PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR:"

Transcrição

1 PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR: Comparações entre a América Latina e a Índia Uma pesquisa internacional desenvolvido pelos institutos de pesquisa IDS CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP Institute of Development Studies Sussex SCRIPT Estou trabalhando num projeto de pesquisa coordenado por universidades e centros de pesquisa de São Paulo e da Inglaterra. O trabalho está sendo realizado em seis diferentes países da América Latina e na Índia, e tem como objetivo ajudar a entender, em cada país, como as entidades da sociedade contribuem para melhorar a realidade de cada país. Por isso, nós gostaríamos de conhecer o trabalho de sua associação. O tempo de entrevista é por volta de 50 minutos. Você não precisa responder as perguntas que não queira responder, e caso queira encerrar a entrevista, sinta-se à vontade. A. DADOS DE CONTROLE Número da Entrevista: Nome do Entrevistador: Data: / /2002 Local da entrevista: Rua: Numero: CEP: Bairro: Distrito: Município: São Paulo Cidade: Região metropolitana de São Paulo B. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE Nome da entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]: Nome do(a) entrevistado(a): Posição do(a) entrevistado(a) na entidade: Nome de outro contato: Endereço da sede: [SÓ PREENCHER SE FOR DIFERENTE DO LOCAL DA ENTREVISTA] Rua: Numero: CEP: Bairro: Distrito: Telefone: Hora de início da entrevista: :

2 I. FUNDAÇÃO 1. Em que ano foi fundada a(o) [NOME DA ENTIDADE]?. NS / NR 2. O(a) [NOME DA ENTIDADE] foi fundada por uma pessoa, um grupo de pessoas, ou por uma outra entidade 1 Uma pessoa ou um grupo de pessoas 2 Uma entidade a. Quais -- [IR A 2C] [IR A 3-7] 2b. Antes da fundação, essa(s) pessoa(s) fizeram parte de outra associação ou entidade? Eles participavam de 1 Sindicatos b.i. Quais? 2 Partido políticos b.ii Quais? 3 Igrejas ou associações religiosas-- 2b.iii Quais? 4 Outra associação ou entidades b.iv Quais? 5 Não 2c. O que levou essa pessoa, grupo ou entidade a criar naquele momento o(a) [NOME DA ENTIDADE]? - 2 -

3 3-7 Para as próximas perguntas, gostaria que o(a) Sr(a) respondesse Sim ou Não. [ATENÇÃO: Para as perguntas 3-7 coloque: 1 -SIM ; 2 - NÃO ; 3 - NS/NR] Alguma das seguintes entidades, ou alguém vinculado a elas, teve um papel importante na FUNDAÇÃO do(a) [NOME DA ENTIDADE]? Algum 3. Instituições do Governo -- 3a. Quais? i ii 4. Grupo religioso a. Quais? i ii 5. Sindicato a. Quais? i ii 6. Partido Político a. Quais? i ii 7. Outras entidade(s) a. Quais? i ii iii Qual o grau de importância do o papel dessa(s) entidade(s) ou pessoa(s) na fundação? [ PERGUNTE SOMENTE SOBRE AS ENTIDADES QUE FORAM MENCIONADAS NAS PERGUNTAS 3-7] 1 Muito importante 2 Mais ou menos importante 3 Pouco importante 4 Não foi importante 99 NS / NR 8. Instituição do Governo 9. Grupo religioso 10. Sindicato 11. Partido Político 12. [outra entidade i] 12a. [outra entidade ii] 12b. [outra entidade iii] - 3 -

4 II. ÁREA DE ATUAÇÃO, OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS 13. Que tipo de associação é a(o) [NOME DA ENTIDADE]? É um (a)... 1 Associação de Bairro ou organização popular 2 Grupo ou associação religiosa 3 Cooperativa 4 ONG ou Fundação 5 Movimento social 6 Outra a. Qual? 14. Em poucas palavras, atualmente qual é a missão do(a) [NOME DA ENTIDADE]? 14a. E, na época da fundação, qual era a missão [NOME DA ENTIDADE]? 15. Atualmente, quais são os principais temas ou áreas de trabalho que vocês desenvolvem? a. E nos primeiros anos de trabalho da(o) [NOME DA ENTIDADE], quais eram as principais temas ou áreas de trabalho? Dos principais temas ou áreas de trabalho com os quais trabalham atualmente, quais são os dois mais importantes para a [NOME DA ENTIDADE]?

5 17. Em geral, qual seria a melhor forma de resolver os problemas da(o) [TEMAS NO. 1 NA PERGUNTA 16]? Seria através de ações dos governos, das empresas privadas, das associações comunitárias e ONGs ou cada pessoa teria que se virar por si própria? [RESPOSTA MÚLTIPLA] 1 Governo a. Qual nível de governo municipal estadual federal 2 Empresas privadas 3 Associações comunitárias e ONGs 4 Cada pessoa teria que se virar por si próprio não sabe qual 18. Em geral, qual seria a melhor forma de resolver os problemas da(o) [TEMAS NO. 2 NA PERGUNTA 16]? Seria através de ações do governo, das empresas privadas, das associações comunitárias e ONGs ou cada pessoa teria que se virar por si própria? [RESPOSTA MÚLTIPLA] 1 Governo a. Qual nível de governo municipal estadual federal 2 Empresas privadas 3 Associações comunitárias e ONGs 4 Cada pessoa teria que se virar por si próprio não sabe qual Vou fazer algumas perguntas sobre como vocês desenvolvem as temas ou áreas de trabalho já mencionadas. Por favor responde com Sim ou Não. [ATENÇÃO: PARA AS BATERIAS DE PERGUNTAS A, B, C, E D COLOQUE 1 -SIM ; 2 - NÃO; 3 - NS/NR ] A. Vocês fornecem algum dos seguintes tipos de serviço? 19. Fornecem serviços gratuitos 20. Vendem serviços ou produtos 21. Administram algum programa social do governo por meio de convênio 22. Desenvolvem outras atividades na área de fornecimento de serviços B. A(o) [NOME DA ENTIDADE] realiza algum dos seguintes trabalhos de organização popular? 23. Forma lideranças ou agentes comunitários 24. Organiza, assessora ou participa de grupos de ajuda mútua ou de trabalho popular 25. Coordena trabalhos entre diferentes associações ou ONG s 26. Realiza outras atividades na área organização popular - 5 -

6 C. Vocês realizam alguma das seguintes atividades que ajudam as pessoas ter acesso a instituições do governo? 27. Ajudam as pessoas a fazer reivindicações junto ao governo 28. Oferecem informações ou documentação as pessoas para facilitar o acesso 29. Abram portas para que as pessoas sejam atendidas por funcionários públicos 30. Realizam outras atividades que ajudam as pessoas ter acesso a instituições do governo? D. E vocês realizam algumas das seguintes atividades de representação? 31. Fazem reclamações a entidades, programas ou órgãos do governo 32. Representam os interesses de alguma comunidade ou grupo junto a órgãos do governo 33. Organizam ou ajudam a organizar atos públicos 34. Outras atividades de representação 35. Quais os 3 feitos de maior destaque da(o) [NOME DA ENTIDADE] mais importantes? [INSISTIR DUAS VEZES, UTILIZANDO MAIORES RESULTADOS E MARCOS ] Onde a(o) [NOME DA ENTIDADE] concentra a maior parte do seu trabalho? É no(a) 1 Região Metropolitana de São Paulo 2 Município de São Paulo 3 Região da cidade a. Quais? 4 Bairro b. Quais? 5 Outra c. Quais? III. MEMBROS/BENEFICIARIOS E ÁREA DE ATUAÇÃO 37. A favor de que grupo de pessoas a(o) [NOME ENTIDADE] trabalha? 37a. Vocês trabalharam com este grupo de pessoas desde a sua fundação ou houve mudanças? - 6 -

7 38. Qual das seguintes categorias descreve melhor a sua relação com este grupo de pessoas? Eles são 1 Membros ou associados da [NOME ENTIDADE] a. Quantos são 2 Público alvo 3 A comunidade 4 Outras entidades ou associações 5 Tem um outro tipo de relação b. Qual 39. A [NOME ENTIDADE] se considera representante deste grupo de pessoas? [IR A 40] 39a. Porque se considera representante dos interesses deste grupo de pessoas? 40. Quais são os critérios usados para definir quem se beneficia do seu trabalho e quem não se beneficia? 41. Como este grupo de pessoas fica sabendo que podem se beneficiar do trabalho de vocês? Poderia me dizer se este grupo de pessoas participam das seguintes atividades do(a) [NOME ENTIDADE]? 42. Participam do planejamento das atividades? participam a. Eles Participam 1 Raramente 2 Às vezes 3 Quase sempre 98 Não sabe quanto participam participam - 7 -

8 43. E na implementação de seus programas? participam a. Eles participam 1 Raramente 2 Às vezes 3 Quase sempre 98 Não sabe quanto participam participam 44. Com que freqüência a(o) [NOME DA ENTIDADE] mobiliza seus beneficiários em atos públicos, protestos ou manifestações para desenvolver o seu trabalho? Vocês mobilizam a. Mobilizam 1 Raramente 2 Às vezes 3 Quase sempre 98 Não sabe quanto mobilizam mobilizam [IR A 45] 44b. E, seus beneficiários/membros participam dessas mobilizações? participam c. Eles participam 1 Raramente 2 Às vezes 3 Quase sempre 98 Não sabe quanto participam participam IV. VÍNCULOS EXTERNOS Agora gostaria de perguntar sobre as relações atuais da(o) [NOME DA ENTIDADE] com outras entidades ou associações. 45. A(o) [NOME DA ENTIDADE] mantém relações formais ou informais com ONGs? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i. 45b. Quantas ONGs mais? [IR A 46] - 8 -

9 45c. Para a(o) [NOME DA ENTIDADE] as relações com esta(s) ONG(s) são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não são importantes [IR A 46] 45d. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais e. Essas relações se formaram a partir de 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 3 Não dá para generalizar, varia de mais 45f. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com a verba para a [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão 46. A(o) [NOME DA ENTIDADE] mantém relações formais ou informais com algum grupo ou entidade religiosa? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i [IR A 47] - 9 -

10 46b. Para a(o) [NOME DA ENTIDADE] as relações com este(s) grupo(s) ou entidades religioso(s) são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não são importantes [IR A 47] 46c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 3 Não dá para generalizar, varia de mais 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 46e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para a [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão 47. A(o) [NOME DA ENTIDADE] mantém relações formais ou informais com algum movimento social? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i [IR A 48]

11 47b. Para a(o) [NOME DA ENTIDADE] as relações com este(s) movimentos são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes A GRAM P ORTUGUÊS 6 Maio 02 5 Não são importantes [IR A 48] 47c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 3 Não dá para generalizar, varia de mais 47e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem para a verba da [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão 48. A(o) [NOME DA ENTIDADE] mantém relações formais ou informais com alguma associação de bairro? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i [IR A 49]

12 48b. Para (o) [NOME DA ENTIDADE] as relações com esta(s) associação(es) de bairro são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não são importantes [IR A 49] 48c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 3 Não dá para generalizar, varia de mais 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 48e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão 49. Vocês mantém relações formais ou informais com algum partido político? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i [IR A 50]

13 49b. Para a(o) [NOME DA ENTIDADE] as relações com este(es) partido(s) são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes A GRAM P ORTUGUÊS 6 Maio 02 5 Não são importantes [IR A 50] 49c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 3 Não dá para generalizar, varia de mais 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 49e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão

14 50. A(o) [NOME DA ENTIDADE] mantém relações formais ou informais com algum sindicato ou com alguma associação profissional? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i [IR A 51] 50b. E as relações com estes sindicatos ou associações profissionais são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não são importantes [IR A 51] 50c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 3 Não dá para generalizar, varia de mais 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 50e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão

15 51. Vocês mantém relações formais ou informais com outra entidade que não tenhamos mencionada? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i [IR A 52] 51b. Para a(o) [NOME ENTIDADE] as relações com esta(s) entidade(s) são 1 Indispensáveis 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não são importantes [IR A 52] 51c. Qual é a natureza dessa(s) relações? São relações institucionais ou informais? 1 Institucionais 2 Informais d. Essas relações se formaram a partir de 3 Não dá para generalizar, varia de mais 1 Amizades ou laços familiares 2 Afinidade política 3 Afinidade pelo tipo de trabalho 51e. E porque são importantes para [NOME DA ENTIDADE]? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão

16 V. REDES E PARTICIPAÇÃO INSTITUCIONAL 52. A (o) [NOME ENTIDADE] participa de algum fórum, congresso, rede, federação que tenha como atividade a coordenação de associações? a. Quais? i. Há quanto tempo? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i. 52b. Participa de outras, quantas? [IR A 53] 52c. Para a(o) [NOME ENTIDADE] esta participação é 1 Indispensável 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importante 4 Pouco importantes 5 Não é importante [IR A 53] 52d. Em termos gerais, porque esta participação é importante para vocês? É porque 1 Desenvolvem trabalhos em parceria 2 Trocam informações e idéias 3 Participam juntos em debates sobre políticas públicas 4 Contribuem com verba para [NOME DA ENTIDADE] 5 Coordenam sua atuação política 6 Outra razão

17 53. A (o) [NOME DA ENTIDADE] participa de algum conselho popular, do orçamento participativo, ou de qualquer espaço de participação cidadã junto ao governo? a. Quais? 1. i. 2. i. 3. i. 4. i. 5. i. i. Há quanto tempo? [IR A 54] 53b. Para a(o) [NOME DA ENTIDADE] esta participação é 1 Indispensável 2 Muito importantes 3 Mais ou menos importantes 4 Pouco importantes 5 Não é importante [IR A 54] 53c. Em termos gerais, porque esta participação é importante para vocês? Para as perguntas que seguem, eu gostaria que o Sr(a) respondesse com Sim ou Não. [ATENÇÃO: para as baterias de perguntas E, F e G coloque 1 -SIM ; 2 - NÃO ; 3 - NS/NR] E. A quais dos seguintes níveis do governo a(o) [NOME DA ENTIDADE] faz reivindicações? A(o) 54. Prefeitura 55. Governo estadual 56. Governo federal

18 F. A quais das seguintes instituições políticas faz reivindicações? A(o) 57. Câmara Municipal 58. Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo 59. Congresso Nacional G. A quais das seguintes entidades privadas faz reivindicações? A(o) 60. Pequenas e médias empresas 61. Associações representantes do setor privado 62. E há algum tipo de associação, instituição ou grupo de pessoas que dificultam seu trabalho? Sim Quais? Não 63. Algum candidato político solicitou o apoio da(o) [NOME DA ENTIDADE] nos últimos cinco anos? 1Sim a. De que partido(s)? [IR A 64] 63b. Qual foi o compromisso do candidato com vocês? 64. A (o) [NOME DA ENTIDADE] tem apoiado algum candidato político? [IR A 65] 64a. De qual partido político eram ou são estes candidatos? 64b. O que a(o) [NOME ENTIDADE] fez para apoiai-los?

19 65. Nos dois últimos anos têm organizado ou ajudado a organizar algum seminário ou curso sobre: cidadania e direitos, participação eleitoral, direitos sociais como o da previdência ou outros temas semelhantes? a. Quais? V. NÍVEL DE FORMALIZAÇÃO [ATENÇÃO: Para pergunta 66 coloque: 1 -SIM ; 2 - NÃO ; 3 - NS/NR] 66. A(o) [NOME DA ENTIDADE] tem algum tipo de registro público ou está inscrito em algum cadastro reconhecido pelo Estado? 1 No Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas a. Sob qual denominação b. Em que ano obtiveram esse registro?. 2 No CNPJ c. Sob qual denominação d. Em que ano obtiveram esse registro?. 3 Nalgum programa de alguma secretaria e. Qual (i) Qual (ii) Qual (iii) f. Em que ano obtiveram esse registro? i ii iii 4 Nalgum cadastro que outorga reconhecimento ou títulos de utilidade pública (municipal, estadual, federal) g. Qual (i) Qual (ii) h. Em que ano obtiveram esse registro? i ii

20 67. Qual o volume de recursos com o qual a(o) [NOME DA ENTIDADE] conta anualmente ou de quanto vocês dispõem para gastar mensalmente? R$ Anual ---- SE RESPONDER MAIS DE R$10,000 ANNUAL IR A 69, se for menos IR A 68 R$ Mensal ---- SE RESPONDER MAIS DE R$1,000 MENSAL IR A 69, se for menos IR A 68 67a. Poderia me dizer, então, qual dos seguintes níveis de recurso corresponde melhor a aquilo com qual a(o) [NOME DA ENTIDADE] conta anualmente 1 Acima de R$750,000 2 Mais de R$250,000 a R$750,000 [R$20,833 a 62,500] 3 Mais de R$100,000 a R$250,000. [R$8,333 a 20,833] 4 Mais de R$20,000 a 100, [R$1,666 a 8,333] 5 Mais de R$4,000 a R$20, [R$333 a 1,666] 6 Inferior a R$4,000.. [R$333 mensal] 68. A(o) [NOME DA ENTIDADE] tem conta bancária própria (em seu próprio nome)? 69. Pensando grosso modo, que porcentagem do orçamento da(o) [NOME DA ENTIDADE] vem das seguintes fontes? 1 Membros ou sócios.. % 2 Associações ou organizações : 69a. Nacionais.. % Internacionais.. % 3 Organizações religiosas : 69b. Nacionais % Internacionais.. % 4 Agências do Governo : 69c. Nacionais % Estrangeiro(s) % 5 Partido Político: Sigla % 6 Venda de serviços ou produtos % 7 Outro.. % 70. A(o) [NOME DA ENTIDADE] tem diretores? a. Quantos tem [IR A 71] [IR A 71] 70b. Quantos deles recebem salário?

21 AGRAM PORTUGUÊS 6 Maio 02 70c. De que modo os diretores são escolhidos, 1 Por meio de eleições 2 De outra forma [IR A 71] 70d. Quem elege os administradores ou diretores? 71. Fora os diretores, quantas pessoas remuneradas trabalham na(o) [NOME DA ENTIDADE]?. 72. Vocês dependem de trabalho voluntário? a. Quanto vocês dependem? 1 Quase integralmente 2 Bastante 3 Mais ou menos 4 Pouco 5 Não dependem 99 Não sabe quanto depende de trabalho voluntário 73. São proprietários do local onde a(o) [NOME DA ENTIDADE] funciona, é um espaço cedido, é alugada ou se reúnem em um lugar público? 1 Proprietários 2 Cedido 3 Alugada 3 Se reúnem em um local público 5 Outra forma 74. A (o) [NOME DA ENTIDADE] funciona durante todo o ano? a. Em que ocasiões funciona? 99 Não sabe como funciona Estas são todas as perguntas. Muito obrigada, sua participação é muito valiosa para nós e agradecemos pelo tempo que o Sr (a) dedicou a esta entrevista. Hora de conclusão da entrevista: :

A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo)

A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) QUESTIONÁRIO PARA LIDERANÇAS

Leia mais

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]:

A1. Número da Entrevista: A2. Iniciais do Entrevistador: A3. Data: / /2007 A4. Nome da Entidade [POR EXTENSO E A SIGLA]: CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP A Reforma de Serviços Públicos: O Papel da Ação Coletiva e da Accountability Social (Delhi, Cidade de México e São Paulo) QUESTIONÁRIO PARA LIDERANÇAS

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 Link para acessar o ambiente e fazer a pré-inscrição: http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA

EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA EDITAL Nº. 003/2014 SELEÇÃO PARA O CURSO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO EM AGROECOLOGIA O PRESIDENTE DO SERVIÇO DE TECNOLOGIA ALTERNATIVA SERTA Resolve: I. Divulgar a abertura das inscrições e estabelecer normas

Leia mais

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar!

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Caros(as) participantes, O programa Escravo, nem pensar! da ONG Repórter Brasil abre as inscrições para a 8ª edição do Fundo de Apoio a Projetos do Escravo,

Leia mais

Edital INSTITUTO WALMART - Viver melhor comunidade. Ficha de Inscrição

Edital INSTITUTO WALMART - Viver melhor comunidade. Ficha de Inscrição Edital INSTITUTO WALMART - Viver melhor comunidade Ficha de Inscrição Está é a ficha de inscrição para o Edital Instituto Walmart 2015 Viver melhor comunidade. Antes de responder, recomendamos que vocês

Leia mais

PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS - PEAS 2013 Questionário da Etapa I

PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS - PEAS 2013 Questionário da Etapa I BLOCO 01 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais 01. Número cadastral 02. Siape do entrevistador PESQUISA DE ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar!

Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Fundo de Apoio a Projetos do Escravo, nem pensar! Caros(as) participantes, O programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil, abre as inscrições para a 9ª edição do Fundo de Apoio a Projetos do Escravo,

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

TERMO DE PARCERIA Projeto Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias PROCESSO SELETIVO DE PESSOAL Nº 04/2014

TERMO DE PARCERIA Projeto Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias PROCESSO SELETIVO DE PESSOAL Nº 04/2014 TERMO DE PARCERIA Projeto Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias PROCESSO SELETIVO DE PESSOAL Nº 04/2014 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS

RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS RELATÓRIO DA REDE DE ENFRENTAMENTO AO TRÁFICO DE PESSOAS Nome do Responsável: Valdir Monteiro Silva Cargo do Responsável: Coordenador da Comissão Eecutiva de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Contatos

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010

Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010 Pesquisa de Opinião Pública Tema geral: Como o eleitor escolheu seus candidatos em 2010 Apresentação: Somos pesquisadores da Universidade Federal do Ceará e gostaríamos de saber como as pessoas votaram

Leia mais

TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO

TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do case 20 2 APLICABILIDADE peso 3 150 2.1

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MONITORIA EDITAL 26/2013

MONITORIA EDITAL 26/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MONITORIA EDITAL 26/2013 O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Campus

Leia mais

coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - m m Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - m m Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #18 - janeiro 2015 - ul ç u m verdade m an o que é todo ter r or i s ta? É Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2012. Estratégias para o desenvolvimento local e o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio REGULAMENTO.

MOSTRA DE PROJETOS 2012. Estratégias para o desenvolvimento local e o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio REGULAMENTO. MOSTRA DE PROJETOS 2012 Estratégias para o desenvolvimento local e o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio REGULAMENTO Anexos I e II O Movimento Nós Podemos Paraná em parceria com os Nós

Leia mais

EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL

EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL EDITAL Nº 35/2013 SELEÇÃO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA DE TÉCNICOS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL O Instituto Agropolos do Ceará, CNPJ 04.867.567/0001-10, torna

Leia mais

2. DAS MODALIDADES E DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA

2. DAS MODALIDADES E DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO À BOLSA C AM PUS II Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Tel: 18 3229 2077 / 2078 / 2079 E-mail: posgrad@unoeste.br www.unoeste.br Campus I Campus II Rua José Bongiovani, 700 Cidade Universitária CEP 19050

Leia mais

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA CARTA TÉCNICA Nome do Certificado: INSCRIÇÃO NO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ENTIDADES QUE DEVEM REALIZAR O REGISTRO: Entidades de Assistência Social ORGÃO RESPONSÁVEL PELA EMISSÃO: Conselho

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014. Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA

CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014. Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA CAMPUS DE PARANAVAÍ Divisão de Extensão e Cultura EDITAL Nº. 001/2014 Processo Seletivo de Bolsistas de Extensão Universitária PIBEX/FA A Divisão de Extensão e Cultura, em conformidade com a Chamada 012/2014

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

Manual de Diretrizes do Voluntariado DIADESOL

Manual de Diretrizes do Voluntariado DIADESOL Manual de Diretrizes do Voluntariado DIADESOL ABES-SP 2015 1. Introdução O presente manual de diretrizes do voluntariado do programa DIADESOL 2015 vem atender a necessidade de ampliar e sistematizar o

Leia mais

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 1 - O PRÊMIO APEX PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 O Prêmio APEX é dedicado a reconhecer e conectar as realizações específicas com os objetivos das empresas que resultam em implementação

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Gestão de Projetos Sociais

Gestão de Projetos Sociais Gestão de Projetos Sociais COMO FORMAR E ADMINISTRAR UMA ASSOCIAÇÃO, ONG, OU OSCIP SIMEILACERDA@HOTMAIL.COM 1 O que é o Terceiro Setor Primeiro setor Público (Governo) Segundo setor Privado ( Empresas

Leia mais

O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo

O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo O Curso de Graduação em Ciências da Religião nas Faculdades Integradas Claretianas em São Paulo Entrevista a Moacir Nunes de Oliveira * [mnoliveira pucsp.br] Em 1999, as Faculdades Integradas Claretianas

Leia mais

VOLUNTARIADO. Dihego Pansini de Souza

VOLUNTARIADO. Dihego Pansini de Souza VOLUNTARIADO Dihego Pansini de Souza No dicionário Aurélio, o significado da palavra voluntário é aquele que age espontaneamente; derivado da vontade própria, em que não há coação. Sobre a palavra voluntariado,

Leia mais

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura

PROJETO TÉCNICO. Associação ou federação comunitária Ponto de cultura ANEXO IV CINE MAIS CULTURA BAHIA PROJETO TÉCNICO I. Identificação da Iniciativa 1. Nome da Proponente: 2. Esta ação é inscrita por: [Indique somente 1 (uma) alternativa] Organização da Sociedade Civil

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

QUESTIONÁRIO Nivel 3 Atores coletivos. Número da Entrevista: Iniciais do Entrevistador: Data: / /2007

QUESTIONÁRIO Nivel 3 Atores coletivos. Número da Entrevista: Iniciais do Entrevistador: Data: / /2007 CENTRO BRASILEIRO DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO-CEBRAP Reforma de Serviços Públicos, Ação Coletiva e Accountability Social QUESTIONÁRIO Nivel 3 Atores coletivos A. DADOS DE CONTROLE Número da Entrevista: Iniciais

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO TÉCNICO EM CAFEICULTURA José Sérgio de Araújo Adélia Ribeiro Paulino 2014 1 ÍNDICE Apresentação... 3 1 Orientações Gerais... 05 2 Roteiro... 06 3 Plano de Estágio... 08 4 Termo

Leia mais

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito Lei nº176/2014 Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Santa Cecília e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Cecília, estado da Paraíba, aprovou

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais

Elaboração de Projetos Sociais Elaboração de Projetos Sociais Marco Antonio Pereira 18 DE JULHO DE 2009 PROJETOS E... PROJETOS PROJETO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO Projeto A Projeto E Projeto B Projeto C Projeto D 1 PROJETO INSTITUCIONAL

Leia mais

Pesquisa de Impacto Social. Aprendizagem COMBEMI

Pesquisa de Impacto Social. Aprendizagem COMBEMI Pesquisa de Impacto Social Aprendizagem COMBEMI Pesquisa de Impacto Social Jovem Aprendiz COMBEMI Total de pesquisa aplicada: 33 (trinta e três) Metodologia da pesquisa: A pesquisa aplicada foi a Pesquisa

Leia mais

Secretaria Municipal de Integração Social e Defesa do Consumidor SUPERINTENDÊNCIA DE JUVENTUDE

Secretaria Municipal de Integração Social e Defesa do Consumidor SUPERINTENDÊNCIA DE JUVENTUDE EDITAL 002/2016 DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS NO PROJETO DE INSERÇÃO SOCIAL PALMAS QUE TE ACOLHE, A Prefeitura Municipal de Palmas, por meio da Secretaria Municipal de Integração

Leia mais

EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA

EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG SECRETARIA GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEaD EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA A Secretária de Educação a

Leia mais

Pense globalmente, atue localmente Think globally, act locally. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico - Sebrae Nacional

Pense globalmente, atue localmente Think globally, act locally. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico - Sebrae Nacional Pense globalmente, atue localmente Think globally, act locally Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico - Sebrae Nacional 1 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil 2 O Financiamento dos Pequenos

Leia mais

MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO REGULAMENTO. Anexos I e II

MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO REGULAMENTO. Anexos I e II MOSTRA DE PROJETOS 2011 PARTICIPAÇÃO CIDADÃ VOLUNTARIADO E OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Os projetos inscritos na Mostra de Projetos 2011 também poderão participar da certificação do Selo

Leia mais

Edital nº 284. Processo Seletivo para o Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica

Edital nº 284. Processo Seletivo para o Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL ESCOLA DE GESTORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA/UFRJ-MEC Edital nº 284. Processo Seletivo para o Curso de Especialização em

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

1. DA SELEÇÃO: 2. DAS INSCRIÇÕES E ENTREVISTA:

1. DA SELEÇÃO: 2. DAS INSCRIÇÕES E ENTREVISTA: EDITAL Nº 17/2015 SELEÇÃO PÚBLICA PARA A CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL DE TÉCNICOS DE NÍVEL SUPERIOR, EM CARÁTER TEMPORÁRIO, PARA ATENDIMENTO IMEDIATO DE CARÊNCIAS NOS CENTROS DE REFERÊNCIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Responsabilidade social na construção, um panorama da atuação social no setor

Responsabilidade social na construção, um panorama da atuação social no setor Responsabilidade social na construção, um panorama da atuação social no setor Metodologia e Amostra Conhecer se e como as empresas de construção realizam ações de RS OBJETIVO Identificar o nível de conhecimento

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Universidade Federal Rural do Semi-Árido Edital 02/2015 - PPgCC/UERN PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

Manual do Padrinho. Projeto Adote um Município. Aperte enter para avançar

Manual do Padrinho. Projeto Adote um Município. Aperte enter para avançar Manual do Padrinho Projeto Adote um Município Aperte enter para avançar Caro Padrinho, Esse manual tem como objetivo passar orientações sobre o seu importante papel no âmbito do Projeto Adote um Município.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2007 Título I Casa da Cidadania Capítulo I Da Casa da Cidadania Título II Dos Programas Parlamentares Capítulo I Câmara Debate

RESOLUÇÃO Nº 20/2007 Título I Casa da Cidadania Capítulo I Da Casa da Cidadania Título II Dos Programas Parlamentares Capítulo I Câmara Debate RESOLUÇÃO Nº 20/2007 Dispõe sobre a criação, no âmbito da Câmara Municipal, da Casa da Cidadania, dos Programas Parlamentares, estabelece normas gerais de funcionamento, da Revista da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO

REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O Prêmio Prudential Espírito Comunitário é uma iniciativa da Prudential do Brasil Seguros de Vida. O prêmio é a versão brasileira do Prudential Spirit of Community Awards, criado

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO do PROGRAMA: Ética, Cidadania e Solidariedade: A UNIFEBE, Você e a Comunidade.

Leia mais

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão.

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Nome da Palestra: Patrimônio Mundial: modalidades para

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

MINI-CURSO: INTRODUÇÃO À PESQUISA E EXTENSÃO SOBRE PRÁTICAS DE INTEGRALIDADE EM SAÚDE NORMAS PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES

MINI-CURSO: INTRODUÇÃO À PESQUISA E EXTENSÃO SOBRE PRÁTICAS DE INTEGRALIDADE EM SAÚDE NORMAS PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES MINI-CURSO: INTRODUÇÃO À PESQUISA E EXTENSÃO SOBRE PRÁTICAS DE INTEGRALIDADE EM SAÚDE NORMAS PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES 1. SOBRE O CURSO A Universidade Federal do Vale do São Francisco, por meio da

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PEQUENA CASA DA CRIANÇA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADES E DURAÇÃO Art. 1º - A PEQUENA CASA DA CRIANÇA é uma Associação Civil, Sem Finalidade de Lucros e Filantrópica, tem seus

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito

RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito RELATÓRIO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: Avaliação dos alunos egressos de Direito CARIACICA-ES ABRIL DE 2011 FACULDADE ESPÍRITO SANTENSE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Pesquisa direcionada a alunos egressos dos cursos

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade. Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais

VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade. Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais quem pode participar Pessoas jurídicas, não-governamentais e sem fins lucrativos tais como: associações,

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE

FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE FRANQUIA O BOTICÁRIO TRÊS RIOS (RJ) RESPEITO AO MEIO AMBIENTE RESUMO Numa sociedade cada vez mais consciente, a proteção ao meio ambiente passa a ser objetivo de atenção de franquias com um posicionamento

Leia mais

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil

Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil Groupo AJ na demonstração do modelo de bacia hidrográfica. Preparado para: Susan Kurbis,

Leia mais

O BANCO DE DADOS GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA- CICLO DE PREMIAÇÃO 2001

O BANCO DE DADOS GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA- CICLO DE PREMIAÇÃO 2001 19 O BANCO DE DADOS As informações do Banco de Dados do Programa GESTÃO PÚBLICA E CIDADANIA constam das fichas de inscrição preenchidas pelos participantes dos ciclos de premiação. O Banco dispõe também

Leia mais

ASTRAMA ASSOCIAÇÃO DE TRABALHOS MANUIAS SÃO JOSÉ: ARTES EM MADEIRA E TECIDO

ASTRAMA ASSOCIAÇÃO DE TRABALHOS MANUIAS SÃO JOSÉ: ARTES EM MADEIRA E TECIDO 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ASTRAMA ASSOCIAÇÃO

Leia mais

CARTA DE EXPOSIÇÃO SOBRE CONTRIBUIÇÃO

CARTA DE EXPOSIÇÃO SOBRE CONTRIBUIÇÃO CARTA DE EXPOSIÇÃO SOBRE CONTRIBUIÇÃO Eu, (nome), primeiro autor do trabalho (título do trabalho), inscrito no Prêmio (nome do Prêmio e, se houver, Área em que concorre) do XXXIV Congresso Médico Universitário

Leia mais

PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR

PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR PROGRAMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL : TELEMAR TELECOM SOCIAL 2005 Nova Atitude Social para Sustentação do Desenvolvimento Ronaldo Iabrudi Brasília, 04 de maio de 2005 O GRUPO TELEMAR RESPONSABILIDADE

Leia mais

INDEX. Mapas Culturais

INDEX. Mapas Culturais Mapas Culturais INDEX Mapas Culturais Cadastrar agentes 13 Cadastrar espaços 28 Cadastrar projetos 38 Cadastrar eventos 48 Gestores e hierarquias 60 _Sobre Mapas Culturais A prefeitura de São Paulo e o

Leia mais

INSTRUÇÕES DE AMOSTRAGEM IDS. Institute of Development Studies Sussex

INSTRUÇÕES DE AMOSTRAGEM IDS. Institute of Development Studies Sussex n. distrito n. setor censitário n. domicílio INSTRUÇÕES DE AMOSTRAGEM PESQUISA ASSOCIATIVISMO E REPRESENTAÇÃO POPULAR: América Latina e a Índia Uma pesquisa internacional desenvolvida pelos institutos

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra):

SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra): SR. MARREY LUIZ PERES JR. (transcrição da palestra): Boa-tarde. Em primeiro lugar, eu gostaria de agradecer o convite que nos foi feito pelo Marcos Alves de Sousa, do Ministério da Cultura, para poder

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE NUTRIÇÃO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE NUTRIÇÃO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR EDITAL N. 02/2016/CECANE/UFMT DO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE NUTRIÇÃO PARA COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DO CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR (CECANE) DE MATO GROSSO

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ 1) Introdução A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP e a Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

Estimular as empresas produtoras e distribuidoras de aço ao envolvimento com projetos de natureza social.

Estimular as empresas produtoras e distribuidoras de aço ao envolvimento com projetos de natureza social. Estimular as empresas produtoras e distribuidoras de aço ao envolvimento com projetos de natureza social. Inscrição: INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 2008 A inscrição de projetos à Certificação do Prêmio Inda

Leia mais

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas

A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas A formação profissional em Ciência da Informação em Portugal: desafios e perspectivas Fernanda Ribeiro Doutora em Ciências Documentais pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Diretora da Faculdade

Leia mais

Programa Nacional de Abate Humanitário STEPS

Programa Nacional de Abate Humanitário STEPS Sociedade Mundial de Proteção Animal WSPA Rio de Janeiro (RJ) Programa Nacional de Abate Humanitário STEPS Categoria Bem-Estar Animal 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Sociedade Mundial

Leia mais

EDITAL Associação Aliança Empreendedora Projeto Geração Empreendedora 1/2014

EDITAL Associação Aliança Empreendedora Projeto Geração Empreendedora 1/2014 EDITAL Associação Aliança Empreendedora Projeto Geração Empreendedora 1/2014 EDITAL PARA TRANSMISSÃO DE METODOLOGIA DE APOIO A MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS A Aliança Empreendedora é uma organização

Leia mais

IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR SECRETARIA GERAL DE MISSÕES- SGM FORMULÁRIO PARA CANDIDATOS

IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR SECRETARIA GERAL DE MISSÕES- SGM FORMULÁRIO PARA CANDIDATOS IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR SECRETARIA GERAL DE MISSÕES- SGM FORMULÁRIO PARA CANDIDATOS Data: / / Favor preencher todas as informações à máquina ou letra de forma. Se for casado, o cônjuge deverá

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Curso de Extensão a Distância Formação Continuada em Conselhos Escolares EDITAL Nº 02/FCCE/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Curso de Extensão a Distância Formação Continuada em Conselhos Escolares EDITAL Nº 02/FCCE/2014 EDITAL Nº 02/FCCE/2014 Seleção para 240 vagas do Formação Continuada em Conselhos Escolares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, para o segundo semestre de 2014, com início previsto para 11

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013. Processo seletivo de candidato à bolsa pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD CAPES, com atuação no Programa de Pós - Graduação em Química

Leia mais

AIM ASSOCIAÇÃO DA IGREJA METODISTA PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

AIM ASSOCIAÇÃO DA IGREJA METODISTA PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES O que é AIM A Associação da Igreja Metodista (AIM) é a pessoa jurídica da Igreja, constituída de acordo com a legislação civil, tendo por finalidade manter e orientar a administração patrimonial e econômica

Leia mais

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015

Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2. da Assembleia Nacional REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Terça-feira, 5 de Maio de 2015 I Série A Número 2 DIÁRIO da Assembleia Nacional X LEGISLATURA (2014-2018) 2.ª SESSÃO LEGISLATIVA REUNIÃO DA 3.ª COMISSÃO ESPECIALIZADA PERMANENTE DE 4 DE MAIO DE 2015 Presidente:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011

Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Relatório das Atividades da APA durante o ano de 2011 Visando o controle populacional de caninos e felinos no Município de Jaboticabal, durante o ano de 2011, a APA, entre muitas atividades, realizou a

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL. EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL. O Conselho Municipal de Direito da Criança e do Adolescente de Curionópolis - CMDCAC, convoca a ELEIÇÃO dos Membros Titulares e Suplentes da Sociedade

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Núcleos de Defesa Civil (NUDECs): estruturação, atribuições e funcionamento Regina Panceri Gerente Capacitação, Pesquisa e Projetos SDC 3 O que é, o que é????? O que

Leia mais

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil

Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Experiências Locais: Situação Atual e Futuro do ISP no Brasil Marcos Kisil idis@idis.org.br 3 de abril de 2008 5º Congresso GIFE de Investimento Social Privado 1 Contexto do Investimento Social na América

Leia mais