Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco."

Transcrição

1 Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica (UNIVAP/FEI 2006) e Técnico em Eletrônica (Guaracy Silveira 1999). Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Categoria: TV e Rádio Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 21/11/2005 1

2 Painel de Plasma: Introdução A atual tendência, tanto para monitores de computador quanto para aparelhos televisores, é a de produtos de tela plana e espessura fina. Nesse segmento, temos como principais tecnologias, o LCD (Liquid Crystal Display) e o PDP (Plasma Display Panel). Na hora da escolha do equipamento, podemos encontrar monitores que podem funcionar como TV e televisores que funcionam como monitores (isso porque os monitores podem não ter internamente um circuito sintonizador de TV, embora recebam imagens de DVD e TV a cabo). Nessa categoria encontram-se os painéis de Plasma, que proporcionam uma ótima qualidade de imagem e vida útil estimada de horas (aproximadamente 20 anos para um uso de aproximadamente 8 horas por dia). O que é um painel de Plasma? Se uma tensão for introduzida a um gás num painel de vidro, raios Ultravioletas (não visíveis) saem e fundem-se com uma substância fluorescente, onde, nesse momento, uma luz é emitida. Esse fenômeno é semelhante ao que ocorre no interior de uma lâmpada fluorescente, e é utilizado nos painéis de plasma para produzir imagens. O painel de plasma, de forma genérica, pode ser definido como um conjunto de minúsculas lâmpadas fluorescentes coloridas dispostas de forma matricial (fig. abaixo). 2

3 Painel de Plasma: Princípios Gerais da Tecnologia O plasma pode ser entendido como o 4º estado da matéria, pois difere do liquido, sólido e gasoso nos quais as matérias conservam sua estrutura integra. Considere como exemplo as moléculas de água (H 2 O), onde sua estrutura se mantém unida desde o estado sólido até o gasoso. Mas se a temperatura for elevada a ºC, o oxigênio e o hidrogênio se separam e cada átomo perde a sua integridade separando-se em núcleo (cargas positivas) e elétrons (cargas negativas) onde cada um se movimenta livremente no espaço. A esse estado (chamado de Plasma), se um campo elétrico é aplicado, a corrente flui livremente. Este fenômeno é chamado de descarga. Em um painel de plasma, cada célula pode ser entendida como uma pequena lâmpada fluorescente, subdividida em 3 sub-células que podem emitir independentemente luzes nas cores vermelha, verde ou azul (cores primárias) correspondendo a um ponto (pixel) da imagem formada na tela. A estrutura de uma célula de plasma pode ser vista na fig. abaixo. A alta temperatura é sinônimo de alto estado energético dos íons que constituem o plasma e está associada ao plasma de alta densidade, mas quando a densidade dessas partículas altamente energizadas for baixa, a temperatura média do ambiente do plasma também é baixa, o que caracteriza o plasma de baixa densidade (é o que ocorre no interior da lâmpada fluorescente). A descarga que ocorre no ambiente de baixa temperatura com plasma de baixa densidade é chamada de glow e o que ocorre no ambiente de alta temperatura com plasma de alta densidade é chamado de arc. 3

4 Uma partícula de plasma quando excitada, assume uma banda de energia superior à sua banda normal e quando perde essa energia ao voltar à banda normal, libera a energia excedente em forma de luz. No caso da lâmpada fluorescente, os elétrons energizados colidem com átomos de mercúrio (no interior da lâmpada há vapor de mercúrio de baixa pressão) e provoca o estado de plasma a baixa densidade. A luz emitida é ultravioleta, que ao incidir na camada de fósforo da parede interna da lâmpada, repete o processo descrito acima, agora com o fósforo emitindo uma luz visível. Na lâmpada, é necessário inicialmente, haver o processo de formação do plasma de baixa densidade, esse processo se inicia com a formação de uma nuvem de elétrons ao redor dos filamentos aquecidos, que formam um eletrodo em cada uma das extremidades da lâmpada, seguido da aplicação de pulsos de alta tensão entre os eletrodos através de um reator. O campo intenso faz com que os elétrons saiam com alta velocidade, e a colisão com os átomos de mercúrio provoca o surgimento de plasma de baixa densidade. A continuação dessa emissão de luz é feita através de descargas glow no ambiente do plasma. Ciclo de Operação em um painel de Plasma O que ocorre em uma célula de plasma é semelhante ao descrito acima, porém, o vapor de Mercúrio é substituído por um gás inerte como Argônio, Neônio ou Xenônio. A seqüência de excitação de uma célula está descrita abaixo: A primeira etapa é a descarga para o apagamento. Uma descarga glow que ocorria dentro de uma célula ao ser desligado pela interrupção de corrente, deixa no interior da célula cargas que podem ocasionar descargas espontâneas causando uma ignição indesejada da célula. A aplicação de uma tensão elevada entre os eletrodos de varredura e retenção neutraliza as cargas existentes (fig.1). Esse processo é executado para todas as células antes do inicio do processo de ignição. A segunda etapa é a formação do ambiente de plasma, aplicando tensão entre o eletrodo de varredura e o de endereçamento (fig.2). Esse processo cria carga nas paredes das células e é aplicado para células que devem emitir luz. A terceira e última etapa é a aplicação alternada de trem de pulsos entre os eletrodos de varredura e retenção, a célula emite a luz durante a aplicação dos sinais nos eletrodos. O segundo processo cria uma espécie de memória na célula que deseja acender, e ao aplicar os pulsos alternados no terceiro processo, as células marcadas acendem simultaneamente (fig.3). 4

5 Devido às características de funcionamento, uma célula apenas pode assumir o estado de ligada ou desligada, isso faz com que o controle de brilho seja feito pelo controle do tempo em que a célula fica ligada numa espécie de PWM de luz. Esse controle é feito em quadros de 16,7ms, subdivididos em 8 intervalos onde o tempo de ignição é proporcional a representação dos valores 1,2,4,8,16,32,64 e128, podendo representar o máximo de 256 níveis de brilho para cada cor e, portanto (a mesma quantidade do LDC) para as 3 cores de cada célula. Na fig. abaixo, vemos 2 exemplos de cores diferentes formados pelo controle de brilho. Após cada intervalo de tempo, há o processo de limpeza, endereçamento e ignição. Não há a necessidade de ajustes individuais de cores, e as cores mostradas são matematicamente iguais, ou com pequenas diferenças que se deve a diferença de materiais usados nos fósforos. Nos painéis modernos, há filtros de cores presentes em cada célula para garantir a pureza de cada cor primária. 5

6 Painel de Plasma: Características Técnicas e Funcionais Conectores para entrada de vídeo Os painéis disponíveis possuem diversos tipos de conectores para entradas de vídeos, cada uma com uma determinada performance, influenciando diretamente na qualidade da imagem. Os principais conectores possuem as seguintes características: RF/ Coaxial: normalmente usado para acoplar antenas, a qualidade da imagem obtida nessa conexão é baixa. Vídeo Composto: conector do tipo RCA, possui uma qualidade de imagem mediana. S-Vídeo: conector para vídeo analógico de seis pinos que proporciona uma qualidade de imagem boa. Vídeo Componente: essa conexão formada por um trio de conectores RCA, proporciona uma qualidade de imagem muito boa. HDMI: conexão digital de alta definição com transmissão de áudio, proporciona a melhor qualidade de imagem. Distância ideal para visualização O tamanho ideal de tela depende do tamanho do ambiente e da tecnologia do painel. Telas com definição mais alta, como as de Plasma e LCD, podem ser vistas mais de perto do que as telas comuns (CRT tubo de raios catódicos de baixa resolução). A tabela abaixo mostra as distâncias recomendadas para telas com alta definição em função das dimensões da tela. Tamanho (Polegadas) Distancia Mínima (m) 15 0,5 1,0 28 0,9 1,9 32 1,1 2,1 36 1,2 2,4 42 1,4 2,8 46 1,5 3,1 51 1,7 3,4 60 2,0 4,0 Varredura Distancia Máxima (m) Tradicionalmente uma imagem é desenhada em um televisor em uma sucessão de linhas horizontais. Primeiro traçam-se as linhas impares e por ultimo as linhas pares. Essa técnica é chamada de varredura entrelaçada. Novos produtos disponibilizam o desenho da imagem de maneira progressiva, de forma que as linhas são traçadas em seqüência, com uma velocidade maior do que na varredura entrelaçada e qualidade de imagem superior. Trata-se da varredura progressiva (ou Progressive Scan ). 6

7 EDTV/ HDTV HDTV ou High Definition Television é o nome designado à televisão digital de alta definição, os aparelhos descritos como apropriados para HDTV possibilitam a exibição desse tipo de imagem em sua resolução completa (1280 por varredura progressiva ou 1920 por varredura entrelaçada). EDTV ou Enhanced Definition Television é a designação para aparelhos que exibem imagens de alta definição com uma resolução reduzida (853 por 480 pixels, varredura progressiva). 7

8 Painel de Plasma: Considerações Finais A tecnologia de PDP tem passado por avanços notáveis, desde o desenvolvimento do plasma a cores no final dos anos 90 (abaixo, alguns aspectos que contribuíram para esse avanço). Aumento na vida útil do produto, que passou de para horas (valores aproximados). Tendência à diminuição do custo, que se deve a simplicidade da estrutura e ao aumento da produção. Obtém uma excelente qualidade na reprodução de cores. E tem por objetivo a melhora nos seguintes aspectos: Consumo de energia: comparado com equipamentos de CRT, seu consumo é equivalente ou superior. Brilho: ainda possui menos brilho que os CRT. Marcas na tela: imagens paradas na tela por um longo período podem marcar a tela dos PDP. Pontos coloridos na tela: um painel de Plasma é composto por aproximadamente 2 milhões de células, algumas podem apresentar defeito durante a fabricação, o que torna normal o aparecimento de alguns pontos coloridos na tela. Referências Plasma Display White Paper Fujitsu General America

9 Painel de Plasma: Teste seu Entendimento 1. Com relação ao texto, qual das alternativas está correta: O painel de Plasma utiliza o mesmo principio da lâmpada Fluorescente. No interior de uma célula de Plasma há vapor de Mercúrio de baixa pressão. Os painéis de Plasma possuem uma vida útil de aproximadamente 8 anos. 2. De acordo com o texto, assinale a alternativa incorreta. O controle de brilho de uma célula é feito pelo controle do tempo em que a célula fica ligada numa espécie de PWM de luz. Filtros de cores presentes em cada célula garantem a pureza das cores primarias do painel. A primeira etapa de um ciclo de operação de uma célula PDP é uma descarga "arc" entre os eletrodos de varredura e retenção. 3. Das características do Painel de Plasma, é correto afirmar que: Pode representar a mesma quantidade de cores do painel LCD. Possui o mesmo nível de brilho que o CRT. Não há riscos de marcas na tela causados por imagens congeladas. 9

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF)

Conectores de Vídeo Radiofreqüência (RF) 15 Conectores de Vídeo Existem vários tipos de conexões de vídeo que você pode encontrar no PC e em aparelhos eletrônicos como TVs, aparelhos de DVD e videoprojetores. Apesar de a finalidade geral desses

Leia mais

Televisores e Monitores de Plasma e LCD

Televisores e Monitores de Plasma e LCD Televisores e Monitores de Plasma e LCD Marcelo de Souza Freitas Mestrado em Telecomunicações Universidade Federal Fluminense (UFF) Niterói RJ Brasil msfreitas1@oi.com.br Resumo. Este artigo descreve o

Leia mais

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série.

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. 1 REV 01 08/15 Parabéns, você acaba de adquirir um produto REI. Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. www.reibrasil.com.br E-mail: sat@reibrasil.com.br

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas LIGADORES DE VIDEO: VGA, DVI, S-VIDEO E COMPONENTE VIDEO José Vitor Nogueira Santos FT2-0749 Mealhada, 2009 Introdução

Leia mais

Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance. Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição

Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance. Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição Cirurgia Minimamente Invasiva, agora totalmente ao seu alcance Solução Completa em Videocirurgia de Alta Definição A Covidien é uma empresa dedicada em difundir a utilização de técnicas cirúrgicas minimamente

Leia mais

Monitores. Introdução

Monitores. Introdução Monitores Introdução Até os dias de hoje, o principal método para exibição de vídeos em computadores é o tradicional monitor CRT (Catodic Ray Tube - Tubo de Raios Catódicos). Comparando de uma forma grosseira,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL CÓDIGO: TH-VPR/6000

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL CÓDIGO: TH-VPR/6000 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL CÓDIGO: TH-VPR/6000 VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL TH-VPR/6000 CARO CLIENTE, Parabéns você acaba de adquirir o mais novo VÍDEO PORTEIRO RESIDENCIAL

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologias de computadores Trabalho realizado por: Carlos Aguilar nº 27886 Miguel Xavier nº 26705 Bruno Esteves nº 26975 ECRÃS Introdução Servem basicamente para mostrar

Leia mais

CONGRESSO SET 2012 FUCAPI

CONGRESSO SET 2012 FUCAPI CONGRESSO SET 2012 FUCAPI CONGRESSO SET 2012 TECNOLOGIA DE TELAS PARA RECEPTORES DE TV Características da FUCAPI FUCAPI é uma abreviatura para Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica;

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Montagem da Barra de LEDs Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/05/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130. V.1. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado C130 V.1.01 / Revisão 4 ÍNDICE Item Página 1. Introdução...01 2. Características...01

Leia mais

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV

2.0 A Técnica: A luz e a formação da imagem na TV 63 Texto extraído de BALAN, W.C. A iluminação em programas de TV: arte e técnica em harmonia. Bauru, 1997. 137f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Poéticas Visuais) Faculdade de Arquitetura, Artes

Leia mais

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097

Monitores. Tecnologias de Computadores. Trabalho realizado por: Universidade da Beira Interior. Prof.Pedro Araújo. -Diogo Fernandes nº27097 Monitores Universidade da Beira Interior Tecnologias de Computadores Prof.Pedro Araújo Trabalho realizado por: -Diogo Fernandes nº27097 -Gonçalo Paiva nº26743 -Tiago Silva nº27144 Introdução Com o aparecimento

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada

SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada SUPORTE TÉCNICO 2007 Atenção! Para que este informativo tenha resultado é imprescindível que leia todos os boletins técnicos emitidos para cada modelo, pois, difere ligeiramente em alguns detalhes (LAM).

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Engine Management systems WB-O2 Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Índice 1. Atenção!... 3 2. Apresentação... 4 3. Características...

Leia mais

CEFET-RS Curso de Eletrônica

CEFET-RS Curso de Eletrônica CEFET-RS Curso de Eletrônica 7 - Vídeo Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 07.1 Vídeo Principal periférico de saída desde o final da década de 70;

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Lista de instrução de uso. Painel de controle. Introdução à estrutura. Instrução de Uso. Proteção e Manutenção. Solução de problemas. Referência. Obrigado

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás Manual do Sistema Blockgas SB330 CB530 SB330 SB80 atende normas: NBR16186 de 06/2013 NBR16069 de 04/2010 NR 36 Apresentação do sistema: Composto por 3 módulos de equipamentos eletrônicos e 1 software de

Leia mais

PISTOLA MEDIDORA DE TEMPERATURA

PISTOLA MEDIDORA DE TEMPERATURA PISTOLA MEDIDORA DE TEMPERATURA Características: - Medições precisas sem contacto - Ponteiro laser Built-in - Intervalo de selecção automática e resolução de 0,1º ou 1 - Botão Comutável ºC/ºF - Armazena

Leia mais

Monitor ou TV com altíssima qualidade de imagem. A escollha é sua.

Monitor ou TV com altíssima qualidade de imagem. A escollha é sua. Monitor ou TV com altíssima qualidade de imagem. A escollha é sua. Full HD Receptor Digital HDMI Música Foto 2,5 Alta resolução e novo design para você usar como quiser. 2,5 2,5 Painel LED livre de Hg

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA. TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TIPOS DE RECEPTORES DE TV e SISTEMAS Como tudo em nossa vida e em nosso mundo evolui, com a tecnologia não é diferente, agora você pode contar com alta definição

Leia mais

O que é o Painel de LCD

O que é o Painel de LCD O que é o Painel de LCD O que é TFT (Thin Film Trnsistor) Conceito Matrix Ativa e Passiva Representação da Imagem no LCD Estrutura do LCD TFT Mecanismo de operação do LCD TFT Teoria de Operação Estrutura

Leia mais

AOM-7694 MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-7694: www.asaelectronics.

AOM-7694 MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-7694: www.asaelectronics. MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO Características do modelo AOM-7694: Painel de LCD colorido padrão automotivo de alto desempenho de 7 polegadas Entrada A/V

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

DEPARTAMENTO DATA ABRANGÊNCIA NÚMERO REVISÃO SAT 08/01/07 GERAL 42 0

DEPARTAMENTO DATA ABRANGÊNCIA NÚMERO REVISÃO SAT 08/01/07 GERAL 42 0 INFORMATIVO TÉCNICO DEPARTAMENTO DATA ABRANGÊNCIA NÚMERO REVISÃO SAT 08/01/07 GERAL 42 0 PL-4280: PROCEDIMENTO DE ATUALIZAÇÃO DE SOFTWARE (INTERFERÊNCIA CONTROLE REMOTO SKY+) Senhores Técnicos, Efetuar

Leia mais

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD INDICE DIAGRAMA EM BLOCOS... Pg. 03 AC INPUT... Pg. 04 POWER... Pg. 05 FONTE STANDBY... Pg. 06 PFC FONTE... Pg. 07 FONTE ALTA I... Pg. 08 FONTE

Leia mais

Monitores de vídeo CRT

Monitores de vídeo CRT 14 Monitores de vídeo CRT Na história da evolução dos monitores, uma união de idéias inovadoras à utilização das propriedades químicas de determinados elementos propiciaram a produção em massa destes utilíssimos

Leia mais

Voyager AOM-713WP MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-713WP:

Voyager AOM-713WP MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO. Características do modelo AOM-713WP: Voyager AOM-713WP MONITOR DE OBSERVAÇÃO COLORIDO TELA PLANA DE 7 POLEGADAS MANUAL DO PROPRIETÁRIO Características do modelo AOM-713WP: Painel de LCD colorido padrão automotivo de alto desempenho de 7 polegadas

Leia mais

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ INFORMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO I Unidade II O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

TV Box LCD/CRT Externa. A melhor escolha do LCD/CRT com ou sem o PC ligado ENXTV-X2. (Controle remoto incluído) Manual do Usuário

TV Box LCD/CRT Externa. A melhor escolha do LCD/CRT com ou sem o PC ligado ENXTV-X2. (Controle remoto incluído) Manual do Usuário TV Box LCD/CRT Externa A melhor escolha do LCD/CRT com ou sem o PC ligado ENXTV-X2 (Controle remoto incluído) Manual do Usuário Índice: Capítulo 1: Introdução... 3 1.1 Conteúdo do Pacote... 3 1.2 Requisitos

Leia mais

Prof. Célio Conrado 1

Prof. Célio Conrado 1 O usuário se comunica com o núcleo do computador (composto por CPU e memória principal) através de dispositivos de entrada e saída (dispositivos de E/S). Todo objeto que faz parte do sistema e tem por

Leia mais

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Observação teórica - Os postulados de Böhr A partir das suas descobertas científicas, Niels Böhr propôs cinco postulados: 1 o.) Um átomo

Leia mais

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra

LISTA 1 NÍVEL 1. Material Extra LISTA 1 NÍVEL 1 01. (UEMA) Das três fases de uma substância, a que possui menor energia cinética é a fase, cuja característica é apresentar. Os termos que preenchem corretamente as lacunas são: a) Sólida

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA SÃO DOIS MÉTODOS QUANTITATIVOS DE ANÁLISE ELMENTAR, QUE PODEM SER USADOS PARA QUANTIFICAR APROXIMADAMNETE 70 ELEMENTOS. AS APLICAÇÕES SÃO NUMEROSAS, E AS CONCENTRAÇÕES

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms

AMPLIFICADOR HD 1600 HD 2200 HD 2800 MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUCÃO INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO - 1 - 1 CANAL - CLASSE D - 2 Ohms INTRODUCÃO AMPLIFICADOR MANUAL DE INSTRUÇÕES HD 1600 HD 2200 HD 2800 Nós da HURRICANE agradecemos pela escolha dos nossos produtos. Nossos amplificadores são projetados para oferecer a mais alta performance.

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

suficientemente, a corrente satura num valor limite como

suficientemente, a corrente satura num valor limite como 5.3 Condução em gases (Geralmente esta seção não pode ser apresentada num curso de 4 horas semanais. O conteúdo tem relevância para alunos de engenharia de meio ambiente, geociências, engenharia elétrica,

Leia mais

Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10

Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10 Modo de Serviço TV Panasonic Modelo TC-29S10 A. SINTONIA AUTOMÁTICA Esta característica permite que todos os canais com sinal sejam sintonizados. Pressionado a tecla canal (UP ou DW) obteremos acesso somente

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MINI MONITOR PARA CFTV MODELO CT-2050

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MINI MONITOR PARA CFTV MODELO CT-2050 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MINI MONITOR PARA CFTV MODELO CT-2050 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Aula 2 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Prof. Osvaldo Mesquita E-mail: oswaldo.mesquita@gmail.com 1/48 CONTEÚDO DA AULA Conceitos Importantes O que é arquitetura de computadores?

Leia mais

n 1 L 1 n 2 L 2 Supondo que as ondas emergentes podem interferir, é correto afirmar que

n 1 L 1 n 2 L 2 Supondo que as ondas emergentes podem interferir, é correto afirmar que QUESTÃO 29 QUESTÃO 27 Uma escada de massa m está em equilíbrio, encostada em uma parede vertical, como mostra a figura abaixo. Considere nulo o atrito entre a parede e a escada. Sejam µ e o coeficiente

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura.

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura. LISTA 04 ONDAS E CALOR 1) A 10 C, 100 gotas idênticas de um líquido ocupam um volume de 1,0cm 3. A 60 C, o volume ocupado pelo líquido é de 1,01cm 3. Calcule: (Adote: calor específico da água: 1 cal/g.

Leia mais

Monitores Profissionais LFD

Monitores Profissionais LFD Monitores Profissionais LFD A linha de Monitores LFD (Large Format Display) com tamanhos de 32, 40, 46" e 55 dispõe de alto MTBF, dissipação de calor interno, tecnologia de prevenção anti-marcas, bloqueio

Leia mais

Tutorial de Monitores LCD. Por :jqs.eti.br

Tutorial de Monitores LCD. Por :jqs.eti.br Tutorial de Monitores LCD. Por :jqs.eti.br Os monitores de cristal líquido LCD ou LED se tornaram mais populares nos últimos anos e já substituiram os modelos tradicionais de tubo de imagem (CRT) com muitas

Leia mais

Seu manual do usuário ECHOSTAR TELEFONICA TV DIGITAL http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117049

Seu manual do usuário ECHOSTAR TELEFONICA TV DIGITAL http://pt.yourpdfguides.com/dref/1117049 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ECHOSTAR TELEFONICA TV DIGITAL. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

DIGISKY. Preparação. Revisão: 01.08.2011

DIGISKY. Preparação. Revisão: 01.08.2011 DIGISKY Guia Rápido 15448 V1.01 Preparação Por favor leia antes as instruções para utilização (no CD). Nestas instruções são descritos os preparativos necessários para o uso do medidor de exposição e suas

Leia mais

Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC

Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC Manual do usuário Antes de tentar conectar ou operar este produto, por favor, leia atentamente estas instruções. ÍNDICE 1. PRECAUÇÕES --------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2608 FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA RELATÓRIO: IMAGENS SÍSMICAS VISUALIZAÇÃO E DETECÇÃO

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos.

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos. Segurança da bateria A HP encara a segurança com muita seriedade e disponibiliza Material Safety Data Sheets (MSDS) (Fichas de dados de segurança de material; em inglês) que fornecem informações gerais

Leia mais

4 em 1: Anemômetro/Termo- Higrômetro/ Luxímetro HHF81

4 em 1: Anemômetro/Termo- Higrômetro/ Luxímetro HHF81 4 em 1: Anemômetro/Termo- Higrômetro/ Luxímetro HHF81 Este produto leva o selo de aprovação OMEGA e vem com garantia da OMEGA. Para fazer novo pedido, acesse: OMEGA Engineering Brasil Av. John Dalton,

Leia mais

3.4 Energia e potencial elétrico o tubo de Braun

3.4 Energia e potencial elétrico o tubo de Braun 3.4 Energia e potencial elétrico o tubo de Braun Com a relação entre potencial elétrico e energia potencial de uma partícula carregada num campo eletrostático, isto é, com a fórmula (3.1.11), podemos resolver

Leia mais

Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação

Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Características... 4 2. Aviso Termo de Garantia... 5 3. Sonda Lambda de Banda Larga...

Leia mais

SISTEMAS MODULARES DE TREINO DE ENERGIA SOLAR E ENERGIA TÉRMICA

SISTEMAS MODULARES DE TREINO DE ENERGIA SOLAR E ENERGIA TÉRMICA SISTEMAS MODULARES DE TREINO DE ENERGIA SOLAR E ENERGIA TÉRMICA SISTEMA TREINO DE PAINÉIS FOTOVOLTAICOS SOLARTEC-70 Sistema didático para a aprendizagem ou treino teórico e prático de instalações de energia

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE HIDROGÊNIO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE HIDROGÊNIO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE HIDROGÊNIO em aço líquido O Sistema de Medição de Hidrogênio da ECIL foi desenvolvido para promover medições instantâneas de hidrogênio em aço líquido. Devido a sua precisão e o seu

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever

EXAME TEÓRICO. EXAME TIPO e resolução. 1:30:00 início do exame. 0:00:00 fim do exame. Junho 2015 FORMAÇÃO AVANÇADA. marcador de questões a rever EXAME TIPO e resolução 1:30:00 início do exame 0:00:00 fim do exame marcador de questões a rever marcador de questões a rever, assinalado a verde, número de questões já respondidas Pág 1/21 1:28:10 1 /

Leia mais

Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC

Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC Vídeo Porteiro GVW-201CM/GVP 100CC Manual do usuário Antes de tentar conectar ou operar este produto, por favor, leia atentamente estas instruções. ÍNDICE PRECAUÇÕES IMPORTANTES...3 CONTEÚDO DA EMBALAGEM...3

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86.

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86. Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Este manual apresenta o funcionamento e os procedimentos de configuração e instalação dos painéis Aceno Digital, modelos

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 8 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809

VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809 Manual em Português Rádio Móvel Voyager Modelos VR-B1802V VR-B1807U VR-D1809 Precauções Observe as precauções abaixo para evitar incêndio, lesão pessoal ou danos ao aparelho. Não tente configurar a unidade

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF 1 Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE PROCESSOS Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Sumário Introdução Evolução do Controle de Processo

Leia mais

Sumário. Computação Gráfica. Introdução. Definição. Prof. Dr. Leandro Alves Neves. Aplicações da Computação Gráfica. Sistemas Gráficos.

Sumário. Computação Gráfica. Introdução. Definição. Prof. Dr. Leandro Alves Neves. Aplicações da Computação Gráfica. Sistemas Gráficos. Informática II Conteúdo 01 Prof. Dr. Leandro Alves Neves Sumário Introdução 1. Visão Geral Aplicações da. Sistemas Gráficos. 2. Dispositivos de Visualização Dispositivos Gráficos Vetoriais. Dispositivos

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Osciloscópio didático U8481350 Instruções para o uso 01/08 CW/ALF Entradas: 1 Tensão anódica 2 Tensão catódica 3 Tensão de Wehnelt 4 Tensão de aquecimento (0) 5 Tensão de aquecimento

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2. N de Homologação: 1702-09-2791. Versão 1.00 MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS MOTO V2 N de Homologação: 1702-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS MOTO V2 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros Sistema Inversor Modelos Tipo Parede Localização e reparação de erros 1- Quando a unidade apresenta algum problema (a lâmpada de operação e Timer não irá acender) 2- A função autodiagnóstico (a lâmpada

Leia mais

Divisor DVI / Video. Maneira fácil e acessível em duplicar uma entrada de vídeo DVI para múltiplas saídas/monitores DVI ou HDMI. Manual de Utilizador

Divisor DVI / Video. Maneira fácil e acessível em duplicar uma entrada de vídeo DVI para múltiplas saídas/monitores DVI ou HDMI. Manual de Utilizador Divisor DVI / Video Maneira fácil e acessível em duplicar uma entrada de vídeo DVI para múltiplas saídas/monitores DVI ou HDMI Manual de Utilizador Índice de matérias Introdução... 1 Características...

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Introdução. Em se tratando de computador, entendemos que memória são dispositivos que armazenam dados com os quais o processador trabalha.

Introdução. Em se tratando de computador, entendemos que memória são dispositivos que armazenam dados com os quais o processador trabalha. Memorias Introdução Em se tratando de computador, entendemos que memória são dispositivos que armazenam dados com os quais o processador trabalha. Necessariamente existe dois tipos de memórias: -Memória

Leia mais

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos

ü Não é permitido utilizar a tubulação da rede elétrica para passagem dos VÍDEO PORTEIRO COLORIDO VIP COLOR 7 Manual de Instalação 1) APRESENTAÇÃO DO PRODUTO A Amelco, oferece cada vez mais soluções em segurança eletrônica para seus clientes e apresenta o Vídeo Porteiro com

Leia mais

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40 RUA SIGFREDO DAY, 50 - SOBRELOJA CIC CEP 81.170-650 CURITIBA PR FONE / FAX: (41)3014-3536. E-MAIL: vendas@guster.com.br INSTRUMENTOS AUTOMOTIVOS MONITORAMENTO DE VEÍCULOS RASTREADORES GPS - TRAVAS PAINEL

Leia mais

MANUAIS DE INSTRUÇÃO

MANUAIS DE INSTRUÇÃO MANUAIS DE INSTRUÇÃO ESPECIFICAÇÕES O DIMMER RACK 12 CANAIS CBI é fabricado para cumprir com as especificações do mercado de iluminação profissional, iluminação cênica, decorativa, shows, eventos e iluminação

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME

3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3. CARACTERÍSTICAS DO FILME 3.1 INTRODUÇÃO Para que possamos analisar a forma como o filme radiográfico responde aos diferentes fatores determinados pela exposição à radiação, precisamos definir alguns

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D MANUAL DE INSTRUÇÕES DA FONTE DIGITAL MODELO PS-3060D Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do aparelho ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Especificações... 02 2.1. Gerais...

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases. 1/5 www.ni.com

Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases. 1/5 www.ni.com Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases "Diante do desafio de monitorar a emissão de gases em aplicações como controle ambiental, atmosferas potencialmente explosivas ou nocivas à saúde

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais