DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS DE REFERÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS DE REFERÊNCIA"

Transcrição

1 ENQUALAB-08 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 09 a 12 de junho de 08, São Paulo, Brasil DESEMPENHO DE ESPECTROFOTÔMETROS UV/VIS/IVP: EMPREGO DOS MATERIAIS DE REFERÊNCIA Juliana F. Santos Gomes 1, Marcelo B. Guedes 1, Iakyra B. Couceiro 2, Hans Peter Grieneisen 2 Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Ietro Diretoria de Metrologia Científica e Industrial - Dimci 2 Divisão de Metrologia Óptica Diopt Laboratório de Colorimetria e Espectrofotometria Lacoe Resumo: O Espectrofotômetro é um instrumento de grande importância e aplicação em diversos setores industriais, tais como petroquímico, químico, ambiental, farmacêutico, análise clínica, controle de qualidade, etc. Portanto, é fundamental mensurar fatores que influenciam na medição com esses instrumentos e verificar periodicamente sua desempenho e manter a rastreabilidade de suas medidas utilizando materiais de referência padrão. Estes materiais de referência padrão dividem-se em duas categorias principais: materiais usados na verificação e calibração da escala de comprimento de onda e materiais de referência empregados na verificação e calibração da escala fotométrica de espectrofotômetros. O envelhecimento desses materiais de referência, assim como a degradação das superfícies metálicas, principalmente filtros de densidade neutra, podem resultar na alteração dos valores de transmitância (absorbância) e de comprimento de onda, sendo assim necessária sua verificação periódica. A verificação e calibração periódica também faz-se necessária devido ao desgaste físico de alguns componentes ópticos do instrumento e algumas normas orientam esta verificação, tais como ASTM E275, ASTM 387, ASTM E925, ASTM E958 e ASTM E1866. Na escala fotométrica, em geral, a análise da escala de transmitância (absorbância) do instrumento, é realizada levando-se em consideração as variações com respeito aos valores padronizados dos materiais de referência. Na escala de comprimento de onda, são utilizados padrões de referência específicos, com bandas de absorção em diferentes intervalos de comprimento de onda. Palavras Chave: Espectrofotômetro UV/VIS/IVP, Materiais de Referência, Filtro óptico, Calibração 1 INTRODUÇÃO O Espectrofotômetro é um instrumento fundamental para a análise de diversos parâmetros em áreas como petroquímica, química, ambiental, farmacêutica, análise clínica, controle de qualidade, etc tornando-se, portanto, fundamental mensurar os fatores que influenciam nos resultados obtidos a partir destes equipamentos, além de verificar periodicamente sua desempenho e manter a rastreabilidade de suas medidas. Na verificação periódica da desempenho de espectrofotômetros, assim como na calibração destes instrumentos faz-se necessário a determinação de erros resultantes de parâmetros como velocidade de varredura, largura da fenda, luz espalhada, linearidade, ruído fotométrico, entre outros, originados muitas vezes por desgaste físico de alguns componentes ópticos do instrumento. Para tal objetivo, são usualmente empregados materiais de referência padrão para espectrofotometria, em cuja verificação podem ser usadas as normas ASTM E275, ASTM 387, ASTM E925, ASTM E958 e ASTM AS ESCALAS DE INFLUÊNCIA NA MEDIDA A avaliação da desempenho dos espectrofotômetros deve ser realizada através da análise de parâmetros que influenciam as medições nas duas escalas de influência, a escala fotométrica e a escala de comprimento de onda. Na escala de comprimento de onda, são utilizados padrões de referência específicos, com bandas de absorção em diferentes intervalos de comprimento de onda. Nesta escala são analisados os fatores de maior influência que afetam os resultados das medições no espectrofotômetro: a largura de banda espectral, a velocidade de varredura e a exatidão do comprimento de onda. Na escala fotométrica, transmitância (ou absorbância), a análise é realizada levando-se em consideração as variações com respeito aos valores padronizados dos materiais de referência, filtros neutros e filtros de corte. Para isto, são analisados os seguintes fatores: linearidade de resposta, ruído fotométrico, estabilidade fotométrica, correção da linha de base, exatidão, repetitividade fotométrica e luz espalhada. Escala de comprimento de onda A verificação da escala de comprimento de onda de um espectrofotômetro é normalmente realizada utilizando padrões físicos absolutos, lâmpadas de descarga, tais como, de mercúrio e de deutério. A verificação também pode ser realizada, empregando materiais de referência padrão apropriados que apresentam bandas de absorção estreitas, em diferentes intervalos nas faixas espectrais do UV e do VIS, que serão apresentadas posteriormente.

2 O número de bandas espectrais identificáveis e espectralmente resolvidas pode ficar severamente comprometido pelo aumento da largura da fenda. Isto ocorre devido ao aumento da banda passante espectral que produz o alargamento espectral de cada banda individual, dificultando a localização dos picos. O aumento da velocidade de varredura também afeta as medidas de comprimento de onda, resultando num desvio na posição da banda espectral no comprimento de onda da banda de absorção na direção do deslocamento. Sendo assim, as medições de comprimento de onda devem ser realizadas em função desses dois parâmetros que mais afetam o resultado das medições como pode ser verificado, a seguir, nos exemplos apresentados nas figuras 1 e 2. Desvio (NIST - Larad) 0, 0,15 0, ,10-0,15-0, -0,25-0,30-0,35 Figura 1 - Desvios apresentados em diferentes larguras de banda para velocidade de varredura de 30/min, empregando o filtro de solução de óxido de hólmio SRM 34 NIST. Desvio (NIST-Larad) 0, Figura 2 Desvios apresentados em diferentes velocidades de varredura para largura de fenda de 1, empregando o filtro de óxido de hólmio SRM 34 NIST. Para uma melhor caracterização desta escala devem também ser realizadas análises das linhas de emissão tabeladas das lâmpadas espectrais, como também medidas experimentais da largura de banda espectral à meia altura (ASTM 958). Escala Fotométrica: Comprimento de Onda () 0,1 0,25 0, ,01 249,86 278,10 287,19 333,42 345,51 361,26 385,65 416,33 451,28 467,88 485,28 536,74 6,65 6,52 536,64 485,29 467,83 451,30 416,28 385,66 361,31 345,47 333,44 287,18 278,10 249,87 241,13 Comprimento de Onda () 1 /min /min 30 /min 15 /min A verificação da escala fotométrica, transmitância (ou absorbância) do instrumento, pode ser efetuada usando materiais de referência padrão com densidade neutra, isto é, com percentuais de transmitância (ou absorbância) pouco variáveis em função do comprimento de onda, e filtros de cortes em diferentes comprimentos de onda. Entretanto, a calibração da escala fotométrica sofre influências dependentes diretamente do instrumento, tais como luz espalhada, ruído fotométrico, estabilidade, linearidade e reprodutibilidade fotométrica. A luz espalhada constitui a parte da radiação indesejada transmitida em outros comprimentos de onda fora da banda de passagem nominal do monocromador e medida pelo sistema de detecção (ASTM 387). Entretanto, depende também da distribuição espectral da fonte de radiação e da sensibilidade do detector. A quantidade de luz espalhada pode ser estimada usando substâncias com bandas de absorção intensas e estreitas, tais como filtros de corte cut off, certos líquidos e cristais. O ruído fotométrico é causado pelas flutuações na velocidade que os fótons da radiação incidente atingem à superfície do detector, e a linearidade é a relação linear entre a potência radiante incidente no seu detector e alguma quantidade medida proveniente do sistema. A estabilidade a curto e longo prazo de um espectrofotômetro está relacionada principalmente à qualidade na construção do equipamento, ou seja, dos elementos ópticos e mecânicos. A estabilidade a curto e longo prazo da fonte de radiação e do sistema de detecção também afeta o resultado de uma medição. A verificação da estabilidade do equipamento, assim como seu monitoramento, podem ser efetuados empregando filtros ópticos apropriados. A estabilidade também pode ser verificada sem o uso de filtros ópticos, mantendo o compartimento de amostra vazio, sendo analisada a variação do valor fotométrico em função do tempo. Na Figura 3, é apresentado um exemplo da análise de estabilidade fotométrica A t (min) Figura 3. Estabilidade fotométrica do espectrofotômetro. 3 OS PADRÃOS DE REFERÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA UV/VIS/IVP Materiais de Referência Padrão para Espectrofotometria são empregados na verificação periódica da desempenho de

3 %T espectrofotômetros, assim como na calibração de instrumentos e na determinação de erros instrumentais. Os materiais de referência padrão dividem-se em duas categorias principais: materiais usados na verificação e calibração da escala de comprimento de onda de espectrofotômetros e materiais de referência empregados na verificação e calibração da escala fotométrica de espectrofotômetros. Comprimento de Onda Na verificação da escala de comprimento de onda de um espectrofotômetro são empregados materiais de referência apropriados que apresentam bandas de absorção estreitas, em diferentes intervalos. A largura de banda espectral e a velocidade de varredura são selecionadas a fim de melhorar a resolução do espectro e buscar a melhor desempenho do equipamento. Dentre os diferentes materiais de referência padrão mais usualmente empregados destacam-se: filtros de vidro de didímio e de óxido de hólmio, usados como padrões de comprimento de onda desde 1945 e 1961, respectivamente. O filtro de didímio apresenta um grande número de bandas de absorção nas regiões espectrais do visível e do infravermelho próximo, enquanto que o filtro de óxido de hólmio apresenta linhas de absorção mais estreitas nas regiões espectrais do ultravioleta e do visível. Na região espectral do ultravioleta também pode ser empregado vapor de benzeno como material de referência padrão. Na região espectral do infravermelho próximo podem ser utilizados o 1, 2, 4-Triclorobenzeno, óxidos de terras raras em vidro (SRM35) e filmes de poliestireno. Esta verificação também pode ser realizada através do uso de lâmpadas de descarga, tais como as lâmpadas de mercúrio e deutério. Exemplos de espectros destes padrões de comprimento de onda são apresentados nas Figuras 4, 5, 6 e 7. 77, ,0 Figura 4. Espectro do filtro de vidro de didímio na região do visível %T 80, Figura 5. Espectro do filtro de vidro de óxido de hólmio na região do ultravioleta e visível. A 0,75 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0, , ,0 Figura 6. Espectro de filtro de vapor de benzeno na região espectral do ultravioleta. Absorbância Poliestireno SRM 35 cm Figura 7. Espectro de filme de poliestireno e óxidos de terras raras SRM 35 na região espectral do IVP. Outros filtros ópticos não exemplificados, tais como filtros de interferência, são verificados de forma semelhante, sendo que uma análise preliminar é efetuada caso a caso a fim de determinar as condições ideais de calibração

4 %T %T Escala Fotométrica A verificação da escala fotométrica é tão importante quanto à da escala de comprimento de onda. Neste caso, são verificadas as escalas de transmitância e absorbância do aparelho, usando filtros de vidro de densidade neutra, com diferentes percentuais de transmitância (absorbância), referentes a comprimentos de onda específicos. Vários materiais de referência têm sido empregados na determinação da exatidão da escala fotométrica de espectrofotômetros, dentre os quais se destacam: vidros inorgânicos e soluções padrão. Filtros de vidro de densidade neutra, tais como Schott NG-4 e NG-5, e filtros com película metálica em sílica fundida são usados como padrões na verificação da escala fotométrica de espectrofotômetros convencionais, nas regiões do ultravioleta e do visível. Soluções padrão, por exemplo, de dicromato de potássio, são usualmente empregadas, sendo normalmente mantidas em cubetas seladas de quartzo. Exemplos de espectros destes materiais de referência padrão são apresentados nas Figuras 8, 9 e Figura 8. Transmitância espectral de conjunto de filtros de vidro de densidade neutra com transmitância nominal de 10, e 30% na região do visível , Figura 9. Transmitância espectral de conjunto de filtros de vidro de densidade neutra com transmitância nominal 10, 30 e 90% na região do ultravioleta e visível. 30% % 10% 90% 30% 10% 0,85 0,8 0,7 0,6 A 0,5 0,4 0, ,0 Figura 10. Espectro de absorção de solução padrão de dicromato de potássio na região espectral do ultravioleta. 4 - CONCLUSÃO O conhecimento da exatidão dos resultados das medidas efetuadas no espectrofotômetro é possibilitado através da sua caracterização periódica (ASTM E925), considerando todas as fontes de incertezas e parâmetros de influência no processo de medição (ASTM E275). A periodicidade desta caracterização deve ser respeitada considerando a existência de vários fatores que modificam as características do instrumento e dos materiais de referência ao longo do tempo. A verificação da confiabilidade das medições também pode ser garantida através de comparações na área de espectrofotometria, tendo como objetivo fundamentar tecnicamente a equivalência entre as calibrações realizadas em espectrofotômetros comerciais de diferentes laboratórios. O envelhecimento dos materiais de referência, sejam de vidro ou filme, assim como a degradação das superfícies metálicas em filtros ópticos, principalmente filtros de densidade neutra, podem resultar na alteração dos valores de transmitância e/ou absorbância e de comprimento de onda, sendo necessária a verificação periódica e calibração desses materiais. Filtros com superfície metálica são menos estáveis que os filtros de vidro de densidade neutra e requerem, portanto, verificações mais freqüentes. Apesar dos materiais de referência tipo solução ou vapor serem estáveis fotoquimicamente, suas estabilidades também devem ser avaliadas periodicamente. O Laboratório de Colorimetria e Espectrofotometria do Ietro (Lacoe) oferece desde 1998 serviços de calibração de materiais de referência em espectrofotometria, possibilitando a rastreabilidade das medidas nacionalmente, atendendo à crescente demanda de serviços metrológicos de aplicação científica e industrial. O reconhecimento da competência do Lacoe, através da participação em diferentes comparações interlaboratoriais, possibilitou a prestação de serviços de calibração de filtros ópticos, fazendo parte do banco de dados do Bureau

5 International des Poids et Mesures (BIPM), a partir do MRA Acordo de Reconhecimento Mútuo. 5 REFERÊNCIAS ASTM E275-01, Standard Practice for Describing and Measuring Performance of Ultraviolet, Visible and Near Infrared Spectrophotometers ASTM E925-02, Standard Practice for Periodic Calibration of Narrow Band-pass Spectrophotometers ASTM , Standard Test Method for Estimating Stray Radiant Power of Spectrophotometers by the Opaque Filter Method ASTM E958-93, Standard Practice for Measuring Practical Spectral Bandwidth of Ultraviolet-Visible Spectrophotometers ASTM , Standard Guide for Establishing Spectrophotometer Performance Tests

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada

Relatório Final do. Ensaio de Proficiência em. Espectrofotometria - 1ª rodada Relatório Preliminar do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria 1ª rodada Relatório Final do Ensaio de Proficiência em Espectrofotometria - 1ª rodada ENSAIO DE PROFICIÊNCIA EM ESPECTROFOTOMETRIA 1ª

Leia mais

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos Espectrofotometria Professor Helber Barcellos Espectrofotometria A Espectrofotometria é um processo de medida que emprega as propriedades dos átomos e moléculas de absorver e/ou emitir energia eletromagnética

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL

FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL MERCOSUL/XLIII SGT Nº 11/P.RES. Nº FARMACOPEIA MERCOSUL: ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA E VISIVEL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/11 e 22/14 do Grupo

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T60 DESCRIÇÃO T60 é um espectrofotômetro simples feixe, compacto, de baixo custo e alto desempenho. Apresenta excelente estabilidade

Leia mais

ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA SÃO DOIS MÉTODOS QUANTITATIVOS DE ANÁLISE ELMENTAR, QUE PODEM SER USADOS PARA QUANTIFICAR APROXIMADAMNETE 70 ELEMENTOS. AS APLICAÇÕES SÃO NUMEROSAS, E AS CONCENTRAÇÕES

Leia mais

NÁLISE FRMCOPÊIC ENSIOS DE POTÊNCI MÉTODOS INSTRUMENTIS Profa. Ms. Priscila Torres Métodos Quantitativos Instrumentais - São mais sensíveis; - Requerem quantidades menores de amostras; - São mais seletivos

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA V 1S 2013 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 5: 04-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrofotometria no UV-Vis Vis - Parte II Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

5 Equipamentos e materiais utilizados

5 Equipamentos e materiais utilizados Equipamentos e materiais utilizados 5 Equipamentos e materiais utilizados O presente capítulo descreve objetivamente os principais equipamentos e materiais utilizados bem como as suas características técnicas

Leia mais

C O L O R I M E T R I A

C O L O R I M E T R I A C O L O R I M E T R I A FUNDAMENTOS DA COLORIMETRIA Coleta da amostra Preparação da amostra Procedimento de teste O teste Amostra na cubeta Reagentes adicionados Período de espera Branco da amostra Leitura

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T90 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável 0.1. 0.2, 0.5,

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T92 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável de 0.1-5nm,

Leia mais

Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS. Elisangela de Andrade Passos

Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS. Elisangela de Andrade Passos Aula 2 ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR NA REGIÃO DO UV VIS META Apresentar a natureza da energia radiante e as regiões espectrais; apresentar as medidas de transmitância e absorbância; apresentar

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA ULTRAVIOLETA / VISÍVEL Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais

Leia mais

Espectrofotometria Molecular UV-VIS

Espectrofotometria Molecular UV-VIS Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança Química Alimentar dos Alimentos II Espectrofotometria Molecular UV-VIS 1 Controlo Controlo da Qualidade Qualidade e Segurança e Segurança

Leia mais

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL Certificado Número: 069089 Data de Emissão: 04/03/2016 Número do Conjunto: F 616 Número de Catálogo: UV100 Marca: Specsol

Leia mais

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL Certificado Número: 065479G Data de Emissão: 21/08/2015 Número do Conjunto: F3 581H Número de Catálogo: UVABS107 Marca:

Leia mais

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL Certificado Número: 065479G Data de Emissão: 21/08/2015 Número do Conjunto: F2 581G Número de Catálogo: UVABS106 Marca:

Leia mais

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS

Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais IMPLANTAÇÃO DO LABORATÓRIO DE VAZÃO DE GÁS DA FUNDAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO DE MINAS GERAIS V Seminário de Metrologia Aeroespacial V SEMETRA 21 a 24 de julho de

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

2. Fundamentos Teóricos

2. Fundamentos Teóricos 2. Fundamentos Teóricos 2.1. Conceitos Metrológicos 2.1.1. O Sistema Internacional de Unidades O Sistema Internacional de Unidades ( SI ) está dividido em duas classes ; - Unidades de Base - Unidades derivadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

3. Técnicas Experimentais

3. Técnicas Experimentais 3. Técnicas Experimentais Muito do nosso atual conhecimento acerca da estrutura da matéria é baseado em investigações espectroscópicas. Informações sobre a estrutura molecular e sobre a interação de moléculas

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO INSTRUMENTAÇÃO SISTEMAS DE MEDIÇÃO (CONT...) ERRO E INCERTEZA DE MEDIÇÃO Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Parâmetros Sensibilidade (Sb) É o quociente entre

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Validação e estimativa da incerteza do método de determinação de fósforo por

Validação e estimativa da incerteza do método de determinação de fósforo por Artigo Validação e estimativa da incerteza do método de determinação de fósforo por ESPECTROFOTOMETRIA UV-VIS Re s u m o A determinação do fósforo em polissacarídeos por espectrofotometria baseia-se na

Leia mais

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO

Rua Cobre, 200 - Bairro Cruzeiro 30310-190 Belo Horizonte/MG RESUMO 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ANÁLISE METROLÓGICA DE

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Amanda Caroline Pereira RA: 1302524 Eneias Ricardo da Silva RA: 1301763 Pamela Batista de Almeida RA: 1300266 Karina dos Santos Assis RA: 1302285

Amanda Caroline Pereira RA: 1302524 Eneias Ricardo da Silva RA: 1301763 Pamela Batista de Almeida RA: 1300266 Karina dos Santos Assis RA: 1302285 Amanda Caroline Pereira RA: 1302524 Eneias Ricardo da Silva RA: 1301763 Pamela Batista de Almeida RA: 1300266 Karina dos Santos Assis RA: 1302285 Introdução O trabalho realizado é baseado nos fundamentos

Leia mais

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL

PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL PADRÕES DE CALIBRAÇÃO SECUNDÁRIOS PARA A REGIÃO DO ESPECTRO ULTRAVIOLETA E VISÍVEL Certificado Número: 064584 Data de Emissão: 10/07/2015 Número do Conjunto: F 563 Número de Catálogo: UV101 Marca: Specsol

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres

4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4 Diluição da Atmosfera de Metano por Gases Nobres 4.1. Introdução Neste Capítulo são apresentados os resultados obtidos no estudo da influência da diluição da atmosfera precursora de metano por gases

Leia mais

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE

DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE ENQUALAB-2008 Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo REMESP 09 a 12 de junho de 2008, São Paulo, Brasil DETECTORES AUTOMÁTICOS DE FUMAÇA ENSAIO DE SENSIBILIDADE Alex

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA ÓPTICO PARA ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA ÓPTICO PARA ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA ÓPTICO PARA ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO MOLECULAR ADRIANO JOTADIEMEL MASI Belo Horizonte,

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

Equalização: Corrigir ou Criar

Equalização: Corrigir ou Criar Equalização: Corrigir ou Criar Equalizar Equalizar O termo equalizar pode ser entendido como "tornar igual". Mas, o que isso quer dizer exatamente? Se tomarmos como ponto de partida o comportamento do

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 82, de 24 de setembro de 2015 DOU de 25/09/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA

EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA EXPERÊNCIA 4 - MODULAÇÃO EM FREQUÊNCIA Modulação em freqüência ocorre quando uma informação em banda básica modula a freqüência ou alta freqüência de uma portadora com sua amplitude permanecendo constante.

Leia mais

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE

Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE MÉTODOS FÍSICOS DE ANÁLISE Métodos Físicos de Análise - ESPECTROFOTOMETRIA NO INFRAVERMELHO Prof. Dr. Leonardo Lucchetti Mestre e Doutor em Ciências Química de Produtos Naturais NPPN/UFRJ Depto. de Química de Produtos Naturais Farmanguinhos

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética.

PIRÔMETROS RESUMO. Palavras-chaves: pirometria, temperatura, pirômetro, radiação eletromagnética. PIRÔMETROS ISABELLE PEREIRA GOMES 1 RAPHAEL RIBEIRO PEREIRA² KATHLEEN VASCONCELLOS³ PROFESSOR ORIENTADOR: LEONARDO VIDAL RESUMO Este artigo trata sobre a medição de temperatura pelo processo de pirometria,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA

VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA VALIDAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE QUÍMICA Sabrine Guedes Gonçalves da Silva Bolsista de Iniciação Científica, Química Industrial, UFF Maria Alice Cabral de Goes Orientadora, Eng o. Metalúrgica, M. Sc. RESUMO

Leia mais

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS

MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: MÉTODOS CROMATOGRÁFICOS Aula 8 Cromatografia Liquida de Alta Eficiência CLAE (Continuação) Profa. Daniele Adão - Solvente grau HPLC (alta pureza): impurezas presentes na FM

Leia mais

ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011. Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ANALÍTICA AVANÇADA 2S 2011 Aulas 5 e 6 Espectrofotometria no UV-VisVis Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS

CALIBRAÇÃO DE UM TERMÔMETRO Pt-100 COMO PADRÃO DE TRABALHO DE UM LABORATÓRIO DE SERVIÇOS METROLÓGICOS MEROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL CALIBRAÇÃO DE UM ERMÔMERO Pt-00 COMO PADRÃO DE RABALO DE UM LABORAÓRIO DE SERVIÇOS

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais

Comparação Interlaboratorial para Análise de Tensões Residuais Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Protocolo de Comparação n.º 003/010 (Inmetro/Dimci/Dicep)

Leia mais

quantificação catálogo de produtos

quantificação catálogo de produtos catálogo de produtos SEGMENTOS DE ATUAÇÃO A paixão pela ciência está no nosso DNA. E se nós mostrarmos para o mundo que o Brasil tem ciência e inovação em seu DNA? E se nós levarmos a comunidade científica

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência!

Prova Experimental. Quinta-feira, 7 de Julho de 2005. Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! 36 a Olimpíada Internacional de Física. Salamanca (Espanha) 005 Prova Experimental Quinta-feira, 7 de Julho de 005 Ler o texto completamente antes de iniciar a montagem da experiência! Por favor, ler estas

Leia mais

à Mecânica dos Fluidos

à Mecânica dos Fluidos Técnicas Experimentais Aplicadas à Mecânica dos Fluidos Juliana Braga Rodrigues Loureiro, DSc Divisão de Metrologia og da Dinâmica cados Fluidos udos Diretoria de Metrologia Científica e Industrial Instituto

Leia mais

Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de 2014 Curitiba - PR

Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de 2014 Curitiba - PR Página 1 de 5 Semana da Metrologia e Qualidade De 19 a 23 de maio de Curitiba - PR O objetivo desta semana é permitir que você se atualize através de cursos especializados na área de Metrologia e Qualidade,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDIOC.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDIOC.COM.BR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO UFES RELATÓRIOS Matheus Fadini da Silva 2009102663 Rayan Soares Carretta - 200910 São Mateus Outubro de 2009 Experimento publicado em: http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.29605&seo=1

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Medições e suas incertezas

Medições e suas incertezas Medições e suas incertezas Ação no âmbito do PEC 115 UTAD, 6 de setembro de 2013 Joaquim Anacleto Programa da ação Apresentação dos conceitos(1 h) Pausa para café (15 min) Medições e discussão (1 h) Massa

Leia mais

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores

Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores F 609A Tópicos de Ensino de Física Teste da eficiencia da película protetora (insulfilm) em veículos automotores Aluno: Bruno Gomes Ribeiro RA: 059341 onurbrj@hotmail.com Orientador: Professor Doutor Flavio

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Requisitos de Calibração e Ensaios Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Requisitos de Calibração OBRIGAÇÃO DA ISO (PAPELADA) X REDUÇÃO DA VARIAÇÃO (QUALIDADE DO PRODUTO)

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino*

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* 44 Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* Os diferentes algoritmos para análise de resposta em frequência e comparação dos

Leia mais

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Como funciona um sistema gerador de água purificada para o processo de fabricação de fármacos através do método de osmose

Leia mais

Fotometria de Luminárias

Fotometria de Luminárias Fotometria de Luminárias Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Diretoria de Metrologia Científica e industrial, Dimci Divisão de Metrologia Óptica, Diopt Laboratório

Leia mais

Medir é uma atividade

Medir é uma atividade Algumas noções básicas sobre os padrões metrológicos Medir é uma atividade bastante corriqueira na sociedade atual. Ao olhar no relógio, por exemplo, a pessoa vê no mostrador o resultado de uma medição

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA

CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA CINÉTICA QUÍMICA DE UMA REAÇÃO EM ESPECTROFOTOMETRÍA INTRODUÇÃO Espectrofotometria É a medida da quantidade de energia radiante absorbida pelas moléculas a longitudes de ondas específicas. A espectrofotometria

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2 Juliana Cerqueira de Paiva Modelos Atômicos Aula 2 2 Modelo Atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856 1940) Por volta de 1897, realizou experimentos estudando descargas elétricas em tubos semelhantes

Leia mais

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1

SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2, ES.Fonseca 2, WW. Pereira 2, RT.Lopes 1 Determinação do centro efetivo de um detector do tipo De Pangher Long Counter no salão de baixo espalhamento de nêutrons do Laboratório de Metrologia de Nêutrons (LN). SS.Fernandes, 1,2,3, KCS.Patrão 2,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS

GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Curso GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS Data: 23 de abril de 2014 Hora: 13 às 17 horas Ministrante: Eng. Químico ROBÉRIO FERNANDES ALVES DE OLIVEIRA Diretor Vice-Presidente da ABQ Meus contatos: Email:

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

Valor verdadeiro, precisão e exatidão. O valor verdadeiro de uma grandeza física experimental às vezes pode ser considerado

Valor verdadeiro, precisão e exatidão. O valor verdadeiro de uma grandeza física experimental às vezes pode ser considerado UNIDADE I Fundamentos de Metrologia Valor verdadeiro, precisão e exatidão O valor verdadeiro de uma grandeza física experimental às vezes pode ser considerado o objetivo final do processo de medição. Por

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos Curso de Instrumentista de Sistemas Fundamentos de Controle Prof. Msc. Jean Carlos Ações de controle em malha fechada Controle automático contínuo em malha fechada Ação proporcional A característica da

Leia mais

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL

SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL SISTEMA DE VÁCUO NA SEÇÃO DE FORMAÇÃO DA FOLHA DE PAPEL Autores*: Cesar de Araujo Góss Filho 1 Gustavo André Leitis 2 INTRODUÇÃO A seção de formação da folha de uma máquina de papel é onde aproximadamente

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

TRANSMISSOR DE PRESSÃO

TRANSMISSOR DE PRESSÃO TRANSMISSOR DE PRESSÃO Introdução O desenvolvimento dos transmissores de pressão teve seu início já no século 20, com diferentes tipos de sensores sendo aplicadas em diferentes funcionalidades. A grande

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Espectro Atômico do Hidrogênio Série de Balmer Determinação da Constante de Rydberg Objetivo

Leia mais

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll

AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA EM AUDITORIA PARTE ll! Os parâmetros para decisão do auditor.! Tipos de planos de amostragem estatística em auditoria. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

3. Materiais e Métodos

3. Materiais e Métodos 59 3. Materiais e Métodos Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Metalurgia e Meio Ambiente do DEMa da Puc-Rio. 3.1. Equipamentos de medição 3.1.1. Carbono orgânico total (COT) Os métodos

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa

ANALÍTICA V 1S 2013. Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA. Prof. Rafael Sousa ANALÍTICA V 1S 2013 Aula 6: 11-06-13 ESPECTROSCOPIA Espectrometria de Absorção Atômica - Parte I Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan

Leia mais