ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer"

Transcrição

1 ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

2 FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879; Lâmpadas de descarga início do século XX.

3 FONTES DE LUZ ARTIFICIAL CLASSIFICAÇÃO GERAL DAS LÂMPADAS GRUPO Incandescentes Descarga gasosa Outras Baixa pressão Alta pressão (HID) TIPO DE LÂMPADA Comuns Halógenas Fluorescentes (tubular e compactas) Vapor de sódio à baixa pressão Vapor de sódio à alta pressão Vapor de mercúrio Vapor metálico Mistas; Leds; fibra ótica

4 LÂMPADAS INCANDESCENTES Produção de luz em uma lâmpada incandescente: elevação da temperatura de um filamento pela passagem de corrente elétrica até que ele produza radiação visível. Partes da lâmpada incandescente:

5 LÂMPADAS INCANDESCENTES Filamento: material que apresente um elevado ponto de fusão e alta resistência; o tungstênio é um dos mais utilizados. Meio interno: para que o filamento não queime é colocado um gás inerte dentro do bulbo; nitrogênio e argônio são os mais usados.

6 LÂMPADAS INCANDESCENTES Bulbo: o filamento é colocado dentro de um invólucro de vidro selado; o bulbo pode ser transparente, branco ou colorido; é disponível em uma grande variedade de formas. Bases: serve para fixar a lâmpada ao seu suporte, fazendo ligação com o circuito elétrico; existem bases de rosca ou de encaixe.

7 LÂMPADAS INCANDESCENTES EFICIÊNCIA LUMINOSA São as lâmpadas que apresentam menor eficiência, pois transformam menos de 10% da energia consumida em luz; A maior parte é transformada em calor, o que gera aquecimento do local onde estão instaladas; Varia entre 8 a 21,5 lm/w. Luz 10% Calor 80% Outros 10%

8 LÂMPADAS INCANDESCENTES VIDA ÚTIL A vida média de uma lâmpada incandescente é de horas; Com o aquecimento do filamento ele começa a perder partículas que vão se depositando no bulbo, causando o escurecimento deste. Por este motivo é que o fluxo luminoso decai cerca de 20% durante a vida útil da lâmpada. Por este motivo e pela baixa eficiência estão caindo em desuso e sendo gradualmente substituídas.

9 LÂMPADAS INCANDESCENTES TEMPERATURA DE COR: k INDICE DE REPRODUÇÃO DE COR (IRC): 100 BULBO: transparente; leitoso (ameniza ofuscamento); refletor (funciona como uma luminária, direcionando a luz).

10 LÂMPADAS INCANDESCENTES Tipos de lâmpadas incandescentes: Forma: pérola Bulbo: transparente Forma: cogumelo Bulbo: refletor Forma: cogumelo Bulbo: leitoso Forma: vela Bulbo: transparente Forma: bolinha Bulbo: transparente ou colorido

11 LÂMPADAS HALÓGENAS São um tipo especial de lâmpada incandescente, com basicamente o mesmo princípio de funcionamento, mas com a adição de um gás halogênio no interior do bulbo; Este gás combina-se com as partículas que se desprendem e retornam para o filamento, fazendo com que este tenha sempre a mesma espessura;

12 LÂMPADAS HALÓGENAS Isto garante um decaimento do fluxo luminoso muito pequeno e uma vida útil muito maior, chegando a horas; Gera uma luz de intensidade maior com dimensões bem reduzidas em relação as incandescentes comuns; A maioria possui um FILTRO UV, diminuindo a radiação ultravioleta e o desbotamento das cores.

13 LÂMPADAS HALÓGENAS Podem ser encontradas em três configurações básicas: Lâmpada com terminação simples (a); Lâmpada com dupla terminação (b); Lâmpadas encapsuladas (c); a b c

14 LÂMPADAS HALÓGENAS Lâmpadas com terminação simples Possuem grande faixa de tamanho: 3 a 24 mm; Grande faixa de potências: 5 a W; Eficiência luminosa: 20 a 25 lm/w; Tipos de base: bipinos, baioneta e parafuso;

15 LÂMPADAS HALÓGENAS Lâmpadas com dupla terminação Forma tubular com diâmetro entre 2 a 8 mm; Faixa de potência: 45 a W; Eficiência luminosa: 15 a 25 lm/w.

16 LÂMPADAS HALÓGENAS Lâmpadas encapsuladas Possui grande variedade de forma, tamanho, potência e configuração da base.

17 LÂMPADAS HALÓGENAS TEMPERATURA DE COR: a K ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE COR (IRC): 100 VIDA ÚTIL MÉDIA: horas TENSÃO: 12 V (necessita transformador) ou 127 / 220 V.

18 HALÓGENAS DICRÓICAS Algumas lâmpadas halógenas são equipadas com um refletor multifacetado espelhado - dicróico; Trata-se de um filtro que reflete grande parte da radiação visível e transmite para trás da lâmpada cerca de 65% da radiação infravermelha (calor); Isto garante uma menor emissão de calor para os ambientes do que as incandescentes comuns.

19 HALÓGENAS DICRÓICAS Possuem diferentes aberturas de facho, com 10, 38 e 60 ; As de menor abertura devem ser utilizadas como iluminação de destaque, pontual; Para iluminação geral deve-se preferir as de facho mais aberto.

20 HALÓGENAS halospot ou AR Assim como as dicróicas, são lâmpadas bipinos acopladas a um refletor de alumínio com excelente definição de foco; É excelente para iluminação de destaque a longa distância; Ao contrário do refletor dicróico, todo o calor é dirigido para frente, por isso não deve ser usado em pequenas distâncias;

21 HALÓGENAS halospot ou AR

22 HALÓGENAS halopar Lâmpadas halógenas refletoras que operam na tensão da rede, podendo substituir facilmente as incandescentes (a maioria dos modelos tem base tipo rosca); Assim como nas dicróicas, aqui também há uma combinação com um refletor parabólico de alumínio; Possuem maior eficiência energética, mais vida útil e garantem uma luz mais clara e brilhante.

23 HALÓGENAS halopar halopar

24 HALÓGENAS halopar halopar

25 Vantagens e Desvantagens das Lâmpadas Incandescentes VANTAGENS: Baixo custo inicial; Tamanho reduzido; Funcionamento imediato; Excelente reprodução de cores; Não há necessidade de aparelhagem auxiliar (exceto algumas halógenas); Sua luz é de fácil direcionamento; Podem ser dimerizadas ; Apresenta diversos formatos, potências, cores, tipos de refletor, tensão, etc.

26 Vantagens e Desvantagens das Lâmpadas Incandescentes DESVANTAGENS: Eficiência luminosa baixa; Vida útil limitada; Sensíveis a choques e vibrações; Luminância alta (possibilidade de ofuscamento); Custo de operação elevado; Elevada dissipação de calor; Sofrem com a variação da tensão da rede.

27 LÂMPADAS DE DESCARGA GASOSA Nesta classificação encontram-se as lâmpadas fluorescentes, as de vapor de mercúrio ou sódio e as de vapores metálicos; De um modo geral, possuem um traço comum: não tem filamento, a luz é produzida pela excitação de um gás contido entre dois eletrodos (pela passagem da energia elétrica); Esta excitação do gás produz radiação ultravioleta que, ao atingir a superfície do tubo, revestida por substâncias fluorescentes, é transformada em luz (radiação visível).

28 LÂMPADAS DE DESCARGA GASOSA Dispositivos auxiliares Estabilizadores de corrente: dispositivos limitadores de corrente chamados reatores. Starters ou ignitores: dispositivos que proporcionam a tensão necessária para haver a descarga inicial do gás.

29 LÂMPADAS DE DESCARGA GASOSA EFEITO ESTROBOSCÓPICO As lâmpadas de descarga produzem o efeito estroboscópico: é como se a lâmpada acendesse e apagasse em um ínfimo intervalo de tempo (parece que está piscando rapidamente); Objetos que se movimentam em alta velocidade, podem parecer estarem parados ou se movimentando em baixa velocidade, no mesmo sentido ou até no sentido contrário. Isto pode provocar sérios acidentes de trabalho. Os reatores eletrônicos solucionaram este problema.

30 LÂMPADAS FLUORESCENTES Lâmpadas fluorescentes são lâmpadas de descarga, geralmente de forma tubular, com um eletrodo em cada ponta, contendo vapor de mercúrio sob baixa pressão. A luz é produzida A luz é produzida por pós fluorescentes (geralmente cristais de fósforo) ativados pela energia ultravioleta da descarga elétrica.

31 LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES e CIRCULARES Foram as primeiras versões de lâmpadas fluorescentes. Disponíveis em diversos diâmetros e comprimentos. Destacam-se as T5, que possuem menor Destacam-se as T5, que possuem menor diâmetro que as convencionais (16 mm) e são também mais eficientes 40% em relação as T12 e T10 e 20% em relação as T8 ;

32 LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS Possuem tamanhos reduzidos e grande eficiência energética; As compactas eletrônicas já vem com reator e possuem base de rosca, podendo substituir facilmente as incandescentes.

33 LÂMPADAS FLUORESCENTES CAMADA FLUORESCENTE: As características das lâmpadas fluorescentes, como temperatura de cor e índice de reprodução de cores, dependem do pó fluorescente utilizado; Para atingir uma melhor reprodução de cores, utiliza-se a combinação de pós de diversas cores.

34

35 LÂMPADAS FLUORESCENTES PÓ STANDARD Pintura tradicional, temperatura de cor mais alta (4.000 a K) e baixo IRC (máximo 70). PÓ TRIFÓSFORO Combinação de pós, temperatura de cor mais baixa (3.000 a K) e melhor IRC (80 a 85).

36 LÂMPADAS FLUORESCENTES EFICIÊNCIA LUMINOSA 20 a 100 lm/w (cinco vezes mais que as incandescentes). Luz 30% Calor 65% Outros 5% VIDA ÚTIL MÉDIA Depende do número de partidas para acendimento (6.000 a horas); Fluxo luminoso decai pela deterioração da camada fluorescente.

37 LÂMPADAS FLUORESCENTES EQUIVALÊNCIA DE POTÊNCIA EM RELAÇÃO ÀS INCANDESCENTES: INCANDESCENTE FLUORESCENTE 25 W 5 W 40 W 8 W 60 W 13 W 75 W 15 W 100 W 20 W 120 W 23 W

38 Vantagens e Desvantagens das Lâmpadas Fluorescentes VANTAGENS: Custo de operação menor em relação as incandescentes; Boa eficiência luminosa (4 a 6 vezes mais que as incandescentes); Boa reprodução de cores (dependendo do tipo); Baixa luminância (não ocorre ofuscamento); Vida média alta (6.000 a horas); Não aquecem o ambiente.

39 Vantagens e Desvantagens das Lâmpadas Fluorescentes DESVANTAGENS: Custo inicial alto; Necessitam equipamento auxiliar (reatores, starters, etc.); Sensíveis a temperatura ambiente; Maiores dimensões (com exceção das compactas); Produção de ruído pelos reatores; Limitação na utilização de dimmers ; Imprópria para sistema de minuteiras.

40 Vantagens e Desvantagens das Lâmpadas Fluorescentes Em locais que utilizam o sistema de minuteiras, a lâmpada eletrônica queimará em pouco tempo, pois a vida média de uma lâmpada fluorescente é dada para oito acendimentos diários. Quanto mais vezes ela for ligada e desligada, mas rapidamente queimará. Outro problema é que sendo uma lâmpada de descarga, só terá seu fluxo luminoso total em cerca de três minutos, o que nunca ocorrerá neste sistema. Para esses casos, bem como para utilização com sensores de presença, essas lâmpadas eletrônicas não são recomendadas. O ideal do ponto de vista econômico para sistemas que fazem muitos acendimentos diários é a utilização de lâmpadas incandescentes.

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos

Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Iluminação artificial: Tipos de lâmpada Sistemas de iluminação Exemplos Lâmpadas são fontes elementares de luz elétrica. Podemos proteger, refletir, refratar,filtrar, dimerizar, ou simplesmente expor as

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ

ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL FONTES DE LUZ INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO LEDS E OLEDS INCANDESCENTES HALÓGENAS FLUORESCENTES DESCARGA EM ALTA PRESSÃO MÓDULOS LED DAS MAIS ANTIGAS

Leia mais

Lâmpadas de Descarga (HID)

Lâmpadas de Descarga (HID) Lâmpadas de Descarga (HID) ARTCOLOUR (MH-T) HPLN (Mercúrio) Lâmpada de Multi-Vapor Metálico coloridas, tipo MH-T, consistem de um tubo de descarga em quartzo, contendo vapor de mercúrio em alta pressão

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias

Fontes Artificiais de Luz: Características e Novas Tecnologias 1 Encontro Nacional de Iluminação de Monumentos e Conjuntos Urbanos Protegidos Fonte Schréder Mercado Municipal de São Paulo Projeto: Franco & Fortes Lighting Design Senzi Consultoria Luminotécnica Fontes

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Utilizar a energia elétrica com eficiência significa combater desperdícios, e todos nós devemos participar ativamente

Leia mais

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID

FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID FLUORESCENTES INCANDESCENTES HALÓGENAS HID INDICE FLUORESCENTES COMPACTAS..................................................7 Espirais T2 Espirais alta potência Retas 2U e 3U Retas de alta potência Espirais

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias

Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias 58 Capítulo IV Aspectos para eficiência energética em sistemas de iluminação em indústrias Por Juliana Iwashita Kawasaki e Vanderson Oliveira* Os temas ligados a eficiência energética, adequação do uso

Leia mais

Viabilizando a troca

Viabilizando a troca LEDs versus Lâmpadas Convencionais Viabilizando a troca Francis Bergmann Bley francis@bley.com.br Pós-graduação em Iluminação e Design de Interiores Resumo O presente artigo tem como principal objetivo

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

Lâmpadas de Multivapores Metálicos

Lâmpadas de Multivapores Metálicos a u l a p r á t i c a Lâmpadas de Multivapores Metálicos Por Adriana Felicíssimo Eficiente, durável, econômica e... de luz branca SURGIDA HÁ CERCA DE 40 ANOS, A LÂMPADA de multivapores metálicos vem sendo

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Luminária de LED Ágata Cód. 09591

Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 1 Luminária de LED Ágata Cód. 09591 Características A LUMINÁRIA ÁGATA reúne desempenho, segurança e confiabilidade para atender as especificações dos sistemas de iluminação

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS INFORMAÇÕES TÉCNICAS Luminotécnica - Conceitos Básicos Iluminância Símbolo E Unidade lux (lx) É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície situada a uma certa distância da fonte, ou seja, é a quantidade

Leia mais

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia.

ILUMINAÇÃO A LED. c o n h e ç a a U n il e d. já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. ILUMINAÇÃO A LED c o n h e ç a a U n il e d já foi o tempo que lâmpada apagada era sinal de economia. Quem Somos A 6 anos atuando na importação e distribuição de produtos com tecnologia a LED, trazendo

Leia mais

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC)

AMBIÊNCIA PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN TIPOS DE ILUMINAÇÃO EM UAN 20/11/2010 FONTES DE ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL ÍNDICE DE REPRODUÇÃO DE CORES (IRC) PLANEJAMENTO DO AMBIENTE EM UAN Iluminação Cores Ventilação Temperatura AMBIÊNCIA Umidade Ruído Material de revestimento Profa. Flávia Milagres Campos Ambiente aconchegante e agradável para clientese funcionários:

Leia mais

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED.

www.asbled.com.br EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. EMPRESA ASBLed nasceu para ser uma empresa inovadora e especializada em iluminação utilizando a tecnologia LED. Nossa missão é fornecer soluções em iluminação LED, aliando economia à sustentabilidade.

Leia mais

ERGONOMIA. Introdução

ERGONOMIA. Introdução ERGONOMIA AULA 10: Iluminação no ambiente de trabalho Introdução Objetivo: uma boa iluminação do ambiente de trabalho contribui para aumentar a satisfação, melhorar a produtividade e reduzir a fadiga e

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Residência contemporânea

Residência contemporânea c a s e Residência contemporânea Por Erlei Gobi Fotos: Carlos Mancini Iluminação norteada pela eficiência energética proporciona conforto visual Localizada em um condomínio fechado em Embu das Artes, cidade

Leia mais

Soluções de iluminação LED

Soluções de iluminação LED Soluções de iluminação LED SOLUÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED 2 LED SOLUTIONS 3 anos Benefícios das lâmpadas : O que a oferece a você: Economia de energia de até 85% comparando-se com as lâmpadas incandescentes

Leia mais

Dicas para economizar energia

Dicas para economizar energia Dicas para economizar energia Vilões do Consumo Os vilões do consumo de energia elétrica são os aparelhos com alta potência ou grande tempo de funcionamento. Considerando uma residência de quatro pessoas,

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população, garante

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3 Geradores de Vapor 4º ano Aula 3 Classificação dos Geradores de Vapor Tópicos Definição Classificaçao das caldeiras Caldeiras Flamotubulares Caldeiras Aquatubulares Definição É basicamente um trocador

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer Objetivo da iluminação em atividades laborativas e produtivas: Obtenção de boas condições de visão associadas à visibilidade, segurança e orientação dentro

Leia mais

Lâmpadas Halógenas GE Iluminação

Lâmpadas Halógenas GE Iluminação 2.1 GE Iluminação Gerais Porque a Halógena é melhor? H a l ó g e n a - IR Inventada pela GE Lighting em 1957, as lâmpadas halógenas proporcionam Usada pela primeira vez em uma lâmpada pela GE em 1983,

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA XVII Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica Vitória, 26 e 27 de Novembro de 2015 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Julian Villelia Padilla Conteúdo: Conceitos básicos. Aplicações típicas

Leia mais

Projeto Gráfico. Tiragem. planovisual.com.br. 2.000 unidades

Projeto Gráfico. Tiragem. planovisual.com.br. 2.000 unidades Projeto Gráfico planovisual.com.br Tiragem 2.000 unidades Todas as imagens contidas neste catálogo são meramente ilustrativas. A Kian se reserva no direito de alterar características, substituir ou retirar

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2 0 1 4

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2 0 1 4 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 INSTITUCIONAL Feira Expolux Feira Apas Especializada em produtos de iluminação a AIHA conta com uma das maiores fábricas de iluminação do país e trabalha para ser a maior da América

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

201 6 Iluminação LED

201 6 Iluminação LED 201 6 Iluminação LED As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Manual de Instruções de Instalação e Garantia Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Parabéns! Você acabou de adquirir um produto com a qualidade AQUAPLÁS Apresentação O Aquecedor AQUAPLÁS é utilizado

Leia mais

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja

No Hiper Bergamini, a iluminação valoriza os produtos e dá vida à loja Luz para as vendas A boa iluminação tem influência positiva nas vendas. O supermercadista pode tirar melhor proveito de um item que hoje oferece maior eficiência e menor gasto de energia POR MIRIAM NOVAES

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede ANÁLISE DA VIABILIDADE DE ILUMINAÇÃO À LED S EM RESIDÊNCIAS. Rodrigo Evandro da Mota, Tiago Augusto da Silva, José Ricardo Abalde Guede FEAU/UNIVAP, Avenida Shisima Hifumi 2911, São José dos Campos - SP

Leia mais

Manual de Iluminação

Manual de Iluminação Manual de Iluminação Agosto/2011 ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com PROCEL - Programa Nacional de Conservação

Leia mais

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DO PROFESSOR 2 APOSTILA DO PROFESSOR PRÁTICA N 1 - Dispositivos de comando de iluminação. LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ILUMINAÇÃO EM LED: TENDÊNCIA MUNDIAL. A utilização da iluminação em LED, além de oferecer produtos com maior durabilidade e segurança, minimizam o custo e o consumo de energia elétrica,

Leia mais

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015

TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 TECNOLOGIA LED LÂMPADAS E LUMINÁRIAS 2014-2015 3 5 7 18 22 Sobre a Sylvania Conceitos de Iluminação Lâmpadas Tabelas de Equivalência Luminárias 36 3 SOBRE A SYLVANIA Sylvania é uma companhia líder global

Leia mais

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040

Nanotech do Brasil. Rua Curupaiti, 199 Jd. Paraíso Santo André SP CEP 09190-040 1 Rev. 3 D.U.M. 28/08/2015 Produto Nanothermic 3 Isolante térmico Nanothermic 3 é um revestimento térmico, contendo as melhores matérias primas. É um revestimento de múltiplas aplicações que soluciona

Leia mais

A EMPRESA. Criando um futuro com a iluminação OSRAM

A EMPRESA. Criando um futuro com a iluminação OSRAM A EMPRESA Criando um futuro com a iluminação OSRAM A EMPRESA O mercado de iluminação está passando por um período de transformações tecnológicas, com os LEDs e os OLEDs, apresentando novas possibilidades

Leia mais

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED

PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROJETO DE TROCA DE LÂMPADAS INCANDESCENTES E FLUORESCENTES COMPACTAS POR LÂMPADAS LED PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA CELPE, COELBA E COSERN. ECONOMIZE ENERGIA COM LÂMPADA LED A substituição de lâmpadas

Leia mais

Introdução. Luminotécnica Básica

Introdução. Luminotécnica Básica Introdução O estudo da luminotécnica se faz cada vez mais necessário na época atual, pois a tecnologia avança a passos largos e a cada ano que passa temos: lâmpadas menores e cada vez mais eficientes,

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867

MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 MANUAL DO PRODUTO APARELHO MULTIFUNÇÕES PARA UNHAS CÓD: 5867 ATENÇÃO Sob nenhuma circunstância abrir ou inspecionar os componentes internos do aparelho. Se for necessária uma inspeção, por favor, contate

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos 2013 Iluminação LED significa uma elevada poupança na fatura de electricidade, que pode exceder os 80%. As lâmpadas da mais recente tecnologia de iluminação aplicam-se de forma simples

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento A R Q U I T E T U R A

m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento A R Q U I T E T U R A m e u p r o j e t o Clínica Oriental Da Redação Fotos de Wilis Tomy Miyasaka Um convite ao relaxamento 24 A CLÍNICA ORIENTAL É UM novo e moderno espaço especializado em tradicionais técnicas de massagem

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-211 CONTROLE REMOTO CENTRAL DE ALARME COM FIO AW2 CONTROLE REMOTO CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado;

Leia mais

Dicas para um projeto de iluminação

Dicas para um projeto de iluminação Dicas para um projeto de iluminação Um bom projeto luminotécnico deve levar em conta basicamente duas coisas: o uso do espaço e tudo o que queremos valorizar nele. Num living, por exemplo, uma iluminação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ILUMINAÇÃO COM LEDs: ALTERNATIVA DE SUBSTITUIÇÃO DA INSTALAÇÃO EXISTENTE DA SUBESTAÇÃO JATAÍ. EDUARDO SANTOS

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050

Lâmpadas LED. Rua Joaquim Galvão, 198 CEP. 05627-010 - SP. Telefone: 55 (11) 3501-2886 Fax: 55 (11) 2338-1050 Lâmpadas LED Lâmpadas LED da Technosol Modernidade e simplicidade numa infindável variedade Está à procura de cor e ambiente? Anseia acentuar os seus espaços favoritos e imagens? Deseja decorar a sua casa

Leia mais

Princípios 6 Transformação de energia solar em eletricidade 6 Modelo solar com um módulo solar 7

Princípios 6 Transformação de energia solar em eletricidade 6 Modelo solar com um módulo solar 7 Bem-vindo ao mundo da linha PROFI fischertechnik 3 Energia no dia a dia 3 Óleo, carvão, energia nuclear 4 Água e vento 4 Energia solar 5 A energia 5 Energia solar 6 Princípios 6 Transformação de energia

Leia mais

O QUE É TRACEAMENTO TÉRMICO?

O QUE É TRACEAMENTO TÉRMICO? O QUE É TRACEAMENTO TÉRMICO? É a manutenção da temperatura de fluidos mediante a reposição de calor perdido através do isolamento térmico. Fluido a 40ºC Perda de Calor Isolamento térmicot Cinta térmicat

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA

BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA BOAS PRÁTICAS NO GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE ENERGIA 2016 1. ATENÇÃO AO USO DE ENERGIA A fábrica deve encarar os recursos energéticos como um item estratégico para bom desempenho da produção e resultado

Leia mais

Segredos da Iluminação

Segredos da Iluminação Introdução Reunimos neste guia, informações de A az sobre luminárias e iluminação. Esperamos que ele seja de grande utilidade para você. 1 Abertura de Facho Trata-se do ângulo sólido luminoso formado em

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Comutador de Iluminação de Provisória Para Lâmpadas HQI ou Sódio, Código AFCSC250 Equipamento destinado a ser instalado em locais que são iluminados através de lâmpadas HQI ou de Sódio, geralmente estas

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Apostila de Física 27 Associação de Resistores

Apostila de Física 27 Associação de Resistores Apostila de Física 27 Associação de Resistores 1.0 Associação de Resistores em Série Os resistores estão ligados um em seguida do outro São percorridos pela mesma corrente. Ou todos os resistores funcionam,

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

Motivação. A indústria de geração e distribuição de electricidade surgiu inicialmente para fornecer energia necessária á iluminação eléctrica

Motivação. A indústria de geração e distribuição de electricidade surgiu inicialmente para fornecer energia necessária á iluminação eléctrica Whorkshop Eficiência Energética na Iluminação António Amorim - 16 de Fevereiro de 2009 Motivação A indústria de geração e distribuição de electricidade surgiu inicialmente para fornecer energia necessária

Leia mais

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz

Lâmpadas MASTER LED. Veja do que a luz é capaz Lâmpadas MASTER LED SPOT - Serviço Philips de Orientação Técnica Fone: 0800 979 19 25 E-mail: luz.spot@philips.com www.philips.com/masterled Veja do que a luz é capaz Especifi cações e informações técnicas

Leia mais

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts.

As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. As lâmpadas LED oferecem as mesmas intensidades luminosas (lúmens [lm]) das lâmpadas tradicionais, porém consumindo menos Watts. Incandescente E27 E14 LED Lúmens 100W 1400 1300 1350lm 16W 1200 1100 1000

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética.

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética. PIRÔMETROS ISABELLE PEREIRA GOMES 1 RAPHAEL RIBEIRO PEREIRA² KATHLEEN VASCONCELLOS³ PROFESSOR ORIENTADOR: LEONARDO VIDAL RESUMO Este artigo trata sobre a medição de temperatura pelo processo de pirometria,

Leia mais

LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE

LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ELETROTÉCNICA TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LUIZ GUILHERME ALVES LUMINÁRIA DE LED COM CONTROLE DE AUTOMATIZADO DE LUMINOSIDADE TRABALHO DE

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

LÂMPADAS DE DESCARGA. Lâmpadas de descarga

LÂMPADAS DE DESCARGA. Lâmpadas de descarga LÂMPADAS DE DESCARGA Lâmpadas de descarga As lâmpadas de descarga de alta pressão são as mais eficientes fontes de luz artificial. Elas fornecem um grande pacote de luz através de lâmpadas muito pequenas.

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ITAÚNA - MG ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO COM CUSTO REGRESSIVO E EFICIENTIZAÇÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE - MG OUTUBRO DE 2.014 1 OBJETIVO: Especificar os materiais a serem empregados na

Leia mais

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção

Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo. Espectros de emissão e de absorção Espectros de radiação descontínuos e a composição do Universo Espectros de emissão e de absorção O Espetro Eletromagnético 2 Auguste Comte A propósito dos astros, no séc. XIX afirma Poderemos determinar

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Catálogo 2015 2016 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Há muitas formas de perceber uma oportunidade. Muitas tentativas de encontrar a decisão certa para reduzir custos e tornar seu negócio mais lucrativo. Estar preparado

Leia mais

Catálogo de Produtos Corp 2014

Catálogo de Produtos Corp 2014 Catálogo de Produtos Corp 2014 Conhecimento e tecnologia para tornar possível Catálogo de Produtos Corp 2014 Apresentação Sumário Celebramos a criatividade e a inteligência. Estimulamos ideias. Entendemos

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo

GERAÇÃO DE ENERGIA. Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo GERAÇÃO DE ENERGIA Eletricidade Geração de Energia Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Tipos de Geração de Energia

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

Sistema de aquecimento solar Bosch. Tecnologia de alta eficiência para aquecimento de água.

Sistema de aquecimento solar Bosch. Tecnologia de alta eficiência para aquecimento de água. Sistema de aquecimento solar Bosch. Tecnologia de alta eficiência para aquecimento de água. 2 Sistema Solar Bosch Aquecimento solar com a confiabilidade da marca Bosch O Grupo Bosch há mais de 100 anos

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Lista de instrução de uso. Painel de controle. Introdução à estrutura. Instrução de Uso. Proteção e Manutenção. Solução de problemas. Referência. Obrigado

Leia mais

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO

EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EXPERIMENTAÇÃO CENOGRÁFICA COM ÊNFASE EM ILUMINAÇÃO EDITAL N.º 1- UFPA de 13/01/2014 30 de março de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES

Leia mais