ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR"

Transcrição

1 ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR O que é projeto? Um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades interrelacionadas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro de limites de tempo e de orçamento dados. (ONU) um projeto surge em resposta a problemas concretos, identificados por aquelas pessoas que se incomodaram com eles. Para a prática precisa de pessoas e dinheiro. Elaborar projetos não é somente escrever documento no papel, é definir ideias e desejos, é um processo participativo. Os financiadores querem estar certos que você sabe aonde quer chegar, como, quando, porque e quanto custa. Qual o impacto social e sua percepção. MB Um bom projeto tem de se mostrar capaz de comunicar todas as informações necessárias num documento escrito. O que é proposta? Documento de apresentação do projeto a um agente financiador. Se você identificou a necessidade de recursos externos para realização daquelas ideias, então é a hora de transformá-lo numa proposta. Fontes de recursos São instituições ou indivíduos que podem apoiar financeira ou fisicamente a proposta de sua instituição. Saber quem são é fundamental. Parcerias Quem coloca recursos em determinado projeto social é um interessado no alcance de resultados com impacto social. A legalização e o reconhecimento da instituição pretendente são fundamentais para o sucesso do projeto. 1

2 Quais os tipos de apoio existentes? As fontes podem ser nacionais ou internacionais, o Estado, Agências ou mesmo a iniciativa privada e pessoal. Empréstimos, com coparticipação ou com taxas pré-fixadas, doações, destinações, concursos, prêmios, ou o melhor de todos, financiamento de 100% do projeto sem contra partida financeira (fundo perdido e deduções de impostos). MB Etapas Básicas para elaboração você e sua instituição nunca mais serão os mesmos após a elaboração de seu projeto de trabalho Etapa 1 A definição do projeto: o que queremos fazer (escolha público-alvo, seus problemas e necessidades, missão. Objetivos de resultados e princípios de trabalho); Aqui começa a proposta de trabalho. É o coração do projeto. É hora de olhar para os problemas do público que a entidade quer ajudar, um momento precioso de selecionar as melhores informações que dão contexto para o serviço que sua organização quer prestar à sociedade. Use fatos para apoiar seus argumentos. Estatísticas, histórias verídicas, depoimentos, dados comparativos, fotos ou documentários da imprensa. Não se baseie em impressões, em opiniões, em premissas não documentadas. A declaração de necessidades devem se reportar as necessidades do público beneficiário. Avaliação em contexto: exemplo - Criança Histórico (cultural, político e econômico) - Comunidade (igreja, vizinhos, clubes, amigos, lazer e etc.) Apoio (escola, creches, hospitais, posto saúde, delegacia, etc.). objetivos descrevem resultados concretos, mensuráveis, e não serviços e atividades, que são meios para chegar lá! Exemplo: 80% dos alunos demonstrarão 25% de progresso no teste de avaliação que cobre as áreas 1 e 2. Não queira definir os princípios todos de uma vez! Não se perca em detalhes, discuta só o que é importante pra o projeto funcionar bem! 2

3 Definição do projeto Regra 1: Dê um nome ao projeto Passo Roteiro de trabalho Produtos Definição público alvo Fatos, evidências, necessidades, etc. Lista problemas, onde moram, quem são, nºs Declaração da missão Ao final que efeito quer ver no público alvo A declaração de missão do projeto Definição dos objetivos de resultados Definição de indicadores de resultados O acordo de princípios Quais as mudanças que espero ver. De quanto serão. Quando elas ocorrerão. Quais os indicadores para cada objetivo proposto Em que há ou não há concordância. Lista de objetivos de resultados. Horizontes e ciclos do projeto definidos Lista de indicadores de resultado por objetivos Lista de princípios acordados no grupo Ao final desta etapa pode-se ter 5 produtos bem definidos: 1. Quadro de definição do projeto; 2. Equipe de levantamentos; 3. Equipe de redação; 4. Equipe de captação de recursos; 5. Calendário de futuras reuniões A redação do projeto Seja claro, direto e conciso. Evite redundâncias, use espaços duplos, não coloque linhas demais, use subtítulos para identificar as partes, numere as páginas. Básico: Título, Introdução breve e claro. Justificativa- os problemas da área, o público e as declarações de necessidades. Impacto- A missão, objetivos de resultados, quem será beneficiado. Antecedentes institucionais Hora de falar da entidade, história, experiências, parcerias e o porquê nós. Etapa 2 O plano de trabalho: como vamos agir (linhas de ação e atividades dispostas no tempo. Definição de papéis e responsabilidades); Etapa 3 O andamento do projeto: como vamos avaliar, tirar conclusões e disseminar resultados (o acompanhamento constante no projeto, com uma análise sobre os valores financeiros); Etapa 4 Final O orçamento: quanto vai custar tudo isso (elaboração do orçamento com uma análise sobre os valores financeiros). 3

4 Fatores fundamentais para o sucesso: Liderança, competência técnica, criatividade e comprometimento. Elaborar um projeto implica em sonhar alto, idealizar, arriscar O Plano de trabalho como vamos agir?. Os serviços Descreva o que vai fazer, e não o que pretende ver melhorado na sociedade! Agora é hora de dizer o que vai ser feito, objetivamente, sem repetir etapa 1. Todos os objetivos citados na etapa 1 tem de ter os respectivos procedimentos de trabalho. Procedimentos: São passos que serão dados e que, no conjunto, mostram o caminho escolhido para alcançar os resultados. 1. Ações no tempo e no espaço; 2. Atividades detalhadas para cada ação; 3. Pessoas. Como? Onde? Quando? Quem? Os métodos de trabalho: Sempre que possível justifique seus métodos de trabalho, assim você encontra coerência, consistência e racionalidade nas escolhas que fez. Como será feito o trabalho, sempre que possível justificar seus métodos de trabalho. Cronograma de atividades: Distribuir as atividades no tempo, ao longo do horizonte do projeto, até com margem de erro. O cronograma de atividades é feito após serem discutidas e consolidadas no grupo. Abrangência social e geográfica: Espaço físico e a abrangência populacional. Esses elementos devem estar descritos claramente, vinculados ou não a cada serviço. As Pessoas Nomes e funções devem estar bem definidos. O grupo tem clareza sobre como serão tomadas as decisões? Verifique se há um acordo sobre autonomia das pessoas, o nível de centralização das decisões, a prática e agilidade das discussões sobre assuntos do projeto no nível mais estratégico e operacional. Após as discussões o nome do coordenador do projeto deve estar escolhido. 4

5 O coordenador do projeto: Ele é o interlocutor com o mundo interno e externo. O que você precisa fazer Forme os grupos de trabalho por objetivos; Os GTs deverão formular planos de trabalhos específicos; Consolide os diferentes GTs para ser consolidados; O andamento do projeto: como avaliar, tirar conclusões e disseminar resultados?. Todo o projeto deve estar apto para acompanhar o desenvolvimento de suas atividades por meio de acompanhamento e de avaliação- Monitoramento. O que você deve saber Monitorar e avaliar Ganha-se de muitas maneiras quando se planeja e se faz a avaliação. Financiadores são beneficiados, pois podem concluir sobre seu investimento social; a instituição responsável é beneficiada, pois encontra material de aprendizagem para seu desenvolvimento; a sociedade é beneficiada, pois recebe serviços mais adequados. Tipos de avaliações: Permanente ou de processo de monitoramento, periódica de resultados e avaliação final ou de impacto. Quem avalia? Interna, externa e avaliação mista. Indicadores e medidas de resultados. Para poder medir resultados, é preciso estabelecer, para cada objetivo, um ou mais indicadores, uma medida que indique se o objetivo foi total ou parcialmente alcançado. São sintomas, sinais que mostram se houve sucesso ou fracasso. Mensurável é diferente de quantificável! Às vezes os indicadores são objetivos, mas sim subjetivos. Isso quer dizer que, mesmo se não der para medir em números, você deve encontrar um indicador qualitativo, que mostra a qualidade do resultado. Métodos quantitativos e qualitativos Para cada objetivo existe um ponto crítico e um ou mais indicadores de resultados. Para cada objetivo estabeleça indicadores para medir resultados. Disseminação Disseminar significa compartilhar as informações e resultados com o ambiente interno e externo à organização que o abriga. Disseminar é mais que divulgar: é tornar o projeto palpável à sociedade. É uma ATITUDE durante todo o tempo de duração do projeto. 5

6 Relatórios É a primeira atitude de disseminação do projeto para o ambiente, deve ser dirigido a vários destinatários, cada qual recebendo uma cópia adaptada ao seu uso. Relatórios não podem ser chatos de ler!!!. São documentos vivos, para serem usados logo que impressos. Um mês depois, já não dizem mais grande coisa. Faça-os vivos, discuta com sua equipe, com a comunidade, com o financiador, com os parceiros. Divulgação e comunicação Deve-se ter em mente uma estratégia de comunicação. Reuniões comunitárias, material promocional como vídeos, folhetos, entrevistas, rádio, shows, etc. Pode ser feito até mesmo um manual de comunicação. O orçamento: quanto vai custar o projeto? Enfoca os recursos necessários para todo o horizonte do projeto, classificando-os em categorias de uso e origem. Com isto podemos estimar quanto dinheiro é preciso, de onde virá e como será gasto ao longo do tempo. Os recursos São todos os bens, insumos e serviços utilizados no projeto. Custos diretos, indiretos. As categorias de despesas Recursos humanos, investimentos e despesas operacionais. O orçamento É o planejamento financeiro do seu projeto. É uma estimativa, que expressa em dinheiro o desenvolvimento das atividades. Pessoas, materiais e equipamentos de sua instituição entram como contrapartida no orçamento do projeto! Memória de cálculo, fluxo de desembolso, financiamento decrescente, devem constar no orçamento. A base do orçamento será o cronograma de atividades. 6

7 A busca de recursos A lei. Código civil, lei de 1º de janeiro de Organizações comerciais e organizações civis, religiosas, cientificas, literárias, associações de interesse público e fundações. A diferença está no formato de sua administração e tomadas de decisões. Associações são fundadas com base nas necessidades sociais. Fundações nascem vinculando o destino de um patrimônio a uma causa específica. Podem ser operadoras ou financiadoras de projetos. Os financiadores mais famosos e tradicionais do terceiro setor são as fundações. O propósito das fundações é financiar projetos. GIFE Grupo de institutos, fundações e empresas. A seleção das fontes de recursos Antes de enviar a proposta certifique-se da clareza dos objetivos de seu projeto e se estes se adaptam aos da instituição financiadora. É comum haver mais pedidos do que recursos e assim, os doadores priorizam projetos cujos objetivos sejam compartilhados por ambas as partes envolvidas na negociação. Informe aos financiadores que você enviou propostas para outras fontes. Escrevendo a proposta Algumas instituições têm formulários próprios, outras deixam livre a apresentação. Componentes principais: Carta de apresentação; Introdução à proposta; Resumo executivo do projeto; Documento do projeto; Apêndice de anexos. 7

8 Conceito de Problema Social: É um desvio entre o que existe de o que deveria existir ou ainda a diferença entre o que deveria ser alcançado e o que foi alcançado. Abrange, então, o é e o dever ser. As políticas sociais tradicionais não cumprem o seu papel redistributivo." Populações marginais estão desassistidas. Sem políticas, não existem estratégias sociais e, nem tampouco planos de ação. Ainda prevalecem as velhas práticas de assistencialismo social, como frentes de trabalho e distribuição de alimentos, roupas e remédios. Elenco de Problemas Sociais Analfabetismo, desigualdade de renda, déficit da Previdência, aumento da violência, baixa qualidade do ensino, desemprego, fome, drogas. Dívida Social Basta considerar-se um somatório de sofrimentos, humilhações e carências de toda ordem que aflige 20 a 25% da população ou cerca de 36 milhões de pessoas Porque Responsabilidade Social? A empresa deve financiar projetos sociais porque é certo, justo e necessário assim proceder. É um mecanismo de compensação das perdas da sociedade. Não é uma ação caridosa. Empresa cidadã É aquela que é reconhecida pela excelência da sua atuação na área social, ganha a confiança, o respeito e a admiração da comunidade. Balanço social Embora não seja obrigatório em lei, cada vez mais o Balanço Social firma-se como um instrumento de gestão e reconhecimento das empresas. Marketing Social Empresas desenvolvem projetos sociais com dois objetivos: exercer filantropia e desenvolver estratégias de marketing com base em ações sociais. Bibliografia 1. Elaboração de Projetos e Proposta para Organizações da Sociedade Civil - Rosana Kisil; 2. Responsabilidade social e cidadania empresarial - Francisco Paulo de Melo Neto/César Froes; 3. Luiz Fernando da Silva Pinto 2010: um horizonte para a dívida social o Globo, 18/02/98; Dicas O que toda empresa precisa saber para utilizar incentivos fiscais Márcio Godoy/Karina Ruffo/Kátia Seadi 8

Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1. Projeto X (Título do Projeto)

Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1. Projeto X (Título do Projeto) Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1 Projeto X (Título do Projeto) Título do Projeto: o título deve ser informativo e/ou instigante e criativo. Pode informar sobre o que faz o projeto e onde. Por

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

8º Encontro de Coordenação

8º Encontro de Coordenação PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS 8º Encontro de Coordenação Cuiabá (MT), maio de 2008 1 8º Encontro de Coordenação Cuiabá (MT), maio de 2008 melhores

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades inter-relacionadas e coordenadas para alcançar objetivos

Leia mais

Oficina para Elaboração de Projetos Sociais Manual para Organizações Sem Fins Lucrativos

Oficina para Elaboração de Projetos Sociais Manual para Organizações Sem Fins Lucrativos INSTITUTO VOLUNTÁRIOS EM AÇÃO IVA/SC Oficina para Elaboração de Projetos Sociais Manual para Organizações Sem Fins Lucrativos 2011 Módulo 4 Cronograma e Orçamento WWW. V O L U N T A R I O S O N L I N E

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DADOS DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE Razão Social CNPJ Endereço Completo Inscrição Telefone Email Representante Legal

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Processo de Direção e Controle

Processo de Direção e Controle Universidade Federal do Ceará Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem Departamento de Farmácia Disciplina de Gestão Farmacêutica Processo de Direção e Controle Oi Pessoal, tudo bem?! Quais são

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

IDEIAS EXEMPLOS. de como participar do. diadedoar. 1 de dezembro

IDEIAS EXEMPLOS. de como participar do. diadedoar. 1 de dezembro IDEIAS E EXEMPLOS de como participar do 1 de dezembro Como engajar sua organização no #? ONGs Para o sucesso do # é fundamental que as organizações da sociedade civil, as ONGs, se engajem na campanha entasuasticamente.

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues Faccat Faculdades Integradas de Taquara Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Disciplina: Planejamento e Assessoria em Comunicação Profª Me. Taís Vieira ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material

Leia mais

Gestão de Eventos AULA 7. Temas: Captação de Patrocínios

Gestão de Eventos AULA 7. Temas: Captação de Patrocínios Gestão de Eventos AULA 7 Temas: Captação de Patrocínios Captação de Patrocínios Patrocínio é quando uma empresa investe em algo, esperando um retorno positivo, principalmente, para a sua imagem. Para solicitar

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Capacitação de Agentes Gestores de APLs

Capacitação de Agentes Gestores de APLs Capacitação de Agentes Gestores de APLs Fontes de Fomento à Inovação sandro.cortezia@venti.com.br Sandro Cortezia, MSc. Apresentação Nome: Onde trabalha/função: Já elaborou ou foi contemplado em projetos

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio Rodrigues Dias DEIXE O MBA QUE É REFERÊNCIA FALAR POR VOCÊ. OBJETIVO: O MBA em

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Objetivos da Palestra:

Objetivos da Palestra: TerceiroSetor Caracterização e Desafios com Marcos Kisil Objetivos da Palestra: Conhecer o Terceiro Setor: origem, características e papel na sociedade Refletir sobre os desafios atuais do Terceiro Setor

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 14/2014 ANEXO V SISTEMA DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 17 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2: DOS

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR

ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR 1 ANTEPROJETO DE REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS DA FREGUESIA DO LUMIAR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento define as tipologias de apoios a atribuir pela Junta de

Leia mais

Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve

Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve Plano de Negócios (PN): uma visão geral. O que é e para que serve 6 PLANO DE NEGÓCIOS (PN): UMA VISÃO GERAL. O QUE É E PARA QUE SERVE Objetivo específico - Ao concluir este módulo, você vai ser capaz de

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos EDITAL N o 1, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2003 O Conselho Nacional dos Direitos da

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais

Elaboração de Projetos Sociais Elaboração de Projetos Sociais Marco Antonio Pereira 18 DE JULHO DE 2009 PROJETOS E... PROJETOS PROJETO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO Projeto A Projeto E Projeto B Projeto C Projeto D 1 PROJETO INSTITUCIONAL

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

Ferramenta de Gerenciamento

Ferramenta de Gerenciamento Ferramenta de Gerenciamento Yuri Franklin 1 Luis Fernando Nuss 2 yuri.fr@uol.com.br luisnuss@hotmail.com 1 Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), Faculdade de Engenharia de Resende - Resende, RJ, Brasil

Leia mais

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO

14/11: DIA NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADE 1: CARTAZES DE APOIO À ALFABETIZAÇÃO 1. PASSO-A-PASSO DA AÇÃO 1.1 PROPOSTA Divulgação na comunidade de cartazes com dicas de como apoiar a alfabetização das crianças. 1.2 CRONOGRAMA Ajuste esta

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

Orçamento Público: Visão Geral

Orçamento Público: Visão Geral Orçamento Público: Visão Geral Versão para impressão ANEXO: SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - SIOP Atualizado em: fevereiro/2013 Copyright ENAP 2013 Todos os direitos reservados SUMÁRIO ANEXO:

Leia mais

Guia de Finanças Pessoais

Guia de Finanças Pessoais Guia de Finanças Pessoais GUIA DE FINANÇAS PESSOAIS Como estão suas FinanÇas? De onde vem o dinheiro não costuma ser um mistério. Em geral, as pessoas têm uma boa noção de suas receitas, provenientes do

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención.

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención. A incubadora de empresas como experiência de empreendedorismo social no Brasil Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira cirleneoliveira@terra.com.br Rodrigo Matos do Carmo rodrigoc@sebraesp.com.br Modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

Fundação Rotária Instruções para Pedido de Subsídio Equivalente

Fundação Rotária Instruções para Pedido de Subsídio Equivalente Fundação Rotária Instruções para Pedido de Subsídio Equivalente O que são Subsídios Equivalentes? Subsídios Equivalentes ajudam projetos humanitários internacionais implementados graças à cooperação de

Leia mais

REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO

REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO REGULAMENTO 5º PRÊMIO APEX-BRASIL DE EXCELÊNCIA EM EXPORTAÇÃO O BRASIL QUE INSPIRA O MUNDO 1 DO PRÊMIO 1.1 Fica estabelecido o 5º Prêmio Apex-Brasil de Excelência em Exportação O Brasil que inspira o mundo,

Leia mais

Rede de Soluções Criativas(Exitosas?) em Gestão Pública das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES)

Rede de Soluções Criativas(Exitosas?) em Gestão Pública das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SUB-SECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR Rede de Soluções Criativas(Exitosas?) em Gestão Pública das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES)

Leia mais

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Proposta Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Junta de Freguesia de Águas LivresIncumbe ao Estado, em colaboração

Leia mais

MANIFESTAÇÃO PELAS REFORMAS ESTRUTURAIS BÁSICAS. TRANSPARÊNCIA E JUSTIÇA SOCIAL JÁ! www.transparenciajsocialja.com.br

MANIFESTAÇÃO PELAS REFORMAS ESTRUTURAIS BÁSICAS. TRANSPARÊNCIA E JUSTIÇA SOCIAL JÁ! www.transparenciajsocialja.com.br MANIFESTAÇÃO PELAS REFORMAS ESTRUTURAIS BÁSICAS www.transparenciajsocialja.com.br ALERTA BRASIL! PERIGO... NA POLÍTICA FINANCEIRA DO SETOR PÚBLICO, CONTINUAMOS NA ESTACA ZERO. SEM NENHUM CONHECIMENTO.

Leia mais

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 Publicado no DOU de 29/07/15 seção 3 pág. 33 DIRETORIA DE PROGRAMAS E BOLSAS NO PAÍS DPB Coordenação- Geral de Programas Estratégicos CGPE A Coordenação

Leia mais

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL

DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR. Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso ESPECIAL DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR DICIONÁRIO DO EMPREENDEDOR Tenha na ponta da língua os termos que não podem faltar no vocabulário de quem almeja alcançar o sucesso 54 TEXTO MARIA BEATRIZ VACCARI ARTE IVAN VOLPE

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL A Plataforma FAPESC de CT&I é um ambiente de interação

Leia mais

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente.

Guia do Crédito Certo. Para entender e usar corretamente. Guia do Crédito Certo Para entender e usar corretamente. Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Conhecendo o crédito. 1 \ O que fazer para ter uma vida financeira saudável? 2 Para que serve o crédito? 5 O Crédito Certo

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ÂMBITO PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 6/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PATRIMÓNIO CULTURAL ENTRADA EM VIGOR EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA Subsecretaria de Política Fiscal Órgão da SEFAZ PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS RISCOS FISCAIS Breves reflexões sobre o tema. George Santoro BREVE HISTÓRICO: DO ESTADO BUROCRÁTICO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social / Empresa Cidadã tem o objetivo de certificar projetos, a seguir denominados de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP)

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA (ARPA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2015.1230.00053-3 OBJETIVO:

Leia mais

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS

GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS GUIA PARA O GT RECURSOS FINANCEIROS Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades integradas e coordenadas, com o fim de alcançar objetivos específicos dentro dos limites

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ. Plano do Projeto. Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região

PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ. Plano do Projeto. Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região Conselho de Desenvolvimento Econômico, Social e Cultural de Muriaé e Região PROJETO BIBLIOTECA ITINERANTE DO POLO DAMODA DE MURIAÉ Plano do Projeto CONDESC Página 1 I APRESENTAÇÃO O Projeto intitulado

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão.

Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão. Projeto de Norma Operador de Emissivo Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

V OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR MORRINHOS- GOIÁS

V OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR MORRINHOS- GOIÁS V OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR MORRINHOS- GOIÁS OBJETIVOS - Apresentar conceitos básicos sobre gestão de projetos - Instrumentalizar os participantes para a elaboração

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009 Mercado de meios de pagamento eletrônico ANO II Outubro/2009 Objetivo Estudar a utilização dos meios eletrônicos de pagamento e os níveis de satisfação dos consumidores e estabelecimentos comerciais, em

Leia mais

BNDES Pró-estruturação de Projetos

BNDES Pró-estruturação de Projetos BNDES Pró-estruturação de Projetos Guia para Consultorias Junho de 2016 Agenda 1 2 3 O papel dos bancos de desenvolvimento na preparação de projetos de infraestrutura Estudo IFC/BNDES sobre Estruturação

Leia mais

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA

OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA OPERACIONALIZAÇÃO FISCAL DAS DOAÇÕES HENRIQUE RICARDO BATISTA Programa de Voluntariado da Classe Contábil Com o objetivo de incentivar o Contabilista a promover trabalhos sociais e, dessa forma, auxiliar

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Como desenvolver um projeto de pesquisa Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Pesquisa é curiosidade formalizada. É cutucar e indagar com um propósito. (Zora Neale Hurston) A ciência, como um

Leia mais

Instruções para preenchimento do formulário Plano de Ação do Projeto. Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto.

Instruções para preenchimento do formulário Plano de Ação do Projeto. Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto. Capa Secretaria - Escreva o nome da secretaria coordenadora do projeto. Órgão / Empresa - Escreva o nome do órgão ou empresa coordenadora do projeto. Plano de Ação do Projeto Escreva o nome do projeto.

Leia mais

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO REGULAMENTO Realizadora: Instituto Claro, CNPJ: 10.207.232/0001-79, com sede na Rua Flórida, 1970 andar 5 CEP: 04565-907, Cidade Monções São Paulo/SP. 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO 1.1. O Prêmio Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Orientações Gerais para o Mobilizador 1

Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Índice CADERNO 1: ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O MOBILIZADOR 1.1. Mensagem ao mobilizador... 03 1.2. Materiais de implantação do Ciclo 4... 05 1.3. As reuniões: quantas

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão.

Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão. Projeto de REVISÃO de Norma Diretor/ Gerente de Agência de Viagens Texto para discussão. Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

OBJETIVO DAS INSCRIÇÕES

OBJETIVO DAS INSCRIÇÕES CONSTRUINDO A NAÇÃO 2016 Os Grêmios na Comunidade A Vez dos Municípios OBJETIVO Com o objetivo de conhecer, reconhecer e difundir as práticas de cidadania desenvolvidas por estudantes das escolas públicas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA REUNIÃO PEDAGÓGICA 2º

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA REUNIÃO PEDAGÓGICA 2º FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA REUNIÃO PEDAGÓGICA 2º Bimestre Profº Paulo Barreto 1 3. Identificando Oportunidades Parte 1 Há uma grande diferença entre idéia e oportunidade A confusão entre

Leia mais