A aplicabilidade do business intelligence na gestão pública

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A aplicabilidade do business intelligence na gestão pública"

Transcrição

1 A aplicabilidade do business intelligence na gestão pública Luiz Claudio Silveira Ramos (PUCPR) Denis Alcides Rezende (PUCPR) Resumo Exercendo o foco direto na utilização dos conceitos e preceitos do Business Intelligence, este estudo fundamenta um estudo de campo voltado a uma instituição de seguridade social no âmbito da gestão pública. Sua aplicação, suas dificuldades, suas vantagens, suas desvantagens são sistematizadas segundo experiências vividas pelos pesquisadores autores. A arquitetura fundamentada segundo utilização real permite a imagem da massa de dados e de informação originada no projeto voltado à construção de um software, o qual possui dentre seus módulos um componente específico voltado ao Business Intelligence. As outras sessões descrevem a divisão feita no Sistema Gerenciador de Banco de Dados, a definição de elementos chave os quais permitem a utilização do Business Intelligence, a aceitação dos usuários do software perante a utilização da ferramenta adotada e algumas opções de ferramentas disponíveis no mercado. Formas de utilização e de resultados do módulo construído fazem objetiva referência ao benefício que classificou a construção da solução tecnológica. Como conclusão, o trabalho contribui com apoio significativo à gestão administrativa, especialmente no auxílio à tomada de decisão na esfera pública. Palavras chave: Projeto de Gestão Pública; Business Intelligence; Sistemas de Informação e do Conhecimento. 1. Introdução O caso evidenciado neste estudo refere-se a uma instituição de seguridade social, formalizada e registrada em âmbito da gestão pública. Esta instituição desenvolveu, com a ajuda de empresas especializadas, um projeto voltado à construção de um software, onde uma das tarefas principais foi à construção de um módulo ou componente do sistema chamado Business Intelligence (BI), o qual foi construído com base em necessidades de gestão e dados efetivamente disponíveis em sistemas internos e externos. O projeto foi originado segundo a concepção de um sistema de informação e do conhecimento, e a sua implementação contemplou dados utilizados por sistemas de informação transacionais - pertencentes ao nível operacional da instituição - na forma de informação gerencial. O cunho prático do módulo citado era a maneira correta de sistematizar em nível de BI dados até então utilizados por outros módulos do sistema como controle de fluxo de processos ou mesmo de controle voltado ao dia a dia organizacional e que claramente poderiam colaborar com informações gerenciais precisas e objetivas, facilitando a tomada de decisão na gestão pública. Para tanto, parte do projeto foi especificamente dedicada à implementação de técnicas voltadas ao conceito de BI, sendo a aplicabilidade destas técnicas o grande objetivo deste estudo. 2. Metodologia de pesquisa A metodologia de pesquisa teve sua natureza aplicada, onde sua abordagem foi caracterizada como uma pesquisa exploratória. A ênfase desse trabalho está na elaboração de um estudo de ENEGEP 2004 ABEPRO 4754

2 campo em uma instituição de seguridade social no âmbito da gestão pública (GIL, 2002). 3. Gestão pública e new public management A gestão pública é um largo campo de discussão sobre as intervenções políticas dentro do governo executivo. As características dos instrumentos das intervenções de políticas são regras institucionais e rotinas organizacionais que afetam o planejamento das despesas, a gestão das finanças, a administração pública, as relações civis de trabalho, as compras, a organização e os métodos, a auditoria e a avaliação (BARZELAY, 2001). A nova gestão pública ou a new public management (NPM) pressupõe aplicar nas organizações públicas os modelos de gestão originalmente oriundos da iniciativa privada e dos conceitos de administração estratégica focada nos negócios empresariais e nos conceitos de empreendedorismo (OSBORNE; GAEBLER, 1992). Esses preceitos acrescentaram mais pressão nas burocracias para tornar as organizações públicas mais responsivas para os cidadãos como clientes participativos. Sem dúvida, é um avanço importante na contemporânea administração pública (VIGODA, 2002). 4. O ambiente voltado para a implementação Os sistemas responsáveis por colher os dados da instituição, inclusive as informações de fluxos dos processos organizacionais, formam um conjunto de dados que unido às necessidades do projeto em questão formam um conjunto tecnológico de necessidades de processamento voltadas à implementação física que podem ser representadas segundo a Tabela 1: ATIVIDADE Módulos do Sistema Levantamento de requisitos, produção de casos de uso. Fluxos de processos, formas de tramitação de documentos internamente a entidade. Modelo de dados Número de Classes Tamanho do código fonte Arquitetura Fonte: (dados retirados de estatísticas geradas pelo próprio projeto) NÚMERO 18 módulos inter-relacionados. 148 casos de uso. 7 fluxos principais de processos administrativos, sendo cada um deles com 30 sub-fluxos em média. 330 tabelas nas três instâncias de banco de dados classes de objetos. 1,5 Gb. Servidor de aplicação independente do servidor de banco de dados. Tabela 1 Atividades e números do projeto O projeto foi desenvolvido utilizando soluções Oracle como ambiente de programação, servidor de banco de dados e servidor de aplicação. Os ambientes envolvidos no projeto eram distintos e separados por: desenvolvimento, homologação e produção. Todos os módulos produzidos através de linhas de códigos feitas por programadores pertencentes ao projeto tinham seus testes efetuados no ambiente de desenvolvimento, sendo este aprovado então haveria a possibilidade de inserção do código fonte compilado no ambiente de homologação. Somente os módulos que obtivessem um aceite formal perante a luz da empresa contratante no ambiente de homologação, poderiam ser implementados em ambiente de produção. Para atender a dimensão do modelo de dados, o projeto teve o auxílio de software especializado em desenho de banco de dados relacional, o qual além de armazenar a configuração necessária ao banco de dados, gerava scripts prontos a serem executados nos ambientes de desenvolvimento, homologação e produção da aplicação. A solução adotada teve como princípio a separação do servidor de banco de dados do servidor de aplicação para permitir um balanceamento mais objetivo no aspecto segurança e performance de respostas. ENEGEP 2004 ABEPRO 4755

3 O tempo de desenvolvimento deste projeto foi de 20 meses, onde em média foram consumidos 40 homens/mês. 5. A divisão do banco de dados do projeto A composição do banco de dados da aplicação e a forma necessária de acesso aos dados levantaram a necessidade de dividi-lo em três instâncias distintas. A divisão atendeu o seguinte critério: Instância número 1: própria para o armazenamento de dados relativos ao controle dos fluxos de processos administrativos, os quais diariamente estão compondo um histórico de atividades executadas perante aos processos, sendo possível à tramitação dos mesmos internamente a organização; Instância número 2: própria para o armazenamento de dados de cunho geral, onde se estabeleceu as necessidades gerais da aplicação; Instância número 3: própria para o armazenamento de dados que são utilizados como base para cálculos atuariais projeções futuras com base em cálculos estatísticos - onde uma camada da aplicação denominada BI faria o manuseio de informações dirigidas à tomada de decisão da organização perante os aspectos ligados a cálculos atuariais e financeiros. O balanceamento feito na divisão das três instâncias do banco de dados permitiu a aplicação performances significativamente melhores, segundo testes efetuados com o auxílio de técnicos da empresa Oracle. É importante salientar o papel da instância três a qual armazenou dados específicos que iriam ser trabalhados junto ao conceito de BI, para auxiliar gestores da organização inclusive no entendimento de cenários atuariais ao longo de 75 próximos anos. 6. Os elementos chave do business intelligence (BI) As utilizações ideais dos conceitos e preceitos do BI residem na necessidade de definição de uma business area, além da construção de cubos e regras de acesso a dados ou mesmo as informações. O sistema gerenciador de banco de dados (SGBD) Oracle oferece como parte de seus componentes de banco de dados, um software denominado Discover, o qual determina aplicações e transformações de informação com base nos conceitos de BI. A utilização do Discover tornou-se fundamental no projeto para que os dados (e as informações) armazenados na instância três do banco de dados fossem selecionados de forma dinâmica e objetiva por parte dos usuários da aplicação. As exigências do Discover passaram em primeiro momento pela definição da business area onde um usuário dotado de privilégios altos de acesso e modificação de dados obtinha permissão de definir quais as tabelas do banco de dados devem fazer parte da área de negócio e quais usuários poderiam ter acesso à mesma. Na construção da área de negócio o usuário administrador definiu, além das tabelas, o nome da área de negócios e quais os perfis dos usuários que terão acesso às tabelas selecionadas. Após a definição da business area outros usuários puderam acessar as tabelas do banco de dados selecionadas para business área onde o usuário possuía acesso. Foi permitida ao usuário a seleção de tabelas ou campos pertencentes ao business area na qual ele possui autoridade de acesso. O passo seguinte feito em relação a business area foi à determinação na forma de construção dos cubos. Os cubos foram compostos de diversos campos de diversas tabelas, os quais ENEGEP 2004 ABEPRO 4756

4 possuíam inter-relação entre si, e que podem a qualquer momento determinar uma consulta ao banco de dados e formatar uma saída de informação ao usuário. Ou seja, o usuário determina onde e quando gostaria de acessar informações e de que tabela ou campo as informações são compostas. A construção de cubos mostrou-se ser um procedimento de médio a grande risco, onde envolve a necessidade de conhecimento do usuário com relação às interdependências físicas e lógicas do banco de dados, mas é sem dúvida um ponto muito positivo e auxiliador na demanda de informação por parte de gestores da informação. Construídos então a business area e os cubos necessários, o usuário teve também a possibilidade de determinar regras ou filtros para o acesso aos dados armazenados no banco de dados. Inicialmente os filtros possibilitaram o afunilamento das informações, por exemplo, pode não ser necessária à busca em forma de resultado do endereço de todos os clientes compostos em determinado segmento da empresa, pode-se solicitar então somente dados de clientes de determinado segmento ou que possuem sua renda associada à determinada faixa salarial ou de arrecadação. Os filtros foram feitos para facilitar e auxiliar a performance dos resultados obtidos pelo usuário. Neste ponto o projeto teve como terminadas as definições necessárias das três camadas de acesso, a própria business area, os cubos e os filtros. No entanto o usuário possuía a necessidade de inserir cálculos ligados a determinados resultados obtidos em consultas feitas de acordo com as suas necessidades. Assim, o módulo permitiu ao usuário a determinação de regras de cálculo ou de condições que permitem a visualização de informações já criteriosamente calculadas ou trabalhadas. Estas regras foram comumente chamadas de cálculos internos, onde o usuário definiu qual campo ou quais campos deveriam ser somados, subtraídos ou sofrer qualquer tipo de operação. Assim, definidos business area, cubos, filtros e regras, finalmente a utilização do conceito BI pode se tornar uma realidade. 7. A utilização do business intelligence (BI) A organização estudada criou uma política de uso voltada ao conceito de BI, onde somente gestores ou gerentes deveriam ter acesso a esta possibilidade sistêmica. Os gestores são pessoas, em sua maioria, não ligadas ao mundo tecnológico ; assim a organização se deparou com uma realidade cruel referente à utilização por parte de recursos humanos que não tinham a devida intimidade com a ferramenta tecnológica, apesar de muitos treinamentos terem sido efetuados. Destacaram-se pessoas que efetivamente já possuíam em seu histórico a utilização de recursos de tecnologia da informação, onde a ferramenta Discover foi muito bem aceita. Os procedimentos avaliados pelo estudo se fazem diretamente ligados aos usuários que utilizaram a ferramenta como forma de apoio à decisão. Estes verificaram a grande colaboração dada pelo conceito de BI onde os mesmos conseguiram executar consultas até então impossíveis de serem feitas. A cada consulta feita, utilizando-se de cubos previamente preparados, o usuário poderia repetir dentro do instante em que fosse necessário - somente pressionando uma tecla - a ação que determinava a atualização do cubo. Os resultados mais práticos foram encontrados quando os usuários selecionavam seus dados via execução de cubos e exportavam os mesmos ao Microsoft Excel. Utilizando-se dos conceitos e dos métodos pertencentes ao conceito de BI, a solução adotada permitiu aos usuários adotarem outros dois pontos importantes: a visão sob múltiplos ângulos - slice and dice - beneficiada pela facilidade em mover colunas e linhas pertencentes aos ENEGEP 2004 ABEPRO 4757

5 resultados esperados e obter novos posições com muita facilidade, porém a forma de visualização em diferentes níveis de agregação de informação também fez parte da forma de utilização do produto pelos usuários, este último comumente chamado de drill down up. Ainda, casos de grande aceite foram verificados junto a usuários que permanentemente utilizavam a forma gráfica de representação dos dados selecionados no cubo como forma de verificação de resultados. 8. A aceitação do business intelligence (BI) por usuários De modo geral, a organização aceitou a utilização do BI, porém é importante salientar que alguns usuários não encararam o fato positivamente relacionado a utilização da ferramenta proposta. As resistências foram criadas e justificadas pela alta complexidade de uso da ferramenta. Formas de treinamento foram buscadas na tentativa de minimizar as restrições impostas por usuários, principalmente para aqueles que demonstraram maior resistência perante a utilização do módulo, porém, ainda assim, alguns deles continuaram sendo resistentes a sua utilização. Os resultados efetivos da utilização das informações, principalmente de cunho gráfico determinaram o sucesso do módulo de BI do projeto, foram ainda importantes para o sucesso à interface ligada ao Microsoft Excel, além do grande poder de o próprio usuário determinar as informações as quais deseja ou necessita verificar. O conceito geral do módulo BI não determinou fatores importantes ligados à reputação de alta complexidade do produto e sim à grande dependência de treinamento aliado ao processo de implantação do mesmo. 9. As vantagens encontradas na utilização do business intelligence (BI) Como vantagens à utilização do BI encontradas no estudo pode-se destacar: Resolução de necessidades do usuário de forma on-line - os usuários que tinham a devida autoridade de acesso, encontravam na ferramenta uma forma de verificar números e posições atualizadas ao longo de um determinado período de trabalho. Originalmente os dados utilizados para comporem as informações mostradas no módulo BI pertenciam a outros módulos do próprio sistema, bem como a outros sistemas transacionais; Fácil acesso a dados e informações - a construção dos cubos, os quais pertencem a determinadas business area permitiam aos usuários o acesso a informações consolidadas segundo um formato pré-estabelecido nos cubos construídos pelo usuário administrador; Controle de segurança efetivo - o controle de nível de acesso às informações utilizado foi o mesmo controle de segurança utilizado no restante do sistema; Interface com o Microsoft Excel - todos os resultados expressados no módulo BI podiam ser exportados a uma planilha do Microsoft Excel, isto foi possível devido à compatibilidade entre as duas ferramentas; Possibilidade de aliar cálculos/fórmulas e regras de acesso à informação - uma vantagem muito significativa tratava da possibilidade de o próprio usuário alterar os resultados segundo cálculos ou mesmo fórmulas originadas segundo dados externos ao ambiente do sistema, por exemplo, taxas cambiais, assim como havia a possibilidade de alteração de determinado cubo na medida de necessidades que levavam a inclusão de novas regras préestabelecidas de acordo com a necessidade dos usuários; Grande e significativo auxílio à tomada de decisão - por caracterizar-se como um módulo que atende por pertencer a sistemas ligados ao nível tático e estratégico das organizações, as informações resultantes do módulo BI tinham forte ligação com o auxílio na tomada de ENEGEP 2004 ABEPRO 4758

6 decisão da instituição. 10. As desvantagens encontradas na utilização do business intelligence (BI) Como desvantagens a utilização do BI encontradas no estudo pode-se destacar: Grande necessidade de treinamento - as ferramentas utilizadas para a construção do módulo mostraram objetivamente a necessidade de um treinamento específico tanto para usuários finais como para usuários administradores; Possibilidade de consultas congestionarem a rede de dados e o próprio banco de dados - as consultas comandadas pelo cubos originavam cálculos e demais procedimentos, os quais eram executados utilizando parte da quantidade de memória disponível ao sistema gerenciador de banco de dados, e se não bem formatados os cubos acabavam utilizando grande parte do espaço de memória disponível; Falta de divulgação do produto internamente - no caso estudado, tanto os benefícios quanto as desvantagens deixaram de ser colocadas em nível de discussão, evitando assim formas alternativas de melhorias e de soluções de eventuais dificuldades na utilização da ferramenta. 11. As ferramentas de mercado Segundo Barbieri (2001) os três produtos listados a seguir deverão desempenhar um papel de grande importância em relação às necessidades de BI nos próximos anos, quais sejam: Business Information Warehouse BW da fabricante alemã SAP - líder mundial de sistemas de gestão empresarial; Oracle Express, produto da empresa Oracle, empresa líder de mercado no Brasil no segmento de BI (vide Tabela 2); Analysis Services da Microsoft, que tem a seu favor a liderança mundial de sistemas operacionais e de software de automação de escritório (MS Office), bem como a familiaridade na utilização da interface Windows. Utilizando como parâmetro de comparação é importante salientar uma pesquisa divulgada (MARTINEZ, 2001) sobre as maiores empresas no segmento de BI atuantes no mercado brasileiro em 2000 (Tabela 2): RECEITAS No segmento Business Intelligence Informática em Total geral Empresa (R$ x 1.000) Porcentagem (R$ x 1.000) (R$ x 1.000) 1 Oracle Brasil (SP) ,3 % IBM Brasil (RJ) ,4 % SAS Institute (SP) ,2 % Ascential (SP) ,9 % Computer Associates (SP) ,5 % Sybase (SP) ,8 % NCR (SP) ,3 % Cognos (SP) ,0 % Seagate Software (SP) ,3 % Hummingberg (SP) 890 1,1 % Outras ,1 % TOTAL ,0 % Fonte: (Revista Computerworld, p.103, Martinez (2001)) Nota: Receitas em valores históricos de 2000, com impostos incluídos. Tabela 2 Pesquisa quantitativa de faturamento em projetos de BI ENEGEP 2004 ABEPRO 4759

7 12. Conclusão Esse estudo de campo propicia uma discussão inicial sobre a aplicabilidade dos conceitos e preceitos do Business Intelligence nas organizações públicas e nas suas respectivas políticas de atuação. Tendo como principal objetivo atender a necessidades claras voltadas ao auxílio prestativo na tomada de decisão, o módulo analisado neste estudo de campo contribuiu significativamente com os processos administrativos internos voltados à esfera pública da organização. Sua utilização determinou um marco interno importante na instituição, representado por resultados seguros e consolidados ao longo de determinado período de tempo. As atualizações constantes, as formas gráficas de utilização, as facilidades de modificação no formato do resultado da informação, bem como as efetivas e claras vantagens citadas neste estudo de campo resultam em uma confortável vantagem dedicada aos níveis tático e estratégico da organização na gestão pública. O comportamento dos usuários simbolizado também no estudo de campo foi representado pelo sentimento de necessidade e de grande estímulo perante as expectativas dos resultados do projeto. A composição do módulo objeto deste estudo de campo com os módulos restantes do sistema de informação construído formaram um produto que representa classicamente as oportunidades de uso estratégico de informações pertencentes a sistemas transacionais. Sem esquecer dados que foram utilizados e que pertenciam a outros sistemas transacionais ou mesmo a fontes externas a organização. As contribuições resgatam a real possibilidade da aplicação da ferramenta BI (e de seus recursos tecnológicos) nos serviços públicos e possibilitam que as organizações sejam beneficiadas pelos produtos gerados, principalmente pela geração das informações oportunas e dos conhecimentos por meio dos sistemas de informação. Para a academia, as contribuições estão na metodologia da pesquisa utilizada, reiterando que os estudos de campo podem agregar valores às atividades educacionais. As contribuições para as organizações públicas podem ser observadas nas aplicações dos recursos tecnológicos do BI nas atuações e na gestão dessas organizações. Os recursos do BI e as respectivas informações e conhecimentos podem também contribuir nas aplicações da NPM nas organizações públicas. A principal limitação desse estudo de campo está relacionada com a visão segmentada e única da amostra, que nem sempre reflete a realidade aprofundada da organização pública estudada. Outras pesquisas e outros estudos de campo podem ser elaborados a partir desse, principalmente os direcionados a melhorar as propostas aqui trabalhadas, sejam nos métodos científicos, nos recursos tecnológicos, nos modelos propostos ou também, na quantidade da amostra e como respostas para novas questões ou com a inclusão de outras organizações. Referências BARBIERI, C. (2001) - Business Intelligence: Modelagem & Tecnologia. Axcel Books. Rio de Janeiro. BARZELAY, M. (2001) - The New Public Management: improving research and policy dialogue. Regents of the University of California. Ucpress. California. DAFT, R. L. (1999) - Teoria e Projeto das Organizações. ITP. Rio de Janeiro. GIL, A. C. (2002) - Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas. São Paulo. ENEGEP 2004 ABEPRO 4760

8 McGEE, J.; PRUSAK, L. (1998) - Gerenciamento estratégico da informação. Campus. Rio de Janeiro. MARTINEZ, J. P. (2001) - As 100 Maiores Empresas de Informática Revista Computerworld. Vol. 3, p OSBORNE, D.; GAEBLER. T. (1992) - Reinventing Government: how the entrepreneurial spirit is transforming the public sector. Reading, MA: Addison-Wesley. REZENDE, D. A.; ABREU, A. (2003) - Tecnologia da Informação Aplicada a Sistemas de Informação Empresariais. Atlas. São Paulo. REZENDE, D. A. (2002) - Tecnologia da Informação Integrada a Inteligência Empresarial. Atlas. São Paulo. SERRA, L. (2002) - A Essência do Business Intelligence. Berkley do Brasil. São Paulo. SIMCSIK, T; POLLONI, E. G. F. (2002) - Tecnologia da Informação Automatizada. Berkley. São Paulo. VIGODA, E. (2002) - From responsiveness to collaboration: governance, citizens, and the next generation of public administration. Public Administration Review, v. 62, p Washington: Sep/Oct. ENEGEP 2004 ABEPRO 4761

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS 1. Dúvidas Gerais Pergunta: Os processos e metodologias de avaliação de riscos do Banco estão definidos e implantados?

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Perfis por Função em Sistemas Corporativos

Perfis por Função em Sistemas Corporativos Perfis por Função em Sistemas Corporativos Maio de 2008 Autor: Rudnei Guimarães, Consultor Sênior da Order Resumo A implantação e utilização de Perfis por Função é uma prática recomendada pelos órgãos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Curso Data warehouse e Business Intelligence

Curso Data warehouse e Business Intelligence Curso Data warehouse e Business Intelligence Fundamentos, Metodologia e Arquitetura Apresentação Os projetos de Data Warehouse e Business Intelligence são dos mais interessantes e complexos de desenvolver

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Modelo de dados do Data Warehouse

Modelo de dados do Data Warehouse Modelo de dados do Data Warehouse Ricardo Andreatto O modelo de dados tem um papel fundamental para o desenvolvimento interativo do data warehouse. Quando os esforços de desenvolvimentos são baseados em

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 S u m á r i o INTRODUÇÃO XIX PARTE I - DEFINIÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS E SUA GESTÃO Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 1.1 Sua fundamentação teórica: a teoria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos Este curso é ideal para quem está buscando sólidos conhecimentos em como desenvolver com sucesso um projeto de BPM. Maurício Affonso dos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE Guimarilza Barbosa de Souza João Gabriel Ribeiro Luiz Cláudio de Arruda Isoton II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 5:

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Planejamento e Orçamento

Planejamento e Orçamento Planejamento e Orçamento O SIPLAG Sistema Integrado de Planejamento, Orçamento e Gestão, é um sistema voltado à gestão governamental, permitindo a elaboração do Plano Plurianual, da Lei Orçamentária Anual,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Acadêmicos: CÁSSIA REGINA BATISTA - cassiareginabatista@grad.ufsc.br CLARISSA KELLERMANN clarissakel@gmail.com IVAN MÁRIO DA SILVEIRA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais