CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS"

Transcrição

1 CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO É no espaço urbano que as ações da sociedade aparecem materializadas e os processos que lhe dizem respeito instaurados. Dentre tais processos destaca-se os ligados a polinucleação e à multiplicidade da centralidade intra-urbana. Em Goiânia, principalmente a partir de meados de 1980, se dá a descentralização das atividades características do Centro Tradicional para áreas adjacentes a ele. Neste contexto, distingue-se na capital goianiense uma variedade de subcentros que concentram uma diversidade de comércio e serviços. Contudo, tais centralidades possuem características intrinsecamente ligadas à sua clientela alvo. Nesse caso, Campinas se destaca como subcentro de comércio e serviços populares. Compreender o funcionamento das atividades desenvolvidas nesse setor, em questão, o comércio, os serviços, as atividades culturais, o lazer, o usuário e moradia, bem como mapear a distribuição das principais áreas de concentração de atividades, são objetivos almejados nesta análise do espaço intra-urbano de Goiânia. Palavras-chave: intra-urbano-centralidade-subcentro Introdução O espaço urbano é um produto social, resultado de ações acumuladas através do tempo, e engendradas por agentes que produzem e consomem espaço (CORRÊA, 1995, p. 11). Em contrapartida o espaço intra-urbano remete-se a compreensão interna da estrutura urbana de uma cidade. Essa análise interna evidencia as condições de deslocamento casa/trabalho seja enquanto consumidor (...), deslocamento casa/compras, casa/lazer, escola, ¹ Pesquisadora Orientadora ² Voluntário Iniciação Científica PVIC/UEG ³ Curso de Licenciatura Plena em Geografia, Unidade Universitária de Ciências Sócio -Econômicas e Humanas, UEG.

2 etc. (VILLAÇA, 1998, p. 20). Nessa ótica, a análise intra-urbana atem-se a mobilidade das classes e as forças que se instauram no bojo da apropriação do espaço. Continuando com Villaça (op.cit, p, 277), onde coloca que na década de 1960 as metrópoles brasileiras como as cidades médias deram início ao desenvolvimento de subregiões urbanas de comércio e serviços voltadas as camadas de alta renda fora do centro tradicional. Esse fenômeno, no qual, as classes abastardas abandonam o centro principal formando o chamado Centro Novo, compreende-se na decadência da área central. A descentralização da cidade acirra a fragmentação do espaço intra-urbano, consequentemente a formação de novas centralidades. Beltrão Sposito (2001, p. 236) argumenta, que o processo de fragmentação promove novos fluxos na cidade, permitindo a emergência de uma centralidade múltipla e complexa, no lugar de uma centralidade principal. Essas centralidades podem ser também diversificadas, ou seja, voltadas ao público alvo sendo denominada de centralidade polinucleada (BELTRÃO SPÓSITO, Op.Cit). A reestruturação do espaço urbano torna-se cada vez mais complexo através da formação dos núcleos secundários. Corrêa (2001) defende que a descentralização está ligada as deseconomias das áreas centrais e ao crescimento demográfico e espacial da cidade. Goiânia por sua vez, na década de 1980 desenvolveu o processo de decadência do seu centro tradicional (PAULA, 2003), desencadeando a formação do Centro Expandido (PDIG- 1992), onde compreende os setores, Centro, Oeste, Bueno, Marista, Como também, Pedro Ludovico, Vila Nova, Aeroporto, Campinas, Coimbra e Sul. A descentralização da capital goiana tornou o espaço intra-urbano cada vez mais dividido quanto aos usos das diferentes classes sociais. Enquanto os setores Bueno, Oeste e Marista concentram atividades comerciais e de serviços voltadas às classes abastardas (PAULA, Op.Cit), os setores Aeroporto, Vila Nova e Campinas estão direcionados ao comércio e serviços de cunho popular. No bojo da centralidade polinucleada de Goiânia, evidencia o papel do Setor Campinas como um subcentro. Que segundo Villaça (1998), é compreendido como uma réplica em tamanho menor do centro, mas com os mesmos requisitos de diversidade e acesso do centro principal. O Setor Campinas sobressai como um subcentro popular por estar direcionado ao público de menor poder aquisitivo mas desempenha papel relevante como polo comercial da cidade, pela enorme diversidade e existência de ruas especializadas. Objetivos

3 - Geral Analisar a dinâmica sócio-espacial do Setor Campinas enquanto subcentro destinado a atender à população goianiense de menor poder aquisitivo. - Específico(s) Compreender o funcionamento das atividades desenvolvidas nesse setor caracterizando-as quanto aos tipos de comércio, de atividades culturais e de lazer, usuários e moradia. Mapear a distribuição das principais áreas de concentração de atividade localizadas no Setor Campinas. Material e Métodos Os passos metodológicos que foram desenvolvidos para a realização dessa pesquisa foram: 1. Revisão Bibliográfica: Bibliografia Técnica Pesquisa documental para reconstituição do processo de formação e produção dos setores estudados. Legislação oficial pertinente ao zoneamento local, planodiretor, pesquisa junto aos órgãos municipais competentes (COMDATA, Secretaria de Finanças, SEPLAM, etc.) além de outras fontes ( jornais e revistas locais). Bibliografia teórica A pesquisa de textos teóricos visou propiciar um maior embasamento teórico-metodológicos acerca dos processos e fenômenos ocorridos no espaço intra-urbano e destacados neste projeto de pesquisa, o que certamente contribuiu para a apreensão e o entendimento do processo de espraimento das atividades de comércio e serviços no espaço intra-urbano goianiense. 2. Pesquisa de Campo: A pesquisa de campo se deu com o objetivo de observar as áreas de estudo, caracterizando e catalogando as atividades nelas existentes por meio de fotografias e anotações. É preciso ainda destacar a importância da elaboração de modelos de questionários e formulários para entrevista com os diferentes tipos de usuários dos setores estudados nesta pesquisa. Para esta fase foram necessários três momentos: I Levantamento e caracterização da área foi feito com o intuito de catalogar quais as atividades instauradas nos setores Campinas e Vila Nova, bem como de enumerar quais suas principais características; II Aplicação de questionário/entrevista a ser aplicado a os usuários dos setores analisados (sejam eles consumidores, trabalhadores ou moradores) durante a execução do projeto;

4 III Aplicação de questionário/entrevista aos usuários do setores estudados. 3. Análise e interpretação dos dados coletados: Foram agrupados, tabulados todos os dados, com o intuito de verificar repetições e variações para a confecção de mapas, tabelas e gráficos. 4. Redação do Relatório de Pesquisa: De posse da tabulação dos dados coletados e de suas respectiva análises, as conclusões foram desenvolvidas e apresentadas de forma escrita. Resultados e discussões Para conclusão desse trabalho, foram aplicados 61 questionários visando traçar um perfil das pessoas que freqüentam esse subcentro, bem como a produção de um mapa da distribuição espacial das atividades comerciais e de serviços e da renda (ainda em confecção). O trecho percorrido compreende a Avenida Anhanguera e Avenida 24 de outubro, as ruas especializadas, locais de maior concentração comercial e de serviços. Esses foram subdivididos em três categorias: usuários (28), trabalhadores/proprietários (25) e moradores (08), dos quais constituíam os seguintes itens: Ident ificação e Caracterização Sócio- Econômica; Aspectos do Cotidiano; Imagem do Bairro e da Cidade. Para o grupo de trabalhadores/proprietários adicionou-se um item específico: caracterização do tipo de estabelecimento comercial. A maioria dos entrevistados possuía de 15 a 25 anos e quanto ao nível de escolaridade, 39% concluíram o Ensino Médio. A faixa salarial variou de R$ 250,00 a mais de R$ 3.500,00, sendo que 5% ganhavam menos que R$ 250,00. A maioria dos entrevistados tinha renda mensal de R$ 251,00 a R$ 500,00 (51%), 28% de R$ 501,00 a R$ 1.000,00. Uma pequena parcela possuía entre R$ 1.001,00 a R$ 2.000,00 (10%), 3% de R$ 2.001,00 a R$ 3.500,00 e apenas 2% ganhavam acima de R$ 3.500,00. Isso evidencia o Setor Campinas como um local que atende as classes de menor poder aquisitivo em todas as categorias analisadas. Outro aspecto importante é no que se refere a profissão dos entrevistados, visto que 38% eram vendedores, fato que caracteriza-o como pólo comercial e de serviços. As pessoas que freqüentam o Setor Campinas são oriundas de toda a capital goiana e da Área Metropolitana. Parte dos usuários residem na Região Noroeste de Goiânia, considerando-o como centro da cidade, pois encontram de tudo, desde bancos, lojas, ruas especializadas, o que proporciona comodidade, diversificação e acessibilidade. Os

5 estabelecimentos comerciais se instalam nesse local devido ao movimento, a concentração do comércio e a acessibilidade. Ao analisar o número de estabelecimentos comerciais e de serviços existentes no Setor Campinas, constata-se que ele ocupa o segundo lugar como pólo comercial, sendo que o setor de comércio ultrapassa a quantidade existente no Centro. Segundo dados da SEPLAM (2002) coloca que o total de estabelecimentos no Setor Campinas corresponde a 4.789, sendo que é comercial e 875 serviços, e no Centro são 7.470, no qual é comercial e serviços. Contribuindo para essa posição de destaque em números de estabelecimentos, o setor possui vias com diversidade comercial e de serviços: Avenida 24 de outubro, que disponibiliza desde serviços bancários à Lojas de Eletrodoméstico; Avenida Anhanguera que possui significativa diversificação e uma pequena coesão de Lojas de Auto-peças e couros e a Avenida Castelo Branco que é especializada em produtos agropecuários. Discutindo acerca do processo de coesão, Corrêa (1989, p.57) diz que: A conseqüência deste processo é a criação de áreas especializadas, tanto na Área Central como em outros setores da cidade. (...) tornando-os de fato mais complexos, assim como a organização espacial intra-urbana. Encontra-se de tudo no Setor Campinas: as Ruas Santa Luzia, Minas Gerais são especializadas em malhas/tecidos/aviamentos, a Rua Benjamim Constant em bijuterias, Ruas Senador Jaime, Pouso Alto, São Paulo abrigam as lojas de móveis usados (pregões) e a Rua Jose Hermano aluguel de roupas finas (noivas). Diante desses aspectos é que Campinas se destaca no setor de comércio em Goiânia, visto que 39,3% das pessoas entrevistadas disseram que o bairro é o que mais se destaca na capital. Cabe ressaltar que, 39,3% consideram Campinas como outro centro principal. Em Goiânia existem várias outras centralidades que atendem a classes diferenciadas, e o Setor Campinas tem papel fundamental na análise do espaço intra-urbano goianiense. Conclusão Acerca das observações feitas empiricamente, conclui-se que o Setor Campinas é um subcentro voltado às classes populares. O espaço intra-urbano de Goiânia necessita de uma discussão mais profunda, acerca do entendimento dessas multiplicidades de áreas centrais e suas funcionalidades. Olhar a cidade é vê-la como sendo um espaço fragmentado e articulado, uma sociedade dividida por classes que possuem espaços diferenciados, mas interdependentes, um local de disputa por um ponto privilegiado no espaço intra-urbano. Na cidade capitalista a classe de menor poder aquisitivo não vive de fato a cidade, mas sim fração dela, conseqüentemente a classe abastada tem total acesso aos equipamentos

6 urbanos e de serviços, sendo que, estes são mal distribuídos em detrimento do capital. Isso acentua a ação dos agentes imobiliários, que especulam a terra e contribui para a segregação sócio-espacial, em que a classe de menor poder aquisitivo fica cada vez mais distante da área central, não exercendo de fato a cidadania. Destarte, essas centralidades múltiplas e polinucleadas existentes em Goiânia, à divide em várias cidades dentro de uma única cidade, cada uma com sua funcionalidade e atendendo a distintas classes sociais. Referências Bibliográficas BELTRÃO SPÓSITO, M. E. Novas formas comerciais e a redefinição da centralidade intraurbana. In: (Org). Textos e Contextos para a leitura geográfica de uma cidade média. Presidente Prudente: [ s.n.] CORRÊA, R. L. Trajetórias Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, PAULA, F. M. A. Descentralização e Segregação Sócio-Espacial em Goiânia: uma análise da Centralidade dos Setores Bueno, Oeste e Marista f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, PLANO de Desenvolvimento Integrado de Goiânia Goiânia: Instituto de Planejamento Municipal da Prefeitura Municipal de Goiânia, SEPLAM, Radiografia Sócio-Econômica de Goiânia Goiânia: Secretaria Municipal de Planejamento da Prefeitura de Goiânia, VILLAÇA, F. Espaço Intra-Urbano no Brasil. São Paulo. Studio Nobel: FAPESP: Lincolm Institute, 1998.

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO

LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO Ariane Barilli de Mattos Graduação em Geografia Faculdade de Ciências e Tecnologia ane_cbj@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ALFABETIZAÇÃO CARTOGRÁFICA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Helton Andrade Canhamaque/UFES heltongeoufes@hotmail.com Júlio de Souza Santos/UFES juliogeoufes@hotmail.com INTRODUÇÃO O trabalho em questão

Leia mais

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP)

ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP) 105 ANÁLISE DA ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DOS CONDOMÍNIOS FECHADOS HORIZONTAIS DE ALTO PADRÃO NO MUNICÍPIO DE INDAIATUBA (SP) LETÍCIA BARBOSA RIBEIRO 1 e LINDON FONSECA MATIAS 2 leticia.b.ribeiro@hotmail.com,

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros Bruno Rodrigues Freitas Aluno do curso de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Universidade Estadual de Montes

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 Resumo: Nos últimos 20 anos, as preocupações com os fatores socioambientais vêm se configurando

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

O ESPAÇO URBANO DE VILA VELHA-ES E A SEGREGAÇÃO SÓCIO ESPACIL ENTRE 1970 E 2010

O ESPAÇO URBANO DE VILA VELHA-ES E A SEGREGAÇÃO SÓCIO ESPACIL ENTRE 1970 E 2010 O ESPAÇO URBANO DE VILA VELHA-ES E A SEGREGAÇÃO SÓCIO ESPACIL ENTRE 1970 E 2010 Eder Lira Universidade federal do Espírito Santo-UFES. Brasil ederlira@hotmail.com INTRODUÇÃO O projeto lança uma proposta

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP

DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP DISPARIDADES ENTRE A ZONA SUL E A ZONA NORTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP Luiz Henrique Mateus Lima lugano_lima@yahoo.com.br Mestrado em Geografia FCT UNESP Campus de Presidente Prudente 1088 Resumo As

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS AGENTES DE LIMPEZA DE CAPINA E VARRIÇÃO: CASO BAIRRO MONTE CASTELO. Nadya Guedes Alves Lustosa (*), Paulo Borges da Cunha. *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA

CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA CONFLITOS NO SUBCENTRO DA PERIFERIA: UM ESTUDO DA AVENIDA FREI BENJAMIM VITÓRIADA CONQUISTA / BA Bruno Pereira Marques Graduando, em Geografia/UESB e Bolsistado PIBID/CAPES. E-mail: brunop_marques@hotmail.com

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 1 A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 INTRODUÇÃO Karina Biasi Pina Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Fafipa karinabiasi@hotmail.com Gilmar Aparecido

Leia mais

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL

O USO DO TERRITÓRIO PELOS SERVIÇOS PRIVADOS DE SAÚDE EM NATAL/RN E A FORMAÇÃO DE UM CORREDOR SANITÁRIO EM PETRÓPOLIS E TIROL Edseisy Silva Barbalho Tavares Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); Graduanda em Geografia Bacharelado pela UFRN e professora da rede municipal de ensino de Parnamirim/RN

Leia mais

Loteamentos residenciais, mobilidade urbana e segregação socioespacial: o caso de Itabira.

Loteamentos residenciais, mobilidade urbana e segregação socioespacial: o caso de Itabira. Loteamentos residenciais, mobilidade urbana e segregação socioespacial: o caso de Itabira. Ana Paula de Oliveira Freitas 1 ; Helena d'agosto Miguel Fonseca 2 ¹ CEFET-MG Departamento de Engenharia de Transportes;

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB Erbeth Yuri dos Santos Nascimento¹, Antônio Pereira

Leia mais

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP.

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP. Felipe Comitre Silvia Aparecida Guarniéri Ortigoza Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro fcomitre@rc.unesp.br As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS

PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PESQUISA RELATÓRIO 1/2 PESQUISA PRESIDENTE GOVERNADOR - SENADOR CONTRATANTE DA PESQUISA: PARTIDO DA REPÚBLICA-PR MINAS GERIAS ESTADO: MINAS GERAIS PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS TRABALHOS: 12 A 19 DE SETEMBRO

Leia mais

Figura 30: Mapa de concentração do segmento de Jóias e Bijuterias do município de Limeira

Figura 30: Mapa de concentração do segmento de Jóias e Bijuterias do município de Limeira Figura 30: Mapa de concentração do segmento de Jóias e Bijuterias do município de Limeira Fonte: Elaborado a partir de BRUNA et al, 2006, p.144. A partir desta identificação foi possível observar que tais

Leia mais

A EXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E UNIFAL-MG

A EXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E UNIFAL-MG A EXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL E UNIFAL-MG PAULO HENRIQUE DE SOUZA 1 e FILIPE EGÍDIO DIAS DO PRADO 2 phsouza31@hotmail.com egidioufla@yahoo.com.br

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 316 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Gustavo Favaretto Martinez, Marcelo Batista Pigioni, Mayra

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

Dinâmica dos finais de linha em Salvador/BA: O caso do bairro da Santa Cruz. 1

Dinâmica dos finais de linha em Salvador/BA: O caso do bairro da Santa Cruz. 1 Dinâmica dos finais de linha em Salvador/BA: O caso do bairro da Santa Cruz. 1 1. INTRODUÇÃO Caê Garcia Carvalho. Juarez Souza Lima. Jullie Souza de Santana Santos. Lara Moraes Borowski. Leandro Lopes

Leia mais

FGTS poderá financiar imóveis de até R$ 300 mil

FGTS poderá financiar imóveis de até R$ 300 mil FGTS poderá financiar imóveis de até R$ 300 mil Atualmente, o limite é de R$ 190 mil para propriedades nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e no Distrito Federal. Página 3 JORNAL QUE

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

A formação dos professores de Educação Física, atuantes na administração escolar da Rede Municipal de Educação de Goiânia

A formação dos professores de Educação Física, atuantes na administração escolar da Rede Municipal de Educação de Goiânia A formação dos professores de Educação Física, atuantes na administração escolar da Rede Municipal de Educação de Goiânia Fernando Henrique Silva Carneiro 1 Resumo: Esta pesquisa tem como objetivo compreender

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg CARTA DO CICLISTA GOIANO hjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx Proposta de ciclovias para Goiânia cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbn

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA Wanda Maria Risso Günther (*) Faculdade de Saúde Pública da Universidade

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL MEDIATECA RS Autor: Pedro Arthur Câmara O terreno está localizado na cidade de Porto Alegre, no Bairro Centro Histórico. Á área é de uso misto, tendo uma grande concentração de atividades comerciais e

Leia mais

LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES.

LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. LICENCIATURA E ENSINO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: UM ESTUDO INVESTIGATIVO SOBRE O CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES. AUTORA: Flavia Wegrzyn Martinez¹- UEPG CO- AUTORA: Susana Soares Tozetto²- UEPG Resumo: O

Leia mais

A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO

A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO A DOCÊNCIA: APONTAMENTOS DE ALGUNS AUTORES QUE DISCUTEM O ENSINO NA PÓS-GRADUAÇÃO Franciele Ribeiro Lima 1 1. Mestranda em Educação do PPGEdu da UFGD, bolsista CAPES. RESUMO: A docência discutida no âmbito

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS Pablo de Barros Cardoso Professor, Universidade do Grande Rio, Brasil Vânia Barcellos Gouvêa Campos Professora, Instituto Militar

Leia mais

ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL

ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL ASSENTAMENTOS RURAIS: MAPEAMENTO E NÚMERO DE FAMÍLIAS CONTEMPLADAS NO NOROESTE DO PARANÁ BRASIL 1 Juliana Paula Ramos 2 Alex Pires Boava 3 Larissa Donato RESUMO Este artigo visa uma breve discussão dos

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO SOCIAL EM HABITAÇÃO COM UM CAMPO DE ATUAÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL HADDAD, Tatiana Paula (Estágio I), e-mail: tphaddad@hotmail.com; PETILO, Kássia Schnepper (Estágio I), e-mail: kassiaschnepper@hotmail.com;

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL

REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL REGULAMENTO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS- ESPANHOL 2010 Este regulamento disciplina o Estágio Supervisionado no Curso de Letras:Português/Espanhol, tendo em vista

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos.

Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. Shopping bonsucesso. Transformando o perfil de consumo de guarulhos. No centro de uma área em pleno desenvolvimento, que vem recebendo novos empreendimentos imobiliários e constantes investimentos em infraestrutura,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1

RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 RESPONSABILIDADE SOCIAL INTERNA: AÇÕES PRATICADAS POR EMPRESAS DA CIDADE DE PASSO FUNDO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Pauline Costa 3, Alessandra Costenaro Maciel 4, Daniel Knebel Baggio 5, Bruna Faccin

Leia mais

Pesquisa Quantitativa Top of Mind 1

Pesquisa Quantitativa Top of Mind 1 Pesquisa Quantitativa Top of Mind 1 Amanda Aguiar Emilayni Silva Flávio Martins Paula Cristina Pereira Raphael Cordeiro Rodrigo Geraldo Tadeu Granziol Vivian R. Barboni 2 Samia Cruañes de Souza Dias 3

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS 66 A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS Resumo Nina Ferraz Tolentino 1 Orientador: Alexandre Magno Alves Diniz 2 O aumento da violência ao longo

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

2 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: NASCE O COMÉRCIO

2 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: NASCE O COMÉRCIO 2 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: NASCE O COMÉRCIO A aldeia cresceu. O número de pessoas aumentou. Novas atividades surgiram. Em uma aldeia, algumas pessoas só

Leia mais

OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO

OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO OBJETIVOS DA EDUCAÇÃO RURAL JATAIENSE PARA OS ALUNOS QUE TRABALHAM E ESTUDAM NO CAMPO Andrêane Rodrigues RAMOS Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí andreane-ramos@hotmail.com Cátia Regina Assis Almeida

Leia mais

RELATÓRIO VIOLAÇÕES DE DIREITOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NOS MESES QUE ANTECEDEM A REALIZAÇÃO DA COPA DO MUNDO

RELATÓRIO VIOLAÇÕES DE DIREITOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NOS MESES QUE ANTECEDEM A REALIZAÇÃO DA COPA DO MUNDO RELATÓRIO VIOLAÇÕES DE DIREITOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA NOS MESES QUE ANTECEDEM A REALIZAÇÃO DA COPA DO MUNDO O Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e

Leia mais

Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano?

Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano? 112 Mas com tantas contradições, desigualdades e injustiças, será que houve realmente uma evolução do tecido urbano? Ao levantar este questionamento é pertinente esclarecer qual deve ser a real evolução.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

A apropriação dos espaços e equipamentos públicos de esporte de lazer na cidade de Uruaçu-GO

A apropriação dos espaços e equipamentos públicos de esporte de lazer na cidade de Uruaçu-GO GTT: Políticas Públicas A apropriação dos espaços e equipamentos públicos de esporte de lazer na cidade de Uruaçu-GO Fernando Henrique Silva Carneiro 1 Fernanda Martins de Souza Moraes 2 Justificativa/

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP

Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana - SeMOB PROGRAMA BRASIL ACESSÍVEL ACESSIBILIDADE E REVITALIZAÇÃO DOS PASSEIOS PÚBLICOSP São Paulo/SP, 28 de agosto de 2009 MOBILIDADE URBANA: Atributo

Leia mais

CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP

CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP Eixo Temático: Tecnologias CICLOVIAS COMO ALTERNATIVA SUSTENTÁVEL PARA A MOBILIDADE URBANA UM ESTUDO DE CASO DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO - SP Lidia Moura 1 Cynthia Akemi 2 Luiz Eduardo Moschini 3 RESUMO:

Leia mais

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO

RESULTADOS DO PROJETO PILOTO RESULTADOS DO PROJETO PILOTO 1. INTRODUÇÃO O projeto piloto organizado pelo Centro de Pesquisas Rachid Mohamd Chibib sob a direção do Prof. Msc. Wagner Cardozo teve por objetivo analisar a composição de

Leia mais

Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso)

Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso) 1 Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso) II Seminário do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas As Ciências Sociais e Aplicadas na era dos Serviços. Profa.Mariângela Alice

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE

A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE Larissa da Silva Barbosa lariibarbosa@ig.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG Ana Rute

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS

A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS SOCIOGEOLINGÜÍSTICOS PARA A ESCOLHA LEXICAL NA RECEPÇÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS ORAIS E ESCRITOS Adriana Cristina Cristianini (USP, UNIBAN) dricris@usp.br Márcia Regina Teixeira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Programa de Fortalecimento da Gestão do Setor Público e do Desenvolvimento Territorial Integrado Rio Metrópole PROGESTÃO II - Contrato de Empréstimo 8327- BR TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR

Leia mais

P L A N O S DIRETORES

P L A N O S DIRETORES PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO Como operacionalizar o aspecto participativo dos planos diretores: sistematização do processo participativo, através da inserção dos insumos participativos em banco de dados

Leia mais

A Reorganização do Espaço Urbano Carioca - Em Destaque o Eixo Madureira- Campinho e seus Movimentos Sociais.

A Reorganização do Espaço Urbano Carioca - Em Destaque o Eixo Madureira- Campinho e seus Movimentos Sociais. A Reorganização do Espaço Urbano Carioca - Em Destaque o Eixo Madureira- Campinho e seus Movimentos Sociais. Caio Calixto Teixeira Pereira Graduando em Geografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO*

PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* PARADIGMAS INOVADORES EM PLANEJAMENTO URBANO E GESTÃO* BEATRIZ FLEURY E SILVA 1 LUIZ ANTÔNIO N. FALCOSKI 2 SILVA, B. F. e; FALCOSKI, L. A. N. Paradigmas inovadores em planejamento urbano e gestão Semina:

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte

Leia mais

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Letícia Celise Ballejo de Oliveira Roberto Cassol leticelise@yahoo.com.br, rtocassol@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria - UFSM UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA NÚCLEO DE PESQUISA EM DIREITO DA UNIEVANGÉLICA- NPDU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA NÚCLEO DE PESQUISA EM DIREITO DA UNIEVANGÉLICA- NPDU CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS - UNIEVANGÉLICA NÚCLEO DE PESQUISA EM DIREITO DA UNIEVANGÉLICA- NPDU Mobilidade e acessibilidade: O Trânsito do Município de Anápolis Goiás e as Relações de proteção e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN Rejane dos Santos Dantas¹; Robson Garcia da Silva²; rsdbiosl@bol.combr¹; robson.garcia@ifrn.edu.br²;

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

O Interface de Transportes

O Interface de Transportes O Interface de Transportes Tipologias de funcionamento e morfologia espacial - aplicação ao projecto Resumo Alargado Inês Isabel do Nascimento Piedade Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Arquitectura

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 INCLUIR NA UFU ACESSIBILIDADE E PERMANÂNCIA COM QUALIDADE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Valéria Manna Oliveira FAEFI - Universidade Federal Uberlândia Claudia Dechichi CEPAE - Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado Tema: A cidade de Goiânia e o goianiense Questões abordadas: Falem o que é Goiânia para vocês. Como vocês veem a

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 200000 205000 210000 215000 220000 Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 7660000 7665000 195000 Legenda Linhas Diametrais Rápido D Oeste (4) 7655000

Leia mais

A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS

A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS A AGRICULTURA URBANA COMO MANIFESTAÇÃO DA RURALIDADE NA CIDADE DE ALFENAS Deywison Tadeu Resende Gonçalves deywisont@hotmail.com Bolsista PIBIC/CNPq Geografia UNIFAL-MG Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

RESENHA PALAVRAS-CHAVE. Informação; transporte público; identidade visual. INTRODUÇÃO

RESENHA PALAVRAS-CHAVE. Informação; transporte público; identidade visual. INTRODUÇÃO Uso de identidade visual como instrumento de consolidação da informação ao usuário do transporte público de Porto Alegre. Arq. Urb. Simone Caberlon 1 1. Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC)

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ RESPEITO AO MEIO AMBIENTE: Programa de Incentivo ao Plantio de Mudas e Manutenção de Vias Públicas e Escolas Municipais Para a franquia O Boticário de São Gonçalo

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles?

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles? Urban View Urban Reports Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte Morar nos grandes centros tem suas vantagens, como mais opções de trabalho, educação e lazer. Mas também tem seu lado negativo.

Leia mais