UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO"

Transcrição

1 UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO Raul Gustavo de Cerqueira Júdice dos Santos, B.Sc. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção/UFPE. Rua Antônio Francisco Loureiro, 89-C. Bairro Novo. Olinda. PE. CEP: ( José Lamartine Távora Júnior, D.Sc. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção/UFPE ( Ceres Zenaide Barbosa, B.Sc. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção/UFPE. ( ABSTRACT: The constant political, social and economic transformations influence the structure of the organisations imposing changes in the concepts, quality patterns and productivity of the manufacturing industries. That restructuring process and changes influence the companies in the sense of revising forms of performance, its objectives and expected results The principal aim of this work is to present an administration methodology of resources in automation and integration computer science searching for a larger competitiveness of small and medium companies in specific sections in the manufacturing industry. In conclusion, this work presents the use of the methodology for the small and medium companies of the productive section of plastic in the state of Pernambuco. KEYWORDS: Industrial Automation, Computer Integratied Manufacturing and Industrial Administration. RESUMO: Constantes transformações políticas, sociais e econômicas influenciam a estrutura das organizações impondo mudanças nos conceitos e padrões de qualidade e produtividade das

2 industrias manufatureiras. Esse processo de restruturação e mudanças direcionam as empresas no sentido de revisar formas de atuação, seus objetivos e resultados esperados. O trabalho possui como objetivo principal apresentar uma metodologia de gestão de recursos em automação e integração informática em busca de uma maior competitividade de pequenas e médias empresas em setores específicos da industria manufaturaria. Finalizando, este trabalho apresenta a utilização da metodologia para as pequenas e médias empresas do setor produtivo do plástico. 1 INTRODUÇÃO As condições de competitividade econômica das empresas industriais vem sofrendo alterações significativas. Conforme Costa (1993) após 1950, o ambiente no qual as empresas encontram-se inseridas pôde ser distinto em três fases, classificadas como: Fase 1 Período de intenso crescimento em conseqüência de um mercado existente, com margens de lucro confortáveis e oferta inferior a procura. Fase 2 Período no qual a oferta e a procura estão equilibradas. Nesta fase o cliente pode escolher o fornecedor. Fase 3 Período no qual a oferta excede a procura. Nesta fase surge uma concorrência acirrada em face ao aparecimento de clientes mais exigentes. Com o advento da globalização, uma organização precisa reduzir seus custos de produção e melhorar seus objetivos característicos de desempenho, de forma a garantir que seus produtos e ou serviços satisfaçam às exigências e expectativas dos usuários. É difícil imaginar uma empresa se destacar ou sobreviver em um mercado cada vez mais competitivo, sem uma estratégia competitiva bem definida e investimentos em novas tecnologias. A globalização da economia, a quebra de barreiras alfandegárias, o surgimento de normas e regulamentações impuseram mudanças no nível de exigência dos consumidores quanto ao aumento de variedade ofertada e qualidade dos produtos. A restruturação das indústrias é de fundamental

3 importância para alavancar os objetivos característicos de desempenho direcionados ao incremento da competitividade, principalmente no que diz respeito a flexibilidade nos processos produtivos, diminuição dos prazos de entrega, e a qualidade dos produtos. As empresas industriais manufatureiras no Brasil, para alcançar seus objetivos necessitam, de uma restruturação tecnológica racional, de motivação e qualificação dos recursos humanos e, diagnosticar e implementar estratégias para alcançar e suportar uma posição competitiva mais vantajosa em relação aos demais concorrentes. Mudanças são necessárias, porém, muitas empresas não sabem como, quanto, quando, e em quê investir para manter ou aumentar sua competitividade, bem como que conseqüências tais investimentos trarão. O domínio perfeito dos fluxos de informações, materiais e produtos, e o planejamento da produção são ações necessárias para conseguir-se os objetivos da gestão da produção. Para isso, é algumas vezes conveniente fazer investimentos em automação e integração informática de forma a intensificar a rentabilidade e competitividade das empresas. Como citado é importante apresentar uma metodologia para diagnosticar e orientar as empresas em relação as necessidades de investimentos em recursos em automação e integração informática. Uma metodologia de caráter científico auxiliará o processo decisório, principalmente, em pequenas e médias empresas quanto à introdução de novas tecnologias, ajudando assim as mesmas atingirem seus objetivos e metas estabelecidos no planejamento estratégico. A proposta de metodologia apresentada a seguir leva em consideração o tipo do setor industrial, o endereçamento de problemas do setor e, os aspectos financeiro e de implementação. Com a utilização desta ferramenta a empresa poderá identificar melhores caminhos de investimentos para se atingir os objetivos estratégicos. A análise da industria inserida na metodologia é importante devido ao caráter dinâmico dos mercados internos e externos. Este trabalho é parte de uma dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Pernambuco, a qual tem defesa prevista para dezembro de PROPOSTA DE METODOLOGIA Um ponto bastante importante para manter ou aumentar a participação de mercado da organização, é manter as áreas mais influentes na eficiência global da organização devidamente integradas e

4 informatizadas. A manufatura integrada por computador é fundamental para manter rapidez de respostas na comunicação entre fornecedores e clientes, e possíveis alterações mercadológicas. Sendo assim, a integração, juntamente com a automação, está diretamente associada ao aumento de flexibilidade em mudanças nas empresas. A produção de valor agregado é a razão da sobrevivência das empresas. A eficácia da gestão da produção é responsável pelos seguintes aspectos: aumento e distribuição de riqueza; financiamento do futuro da empresa; e fornecimento de produtos. Mas, segundo Assis (1994) existem duas questões relacionadas com quase todas as funções e sistemas de informação da empresa, indicando a necessidade de uma perfeita integração dos sistemas e áreas funcionais, a saber: quantidade de meios para manter o funcionamento da produção, e duração do ciclo de utilização dos meios. A figura 1, apresenta as etapas da metodologia utilizada para gestão de recursos em automação e integração informática. Esta metodologia inclui aspectos de análise da indústria, aspecto financeiro das ações sugeridas e, decisão e implementação de alternativas em relação à variável tempo. A metodologia é apresentada em três partes: Conhecimento a priori do setor e das empresas, Análise da indústria estabelecida e, Decisão e implementação. Cada parte será apresentada individualmente subdivididas em nove etapas no total, sendo: quatro etapas para a parte do conhecimento a priori do setor e das empresas, duas etapas para a parte de análise de sensibilidade do setor, e três etapas para etapa de decisão e implementação. A utilização da metodologia é sugerida para núcleos ou centros especialistas em assessoria e consultoria em recursos em automação e integração informática. É possível, e em alguns casos até recomendável a utilização da metodologia de gestão de recursos em automação e integração informática pela própria empresa, desde que esta esteja de posse de resultados recentes de uma análise da industria no qual a empresa encontra-se inserida. 2.1 CONHECIMENTO A PRIORI DO SETOR E DAS EMPRESAS Etapa 1 Determinação do Setor: A metodologia de análise em gestão de recursos em automação e integração restringe o setor industrial, com a finalidade de coletar dados mais confiáveis para a análise de sensibilidade. E com isso, apresentar as necessidades mercadológicas, estratégicas e tecnológicas o mais próximo das reais para as empresas comuns a um setor individual.

5 Etapa 2 Histórico das Empresas: As trajetórias de decisões e ações realizadas na empresa desde sua fundação estando devidamente registradas ajudam aos decisores quanto à caracterização da empresa na indústria, ao comportamento dos consumidores e acionistas, tendências mercadológicas, identidade empresarial, atividades base, vocação, imagem, etc. O histórico é relevante e direciona a empresa em toda sua evolução, e sendo assim possibilita e facilita a identificação de sua situação atual e pretensões futuras. Etapa 3 Situação Atual: Com base nos relatórios de registros das ações e decisões, as empresas tem condições de orientar melhor suas decisões com o tempo. Nesta terceira etapa a empresa tenta identificar alguns de seus problemas internos quanto: à sua imagem perante seus funcionários, clientes internos e alguns clientes externos; aos planos social, comercial e financeiro da empresa; aos valores éticos, culturais e comportamentais; e aos princípios morais e filosóficos dos gestores e acionistas. É também nesta etapa que se identifica as características e a aceitação dos gestores. São também, nesta etapa, estabelecidas e classificadas as linhas de produtos mais importantes e atividades principais, responsáveis pela sobrevivência da empresa. Etapa 4 Situação Futura: Nesta etapa faz-se necessário que a missão e os objetivos estratégicos da empresa estejam bastante claros, de forma a evitar incertezas no processo decisório na definição das intenções futuras da empresa. É preciso ter conhecimento dos objetivos individuais de cada acionista, para o delineamento de políticas para se alcançar os objetivos estratégicos e os incrementos necessário aos objetivos de desempenho na empresa. Os objetivos devem ser claros, realistas, quantificáveis e alcançáveis em um período de tempo estabelecido, que em geral varia de três a cinco anos. É comum no caso de pequenas e médias empresas, a não existência de estratégias de forma explícita o que dificulta atingir-se os objetivos e intenções das empresas. 2.2 ANÁLISE DA INDÚSTRIA Etapa 5 Diagnóstico das Empresas no Setor: Os núcleos ou centros especialistas são capazes de fazer uma análise de sensibilidade dos setores industriais. Os resultados obtidos em análises realizadas em diversos setores industriais serviram para reflexão das empresas quanto ao desconforto competitivo no qual estas se encontram, comparadas as necessidades impostas pelo mercado. Maiores detalhes sobre a forma de análise estão apresentadas no item 3.

6 Etapa 6 Recomendações: Tiradas as conclusões, são apresentadas alternativas referentes a mudanças necessárias nas empresas em relação aos concorrentes e as exigências do mercado. Determinação do Setor Industrial Histórico das Empresas do Setor (Princípios) Situação Atual do Setor em Relação as Demais Industrias Conhecimento a Priori do Setor e Empresa Visão da Situação Futura do Setor Diagnóstico das Empresas no Setor Questionário sobre Estratégia ŽForças Ambientais ŽAspirações ŽObjetivos Questionário sobre Tecnologia Modelo Y Questionário sobre Recursos Humanos ŽPerfil Profissional ŽTreinamento ŽSeleção Análise da Indústria Pesquisa de Campo Tabulação Eletrônica dos Dados Conclusões Recomendações Aspecto Financeiro e Econômico Decisão entre Alternativas Decisão e Implementação Implementação Figura 1 Metodologia de Gestão de Recursos em Automação e Integração Informática em Indústrias Manufatureiras

7 2.3 DECISÃO E IMPLEMENTAÇÃO Etapa 7 Decisão de Alternativas: Serão apresentadas possíveis alternativas de investimentos. Mas, a alternativa escolhida por cada empresa dependerá da força dela em relação ao seu melhor competidor em cada linha de produto, ou da situação econômica em que ela se encontra. Etapa 8 Aspecto Financeiro e Econômico: Mudanças incidem em investimentos em tecnologia e em sua implementação. Segundo Costa (1993), o aspecto financeiro é um problema com duas dimensões: quantidade de meios e o ciclo de fabricação. A quantidade de meios é o número de recursos para assegurar a produção (investimentos e fundos em caixa). O ciclo de fabricação é o tempo de utilização dos recursos. A alternativa de investimento em automação e integração informática escolhida deve passar pela análise financeira de forma a estabelecer de que maneira será realizado a implementação, em quanto tempo, e se realmente vale a pena fazê-lo. Etapa 9 Implementação: Nesta etapa a empresa verifica a necessidade de algumas mudanças relacionadas as necessidades de recursos e alguns problemas de desordem relacionados com os fluxos de informações e materiais. A monitoração e controle são imprescindíveis nesta etapa, e serão responsáveis pelo sucesso competitivo da empresa. 3 DIAGNÓSTICO DAS EMPRESAS NO SETOR As empresas para continuarem competitivas em um mercado cada vez mais concorrencial devem utilizar-se de estratégias. As ações estratégias bem definidas ajudaram as empresas a atingir seus objetivos e intenções. A finalidade do planejamento das ações estratégicas é otimizar os recursos e potencializar as vantagens competitivas. Estas vantagens competitivas serão definidas pelas variáveis custo e diferenciação de acordo com o incremento dos objetivos característicos de desempenho através, de investimentos em tecnologias, dos recursos humanos e cultura organizacional. Segundo a metodologia apresentada, o instrumento de análise utilizado para auxiliar o processo decisório consiste de uma pesquisa, cujos dados primários foram classificados como questionários de pesquisa. O questionário é o método mais usado, pois padroniza a forma de coleta entre os entrevistados e obedecem uma forma lógica. Além, de poder portar um número maior de perguntas que outro método de pesquisa.

8 Foram elaborados três tipos de questionários referentes a estratégia, recursos humanos e tecnologias de processo. Sendo, portanto, realizado um pré-teste anteriormente à aplicação dos mesmos. Os questionários foram baseados em questões mais direcionadas aos recursos em automação e integração, como exposto mais a frente. Após a fase anterior, será realizada a pesquisa em campo no setor desejado assumindo uma amostra não-probabilística por conveniência. Apesar deste tipo de amostra não permitir inferência sobre o universo. A pesquisa será aplicada nas empresas que estiverem ao alcance do pesquisador ou dispostas a responder os questionários. Com a finalização da coleta dos dados, é aconselhável a tabulação eletrônica através de um software do tipo SPSS ou SYSINT, onde são tiradas as conclusões e a representação gráfica da amostra de forma simplificada. 3.1 ESTRATÉGIA As ações estratégicas competitivas podem influenciar nos aspectos supracitados, podendo proporcionar alterações dentro do ambiente que se encontra. Este ambiente, segundo Porter (1992), sofre influência de forças concorrenciais, mais conhecidas como as cinco forças competitivas, à saber: entrada de novos concorrentes, ameaça de substitutos, poder de negociação dos fornecedores, poder de negociação dos compradores e a rivalidade dos concorrentes existentes. O questionário sobre estratégia é baseado: No modelo das cinco forças competitivas que ajudam as empresas a detectarem os fatores críticos concorrenciais da industria, bem como determinar as mudanças estratégicas necessárias para se atingir um melhor patamar de rentabilidade; No modelo de Hayes e Wheelwright desenvolvido visando avaliar o papel competitivo e a contribuição estratégica da função produção, conforme Slack (1997); No grau de importância dos objetivos característicos de desempenho no setor a saber: qualidade, rapidez, confiabilidade, flexibilidade e custo; e no modelo das estratégias genéricas. 3.2 TECNOLOGIAS A introdução de uma nova tecnologia pode permitir alterações em uma empresa, reduzindo os custos e aumentando a diferenciação simultaneamente. Este incremento de competitividade pode provir de uma inovação tecnológica em automação do sistema produtivo, ou em um sistema de

9 informação. A tecnologia é uma das maneiras através das quais uma organização consegue se diferenciar das outras. Investimentos em novas tecnologias devem ser anteriormente planejados e orientados de forma a determinar retornos de investimentos satisfatórios. O planejamento orientado é fundamental devido as constantes e rápidas mudanças tecnológicas nas operações dos sistemas produtivos. No nosso contexto, tecnologia se refere à implantação de sistemas automatizados e meios informáticos de integração. O questionário sobre tecnologias é baseado no modelo de manufatura integrada por computador proposto pelo Prof. Dr. A. W. Scheer, da universidade de Saarlandes, Alemanha. É um modelo bastante aplicativo e abrangente que integra as funções de engenharia de produto e processo, sistemas de produção, planejamento e controle da produção e a função marketing. O modelo Y constitui-se de dois braços: o lado direito com funções técnicas ligadas ao produto e o braço esquerdo com funções ligadas ao planejamento e controle da produção. (Costa & Caulirraux, 1995) 3.3 RECURSOS HUMANOS Nas organizações é constatado a necessidade de investimentos em treinamentos e cursos formais para obtenção de uma qualificação formalizada para o alcance dos objetivos de desempenho Visando a obtenção dos objetivos estratégicos é necessário realizar um processo consistente e continuado de seleção e treinamentos de capital humano qualificado interno e externo à organização. A função de um processo educativo consiste na produção de um conjunto de habilidades intelectuais e transmissão de um volume de conhecimentos que possam gerar maior capacidade de trabalho. (Carvalho, 1989). O questionário sobre recursos humanos é baseado: Na análise das necessidades, quantidades, tipos e periodicidade de treinamentos e cursos formais; No perfil de funcionário existente nas empresas; e no perfil de habilidades, conhecimentos e atitudes necessárias para os funcionários exercerem suas funções. 4 O CASO DAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO A necessidade de investimentos em tecnologias de automação e integração informática nas indústrias tem sido alvo de muitas discussões. As pequenas e médias empresas brasileiras,

10 principalmente da região Norte-Nordeste possuem dificuldades de acesso a centros que auxiliem quanto as necessidades de investimentos, implementação e controle de sistemas automatizados e integrados. Daí, surgiu o interesse de propor uma modelo de gestão de recursos em automação e integração informática para PME s, de forma a auxiliar o processo decisório em relação a investimentos em modernização industrial. Os três questionários de pesquisa foram amplamente aplicados em alguns estados brasileiros (toda região Sul, região Sudeste, mais BA, PE, PB e CE). No que se refere à gestão de recursos em automação e integração informática para o setor do plástico, obtive-se os seguintes resultados em termos de prioridades de implementação: 1. Prioridade 1 de investimentos em integração e implementação quanto ao Planejamento das necessidades em Recursos de Materiais. 2. Prioridade 1 de investimentos em integração e implementação no Programa Mestre de Produção. 3. Prioridade 1 de investimentos em integração e implementação quanto fluxo de materiais em processo e estoques de produtos acabados. 4. Prioridade 2 em se investir em Projeto Auxiliado por Computador- CAD. 5. Prioridade 2 em investimentos e implementação de Sistemas Flexíveis de Manufatura. 6. Prioridade 2 em investimentos em integração e implementação em técnicas e ferramentas de Controle de Qualidade. 7. Prioridade 3 em investimentos em integração e implementação de Máquinas de Controle Numérico por Computador. 8. Prioridade 4 em investimentos em integração e implementação da função Engenharia Auxiliada por Computador. 9. Prioridade 4 em investimentos em integração e implementação em Planejamento e Processo Auxiliado por Computador. Onde: Prioridade 1: Elevada prioridade na ordem de implementação; Prioridade 2: Média prioridade na ordem de implementação;

11 Prioridade 3: Regular prioridade na ordem de implementação; Prioridade 4: Baixa prioridade na ordem de implementação. 5 CONCLUSÃO Com a utilização da metodologia apresentada procura-se endereçar muitos dos problemas existentes, principalmente nas pequenas e médias empresas, mais propriamente os relativos ao planejamento estratégico, gestão dos recursos humanos, e gestão da automação e informação. Os resultados obtidos na metodologia determina a prioridade em investimentos na gestão dos recursos em automação e integração informática no que diz respeito, ao planejamento das necessidades em recursos de materiais, ao programa mestre de produção, ao fluxo de materiais em processo e estoques de produtos acabados, em projeto auxiliado por computador, em sistemas flexíveis de manufatura, em técnicas e ferramentas de controle de qualidade, em máquinas de controle numérico por computador, na função engenharia auxiliada por computador, e em planejamento e processo auxiliado por computador. Investimentos nos pontos acima citados implicarão no aumento de competitividade das empresas do setor, com níveis de retorno diferentes, havendo uma ordem de prioridades em termos das suas implantações. Sendo assim, para uma gestão eficiente dos recursos, se faz necessário seguir-se esta ordem de prioridades. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA PORTER, M.E. Estratégia competitiva: Os conceitos centrais. In: Vantagem competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. 4 a ed. Rio de Janeiro, Campus, cap 1, p COSTA, L.S.S. & CAULIRRAUX, H.M., Coord. Estratégia competitiva e estratégia de produção: Uma introdução esquemática. In: Manufatura integrada por computador: Sistemas integrados de produção: Estratégia, organização, tecnologia e recursos humanos.. Rio de Janeiro, Campus, cap 1, p DE CARVALHO, A.V. Introdução ao processo de treinamento. In: Treinamento de recursos humanos. São Paulo, Pioneira, cap 1, p SLACK, N., Coord. Administração da Produção, São Paulo, Atras, p. COSTA, H. Dirigir uma PME 10 Etapas, Lisboa, Lidel, p. ASSIS, R. Gestão da Produção, Lisboa, Lidel, p. TÁVORA Jr, J. L., Coord. Critérios de Competitividade na Análise de Projetos. In: ENEGEP. Anais. Rio de janeiro, 1998.

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com.

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica HIGOR CORDEIRO;

Leia mais

Logística e Valor para o Cliente 1

Logística e Valor para o Cliente 1 1 Objetivo da aula Esta aula se propõe a atingir os seguintes objetivos: 1. Discutir a importância do gerenciamento da interface entre marketing e logística. 2. Reconhecer a necessidade de entender os

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Disciplina: Inovação e Competitividade Empresarial Sistemas de Medicação de Desempenho Fundamentos e Exemplificações

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Definição de Gestão Gerir, assim como administrar tem a ver com todo o controle e ações propostas de um conjunto que pode envolver pessoas, empresas e clientes. Gerir é conseguir

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 2) Conceito e Processo do Planejamento Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Vídeo: Os três porquinhos http://www.youtube.com/watch?v=eo4msbm113g

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica

Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Especialidade em Ativos Calibração Conformidade Metrológica Metrologia é a Ciência da Medida Uma reputação de qualidade é um dos bens de mais alto valor de uma empresa. A grande importância de uma alta

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA A ATIVIDADE DE PROJETO DIRECIONADA À RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA E O DESAFIO DE EQUILIBRAR CONCEITOS TÉCNICOS E GERENCIAIS NO ENSINO DE ENGENHARIA CIVIL Helen Ulrich hulrich@sc.usp.br Departamento de Engenharia

Leia mais

Self-Service como vantagem competitiva

Self-Service como vantagem competitiva Self-Service como vantagem competitiva Com a alteração do comportamento do consumidor as empresas têm de criar novas vantagens competitivas para continuar relevantes no mercado em que atuam, ao mesmo tempo

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP Feitosa, R. 1, Santos, J. 2, Lourenção, P. 3 123 Curso de Administração de Empresas, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas. Univap

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com

Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola. Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Planejamento e Gestão do Negócio Agrícola Aparecido Porto da Costa E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Organização Sistema aberto sucesso Ambiente 2 Conceitos Básicos Planejar Criar esquemas para

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 Versão: 2 Pág: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 13/10/2009 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 13/10/2009 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Unidade Ribeirão Preto -SP

Unidade Ribeirão Preto -SP Unidade Ribeirão Preto -SP Gestão Estratégica de Controladoria O papel da controladoria na gestão estratégica de uma empresa Curriculum Luís Valíni Neto Técnico Contábil Administrador de Empresas pela

Leia mais

Qualidade total em pequenas empresas

Qualidade total em pequenas empresas Qualidade total em pequenas empresas Frederico Cezar Capoletti Curi (UFOP) fredcuri2@yahoo.com.br Zirlene Alves da Silva Santos (UFOP) santoszirlene@em.ufop.br Resumo: As pequenas empresas vivem em um

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL GESTÃO ESTRATÉGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: METODOLOGIA PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Renato Paraquett Fernandes Mestrando do Programa de Pós-Graduação e Engenharia Civil/Produção da Universidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. accent. consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL accent consultoria. auditoria. estratégia. caixa livre Sobre a Accent Somos uma empresa brasileira que possui conhecimento especializado em auditoria, impostos, consultoria de

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS

O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS O AMBIENTE EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Júlio César Massuda Brasil Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas UNIMINAS jmassuda@uniminas.br Vidigal Fernandes Martins Brasil Universidade Federal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (COMÉRCIO)

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (COMÉRCIO) DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (COMÉRCIO) GALINA, Everton¹ AUGUSTO JR., Luiz Carlos Camargo¹ ASSIS, Marcielle Rodrigues¹ ROLIM, Mariana Gomes¹ OLIVEIRA, Renato Mello¹ RIBEIRO, Silmara dos Santos¹ CUNHA,

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

tecnologia com bom senso

tecnologia com bom senso tecnologia com bom senso Corte e Conformação de Metais Condições para Melhor Competitividade de Estamparia. Luciano T. S. Monteiro Definição de Competitividade id d É a busca por uma vantagem comparativa;

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios?

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios? Plano de Negócios Por que escrever um Plano de Negócios? A tarefa de escrever um plano de negócios não é uma tarefa fácil. Isso se você nunca escreveu um e não tem a menor idéia de como começar. O objetivo

Leia mais

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE A melhor idéia, sem gente boa, não vai a lugar algum. Carlos Alberto Sicupira Controlador da ABInBev Presidente do Conselho das Lojas Americanas

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS

SISTEMA DE INCENTIVOS Organismo Intermédio Formação Ação SISTEMA DE INCENTIVOS PROJETOS CONJUNTOS FORMAÇÃO-AÇÃO FSE O objetivo específico deste Aviso consiste em conceder apoios financeiros a projetos exclusivamente de formação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1 Tipo de Pesquisa A presente pesquisa em relação aos seus fins é classificada como descritiva, pois identifica e descreve as estratégias das empresas inseridas na indústria brasileira

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES

Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Administração da AJES Roteiro para elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado do da AJES A - APRESENTAÇÃO 1. A empresa 1.1. Aspectos Gerais 1.1.1. História da empresa (da fundação a atualidade) 1.1.2. Visão, Missão e

Leia mais

Capacitação em indicadores de desempenho e sistemas de medição de desempenho de processos. Sumário

Capacitação em indicadores de desempenho e sistemas de medição de desempenho de processos. Sumário Capacitação em indicadores de desempenho e sistemas de medição de desempenho de processos Maria Helena Indig Lindgren Barros, PMP, CBPP Sumário Objetivos... 2 I. Introdução... 2 II. Indicadores... 2 O

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

AGILIDADE ORGANIZACIONAL

AGILIDADE ORGANIZACIONAL PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO AGILIDADE ORGANIZACIONAL Destaques do Estudo O lento crescimento econômico e as prioridades mutantes do mercado global criaram um ambiente de negócios complexo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC. Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO: CONCEITOS GERAIS E BSC Antonieta E. M. Oliveira antonieta.oliveira@fgv.br INTRODUÇÃO Histórico dos indicadores de desempenho BSC (e ferramentas semelhantes) BSC no setor sistema

Leia mais

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa.

As pessoas tendem a prestar mais atenção àquilo que é avaliado e medido, pois é justamente o mensurável que a organização traduz em recompensa. Projeto para um Estudo da Contribuição ao Estudo da Qualidade como Instrumento de Gestão Estratégica aplicado as empresas situadas na região de Tangará da Serra Estado de Mato Grosso Brasil. Ivon de Mello

Leia mais

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ

A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ A PRÁTICA DA GESTÃO AMBIENTAL AGROINDUSTRIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA QUE PRODUZ ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA CASCA DO ARROZ Andressa Rocha Lhamby (1) Acadêmica do curso de Gestão Ambiental

Leia mais

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia Palestra de Philip Kotler Tecnologia Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group Por Helton Haddad Em uma excelente palestra, a autoridade de marketing

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

Palavras-chaves: Monitoria, ensino, administração da produção

Palavras-chaves: Monitoria, ensino, administração da produção A INFLUÊNCIA DA MONITORIA NO DESEMPENHO DOS ALUNOS DA DISCIPLINA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. CRISTIANO SOUZA MARINS (UFF/UFRJ ) cristianosouzamarins@yahoo.com.br

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA

Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA UNIVERSIDADE COOPERATIVA Promotores AEDIN - Associação de Empresas do distrito Industrial de Santa Cruz. FACULDADE MACHADO DE ASSIS CELERA CONSULTORIA E TREINAMENTO LTDA Educação Empresarial - Treinamento

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Fundamentos de TI. Aula01_Introdução a Computação.doc - Prof. Me Francisco Bianchi 1

Fundamentos de TI. Aula01_Introdução a Computação.doc - Prof. Me Francisco Bianchi 1 Aula01_Introdução a Computação.doc - Prof. Me Francisco Bianchi 1 1. Introdução 1.1 Tecnologias da Informação - TI Fundamentos de TI A rápida evolução dos mercados, a globalização, a forte pressão de empresas

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais