Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso)"

Transcrição

1 1 Cidade e Urbano: uma caracterização do terciário superior (mini-curso) II Seminário do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas As Ciências Sociais e Aplicadas na era dos Serviços. Profa.Mariângela Alice Pieruccini

2 2 Estrutura para a discussão proposta O que é cidade? O que é urbano? Caracterização da rede urbana e a inserção da Região Oeste do Paraná. Terciário Superior na dimensão do Urbano: a cidade de Cascavel.

3 Cidade... Aglomeração humana; conjunto de pessoas vivendo próximas umas das outras. Determinadas atividades exigem a cooperação de um elevado número de pessoas, que precisam viver próximas umas das outras para poder desempenhá-las. (SINGER, 1998, p.139) 3

4 4 Características da Cidade... A 1a. função da cidade, sua razão de ser, configura-se em centro de mercado, de negócios e de serviços para um território mais vasto... A cidade compõe um sistema que integra um outro sistema, ou uma rede de cidades, cujo papel é essencial na estruturação e organização do espaço geográfico de uma região. Abordagem cidade-região (George) As aglomerações urbanas mantém e reforçam laços de interdependências dentro de determinado território.(christaller)

5 5 Urbano... Dados os diversos processos históricos que originam as relações sociais, as cidades apresentam distintos perfis de desenvolvimento, estrutura, atividade e ocupação. O entendimento da dinâmica urbana estaria, necessariamente associado à compreensão da dinâmica do processo de acumulação. O desenvolvimento espacial [...] como parte do desenvolvimento geral do capitalismo. (IPEA, 2000, p.25)

6 6 Cidade: locus Urbano: processo A especialização das cidades pode ser captada também mediante a leitura de suas funções urbanas, numa determinada divisão territorial do trabalho... A diferenciação funcional das cidades e não apenas sua dimensão populacional é elemento essencial na organização espacial de um território. Assim temos categorias de atividades urbanas: cidades industriais, cidades terciárias, centros industriais, mineiros, siderúrgicos, centros turísticos... Uma ressalva: muitos centros urbanos no Brasil desempenham papel multifuncional na divisão territorial do trabalho.

7 Que tipo de atividades compõem este urbano? Indústria de transformação; [atividade urbana por excelência] Indústrias-chave; [grau de complementaridade] Comércio; Serviços; A intensidade da oferta destas funções depende do tamanho deste urbano... 7

8 Hierarquização dos Centros urbanos: Pequenas cidades (centros de comercialização de produtos agrícolas das áreas circunvizinhas, sedes de governos municipais) Cidades de porte médio cabeças de zona (prestação de serviços algo mais especializados, a uma área bem maior) Grandes cidades (desempenho de muitas funções das cidades de porte médio mais a função industrial áreas metropolitanas) 8

9 9 A questão da localização no contexto das hierarquias de produtos e de cidades Por que é que se fala de Lugares Centrais? as empresas tendem a localizar-se no centro geográfico de seu mercado; as empresas que querem fornecer às mesmas populações mas cujos produtos podem ser diferentes tem interesse em se agrupar; Assim: áreas de mercado comparáveis agrupam-se no mesmo local formando o que chamamos de lugar central;

10 10 Diferentes tamanhos de lugar central... [quanto maior for a população a abastecer e de mais longe vierem os clientes, mais importante será o lugar central]; Uma questão importante: Por que esta hierarquia, ou seja, este sistema ordenado?

11 A resposta está nas condições de produção e de consumo dos diversos bens e serviços e, segundo POLÈSE (1998), o conceito de hierarquia aplica-se, sobretudo, ao setor terciário (lojas e escritórios) e a teoria do Lugar Central é muitas vezes apresentada como uma teoria de localização das atividade terciárias. 11

12 Áreas de mercado complementares num sistema de lugares centrais. 12

13 Bens de consumo final: é o consumidor quem assume os custos de transporte na forma de custos de deslocamento... E o que influencia o custo de deslocamento? R: freqüência de consumo e importância da despesa com o bem no orçamento... 13

14 14 O consumidor pode aumentar seu deslocamento de acordo com o bem ou serviço a ser adquirido - custo de oportunidade: Bens e serviços superiores ou sofisticados Elevado mínimo de mercado ou produção Consumo pouco frequente bens duráveis Custo de transporte baixo Vontade do consumidor em se deslocar grandes distâncias para buscar este bem Bens e serviços inferiores Economias de escala pequenas Consumo frequente ou produto barato Custo de transporte elevado Consumidores pouco dispostos a deslocar-se Consumo frequente e, por conseqüência, custo de transporte elevado...

15 15 Como conclusão: qualquer economia, a qualquer tempo, é composta por um conjunto interdependente de atividades cujos custos de produção e custos de transporte são diferentes... (POLÈSE, 1998).

16 Hierarquia de produtos e cidades sabemos que a decisão de centralizar ou não a produção de um bem ou serviço num só lugar é em grande parte, reflexo da arbitragem entre economias de escala e custos de transporte. (POLÈSE,1998). Quanto mais importantes forem as economias de escala e mais baixos os custos de transporte, maior é a probabilidade da produção ser centralizada num só lugar. 16

17 Considerando diferentes níveis urbanos... Relações tradicionais entre centro e periferia; Multiplicação dos fluxos de bens e serviços de alto nível das redes urbanas inferiores em direção às redes urbanas superiores; Conseqüentemente: novos resultados nos padrões de localização das atividades produtivas em geral e em particular das atividades terciárias. 17

18 18 Mutações em relação à proximidade física das atividades econômicas... Castells (1972) sinaliza para mutações que ocorrem nas áreas de transportes e comunicações e que permitem a relocalização dos serviços em áreas mais ou menos distantes dos grandes centros urbanos. Tendência setorialmente determinada para setores como os denominados back offices, que produzem serviços transmitidos aos usuários por telecomunicações e assim podem dispensar as interações pessoais frequentes, mesmo que inseridos no conjunto de articulações interindustriais de determinada cadeia produtiva. Estes são serviços que exigem mão-de-obra qualificada, mas que podem estabelecer-se em localidades de terrenos e salários mais baratos, na periferia dos grandes centros urbanos...

19 Paralelamente existem serviços de alto nível prestados às empresas tendem a ficar relativamente concentrados nas grandes metrópoles, em virtude de suas restrições de localização, que supõe intensidade de interações interpessoais, redes de transportes e comunicações eficientes e um ambiente favorável à inovação, ao conhecimento especializado e às atividades culturais e de lazer mais sofisticadas... (IPEA, 2000,p.30-31) 19

20 20 Terciário Superior Nas cidades médias que ocorre o processo de reconcentração espacial das atividades econômicas e da população. (censo 2000) As mudanças tecnológicas vinculadas à chamada reestruturação produtiva (terceira revolução científica e tecnológica) parecem influenciar as decisões locacionais no sentido da concentração urbana, na medida em que acaba por revalorizar a metrópole como espaço privilegiado para o desenvolvimento de atividades econômicas modernas, porque é nas metrópoles que estão concentradas as universidades, os centros de pesquisa e os serviços industriais superiores. A proximidade com esses elementos interessa às firmas, pois facilita a transferência de tecnologia dos laboratórios para o interior do espaço produtivo. (ANDRADE e SERRA, 2001).

21 21 A tecnópole sob o termo genério tecnópole estão as organizações que, com nomes diversos [...] decorrem de um mesmo princípio, o agrupamento, em uma área geográfica, de tudo que se relacione à alta tecnologia: empresas de ponta, organismos de pesquisa [...] terciário superior. Essa proximidade está destinada a engendrar um efeito de sinergia, favorecendo um novo modo de crescimento que repousa sobre a inovação. (Burnier e Lacroix citados por AMORIM FILHO e SERRA, 2001). As cidades médias, considerando suas dimensões, suas posições geográficas e suas funções, têm sido encaradas como fundamentais para a implantação, o desenvolvimento e a expansão de eixos e corredores de transportes e comunicações, de redes de todo tipo que possuam uma base espacial e por fim redes muito especiais como as das tecnópoles.

22 22 A estrutura dos serviços terciários tradicionais... São serviços cuja qualidade tem muitas vezes mais importância do que o preço... Assim é justificado o maior deslocamento por parte dos consumidores, caso este seja necessário... médicos especialistas, advogados, dentistas... A mão-de-obra especializada e a informação são os dois principais recursos que guiam as escolhas de localização das atividades terciárias superiores...

23 23 A estrutura dos estabelecimentos prestadores de serviços superiores Outras denominações: TERCIÁRIO MOTOR E ATIVIDADES DE ESCRITÓRIO; Sua comercialização não exige necessariamente o deslocamento do consumidor; limites pouco claros para as áreas de mercado de escritórios; Caracteriza-se por serviços à produção, serviços de intermediação destinados a outras empresas, o que os distingue dos serviços de consumo;

24 24 DEFINIÇÃO POUCO RIGOROSA... distintas unidades de produção cujos modelos de localização podem diferir dos das fábricas e das lojas. Gama diversificada de serviços à produção: consultoria de administração, agências de publicidade, bancos de investimentos, companhias de seguros, sociedades de gestão de ativos financeiros, gabinetes de contabilidade e consultoria econômica, gabinetes de aconselhamento técnico e científico Não amparam-se nas teorias de localização tradicionais para seu estudo...

25 25 A informação como característica motora deste terciário... Serviços prestados; aconselhamento; Ordens, relatórios; Outros produtos intangíveis com forte teor de massa cinzenta... um escritório/terciário superior compra, transforma e vende informação. E tal como a troca de mercadorias, a troca de informações implica em custos de transporte... Comunicação é, assim definida como o transporte da informação... Diferentes modos de comunicação de acordo com suas curvas de custos e em função da distância... A informação não é homogênea...

26 26 A função de produção de uma empresa do Terciário Superior... Empresa tradicional Caráter padronizado e homogêneo; Atributos dos produtos relativamente constantes; Custos de mão-deobra relativamente mais baixos; Empresa do Terciário Superior Caráter não padronizado e heterogêneo dos serviços prestados; Produto (aconselhamento técnico) varia de cliente para cliente; Nenhum parecer, nenhuma opinião é absolutamente igual a outro, ou seja, produção altamente diferenciada. Pressupõe combinações variáveis de conhecimentos e de recursos humanos. Subcontratação de informações. Ou seja, substituição de L (ser humano) por I (informações) Redes de subcontratação Empresas que se instalam onde há minimização do custo de informações, ou seja, grandes centros.

27 Orientação geográfica do Terciário Superior 27

28 um espaço econômico em transformação... 28

29 Sobre o Oeste do Paraná e a cidade de Cascavel...alguns questionamentos Como articula-se a rede urbana na região Oeste do Paraná? Como se define a hierarquia urbana regional? Como inserem-se as cidades de médio porte frente ao seu hinterland? Como insere-se a cidade de Cascavel nesta hierarquia? Em que medida podemos constatar a construção de um Terciário Superior na cidade de Cascavel? 29

30 30 Dados populacionais e variações percentuais do município de Cascavel 1950/2000 IBGE/censos demográficos Ano/censo População Variação % 797,72 127,09 81,79 18,07 13,82 11,57

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia - Pedro Pinchas Geiger (1967) - Em 1967, o geógrafo brasileiro Pedro Pinchas Geiger propôs uma divisão regional do país, em três Regiões

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 1. (UEMG) circunscrito aos países que primeiro se industrializaram. Após

Leia mais

DATA: 04 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 8,0 MÉDIA: 4,8 RESULTADO: %

DATA: 04 / 05 / 2015 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR: 8,0 MÉDIA: 4,8 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 04 / 05 / 205 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR (A): VALOR:

Leia mais

2004 ago. de 2007 Coordenadora da Área de Estudos Sociais do Instituto de Apoio á Pesquisa e ao Desenvolvimento Jones dos Santos Neves- IJSN

2004 ago. de 2007 Coordenadora da Área de Estudos Sociais do Instituto de Apoio á Pesquisa e ao Desenvolvimento Jones dos Santos Neves- IJSN 1. FORMAÇÃO ACADÊMICA 1995-1997 Mestrado em Demografia ( conclusão de créditos ) Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Minas Gerais, Brasil 1987-1993 Graduação em Ciências Econômicas Universidade

Leia mais

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016

Cicloativismo: uma experiência de participação. Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Cicloativismo: uma experiência de participação Melina Rombach Santiago, 01 de abril de 2016 Plano de Mobilidade de Osasco e o cicloativismo: uma experiência de participação Introdução Leis e instituições

Leia mais

CAMPANHA DE VACINAÇÃO ANUAL CONTRA A RAIVA EM CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE BOTUCATU

CAMPANHA DE VACINAÇÃO ANUAL CONTRA A RAIVA EM CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE BOTUCATU 44 a CAMPANHA DE VACINAÇÃO ANUAL CONTRA A RAIVA EM CÃES E GATOS NO MUNICÍPIO DE BOTUCATU 2014. José Rafael Modolo(Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia unesp Botucatu), Cassiano Victória(Faculdade

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 08 / 04/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21

Curvas de Custos. Varian - Cap. 21 Curvas de Custos Varian - Cap. 21 Funções de Custo Total, Fixo e Variável F = custo fixo da firma; diz respeito aos insumos fixos que não variam no curto-prazo e, portanto, não variam com o nível de produto

Leia mais

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados.

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados. ANO 5 NÚMERO 36 ABRIL DE 215 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas

Leia mais

ESTUDO DE MERCADO SAP Consultoria. All Rights Reserved

ESTUDO DE MERCADO SAP Consultoria. All Rights Reserved ESTUDO DE MERCADO A fim de analisar o mercado nacional e levantar informações detalhadas sobre as novas práticas de trabalho, com o apoio institucional da SOBRATT - Sociedade Brasileira de Teletrabalho

Leia mais

Indicadores da Cidade de Bento Gonçalves

Indicadores da Cidade de Bento Gonçalves Indicadores da Cidade de Gonçalves 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE BENTO GONÇALVES COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

27/02/2016 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi DIAGRAMAS DE SEQUÊNCIA

27/02/2016 UML. Prof. Esp. Fabiano Taguchi  DIAGRAMAS DE SEQUÊNCIA UML Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@hotmail.com DIAGRAMAS DE SEQUÊNCIA DIAGRAMA DE SEQUENCIA Preocupa-se com a ordem temporal em que as mensagens são trocadas,

Leia mais

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE CAXIAS DO SUL COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011

COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 COMÉRCIO E INVESTIMENTO INTERNACIONAIS PROF. MARTA LEMME 2º SEMESTRE 2011 1 O modelo de concorrência monopolista pode ser usado para mostrar como o comércio leva a: um preço médio menor devido a economias

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

Anexo I. Um Ano de Projecto BARN

Anexo I. Um Ano de Projecto BARN I Anexo I Um Ano de Projecto BARN II Um ano de Projecto BARN Os habitats humanizados, nomeadamente os rurais, agrícolas e as áreas envolventes, são reconhecidamente ricos do ponto de vista da biodiversidade.

Leia mais

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009

Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil. SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 Características do candidato a Empreendedor Individual (MEI) no Brasil SEBRAE-SP/Planejamento Abril de 2009 1 Metodologia do trabalho Definição de candidato a MEI: Consideramos como proxy de candidato

Leia mais

Este tipo de medidor de caudal foi construído por Henri de Pitot ( ).

Este tipo de medidor de caudal foi construído por Henri de Pitot ( ). O tubo de Pitot é um instrumento que mede o caudal. A medida do caudal é tão importante quanto a do consumo de energia eléctrica, para fins contáveis e para a verificação do rendimento do processo. A medição

Leia mais

REGIÃO NORTE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO REDE DE ÁREAS CLASSIFICADAS REDE DE PARQUES METROPOLITANOS anos de povoamento intenso

REGIÃO NORTE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO REDE DE ÁREAS CLASSIFICADAS REDE DE PARQUES METROPOLITANOS anos de povoamento intenso REGIÃO NORTE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO REDE DE ÁREAS CLASSIFICADAS REDE DE PARQUES METROPOLITANOS 5000 anos de povoamento intenso 1 REGIÃO NORTE Uma região minoritariamente inserida na bacia hidrográfica

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

Aula 5 Tópico 5 - Economias de Escala, Concorrência Imperfeita e Comércio Internacional (parte 2):

Aula 5 Tópico 5 - Economias de Escala, Concorrência Imperfeita e Comércio Internacional (parte 2): Economia Internacional Aula 5 Tópico 5 - Economias de Escala, Concorrência Imperfeita e Comércio Internacional (parte 2): - Concorrência Monopolista e comércio - Discriminação internacional de preços (dumping)

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTAÇÃO Do: Gabinete do Prefeito Para: Procuradoria Jurídica Solicito seja analisada a possibilidade legal de contratação da UNESUL TRANSPORTE LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Frederico

Leia mais

A Relatividade do Tempo

A Relatividade do Tempo A Relatividade do Tempo José Natário (Instituto Superior Técnico) Aveiro, Março de 2015 O que é o tempo? Einstein: o tempo é aquilo que é medido pelos relógios. O que é um relógio? Einstein: qualquer fenómeno

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

PROVA de GEOGRAFIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR Questão 01

PROVA de GEOGRAFIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR Questão 01 Questão 01 PROVA de GEOGRAFIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 Numerosos estudos indicaram que o aquecimento global associado à ação humana poderia provocar mudanças catastróficas no clima. No mapa abaixo,

Leia mais

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato: do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP:

1. DADOS DA EMPRESA. Nome do contato:  do contato: Telefone do contato: Nome da Empresa: Endereço: Cidade: CEP: PANORAMA DO TREINAMENTO NO BRASIL - 2015 Dados, informações, fatos, análises. Este questionário em PDF é para auxiliar na coleta de dados. As perguntas devem ser respondidas no link: www.cmpesquisa.com.br/t&d

Leia mais

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba

CIR LITORAL NORTE. Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba CIR LITORAL NORTE Possui 4 municípios: Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba População e Território Em 2016 a população estimada da região é de 308.843 habitantes, com 98% residindo em áreas

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória

SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória SEMINÁRIO NACIONAL Núcleo Vitória As metrópoles e as transformações urbanas: Desigualdades, coesão social e governança democrática Rio de Janeiro - dezembro 2015 Roteiro 1. A METRÓPOLE NA REDE URBANA BRASILEIRA

Leia mais

Prof. Rodolfo Visentin 1

Prof. Rodolfo Visentin 1 EXERCÍCIOS GEOGRAFIA - Noções básicas de Cartografia (orientação: pontos cardeais; localização: coordenadas geográficas, latitude, longitude e altitude; representação: leitura, escala, legendas e convenções)

Leia mais

Programação anual. 6.ºa n o

Programação anual. 6.ºa n o Programação anual 6.ºa n o 1. A melhor forma de entender o mundo 2. O planeta Terra no Universo 3. Cartografia: localizar e orientar 4. Cartografia e as diversas formas de representar o espaço 5. Atmosfera

Leia mais

AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU

AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU Ricardo Lacerda 1 O IBGE publicou na semana passada o relatório Censo Demográfico 2010- Aglomerados Subnormais- Informações Territoriais. Trata-se de um amplo estudo sobre

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 25 IMPULSÃO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO REVISÃO

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 25 IMPULSÃO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO REVISÃO FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 25 IMPULSÃO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO REVISÃO Como pode cair no enem (UFF) Para construir barracos em uma região on-de predominam matacões (pedras gigantes), os invasores do Jardim

Leia mais

Indicadores de Políticas Públicas

Indicadores de Políticas Públicas Indicadores de Políticas Públicas Aula Conceito de Indicadores Indicadores de Políticas Públicas: Conceitos Conceito de Indicadores São expressões numéricas que refletem diferentes aspectos da ação e da

Leia mais

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem

Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Disciplina: Aerofotogrametria e Tratamento de imagem Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Oliveira Estereoscopia É um fenômeno natural; Resulta da aplicação da visão binocular na observação

Leia mais

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial

AULA 6 GEOGRAFIA URBANA. Reestruturação urbano industrial AULA 6 GEOGRAFIA URBANA Reestruturação urbano industrial Indutor: Reestruturação produtiva em São Paulo: Crescimento maior do INTERIOR (perda de peso relativo da metrópole no crescimento industrial). Dados

Leia mais

Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano

Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano Conteúdo: Cinemática Resumo para a Prova. Turma: 9º ano A cinemática é a parte da Mecânica que descreve o movimento, determinando a posição, a velocidade e a aceleração de um corpo em cada instante. Os

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] A APLICAÇÃO DA TIPOLOGIA DE ÁREAS URBANAS À REGIÃO CENTRO Em 2009, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou uma nova versão da Tipologia de Área Urbanas

Leia mais

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal

A inserção do negro no mercado de trabalho no Distrito Federal PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL A inserção do negro no mercado de trabalho no Novembro de 2011 A discussão sobre trabalho decente, capitaneada pela Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

PESQUISA DE OPINIAO PUBLICA SOBRE TORCIDAS DE FUTEBOL MINAS GERAIS OUTUBRO DE 1998 OPP 586 IBOPE

PESQUISA DE OPINIAO PUBLICA SOBRE TORCIDAS DE FUTEBOL MINAS GERAIS OUTUBRO DE 1998 OPP 586 IBOPE SOBRE TORCIDAS DE FUTEBOL OUTUBRO DE 1998 OPP 586 E S P E C I F I C A C O E S =========================== OBJETIVO - LEVANTAR JUNTO A POPULACAO DA AREA EM ESTUDO OPINIOES RELACIONADAS A FUTEBOL. LOCAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes;

Pressupostos. Variações na composição orçamentária municipal refletem: relações intergovernamentais predominantes; IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ECONOMIA DA SAÚDE 20 Anos de ABRES, do SUS e a Reafirmação da Proteção Universal Condições de financiamento em saúde nos grandes municípios

Leia mais

REGIÃO SUL DO BRASIL

REGIÃO SUL DO BRASIL REGIÃO SUL DO BRASIL População Estimada nas grandes regiões, em 2013 População Norte 16.983.484 8,4 Nordeste 55.794.707 27,8 Sudeste 84.465.570 42,0 Sul 28.795.762 14,3 Centro-Oeste 14.993.191 7,5 BRASIL

Leia mais

GEOGRAFIA UCS Vestibular de Verão 2007 Caderno 2

GEOGRAFIA UCS Vestibular de Verão 2007 Caderno 2 GEOGRAFIA 01 As rochas são formadas por elevadas pressões e temperaturas cuja origem é o dinamismo da litosfera. Em função do grau e da origem da transformação, algumas rochas são mais ou menos resistentes.o

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA EM MARINGÁ: PROCESSO E RESULTADOS. Jussara Maria Silva Universidade Positivo Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná

CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA EM MARINGÁ: PROCESSO E RESULTADOS. Jussara Maria Silva Universidade Positivo Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA EM MARINGÁ: PROCESSO E RESULTADOS Jussara Maria Silva Universidade Positivo Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA é a espécie de tributo cujo

Leia mais

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº 2.071/2009

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº 2.071/2009 Página 1 de 6 LEI Nº 2.071/2009 Institui Programa de Incentivos Fiscais no Município de Juazeiro BA, relativos a tributos de competência municipal. O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, Estado da Bahia, no

Leia mais

Desenvolvimento das cidades

Desenvolvimento das cidades Gestão Desportiva e de Lazer Lazer e Urbanismo Desenvolvimento das cidades Texto base: SPOSITO, Maria Encarnação E. Capitalismo e urbanização Capítulo 03 Industrialização e urbanização Professora: Andréa

Leia mais

Indústria de Shopping Centers no Brasil

Indústria de Shopping Centers no Brasil Indústria de Shopping Centers no Brasil 1 SHOPPINGS DE COMUNIDADE E CENTROS DE CONVENIÊNCIA E SERVIÇOS - CCS DEFINIÇÃO DOS PONTOS COMERCIAIS Cada Equipamento (Shopping) enquadra-se numa das seguintes categorias,

Leia mais

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas

Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO. CAP. 4 Borjas Economia do Trabalho DEMANDA POR TRABALHO CAP. 4 Borjas 1. INTRODUÇÃO Mercado de trabalho depende: - Desejo dos trabalhadores de disponibilizarem tempo de trabalho - Desejo das firmas contratarem trabalhadores

Leia mais

TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS

TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS ATALHOS WORD TECLAS PARA FORMATAR CARACTERES E PARÁGRAFOS CTRL + SHIFT + F Altera o tipo de letra CTRL + SHIFT + P Altera o tamanho do tipo de letra CTRL + SHIFT + > (maior que) Aumenta o tamanho da letra

Leia mais

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA E ÉTICA Curso de Zootecnia DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO MAIO 2017 Definição sociológica de rural: é um espaço

Leia mais

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro Hinterland Acessibilidades ao Terminal do Barreiro O futuro faz-se hoje Gare Marítima de Alcântara, 21 de outubro de 2016 Mário Fernandes Diretor de Planeamento da IP Acessibilidades ao Terminal do Barreiro

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG

ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG Por Jussara Rafael Angelo Luciano Medeiros de Toledo Paulo Chagastelles Sabroza Introdução Tuberculose: 2 milhões de mortes e 9 milhões

Leia mais

PORTUGAL FASHION EM ESTREIA NA MILANO MODA UOMO COM MIGUEL VIEIRA

PORTUGAL FASHION EM ESTREIA NA MILANO MODA UOMO COM MIGUEL VIEIRA Dia 15 de janeiro, no âmbito da Semana de Moda Masculina de Milão PORTUGAL FASHION EM ESTREIA NA MILANO MODA UOMO COM MIGUEL VIEIRA Roteiro internacional para o primeiro trimestre de 2017 inicia com o

Leia mais

DATA: 07 / 05 / 2014 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF

DATA: 07 / 05 / 2014 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE DATA: 07 / 05 / 204 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 6.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

Produção Agrícola Cereais, Leguminosas e Oleaginosas Mil Reais Mil reais

Produção Agrícola Cereais, Leguminosas e Oleaginosas Mil Reais Mil reais Produção Agrícola Cereais, Leguminosas e Oleaginosas 2007 30.448 Mil Reais 5.418.281 Mil reais Produção Agrícola Cereais, Leguminosas e Oleaginosas 2007 1.161.540 mil reais 1.238.307 Mil Reais QUESTÃO

Leia mais

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO

GOVERNADOR DIX-SEPT ROSADO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 04/04/1963 - Distância da capital: 320 km - Área: 1.129 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Chapada do Apodi - População: 12.374 (IBGE/2007)

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Urbanização é um conceito geográfico que representa o desenvolvimento das cidades. Neste processo, ocorre a construção de casas, prédios, redes de esgoto, ruas, avenidas, escolas,

Leia mais

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL J O S É IRINEU R A N G E L R I G OT T I ( U F M G ) R E N ATO H A DAD (PUC-MINAS) DESAFIOS: País imenso, heterogêneo

Leia mais

Os dados censitários brasileiros sobre migrações internas: críticas e sugestões para análise

Os dados censitários brasileiros sobre migrações internas: críticas e sugestões para análise Seminario-Taller Los censos de 2010 y la migración interna, internacional y otras formas de movilidad espacial Santiago de Chile, 10 al 12 de diciembre de 2008 Os dados censitários brasileiros sobre migrações

Leia mais

MINI-CURSO Geometria Espacial com o GeoGebra Profa. Maria Alice Gravina Instituto de Matemática da UFRGS

MINI-CURSO Geometria Espacial com o GeoGebra Profa. Maria Alice Gravina Instituto de Matemática da UFRGS MINI-CURSO Geometria Espacial com o GeoGebra Profa. Maria Alice Gravina gravina@mat.ufrgs.br Instituto de Matemática da UFRGS Neste minicurso vamos trabalhar com os recursos do GeoGebra 3D e discutir possibilidades

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO

APRESENTAÇÃO DO PROJECTO APRESENTAÇÃO DO PROJECTO ENQUADRAMENTO OBJETIVO DO PROJETO ENTIDADES PROMOTORAS DESTINATÁRIOS ATIVIDADES INDICADORES DE RESULTADOS METAS A ATINGIR CONTACTOS ENQUADRAMENTO ALENTEJO 2020 - Programa Operacional

Leia mais

CAIÇARA DO RIO DO VENTO

CAIÇARA DO RIO DO VENTO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 95 km - Área: 261 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 3.064 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil.

Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil. Análise da Pesquisa DataFolha 2015 encomendada pela CBSK - Confederação Brasileira de Skate, sobre o Skate no Brasil. - Estimativa de Praticantes de Skate no Paraná Curitiba 2016 OBJETIVO Utilizar os dados

Leia mais

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14

Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 Exercícios Extras de Cartografia. Prof. Carlão Abril/14 01. (Uerj/2014) Observe na imagem uma feição de relevo em escarpa, área de desnível acentuado de altitude, encontrada geralmente nas bordas de planalto,

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003

Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 Visita a Bragança da Comissão de Obras Públicas Transportes e Comunicações da Assembleia da República 24 e 25 de Março de 2003 O Nordeste Português, Bragança e as acessibilidades Do conceito de periferia

Leia mais

Sustentabilidade da Saúde Suplementar

Sustentabilidade da Saúde Suplementar Sustentabilidade da Saúde Suplementar Rafael Pedreira Vinhas Gerente-Geral Gerência-Geral Regulatória da Estrutura dos Produtos Fórum de Regulação do Sistema Unimed - Maceió, 11 de maio de 2016. Agência

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE BÁSICA Aula 26 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE BÁSICA Depreciação É a despesa com a desvalorização do bem tangível em função do uso, do tempo ou da obsolescência.

Leia mais

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²;

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A POPULAÇÃO BRASILEIRA Características Gerais O Brasil possui uma população de 191.715.083, com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A população brasileira ocupa o território de modo bastante irregular.

Leia mais

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017

As cidades e a urbanização brasileira. Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 As cidades e a urbanização brasileira Professor Diego Alves de Oliveira IFMG Campus Betim Fevereiro de 2017 O que consideramos cidade? No mundo, existem diferentes cidades (tamanhos, densidades demográficas

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES O plano decenal :diagnóstico,perspectivas e as diversidades estaduais e regional. 17/3 /2016 Aldaiza Sposati apoio: Jose

Leia mais

A propósito, informo-vos que as despesas correrão por conta da seguinte Dotação Orçamentária:

A propósito, informo-vos que as despesas correrão por conta da seguinte Dotação Orçamentária: Presidente Figueiredo, 01 de abril de 2013. OFÍCIO Nº 053/2013-DF. Senhor Presidente, Conforme estabelece o cronograma de atividades desta Diretoria para o exercício financeiro de 2013, solicito a V. Exª.

Leia mais

PERFIL ECONÔMICO DA REGIONAL SANTA FELICIDADE

PERFIL ECONÔMICO DA REGIONAL SANTA FELICIDADE PERFIL ECONÔMICO DA REGIONAL SANTA FELICIDADE. Este caderno contém informações socioeconômicas sobre a Regional Santa Felicidade. É um dos dez estudos sobre a economia dos bairros, agrupados por Regionais.

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro

Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Ambiente Empresarial do Setor Industrial na Região Centro X Projetos do Sebrae Centro Quantidade de MPEs por Regional - Dados da RFB Setor Campanha Centro Metropolitana Noroeste Norte Planalto Serra Sinos

Leia mais

Transição demográfica

Transição demográfica Transição demográfica u Teoria da transição demográfica foi proposta considerando-se as relações entre crescimento populacional e desenvolvimento socioeconômico. u O desenvolvimento econômico e a modernização

Leia mais

Nome: Francielly C. Holanda Ra: B006ib-2 Turma: AU10P39

Nome: Francielly C. Holanda Ra: B006ib-2 Turma: AU10P39 Nome: Francielly C. Holanda Ra: B006ib-2 Turma: AU10P39 fonte: https://www.google.com.br/maps/place/etec+parque+da+juventude/@-23.5073889,- 46.6221286,779m/data=!3m1!1e3!4m6!1m3!3m2!1s0x0:0x1a5cbf253e6fc07e!2sETEC+Parque+da+Juventude!3m1!1s0x0:0x1a5cbf253e6fc07e

Leia mais

% / PREFEITURA DE MOGI GUAÇU-SP GABINETE DO PREFEITO. /,i' Autoriza o Poder Executivo a alienar, mediante Licitação, imóveis de propriedade do

% / PREFEITURA DE MOGI GUAÇU-SP GABINETE DO PREFEITO. /,i' Autoriza o Poder Executivo a alienar, mediante Licitação, imóveis de propriedade do LEI COMPLEMENTAR Nº 1. 321 DE 16 DE SETEMBRO DE 2016. Autoriza o Poder Executivo a alienar mediante Licitação imóveis de propriedade do Municipio conforme especinca. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU:

Leia mais

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v Folha : 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 618.698,02D 187.660,17 210.025,07 596.333,12D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 613.448,78D 158.175,88 181.126,13 590.498,53D 2.1.1 DISPONIBILIDADES 439.539,14D 138.787,44 175.790,36

Leia mais

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v

Conselho Reg. de Medicina/SE - CRM/SE Siscontw - v Folha : 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 286.691,03D 322.235,08 221.824,24 387.101,87D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 453.716,42D 252.884,38 207.573,39 499.027,41D 2.1.1 DISPONIBILIDADES 176.677,60D 252.749,13 205.659,61

Leia mais

Dinâmica regional e política urbana: uma análise das cidades de porte médio da Região Administrativa de Campinas/SP

Dinâmica regional e política urbana: uma análise das cidades de porte médio da Região Administrativa de Campinas/SP Dinâmica regional e política urbana: uma análise das cidades de porte médio da Região Administrativa de Campinas/SP Roberto Braga 1 Resumo O processo de interiorização do desenvolvimento ocorrido no Estado

Leia mais

Realidade virtual e realidade aumentada aplicadas à Engenharia Civil

Realidade virtual e realidade aumentada aplicadas à Engenharia Civil CONFERÊNCIA CONSTRUÇÃO 4.0 O DESAFIO DA DIGITALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO E A ENGENHARIA CIVIL NO CONTEXTO DA INDÚSTRIA 4.0 Realidade virtual e realidade aumentada aplicadas à Engenharia Civil João Poças Martins,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PREFERÊNCIA PARTIDÁRIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PREFERÊNCIA PARTIDÁRIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PREFERÊNCIA PARTIDÁRIA OUTUBRO DE 2012 JOB2313 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é analisar a preferência partidária

Leia mais

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo

Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo Debate sobre as Estratégias de Desenvolvimento e os Modelos da Governança na Região Alentejo 1. Casos de Estudo 2. Metodologia 3. Principais resultados: boas práticas e práticas a explorar 1. Casos de

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS. Secretaria Nacional de Programas Urbanos REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS OBJETIVOS DA REDE Mobilizar atores sociais e pesquisadores para avaliação dos Planos Diretores Participativos elaborados,

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

12ª Semana de Desenvolvimento Econômico será realizada em Itabirito.

12ª Semana de Desenvolvimento Econômico será realizada em Itabirito. 12ª Semana de Desenvolvimento Econômico será realizada em Itabirito. A 12ª Semana de Desenvolvimento Econômico será realizada em Itabirito entre os dias 30 de Agosto e 02 de Setembro de 2016. O evento

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 1º Teste Turmas A e B Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento,

Leia mais

Texto complementar: Noções básicas de Disciplina: Geografia

Texto complementar: Noções básicas de Disciplina: Geografia MODALIDADE: EJA Ensino Médio PERÍODO 1º Período Texto complementar: Noções básicas de Disciplina: Geografia cartografia Professor (a): Kátia Silene Data: 03/08/2016 Nome do Aluno: Noções básicas de cartografia

Leia mais

TRANSFORME VISIBILIDADE EM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO

TRANSFORME VISIBILIDADE EM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO TRANSFORME VISIBILIDADE EM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC oferece soluções completas para a sua empresa se comunicar de maneira eficaz com o setor

Leia mais

Região Sudeste. Aspectos naturais humanos e econômicos.

Região Sudeste. Aspectos naturais humanos e econômicos. Região Sudeste Aspectos naturais humanos e econômicos. Quadro natural: Relevo Do litoral para o interior, sucedem-se: planície costeira, com grandes baixadas, costas altas, praias, dunas, restingas, lagoas

Leia mais

Diretoria de Contratos, Indicações Geográficas e Registros - DICIG Indicação Geográfica

Diretoria de Contratos, Indicações Geográficas e Registros - DICIG Indicação Geográfica Código: 423 Pedido nº: IG200703 Data de depósito: 26/09/2007 Requerente: ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE CAFÉS ESPECIAIS DA ALTA MOGIANA. País: BR Espécie: INDICAÇÃO DE PROCEDÊNCIA Apresentação: MISTA Natureza:

Leia mais

SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL

SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL SEMINÁRIO PAN- AMAZÔNICO DE PROTEÇÃO SOCIAL Heitor Pinheiro Coordenador do Núcleo Pará Social 28 DE MARÇO DE 2017 Belém-PA OS DESAFIOS DA OFERTA DE POLÍTICAS SOCIAIS NA AMAZÔNIA PONTOS FOCAIS DOS DESAFIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais