ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD"

Transcrição

1 ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS DA CONSTITUIÇÃO DA PRIMEIRA TÓPICA DO APARELHO PSÍQUICO EM FREUD Eloy San Carlo Maximo Sampaio- IP-USP Psicólogo, mestrando em Psicologia Clínica IP- USP, Bolsista FAPESP 2011/2013 Eva Maria Migliavacca-IP-USP Professora Titular do IP -USP Psicanalista da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo. Resumo: A teoria freudiana não é um corpo homogêneo. Com isso se designa que existem avanços e recuos por toda a obra. Tal característica é tributária ao modo de investigação e elaboração próprio da psicanálise. As amplas mudanças ao longo de toda história da psicanálise permite a indagação sobre a manutenção ou não da unidade epistemológica ao longo do projeto freudiano. Assim o presente trabalho objetiva discutir os embates epistemológicos existentes nos primeiros textos freudianos. São analisados dois momentos, o primeiro composto por uma série de textos denominados pré-psicanalíticos e o segundo composto pelos estudos que estruturaram a primeira tópica do aparelho psíquico. Como conclusão é apontada a dificuldade de se afirmar a existência de uma ruptura epistemológica, ainda que as mudanças no corpo teórico-conceitual tenham sido de grande relevo. Palavras-chave: Psicanálise freudiana, textos pré-psicanalíticos, primeira tópica, epistemologia A psicanálise freudiana tem por característica apresentar um modo de desenvolvimento não linear. Ao longo de quase cinquenta anos de produção nota-se que uma série de problemáticas emergem, são desenvolvidas, abandonadas, para, por vezes, retornarem anos depois. Essa característica não está fundada na capacidade inventiva de Freud, mas sim é decorrente do método de investigação psicanalítico. A abordagem dos fenômenos se dá por meio desse caminho tortuoso, no qual a complexidade das análises feitas vai progressivamente impactando de maneira cada vez mais incisiva o corpo teórico e a prática clínica. Dessa maneira é possível falarmos que a obra freudiana é constituída por avanços e recuso. Estaríamos diante de uma heterogeneidade inerente à psicanálise. Esse quadro possui duas facetas: a dimensão conceitual e a epistemológica. No que diz respeito a primeira alternativa é ponto consensual a existência de uma não linearidade. Vários conceitos são criados e modificados no decorrer da proposta freudiana. Libido, narcisismo, pulsão, inconsciente, identificação são apenas alguns exemplos de uma lista que corrobora esse argumento e que poderia ser longamente estendida.

2 Todavia ao considerarmos o quadro epistemológico a afirmação da existência de uma ruptura ou de uma continuidade da obra freudiana se mostra bem mais problemática. Existe uma série de autores que tecem argumentos pertinentes para ambas posições, o que nos indica que esse é um campo fértil para reflexão. Assim o presente trabalho objetiva discutir a condição epistemológica do pensamento freudiano no processo de constituição da primeira tópica. O recorte adotado aborda a passagem dos textos ditos pré-psicanalíticos para a Interpretação dos sonhos. Os textos a serem trabalhados são: Sobre as afasias (1981), Projeto para uma psicologia científica (1895) e as cartas trocadas com Flies, em especial a carta 59 datada de Encontramos uma série de autores que nos auxiliam a obter uma resposta sobre esse problema. As respostas oferecidas nem sempre são coincidentes e por vezes se colocam em franca oposição. De maneira ressaltada serão trabalhadas os textos de Ricoeur (1977), Monzani (1989) e Garcia-Roza (1984,2001) Tais escritos transitam entre duas compreensões: as que são continuístas, ou seja, que propõem que não é possível falarmos em ruptura do discurso freudiano e as que são descontinuistas, que entendem que a Interpretação dos sonhos é um saber absolutamente inaugural e que está apartada dos escritos anteriores à Garcia-Roza (1984) no seu livro Freud e o inconsciente propõe que essa passagem para Traumdeutung foi de fato uma ruptura. Os textos anteriores à essa obra ainda seriam pré-psicanalíticos e estariam assentados em uma matriz biológica, fisicalista e quase que exclusivamente mecanicista. Analisando a passagem entre o Projeto... e a Interpretação dos sonhos o autor propõe que Certas ideias do Projeto, e dentre elas algumas referentes à natureza do processo onírico, serão retomadas no famoso capítulo VII de A interpretação dos sonhos. Isso fala a favor da tese continuísta (...). No entanto, apesar da semelhança temática, veremos como a problemática freudiana sofre um giro que propriamente instaura o discurso psicanalítico. (...). É o próprio capítulo VII da Traumdeutung, herdeiro do Projeto, que vai romper essa resistência e o giro teórico já se anuncia no próprio título do livro: A interpretação de sonhos. O sonho tem um sentido, e esse sentido é correlativo do trabalho de interpretação. A explicação neurológica cede lugar a uma decifração do sentido (GARCIA-ROZA, 1984, p. 60).

3 Ou seja, a ruptura em questão seria a passagem de um método eminentemente explicativo para outro calcado na busca de sentido, na interpretação, ou em outras palavras, na hermenêutica. Ricoeur (1977) compreende a obra freudiana como estando edificada sob uma dupla epistemologia : a energética e a hermenêutica. Para Ricoeur não existiria uma ruptura epistemológica do pensamento freudiano devido ao fato de que tanto o energetismo, quanto a busca de sentido, sempre se fizeram presentes, o que significa dizer que os escritos de Freud se apresentam, de imediato, como um discurso misto, até mesmo ambíguo, que ora enuncia conflitos de força justificando uma energética, ora relações de sentido justificando uma hermenêutica (p.67) Todavia apesar de defender a inexistência de uma fratura epistemológica também não é proposto uma continuidade absoluta do pensamento freudiano. Os primeiros escritos desse autor seriam mais próximos de uma concepção energética, ao passo que as obras mais maduras presariam prioritariamente pela busca de sentido, pela hermenêutica. Monzani (1989) possui uma interpretação particular sobre o estatuto epistemológico da teoria freudiana nesses primeiros anos que articula tanto a posição continuísta, quanto a descontinuista. Para esse autor ambas visões contam com argumentos pertinentes, todavia ao se radicalizar suas propostas alguns problemas insolúveis emergem. No que tange à primeira possibilidade seria muito difícil explicar a total linearidade de um pensamento ao nos depararmos com construções inaugurais presentes na Interpretação dos sonhos, como por exemplo: 1) circunscrição e um fechamento mais claros do campo do inconsciente (...). 2) uma divisão do sistema psíquico em subsistema mais diferenciados, cada um deles tendo leis e regras próprias de funcionamento (...). 3) uma articulação muito mais clara da teoria psicanalítica do desejo e de sua diferença com relação a necessidade (...). 4) a grande obra de A interpretação dos sonhos nesse mesmo nível teórico foi, pensando o inconsciente como um subsistema do sistema psíquico, codificar metodicamente o seu modo particular e característico de funcionamento, desvelando, assim, de maneira extremamente clara pela primeira vez as propriedades desse objeto por excelência do discurso psicanalítico (MONZANI, 1989, p.139).

4 Contra a tese descontinuísta alega-se que os binômios energética/ hermenêutica ou ainda explicação/ interpretação não se apresentam nunca em sua forma pura. Embora inicialmente seja mais visível um apelo energético e explicativo, tal como pode se perceber no Projeto..., seria completamente errôneo não reconhecer que a interpretação e a hermenêutica possuem uma grande contribuição, uma vez que seriam elas que forneceriam o fenômenos que posteriormente seriam tratados de um modo mais positivo. Para Monzani (1989) a aposta exclusiva na continuidade ou no seu oposto na descontinuidade epistemológica não é a melhor estratégia para entender a obra de Freud, afinal Tudo parece indicar que a possibilidade ou de um Freud que sempre disse a mesma coisa ou de um outro que em alguns momentos abandonou tudo para repensar a teoria a partir de outras e novas perspectivas é uma falsa alternativa (MONZANI, 1989, p.302) Assim uma alternativa mais fértil seria aquela que conseguisse articular a continuidade e a descontinuidade, entendendo as contribuições e limites de cada uma dessas opções. Monzani oferece então duas metáforas para descrever a obra freudiana: o pêndulo e a espiral. A condição pendular diria respeito a uma característica dos escritos de Freud de abordar um determinado fenômeno, desenvolvê-lo, para depois se ocupar do seu contrário. Esses dois pólos aparentemente estanques seriam integrados no final e constituiriam uma unidade. De maneira concomitante também se observa que alguns objetos são tratados em determinados pontos da obra freudiana e retomados anos depois, mas nunca na mesma posição. O nível de complexidade das análises e o impacto que as construções estabelecidas tem para a clínica e a teoria são largamente diferentes. Como exemplo podemos citar o caso do conceito de ego, que aparece no projeto, ganha uma compreensão diferenciada nos escritos metapsicológicos, para em 1923, no texto O ego e o id ser retomado em um outro patamar. Fica claro então a existência de uma multiplicidade de compressões sobre a condição epistemológica da psicanálise freudiana, em especial no que diz respeito aos seus primeiros anos. Dessa maneira cabe agora analisarmos alguns aspectos dos textos freudianos, para entender o que neles consiste em uma ruptura ou em uma continuidade.

5 O processo de constituição da primeira tópica. Em 1900 Freud publica um livro que ocuparia um dos lugares de destaque no conjunto de sua obra. A Interpretação dos sonhos contribuiu de maneira decisiva para a psicanálise. É nesse escrito que é exposto o método interpretativo, fundamental para o desvelamento do inconsciente. Por meio de uma análise de vários elementos oníricos, Freud demonstra que aquilo que normalmente era considerado desprovido de importância e sem sentido poderia na realidade guardar uma profunda verdade sobre o sujeito. Na interpretação dos sonhos podemos observar passo a passo o processo de investigação sobre o inconsciente e como Freud diante de uma massa de dados tenta propor uma sistematização e universalização das suas descobertas. É esse o objetivo do capítulo VII da Traumdeutung, no qual é explicitado a primeira tópica do aparelho psíquico. Além da celebre divisão entre Inconsciente, Pré-consciente e consciente cabe observar alguns elementos constitutivos dessa primeira tópica, uma vez que ela fundamentalmente diz respeito a a) um recurso metafórico para explicar os fenômenos mentais. Freud deixa isso claro ao acentuar que existem processos mentais que se sucedem uns aos outros e que não se deve procurar um correlato biológico das instâncias propostas. b) Ao diferenciar as instâncias Inconsciente, Pré-consciente e Consciente Freud recorre a disponibilidade mnêmica. O inconsciente seria composto pelos resquícios mnêmicos impedidos de acenderem diretamente à consciência, o pré-consciente seria composto pelos conteúdos mnêmicos que podem se tornar conscientes mediante um aumento de catexia e a consciência propriamente dita seria a instância que se ocupa com a imediaticidade de estímulos, internos ou externos, não comportando memória alguma. c) A primeira tópica surge no interior da obra A interpretação dos sonhos, na qual é discutida o mecanismo de formação e funcionamento do universo onírico. É proposto que o sonho é composto de imagens, mas que estas aparecem, se condensam, se deslocam, de maneira a constituir um texto, ou seja, que o sonho é um veículo de linguagem. A constituição dessa linguagem, bem como suas vicissitudes, são determinadas pelas características do aparelho psíquico, o que nos permite afirmar que

6 outra dimensão da primeira tópica é ela apresentar o psiquismo como um Aparelho de Linguagem. Essa série de características nos remetem a alguns textos anteriores à A consideração destes textos é fundamental por permitir uma visão mais rigorosa sobre a continuidade ou ruptura empistemológica no interior do pensamento freudiano. A primeira obra a ser considerada trata-se do escrito Sobre as afasias de Nele Freud tece críticas a teoria localizacionista, que propunham que todos os dados de linguagem possuíam uma correspondência ponto por ponto com o aparelho nervoso central. Para o autor os diversos estímulos sensoriais que seriam responsáveis pela linguagem não estariam em um lugar específico do cérebro, mas sim dispersos de maneira que para a emergência da linguagem haveria a necessidade de uma associação. Rejeitamos portanto as hipóteses segundo as quais o aparelho de linguagem é constituído de centros distintos, separados por regiões corticais isentas de funções, e além disso as hipóteses segundo as quais as representações (imagens mnêmicas) que servem para a linguagem estejam acumuladas em determinadas áreas corticais (...). Só nos resta pois formular a concepção segundo a qual a região cortical da linguagem é uma área contínua do córtex, no interior da qual se efetuam, com uma complexidade que desafia a compreensão, as associações e as transferências sobre as quais repousam as funções da linguagem ( FREUD, apud, GARCIA-ROZA, 2001, p.36-37) Ao abandonar a noção de impressão neurológica Freud se aproxima de uma visão mais dinâmica da relação entre aparelho nervoso e linguagem. Cabe observar que nesse momento ainda não ocorre uma superação completo das referências neurológicas, todavia ao abandonar o localizacionismo Freud começa a desenvolver uma ideia muito importante para a posterior constituição da primeira tópica: a noção de aparelho mental. A linguagem surgiria a partir de associações complexas de dados, regulada por um princípio que em parte superaria a mera condição biológica. É no texto sobre as afasias que Freud propõe a noção de Aparelho de linguagem. Um aspecto importante do Aparelho de linguagem é que ele funciona como modelo para se pensar o inconsciente, o que o transforma no primeiro aparelho da alma, antecipando-se àqueles que Freud nos apresenta no Projeto de 1895 e em A interpretação de sonhos (GARCIA-ROZA, 2001, p.28).

7 Um segundo texto que também é fundamental é o Projeto para uma psicologia científica, escrito em Nele Freud tenta esboçar uma explicação para o funcionamento mental a partir de uma base neurológica. Segundo o autor A intenção é prover uma psicologia que seja ciência natural: isto é, representar os processos psíquicos como estados quantitativamente determinados de partículas materiais especificáveis, tornando assim esses processos claros e livres de contradição (FREUD, 1985/1996, p.347). Há de se considerar que o Projeto... impactou várias obras posteriores de Freud, como o capítulo VII da Interpretação dos sonhos, Além do princípio de prazer (1920) e também algumas passagens do Ego e o id (1923). Todavia também deve-se atentar que a afirmação da existência de um continuum entre essas obras é problemática. O Projeto se baseia na diferenciação de três tipos de neurônios ( e de maneira que eles formam um sistema e a circulação de um tipo de energia específica denominada de Q. A diferenciação básica entres esses elementos repousa inicialmente no fato de que existe uma condição mutuamente excludente entre os neurônios responsáveis pela recepção de estímulos ( ) e aqueles responsáveis pela retenção dos efeitos dessa estimulação, ou seja, pela memória ( ). Segundo Freud Existem neurônios permeáveis (que não oferecem resistência e nada retêm), destinados à percepção, e impermeáveis (dotados de resistência e retentivos de Q ), que são portadores da memória e, com isso, provavelmente também dos processos psíquicos em geral. Daqui por diante chamarei ao primeiro sistema de neurônios de e, ao segundo, de. (Freud, 1895/1996, p.352) Cabe observar a semelhança entre esse aparelho neuronal e as formulações sobre o aparelho psíquico desenvolvidas a partir de 1900, principalmente no que diz respeito ao caráter de exclusividade entre a percepção e a retenção do traço mnêmico. Além dos neurônios e. também existiria uma terceira classe, denominada de. Esse último grupo neuronal seria responsável pela dimensão qualitativa da mente, sendo responsáveis pela dimensão simbólica e pelas possibilidades de significação. Estaria ligado a essa classe as primeiras formulações sobre o ego, que é compreendido nesse momento da elaboração freudiana como o agente regulador dos níveis de Q que circulam no sistema.

8 Um terceiro texto a ser considerado é a carta 52 da correspondência entre Freud e Flies. Garcia-Roza propõe que essa obra está situada a meio caminho entre o Projeto e o capítulo 7 de A interpretação dos sonhos, ela opera a passagem do modelo isomórfico para um modelo abstrato do aparelho psíquico (2001, p.203). É possível constatar que nessa carta existe uma diferenciação entre a dimensão biológica do aparelho mental e a formulação analógico-metafórica sobre o mesmo, Freud inclusive faz referência a dois registros interligados, mas diferentes, denominando um de fundamento orgânico e o outro de superestrutura (FREUD, 1896/1996, p.286). No que tange ao aspecto superestrutural Freud propõe um modelo que conta com cinco elementos. Nesse modelo se tem que W remete às percepções, Wz à indicação de percepção, Ub inconsciência, Vb pré consciência e Bews à consciência. Mais uma vez nota-se a condição mutuamente excludente entre memória e percepção. Os conteúdos mentais seriam formados a partir da de W, ou seja, eles proveriam das percepções. A medida que houvesse um aumento catexial tais elementos transitariam para os outros níveis. Isso significa que qualquer elemento coletado pela percepção poderia em algum momento ascender a consciência, todavia além da falta de catexia um outro fato dinâmico também poderia interferir nesse processo, a saber, o recalcamento. Tal condição é entendida nesse momento como uma defesa contra conteúdos mentais especialmente penosos, capazes de provocar desprazer. Normalmente, esses conteúdos seriam de natureza sexual, principalmente aqueles que seriam vivenciados na infância. Conclusão Desse modo agora estamos em condições de assinalar algumas características desses modelos precursores da primeira tópica do aparelho psíquico. No que diz respeito aos pontos de ruptura pode ser assinalado que O Aparelho de Linguagem, o Aparelho, e ou ainda o modelo presente na carta 52 sempre tendem para uma representação real. Situação bem diferente da notada a partir de 1900, momento no qual Freud explicitamente tece uma concepção metafórica do aparelho psíquico. Porém também se percebe elementos comuns a esses dois momentos da obra freudiana. O primeiro é a insistência da linguagem como fator constitutivo do aparelho

9 psíquico. É essa condição que podemos constatar desde a obra sobre as Afasias e que se fará presente ao longo de toda A interpretação dos sonhos. Também é possível citar o caráter constitutivo da memória para as várias instâncias psíquicas. Se no Projeto ela irá atuar para a separação entre duas classes de neurônios, posteriormente ela será convocada para ser um dos elementos diferenciadores das instancias Inconsciente, Préconsciente e Consciente. A memória em todos os modelos é sempre colocada em uma posição de exclusividade em relação à percepção. A partir da carta 52 da correspondência entre Freud e Flies é desenvolvida uma concepção de aparelho psíquico como um fenômeno de distribuição energética temporal, no qual os signos de percepção incidem sobre o sujeito obedecendo uma seqüência. É nessa carta também que aparece pela primeira vez o termo Pré-consciente, já denotando a aproximação com as elaborações pós No campo epistemológico é difícil afirmar uma ruptura completa, uma vez que várias ideias centrais dos escritos anteriores de 1900 ainda permanecem nas posteriores obras freudianas. Porém isso não significa dizer que uma continuidade pura e simples seja mais defensável, afinal é claro o acento biológico-neuronal sobre o aparelho mental nos primeiros escritos, ao passo que após a Interpretação dos sonhos essa característica e substituída por uma noção analógico-metafórica. Assim, tendemos a partilhar da posição de Ricoeur (1977) que propõe que a novidade da teoria freudiana está assentada na recusa de escolha exclusiva de duas matrizes epistemológicas aparentemente distintas, no caso a energética e a hermenêutica. A teoria freudiana faz com que um sentido brote das relações de energia, ao passo que a busca de significação parece ser um dos momentos das explicações econômicas. Esse quadro também nos aproxima das explicações propostas por Monzani (1989), que concebe o pensamento freudiano a partir da metáfora da espiral e do pendulo. Rupturas que apesar de amplas não são totais e continuidades de alguns pontos fundamentais parecem nos autorizar a falar que existe uma unidade epistemológica nos primeiros anos da obra de Freud. Referências bibliográficas FREUD, S. (1891) Sobre as afasias. Em: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1996.

10 (1895) Projeto para uma psicologia científica. Em: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. XI. Rio de Janeiro: Imago Editora, (1897) Carta 52. Em: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Vol. XI. Rio de Janeiro: Imago Editora, GARCIA-ROZA, L.A. Introdução à metapsicologia freudiana 1. Rio de Janeiro: Zahar, (1983) Freud e o inconsciente. Rio de Janeiro: Zahar MONZANI, L. R. Freud o movimento de um pensamento. Campinas: Unicamp, RICOEUR, P. Da interpretação: ensaio sobre Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1977.

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br RESENHA Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br Resenha da obra: Didática: embates contemporâneos Maria Amélia Santoro Franco (org.)

Leia mais

Entrevista com Pierre Fédida

Entrevista com Pierre Fédida Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., IV, 1, 168-174 Entrevista com Pierre Fédida (Concedida a Paulo Roberto Ceccarelli em Paris, no dia 27 de julho de 2000) 168 Há algum tempo o Sr. tem utilizado a expressão

Leia mais

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO

ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO 1 ELEMENTOS DA HOMINIZAÇÃO Ao descobrir a Psicanálise Freud se defrontou com a inesperada necessidade de lançar mão de conceitos que pertencem a outras ciências como a Antropologia e a Lingüística, já

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica

Negativo: espaço, tempo e história [1] espaço delimitado por um tempo e um momento que faz notação histórica Negativo: espaço, tempo e história [1] Marcela Toledo França de Almeida [2] Universidade de Brasília UnB O sujeito se funda pela ausência do que um dia fez marca em seu corpo, espaço delimitado por um

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Mentira - o avesso da Verdade?

Mentira - o avesso da Verdade? Mentira - o avesso da Verdade? Christian Ingo Lenz Dunker A educação formal e informal nos ensina que não devemos mentir. A mentira deve ser evitada e a sinceridade prezada acima de tudo. Se exigirmos

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA Carla Monteiro de Souza* Em todos os tempos existem homens, eles existem no seu tempo e continuarão a existir enquanto alguém contar a

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR Alexandre de Medeiros Motta 1 RESUMO O campo da comunicação é um espaço emocionante para ser sondado e explorado pela pesquisa, principalmente aquelas

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar

Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar Ana Paula Berberian 1 Daniel Vieira da Silva 2 Claudia Regina Mosca Giroto 3 Podemos acompanhar um descompasso em relação aos avanços expressos

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Daniel Senise Fernando Cocchiarale

Daniel Senise Fernando Cocchiarale Texto publicado no catálogo da exposição do artista na XX Bienal de São Paulo, em 1989 Fundada na necessidade essencial de marcar sua diferença em relação à representação naturalista, elaborada pelo Renascimento,

Leia mais

II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL

II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL MINISTRANTE: Claudia Figueiró Souza, orientadora educacional, psicopedagoga e grafóloga, especialista

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 (DES)ARTICULAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NOS CURSOS DE LETRAS: IMPLICAÇÕES PARA AS DISCIPLINAS DE PRÁTICA DE ENSINO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA I E II. Cássia Regina

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915)

Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Laboratório de Ensino PULSÕES E SEUS DESTINOS (1915) Flávia Lana Garcia de Oliveira (Doutoranda em Teoria Psicanalítica pela UFRJ Bolsa CAPES no Brasil e Bolsa doutorado sanduíche FAPERJ Université Paris-Diderot

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

Editora Ferreira Projeto Redação sob Medida

Editora Ferreira Projeto Redação sob Medida Editora Ferreira Projeto Redação sob Medida Aula 06 Construção do texto expositivo-argumentativo: I etapa Retomando a aula interior, insistimos que o texto dissertativo das expectativas das bancas é o

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Resenha: Universidade pública & iniciativa privada: os desafios da UNICAMP diante da globalização Silva, Sidney Reinaldo da

Resenha: Universidade pública & iniciativa privada: os desafios da UNICAMP diante da globalização Silva, Sidney Reinaldo da www.ssoar.info Resenha: Universidade pública & iniciativa privada: os desafios da UNICAMP diante da globalização Silva, Sidney Reinaldo da Veröffentlichungsversion / Published Version Rezension / review

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA

AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA AS PRÁTICAS DE ALFABETIZAÇÃO E A CONSTRUÇÃO DA LEITURA E DA ESCRITA PELA CRIANÇA Eliane Aparecida Galvão dos Santos 1 Dóris Pires Vargas Bolzan 2 Resumo Este trabalho é um recorte da pesquisa de Mestrado

Leia mais

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL Resumo Bruno da Silva Piva Picon 1 - UFPR Sérgio Camargo 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Formação de Professores e

Leia mais

RESENHA CRITICAL REVIEW

RESENHA CRITICAL REVIEW CAMPOS, R. O. Psicanálise & Saúde Coletiva: Interfaces. São Paulo: Hucited, 2012, 172 p. A autora é médica, formada pela Universidad Nacional de Rosario (UNR), na Argentina, pós-graduada, no Brasil, pelo

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

Normas para os ensaios

Normas para os ensaios Normas para os ensaios REGRAS DA ELABORAÇÃO DE UM ENSAIO I. Noção O ensaio escolar é uma pequena peça escrita de análise de determinado problema, com vista a identificar uma questão, discorrer sobre ela

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais