Seleção de Medicamentos Essenciais para o SUS ANA MÁRCIA MESSEDER Assessora Chefe Assessoria Técnica Subsecretaria Jurídica e de Corregedoria/SESDEC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seleção de Medicamentos Essenciais para o SUS ANA MÁRCIA MESSEDER Assessora Chefe Assessoria Técnica Subsecretaria Jurídica e de Corregedoria/SESDEC"

Transcrição

1 Seleção de Medicamentos Essenciais para o SUS ANA MÁRCIA MESSEDER Assessora Chefe Assessoria Técnica Subsecretaria Jurídica e de Corregedoria/SESDEC

2 Declaro apresentar Conflito de Interesse. Sou gestora de saúde e assim, tenho o viés dos defensores do melhor sistema de saúde público do mundo! ANA MÁRCIA MESSEDER

3 Medicamentos Alguns Conceitos

4 Medicamento Instrumento terapêutico mais utilizado Os produtos farmacêuticos sempre oferecem resultados positivos?

5 Inserção dos medicamentos

6

7 O Problema 2 bilhões de pessoas no mundo sem acesso a medicamentos essenciais. 15% da população consomem acima de 90% da produção farmacêutica % do gasto em saúde nos países em desenvolvimento corresponde a medicamentos, comparado com menos de 15% nos países desenvolvidos. World Health Organization (WHO). World Medicines Situation. Genebra: WHO, 2004.

8 O Problema Uso irracional: 50% de todos os medicamentos são prescritos, dispensados ou utilizados inadequadamente. Sistemas de abastecimento pouco confiáveis. 90% dos recursos em P&D são para as doenças dos 20% mais ricos. Só 1% dos medicamentos desenvolvidos nos últimos 25 anos foram para doenças tropicais e tuberculose. World Health Organization (WHO). World Medicines Situation. Genebra: WHO, 2004.

9 O medicamento novo sempre representa a melhor opção terapêutica? Os medicamentos mais recentes e mais caros (patenteados) são verdadeiras inovações, isto é, oferecem alguma vantagem em termos de eficácia, segurança, conveniência ou custo para a maioria dos pacientes?

10 Vinte e três anos de cotação de novos produtos farmacêuticos por La Revue Prescrire Cotação N o 1981 de especialidades a 2003 % farmacêuticas Bravo 7 0,24 Interessante 77 2,68 Traz algum benefício 217 7,56 Eventualmente útil ,85 Nada de novo ,63 Inaceitável 80 2,79 A comissão de redação não pôde se pronunciar 122 4,25 Total Bonfim, José Ruben de Alcântara, 2006.

11 Impacto das Novas Tecnologias: o quanto sabemos

12 Qualidade no Atendimento Tipo do cuidado que é esperado maximizar e capaz, inclusive, de medir o cuidado do paciente, após termos levado em consideração o equilíbrio entre perdas e ganhos esperados que fazem parte do processo em todas as suas partes Donabedian Aplicar o melhor tratamento no momento adequado em tempo hábil para todos os pacientes elegíveis. Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

13 Qualidade no Atendimento Tipo do cuidado que é esperado maximizar e capaz, inclusive, de medir o cuidado do paciente, após termos levado em consideração o equilíbrio entre perdas e ganhos esperados que fazem parte do processo em todas as suas partes Deve ser acompanhada Mensurável Aceitar as limitações inerentes a individualidade de cada paciente Melhor medida é o processo e não o resultado Donabedian Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

14 Qualidade dos Cuidados em Saúde DECISÕES COMPLEXAS CUSTOS QUALIDADE DO CUIDADO NA SAÚDE DIVERSIDADE DA PRÁTICA MÉDICA Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

15 Relativamente estável o número morbidades Complexidade da Prática Médica itens de Medicamentos produzidos (264 classes) Mais de 2000 métodos diagnósticos Paradoxo da medicina Quanto mais evolui, mais cara fica Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

16 Variabilidade da Prática Clínica Variabilidade na prática médica não explicada pelas evidências científicas Relatos de diferenças geográficas no manejo de grupo semelhante de pacientes Custo na área da saúde atingindo patamares insustentáveis

17 Variabilidade da Prática Clínica País Hospital Tempo Médico Diferentes tratamentos para Hipertensão Heparina AAS B Bloqueador IECA CLOPIDOGREL GP IIbIIIa. Cardiology Roundtable, 1998

18 Indústria Farmacêutica A indústria farmacêutica possui os médicos e dita o curso da educação, da pesquisa e, em última análise, da prática da medicina em níveis previamente inimagináveis Sarmiento, A. The pharmaceutical industry and continuing education. JAMA. 2001;286(3):302.

19 Cenário Em eventos científicos, médicos falam favoravelmente sobre drogas de laboratórios ou equipamentos da Indústria que estão patrocinando sua viagem e estadia, sem citar o conflito de interesses. Os laboratórios não publicam os resultados negativos de pesquisas realizadas em centros médicos. Médicos recebem salários por fora de laboratórios e da Indústria de equipamentos a título colaboração pela participação em congressos ou outros eventos. Roberto Luiz d Avila, CFM

20 Influência Pesquisa nos EUA demonstra que os médicos não acreditam ser influenciados pela promoção de medicamentos (61%), entretanto, ao serem questionados se acreditavam que os seus colegas eram influenciados, 84%deles acreditam que os colegas sofrem influência da propaganda!!! Steinman MA, Shlipak MG, McPhee SJ. Of principles and pens: attitudes and practices of medicine housestaff toward pharmaceutical industry promotions. Am J Med May;110(7):551-7.

21 Conflito de Interesses Muitos médicos acreditam que não são influenciados pelas refeições, brindes, hospitalidade e honorários da indústria. É extraordinário como a profissão, composta principalmente de pessoas honráveis e decentes, pode afirmar tal coisa. Afinal, nenhuma indústria farmacêutica distribui o dinheiro de sua participação em um ato de generosidade desinteressada. Michael Rawlins

22 Acesso Acesso deve significar acesso ao medicamento adequado, para uma finalidade específica, em dosagem correta, por tempo adequado e cuja utilização racional tenha como conseqüência a resolutividade das ações de saúde. DISPONIBILIDADE tipo de produto, quantitativo e tipo de serviço necessário e ofertado ACESSIBILIDADE GEOGRÁFICA localização de serviço e localização do usuário ACEITABILIDADE expectativa do usuário e características reais do produto CAPACIDADE AQUISITIVA preço versus capacidade de pagamento QUALIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS perpassa todas as dimensões do acesso

23 Assistência Farmacêutica Por que selecionar?

24 O que é Assistência Farmacêutica? conjunto de ações voltadas à promoção, Trata de um conjunto de ações proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso e ao seu uso racional. Este conjunto envolve: pesquisa; desenvolvimento e produção de medicamentos e insumos; seleção, programação, aquisição, distribuição, dispensação; garantia da qualidade dos produtos e serviços; acompanhamento e avaliação de sua utilização. Objetivo: obtenção de resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população. (Resolução CNS nº 338, de 06 de maio de 2004)

25 Ciclo da Assistência Farmacêutica Princípio básico e norteador para a efetiva implementaç ão da Assistência Farmacêutica. Utilização: Prescrição, Dispensação e uso Seleção Gerenciamento Financiamento Programação Recursos Humanos Sistema de Informações Controle e Distribuição Aquisição Avaliação Armazenamento Marin, Nelly; Luiza, Vera Lucia; Osório-de-Castro, Cláudia G. Serpa; Machado-dos-Santos, Silvio (org). Assistência Farmacêutica para gerentes municipais. Rio de Janeiro: OPAS/OMS, 2003.

26 Por que selecionar? Grande número de especialidades farmacêuticas Melhoria da terapêutica duvidosa Aumento de preços novos medicamentos Aumento dos custos dos tratamentos. SELEÇÃO RACI ONAL DE MEDICAMENTOS Maior eficiência administrativa Adequada resolubilidade terapêutica Racionalidade na prescrição e utilização de fármacos.

27 Por que selecionar? A seleção de medicamentos essenciais tende incrementar a qualidade da prescrição e a facilitar o processo da escolha do medicamento e da dispensação. O abastecimento dos sistemas, inclusive o armazenamento e a distribuição, também pode ser mais regular e eficiente, com economia e racionalização.

28 Por que selecionar? Tende a proteger a saúde dos cidadãos, pois evita o uso de fármacos cuja eficácia terapêutica é duvidosa ou não comprovada por evidências científicas, cujo perfil de risco à saúde pode ser maior do que os benefícios propiciados, de associações de medicamentos sem justificativa clínica ou de duplicidade de fármacos para a mesma indicação clínica.

29 E o que são Medicamentos Essenciais? satisfazem as Medicamentos essenciais são aqueles que satisfazem as necessidades de atenção à saúde da maioria da população. São selecionados de acordo com a sua relevância na saúde pública, evidência de eficácia e segurança e estudos comparativos de custo- efetividade. Devem estar disponíveis em todo o momento, nas quantidades adequadas, nas formas farmacêuticas requeridas e a preços que os indivíduos e a comunidade possam pagar. (WHO, 2002) Acesso em 29/08/2006

30 Seleção de Medicamentos Essenciais? A seleção dos medicamentos essenciais é considerada a pedra angular de uma PNM, orientando todas as ações subseqüentes da assistência farmacêutica e, neste sentido, a constante atualização da Lista de Medicamentos Essenciais, que no Brasil se denomina Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), é uma de suas diretrizes e prioridades.

31 Seleção de Medicamentos Essenciais? Foi no contexto da publicação da PNM, em 1998, e ainda em meio a uma série de indefinições operacionais, que se concluiu a revisão da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais de A RENAME, desde então, sofreu três revisões mais recentes que foram a de 2002, a de 2006 e a de 2008.

32 O Desafio da Avaliação de Novas Tecnologias Como selecionar?

33 Volume de Conhecimento

34 No Continunm da Criação do Conhecimento e do Melhor cuidado Cuidado usual Resultados não alcançados Cuidado População Resultados dos estudos Ciência básica promessa Estudo clínico eficácia população efetividade O valor de terapias comprovadas não são ótimamente percebidas pelos médicos, pagadores e pacientes Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

35 Ciclo de Vida das Tecnologias Adaptado de Banta e Luce por Krauss, L (2003)

36 Características das Tecnologias em Saúde A criação de novas tecnologias é intensiva, acumulativa e não substitutiva. É assimilada com grande rapidez e geralmente incorporada sem avaliação rigorosa de sua eficácia, efeitos colaterais e custos A demanda é induzida pela oferta (se há tecnologia em saúde ela tende a ser usada) Dificuldades de informações objetivas e estruturadas sobre as novas tecnologias lançadas Planejamento da Aquisição e Incorporação de Novas Tecnologias Médicas

37 Incorporação de Tecnologias no Sistema de Saúde Na maioria dos setores econômicos, normalmente uma nova tecnologia vem substituir uma já existente. Na área de saúde, novas tecnologias agregadas ao sistema não têm característica de substituição mas sim de complementação dos métodos já existentes. Criação de novos custos pressões sobre o sistema de saúde Planejamento da Aquisição e Incorporação de Novas Tecnologias Médicas

38 Avaliação de Tecnologias em Saúde A imposição de tecnologia médica, pode gerar, a médio prazo, uma transformação cultural na população, que reforça a nova forma de prática, mediante a criação de uma pauta de consumo, expressa na solicitação ativa por sua utilização. Mário Testa, 1992.

39 Avaliação de Tecnologias em Saúde Categoria de estudos que objetiva prover os tomadores de decisão com informações sobre os possíveis impactos e conseqüências de uma nova tecnologia ou de mudanças significativas em uma tecnologia já estabelecida. Se preocupa com conseqüências diretas e indiretas e com o mapeamento das incertezas envolvidas no uso público e privado e na transferência de tecnologias.

40 Avaliação de Tecnologias em Saúde Um meio para a seleção, aquisição, distribuição e/ou uso apropriado das tecnologias em saúde, incluindo a avaliação de sua necessidade. (OMS, 1994) Fornece um conjunto ordenado de análises sobre as opções tecnológicas e uma compreensão de suas implicações para a economia, o ambiente, os processos sociais, políticos e legais e para as instituições sociais.

41 Avaliação de Tecnologias em Saúde Adaptado do US Congress/OTA por Krauss, L (2003)

42 Avaliação de Tecnologias Alguns Conceitos: em Saúde A eficácia reflete a probabilidade de que um indivíduo seja beneficiado por um medicamento em condições ideais de sua utilização. A efetividade é quando o que é medido é a probabilidade real (na prática clínica diária) de um paciente se beneficiar de um tratamento farmacológico.

43 Avaliação de Tecnologias em Saúde Pesquisa sobre Eficácia e Efetividade: Os instrumentos de medida e/ou identificação de caso estão sujeitos a erros sistemáticos (viés) em função de sua maior ou menor sensibilidade (capacidade para identificar um maior número de casos incluindo inevitavelmente os falsos positivos) e especificidade (capacidade de só incluir casos positivos). Estudo de casos e Série de casos

44 Avaliação de Tecnologias em Saúde Pesquisa sobre Eficácia e Efetividade: Ensaio Clínico Randomizado é um estudo no qual as pessoas são alocadas ao acaso para receber uma de várias intervenções clínicas; É um estudo comparativo e experimental; Habitualmente uma das intervenções é considerada como um padrão de comparação (controle ou placebo). Objetivo: mede e compara diferentes desfechos depois da intervenção Stein, Airton. Ceargs, 2009

45 Avaliação de Tecnologias em Saúde Pesquisa sobre Eficácia e Efetividade: Revisões sistemáticas - uma revisão planejada para responder a uma pergunta específica e que utiliza métodos explícitos e sistemáticos para identificar, selecionar e avaliar criticamente os estudos, e para coletar e analisar os dados destes estudos incluídos na revisão. Os métodos estatísticos podem ou não ser utilizados na análise e na síntese dos resultados dos estudos incluídos. Assim, a revisão sistemática utiliza toda esta estruturação para evitar viés em cada uma de suas partes. Castro, Ademar. Metodologia.org, 2001

46 Avaliação de Tecnologias em Saúde Pesquisa sobre Eficácia e Efetividade: Meta-análises - é o método estatístico utilizado na revisão sistemática para integrar os resultados dos estudos incluídos. Meta-analysis is an important contribution to research and practice but it's not a panacea (BMJ, 1997). Castro, Ademar. Metodologia.org, 2001

47 Avaliação de Tecnologias em Saúde Pesquisa sobre Eficácia e Efetividade: 7 Passos para uma revisão: 1) Formulação da pergunta; 2) Localização e seleção dos estudos; 3) Avaliação crítica dos estudos; 4) Coleta de dados; 5) Analise e apresentação dos dados; 6) Interpretação dos dados; 7) Aprimoramento e atualização da revisão. Cochrane Handbook, 2000

48 Avaliação de Tecnologias em Saúde Alguns Conceitos: A eficiência é definida como sendo a relação entre os benefícios alcançados com o tratamento farmacológico na prática clínica e o custo (valor monetário) pelo qual se supõe obtê-los num contexto de recursos escassos.

49 Avaliação de Tecnologias em Saúde Farmacoeconomia: A avaliação farmacoeconômica consiste em um conjunto de procedimentos ou técnicas relacionadas à identificação, medição e quantificação dos efeitos sobre a saúde e sobre os recursos econômicos, permitindo eleger entre duas ou mais alternativas terapêuticas a que melhor resultado origina para a sociedade. Foco na determinação da eficiência!

50 Avaliação de Tecnologias Eficiência: em Saúde A eficiência técnica é expressa sempre em unidades físicas. Um método de produção é tecnicamente eficiente quando reduz as quantidades de fatores de produção (pessoal, capital e matérias-primas) utilizados para alcançar um determinado resultado.

51 Avaliação de Tecnologias Eficiência: em Saúde A eficiência alocativa/econômica é medida sempre em unidades monetárias. Assim, um método de produção pode ser considerado economicamente eficiente quando minimiza o custo de oportunidade dos fatores utilizados para a obtenção de um dado produto. Vale salientar que a eficiência alocativa pressupõe a existência de eficiência técnica

52 Avaliação de Tecnologias Eficiência: em Saúde O grau de eficiência das intervenções sanitárias (incluindo a farmacêutica) pode ser determinado a partir da relação entre os resultados obtidos e o valor dos recursos empregados para tal fim.

53 Avaliação de Tecnologias Equidade: em Saúde A eqüidade é outro termo essencial na Farmacoeconomia, que prioriza a alocação igualitária de recursos farmacêuticos destinados aos serviços de saúde. Para alguns autores, a eqüidade é uma distribuição justa de determinado atributo populacional que não é necessariamente equivalente a igualdade, embora sejam utilizados, às vezes, como sinônimo. Segundo a literatura econômica, outras noções de eqüidade estão habitualmente vinculadas a: prestação de um mínimo básico de bens/serviços de saúde, utilitarismo, igualdade de oportunidade, igualitarismo e necessidade.

54

55 Incorporando Evidência Evidência na Prática Disseminação difundir o conhecimento científico e os resultados das pesquisas Implementação Assegurar que os achados das pesquisas sejam adotados na prática Prática da evidência Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

56 Protocolos Clínicos CONCEITO ESTUDOS CLÍNICOS DIRETRIZES RESULTADOS PROTOCOLOS CLÍNICOS AVALIAÇÃO DA PERFORMANCE INDICADORES DE PERFORMANCE Dr. Alexandre Souza Hosp. Albert Einstein

57 Benefícios dos Protocolos Clínicos Fonte de informação com autoridade em importantes questões clínicas Avaliação abrangente da literatura científica relevante Fonte e opinião confiáveis de peritos Clarificação de controvérsias Recomendações práticas e específicas para a conduta diagnóstica do paciente Avaliação de conseqüências econômicas entre estratégias alternativas Identificação de pacientes que se beneficiam de intervenções específicas Base útil para avaliação da efetividade na gestão da saúde

58 Comissão de Farmácia Terapêutica Por que montar uma?

59 O que é? A CFT é uma instância colegiada, de caráter consultivo e deliberativo, que tem por finalidade selecionar medicamentos essenciais a serem utilizados no sistema de saúde nos três níveis de atenção, além de assessorar a gestão nas questões referentes a medicamentos. É geralmente composta por profissionais de saúde com várias formações, especialmente farmacêuticos, médicos, enfermeiros e cirurgiões-dentistas. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

60 Qual o seu papel? Seu papel ultrapassa as fronteiras da seleção, estando muito ligado à educação e promoção do uso racional de medicamentos. Por isso, recomenda-se que as Secretarias de Saúde e serviços hospitalares não vinculados diretamente a elas, constituam Comissões de Farmácia e Terapêutica. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

61 Quais as suas funções? O CFT além da atividade de seleção de medicamentos e da elaboração do Formulário Terapêutico deve atuar de forma permanente em diversas atividades, tais como: - Assessoramento Técnico - Investigação - Ações Educativas Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

62 O Assessoramento Técnico: Quais as suas funções? - À Gerência de Assistência Farmacêutica; - Definir critérios para o uso de medicamentos e produtos afins; - Elaborar normas para prescrição, dispensação, medicamentos novos e de uso restrito, visando disciplinar e harmonizar condutas terapêuticas, para racionalizar o uso de medicamentos; - Elaborar e incentivar a adoção de protocolos terapêuticos e diretrizes terapêuticas; - Avaliar pedidos de inclusão e exclusão de medicamentos da relação de medicamentos essenciais. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

63 A Investigação: Quais as suas funções? - Fomentar a investigação sobre utilização de medicamentos e utilizar os resultados como insumo para desenvolvimento de outras funções; - Contribuir com as ações de farmacovigilância; - Promover estudos de utilização de medicamentos (consumo, perfil de utilização, reações adversas, impacto econômico etc). Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

64 As Ações Educativas: Quais as suas funções? - Fomentar e participar de atividades de educação continuada da equipe de saúde sobre uso racional de medicamentos; - Desenvolver e apoiar ações que visem à promoção do uso racional de medicamentos; - Elaborar e divulgar informações sobre os medicamentos para profissionais da saúde e usuários, por meio da Internet, boletins eletrônicos e/ou outros meios. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

65 Qual a sua composição ideal? A composição do Comitê vai depender da disponibilidade dos recursos humanos existentes. Recomenda-se contar com médicos, farmacêuticos, enfermeiros, dentistas, entre outros profissionais de saúde. O critério de participação deve estar vinculado à competência técnica. A composição deve ser multidisciplinar, com representantes da saúde, com destacado conhecimento farmacológico, terapêutico, de clínica médica etc. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

66 Qual a sua composição ideal? Também é importante que os membros assinem uma Declaração de Isenção de Conflitos de Interesses, ou seja, declarem que não possuem relações com instituições que possam comprometer a isenção de seu posicionamento e pareceres, em detrimento dos interesses defendidos pelo sistema de saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

67 Como deve funcionar? É fundamental a elaboração de regimento, onde conste: composição, atribuições e responsabilidades, duração de mandato dos membros, critérios e controle na participação, avaliação e funcionamento geral, de forma clara e bem definida. O regimento também deve definir a metodologia de trabalho e prazo para sua execução. Deve elaborar cronograma das reuniões, definindo pauta, data, local, horário, com comunicação antecipada. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

68 Como deve funcionar? As atividades devem ser documentadas em atas, que devem ser arquivadas. Ao preparar as reuniões, deve-se dispor de documentação adequada e referência bibliográfica para dar suporte ao trabalho. As questões devem ser, preferencialmente, decididas por consenso. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

69 A COMARE e o Processo de Construção da RENAME A principal CFT do país e o seu trabalho

70 COMARE No âmbito nacional, a Comissão Técnica e Multidisciplinar de Atualização da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - Comare é responsável pela seleção dos medicamentos que norteiam a aquisição, prescrição e dispensação de produtos farmacêuticos nos serviços do Sistema Único de Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos/SCTIE/MS

71 COMARE Portaria GM/MS nº 1254 de 29/07/05: constituiu (COMARE) delegou a coordenação do processo ao Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos (DAF), da Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos. Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

72 COMARE Finalidade: - realizar avaliação sistemática da relação dos medicamentos e demais produtos farmacêuticos constantes da RENAME; - indicar as alterações necessárias, com o propósito de selecionar aqueles mais adequados Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

73 Membros: - 22 membros: - 08 Universidades; COMARE - 06 Entidades de Classe (CFF, CFM, SBMT, AMB, SOBRAVIME, SBFTE); - 03 Instâncias Gestoras do SUS (MS, CONASS e CONASEMS) - 06 Representantes do MS (SCTIE, DAF, SAS, INCA, ENSP, ANVISA) Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

74 RENAME O que é? Composto pelo elenco dos medicamentos essenciais, aqueles produtos considerados básicos e indispensáveis para atender a maioria dos problemas de saúde da população. Instrumento orientador da padronização (REMEs e REMUMEs) da prescrição, do abastecimento de medicamentos Mecanismo de redução de custo de medicamentos Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

75 RENAME Processo: Feito através de avaliação comparativa entre vários medicamentos, fortemente orientado pelo paradigma das condutas baseadas em evidências que segue a melhor investigação farmacológico-clínica disponível no momento e que considera o custo comparativo. É a segunda etapa de escolha de fármacos no país, precedida pela seleção reguladora baseada em eficácia, segurança e qualidade, mas que raramente faz comparação entre produtos já no mercado ou de custo. Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

76 RENAME Critérios de Inclusão: - Monofármacos - Denominação genérica (DCB) - Suficiente tempo de uso - Facilidades de estocagem - Múltiplos fabricantes Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

77 RENAME Critérios de Seleção: - sejam registrados no Brasil em conformidade com a legislação sanitária; - aspectos epidemiológicos; - preponderantemente medicamentos com único princípio ativo; - admitindo-se combinações em doses fixas que atendam ao primeiro item; - identificação do princípio ativo, conforme Denominação Comum Brasileira (DCB), ou, na sua falta, pela Denominação Comum Internacional (DCI); Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

78 RENAME Critérios de Seleção: - informações suficientes às características farmacotécnicas, farmacocinéticas e farmacodinâmicas; - menor custo de aquisição, armazenamento, distribuição e controle; - menor custo no tratamento/dia e custo total do tratamento, resguardadas segurança, eficácia e qualidade; Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

79 Critérios de Seleção: RENAME - concentrações e formas farmacêuticas, esquema posológico e apresentações, considerando: a) comodidade para a administração aos pacientes; b) faixa etária; c) facilidade para cálculo da dose a ser administrada; d) facilidade de fracionamento ou multiplicação das doses; e) com perfil de estabilidade mais adequado às condições de estocagem e uso; Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

80 Critérios de Seleção: RENAME - fármacos utilizados até a 2ª linha de tratamento; - valor terapêutico comprovado, com base na melhor evidência em seres humanos destacando segurança, eficácia e efetividade; Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

81 RENAME Critérios de Exclusão: - Medicamentos com eficácia e segurança similares (evitar duplicação) - Recente introdução no mercado - Insuficiente experiência de uso - Efetividade desconhecida (sem medida de relevantes desfechos clínicos em ensaios clínicos randomizados de adequado poder metodológico) Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

82 RENAME Convenções: - (H) uso hospitalar ou em pacientes ambulatoriais que necessitam de atendimento especializado ou ainda quando a administração implique risco à saúde - (R) Uso restrito Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

83 Critérios de Restrição: RENAME Eficazes porém com risco potencial grave: - Uso restrito a determinadas condições; - Uso em programas específicos e a serem prescritos por especialistas; - Alta indução de resistência microbiana; - Medicamentos de alto custo reservados para tratamento de primeira escolha; - Agentes submetidos a controle especial, Portaria 344/98 Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

84 RENAME Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

85 RENAME fármacos - limitou-se a análise isolada das sugestões e demandas vindas de laboratórios e entidades Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

86 RENAME 2006 Inovações: - Pareceres - inclusão, exclusão, alteração; - Revisão de DCB; - Revisão ATC; - Revisão de Formas Farmacêuticas - Padronização de terminologias de Forma Farmacêutica; - Tabela contendo os fármacos que somente sofreram alteração de forma farmacêutica. Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

87 RENAME 2006 Alterações: - exclusão 57 medicamentos; - inclusão 34 medicamentos, 02 vacinas e uma droga (nicotina); - Total: 328 fármacos, 08 correlatos e 34 imunoterápicos, em 457 apresentações Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

88 RENAME 2008 Alterações: - exclusão 01 medicamento; - inclusão 13 medicamentos; - Total: 340 fármacos, 08 correlatos e 34 imunoterápicos, em 457 apresentações Lopes, Luciene C. DAF/MS, 2008

89 Obrigado! Ana Márcia Messeder Assessora Chefe da Assessoria Técncia - Subsecretaria Jurídica e de Corregedoria/SESDEC Tel/Fax: (21) , ,

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

A Propaganda de Medicamentos no Brasil

A Propaganda de Medicamentos no Brasil A Propaganda de Medicamentos no Brasil As principais propagandas de medicamentos no Brasil tiveram início ainda na década de 80 do século XIX. Desde então, o que se constatou foi um crescimento contínuo

Leia mais

As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica

As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica As Ciências Farmacêuticas e a Pesquisa Clínica 4ª Jornada de Ciências Farmacêuticas UEZO 26 de maio de 2015 Maria Hermoso (VPPLR/Fiocruz) Introdução Pesquisa clínica A pesquisa clínica no Brasil O papel

Leia mais

Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011

Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011 Farmácia Hospitalar Número 15 Outubro/Novembro 2011 Comissão de Farmácia e Terapêutica Dra. Sonia Lucena Cipriano Farmacêutica bioquímica. Diretora Técnica de Departamento da Saúde Assistência Farmacêutica

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa.

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa. PORTARIA NR 07/DGP, DE 27 DE JANEIRO DE 2009 (Aprova as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exército) - Transcrição O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/2012. Acordo de Empréstimo LN 7513 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 78/0 Acordo de Empréstimo LN 753 BR COMPONENTE SAÚDE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA OBJETIVO: Prestação de Serviços Técnicos especializados de Consultoria para Assessoria Jurídica de

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

FARMACOECONOMIA: UM INSTRUMENTO DE EFICIÊNCIA PARA A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

FARMACOECONOMIA: UM INSTRUMENTO DE EFICIÊNCIA PARA A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA EXPOSIÇÃO DIALOGADA FARMACOECONOMIA: UM INSTRUMENTO DE EFICIÊNCIA PARA A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA MARIA ENEIDA PORTO FERNANDES Profa. Assistente da UFC/ FFOE/ Depto de Farmácia Farmacêutica da SESA/ Hospital

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI), o Instituto Ethos e as

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes SUS EM EXERCICIOS PARA A SECRETARIA DE SAÚDE DO DF. LEI 8.080/90 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar AS Saúde Suplementar e a inclusão de novos procedimentos no Rol da ANS XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 21 Junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal, vinculada

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. EDITAL PF no. 007/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM DOSE UNITÁRIA - OPINIÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE AS MUDANÇAS NO PROCESSO DE TRABALHO FARHAT,Eleide Margarethe 1 SANTOS, Danielle Teixeira 2 TOMCZAK, Maria Isabel 3 AMARAL,

Leia mais

Administração e Organização Industrial

Administração e Organização Industrial Administração e Organização Industrial Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Engenheiro Eletricista UCP Mestre em Finanças IBMEC/RJ fabini.alvarez@ucp.br Módulo I Conceitos Básicos 1. Organizações e Administração;

Leia mais

Fórum Região Sudeste Belo Horizonte 21 a 23 de julho de 2015. Sanitária. Gisélia S. Souza FFAR/ISC/UFBA

Fórum Região Sudeste Belo Horizonte 21 a 23 de julho de 2015. Sanitária. Gisélia S. Souza FFAR/ISC/UFBA Fórum Região Sudeste Belo Horizonte 21 a 23 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 4 -O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Gisélia S. Souza FFAR/ISC/UFBA EIXO 4 Questões norteadoras sobre o trabalhador

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Gestão da Assistência Farmacêutica. São José do Rio Preto - SP

Gestão da Assistência Farmacêutica. São José do Rio Preto - SP Gestão da Assistência Farmacêutica São José do Rio Preto - SP Objetivos da Assistência Farmacêutica: Assegurar o acesso da população à farmacoterapia de qualidade. Promover o uso racional de medicamentos.

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 333 33/2014 Brasília, janeiro de 2014. Princípio Ativo: sildenafila Nomes Comerciais 1 : Escitan, Tantrix, Escitan, Havante, Videnfil, Sollevare, Suvvia, Dejavu, Ah-zul, Vasifil, Virineo,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA

PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PAPEL DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Silvana Araujo Rodrigues de Oliveira¹ Fernanda Junges² RESUMO: A organização da Assistência Farmacêutica caracteriza-se por ações

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RELATÓRIO. Participantes

RELATÓRIO. Participantes RELATÓRIO Da audiência pública para discutir o cenário do fornecimento de órteses e próteses no Brasil, realizada, no dia 7 de julho de 2009, conjuntamente pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas.

AUDITORIA CONTÁBIL. Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Controle Interno Os problemas de Controle Interno encontram-se em todas as áreas das empresas modernas. Exemplo: vendas, fabricação, compras. Quando exercido adequadamente sobre uma das funções acima,

Leia mais

Política Nacional de Educação na Saúde

Política Nacional de Educação na Saúde III Seminário Nacional de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde Política Nacional de Educação na Saúde 13 a 15 de outubro de 2008 CONTEXTOS DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE A Constituição Federal

Leia mais

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução)

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG PERÍODO LETIVO: 2015.2 CURSO: ENFERMAGEM - TURNO: NOTURNO 5º PERÍODO A AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação

ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I. Da Apresentação ESTATUTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE BRASIL CAPITULO I Da Apresentação Art. 1º O presente Estatuto orienta a organização, as competências e o funcionamento do da Biblioteca Virtual em Saúde Brasil (BVS

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM.

REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM. REGIMENTO DA COMISSÃO DE PADRONIZAÇÃO E QUALIDADE DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES - CPQMMH DO HUJM. Artigo. 1 o O presente Regimento estabelece o funcionamento da Comissão de Padronização e Qualidade

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2008 Regulamenta a criação de Empresas Juniores na Universidade de Taubaté. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo n R-057/2007, nos Artigos 6 a 8, 81 ( 1 ) e

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids

Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids Darunavir de 600mg comprimidos revestidos como terapia antirretroviral para adultos infectados pelo HIV/Aids N o 139 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE EDUARDO FAVERO ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Auditoria

Leia mais

Incorporação de Tecnologias no SUS

Incorporação de Tecnologias no SUS Incorporação de Tecnologias no SUS Seminário Inovação Tecnológica em Saúde no SUS IS SES/SP Fernanda Laranjeira Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde Departamento de

Leia mais

Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde

Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE Política Nacional de Gestão de Tecnologias em Saúde Brasília DF 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico.

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico. INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia enfrentamos diferentes tipos de riscos aos quais atribuímos valor de acordo com a percepção que temos de cada um deles. Estamos tão familiarizados com alguns riscos que chegamos

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado PMI Espírito Santo Política de Voluntariado Diretoria de Filiação e Voluntariado Índice 1. Introdução...3 2. O Trabalho Voluntário...4 3. O PMI-ES e o Trabalho Voluntário...4 4. Expectativas do PMI-ES

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS GEO 01 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma:

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: 1. Governança 1.1.Liderança 1.1.1.Pessoas e competências 1.1.2.Princípios e comportamentos 1.1.3.Liderança Organizacional

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS CONGONHAS DIRETORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Délio José Kipper, PhD djkipper@pucrs.br Edmund Jenner - 1796 Pasteur (1822-1895) 1895) Tuskegee 1930-1970 1970 Walter Reed 1901 Auto-Experimenta Experimentação

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS ESTADO DO CEARÁ Prefeitura Municipal de Farias Brito LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 Dispõe sobre o plano de cargos, salários e carreira dos servidores da Prefeitura Municipal de Farias

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Introduzir ações de regulação em um sistema de saúde requer um diagnóstico apurado de uma série de processos

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Projeto Integrado Multidisciplinar I e II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar I e II Manual de orientações - PIM Cursos superiores de Tecnologia em: Gestão Ambiental, Marketing, Processos Gerenciais

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde EDITAL DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM: GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PARA PRECEPTORES DO SUS, GESTÃO DA CLÍNICA NAS REGIÕES DE SAÚDE;

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Título I. Dos Princípios Gerais

Título I. Dos Princípios Gerais CORDENADORIA DO NPJ Criado pela Resolução 01/99 Colegiado Superior REGULAMENTO Dispõe sobre o funcionamento da Coordenadoria do Núcleo de Prática Jurídica e seus órgãos no Curso de Graduação em Direito.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná CEP - Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA Estado de São Paulo Procuradoria Geral PROJETO DE LEI No. 104/08 Dispõe sobre a criação de empregos de Agente Comunitário de Saúde, junto ao Quadro de Pessoal da Prefeitura do Município de Piracicaba, nos termos da Lei Federal nº 11.350/06

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014 RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Janeiro a Dezembro/2014 Brasília 2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 METODOLOGIA... 07 CANAIS DE COMUNICAÇÃO COM O CIDADÃO...

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais