletrão situado na camada M? A camada M corresponde ao nível 3 Calculamos primeiro a energia do nível 3: E 3 = 2, = 2, = 2, J E = 0 J ΔE = E E 4 <=> ΔE = 0 (-2, ) <=> ΔE = 2, J 11. As energias de remoção eletrónica do átomo de carbono (Z = 6) são: 1, J 2, J 45, J Qual a energia dos eletrões no átomo de carbono? A questão está mal formulada, deveria perguntar qual a energia dos subníveis do átomo de carbono, logo 6C 1s 2 2s 2 2p 2 logo tem três energias de remoção que corresponde aos três níveis e subníveis em que os eletrões estão distribuídos. 1s => -45, J 2s => - 2, J 2p => - 1, J Construa um diagrama de energia para o átomo de carbono a partir dos valores indicados. 2p 2s - 1, J - 2, J 1s -45, J Qual o valor da 1ª energia de ionização do carbono, em kj/mol? Se nos pedem em KJ/mol então dividimos por 1000 (porque 1 kilo =1000) e multiplicamos pelo número de avogadro. A primeira energia de ionização corresponde à energia necessária para extrair o eletrão do nível mais exterior do átomo neste caso é do nível com energia - 1, J. E = 0 J ΔE = E E n <=> ΔE = 0 (- 1, ) <=> ΔE = 1, J Este ΔE vai corresponder à energia de ionização. E i = E Vamos então calcular em KJ/mol 6

7 E i = 1, , i = 1083,96 KJ/mol Justifique a seguinte afirmação: O número de energias de ionização do carbono é diferente do número de energias de remoção. O número de energias de remoção é igual ao número de subníveis de energia, logo o carbono tem três energias de remoção, enquanto que tem seis energias de ionização, porque tem seis eletrões. 12. Um dado elemento apresenta 4 energias de remoção e apenas um eletrão de valência Qual o número atómico desse elemento? Justifique. 11 porque tem 11 eletrões Quantas energias de ionização esse elemento pode apresentar? Justifique. 11 porque tem 11 eletrões Escreva a estrutura eletrónica dos átomos deste elemento. 1s 2 2s 2 2p 6 3s Um dado ião é constituído por 13 protões, 14 neutrões e 10 eletrões De que ião se trata? Se tem 13 protões então o seu número atómico é 13. Logo trata-se do ião alumínio. Podemos verificar que tem menos três eletrões em relação ao número de protões; Al Escreva a estrutura eletrónica do átomo correspondente. 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p Indique quantas energias de remoção eletrónica são detetadas, quando uma amostra deste elemento é sujeita a espectroscopia fotoeletrónica. 5 energias (corresponde às 5 orbitais com eletrões) 14. Considere as estruturas eletrónicas dos átomos A, B, C e D. A. [He] 2s 2 2p 1 B. [He] 2p 1 C. [Ne] 3s 1 3p 1 D. [Ne] 3s 2 3p Quais os átomos que se encontram num estado excitado? C e B Escreva as estruturas eletrónicas dos átomos indicados na resposta anterior no estado fundamental. C [Ne] 3s 2 ou 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 C [He] 2s 1 ou 1s 2 2s Indique os números atómicos dos átomos. A. 5 B. 3 C. 12 D Determinado elemento apresenta 3 energias de remoção eletrónica e forma com facilidade iões mononegativos, que ficam com tantos eletrões quantos os do gás inerte que se lhe segue em número atómico Desenhe um diagrama de energia para estes iões mononegativos, mostrando o grau de ocupação de eletrões por cada subnível. Um ião mononegativo é um ião que resulta do facto do átomo receber 1 eletrão, logo o átomo tem os subníveis completos, como nos dizem que tem 3 energias de remoção, tem três subníveis Qual o número atómico do elemento em causa? Z = Escreva a estrutura eletrónica do ião. 1s 2 2s 2 2p 5 7

8 16. Considere as duas distribuições eletrónicas correspondentes aos estados X e Y de um elemento representativo: X K 2 L 8 M 7 Y K 2 L 8 M 6 N Qual o número atómico do elemento considerado? Z = Como se designa o estado X do átomo? E o estado Y? X estado fundamental Y estado excitado Como se pode fazer passar o átomo do estado X ao estado Y? Fornecendo energia suficiente ao átomo, para que o eletrão passe do nível 3 para o Considera os seguintes átomos: Na Mg Indique a constituição de cada átomo Na Mg Protões 11 Protões 12 Eletrões 11 Eletrões 12 Neutrões 12 Neutrões Na 11 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 Grupo 1 Período O Ca Li O 8 Protões 8 Eletrões 8 Neutrões 8 40 Ca 20 Protões 20 Eletrões 20 Neutrões 20 7 Li 3 Protões 3 Eletrões 3 Neutrões Escreva a estrutura eletrónica destes átomos no estado fundamental e indique o grupo e o período da Tabela Periódica a que pertencem os respetivos elementos Mg O Ca Li s 2 2s 2 2p 6 3s 2 1s 2 2s 2 2p 4 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 1s 2 2s 1 Grupo 2 Grupo 16 Grupo 2 Grupo 1 Período - 3 Período - 2 Período - 4 Período Faça a configuração eletrónica dos iões 7 N 3-, 17 Cl -, 20 Ca 2+ e compare-as com as dos gases nobres mais próximos na Tabela Periódica. 7N 3-1s 2 2s 2 2p 6 a configuração é idêntica ao do Néon (Ne) 17Cl - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 a configuração é idêntica ao do árgon (Ar) 20Ca 2+ 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 a configuração é idêntica ao do árgon (Ar) 19. A configuração eletrónica do último nível do ião X 2+ é... M 8. Indique o número atómico do elemento X, assim como o grupo e o período da Tabela Periódica a que pertence. Se termina no nível M (n = 3) com 8 eletrões nesse nível, então a configuração eletrónica do ião é 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6, logo o átomo que o origina tem mais dois eletrões (carga 2+), 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2, Z= 20. O seu número de eletrões de valência é 2 logo pertence ao grupo 2 e como tem 4 níveis então pertence ao 4º período. 20. De entre os processos químicos A e B, qual é o que requer menor energia? Justifique. A X (g) X + (g) + 1e - B X + (g) X 2+ (g) + 1e - O A, porque estamos a extrair o eletrão mais afastado do núcleo. 21. Os raios do átomo de lítio e dos seus iões são: Li 135 pm Li + 60 pm Li pm A que se deve este decréscimo progressivo? Justifique. Porque o Li + é o ião que resulta da perda de 1 eletrão, logo fica mais pequeno (ou com menor raio), o Li 2+ resulta da perda de 2 eletrões logo ainda diminui mais de tamanho. 22. As quatro primeiras energias de ionização de um elemento X, que apresenta 5 energias de remoção eletrónica, são respetivamente iguais a: 578 kj.mol kj.mol kj.mol kj.mol -1 8

9 22.1. Quantos eletrões de valência possuem os átomos deste elemento? Justifique. Três, porque da terceira para a quarta há um grande salto de energia, ou seja, podemos verificar que a terceira e a quarta energia de ionização não são da mesma ordem de grandeza, a quarta é de uma ordem de grandeza superior às outras três energias, logo as primeiras três energias correspondem a três eletrões no mesmo nível e a quarta a um eletrão de um nível mais interno Escreva a estrutura eletrónica do elemento X. Se tem 5 energias de remoção então tem 5 subníveis (1s 2s 2p 3s 3p), se tem três eletrões de valência (como vimos em 22.1.) então a sua configuração eletrónica é 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p Indique o grupo e o período a que este elemento pertence. 13º Grupo (3 eletrões de valência) e 3º período (3 níveis de energia) 23. Um elemento X está situado no 2º período e no grupo 15 da Tabela Periódica Escreva a estrutura eletrónica dos átomos deste elemento no estado fundamental. 2º período implica que deve ter 2 níveis (não dois subníveis), grupo 15 implica que tem 5 eletrões de valência, logo a sua configuração eletrónica é 1s 2 2s 2 2p Y é um outro elemento que ocupa a casa que se encontra por baixo da do elemento X Escreva a estrutura eletrónica dos átomos do elemento Y no estado fundamental. Se está na casa abaixo da Tabela Periódica, então está no mesmo grupo, mas no 3ºperíodo, então a sua configuração eletrónica é 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p Os elementos X e Y apresentam carácter metálico ou não metálico? Justifique. Não metálico, estão no bloco p, no grupo 15 que corresponde à família do azoto De entre estes dois elementos qual é o que possui maior energia de 1ª ionização? Justifique. O elemento X, porque a energia de ionização diminui à medida que descemos no grupo, uma vez que os eletrões vão aumentando de nível, logo mais afastados do núcleo. 24. Considere o excerto em branco da Tabela Periódica. A J B D E F C G I H Marque no quadro: um elemento A que forme facilmente iões monopositivos; um elemento B quimicamente inerte; um elemento C que forme facilmente iões binegativos; dois elementos D e E cujos átomos apresentem quatro valores de energia de remoção eletrónica; o elemento F com 5 eletrões de valência na camada M; um elemento G com carácter metálico; o elemento H de menor energia de ionização; um elemento I de transição; o elemento J que pertence ao grupo 16 e ao 2º período. 25. De acordo com as suas posições na Tabela Periódica diga, justificando, para cada par de átomos que se segue, o que tem maior raio atómico. A) Li, K B) Li, N C) Mg, Cl O raio atómico aumenta à medida que descemos no grupo, porque como quando descemos aumenta o nível na configuração eletrónica, os eletrões ficam mais longe do núcleo (aumenta a nuvem eletrónica), logo o seu raio aumenta. Diminui também da esquerda para a direita ao longo do período, porque da direita para a esquerda diminui o número de eletrões de valência, ficando assim mais próximo do núcleo. Assim para cada uma das alíneas o que tem maior raio é: A) K B) Li C) Mg 9

10 26. Indique por ordem crescente de tamanho, as espécies químicas dos pares seguintes: a) Cl, Cl - Cl, Cl - d) O 2-, F - F -, O 2- b) Mg 2+, Al 3+ Al 3+, Mg 2+ e) Na +, F - Na +, F - c) Na, Na + Na +, Na 27. Considere as espécies isoeletrónicas seguintes: S 2- ; Cl - ; Ca Escreva a sua estrutura eletrónica, no estado fundamental. S 2-1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ; Cl - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 ; Ca 2+ 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p Qual destas espécies apresenta menor raio? Justifique. Ca 2+ porque sendo as três espécies químicas isoeletrónicas, o ião cálcio é o que apresenta maior número atómico, logo menor raio Indique a espécie química com menor energia de ionização. S 2- porque sendo as três espécies químicas isoeletrónicas, o ião sulfureto é o que apresenta menor número atómico, logo menor energia de ionização. 28. Os elementos A, B e C pertencem ao mesmo período da Tabela Periódica e os raios atómicos dos seus átomos são respetivamente iguais a 191 pm, 143 pm, 99 pm Ordene os elementos por ordem crescente de número atómico. A;B;C Qual destes elementos apresenta menor 1ª Energia de ionização? Justifique. A porque é o que tem maior raio O elemento cujos átomos têm um raio atómico igual a 99 pm formam iões de raio igual a 181 pm Trata-se de aniões ou catiões? Justifique. Se o raio do ião é maior do que o átomo então só pode ser um anião (ião negativo) A 1ª Energia de ionização deste elemento será alta ou baixa? Alta, porque se tem tendência a forma aniões (ou um raio pequeno) então a sua energia de ionização é alta Este elemento apresenta carácter metálico ou não metálico? Justifique. Não metálico, os metais formam catiões, têm raios mais elevados e energias de ionização mais baixas. 29. Na tabela ao lado encontram-se as primeiras energias de ionização dos elementos representativos A, B, C, D e E Quantos eletrões de valência têm os elementos A e C? Justifique. Ambos têm 2, porque da 2ª para a terceira há um salto significativo de energia oque significa que esses eletrões estão em níveis diferentes, o mesmo não acontece entre a 1ª e a 2ª que são bastante mais próximas Qual destes dois elementos tem maior raio atómico? Justifique. O C, porque tem menor raio, logo maior energia de ionização. Elemento Energias de ionização em kj.mol -1 1ª 2ª 3ª A B C D E Com os dados de que dispõe pode-se saber o número de eletrões de valência do elemento B? Justifique. Não, porque as energias estão muito próximas e não se verifica nenhuma diferença significativa de energia Dos elementos presentes qual é o que necessita de menor energia para que os seus átomos se ionizem monopositivamente? Justifique. O elemento E, porque tem menor energia de ionização Escreva a equação termoquímica que traduz a 2ª ionização do elemento D. D kj.mol -1 D 2+ + e - 10

11 30. Considere as seguintes estruturas eletrónicas de dois átomos A e B, num dado momento: A 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 B 1s 2 2s 2 2p 6 4s A e B são átomos do mesmo elemento. Justifique esta afirmação. É uma afirmação verdadeira. Em A a configuração eletrónica representa o estado fundamental, Em B um estado excitado Indique o grupo e o período da Tabela Periódica a que pertence este elemento. Grupo 1 e 3º período Este elemento apresenta baixas ou elevadas energias de 1ª ionização? Justifique. Uma vez que o nível 3, no subnível 3s, não está totalmente preenchido, então o átomo tem tendência a perder 1 eletrão, logo tem uma energia de ionização baixa O raio atómico deste elemento é maior, igual ou menor que o raio atómico de um outro elemento do mesmo período e colocado à sua direita? Justifique. É maior, porque o raio aumenta da direita para a esquerda, ao longo do período. 31. Tem em atenção os nuclídeos seguintes: 17 X Y Z Escreva a estrutura eletrónica destes nuclídeos. X - 1s 2 2s 2 2p 4 Y - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 Z - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s Indique o grupo e o período da Tabela Periódica a que pertencem. X Grupo 16 e 2º período Y - Grupo 2 e 3º período Z - Grupo 2 e 4º período Considere os valores seguintes de 1ª ionização 590 kj.mol -1, 738 kj.mol -1 e 1314 kj.mol -1. Faça a correspondência entre os nuclídeos X, Y e Z e as energias de ionização indicadas. X 1314 kj.mol -1 Y kj.mol -1 Z kj.mol Compare o raio atómico do nuclídeo X com o raio do ião que costuma formar. O ião que costuma formar é negativo (anião), porque tem tendência a receber 2 eletrões, logo o raio do ião é superior ao do átomo Coloque os nuclídeos X, Y e Z por ordem decrescente dos seus raios atómicos. X < Y < Z Os iões X 2- e Y 2+ são isoeletrónicas. Justifique esta afirmação. É uma afirmação verdadeira. Porque o átomo X tem tendência a receber 2 eletrões e o Y a perder 2 eletrões, ficando os dois iões com 10 eletrões, logo são isoeletrónicos. 32. No extrato da Tabela Periódica, estão indicadas as posições relativas de 5 elementos representativos A, B, C, D e E, bem como a estrutura eletrónica de B no estado fundamental. As letras não correspondem símbolos químicos. Indique, justificando: A - 1s 2 2s 2 2p 4 B - 1s 2 2s 2 2p 5 C - 1s 2 2s 2 2p 6 D - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 E - 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p o período de A; 2º período o grupo a que pertencem os elementos C e E; C - 18 E

12 32.3. se o raio atómico de B é maior, menor ou igual que o raio do ião que é costume formar; O ião que costuma formar é negativo (anião), porque tem tendência a receber 1 eletrão, logo o raio do ião é superior ao do átomo de entre os elementos A e D o que apresenta maior 1ª energia de ionização. O elemento A, porque está mais acima no mesmo grupo, e a energia de ionização diminui à medida que descemos no grupo. 33. Faça a correspondência correta entre as colunas I e II. I (A) (2,0,0,+1/2) (B) (4,3,2,-1/2) (C) (3,1,0,+1/2) (D) (3,1,2,-1/2) II I. Encontra-se no 3º nível de energia C II. Orbital impossível D III. Encontra-se numa orbital tipo f. B IV. Encontra-se numa orbital 2s. A 34. Dos seguintes conjuntos de números quânticos, escolha os possíveis: a e c n l m a) b) c) d)

APSA 2 - Tabela Periódica 10º Ano Novembro de 2011

APSA 2 - Tabela Periódica 10º Ano Novembro de 2011 1. Dada a distribuição eletrónica dos elementos a seguir, indique qual deles apresenta maior e menor raio atómico 3Li: 1s 2 2s 1 7N: 1s 2 2s 2 2p 3 9F: 1s 2 2s 2 2p 5 R: Maior raio Atómico = Li Menor raio

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Ciências Físico-Químicas, 9º ano Ano lectivo 2006 / 2007

Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Ciências Físico-Químicas, 9º ano Ano lectivo 2006 / 2007 Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Ciências Físico-Químicas, 9º ano Ano lectivo 2006 / 2007 Ficha de Trabalho, nº 2 CORRECÇÃO Nome: n.º aluno: Turma: 1. Nas frases seguintes, risca as palavras

Leia mais

Lista de Exercício de Química - N o 6

Lista de Exercício de Química - N o 6 Lista de Exercício de Química - N o 6 Profa. Marcia Margarete Meier 1) Arranje em ordem crescente de energia, os seguintes tipos de fótons de radiação eletromagnética: raios X, luz visível, radiação ultravioleta,

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

Espectros, radiação e energia

Espectros, radiação e energia Espectros, radiação e energia O espectro visível da luz solar Nos arco-íris, a luz do sol, ao atravessar as gotas de água suspensas nas nuvens desdobra-se num conjunto de luzes (radiações) coloridas que

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios NÚMERO ATÔMICO (Z) Os diferentes tipos de átomos (elementos químicos) são identificados pela quantidade de prótons (P) que possui. Esta quantidade de prótons recebe o nome de número atômico e é representado

Leia mais

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 Prof. Willame TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 TABELA PERIÓDICA 1. A organização dos elementos Com a descoberta de uma grande variedade de átomos, tornou-se necessária à criação de uma sistemática de classificação.

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

02Átomos, elementos e símbolos químicos. REAÇÕES QUÍMICAS Explicação e representação das reações químicas

02Átomos, elementos e símbolos químicos. REAÇÕES QUÍMICAS Explicação e representação das reações químicas 02Átomos, elementos e símbolos químicos REAÇÕES QUÍMICAS Explicação e representação das reações químicas A explorar: Qual é o limite para a divisão da matéria? 02 Átomos, elementos e símbolos químicos

Leia mais

Tabela periódica e propriedades periódicas

Tabela periódica e propriedades periódicas Tabela periódica e propriedades periódicas Mendeleev Vários cientistas procuravam agrupar os átomos de acordo com algum tipo de semelhança, mas o químico russo Dmitri Ivanovich Mendeleev foi o primeiro

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Configurações eletrônicas

Configurações eletrônicas Configurações eletrônicas Metais de transição Depois de Ar, os orbitais d começam a ser preenchidos. Depois que os orbitais 3d estiverem preenchidos, os orbitais 4p começam a ser preenchidos. Metais de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II. Elétron de diferenciação e elétrons de valência. Distribuição eletrônica de íons

DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II. Elétron de diferenciação e elétrons de valência. Distribuição eletrônica de íons DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA E N OS QUâNTICOS TEORIA - PARTE II Elétron de diferenciação e elétrons de valência O elétron de diferenciação é definido como o último elétron do subnível mais energético de um

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PARTE 1 01. A classificação periódica apresenta os elementos na: a) seqüência crescente de números de massa; b) ordem de reatividade química; c) seqüência crescente

Leia mais

Leia com atenção todas as questões antes de responder.

Leia com atenção todas as questões antes de responder. Ficha de Trabalho 0.º ano - Física e Química A Das Estrelas ao átomo Ano Lectivo: 007/008 Nome: Leia com atenção todas as questões antes de responder.. Seleccione a opção que corresponde ao nome que se

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling Guia do Professor Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling I Introdução A atividade Distribuição Eletrônica favorece o desenvolvimento de

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

Goiânia, / / 2014. Elemento Configuração 1 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 2 1s 2 2s 2 2p 4 3 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 4 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6

Goiânia, / / 2014. Elemento Configuração 1 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 2 1s 2 2s 2 2p 4 3 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 4 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 Lista de exercícios - Química Aluno (a): Nº. Professora: Núbia de Andrade Série: 1º ano (Ensino médio) Turma: Goiânia, / / 2014. Questão 01) Localize na Tabela Periódica o elemento químico de número atômico

Leia mais

Interacção da Radiação com a Matéria

Interacção da Radiação com a Matéria Interacção da Radiação com a Matéria Já sabemos que: As radiações eletromagnéticas têm comportamento ondulatório e corpuscular. Cada radiação apresenta as suas características individuais; Os corpúsculos

Leia mais

3ª Aula Átomos polielectrónicos e Propriedades Periódicas

3ª Aula Átomos polielectrónicos e Propriedades Periódicas QUÍMICA (Eng. Civil+Minas) 2011/12 3ª Aula Átomos polielectrónicos e Propriedades Periódicas Docente: Ana Maria Rego F 2,1 r 1,2 F 1,2 F 2 r 1 F 1 r 2 Para se determinar F 1,2, temos de conhecer a distribuição

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos

Química. Resolução das atividades complementares. Q36 Classificação de elementos Resolução das atividades complementares 3 Química Q36 Classificação de elementos p. 24 1 (Fatec-SP) Imagine que a tabela periódica seja o mapa de um continente, e que os elementosquímicos constituem as

Leia mais

A educação para a cidadania e o sucesso escolar e social dos alunos. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro

A educação para a cidadania e o sucesso escolar e social dos alunos. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro A educação para a cidadania e o sucesso escolar e social dos alunos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO 160933 Direção Regional de Educação do Centro Ficha de Trabalho Módulo Q1 Física e Química CURSO PROFISSIONAL

Leia mais

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Físico-Química Versão 2 Teste Intermédio Físico-Química Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 18.04.2013 9.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de janeiro????????????

Leia mais

ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA

ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E DO AMBIENTE ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA Valentim Maria Brunheta Nunes Tomar (007) 1 1.1. A evolução

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

AULA 02: TABELA PERIÓDICA

AULA 02: TABELA PERIÓDICA AULA 02: TABELA PERIÓDICA 1. INTRODUÇÃO A Tabela Periódica é, efetivamente, um instrumento organizador de conhecimentos sobre os elementos químicos, onde estes estão ordenados por ordem crescente de número

Leia mais

Átomos Poli-electrónicos

Átomos Poli-electrónicos Átomos Poli-electrónicos A resolução analítica da equação de Schrödinger para átomos poli-electrónicos é um problema bastante complexo que, só pode ser concretizado mediante algumas aproximações. Em particular,

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Prova de Recuperação Bimestral de Ciências Nome Completo: Data: / /2010

Prova de Recuperação Bimestral de Ciências Nome Completo: Data: / /2010 COLÉGIO MARIA IMACULADA QI 05 ch. 72 LAGO SUL BRASÍLIA DF E-MAIL: cmidf@cmidf.com.br FONE: 248 4768 SITE: www.cmidf.com.br VALOR:10 pontos. NOTA: 9ºano 2º PERÍODO Prova de Recuperação Bimestral de Ciências

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

1. Espectros, radiação e energia

1. Espectros, radiação e energia 1. Espectros, radiação e energia Radiação é a propagação da energia por meio de partículas ou ondas no espaço. A radiação pode ser identificada: Pelo elemento condutor de energia: Radiação electromagnética

Leia mais

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas.

Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. 1 Parte I - Considere as informações abaixo: Lista exercícios N1 Química Geral Tabela Periódica, distribuição eletrônica e ligações químicas. Núcleo: Prótons e nêutrons. Eletrosfera: elétrons Os átomos

Leia mais

Ficha formativa 10ªano-Química-unidade1 Nome: Nº Turma:

Ficha formativa 10ªano-Química-unidade1 Nome: Nº Turma: ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA Física Química A 11º Ano Ficha formativa 10ªano-Química-unidade1 Nome: Nº Turma: 1 Os astrónomos identificaram uma nova estrela, cuja luz demora 200 anos, 300 dias e 6 horas

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA

NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 9 INTERAÇÃO MAGNÉTICA E SPIN Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 9 - INTERAÇÃO MAGNÉTICA E SPIN ÍNDICE 9-1- Momento de Dipolo

Leia mais

Espectros, Radiações e Energia

Espectros, Radiações e Energia Espectros, Radiações e Energia Adaptado de Corrêa, C. (2007), química, Porto Editora por Marília Peres 2007/2008 Espectros. Espectros de emissão e de absorção. A natureza destas e de outras figuras multicolores

Leia mais

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS Os sólidos são caracterizados por uma associação muito próxima de átomos, em geral representados por esferas rígidas, em contato uns com os outros e mantidos juntos por

Leia mais

ENSINO SECUNDARIO 9. ANO DE ESCOLARIDADE PROVA ESCRITA DE CI~NCIAS FISICO-QUIMICAS

ENSINO SECUNDARIO 9. ANO DE ESCOLARIDADE PROVA ESCRITA DE CI~NCIAS FISICO-QUIMICAS PONTO 336 ENSINO SECUNDARIO 9. ANO DE ESCOLARIDADE Tempo: lh e 30m..8 Época 1982 2. 8 Chamada PROVA ESCRITA DE CI~NCIAS FISICO-QUIMICAS Leia todas as perg untas com muita atenção e não se precipite a responder;

Leia mais

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha 3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS Aline Lamenha OBJETIVOS Referir os contributos de vários cientistas e das suas propostas de modelo atómico, para a criação do modelo atómico

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI TABELA PERIÓDICA

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI TABELA PERIÓDICA Ano Letivo 2016/2017 ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI TABELA PERIÓDICA Física e Química A 1. Considere os seguintes elementos e o seu respetivo Z: Boro ( 5B), Neon ( 10Ne), Alumínio ( 13Al), Cloro ( 17Cl)

Leia mais

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA

UNIDADE 3 - COORDENAÇÃO ATÔMICA A força de repulsão entre os elétrons de dois átomos, quando estão suficientemente próximos, é responsável, em conjunto com as forças de atração, pela posição de equilíbrio dos átomos na ligação química

Leia mais

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono Aula 1 1- INTRODUÇÃO Os átomos são formados por nêutrons, prótons e elétrons.

Leia mais

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A QUESTÕES DE EXAME 2 Física e Química A Questões de provas nacionais realizadas entre 2008 e 2014 organizados por subdomínio e por secção, por ordem cronológica. Os itens estão identificados por data e

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA Hibridização Revisão - Química Orgânica Básica 1 Tabela Periódica 2 Moléculas Diatômicas 3 Moléculas Poliatômicas 4 Eletronegatividade 5 A interação da luz e a matéria 6 Hibridização

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

3ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno VERSÃO 1

3ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno VERSÃO 1 3ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA Física e Química A - 10ºAno VERSÃO 1 Professora Paula Melo Silva Data: 16 de novembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. A Tabela periódica (TP)

Leia mais

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 / Nome: nº 1. Atualmente, a troposfera é constituída por espécies maioritárias, como o azoto, N 2, o oxigénio,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 2.ª FASE - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 2.ª FASE - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 2.ª FASE - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. O nome da grandeza a que se refere a expressão em itálico é aceleração. 2. (C) Uma vez que as forças dissipativas foram totalmente

Leia mais

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio.

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio. O Átomo de BOHR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXB (FIS1057). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista 1 Tópicos. O Átomo de

Leia mais

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR Teoria do Orbital Molecular - Prof. J. D. Ayala - 1 - TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR ORBITAIS NAS MOLÉCULAS A teoria dos orbitais moleculares (MO) constitui uma alternativa para se ter uma visão da ligação.

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 2.º teste sumativo de FQA 28. NOVEMBRO. 2014 Versão 1 10.º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 10

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais

1.1. Elementos químicos: constituição, isótopos e massa atómica relativa

1.1. Elementos químicos: constituição, isótopos e massa atómica relativa Escola Secundária Vitorino Nemésio Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Módulo Q 1 Estrutura atómica. Tabela Periódica. Ligação Química. Documento de apoio 1. Estrutura atómica 1.1.

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 Teste Intermédio de Física e Química A Teste Intermédio Física e Química A Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 10.03.2010 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de

Leia mais

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA. Física e Química A - 10ºAno 4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 10ºA Física e Química A - 10ºAno Professora Paula Melo Silva Data: 7 de dezembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. Os espetros de absorção e de emissão

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Teoria da ligação química

Teoria da ligação química FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E FARMÁCIA Caderno de problemas para as aulas teórico-práticas e tutoriais Teoria da ligação química 2009/2010 Radiação Electromagnética. Teoria

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

Tabel e a l P rió dica

Tabel e a l P rió dica Tabela Periódica Desenvolvimento histórico da Tabela Periódica Dmitri Mendeleev (1834-1907 ) Escreveu em fichas separadas as propriedades (estado físico, massa, etc) dos elementos químicos. Enquanto arruma

Leia mais

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Questões a abordar... O que promove a ligação química? Que tipos de ligações químicas existem? Que propriedades dependem da ligação química?

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús

Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Química Inorgânica II Professor: Eduardo Cassús Teoria do Orbital Molecular A Teoria do Orbital Molecular usa os métodos da teoria de grupos para descrever a ligação química em moléculas. A simetria e

Leia mais

ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA

ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA ESTRUTURA ATÓMICA E TABELA PERIÓDICA Valentim Maria Brunheta Nunes Tomar (013) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3. A evolução dos modelos atómicos... 5 3.Número atómico, número de massa e isótopos... 9 4.Estrutura

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 4. Física e Química A

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 4. Física e Química A Escola Secundária de Lagoa Física e Química A 10º Ano Turmas A e B Paula Melo Silva e Emília Correia Ficha de Trabalho 4 Unidade Zero Materiais: diversidade e constituição Unidade Um Das estrelas ao átomo

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS A constituição da matéria é motivo de muita curiosidade entre os povos antigos. Filósofos buscam há tempos a constituição dos materiais. Resultado dessa curiosidade implicou na

Leia mais

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nova Friburgo, de de 2014. Aluno (a): Gabarito Professor(a): ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nº: Turma:100 Assuntos: Estrutura atômica; Tabela Periódica; Propriedades periódicas;

Leia mais

ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS

ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS 1 ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS Alguns filosófo da Grécia Antiga já admitiam que toda e qualquer matéria seria formada por minúsculas partículas indivisíveis, que foram denominadas átomos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA Eng.ª Maria Fátima Sá barroso Métodos Instrumentais de Análise I Engenharia Química Elaborado por: Vera Pereira nº990542 Turma:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Propriedades Químicas

Propriedades Químicas Álvaro Montebelo Barcelos Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Estrutura dos átomos

Estrutura dos átomos Estrutura dos átomos O número quântico principal n define o nível energético de base. Os outros números quânticos especificam o tipo de orbitais mas a relação com a energia pode ser complicada. Exemplos:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA 1ºTESTE

ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA 1ºTESTE Ano Letivo 206/207 ESCOLA SECUNDÁRIA PINHAL DO REI FICHA FORMATIVA ºTESTE Física e Química A 0ºAno Subdomínio.: Massa e tamanho dos átomos.. A tabela contém informações sobre cinco espécies químicas diferentes.

Leia mais