Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA SÃO DOIS MÉTODOS QUANTITATIVOS DE ANÁLISE ELMENTAR, QUE PODEM SER USADOS PARA QUANTIFICAR APROXIMADAMNETE 70 ELEMENTOS. AS APLICAÇÕES SÃO NUMEROSAS, E AS CONCENTRAÇÕES MEDIDAS PODEM SER DA ORDEM DE PPM, OU INFERIORES. PERMITE ANÁLISES VESTIGIAIS.

3 PRINCÍPIOS COMUNS A ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA AMBOS OS MÉTODOS DE ANÁLISE ELEMENTAR SE BASEIAM EM MEDIDAS REALIZADAS NA AMOSTRA, PREVIAMENTE ATOMIZADA. A CONCENTRAÇÃO TOTAL DO ELEMENTO É MEDIDA, NÃO SENDO POSSÍVEL DIFERENCIAR LIGAÇÕES OU ESTRUTURAS QUÍMICAS DISTINTAS NA AMOSTRA ORIGINAL.

4 PRINCÍPIOS COMUNS A ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA EM AMBOS OS MÉTODOS DE ANÁLISE ELEMENTAR, A AMOSTRA É AQUECIDA A TEMPERATURAS DA ORDEM K, FAVORECENDO A QUEBRA DE LIGAÇÕES QUÍMICAS E PROPORCIONANDO A FORMAÇÃO DE UM ESTADO ATÓMICO GASOSO. NA ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA É MEDIDA A ABSORÇÃO ÓPTICA, PARA UMA DETERMINADA RISCA ESPECTRAL, DOS ÁTOMOS GASOSOS NO ESTADO FUNDAMENTAL. NA FOTOMETRIA DE CHAMA É MEDIDA A INTENSIDADE DA RADIAÇÃO EMITIDA POR UMA PEQUENA FRACÇÃO DE ÁTOMOS, NO ESTADO EXCITADO. A EMISSÃO DE LUZ É CAUSADA POR EFEITO TÉRMICO E NÃO FOTÓNICO.

5 ATOMIZAÇÃO QUANDO A SOLUÇÃO DO ELEMENTO EM ESTUDO É VAPORIZADA NUMA CHAMA, FORMA-SE UM AEROSOL, E OBSERVA-SE A SEGUINTE SEQUÊNCIA DE FENÓMENOS, NUM INTERVALO DE TEMPO EXTREMAMENTE CURTO: - O SOLVENTE É VAPORIZADO, DEIXANDO PARTÍCULAS DIMINUTAS DE SAL, QUE SÃO PRIMEIRO FUNDIDAS E DEPOIS VAPORIZADAS; - PODEM FORMAR-SE COMPOSTOS INTERMEDIÁRIOS, E UMA PARTE OU A TOTALIDADE DAS MOLÉCULAS GASOSAS SÃO PROGRESSIVAMENTE DISSOCIADAS, DANDO ORIGEM A ÁTOMOS NEUTROS;

6 ATOMIZAÇÃO - UMA PARTE DE ÁTOMOS METÁLICOS PODE COMBINAR-SE COM RADICAIS OU ÁTOMOS PRESENTES NOS GASES DA CHAMA; - OS VAPORES DOS ÁTOMOS METÁLICOS NEUTROS ENCONTRAM- SE NO ESTADO FUNDAMENTAL. PODE OCORRER IONIZAÇÃO E EXCITAÇÃO DE ÁTOMOS NEUTROS À CUSTA DA TEMPERATURA DE CHAMA; - INVERSÃO DOS NÍVEIS EXCITADOS DOS ÁTOMOS, MOLÉCULAS OU IÕES, PARA O ESTADO ELECTRÓNICO FUNDAMENTAL, PARCIALMENTE POR IMPACTO COM OUTRAS ESPÉCIES E ESPONTANEAMENTE POR EMISSÃO DE RADIAÇÃO.

7 POPULAÇÃO ATÓMICA A FUNÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE MAXWELL-BOLTZMAN PERMITE CALCULAR A RAZÃO DA POPULAÇÃO EM DOIS ESTADOS DE ENERGIA, EM EQUILÍBRIO TÉRMICO. N 0 Nº DE ÁTOMOS NO ESTADO FUNDAMENTAL N e Nº DE ÁTOMOS NO ESTADO EXCITADO T TEMPERATURA ABSOLUTA g Nº INTEIRO PEQUENO, DEPENDE DO Nº QUÂNTICO DO ELEMENTO ΔE DIFERENÇA EM ENERGIA (J) ENTRE O ESTADO FUNDAMENTAL E O ESTADO EXCITADO K CONSTANTE DE BOLTZMAN K = R / N = J / K N e = g.exp N / 0 [ ( ΔE kt )]

8 POPULAÇÃO ATÓMICA RATIOS N e /N 0 PARA ALGUNS ELEMENTOS A VÁRIAS TEMPERATURAS ELEMENTO λ (nm) ΔE(Ev) g 2000K 3000K 4000K Na Ca Cu Zn PARA T BAIXAS E ΔE ELEVADOS A POPULAÇÃO ATÓMICA ENCONTRA-SE PREDOMINANTEMENTE NO ESTADO FUNDAMENTAL.

9 POPULAÇÃO ATÓMICA PARA T BAIXAS E ΔE ELEVADOS A POPULAÇÃO ATÓMICA ENCONTRA-SE PREDOMINANTEMENTE NO ESTADO FUNDAMENTAL. PARECE ENTÃO MAIS RAZOÁVEL O USO DE ABSORÇÃO ATÓMICA EM DETRIMENTO DE FOTOMETRIA DE CHAMA. NO ENTANTO, A PRESENÇA DE INTERFERÊNCIAS, A POSSIBILIDADE DE INTERACÇÃO QUÍMICA, A POSSÍVEL INSTABILIDADE DO NÍVEL ENERGÉTICO E OUTROS FENÓMENOS DE ALTA TEMPERATURA PODEM FAVORECER A FOTOMETRIA DE CHAMA.

10 LEI DE LAMBERT-BEER EM ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA O FEIXE DE RADIAÇÃO PASSA ATRAVÉS DE UMA CHAMA QUE CONTEM A AMOSTRA ATOMIZADA. ADMITINDO QUE TODOS OS ÁTOMOS ESTÃO NA FORMA NEUTRA E NO ESTADO FUNDAMENTAL, E QUE NÃO HÁ EFEITOS DE DISPERSÃO, SE UM FEIXE DE LUZ PARALELA I 0 (DE UMA DADA FREQUÊNCIA) PASSA ATRAVÉS DE UM PERCURSO ÓPTICO, b, O FEIXE EMERGENTE TERÁ UMA INTENSIDADE I (À MESMA FREQUÊNCIA), DADA POR; I = I exp 0 ( Kb)

11 LEI DE LAMBERT-BEER I = I exp 0 ( Kb) K COEFICIENTE DE ABSORÇÃO, VARIA COM A FREQUÊNCIA, COM O Nº DE ÁTOMOS PRESENTES NO MEIO ABSORVENTE, COM A PRESSÃO E A TEMPERATURA. A RELAÇÃO ANTERIOR PODE ESCREVER-SE AINDA: I = I exp 0 ( K' c) K COEFICIENTE DE ABSORÇÃO, VARIA COM A FREQUÊNCIA, COM O PERCURSO ÓPTICO, COM A PRESSÃO E A TEMPERATURA.

12 LEI DE LAMBERT-BEER DA CONJUGAÇÃO DAS DUAS LEIS ANTERIORES SURGE A LEI DE LAMBERT-BEER: I = I exp 0 ( abc) ONDE: b PERCURSO ÓPTICO c CONCENTRAÇÃO DO ELEMENTO NO MEIO ABSORVENTE a ABSORTIVIDADE, TEM UM VALOR CARACTERÍSTICO PARA CADA ELEMENTO E PARA O CONJUNTO DE PARÂMETROS INSTRUMENTAIS, ENTRE OS QUAIS O COMPRIMENTO DE ONDA.

13 LEI DE LAMBERT-BEER I = I exp 0 ( abc) T = 10 abc I log 0 I = log 1 T = abc A = abc

14 SIGNIFICADO DA LARGURA DE RISCAS EM ABSORÇÃO ATÓMICA OS ESPECTROS ATÓMICOS SÃO ESPECTROS DE RISCAS. AS RISCAS, PORÉM, NÃO SÃO RIGOROSAMENTE MONOCROMÁTICAS, MAS APRESENTAM LARGURAS DA ORDEM ~0.005 nm.

15 SIGNIFICADO DA LARGURA DE RISCAS EM ABSORÇÃO ATÓMICA FACTORES QUE DETERMINAM O ALARGAMENTO DE RISCAS: ALARGAMENTO NATURAL ALARGAMENTO POR EFEITO DE DOPPLER ALARGAMENTO POR PRESSÃO, DEVIDO À PRESENÇA DE ÁTOMOS VIZINHOS ALARGAMENTO POR EFEITO DE CAMPOS ELÉCTRICOS OU MAGNÉTICOS EXTERNOS

16 COMPONENTES BÁSICOS DE UM APARELHO DE ABSORÇÃO ATÓMICA: SISTEMA DE EMISSÃO FONTE DE RADIAÇÃO QUE EMITE O ESPECTRO DO ELEMENTO A ANALISAR. A RADIAÇÃO EMITIDA ATRAVESSA O MEIO ABSORVENTE A ANALISAR, AMOSTRA ATOMIZADA NA FASE VAPOR. SISTEMA DE ABSORÇÃO VAPOR ATÓMICO QUE RESULTOU DA ATOMIZAÇÃO DA AMOSTRA EM ESTUDO, E QUE ABSORVERÁ PARTE DA ENERGIA EMITIDA PELA FONTE. PODERÁ OCORRER ABSORÇÃO NOS SISTEMAS DE ABSORÇÃO CHAMA, QUEIMADOR, PULVERIZADOR, CAPILARES, TUBOS OU SISTEMAS DE INJECÇÃO, REGULADORES E MANÓMETROS, CHAMINÉ, ETC.

17 COMPONENTES BÁSICOS DE UM APARELHO DE ABSORÇÃO ATÓMICA: SISTEMA DE SELECÇÃO EQUIPAMENTO USADO PARA SELECÇÃO ESPECTRAL (FILTROS, MONOCROMADORES COM PRISMA OU REDE) E ACESSÓRIOS MECÂNICOS (FENDAS, ETC.) SISTEMA DE DETECÇÃO E REGISTO UNIDADE DE FOTODETECÇÃO (FOTODETECTORES NÃO MULTIPLICADORES E FOTOMULTIPLICADORES) E UNIDADE DE MEDIDA. O SISTEMA DE DETECÇÃO INCLUI O EQUIPAMENTO NECESSÁRIO PARA ALIMENTAR O FOTOMULTIPLICADOR, AMPLIFICAÇÃO, ETC.

18 LEI DE LAMBERT-BEER LEI DE LAMBERT-BEER: I = I exp 0 ( abc) ONDE: b PERCURSO ÓPTICO c CONCENTRAÇÃO DO ELEMENTO NO MEIO ABSORVENTE a ABSORTIVIDADE, TEM UM VALOR CARACTERÍSTICO PARA CADA ELEMENTO E PARA O CONJUNTO DE PARÂMETROS INSTRUMENTAIS, ENTRE OS QUAIS O COMPRIMENTO DE ONDA.

19 SISTEMA DE EMISSÃO PARA ABSORÇÃO ATÓMICA A LEI DE LAMBERT-BEER SÓ É VÁLIDA PARA RADIAÇÃO MONOCROMÁTICA. NA PRÁTICA É NECESSÁRIO GARANTIR QUE A LARGURA DA BANDA SELECCIONADA SEJA ESTREITA EM RELAÇÃO À LARGURA DO PICO DE ABSORÇÃO, PARA QUE AS ABSORTIVIDADES SE MANTENHAM CONSTANTES NA GAMA DE FREQUÊNCIAS EM ESTUDO. A FONTE DEVERÁ EMITIR A RISCA DE RESSONÂNCIA DO ELEMENTO EM ESTUDO COM UMA LARGURA CONSIDERAVELEMNTE MENOR DO QUE A LARGURA DA RISCA DE ABSORÇÃO E COM INTENSIDADE DE RADIAÇÃO E ESTABILIDADE SUFICIENTES QUE PERMITAM UMA MEDIDA EXACTA DE ABSORÇÃO.

20 FONTES PARA ABSORÇÃO ATÓMICA LÂMPADAS DE CÁTODO-OCO AS LÂMPADAS DE CÁTODO OCO APRESENTAM EM GERAL A FORMA CILÍNDRICA, COM 1 CM DE PROFUNDIDADE E 1 CM DE DIÂMETRO, SÃO FECHADAS NUMA DAS EXTREMEDIDAS. O COMPONENTE ACTIVO É O CÁTODO, FEITO OU REVESTIDO DO ELEMENTO EM ESTUDO. O ÂNODO É CONSTITUIDO POR UM FIO METÁLICO. A LÂMPADA ESTÁ CHEIA COM Ne OU Ar, A UMA PRESSÃO DE ALGUNS mmhg.

21 FONTES PARA ABSORÇÃO ATÓMICA LÂMPADAS DE CÁTODO-OCO A PASSAGEM DE CORRENTE ELÉCTRICA (~ 300 V POTENCIAL ENTRE OS ELÉCTRODOS) PROVOCA UMA DESCARGA ELÉCTRICA QUE IONIZA O GÁS RARO. OS IÕES RESULTANTES COLIDEM COM O CÁTODO, E ALGUNS DESSES IÕES POSSUEM ENERGIA CINÉTICA SUFICIENTE PARA ARRANCAREM ÁTOMOS DO METAL EM ESTUDO AO CÁTODO. O VAPOR ATÓMICO DO METAL EM ESTUDO É EXCITADO POR COLISÕES COM ÁTOMOS DO GÁS RARO E EMITE A SUA RADIAÇÃO CARACTERÍSTICA. O ESPECTRO EMITIDO POR UMA LÂMPADA CORRESPONDE À SOBREPOSIÇÃO DO ESPECTRO EMITIDO PELO CÁTODO COM O DO GÁS.

22 TIPO DE CHAMA PARA ABSORÇÃO ATÓMICA COMBURENTE COMBUSTÍVEL TEMPERATURA (ºC) AR GÁS NATURAL AR METANO ~ 1900 AR PROPANO ~ 1950 AR HIDROGÉNIO AR ACETILENO ÓXIDO NITROSO ACETILENO OXIGÉNIO HIDROGÉNIO OXIGÉNIO ACETILENO

23 ABSORÇÃO ATÓMICA COM CÂMARA DE GRAFITE INJECTA-SE UM PEQUENO VOLUME DE AMOSTRA NA CÂMARA DE GRAFITE, EM ATOMSFERA DE GÁS INERTE, PROVOCA-SE A PASSAGEM DE UMA CORRENTE ELÉCTRICA ENTRE DOIS ELÉCTRODOS LIGADOS AOS EXTREMOS DA CÂMARA, E OCORRE A ATOMIZAÇÃO DA AMOSTRA. A SUBIDA DE TEMPERATURA É GRADUAL, PROPORCIONANDO A ELIMINAÇÃO DO SOLVENTE, ANTES DA ATOMIZAÇÃO DA AMOSTRA. A PRESENÇA DE GÁS INERTE SERVE PARA EVITAR A DESINTEGRAÇÃO DA CÂMARA DE GRAFITE POR OXIDAÇÃO DE CARBONO.

24 EXACTIDÃO A EXACTIDÃO É DETERMINADA PELA PROXIMIDADE DOS VALORES OBTIDOS EXPERIMENTALMENTE COM OS VALORES TEÓRICOS. OS VALORES EXPERIMENTAIS DEVEM SER COMPARADOS COM VALORES PADRÃO, OU DEVERÃO SER REALIZADAS MEDIDAS POR MÉTODOS INDEPENDENTES.

25 PRECISÃO A PRECISÃO É ELEVADA SE O APARELHO APRESENTAR REPRODUTIBILIDADE NOS SEGUINTES ASPECTOS: - BOA REPRODUTIBILIDADE AO MEDIR UMA SOLUÇÃO VÁRIAS VEZES SOB CONDIÇÕES DE TRABALHO PRATICAMENTE INVARIÁVEIS; - ESTABILIDADE NAS LEITURAS, OU REGISTO DE SINAL, PARA UMA SÓ SOLUÇÃO, SOB UMA LONGA ALIMENTAÇÃO; - REPRODUTIBILIDADE DE RESULTADOS DE UMA SESSÃO DE TRABALHOS PARA OUTRA.

26 LIMITE DE DETECÇÃO LIMITE DE DETECÇÃO OU LIMITE DE SENSIBILIDADE ANALÍTICA É A MENOR QUANTIDADE DUM DADO ELEMENTO QUE SE PODE IDENTIFICAR, SOB CERTAS CONDIÇÕES EXPERIMENTAIS. O LIMITE DE DETECÇÃO DEVE SER DEFINIDO EM TERMOS ESTATÍSTICOS COMO O MENOR VALOR QUE SE PODE DISTINGUIR DE ZERO. ADMITE-SE QUE O VALOR ZERO É INVARIÁVEL E CONSTANTE, PELO QUE O LIMITE DE DETECÇÃO VEM DADO POR tσ, NUM CONJUNTO DE PELO MENOS DEZ LEITURAS DUM MESMO PADRÃO. t parâmetro de Student, para um dado grau de probabilidade e para um dado nº de graus de liberdade σ - desvio padrão

27 MÉTODOS DE CÁLCULO CURVA DE CALIBRAÇÃO E MÉTODO ABSOLUTO 1. LOCALIZAÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA APROPRIADO PARA A MEDIÇÃO DA ABSORVÂNCIA DA SUBSTÂNCIA QUE SE PRETENDE DETERMINAR 2. VERIFICAÇÃO DA LEI DE LAMBERT-BEER, PELA REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE VALORES DE ABSORVÂNCIA PARA UM DADO NÚMERO DE SOLUÇÕES-PADRÃO, EM FUNÇÃO DA SUA CONCENTRAÇÃO. 3. TRAÇADO DA MELHOR RECTA QUE PASSA PELOS PONTOS EXPERIMENTAIS, ATRAVÉS DO TRATAMENTO DOS MÍNIMOS QUADRADOS. NOTA: EM ABSORÇÃO ATÓMICA NÃO SE USA O CÁLCULO DA CONCENTRAÇÃO A PARTIR DA LEI DE LAMBERT-BEER RECORRENDO A ABSORTIVADADES DA LITERATURA.

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

Espectrofotometria Molecular UV-VIS

Espectrofotometria Molecular UV-VIS Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança Química Alimentar dos Alimentos II Espectrofotometria Molecular UV-VIS 1 Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA Eng.ª Maria Fátima Sá barroso Métodos Instrumentais de Análise I Engenharia Química Elaborado por: Vera Pereira nº990542 Turma:

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências ANÁLISE INSTRUMENTAL MESTRADO BIOQUÍMICA 1.ºANO Capítulo 2 2. Espectroscopia de emissão e absorção atómica 2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4.

Leia mais

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos Espectrofotometria Professor Helber Barcellos Espectrofotometria A Espectrofotometria é um processo de medida que emprega as propriedades dos átomos e moléculas de absorver e/ou emitir energia eletromagnética

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

NÁLISE FRMCOPÊIC ENSIOS DE POTÊNCI MÉTODOS INSTRUMENTIS Profa. Ms. Priscila Torres Métodos Quantitativos Instrumentais - São mais sensíveis; - Requerem quantidades menores de amostras; - São mais seletivos

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 5: 04-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte II Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA. Métodos Físicos de Análise MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ABSORÇÃO ATÔMICA Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos Fiocruz

Leia mais

ABSORÇÃO ATÔMICA. Ademário Iris da Silva Junior Antônio Marcos Fonseca Bidart Ricardo Jorgenssen Casella

ABSORÇÃO ATÔMICA. Ademário Iris da Silva Junior Antônio Marcos Fonseca Bidart Ricardo Jorgenssen Casella ABSORÇÃO ATÔMICA Ademário Iris da Silva Junior Antônio Marcos Fonseca Bidart Ricardo Jorgenssen Casella 1 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS E CORPUSCULARES DA LUZ Atualmente matéria e energia não são consideradas

Leia mais

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência!

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! 36 a Olimpíada Internacional de Física. Salamanca (Espanha) 005 Prova Experimental Quinta-feira, 7 de Julho de 005 Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! Por favor, ler estas

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

Espectrofotometria. centrifugação. electroforese. cromatografia. Métodos (p.ex:) radioisótopos. espectroscopia (espectrofotometria)

Espectrofotometria. centrifugação. electroforese. cromatografia. Métodos (p.ex:) radioisótopos. espectroscopia (espectrofotometria) Espectrofotometria Estudos de metabolismo Métodos de separação, purificação e análise Métodos de separação e análise: - procura de métodos que permitam distinguir o composto que nos interessa de outros

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA INTRODUÇÃO Espectrofotometria É a medida da quantidade de energia radiante absorbida pelas moléculas a longitudes de ondas específicas. A espectrofotometria

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL

ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL ANALISADORES APLICADOS AO CONTROLE AMBIENTAL CLASSIFICAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO ANALÍTICA Instrumentação Analítica Instrumentação Analítica de Laboratório Instrumentação Analítica de Processo SISTEMA ANALÍTICO

Leia mais

DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS DE REFERÊNCIA

DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS DE REFERÊNCIA ENQUALAB-08 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 09 a 12 de junho de 08, São Paulo, Brasil DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral

Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller. Descrição geral Trabalho prático: O contador de Geiger-Muller Descrição geral Um dos primeiros tipos de detector desenvolvidos foi o chamado contador (ou tubo) de Geiger-Muller. Este contador permite detectar a presença

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

3. Técnicas Experimentais

3. Técnicas Experimentais 3. Técnicas Experimentais Muito do nosso atual conhecimento acerca da estrutura da matéria é baseado em investigações espectroscópicas. Informações sobre a estrutura molecular e sobre a interação de moléculas

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais

Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS. Elisangela de Andrade Passos

Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS. Elisangela de Andrade Passos Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS META Apresentar a natureza da energia radiante e as regiões espectrais; apresentar as medidas de transmitância e absorbância; apresentar

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrometria de Absorção Atômica - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA EQUAÇÃO DE ARRHENIUS A DEPENDÊNCIA DA VELOCIDADE DE REAÇÃO COM A TEMPERATURA A velocidade da maioria das reações químicas aumenta à medida que a temperatura também aumenta.

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 / Nome: nº 1. Atualmente, a troposfera é constituída por espécies maioritárias, como o azoto, N 2, o oxigénio,

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos Curso de Instrumentista de Sistemas Fundamentos de Controle Prof. Msc. Jean Carlos Ações de controle em malha fechada Controle automático contínuo em malha fechada Ação proporcional A característica da

Leia mais

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4.1. Introdução Neste Capítulo são apresentados os resultados obtidos no estudo da influência da diluição da atmosfera precursora de metano por gases

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T90 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável 0.1. 0.2, 0.5,

Leia mais

Introdução à condução de calor estacionária

Introdução à condução de calor estacionária Introdução à condução de calor estacionária Exercício 1 - O telhado de uma casa com aquecimento elétrico tem 6m de comprimento, 8m de largura e 0, 25m de espessura e é feito de uma camada plana de concreto

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CROMATOGRAFIA EM PAPEL ESPECTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA ESPECTROSCOPIA DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO INFRAVERMELHO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR CROMATOGRAFIA EM PAPEL ESPECTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA ESPECTROSCOPIA DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DO INFRAVERMELHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO CURSO DE AGRONOMIA TIAGO AGRIZZI ISABELLA OLIVEIRA NASCIMENTO CECÍLIA FERRAZ CROMATOGRAFIA EM PAPEL ESPECTOMETRIA DE

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE TEMPERATURA TERMÔMETROS DE RESISTÊNCIA Introdução O uso de termômetros de resistência esta se difundindo rapidamente devido a sua precisão e simplicidade

Leia mais

Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise

Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise Departamento de Química e Bioquímica Manual de laboratório e tratamento de erros em Técnicas Laboratoriais de Análise Isabel Cavaco Ana Rosa Garcia 2003/2004 Preâmbulo Estas folhas destinam-se aos alunos

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

INDICE. Calibração 19. Validação de Métodos 22. Comparação de Métodos 23. Bibliografia 24

INDICE. Calibração 19. Validação de Métodos 22. Comparação de Métodos 23. Bibliografia 24 1 INDICE Fotometria 03 Componentes Básicos da Fotometria 04 Fonte de energia Elétrica 04 Fonte de Energia radiante 04 Monocromador 04 Filtros de Vidro 04 Filtros de Interferência 05 Prismas 05 Grades de

Leia mais

Fotometria de Chama e Absorção Atômica

Fotometria de Chama e Absorção Atômica Fotometria de Chama e Absorção Atômica CAP 28 do Fundamentos de química analítica, Skoog, 2004, 8ed. ou Cap 21 do Química analítica quantitativa, Vogel Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDIOC.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDIOC.COM.BR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES RELATÓRIOS Matheus Fadini da Silva 2009102663 Rayan Soares Carretta - 200910 São Mateus Outubro de 2009 Experimento publicado em: http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.29605&seo=1

Leia mais

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário:

ELETRÓLISE - TEORIA. Eletrólitos são condutores iônicos de corrente elétrica. Para que ocorra essa condução, é necessário: ELETRÓLISE - TEORIA Introdução Dentro do estudo de eletroquímica temos a eletrólise, que consiste num processo não-espontâneo, baseado na decomposição de uma espécie química (eletrólito) por uma corrente

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T92 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável de 0.1-5nm,

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA É a parte da química que estuda a rapidez ou taxa de variação das reações e os fatores que nela influem. - Antigamente denominada de velocidade 1, é uma medida da rapidez com que são consumidos

Leia mais

Mestrado em Ensino de Física 13 de outubro de 2009 PHYSICS EDUCATION - 2009

Mestrado em Ensino de Física 13 de outubro de 2009 PHYSICS EDUCATION - 2009 Espectroscopia p de Massa: Um Tópico de Física Contemporânea Com Enfoque para o Ensino Médio Mestrado em Ensino de Física 13 de outubro de 2009 Wilma Machado Soares Santos PHYSICS EDUCATION - 2009 Trazer

Leia mais

Métodos Instrumentais de Análise

Métodos Instrumentais de Análise Métodos Instrumentais de Análise Química (Licenciatura) & Eng. Alimentos Segundo Semestre/2014 Prof. Wendell 1 Introdução à Química Analítica SINAL MÉTODO INSTRUMENTAL Emissão de radiação Absorção de radiação

Leia mais

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Carbono é um elemento cujos átomos podem se organizar sob a forma de diferentes alótropos. Alótropos H de combustão a 25

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROSCOPIA ATÔMICA 6 Ed. Cap. 10 268-294 6 Ed. Cap. 6 Pg.209-219 6 Ed. Cap. 28 796-829 6 Ed. Cap. 21 Pg.483-501 2 1 Espectrometria Molecular Atômica Faixa do espectro:

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura.

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura. LISTA 04 ONDAS E CALOR 1) A 10 C, 100 gotas idênticas de um líquido ocupam um volume de 1,0cm 3. A 60 C, o volume ocupado pelo líquido é de 1,01cm 3. Calcule: (Adote: calor específico da água: 1 cal/g.

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM

3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 3ª Série de Problemas Mecânica e Ondas MEBM, MEFT, LMAC, LEGM 1. Um cientista está no seu moinho, no topo de uma falésia junto à costa marítima, apontando o seu pequeno radiotelescópio para uma estrela

Leia mais

Fotometria de Chama e Absorção Atômica

Fotometria de Chama e Absorção Atômica Fotometria de Chama e Absorção Atômica CAP 28 do Fundamentos de química analítica, Skoog, 2004, 8ed. ou Cap 21 do Química analítica quantitativa, Vogel Prof. Aloísio J.B. Cotta e-mail: acotta@ceunes.ufes.br

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL 5 ESTUDO DA MATÉRIA 1 DEFINIÇÕES Matéria é tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa. Nem tudo que existe no universo e matéria. Por exemplo, o calor e

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição)

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT E-mail: rita@debiq.eel.usp.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Espectro Atômico do Hidrogênio Série de Balmer Determinação da Constante de Rydberg Objetivo

Leia mais

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos Química e Energia - Prof. Barbieri ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Quando um corpo combustível é aquecido, atinge diferentes estágios da temperatura, os quais são conhecidos por: Ponto de

Leia mais

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo.

...uma vez que no espectro de emissão se observam duas riscas brilhantes, na zona do amarelo. 1. 1.1. Opção D. Ocorre emissão de radiação quando os electrões transitam de níveis energéticos superiores para níveis energéticos inferiores. A energia dessa radiação está quantificada, sendo igual à

Leia mais

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21)

As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) As Propriedades das Misturas (Aulas 18 a 21) I Introdução Em Química, solução é o nome dado a dispersões cujo tamanho das moléculas dispersas é menor que 1 nanometro (10 Angstrons). A solução ainda pode

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

TERMOMETRIA TERMOLOGIA. Escalas Termométricas. Dilatação Superficial. Dilatação Linear. A = Ao. β. t. L = Lo. α. t

TERMOMETRIA TERMOLOGIA. Escalas Termométricas. Dilatação Superficial. Dilatação Linear. A = Ao. β. t. L = Lo. α. t TERMOMETRIA TERMOLOGIA Temperatura grandeza escalar associada ao grau de vibração térmica das partículas de um corpo. Equilíbrio térmico corpos em contato com diferentes temperaturas trocam calor, e após

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

QUI 070 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 4 Espectrometria Molecular UV-VIS

QUI 070 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 4 Espectrometria Molecular UV-VIS Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 070 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 4 Espectrometria Molecular UV-VIS Julio C. J. Silva Juiz

Leia mais

Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Processos especiais de usinagem Eletroerosão Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA REMOÇÃO DE RESIDUAIS DE CARBONO EM FILTROS BIOLÓGICOS DE LEITO IMERSO E FLUXO DESCENDENTE António João Carvalho

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Efeitos da composição em temperaturas de fusão e de ebulição Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA 2 Calorimetria Os reagentes são colocados num recipiente de aço de paredes resistentes chamado bomba, o qual está imerso numa quantidade de água contida num recipiente

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho, e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12º Ano Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo Espectros de emissão e de absorção O Espetro Eletromagnético 2 Auguste Comte A propósito dos astros, no séc. XIX afirma Poderemos determinar

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

Transferências de energia como calor: condutividade térmica

Transferências de energia como calor: condutividade térmica Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Actividades laboratoriais para os 10º e 11º anos do Ensino Secundário Transferências de energia como calor: condutividade térmica Trabalho realizado por:

Leia mais

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP)

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) 188 Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante

2. Resultados. 2.1 A Deposição dos Filmes de Diamante 1. Introdução O presente relatório apresenta os resultados referentes ao trabalho experiemental desenvolvido no periodo de março a Junho de 29. O trabalho foi desenvolvido nos laboratórios do grupo DIMARE

Leia mais

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico.

Temperatura Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Conceitos Temperatura: Grandeza física que mede o estado de agitação das partículas de um corpo, caracterizando o seu estado térmico. Energia Térmica: É a somatória das energias cinéticas dos seus átomos,

Leia mais

ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011 Aulas 5 e 6 Espectrofotometria no UV-VisVis Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO

Leia mais