Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro. São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro. São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro"

Transcrição

1 Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro

2 QUEM É A PRO TESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, e completamente mantida pela contribuição de seus associados. É considerada como uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), desde Dezembro de Realiza testes comparativos, e não testes de conformidade, informando os resultados em sua revista Pro Teste, com distribuição exclusiva a seus associados no Brasil.

3 PRO TESTE É MEMBRO... da organização Euroconsumers: Bélgica, Portugal, Itália e Espanha.... do ICRT (International Consumers Research and Testing).... da Consumers International.

4 TESTES COMPARATIVOS 1. Aspectos principais observados nos testes comparativos de produtos: segurança é prioridade, defesa do consumidor, saúde e meio ambiente. 2. Adoção do guia para os testes comparativos: ISO GUIDE 46: Comparative Testing of Consumers Products. 3. São elaborados tendo em conta parâmetros técnicos reconhecidos nacional e internacionalmente.

5 TESTES COMPARATIVOS 4. São realistas: simulam o uso por parte dos consumidores. 5. São realizados de forma clara e independente, para o benefício de todos os consumidores brasileiros.

6 PRINCÍPIOS ISO GUIDE Objetividade e competência. 2. Representatividade da amostra. 3. Compra anônima. 4. Independência total. 5. Informação antecipada aos fabricantes dos resultados técnicos encontrados. 6. Reteste de produtos inseguros.

7 METAS DOS TESTES COMPARATIVOS Respostas objetivas ao consumidor, baseadas na informação clara, independente, precisa e idônea. Melhoria de mercado Desenvolvimento tecnológico.

8 METODOLOGIA PARA OS TESTES COMPARATIVOS Não nos limitamos às normas técnicas em vigor no Brasil. Vamos além quando inexiste?... permissividade das normas nacionais versus normas internacionais. Propomos mudanças: notificações.

9 PLANEJAMENTO DOS TESTES COMPARATIVOS 1. Longo prazo. 2. Viabilidade técnica: disponibilidade em laboratório independente (nacional ou internacional). 3. Tem em conta as novas tecnologias disponíveis e a evolução de mercado.

10 ETAPAS DOS TESTES COMPARATIVOS 1. Análise do mercado: definição de amostras comparáveis. 2. Análise laboratorial. 3. Análise dos dados: avaliação dos produtos. 4. Apresentação dos resultados para publicação na revista Pro Teste.

11 ANÁLISE EM LABORATÓRIO Laboratório idôneo, independente e com reconhecimento nacional ou internacional (certificações). Compra de amostras diretamente nos pontos de venda, simulando o consumidor comum, com imediato envio para o laboratório. Análise da integridade das amostras, após a chegada no laboratório.

12 ANÁLISE EM LABORATÓRIO Análise às cegas : descaracterização visual das amostras (embalagens). Sem interferência do Marketing de Marcas. Laudo técnico oficial: registro dos responsáveis técnicos. Controle de qualidade das informações passadas: interlaboratoriais, análise de contraprovas (3 análises). Sigilo Não divulgamos os nomes dos laboratórios contratados para os testes comparativos de produtos pela manutenção da independência dos resultados.

13 ANÁLISE DOS DADOS Realizada por uma equipe multidisciplinar, e tem por objetivo a avaliação dos produtos segundo critérios de desempenho e segurança.

14 INFORMAÇÃO AOS FABRICANTES Após a emissão do laudo técnico do laboratório, comunicamos os resultados aos fabricantes. O documento enviado individualmente (DCS data checking sheet) contém a metodologia e os dados da análise do respectivo produto, para conhecimento e eventual manifestação. Solicita se a manifestação dos fabricantes através de correspondência (carta e e mail).

15 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados apresentados pela PRO TESTE consideram: 1. Critérios definidos pela PRO TESTE: escala de avaliação segundo critérios normativos e de desempenho. 2. Classificação dos produtos de forma comparativa. 3. Análise da relação qualidade/preço.

16 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS: TÍTULOS Melhor do teste: produto com a maior qualidade em relação aos demais testados. Escolha certa: produto com a melhor relação qualidade/preço. Barato do teste: produto com qualidade aceitável e baixo preço de aquisição.

17 CONCLUSÕES Testes comparativos não são testes de conformidade. Testes comparativos caracterizam se por extensa pesquisa técnica, visando a defesa do consumidor, com base no uso real de bens de consumo. De maneira geral os consumidores e os fabricantes não entendem o que é um teste comparativo, e o que significa. Os testes comparativos possuem importância fundamental para a mudança do mercado e para a educação quanto ao consumo consciente.

18 Obrigada! Alessandra Macêdo Coordenadora Técnica Área de Produtos Tel.:

A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos. São Paulo Outubro de 2006

A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos. São Paulo Outubro de 2006 A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos São Paulo Outubro de 2006 QUEM É A PRO TESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, e completamente mantida

Leia mais

Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo

Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo III ESW Brasil 2007 Seminário Internacional de Engenharia Elétrica na Segurança do Trabalho Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo Alessandra Macêdo Pro Teste Associação Brasileira

Leia mais

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Manuela Dias Nutricionista I Seminário Estadual Rede-SANS Agosto/2012 Águas de Lindóia, SP Agenda:

Leia mais

Carta Consumers Union. Outubro / 2006

Carta Consumers Union. Outubro / 2006 Carta Consumers Union Outubro / 2006 Jeff Asher Consumers Union A Global Consumer Product Testing Organization Data: Outubro 8, 2006 Histórico da Organização: A Consumers Union, que há 70 anos publica

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006

Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006 Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006 Testes comparativos Para a realização de testes comparativos utilizamos a norma ISO Internacional ISO GUIDE

Leia mais

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância ISO série 9000 Evolução Histórica e Importância O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE

Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Quem é a PROTESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente,

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Mas, primeiramente, pedimos licença para apresentar nossa entidade

Mas, primeiramente, pedimos licença para apresentar nossa entidade São Paulo, 20 de julho de 2007 À Assembléia Legislativa de São Paulo D.D. Presidente Deputado Vaz de Lima Av. Pedro Álvares Cabral, 201. Sala T 57. Térreo. São Paulo - SP - CEP 04097-900 Assunto: ACIDENTE

Leia mais

MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS. Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11

MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS. Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11 MINIMIZANDO PROCESSOS MAXIMIZANDO RESULTADOS Phortion Consultoria e Assessoria em Certificação de Produtos Slide 1 de 11 Nossa Missão Contribuir para a conformidade dos produtos junto aos órgãos competentes,

Leia mais

Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão

Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão Nº 01/2002 I. Sumário Executivo II. Conceitos e Metodologias III. Passos de implantação Check list IV. Bibliografia Qualidade & Produtividade e sua relação com os Sistemas de Gestão I. Sumário Executivo

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Jorge Marques dos Santos, local, Porto, 18 de abril de 2013 IPQ- Instituto Português da Qualidade

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010

Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes. São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Peças, Partes e Componentes São Paulo, 23 de setembro de 2010 Cartão BNDES Baseado no conceito de cartão de crédito, visa financiar de forma ágil e simplificada os investimentos das MPMEs.

Leia mais

A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração

A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração Série Seminários FBDS Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Painel A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração Claudio J. D. Sales 01 de Abril de 2005

Leia mais

A Vortal é uma empresa portuguesa, líder destacada no mercado ibérico de comércio G2B2B (government-to-business-to-business).

A Vortal é uma empresa portuguesa, líder destacada no mercado ibérico de comércio G2B2B (government-to-business-to-business). Uma parceria: A Confidencial Imobiliário é a primeira publicação dirigida ao sector imobiliário, com uma tradição de 20 anos a divulgar os preços do mercado imobiliário Publica a revista Confidencial Imobiliário

Leia mais

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Inmetro. Avaliação da Conformidade. Gustavo José Kuster

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Inmetro. Avaliação da Conformidade. Gustavo José Kuster Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Avaliação da Conformidade Gustavo José Kuster Avaliação da Conformidade Conceituação ABNT ISO/IEC GUIA 2 Exame sistemático

Leia mais

Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado. Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010

Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado. Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010 Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010 Avaliação de Conformidade MoReq-Jus Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO A experiência da Itautec na Reciclagem de Equipamentos Eletroeletrônicos VII Seminário de Resíduos - Recicle CEMPRE XIII FIMAI Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Novembro

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

Transportar mais com menos

Transportar mais com menos Transportar mais com menos Transportar mais com menos Para a Bosch Termotecnologia, líder internacional no fabrico e exportação de sistemas de aquecimento e de água quente, a eficiência logística das cadeias

Leia mais

Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE

Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Quem é a PROTESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, mantida pela contribuição

Leia mais

PROGRAMA/REFERENCIAL DO CURSO

PROGRAMA/REFERENCIAL DO CURSO Nome do curso Auditores Florestais PEFC e FSC Horário Designação e código UFCD Não aplicável Duração 09.00 às 19.00 horas 10.00 às 18.00 horas 87 horas Formador/a,, Luís Janicas, Paula Salazar, e Modalidade

Leia mais

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1 Calibração Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão Slide 1 Agenda 1. Endress+Hauser Medição de vazão e competência de calibração 2. Calibração on-site de medidores de vazão Reduzindo

Leia mais

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation ENplus Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira Manual ENplus Parte 5: Organização do Sistema Versão 3.0, Agosto 2015 Manual ENplus, Parte

Leia mais

Questionário de Avaliação da Infra-Estrutura, Instalações Físicas e Recursos Didático-Pedagógicos - Geral Instituição

Questionário de Avaliação da Infra-Estrutura, Instalações Físicas e Recursos Didático-Pedagógicos - Geral Instituição 01. Como são as instalações físicas (salas de aula, laboratórios, ambientes de trabalho / estudo) utilizadas no seu curso? a) Amplas, arejadas, bem iluminadas e com mobiliário adequado. Arejadas, bem iluminadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES

APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES APRESENTAÇÃO A.C.G. CONSULTORES We Reach Targets Uma Companhia Consultora Especializada no Desenvolvimento de Equipas e Projectos Comerciais. Definição A A.C.G. CONSULTORES, é uma Empresa de Consultoria,

Leia mais

Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. TESIS - Tecnologia de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. TESIS - Tecnologia de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO

LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO ebook LICENCIAMENTO: ALTO RETORNO COM BAIXO RISCO PARA QUEM QUER ABRIR UM NOVO NEGÓCIO IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO E QUALIDADE COM RAPIDEZ E BAIXO CUSTO. TAMBÉM PARA A PEQUENA EMPRESA. PROCESSO

Leia mais

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável Sensibilização para o Sector Doméstico A DECO na Educação para o Consumo Sustentável 1 Quem somos A DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor é uma associação privada, sem fins lucrativos

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental A rotulagem ambiental Informações disponibilizadas nos rótulos de embalagens para que os consumidores possam optar por adquirir produtos de menor impacto ambiental em relação aos produtos concorrentes

Leia mais

A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários

A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários A Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários Área de Resíduos e Contaminantes Nov 2007 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Coordenação-Geral de Apoio

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

DE COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOCIAL Porto, 11 de Maio de 2012

DE COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOCIAL Porto, 11 de Maio de 2012 VI COLÓQUIO IBÉRICO DE COOPERATIVISMO E ECONOMIA SOCIAL Porto, 11 de Maio de 2012 PARA UMA EDUCAÇÃO cooperar para aprender e aprender cooperativamente Jorge de SáS OIT Recomendação nº 193 de 20/06/2002

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

AVISO. Lisboa, 4 de Junho de 2008

AVISO. Lisboa, 4 de Junho de 2008 AVISO No âmbito das atribuições e competências da ERC, previstas na Lei 53/2005, de 8 de Novembro, está aberto o procedimento de consulta prévia para realização de um trabalho de análise de publicações

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Rev4 Janeiro/2015 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial da qualidade

Leia mais

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi

Revisão da ISO 9001:2015. Fernanda Spinassi Revisão da ISO 9001:2015 Fernanda Spinassi Requisito 4 Contexto da Organização Está mais claramente definida a obrigação de monitorar e analisar criticamente as questões externas e internas da organização

Leia mais

Como me preparar para o mercado de trabalho?

Como me preparar para o mercado de trabalho? Rio Júnior Federação das Empresas Juniores do Estado do RJ Como me preparar para o mercado de trabalho? Como se preparar para o Mercado de Trabalho? Ter as melhores notas Estágios em empresas Iniciação

Leia mais

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco Ventures Bioplastics, que oferece um serviço excepcional

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

GUIA DE CERTIFICAÇÃO. Exame Nacional do Ensino Médio. Brasília-DF. Guia de Certificação Exame Nacional do Ensino Médio Enem

GUIA DE CERTIFICAÇÃO. Exame Nacional do Ensino Médio. Brasília-DF. Guia de Certificação Exame Nacional do Ensino Médio Enem GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional do Ensino Médio Brasília-DF MAIO/2015 Guia de Certificação Equipe técnica Diretoria de Avaliação da Educação Básica Alexandre André dos Santos Alessandro Borges Tatagiba

Leia mais

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO SEMINÁRIO IAAC AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ERNANI TURAZZI Gerente do Cadastro de Fornecedores e FABIANO GONÇALVES MARTINS Gerente de Avaliação Técnica de

Leia mais

Gerenciamento de Cores e Provas na Indústria de Embalagens

Gerenciamento de Cores e Provas na Indústria de Embalagens Gerenciamento de Cores e Provas na Indústria de Embalagens Desafios da Indústria de Embalagens Grande pressão de tempo e custos Exigências de Produção { O ciclo de vida dos produtos de bens de consumo

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE EM SAÚDE - CURITIBA

Leia mais

Origem ChipsAway. Centro de Formação em Pittsburgh, Centro de Formação em Kidderminster, Estados Unidos. Inglaterra

Origem ChipsAway. Centro de Formação em Pittsburgh, Centro de Formação em Kidderminster, Estados Unidos. Inglaterra Origem ChipsAway Originária dos Estados Unidos, a ChipsAway nasceu com a ideia de realizar reparações de riscos e amassados em poucas horas, garantindo a qualidade e eficiência do serviço. Hoje, fazendo

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa.

Termo de Referência. Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. Termo de Referência Aquisição de Solução de Gerenciamento de Impressão para plataforma baixa. CGAD/COAR - Gerenciamento de Impressão Plataforma Baixa / RQ DSAO nº xxx/2009 1/8 Termo de Referência Aquisição

Leia mais

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Brasília, 11 de agosto de 2009 Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos

Leia mais

NORMAS SÉRIE ISO 14000

NORMAS SÉRIE ISO 14000 NORMAS SÉRIE ISO 14000 O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação mundial de organismos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE EM SAÚDE Unidade Dias

Leia mais

Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico

Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico Barreras y Oportunidades para la puesta en marcha de laboratorios de ensayo de eficiencia energética, desde el punto de vista gerencial y técnico Alvaro Theisen Diretor Geral UL América Latina Colombia

Leia mais

Adelia Aparecida Covre

Adelia Aparecida Covre Adelia Aparecida Covre Rua Goiás, n 1777 apto 906 Centro 86020-410 Londrina Paraná (43) 9912-5004 (41) 8875-9208 adeliacovre@yahoo.com.br 49 anos Brasileira Solteira Objetivo: DESIGN DE PRODUTOS/MARKETING

Leia mais

Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil

Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil 1 Estruturação da Implementação do Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos GHS no Brasil GT GHS Brasil 2 1. Sumário 1. Sumário i 2. Apresentação 2.1. Resumo do

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR

MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR MERCADO DE ENERGIA EÓLICA DE PEQUENO PORTE NO BRASIL: PERCEPÇÃO DO POTENCIAL CONSUMIDOR Marcio Giannini Pereira 1, Bruno E. M. Montezano 2 & Ricardo Marques Dutra 1 1- Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS

PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS PROPOSTAS PARA APRIMORAMENTO DA PROTEÇÃO DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Idec, organização sem fins lucrativos e independente de empresas,

Leia mais

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB O que é Gestão da Qualidade?????? A gestão da qualidade pode ser definida como sendo qualquer atividade

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Página 2 de 9 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA... 4 6 ESCOPO

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010

A Segurança Informática na FEUP. Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 A Segurança Informática na FEUP Tito Carlos S. Vieira tito@fe.up.pt 10-FEV-2010 Agenda I Introdução II O trabalho na área da Segurança Informática O ponto de partida As medidas O CSIRT.FEUP III - Resultados

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de Consumo do Conselho Nacional do Consumo

1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de Consumo do Conselho Nacional do Consumo 1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de do Conselho Nacional do 1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de do Conselho Nacional do Decreto-Lei

Leia mais

O seu projeto em boas mãos

O seu projeto em boas mãos O seu projeto em boas mãos revergy@revergy.es ESPANHA Edificio BLUENET Avda. Isaac Newton, 3 Parque Tecnológico Cartuja 93 41092 Sevilla Tel: +34 955 024 681 Fax: +34 955 036 849 MEXICO Manuel Ma. Contreras

Leia mais

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO

QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO O QUE É A QUALIDADE? É o grau de satisfação de requisitos (necessidade ou expectativa expressa, geralmente implícita ou obrigatória), dado por um conjunto de características (elemento

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n 04, de 16 de dezembro de 1998 Usando das atribuições que lhe confere o Artigo 3º da Lei n 5966, de 11 de dezembro

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Programas Master Ibéria 2013-2014

Programas Master Ibéria 2013-2014 Programas Master Ibéria 2013-2014 Master em Indústria Farmacêutica e Parafarmacêutica. LISBOA Master em Direção Comercial e Marketing para Indústria Farmacêutica e Afins. Master em Monitorização de Ensaios

Leia mais

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Nigel H Croft Presidente do Conselho APCER Brasil Chairman, ISO/TC 176/SC 2 Quality Systems Membro do Grupo de Coordenação Técnica de

Leia mais

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Marta Brandão Tozzi Bolsista, Química Industrial, M. Sc. Maria Alice Goes Orientadora, Engenheira Metalúrgica, D. Sc. Resumo O CETEM é acreditado

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO - PARTE II

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO - PARTE II TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Aspectos a serem considerados no cálculo da depreciação.! Base de cálculo da depreciação. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br

Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP: 20021-130 Rio de Janeiro PABX (21) 3804-9200 E-mail: cncrj@cnc.com.br Rio de Janeiro 2011 2010 Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte. Confederação Nacional do Comércio

Leia mais

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br GUIA DO VISUALIZADOR SUA EMPRESA ONLINE NO MUNDO DA NORMALIZAÇÃO SUMÁRIO 1 O QUE É ABNTCOLEÇÃO...3 1.1 CONFIGURAÇÕES MINIMAS DESEJAVEL...3 1.1.2 SEGURANÇADE REDE...3 2 COMO ACESSAR A SUA COLEÇÃO...4 2.1

Leia mais