Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro. São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro. São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro"

Transcrição

1 Testes comparativos no Brasil e a influência no consumo seguro São Paulo Seminário Internacional Consumo Seguro

2 QUEM É A PRO TESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, e completamente mantida pela contribuição de seus associados. É considerada como uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), desde Dezembro de Realiza testes comparativos, e não testes de conformidade, informando os resultados em sua revista Pro Teste, com distribuição exclusiva a seus associados no Brasil.

3 PRO TESTE É MEMBRO... da organização Euroconsumers: Bélgica, Portugal, Itália e Espanha.... do ICRT (International Consumers Research and Testing).... da Consumers International.

4 TESTES COMPARATIVOS 1. Aspectos principais observados nos testes comparativos de produtos: segurança é prioridade, defesa do consumidor, saúde e meio ambiente. 2. Adoção do guia para os testes comparativos: ISO GUIDE 46: Comparative Testing of Consumers Products. 3. São elaborados tendo em conta parâmetros técnicos reconhecidos nacional e internacionalmente.

5 TESTES COMPARATIVOS 4. São realistas: simulam o uso por parte dos consumidores. 5. São realizados de forma clara e independente, para o benefício de todos os consumidores brasileiros.

6 PRINCÍPIOS ISO GUIDE Objetividade e competência. 2. Representatividade da amostra. 3. Compra anônima. 4. Independência total. 5. Informação antecipada aos fabricantes dos resultados técnicos encontrados. 6. Reteste de produtos inseguros.

7 METAS DOS TESTES COMPARATIVOS Respostas objetivas ao consumidor, baseadas na informação clara, independente, precisa e idônea. Melhoria de mercado Desenvolvimento tecnológico.

8 METODOLOGIA PARA OS TESTES COMPARATIVOS Não nos limitamos às normas técnicas em vigor no Brasil. Vamos além quando inexiste?... permissividade das normas nacionais versus normas internacionais. Propomos mudanças: notificações.

9 PLANEJAMENTO DOS TESTES COMPARATIVOS 1. Longo prazo. 2. Viabilidade técnica: disponibilidade em laboratório independente (nacional ou internacional). 3. Tem em conta as novas tecnologias disponíveis e a evolução de mercado.

10 ETAPAS DOS TESTES COMPARATIVOS 1. Análise do mercado: definição de amostras comparáveis. 2. Análise laboratorial. 3. Análise dos dados: avaliação dos produtos. 4. Apresentação dos resultados para publicação na revista Pro Teste.

11 ANÁLISE EM LABORATÓRIO Laboratório idôneo, independente e com reconhecimento nacional ou internacional (certificações). Compra de amostras diretamente nos pontos de venda, simulando o consumidor comum, com imediato envio para o laboratório. Análise da integridade das amostras, após a chegada no laboratório.

12 ANÁLISE EM LABORATÓRIO Análise às cegas : descaracterização visual das amostras (embalagens). Sem interferência do Marketing de Marcas. Laudo técnico oficial: registro dos responsáveis técnicos. Controle de qualidade das informações passadas: interlaboratoriais, análise de contraprovas (3 análises). Sigilo Não divulgamos os nomes dos laboratórios contratados para os testes comparativos de produtos pela manutenção da independência dos resultados.

13 ANÁLISE DOS DADOS Realizada por uma equipe multidisciplinar, e tem por objetivo a avaliação dos produtos segundo critérios de desempenho e segurança.

14 INFORMAÇÃO AOS FABRICANTES Após a emissão do laudo técnico do laboratório, comunicamos os resultados aos fabricantes. O documento enviado individualmente (DCS data checking sheet) contém a metodologia e os dados da análise do respectivo produto, para conhecimento e eventual manifestação. Solicita se a manifestação dos fabricantes através de correspondência (carta e e mail).

15 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados apresentados pela PRO TESTE consideram: 1. Critérios definidos pela PRO TESTE: escala de avaliação segundo critérios normativos e de desempenho. 2. Classificação dos produtos de forma comparativa. 3. Análise da relação qualidade/preço.

16 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS: TÍTULOS Melhor do teste: produto com a maior qualidade em relação aos demais testados. Escolha certa: produto com a melhor relação qualidade/preço. Barato do teste: produto com qualidade aceitável e baixo preço de aquisição.

17 CONCLUSÕES Testes comparativos não são testes de conformidade. Testes comparativos caracterizam se por extensa pesquisa técnica, visando a defesa do consumidor, com base no uso real de bens de consumo. De maneira geral os consumidores e os fabricantes não entendem o que é um teste comparativo, e o que significa. Os testes comparativos possuem importância fundamental para a mudança do mercado e para a educação quanto ao consumo consciente.

18 Obrigada! Alessandra Macêdo Coordenadora Técnica Área de Produtos Tel.:

A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos. São Paulo Outubro de 2006

A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos. São Paulo Outubro de 2006 A experiência Pro Teste em Testes Comparativos de Produtos São Paulo Outubro de 2006 QUEM É A PRO TESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, e completamente mantida

Leia mais

Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo

Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo III ESW Brasil 2007 Seminário Internacional de Engenharia Elétrica na Segurança do Trabalho Ensaios para a Segurança de Equipamentos Elétricos de Consumo Alessandra Macêdo Pro Teste Associação Brasileira

Leia mais

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária

Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Ações das agências de defesa do consumidor para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária Manuela Dias Nutricionista I Seminário Estadual Rede-SANS Agosto/2012 Águas de Lindóia, SP Agenda:

Leia mais

Carta Consumers Union. Outubro / 2006

Carta Consumers Union. Outubro / 2006 Carta Consumers Union Outubro / 2006 Jeff Asher Consumers Union A Global Consumer Product Testing Organization Data: Outubro 8, 2006 Histórico da Organização: A Consumers Union, que há 70 anos publica

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006

Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006 Testes Comparativos de Serviços: Analisando os serviços financeiros no Brasil. Outubro / 2006 Testes comparativos Para a realização de testes comparativos utilizamos a norma ISO Internacional ISO GUIDE

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE

Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Luditas ou não, as inovações vencerão. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Quem é a PROTESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente, mantida pela contribuição

Leia mais

Mas, primeiramente, pedimos licença para apresentar nossa entidade

Mas, primeiramente, pedimos licença para apresentar nossa entidade São Paulo, 20 de julho de 2007 À Assembléia Legislativa de São Paulo D.D. Presidente Deputado Vaz de Lima Av. Pedro Álvares Cabral, 201. Sala T 57. Térreo. São Paulo - SP - CEP 04097-900 Assunto: ACIDENTE

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Página 2 de 9 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA... 4 6 ESCOPO

Leia mais

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável

Sensibilização para o Sector Doméstico. A DECO na Educação para o Consumo Sustentável Sensibilização para o Sector Doméstico A DECO na Educação para o Consumo Sustentável 1 Quem somos A DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor é uma associação privada, sem fins lucrativos

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE

Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil. Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Qualidade dos serviços de telefonia móvel e fixa no Brasil Maria Inês Dolci Coordenadora institucional da PROTESTE Quem é a PROTESTE? Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, totalmente independente,

Leia mais

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation ENplus Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira Manual ENplus Parte 5: Organização do Sistema Versão 3.0, Agosto 2015 Manual ENplus, Parte

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

Uso de Materiais de Referência

Uso de Materiais de Referência Uso de Materiais de Referência Ricardo Rezende Zucchini Célia Omine Iamashita IPT Divisão de Química Agrupamento de Materiais de Referência Introdução Série de guias ISO sobre Materiais de Referência ABNT

Leia mais

A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração

A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração Série Seminários FBDS Desafios Ambientais no Novo Modelo do Setor Elétrico Painel A Visão Empresarial sobre Viabilidade Ambiental dos Empreendimentos de Geração Claudio J. D. Sales 01 de Abril de 2005

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE RM 80 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOFTWARE PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 02 AGO/2013 MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE PROGRAMAS DE COMPARAÇÕES

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Questionário de Avaliação da Infra-Estrutura, Instalações Físicas e Recursos Didático-Pedagógicos - Geral Instituição

Questionário de Avaliação da Infra-Estrutura, Instalações Físicas e Recursos Didático-Pedagógicos - Geral Instituição 01. Como são as instalações físicas (salas de aula, laboratórios, ambientes de trabalho / estudo) utilizadas no seu curso? a) Amplas, arejadas, bem iluminadas e com mobiliário adequado. Arejadas, bem iluminadas

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Rev4 Janeiro/2015 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Rev4 Janeiro/2015 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial da qualidade

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade

Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level Fifth level. A Importância da Certificação da Qualidade A Importância da Certificação da Qualidade Seminário "Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Marco de Canaveses, 17 de Fevereiro de 2011 1 Programa Apresentação do Grupo SGS Qualidade e

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

A Vortal é uma empresa portuguesa, líder destacada no mercado ibérico de comércio G2B2B (government-to-business-to-business).

A Vortal é uma empresa portuguesa, líder destacada no mercado ibérico de comércio G2B2B (government-to-business-to-business). Uma parceria: A Confidencial Imobiliário é a primeira publicação dirigida ao sector imobiliário, com uma tradição de 20 anos a divulgar os preços do mercado imobiliário Publica a revista Confidencial Imobiliário

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

Karl Fish (Ambidata tradução, adequação à realidade portuguesa e montagem)

Karl Fish (Ambidata tradução, adequação à realidade portuguesa e montagem) Setúbal 2 de Outubro de 2009 Karl Fish (Ambidata tradução, adequação à realidade portuguesa e montagem) Estamos conscientes da evolução que têm tido as Tecnologias de Informação? Conseguimos imaginar a

Leia mais

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011.

Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 79, de 03 de fevereiro de

Leia mais

Adelia Aparecida Covre

Adelia Aparecida Covre Adelia Aparecida Covre Rua Goiás, n 1777 apto 906 Centro 86020-410 Londrina Paraná (43) 9912-5004 (41) 8875-9208 adeliacovre@yahoo.com.br 49 anos Brasileira Solteira Objetivo: DESIGN DE PRODUTOS/MARKETING

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa

Apresentação Câmara dos Deputados. CEG - Gas Natural Fenosa Apresentação Câmara dos Deputados CEG - Gas Natural Fenosa Operação e manutenção do Sistema Subterrâneo de Gás Canalizado no RJ 23 de agosto de 2011 1 Um Grupo Mundial presente no Brasil 25 países Mais

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaboradora Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 GARANTIA DA QUALIDADE EM TESTES LABORATORIAIS REMOTOS (TLR) Shélica Colonhezi Castro. Biomédica, Pós-Graduada em Gestão em Saúde; Biomédica da

Leia mais

Origem ChipsAway. Centro de Formação em Pittsburgh, Centro de Formação em Kidderminster, Estados Unidos. Inglaterra

Origem ChipsAway. Centro de Formação em Pittsburgh, Centro de Formação em Kidderminster, Estados Unidos. Inglaterra Origem ChipsAway Originária dos Estados Unidos, a ChipsAway nasceu com a ideia de realizar reparações de riscos e amassados em poucas horas, garantindo a qualidade e eficiência do serviço. Hoje, fazendo

Leia mais

PROTESTE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO CONSUMIDOR

PROTESTE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROTESTE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO CONSUMIDOR Maria Inês Dolci Coordenadora Institucional São Paulo Fevereiro de 2015 São Paulo Fevereiro de 2015 QUEM É A PROTESTE? Associação Brasileira de

Leia mais

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009

PROJETO QUALI-H2O. Débora França de Andrade. 4 e 5 de Agosto de 2009 RESULTADOS ALCANÇADOS NO PROJETO QUALI-H2O Débora França de Andrade VII SEMINÁRIO RIO METROLOGIA VII SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA 4 e 5 de Agosto de 2009 PARCEIROS FUNÇÕES DOS PARCEIROS Suporte e apoio gerencial.

Leia mais

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância

ISO série 9000. Evolução Histórica e Importância ISO série 9000 Evolução Histórica e Importância O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A ISO foi fundada em 1947, tem sede em Genebra (Suíça) e é uma federação

Leia mais

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas

Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas Preparação e Resposta à Doença por Vírus Ébola Avaliações Externas European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) Global Health Security Agenda (GHSA) Enquadramento A Plataforma de Resposta

Leia mais

AVISO. Lisboa, 4 de Junho de 2008

AVISO. Lisboa, 4 de Junho de 2008 AVISO No âmbito das atribuições e competências da ERC, previstas na Lei 53/2005, de 8 de Novembro, está aberto o procedimento de consulta prévia para realização de um trabalho de análise de publicações

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM MARKETING E COMUNICAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor

Pesquisa ISO 9001 Percepção dos compradores em relação aos seus fornecedores. - 2012 - Dplad/Dgcor Percepção dos compradores em relação - 2012 - Dplad/Dgcor OBJETIVO Conhecer a percepção das pessoas que atuam na área de compra de uma empresa quanto ao desempenho de seus fornecedores. TIPO DE PESQUISA

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001

Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 Pesquisa Percepção dos Compradores em Relação a seus Fornecedores com Certificação ISO 9001 2013 Dplan/Dgcor OBJETIVO Avaliar a percepção dos compradores com os fornecedores que possuem certificação ISO

Leia mais

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br GUIA DO VISUALIZADOR SUA EMPRESA ONLINE NO MUNDO DA NORMALIZAÇÃO SUMÁRIO 1 O QUE É ABNTCOLEÇÃO...3 1.1 CONFIGURAÇÕES MINIMAS DESEJAVEL...3 1.1.2 SEGURANÇADE REDE...3 2 COMO ACESSAR A SUA COLEÇÃO...4 2.1

Leia mais

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO

Áreas de Atuação SERVIÇOS TECNOLÓGICOS SOLUÇÕES DE AUTOMAÇÃO SOLUÇÕES DE COMPUTAÇÃO A experiência da Itautec na Reciclagem de Equipamentos Eletroeletrônicos VII Seminário de Resíduos - Recicle CEMPRE XIII FIMAI Feira Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade Novembro

Leia mais

Complemento da Regra de Certificação para Sistemas de Gestão

Complemento da Regra de Certificação para Sistemas de Gestão CRC-026-SGT Página: 1/6 Elaborado por: Karen Carolina Martins Verificado por: Suzete Schipa Suzuki Aprovado por: Rogéria Araújo Cutolo Sergio Fellauer Data Aprovação: 12/06/2009 TÜV Rheinland do Brasil

Leia mais

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012

SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias. Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012 SUMÁRIO SQ/IT084 Fundamentos do Programa Setorial da Qualidade de Tintas Imobiliárias Ed01/Rev1 Fevereiro de 2012 1 Introdução 2 Documentos complementares 3 Conceituação 4 Requisitos do programa setorial

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES AOS LABORATÓRIOS QUÍMICOS NO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS DA ABNT NBR ISO/IEC 17025 E POLÍTICAS DE ACREDITAÇÃO DA CGCRE Documento de caráter orientativo (DOQ-Cgcre-035)

Leia mais

INCÊNDIOS EM EDIFICAÇÕES

INCÊNDIOS EM EDIFICAÇÕES MESA REDONDA 04 DE M AIO DE 2012 SINDICATO DOS ENGENHEIROS DO RS - PORTO ALEGRE INCÊNDIOS EM EDIFICAÇÕES Prof. DARIO LAURO KLEIN dario@ppgec.ufrgs.br UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE

Leia mais

As semelhanças e diferenças entre Auditorias e Perícias Ambientais

As semelhanças e diferenças entre Auditorias e Perícias Ambientais As semelhanças e diferenças entre Auditorias e Perícias Ambientais Lucila Maria de Souza Campos Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas lucila.campos@ufsc.br

Leia mais

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS CONTROLE DE QUALIDADE EM EMBUTIDOS CÁRNEOS Prof. Nelcindo N.Terra Depto. de Tecnologia e Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria nelcindo@terra.com.br DIFERENCIAL

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE. Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Qualidade Microbiológica de Colutórios e Elixires Enquadramento O INFARMED Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

Coaching para a Excelência

Coaching para a Excelência II Seminário Internacional Consultua/ISPC Coaching para a Excelência 11 de abril 2012, Vila Real apoios ISPC International School of professional Coaching ISPC-International School of Professional Coaching

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado. Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010

Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado. Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010 Avaliação de Conformidade MoReq-Jus - Projeto Contratado Cláudia Piovesan Macedo - CPqD 04/03/2010 Avaliação de Conformidade MoReq-Jus Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão de Processos

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA Determinações a serem observadas para a realização do monitoramento das emissões atmosféricas

Leia mais

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1

Calibração. Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão. 05/28/2009 André Nadais. Slide 1 Calibração Soluções econômicas para calibração de medidores de vazão Slide 1 Agenda 1. Endress+Hauser Medição de vazão e competência de calibração 2. Calibração on-site de medidores de vazão Reduzindo

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO, SEGUNDO A NBR ISO 9001 E VERSÃO PERTINENTE E O PBQP-H

REGULAMENTO PARA USO DE LOGOMARCAS, CERTIFICADOS E DECLARAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO, SEGUNDO A NBR ISO 9001 E VERSÃO PERTINENTE E O PBQP-H 1 ICQ BRASIL OCS - Organismo de Certificação de Sistema da Qualidade e OCO Organismo de Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade de Empresas de Serviços e Obras na Construção Civil, acreditado pelo

Leia mais

Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 2008

Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 2008 Estudo Europeu sobre a Satisfação com os serviços de Telecomunicações 8 Data: Julho 8 Preparado para: Apritel Equipa Client Service: Paulo Paula / João Marques PORQUÊ A MILLWARD BROWN? CONSISTÊNCIA Rede

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

OUTUBRO 2015 PROJETO

OUTUBRO 2015 PROJETO PROJETO 1. ENQUADRAMENTO A Associação Industrial Portuguesa consciente da fase de transição dos referenciais de Qualidade e da necessidade das PME iniciarem ou consolidarem os seus processos de Investigação,

Leia mais

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012.

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. O Presidente

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Cérebro Centro de Formação, Lda.

Cérebro Centro de Formação, Lda. Catálogo de Formação Cérebro Centro de Formação, Lda. Desde 1990 a apostar no Futuro com Qualidade e Formação! Sede: Av. José Afonso, nº. 92, cv Cavaquinhas, Arrentela, 2840-735 Seixal Tel./Fax: 212 225

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 Define teste psicológico como método de avaliação privativo do psicólogo e regulamenta sua elaboração, comercialização e uso. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso das atribuições

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Elaboração Juscelino Bourbon PRO - GADS - 03-01 Versão Data Histórico Aprovação 00 30/05/11 Emissão de procedimento. Katty Cavalcanti Separação entre avaliação e 01 08/11/11 seleção

Leia mais

COMPLEMENTO. INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES DIFERENCIAIS E RESIDUAIS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO IDR s e DDR s (RCCB S e RCBO S)

COMPLEMENTO. INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES DIFERENCIAIS E RESIDUAIS PARA USO DOMÉSTICO E ANÁLOGO IDR s e DDR s (RCCB S e RCBO S) COMPLEMENTO INTERRUPTORES E/OU DISJUNTORES A CORRENTES Doc: 702-CRC-008 Revisão: 02 Página: 1/19 Elaborado por: Laércio dos Santos Verificado por: Karen Carolina Martins Nelson Coelho Aprovado por: Nelson

Leia mais

Programas Master Ibéria 2013-2014

Programas Master Ibéria 2013-2014 Programas Master Ibéria 2013-2014 Master em Indústria Farmacêutica e Parafarmacêutica. LISBOA Master em Direção Comercial e Marketing para Indústria Farmacêutica e Afins. Master em Monitorização de Ensaios

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI

Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON Secretaria de Agricultura, Pecuária e Regularização Fundiária -SEAGRI GERÊNCIA DE INSPEÇÃO E DEFESA SANITÁRIA VEGETAL Programa

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos ISO 20.000 / 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ISO 20.000 Foundation tem como premissa fornecer uma visão geral da publicação da norma ISO/IEC 20000 capacitando o aluno a entender

Leia mais

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco

As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco As certificações internacionais, normativa ANVISA e a análise de degradação detalhada, atestam a veracidade e qualidade de todos os produtos da Eco Ventures Bioplastics, que oferece um serviço excepcional

Leia mais

Desde a primeira edição CRASH TEST

Desde a primeira edição CRASH TEST Corbis A posição da foto foi invertida em computador, mas os fatos apresentados não foram alterados. Por que a vida dos br O veículo da esquerda é o Fox mais vendido na Europa. O da dire enquanto o modelo

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

Responsabilidade Social e Incentivos Sociais. Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e da Pessoa Idosa

Responsabilidade Social e Incentivos Sociais. Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e da Pessoa Idosa Responsabilidade Social e Incentivos Sociais Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente e da Pessoa Idosa Nosso ponto de partida Responsabilidade Social: conceito em evolução e práticas em difusão,

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais