TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO ALVES SÉRGIO ULISSES LAGE DA FONSECA FOZDOIGUAÇU,2015

2 ÁREATEMÁTICA:TEORIAGERALDAADMINISTRAÇÃO CÓDIGO:TGA TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORASINSERIDASNASPERFUMARIASDACAPITALDESÃOPAULO

3 TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORASINSERIDASNASPERFUMARIASDACAPITALDESÃOPAULO RESUMO AteoriadosdoisfatoresdeHerzbergdefinequeofatorhigiênicoédeterminanteparasatisfazeros funcionários, quando eles são atendidos, evitamainsatisfaçãonoambientedetrabalhoevitandoa desmotivação.paraosfatoresmotivacionaistrásoconceitodepromoverasatisfaçãocomotrabalho queosfuncionáriosrealizame,quandoestãoausentesgeramanãosatisfação,adesmotivação.por essemotivoopresentetrabalhobuscacompreender,identificareanalisarquaisosprincipaisfatores quegeramamotivaçãoedesmotivaçãodasdemonstradorasinseridasnasperfumariasdacapitalde SãoPaulo.Foirealizadarevisãobibliográficaeestudodecasonoqualfoiutilizadoogrupodostrês supervisores da empresa X, para responder um questionário survey, em escala Likert sobre os fatores motivacionais no trabalho, com a proposta de evidenciar em quais conjuntos de fatores (higiênicosoumotivacionais)ocorreamaiorpercepçãodossupervisoressobreosprincipaisfatores queinterferemnamotivaçãonoambienteorganizacional.osresultadosobtidosnoestudodecaso identificou à proposta de tornar mais produtiva a demanda de trabalho do supervisor no acompanhamento de seu grupo de demonstradoras para elaborar e acompanhar programas motivacionais com o objetivo de gerar maior desenvolvimento pessoal e profissional das demonstradoras. Palavras?chave:Motivação,Desmotivação,Teoriadosdoisfatores. ABSTRACT ThetheoryofHerzbergtwofactorsdefinethehygienefactoriscrucialtomeetthestaff,whentheyare met,preventdissatisfactionintheworkplaceavoidingdemotivation.forthemotivatingfactorsbehind theconceptofpromotingjobsatisfactionthatemployeesperformandwhentheyareabsentgenerate no satisfaction, motivation. Therefore this study aims to understand, identify and analyze the main factorsthatgeneratemotivationanddemotivationofdemonstratorsenteredtheperfumeofthecityof SãoPaulo.Theliteraturewasreviewedandcasestudythatusedthegroupofthethreesupervisorsof thecompany"x",toanswerasurveyquestionnaireinlikertscaleonthemotivationalfactorsatwork, with the proposal of evidence on which sets of factors (hygienic or motivational) is the greater awareness of the supervisors on the main factors affecting the motivation in the organizational environment. The results of the case study identified the proposal to make more productive the supervisor of labor demand in the monitoring of demonstrators your group to develop and monitor motivationalprogramswiththeaimofgeneratinggreaterpersonalandprofessionaldevelopmentof demonstrators. Keywords:Motivation,Demotivation,Theoryoftwofactors.

4 1.INTRODUÇÃO Novasprofissõesestãosurgindoparaatenderasnecessidadesdomercado,umadelasea profissãodedemonstradora.namaioriadasempresastratawsedeumavagatemporária,sendoque estafunçãopodeofereceraocandidatonovasoportunidades,alémdeseroprimeiropassoparao mercadodetrabalhojáquenãoexigeexperiência,aprofissãopermitequeostemporáriosatuemem diversasempresasesetores. ADemonstradoraatuaprincipalmenteemcompanhiasdealimentos, higiene e cosméticos, além das empresas de tecnologias e telefonia que começaram a contratar recentemente. Em geral a carga horária de uma demonstradora é de 44 horas semanais e pode incluirfinaldesemana.aremuneraçãopodechegarar1.200,00pôrmêseoscontratosduramde umatrêsmeses. Asprincipaisfunçõesdasdemonstradorasexigidaspelomercadodetrabalhodeacordocom sitedeempregosãoasseguintes(manager,2015): a) Verificar estoque e vendas diariamente, abordar cliente e verificar necessidade real para promoveravenda. b) Garantirlimpezaearrumaçãodosprodutos,solicitarmateriaiseembalagensdeacordocom anecessidade. c) Multiplicar informação sobre os produtos para vendedores, gerentes e consumidores de acordocomosprocedimentosdaloja. d) Controlar e aplicar corretamente material promocional, cumprir roteiros e metas determinadas. e) Manter o bom relacionamento com gerentes e equipe de vendas das lojas. Preencher diariamentefolhadepontoecoletarassinaturadogerente/supervisordaloja. f) Auxiliarsupervisãonacoletadasinformaçõesdevendas,estoque,ruptura,preçoseaçãoda concorrência. Namaioriadasempresasnãoseexigenenhumaexperiênciase/ouQualificações,sendoque oregimedecontrataçãosecombinacomoempregador. Neste contexto, se apresenta o seguinte problema de pesquisa: Quais são os principais fatores que geram a motivação e desmotivação das demonstradoras inseridas nas perfumarias da CapitaldeSãoPaulo? Oobjetivogeraléidentificar,eanalisarquaisosprincipaisfatoresquegeramamotivaçãoe desmotivação no trabalho das demonstradoras no atendimento ao cliente nas perfumarias de São Paulo. Osobjetivosespecíficossão: a) Apresentarosprincipaisaspectosdasteoriasdamotivação. b) Descreveroperfildasdemonstradoras. c) Descrever o plano de metas da organização e sua importância no desenvolvimento do trabalhodasdemonstradoras. d) Identificarosprincipaisfatoresquemotivamedesmotivamnotrabalhodasdemonstradoras. e) Analisar as relações entre as teorias da motivação com os resultados apresentados no trabalhodasdemonstradoras. Aimportânciadoestudosedeveaofatodequeváriasaçõessãotomadasparamotivaras demonstradorasnoseudiaadiadetrabalhonospontosdevenda,quesãoasperfumariasdacapital de São Paulo. Estas ações têm como proposta motiváwlas, para que atuem buscando melhores resultadosnasvendas,sendoqueparaqueistoocorra,osseusdesempenhossãoanalisadospor indicadoresdedesempenhopropostospelagerência. 2.REFERENCIALTEÓRICO O tema motivação tem sido muito abrangente para diversos pesquisadores, de forma predominante na área da psicologia da administração. A Motivação envolve aspectos emocionais, sociais e biológicos que fazem parte de um processo de estímulos voltado para a iniciativa, direcionamento e reação do indivíduo (GIL, 2010, p.2020). Todo ser humano é movido por suas ações,assimamotivaçãonotrabalhoinfluencianadisposiçãoqueocolaboradordaorganizaçãose dispõe para desenvolver suas tarefas de acordo como os objetivos da organização, por tanto, o gestoroulíderdeveestaratentoepreparadoparacompreenderasnecessidadesquemotivamseus funcionários.nestecontexto,gil,(2010,p.202),afirmaque:

5 Omundocadavezmaiscompetitivodosnegócioseexigealtosníveisda motivaçãodaspessoas.empregadosmotivadospararealizarseutrabalho, tanto individualmente como em grupo, tendem a proporcionar melhores resultados. A motivação pode ser entendida como o principal combustível paraaprodutividadedaempresa. PodeWsecompreender,queparaatingirosobjetivosestabelecidospelasorganizaçõesnão depende somente da atitude do gestor, mas também dos fatores motivacionais que compõem o movimentodasaçõesdosfuncionários. De acordo com o referencial o sentido do verbo motivar, quer dizer dar motivo, causa, razão,maximiano(2009,p.268)conceituamotivaçãocomo: Apalavramotivaçãoderivadolatimmotivus,movere,quesignificamover. Em seu sentido original, a palavra indica o processo pelo qual o comportamentohumanoéincentivado,estimuladoouenergizadoporalgum tipodemotivoourazão.motivo,motoreemoçãosãopalavrasquetêma mesmaraiz. Nocampodaadministração,umapessoamotivadaapresentaaltograudedisposiçãopara realizarumaatividadeoutarefanoseudiaadiadetrabalho(maximiano,2009,p.250).dentreas diversas teorias que tratam sobre o comportamento motivacional das pessoas em diferentes ambientes,sãodivididasemdoisgrupos: a) Teoriadeprocesso:procuraexplicarcomofuncionaamotivaçãon b) Teoria de conteúdo: procura explicar quais os principais fatores que motivam as pessoas. De acordo com a teoria de Maslow, Silva e Rodrigues (2007), define que as necessidades humanas podem ser identificadas em diferentes aspectos. Dentre elas estão às necessidades fisiológicas,de segurança,sociais,autoestima eautorealização,quevaideencontrocomaforma hierárquicadeimportânciadeacordocomsuarespostainfluentenocomportamentohumano. Ainda seguindo o raciocínio de Silva e Rodrigues (2007), identifica que as necessidades fisiológicas são aquelas inatas ou biológicas tendo como característica fundamental a urgência, demandandosatisfaçãocíclicaereiteradaparagarantirapreservaçãodaespécieesobrevivênciado indivíduo. Já a necessidade de segurança surge através do comportamento humano quando as necessidades fisiológicas passam por momentos de satisfação, e busca um ambiente ordenado, protegendo o indivíduo de qualquer perigo real ou imaginário, físico ou abstrato. Quando essas necessidadesnãosãosatisfeitas,causamincertezaseinseguranças. Asnecessidadessociaisestãoatreladasaparticipaçãoeaceitaçãoporpartedoscolegas,e vinculadasaociclodeamizadeseafetividadescomopontosaltos.quandoessasnecessidadesnão sãosatisfeitas,conduzemsempreàfaltadeadaptaçãosocialeàsolidão. LogoapóstemWseasnecessidadesdeestimasãoaquelasrelacionadascomaautoavaliação envolvendoaautoapreciação,aautoconfiança,necessidadedereconhecimentoeaprovaçãosocial, de status, prestigio e consideração. Quando essas necessidades não são satisfeitas, podem reter sentimentosdeinferioridade,dependência,desamparoquepodemlevaraodesamino(silva,2001). Anecessidadeautorealizaçãoquesãonecessidadeshumanasqueelevamequeestãonotopoda hierarquia, elas estão também relacionadas com autonomia, independência, autocontrole e competência e são as necessidades que cada pessoa e se desenvolver continuamente como ser humano,gerandooimpulsodoindivíduoasetornarmaisdoqueéeviraser(silva,2001). Deacordocom,SilvaeRodrigues(2007),Maslowobservaqueasnecessidadesfisiológicas, desegurança,sociais,edeautoestimapodemsersatisfeitasderecompensaexternasenquantoque asnecessidadesdeautorealizaçãosópodemsersatisfeitasintrinsecamentecomosentimentode realização,ouseja,quantomaisrecompensamaissatisfação. Diversospesquisadores,taiscomoMaslow,McgregoreHerzberg,afirmamqueamotivaçãoé intrínseca,destaforma,nãosepodemotivarninguéme,quetambémumprofissionalmotivadotende a realizar suas tarefas com maior êxito, produzindo melhores resultados e, como consequência alcançando maior satisfação no ambiente de trabalho. Isto se deve ao melhor posicionado para alcançarbonsresultadosnaorganizaçãoeenfrentarosobstáculosdodiaadia,contribuindodesta formaparaarealizaçãoprofissional.amotivaçãopassaaassumirumpapeldeefeitomultiplicador, sendoqueapessoamotivadacontagiaououtrosfuncionários,formaopiniãoebuscaconvencermais adeptosdeformapositivaounegativa(lima,2007,p.211). Herzbergemseusestudosindicouquefatoresrelacionadosaoconteúdodocargooucoma naturezadastarefasdesenvolvidaspeloindivíduosãofatoresdesatisfação(motivadores),poroutro lado,osfatoresdeterminadospeloambientequepermeiamoindivíduoeligadosacondiçõesdentro

6 dasquaisdesempenhaseutrabalhosãofatoresqueapenasprevinemainsatisfação(manutençãoou higiênicos). Para entender o raciocínio proposto por Herzberg (HERZBERG, MAUSNER e SNYDERMAN,1959)éprecisoterclaroque,dentrodesualinhadepensamentoecomperspectiva docomportamentohumano,oantônimodeinsatisfaçãonãoénecessariamentesatisfação.oinverso de insatisfação pode ser nenhuma insatisfação. O mesmo é válido para a satisfação que pode ter comoopostonenhumasatisfação. FazendoumaanalogiacomaTeoriadasNecessidadesHumanas,deAbrahamH.Maslow, épossíveldeduzirqueosfatoresdemanutençãoestãoligadoscomnecessidadesdeordeminferiore os fatores motivadores com necessidades de ordem superior. Com a mesma linha de raciocínio é possívelfazerainferênciadequesãonecessáriospatamaressatisfatóriosdenenhumainsatisfação nosníveisiniciaisparaquesejapossívelsurgimentodanecessidadedosfatoresmotivadores. O conhecimento desta problemática levou à aplicação da teoria dos dois fatores: os higiênicos e motivacionaisn desenvolvida por Herzberg, levando a interpretar e analisar o posicionamentodosfuncionáriosquantoaoníveldeimportânciadosprincipaisfatoresmotivacionais noambientedetrabalho. No estudo realizado, a motivação é entendida como um estado psicológico em que se encontra um indivíduo em relação a suas necessidades de desejos, vontades, interesses e disposiçãopararealizarumaação,alcançarumobjetivo,umameta.oindivíduoageembuscade autowrealizaçãodeseusinteresses. OpsicólogoFrederickHerzberg(1959)desenvolveapropostadeidentificarosfatoresque interferem na vida do colaborador que causam insatisfação ou satisfação em seu ambiente de trabalho,atravésdateoriadedoisfatoresdividindowosem:fatoreshigiênicosefatoresmotivacionais. Neste contexto, os fatores higiênicos estão relacionados ao salário e benefíciosn condições de trabalhon política da empresan statusn segurança no trabalho e supervisão, enquanto os fatores motivadores estão relacionados aos seguintes fatores: responsabilidaden reconhecimenton desafiosn realizaçãoecrescimentoprofissional,queestãorepresentadosnafigura1 FatoresHigiênicos FatoresMotivacionais Qualidadedasupervisão OportunidadesdePromoção Remuneração OportunidadedeCrescimentoPessoal PolíticadaOrganização Reconhecimento Relacionamentocomoscolegas Responsabilidade Segurançanoemprego Realização 0 AltaInsatisfaçãocomotrabalhoSatisfaçãocomoTrabalhoAlta Figura01:FatoresHigiênicoseMotivacionais Fonte:Chiavenato,(1999,p.287) Deacordocom,Herzberg,osfatoreshigiênicossãoimportantesnasorganizações,masnão sãofundamentaisparasatisfazeroscolaboradores,quandoelessãoatendidos,evitamainsatisfação no ambiente de trabalho, portanto esses fatores evitam a desmotivação. Entretanto, os fatores motivacionais,colaboramparapromoverasatisfaçãocomotrabalhoqueoscolaboradoresrealizam e,quandoestãoausentesgeramadesmotivação.paramaximiano(2009,p.272): Quantomaiorasatisfaçãodosfuncionários,maisaltaéaqualidadedevida no trabalho. Os funcionários podem estar mais ou menos satisfeitos, não apenas com os fatores motivacionais e higiênicos, mas também com os outros fatores, como sua própria educação formal, vida familiar e oportunidadesparadesfrutardeatividadesculturaisesociais. A teoria de Herzberg aponta três fatores importantes que interferem no ambiente de trabalho:ainfluênciadaorganizaçãosobreamotivaçãodocolaboradornaposturadogestoroulíder emrelaçãoaosseussubordinadose,asperspectivasdedesenvolvimentoecrescimentoprofissional do colaborador no trabalho em relação ao cargo que ocupa. A satisfação do colaborador com o trabalhoquerealizaéfatorgeradordemotivaçãoe,nestesentidoarelaçãodolíderougestorcomo funcionáriotambéméentendidocomofatorgeradordemotivação. Herzberg (1968) fez a distinção entre fatores motivadores e fatores de manutenção, estabelecendoosseguintesdiferenciais:

7 a) Os fatores motivadores estão ligados aos aspectos interiores do indivíduo, tais como: realizaçãonreconhecimentonresponsabilidadenascensãondesenvolvimento.sãofatores queproduzemesforçoprópriodecadaumnarealizaçãodastarefas. b) Osfatoresdemanutençãosãoextrínsecosaosindivíduos.Sãoelementosfornecidosao trabalhadorparaodesempenhodesuasatividades,taiscomo:condiçõesdetrabalhon salárionsegurançancontextonbenefíciosnpolíticainstitucional. ParamelhorcompreensãodospensamentosdeHerzberg(1968)énecessárioentendera distinçãoexistenteentremotivaçãoesatisfação: a) Motivaçãoéumapropensãoparaaaçãooriginadaemumanecessidade. b) Satisfaçãoéalgoquesaciaanecessidade. Um exemplo clássico e prático é quando se trata do fator salário, percebewse que muitas pessoas argumentam que este tem a possibilidade de satisfazer as necessidades das pessoas, portantosedistanciadoprocessodeproduzirmotivação.oqueseverificaéqueapercepçãodas pessoasreferenteàsatisfaçãoproduzidapeloaumentodesaláriotende,comopassardotempoase tornarmenosimportanteeatédesaparecer.deacordocomesteraciocínio,acompletasatisfaçãoé umestágioquenãopodeseralcançado,poissempreexistirãoasnecessidadesnãosatisfeitasque conformarão novas condutas de motivação, que exigirão a busca de patamares mais elevados a serem atingidos. Os fatores motivadores fornecem condições para levar as pessoas a fazer opção paraarealizaçãodastarefas,levandowasaalcançarasatisfaçãonotrabalho. 3.METODOLOGIA: Foi realizada revisão bibliográfica sobre os principais conceitos, sobre motivação e comportamentoorganizacional,nestecontexto,foiutilizadoogrupodostrêssupervisoresdaempresa X, para responder um questionário survey, em escala Likert sobre os fatores motivacionais no trabalho,compostopordezquestões,nomêsdemaiode2015,comapropostadeevidenciarem quaisconjuntosdefatores(higiênicosoumotivacionais)ocorreamaiorpercepçãodosfuncionários sobre os principais fatores que interferem na motivação no ambiente organizacional. Foram elaboradasdezquestõestendocomoreferênciaapercepçãoqueosrespondentespossuemquanto aosistemademotivaçãonaorganização,frenteàbaseteóricapesquisada.paramarconielakatos (2007), a entrevista é feita para obter informações a respeito de um determinado assunto, é um procedimentoutilizadonainvestigaçãosocial,paraacoletadedadosouparaajudarnodiagnóstico ounotratamentodeumproblemasocial. FoiadotadaametodologiadeanáliseLikert(1a7).Asquestõesforamdefinidasdeacordo com o nível de intensidade para cada questão que foi definida em dois grupos, primeiramente os fatores higiênicos identificados nas questões 01 a 05 e o grupo dos fatores motivacionais identificadosnasquestões06a10(herzberg,1968). Paracadaquestão,foramdisponibilizadasasalternativasdeacordocomosníveisdaescala Likert:baixaintensidade(01)nmédiaintensidade(04)naltaintensidade(07). BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Na pesquisa foi utilizado um estudo de caso, já que tratouwse de estudos referentes à empresa X. A finalidade da pesquisa através do estudo de caso é entender determinados fenômenos em certo contexto, além de usar métodos múltiplos para coletar dados que podem ser qualitativos e quantitativos. A técnica de estudo de caso necessariamente fundamentawse em uma estruturateóricabemdesenvolvida(yin,2010). Aseguiréapresentadooestudodecasodaempresa X. 4.ESTUDODECASODAEMPRESA X Presente há 85 anos na vida dos brasileiros, a empresa X é uma companhia anglow holandesa que produz bens de consumo em 190 países, nas categorias de cuidados pessoais, alimentos,limpeza,refreshment(bebidasdesojaesorvetes)ealimentaçãoforadolar.contacomum portfóliovastonomercadonacionaleatualmenteestapresenteem100doslaresbrasileiroseé registradooconsumode200produtosdaempresa X,acadasegundonoPaís,comliderançaem

8 segmentos como os de detergentes em pó, desodorantes e sorvetes. No total, cerca de 13 mil funcionáriostrabalhamnaempresa X. Alémdasedeadministrativa,emSãoPaulo(SP),aempresa X contacom,novefábricasem quatro estados São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco e Goiás e mais de 20 centros de distribuiçãonasregiõesnordeste,centrowoeste,sudesteesul.maisde90desuaproduçãolocal évoltadaparaomercadointerno. Nosúltimosanos,foifortalecidoocompromissocomodesenvolvimentosustentávelpormeio de práticas de gestão, comunicação e negócios alinhadas ao Plano de Sustentabilidade da empresa X concebido globalmente e disseminado entre as subsidiárias. Esse compromisso se reflete em ações que vão desde as atividades diretas até a cadeia de valor, envolvendo clientes, fornecedores,consumidores,governosecomunidades. Avisãodaempresa X,exprimeodesejodeinfluenciaratransformaçãodomododevidadas pessoasnparaisso,temcomoprioridadesareduçãodoimpactoambiental,apromoçãodasaúde,da higiene,doconsumoconscienteedobemestareocrescimentoresponsáveldonegócio,demodo quesejacapazdeimpactarpositivamenteasociedadebrasileira A empresa x conta com um quadro de funcionários que atuam como demonstradores no ramodeprestaçãodeserviçoserealizarecrutamentoeseleçãodedemonstradorasparaatuarnas perfumariasdacapitaldesãopaulo. Os valores e crenças da empresa x trata de temas como respeito à diversidade, direitos humanos e sociais, integridade, ética e conduta estão sintetizados no Código de Princípios de Negócios,documentoqueestápresentedesdearotinadasoperaçõesatéosprocessoscomerciais. Mais que uma política, o Código é nosso caminho para garantir o bom funcionamento da estrutura de governança da Empresa x e a conformidade das relações entre a empresa e seus principaispúblicos,comofornecedores,clientes,comunidadeseagentesdopoderpúblico. Oconteúdoestádisponívelnaintranetparaosfuncionárioseétrabalhadoemtreinamentose reciclagens temáticos, em escala anual incluindo a alta liderança. Todo profissional que é contratado pela Empresa x também tem, em seu módulo de integração, uma etapa sobre o documento. TodasessasiniciativassãocoordenadaspeloComitêdoCódigodePrincípiosdeNegócios, que atua em consonância com um comitê global da Empresa x. Além de receber denúncias e contatos diversos, o grupo deve monitorar o cumprimento da política, com apoio das lideranças seniores. Composto da presidência da companhia e dos vicewpresidentes de recursos humanos, finanças e jurídico, o comitê monitora os casos por meio de um sistema gerenciado pelas áreas jurídicaedegestãoderiscos,comapoiodeoutrasequipes,senecessário. O público interno pode entrar em contato por meio de um hotline Após o registro, o casoéenviadoparaaáreaderiscosdaempresa x global,queclassificaocontatoeoredireciona paraamesmaáreadaempresa x Brasil.Cabeaodenuncianterevelarounãosuaidentidade,que será resguardada ao longo do processo, conforme preconizado pelo Código de Princípios de Negócios.Asmedidaspodemresultarempunições,incluindodemissão. 4.1FunçõesdasdemonstradorasnaEmpresa X Asdemonstradorasdesempenhamasseguintesfunções: a) Preenchimentodafolhadepontodiariamente. b) Conferênciadepreçosdosprodutos. c) Preencherorelatóriodevendas. d) Abordagemaoconsumidor. e) Demonstraçãotécnicadosprodutos. f) Desenvolver pelo menos uma ação diferenciada por mês que está composta na PL (ParticipaçãonosLucros)anualdessesfuncionários. O perfil de entrada dessas demonstradoras é voltado para a maturidade, comunicação, disponibilidadedehorário,ensinomédiocompleto,deveterumaboaposturaeboaaparência.afaixa etária está entre 22 a 41 anos. A média salarial do mercado está entorno de R1.180,00. Já os colaboradores da organização, tem como salário base R 1.603,93. E participação de lucros anualmente. Atualmente a estrutura organizacional retêm 26 de colaboradores estudantes com horáriodiferenciadodeterçaasábadodas9:00hsas18:00esegundafeiradas14hsàs18hs,jáas

9 demaisfuncionáriasatuamcomohoráriodas10:00hsas19:00deterçaasábado,esegundafeira trabalhamdas15hsàs19hs. Asreuniõescomasdemonstradorasacontecemmensalmente,nessemomentoagregamos informações sobre rotina de loja, comportamentos, esclarecimento de metas e resultados, reconhecimento de resultados, premiações, treinamento de uma inovação de acordo com o ciclo estratégicodaorganização. Aequipededemonstradorascomcadaumdossupervisoresquefizerampartedapesquisaé apresentadanafigura1e2aseguir: STATUSDAEQUIPE Supervisor1 Supervisor2 Supervisor3 Total Demonstradorasnotimetotal EmFérias LicençaMaternidade Afastamentomédico Emcontratação Gestante(trabalhando) NãoGestante(trabalhando) trabalhando 86 Figura1 Quadrodedemonstradorasesupervisores. Fonte:EstudodeCaso elaboradopelosautores A seguir é apresentado o organograma da empresa x especificando a atuação dos supervisores em relação às demonstradoras (figura 2) Figura2 OrganogramadaEmpresa x Fonte:Sitedaempresa x AseguiréapresentadooPlanodeCarreiradaEmpresa X. 4.1PlanodeCarreiraparaasdemonstradorasdaEmpresa X A avaliação anual de cada colaborador, sempre acontece no final do ano vigente, e é realizadaatravésdedoispilares:entregaderesultados,ecomportamento.esteúltimoestáatrelado a,préwdisposiçãoparaação,mentalidadedecrescimento,foconoclienteeconsumidor,accountability eresponsabilidadeeconstruindotalentoseequipes.nessemomentooscolaboradorespoderãoser classificadosdasseguintesmaneiras:nãoatingidonquandoofuncionáriodemonstrapoucointeresse, muitasfaltaseatestados,etc. O resultado final desta avaliação caracteriza nodesligamentodesse funcionárioemcasodeestagnação,apóstrêsmeses.aavaliação,parcialmenteatingidoobtémeste funcionário comboacondutadevendas, porém deixa a desejar em aspectos comportamentais, ou temboaspráticascomportamentaisenãodesenvolvehabilidadesdevendas.oresultadofinaldessa

10 avaliação caracteriza no melhor desenvolvimento profissional. E caracteriza a permanência do mesmo na função. Já o resultado atingido, o funcionário atende a expectativa da empresa X em comportamentos e vendas. O resultado final dessa avaliação é movimentawlos nos próximos 12 meses,podendoserprorrogado.noresultadodeavaliaçãosuperado,ofuncionárioestáamadurecido paraassumirumanovaposiçãonaempresa X.Essaspromoçõesemovimentaçõessãorealizadas deacordocomaestruturadaorganização,sendoqueopróximopassodosdemonstradorespodem servendedores,supervisoresoualgumaposiçãointerna.essadefiniçãoocorrepormeiodointeresse doscolaboradoreseseuperfilprofissional. 5.ENTREVISTACOMOSSUPERVISORESEANÁLISEDOSRESULTADOS Foi realizada entrevista com três supervisores, aqui denominados de supervisor 1n supervisor2esupervisor3,nomêsdemaiode2015,sendoobtidososseguintesresultados: I?FATORESHIGIÊNICOS: a)qualidadedasupervisão: 1. Como você avalia o nível da qualidade de seu trabalho de supervisão das atividades das demonstradorasnodiaadia(considereosreferenciaisdetempo,deslocamentoequantidade de demonstradoras sob sua supervisão e qualidade do atendimento às suas solicitações Também leve em consideração outras atividades rotineiras cobradas pela sua chefia imediata) Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 4+6+4=14 Comentários: Com uma quantidade menor de demonstradora, teria mais qualidade no atendimentodasvisitasemaisagilidadenassolicitaçõesdaminhachefia. Com uma quantidade menor de demonstradora na equipe, teria mais qualidade no atendimento das visitas e mais agilidade nas solicitações da chefia.(32)demonstradoras. Estamosotimizandoarotaparaaumentarvisitasemlojas. b)remuneração: 2.Comovocêavaliaoníveldesatisfaçãodemonstradopelasdemonstradorassobresistemade remuneração?concordacomoscritériosadotadospelaorganização?temsugestões?quais? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 4+6+4=14 Comentários: Amaioriareconhecequearemuneraçãoebenefíciosestãoacimadoqueé pago no mercado. Lançar desafios adicionais premiando os melhores resultados,comoobjetivodeestimularmelhorperformancedaequipe. Reconhecemqueosalárioeosbenefíciosestãoacimadomercado,porém procuramalgojustificaradesmotivação.comoporexemplo,ganhobemmais querofolgaoufaltamnosábado,ousegundafeira.

11 c)políticadaorganização: 3.Comovocêavaliaoníveldeaceitaçãodapolíticadegestãodepessoasdaorganizaçãopelas demonstradoras?temsugestões?quais? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 6+6+6=18 Comentários: Amaioriatemoslíderescomopessoasdesenvolvidas,qualificadase competentes. Todosossupervisoressãoqualificadoseasdemonstradorasaceitamas estratégiasestabelecidasporeles. d)relacionamentocomoscolegas: 4.Comovocêavaliaonívelderelacionamentodasdemonstradorascomascolegasdetrabalho? Comente. Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 7+6+6=19 Comentários: Elas se falam todo tempo, algumas usam de influência positiva, outras negativas. A equipe tem esse comportamento desenvolvido, pois conseguem manter bons relacionamentos com todos que podem influenciar o trabalho positivamente. Elas conversam bastante entre si, em alguns casos o retorno é negativo, (intrigas,fofocas,einfluenciasnegativas). e)segurançanoemprego: 5.Comovocêavaliaoníveldesatisfaçãodasdemonstradorasquantoàsegurançanoemprego? Comente. Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 4+7+7=18 Comentários: Todas levam muito à sério as normas de SHE quanto à segurança no trabalho. Todos passam por rigorosos processos de normas de segurança estabelecidopelacompanhia.

12 II?FATORESMOTIVACIONAIS: a)oportunidadesdepromoção: 6.Qualoníveldeimportânciaqueasdemonstradorasapresentamemrelaçãoàsoportunidades depromoçãonacarreiraprofissional? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 4+5+3=12 Comentários: Muitas não se sentem preparadas para assumir um cargo de responsabilidadecomo(supervisora).questionamquepoderiamexerceruma função intermediária que as preparassem para assumirem maiores responsabilidades. Poucas demonstradoras apresentam interesse em oportunidades de promoção, não enxergam esse potencial. Mesmo com avaliação anual, e feedback. b)oportunidadedecrescimentopessoal: 7. Qual o nível de importância que as demonstradoras apresentam em relação ao desenvolvimentopessoal(estudoeaprendizagem)? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 6+4+6=16 Comentários: São poucas as demonstradoras que expressam este desejo de fazer uma faculdade,muitasalegamqueaprioridadenomomentosãoosfilhosounão temcondiçõesfinanceiras. Uma minoria tem interesse em estudar e aprender de 32 demonstradoras, apenascincoestudam. c)reconhecimento: 8.Qualoníveldeimportânciaqueasdemonstradorasapresentamemrelaçãoreconhecimento pelosresultadosapresentadosnoseudiaadiadetrabalho? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 7+6+7=20 Comentários: Amaioriasemostramcomprometidasemapresentarresultadossatisfatórios pessoaisecomaequipe. Através de feedback positivos e pontos a desenvolver todas as demonstradorassabemdeseusresultadosmensalmente.

13 d)responsabilidade: 9. Qual o nível de responsabilidade que as demonstradoras apresentam em relação aos seus objetivosemetasaseremcumpridosnoambientedetrabalho? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 5+5+6=16 Comentários: Aindahánecessidadedemaiorcomprometimentodaequipenareduçãode faltaseatestados. Sãocomprometidoscomsuasmetaseobjetivos. e)realização: 10. Qual o nível de importância que as demonstradoras apresentam em relação às suas realizaçõespessoaisporconquistadeobjetivosemetasalcançadas? Intensidade BaixaIntensidade MédiaIntensidade AltaIntensidade Níveis Supervisor1 X Supervisor2 X Supervisor3 X Pontuação: 7+5+6=18 Comentários: Muitas mostram ter esta realização pessoal, porque sabem que a sua contribuiçãonaconquistadasmetaseresultadosfoimuitoimportante. Algumas demonstradoras reconhecem que a empresa cuida de seu funcionárioecontribuiparasuasrealizaçõespessoais. Com o objetivo de identificar o nível de motivação das demonstradoras em relação aos fatoreshigiênicosemotivacionais,osresultadosdasquestõesforamagrupadosembaixaintensidade (níveis01e02)ealtasintensidades(itens06e07)representadasnográfico01. FatoresHigiênicos/Q01aQ05 FatoresMotivacionais/Q06aQ10 Gráfico1WNíveldemotivaçãoemrelaçãoaosfatoreshigiênicosemotivacionais FonteWElaboradopelosautores. Analisando os resultados obtidos agrupandowse os fatores higiênicos e motivacionais, para análisecomparativa,foramagrupadasasquestões01a05,querepresentamosfatoreshigiênicose asquestões05a10,querepresentamosfatoresmotivacionais,comosníveis01e02parabaixa intensidade,nível04paramédiaintensidadeeosníveis06e07paraaltaintensidade,obtevewseos seguintesresultadosapresentadosnosgráficos2e3.

14 FatoresHigiênicos/Q01eQ02 FatoresMotivacionais/Q06 Gráfico2 Resultadosdemenoralcance FonteWElaboradopelosautores ObservaWsequaaquestão01e02sãocríticasetratamdiretamentedefatoreshigiênicos: 1. Como você avalia o nível da qualidade de seu trabalho de supervisão das atividades das demonstradorasnodiaadia(considereosreferenciaisdetempo,deslocamentoequantidade de demonstradoras sob sua supervisão e qualidade do atendimento às suas solicitações Também leve em consideração outras atividades rotineiras cobradas pela sua chefia imediata) 2. Comovocêavaliaoníveldesatisfaçãodemonstradopelasdemonstradorassobresistemade remuneração? Concorda com os critérios adotados pela organização? Tem sugestões? Quais? TratandoWsedefatoresmotivivacionais,aquestãocríticaéa6:Qualoníveldeimportância que as demonstradoras apresentam em relação às oportunidades de promoção na carreira profissional? Gráfico3 Resultadodemaioralcance Fonte Elaboradopelosautores Nosresultadosdemaioraceitaçãotemosquantoaosfatoreshigiênicosaquestão4:Como vocêavaliaonívelderelacionamentodasdemonstradorascomascolegasdetrabalho? Quantoaosfatoresmotivacionais,aquestão8seapresentacomomaioríndicedesatisfação: Qualoníveldeimportânciaqueasdemonstradorasapresentamemrelaçãoreconhecimento pelos resultadosapresentadosnoseudiaadiadetrabalho? 6CONSIDERAÇÕESFINAIS Arelaçãodolíderougestorcomofuncionáriotambéméentendidocomofatorgeradorde motivação. A divisão dos fatores motivadores e desmotivadores em higiênicos e motivacionais facilitou o processo de avaliação das principais causas da motivação e desmotivação das

15 demonstradoras em seu ambiente de trabalho. Assim, de acordo com Herzberg (1968) que fez a distinção entre fatores motivadores e fatores de manutenção, estabelecendo diferenciais, os supervisores se posicionaram quanto às posturas das demonstradoras no ambiente de trabalho, observandowseosseguintespontoscríticos: a) Os fatores higiênicos, de manutenção, são extrínsecos aos indivíduos, são elementos fornecidos ao trabalhador para o desempenho de suas atividades. Assim, os supervisores percebem que sua atuação como líder das demonstradoras precisa ser melhorada, pois o níveldaqualidadedeseutrabalhosupervisionandoeorientandoasdemonstradorasemseu no dia a dia de trabalho está sobrecarregandowos com outras atividades burocráticas. Também como função dos supervisores, ficou evidente que é necessário orientar as demonstradorasquantoaosistemaderemuneraçãoeoscritériosadotadospelaempresa,no sentido de que as sugestões das demonstradoras poderiam ser levadas em consideração, paragerarmaiorcomprometimentocomosresultados. b) Os fatores motivadores estão ligados aos aspectos interiores do indivíduo, são fatores que produzemesforçoprópriodecadaumnarealizaçãodastarefas.ossupervisorespossuema nítidaimpressãoqueasdemonstradorasnogeralsemostramdesinteressadasemrelaçãoàs oportunidades de promoção na carreira profissional. Avaliam que teriam muitas responsabilidades com o novo cargo, sentindowse despreparadas para assumir uma promoção. PercebeWsenestesentidoqueosfatorescríticoshigiênicos,quepossamgerarasatisfação imediata das demonstradoras estão ligados ao processo de maior tempo destinado ao acompanhamentodossupervisores,nosentidodeorientaçãoeacompanhamentodasatividades. Como fator crítico e que deve ser trabalho ligado à motivação é o Plano de Carreira das demonstradoras, que parece estar muito distante da maioria delas. PercebeWse pela visão dos supervisoresqueasdemonstradorasentendemqueodesafiodeserempromovidasestámuitolonge darealidadedelasmesmas.passamassim,aseacomodarnocargoqueocupam,administrandoseu tempo e trabalho, formando grupos para garantir o emprego. Seria importante rever o plano de carreiradecadademonstradoraeproporcursosbásicosetreinamentosparaaformaçãogradualem direçãoaocrescimentopessoaleprofissional. VerificaWse que os pontos negativos tanto no aspecto higiênico como motivacional estão ligadosaospontospositivos,quenavisãodossupervisoressãonaquestãodosfatoreshigiênicoso nívelderelacionamentodasdemonstradorascomascolegasdetrabalhoenosfatoresmotivacionais o nível de importância que as demonstradoras apresentam em relação reconhecimento pelos resultadosapresentadosnoseudiaadiadetrabalho.esteposicionamentorefleteclaramentequeas demonstradoras estão atuando para satisfazer os supervisores, querem deixar claro que estão comprometidascomossupervisores.destaforma,oambienteentreelasédeformaçãodegrupos, sendo que em alguns casos surgem intrigas e conflitos, que são resolvidos pelos supervisores. É muito importante desenvolver o trabalho com o foco no cliente, relacionando os resultados e indicadoresdedesempenhocomfoconasatisfaçãoclientecomorientaçãodossupervisores.assim, com os supervisores atuando em maior tempo com as demonstradoras, poderiam agir como educadores e orientadores dos processos da empresa. Atualmente suas interferências são ocasionais e representam uma situação na qual as demonstradoras querem apresentar resultados paraossupervisoresdeformapontual. REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS CHIAVENATO,I.IntroduçãoaTeoriaGeraldaAdministração.6ª.ed.RiodeJaneiro:Campus, GIL,A.C.GestãodePessoas:enfoquenospapéisprofissionais.1ª.ed.SãoPaulo:Atlas,v.10, HERZBERG,F.nMAUSNER,B.nSNYDERMAN,B.TheMotivationtoWork.[S.l.]:Transaction PublishersnReprintedition,1959. LAKATOS,E.nMARCONI,M.A.Fundamentosdemetodologiacientífica.SãoPaulo:Atlas,2007. LIMA,P.D.B.Excelênciaemgestãopública:atrajetóriadosgestorespúblicos.RiodeJaneiro: Qualimark,2007.

16 MANAGER,2015.Disponivelem:<http://www.manager.com.br/empregosW demonstradora?partner=google_cargos&partner_area=promotor2fdemonstrador&media=demonst radora&gclid=cpvszfqm2cucfvyshwodypwayq>.acessoem:23maio2015. MAXIMIANO,A.C.A.TeoriaGeraldaAdministração:DaRevoluçãoUrbanaàRevoluçãoDigital. 6ª.ed.SãoPaulo:Atlas,2009. SILVA,W.R.nRODRIGUES,C.M.MotivaçãonasOrganizações.SãoPaulo:Atlas,2007. YIN,K.R.Estudodecaso:planejamentoemétodos.4.ed.PortoAlegre:Bookman,2010.

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal Prof. Robson Soares Capítulo 4 Aplicando Pessoas Na gestão de pessoas estudamos seis processos de administração de recursos humanos; processos de agregar pessoas,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA , UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II RECURSOS HUMANOS 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Carlos Alberto Pereira Soares (UFF) carlos.uff@globo.com Wainer da Silveira e Silva, (UFF) wainer.uff@yahoo.com.br Christine Kowal Chinelli

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

20/5/2011. Gestão x avaliação. O ciclo PDCA APO APO. Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho

20/5/2011. Gestão x avaliação. O ciclo PDCA APO APO. Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho Gestão x avaliação O termo gestão do desempenho surge nos últimos anos como conceito alternativo para as técnicas tradicionais de avaliação de desempenho ; Métodos contemporâneos para avaliação de desempenho

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula de Motivação Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Teorias da Motivação? As teorias sobre a motivação, que explicam desempenho das pessoas

Leia mais

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF.

RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. RECONHECIMENTO, OPORTUNIDADES E AUTONOMIA COMO FATOR MOTIVACIONAL. UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF. Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013

Motivando Equipes em Tempos de Crise. Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise Rackel Valadares Maio/2013 Motivando Equipes em Tempos de Crise O que é Motivação? August 26, 2013 Slide 2 2009 GXS, Inc. Motivando Equipes em Tempos de Crise Motivação

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único

ADM. GERAL E PÚBLICA Módulo Único Rua Maria Tomásia, 22 Aldeota Fortaleza/CE Fone: (85) 3208.2222 www.masterconcurso.com.br 2 CONCURSO: TJ-Ce ASSUNTO: EXERCÍCIOS 01. O líder autocrático, na divisão de tarefas, determina quem vai executar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Profª Sandra Regina da Rocha-Pinto /Profª. Lea Mara BeenattiAssaid Currículos Resumidos: Autor Hannah Cláudia Neves de Andrade Graduada em Administração

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Quanto ao discurso dos gestores de Sustentabilidade e de Recursos Humanos, estes demonstraram um alinhamento parcial, com visões similares,

Quanto ao discurso dos gestores de Sustentabilidade e de Recursos Humanos, estes demonstraram um alinhamento parcial, com visões similares, 5 Conclusões Considerando os objetivos principais desta pesquisa de identificar as competências necessárias do Grupo EBX para a Sustentabilidade, é possível condensar algumas conclusões. 1- As competências

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

MANUAL DE RETENÇÃO BARRED S

MANUAL DE RETENÇÃO BARRED S MANUAL DE RETENÇÃO BARRED S A contratação contínua de talentos não pode ser isolada da estratégia geral da empresa, pois o correto recrutamento irá agregar pessoas mais valiosas, trazendo mais resultados.

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário.

Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário. Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário. Autoras : Elissandra Barbosa da Silva Simone Costa Silva Andréa Marques de Maria Francicleide

Leia mais

P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros

P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros Favor indicar sua função na empresa: 37% 23% N=30 7% 13% 7% 13% P&D Marketing/Vendas Produção Financeiro/Controladoria RH e área Corporativa Outros Outros: Agrônomo Agrícola Gestão da Qualidade e Meio

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES

FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES FACULDADE MODELO POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES CURITIBA 2009 MARCOS ANTONIO RIBAS PONT SAMUEL ANDRADE TAUFMANN POR DENTRO DA SENFF ADMINISTRADORA DE CARTÕES Trabalho apresentado à disciplina

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA Código de Ética e de Responsabilidade Social Propósitos A ACE Schmersal tem uma atuação corporativa pautada em valores éticos e morais. Estes mesmos valores regem

Leia mais

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados?

O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? O que uma empresa necessita para manter seus funcionários motivados? A empresa deve ser pensada como organização social, humana. Além das relações decorrentes das tarefas, ocorrem outros relacionamentos

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e

Prof. Fernando Lopes. Unidade II. Administração de Cargos e Prof. Fernando Lopes Unidade II Administração de Cargos e Salários Conforme Chiavenato (2004, p. 267), a avaliação de cargos visa a obtenção de dados que permitirão uma conclusão acerca do valor interno

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Utilizando como ponto de partida os artigos Idéias de Sucesso: Utilizando o Balanced Scorecard escrito por Luis Augusto German, A difícil tarefa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: Perfumaria e Cosméticos Ltda. Nome Fantasia: O Boticário Data de fundação 1981

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP

TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP TÍTULO: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS ESTUDO DE CASO NO RAMO VAREJISTA DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE SANTA ALBERTINA/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CollaborativeBook. número 4. Feedback

CollaborativeBook. número 4. Feedback CollaborativeBook número 4 Feedback Feedback 2 www.apoenarh.com.br Nesta nova publicação abordaremos o tema feedback, usando com o objetivo de instrumentalizar o indivíduo para ação e desenvolvimento.

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Psicologia do Trabalho

Psicologia do Trabalho Psicologia do Trabalho Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 A saúde não é apenas ausência de doença, mas também o completo bem-estar biológico, psicológico e social. (Organização Mundial de Saúde,

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares

Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares Estratégias em Tecnologia da Informação Conceitos Preliminares Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

Motivação. Robert B. Dilts

Motivação. Robert B. Dilts Motivação Robert B. Dilts A motivação é geralmente definida como a "força, estímulo ou influência" que move uma pessoa ou organismo para agir ou reagir. De acordo com o dicionário Webster, motivação é

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DOS FATORES QUE INFLUENCIAM AS CONDIÇÕES DE SATISFAÇÃO E INSATISFAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA RETEP PRESS, MOSSORÓ

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG. GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SEPLAG GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS Alberto Pinto Coelho SECRETÁRIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Renata Maria Paes de Vilhena SUBSECRETÁRIA DE

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Pauline Costa 3, Alessandra Costenaro Maciel 4, Daniel Knebel Baggio 5, Bruna Faccin

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO 1. Este caderno é constituído de 40 questões assim distribuídas: Conhecimentos Gerais, de 01 a 12; e Conhecimentos Específicos, de 13 a 40. 2. Caso o caderno esteja

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos).

RELATÓRIO EXECUTIVO. 1. Objetivos da pesquisa (geral e específicos). RELATÓRIO EXECUTIVO Este relatório executivo mostra resumidamente a pesquisa realizada pelo mestrando JOSÉ BEZERRA MAGALHÃES NETO, com forma de atender à exigência acadêmica como requisito complementar

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Construção Civil: proposta de metodologia para avaliação das necessidades de funcionários visando aumentar a produtividade no canteiro de obras

Construção Civil: proposta de metodologia para avaliação das necessidades de funcionários visando aumentar a produtividade no canteiro de obras Construção Civil: proposta de metodologia para avaliação das necessidades de funcionários visando aumentar a produtividade no canteiro de obras Tárik de Moraes Biló, Lucas Andreatta de Oliveira Graduandos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing

Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Administrador Vendedor Palestrante Professor de Marketing Gustavo Malavota Módulo Consultoria Diretor de Planejamento Experiência Profissional: SENAC-Rio em 2007 como especialista e coordenador

Leia mais

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades Gestão de Talentos Reflexões e oportunidades Gestão de Pessoas : Abordagem Integrada Processos e Tecnologia Alinhamento Pessoas Estratégias Objetivo Gestão de Pessoas Alavancar os resultados da Empresa.

Leia mais