IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS. François E. J. de Bremaeker

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS. François E. J. de Bremaeker"

Transcrição

1 INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) IBAM EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS (Série Estudos Especiais nº 31) François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro - junho de 2001

2 IBAM 2 EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS Trabalho elaborado por François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Coordenador do Núcleo de Articulação Político-Institucional Coordenador Técnico do Banco de Dados Municipais Área de Promoção do Município e da Cidadania do IBAM Depositado na Reserva Legal da Biblioteca Nacional by Instituto Brasileiro de Administração Municipal Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte 1ª edição Bremaeker, François E. J. de Equipamentos culturais e de lazer existentes nos Municípios. IBAM / APMC / NAPI / IBAMCO, p. 29,7 cm (Estudos especiais, 31) 1. Administração municipal - Brasil. 2. Equipamentos culturais - Municípios - Brasil. 3. Equipamentos de lazer - Municípios - Brasil. I. Instituto Brasileiro de Administração Municipal. Área de Promoção do Município e da Cidadania. Núcleo de Articulação Político-Institucional. Banco de Dados Municipais. II. Série. III. Título. 352 (CDD 15.ed.)

3 IBAM 3 EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Coordenador de Articulação Político-Institucional do IBAM Na primeira parte do presente estudo estarão sendo apresentados dados que têm por objetivo descrever a realidade municipal brasileira, enquanto que na segunda parte estarão sendo apresentados dados específicos sobre alguns equipamentos culturais e de lazer existentes nos Municípios. O CONTEXTO MUNICIPAL A diversidade de realidades dos Municípios não se explica exclusivamente pelas desigualdades regionais, mas também por desigualdades intrarregionais. Esses diferenciais são evidenciados pela distribuição dos Municípios segundo o número de habitantes (tabela 1) que apresenta seus reflexos na estrutura financeira (tabela 2). A distribuição segundo o número de habitantes mostra que 49,5% dos Municípios brasileiros possui menos de 10 mil habitantes, sendo que as regiões que apresentam percentuais acima dessa média são a Sul (67,5%), a Centrooeste (56,7%) e a Sudeste (50,4%). Conforme pode ser observado, as maiores concentrações de Municípios de pequeno porte demográfico, que geralmente contemplam aqueles classificados como os mais pobres, paradoxalmente se encontram relativamente em maior quantidade nas regiões consideradas as mais desenvolvidas.

4 IBAM 4 TABELA 1 DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS POR GRUPOS DE HABITANTES SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES BRASIL GRUPOS DE GRANDES REGIÕES HABITANTES BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- (por mil) oeste TOTAL Até e mais FONTE: IBGE. Estimativas de população para Entretanto é elevado o percentual de Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes na região Nordeste (32,9% dos Municípios da região), o que amplia o espectro de Municípios com baixa capacidade financeira, de vez que, em razão da condição de pobreza da população regional, mesmo nesses Municípios é baixa a capacidade tributária e pouco expressivas as transferências constitucionais de recursos provenientes dos Estados, que tributam o consumo (ICMS) e a propriedade de veículos (IPVA). O reflexo desse padrão de distribuição segundo o porte demográfico é espelhado no comportamento da estrutura financeira dos Municípios. O conjunto de Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e daqueles entre 10 mil e 20 mil habitantes, que concentram 74,8% das unidades do universo, apresenta uma receita tributária média em torno de 7% do volume de recursos de que dispõem.

5 IBAM 5 A maior parcela de recursos provém das transferências constitucionais, sendo que dessas a sua quase totalidade é oriunda do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), cujo critério de distribuição está relacionado ao quantitativo de sua população, que determina o coeficiente de participação, sendo que para as quatro faixas de coeficientes iniciais, que abrangem os Municípios até 20 mil habitantes, os diferenciais dessas faixas é de apenas habitantes. TABELA 2 DISTRIBUIÇÃO DAS RECEITAS MÉDIAS DOS MUNICÍPIOS POR GRUPOS DE HABITANTES BRASIL GRUPOS DE RECEITA RECEITA TRANSFERÊNCIAS OUTRAS HABITANTES TOTAL TRIBUTÁRIA CONSTITUCIONAIS RECEITAS (por mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) TOTAL Até e mais FONTE: IBAM. Banco de Dados Municipais (IBAMCO). Apenas nos Municípios mais populosos, com população acima de 50 mil habitantes, que representam 9,5% do total dos Municípios do País, suas receitas superam os valores médios nacionais, sendo que, o diferencial do crescimento da receita tributária é 60% superior ao do valor das transferências constitucionais pelos diferentes grupos de habitantes. Esse maior diferencial na evolução da receita tributária se deve a que aos Municípios é concedido o direito de tributar espécies cujo fato gerador tem a ver com o ambiente urbano, o que privilegia mais aos Municípios de maior porte demográfico.

6 IBAM 6 EQUIPAMENTOS CULTURAIS E DE LAZER Segundo o levantamento de dados realizado pela Fundação IBGE através da Pesquisa de Informações Básicas Municipais 1999, foi pesquisada a existência dos seguintes itens: bibliotecas públicas. museus. teatros. cinemas. emissora de rádio AM. emissora de rádio FM. sintonia das redes de TV. TV a cabo. provedor de internet. video locadoras. ginásio poliesportivo. livraria. loja especializada em discos / fitas / CDs. shopping center. Bibliotecas públicas Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontradas bibliotecas públicas em 80,0% deles. Desses Municípios 68,6% possui apenas 1 biblioteca, em 10,6% existem entre 2 e 5 bibliotecas e em 0,8% dos Municípios foram encontradas mais de 6 bibliotecas. A tendência verificada é que aumenta a participação dos Municípios que possuem biblioteca à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional.

7 IBAM 7 Para os Municípios com população inferior a 10 mil habitantes 73,1% deles possuem bibliotecas públicas. Essa é a única faixa populacional que se situa abaixo da média nacional. Para os Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes 80,8% deles registram a existência de bibliotecas públicas, do mesmo modo que 88,6% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes, 96,4% daqueles com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e 99,4% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Nos Municípios com população superior a 500 mil habitantes é registrada a existência de bibliotecas públicas em 96,2% deles. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de bibliotecas públicas, destacam-se alguns resultados: 30,8% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes possuem mais de 6 bibliotecas e 46,2% deles possuem entre 2 e 5 bibliotecas. Por outro lado, em 59,8% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes existe apenas 1 biblioteca pública, o mesmo acontecendo com 78,4% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes, o que é relativamente pouco, em se considerando que esses Municípios fazem parte de uma elite entre eles mesmos. TABELA 3 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM BIBLIOTECAS PÚBLICAS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO BIBLIOTECAS PÚBLICAS POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ bilbiot 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais

8 IBAM 8 A distribuição dos Municípios em nível regional apresenta um maior equilíbrio nos resultados. Apenas a região Sudeste se posiciona acima da média brasileira, com 86,6% dos seus Municípios registrando a existência de bibliotecas públicas. Três regiões apresentam percentuais muito próximos da média nacional: Sul (79,9%), Centro-oeste (79,1%) e Norte (78,9%). Na região Nordeste 74,1% dos seus Municípios têm biblioteca pública. A maior freqüência de casos é registrada para os Municípios que têm apenas 1 biblioteca pública em seu território. Para os Municípios que possuem entre 2 e 5 bibliotecas há pequena variação em relação ao resultado das média nacional: 13,6% na região Sudeste, 10,3% na região Norte, 9,4% na região Nordeste, 9,2% na região Sul e 8,5% na região Centro-oeste. Os percentuais são inexpressivos para os Municípios que possuem mais de 6 bibliotecas públicas. TABELA 4 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM BIBLIOTECAS PÚBLICAS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO BIBLIOTECAS PÚBLICAS REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem MUNICÍPIOS c/ bilbiot 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste

9 IBAM 9 Museus Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontrados museus em apenas 17,5% deles. Desses Municípios 13,9% possui apenas 1 museu, em 3,1% existem entre 2 e 5 museus e em 0,5% dos Municípios foram encontrados mais de 6 museus. A tendência verificada é que aumenta a participação dos Municípios que possuem museus à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional. A distribuição dos Municípios pelas faixas de tamanho de população mostra que tanto para os Municípios com população inferior a 10 mil habitantes como para aqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes, o percentual de ocorrência de museus é menor que a média brasileira representando, respectivamente, 7,0% e 13,8% dos Municípios dessas faixas. Para os Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes são encontrados museus em 27,0% deles. Entretanto é para as faixas de população seguintes que aumenta significativamente a incidência de Municípios onde são encontrados museus: 53,9% para aqueles com população entre 50 mil e 100 mil habitantes; 68,5% para os Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes; e 88,5% para aqueles com população superior a 500 mil habitantes. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de museus, alguns resultados que se destacam são: a existência de mais de 6 museus em 38,5% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes e entre 2 e 5 museus em 30,8% desses mesmos Municípios. Para os Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes constata-se a existência de 6 museus em 4,8% deles e entre 2 e 5 museus em 33,3% deles.

10 IBAM 10 TABELA 5 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM MUSEUS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO MUSEUS POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ museus 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais A distribuição dos Municípios pelas regiões mostra que existem museus em 27,0% dos Municípios da região Sul e em 21,6% daqueles da região Sudeste. Em seguida aparecem as regiões Nordeste (10,3%), Norte (10,0%) e Centro-oeste (8,6%). Para os Municípios que possuem 1 museu as regiões que se destacam são a Sul (22,7%) e a Sudeste (16,2%). Para os Municípios que possuem entre 2 e 5 museus os destaques são para as regiões Sudeste (4,6%) e Sul (4,2%). Já para os Municípios que possuem mais de 6 museus os destaques relativos são para as regiões Sudeste (0,8%) e Norte (0,7%).

11 IBAM 11 TABELA 6 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM MUSEUS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO MUSEUS REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem MUNICÍPIOS c/ museus 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste Teatros Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontrados teatros em apenas 13,4% deles. Desses Municípios 10,9% possui apenas 1 teatro, em 3,7% existem entre 2 e 5 teatros e em 0,9% dos Municípios foram encontrados mais de 6 teatros. A tendência verificada é que aumenta a participação dos Municípios que possuem teatros à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional. Para os Municípios com população inferior a 10 mil habitantes apenas 3,8% deles possui teatros, o mesmo acontecendo com 10,8% dos Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas faixas de população são as que se situam abaixo da média nacional.

12 IBAM 12 Para os Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes 25,2% deles possuem teatros; elevando-se significativamente o percentual dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes para 58,7% deles; e para os Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes o percentual chega a 77,2%. Quanto aos Municípios com população superior a 500 mil habitantes são encontrados teatros em 96,2% deles. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de teatros, alguns resultados que se destacam são: a existência de mais de 6 teatros em metade dos Municípios e entre 2 e 5 teatros em 46,2% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes. Também são encontrados mais de 6 teatros em 12,0% dos Municípios e entre 2 e 5 teatros em 34,1% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. TABELA 7 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM TEATROS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO TEATROS POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ teatros 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais

13 IBAM 13 A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existem teatros em 20,8% dos Municípios do Sudeste e em 15,2% daqueles do Norte, seguindo0-se em importância as regiões Sul (14,4%), Nordeste (13,4%) e Centro-oeste (7,7%). Para os Municípios que têm 1 teatro as regiões que se destacam são a Sudeste (14,1%) e a Sul (11,7%). Para os Municípios que têm entre 2 e 5 teatros as regiões que se destacam são a Sudeste (5,4%) e a Norte (5,0%). Quanto aos Municípios que possuem mais de 6 teatros os destaques são registrados nas regiões Sudeste e Norte, ambas com 1,3%. TABELA 8 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM TEATROS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO TEATROS REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem MUNICÍPIOS c/ teatros 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste

14 IBAM 14 Cinemas Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontrados cinemas em apenas 8,2% deles. Desses Municípios 5,6% possui apenas 1 cinema, em 1,9% existem entre 2 e 5 cinemas e em 0,7% dos Municípios foram encontrados mais de 6 cinemas. Comparando-se a ocorrência de cinemas com os equipamentos culturais anteriores bibliotecas públicas, museus e teatros --, os cinemas são os que apresentam a menor de todas as participações. A tendência verificada é que aumenta a participação dos Municípios que possuem cinemas à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional. Existem cinemas em 0,9% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 2,4% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 11,7% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes são encontrados cinemas; o mesmo acontecendo em 37,6% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 71,6% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes os cinemas são encontrados em todos eles. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de cinemas, alguns resultados que se destacam são: a existência de mais de 6 cinemas em 65,4% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes e em 10,1% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Quanto `ocorrência entre 2 e 5 cinemas, encontram-se 34,6% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes e 34,3% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes.

15 IBAM 15 TABELA 9 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM CINEMAS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO CINEMAS POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ cinemas 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existem cinemas em 13,5% dos Municípios do Sudeste, em 8,0% daqueles do Sul do País. Seguem-se em importância as regiões Norte (6,7%), Nordeste (4,9%) e Centro-oeste (4,1%). Para os Municípios que têm 1 cinema destacam-se as regiões Sudeste (8,7%) e Sul (5,5%). Para os Municípios que possuem entre 2 e 5 cinemas destacam-se as regiões Sudeste (3,4%) e Sul (2,1%). Quanto aos Municípios onde são encontrados mais de 6 cinemas os destaques são para as regiões Sudeste (1,4%) e Norte (0,7%).

16 IBAM 16 TABELA 10 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM CINEMAS E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO CINEMAS REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhum sem MUNICÍPIOS c/ cinemas 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste Emissora de rádio AM Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontradas emissoras de rádio AM em 22,6% deles. Desses Municípios 16,9% possui apenas 1 emissora de rádio AM, em 5,3% existem entre 2 e 5 emissoras de rádio AM e em 0,4% dos Municípios foram encontradas mais de 6 emissoras de rádio AM. A tendência apresentada é de aumento da participação relativa à medida em que aumenta a população dos Municípios. Nos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes o percentual daqueles que possuem emissora de rádio AM é de apenas 2,9%. Para os Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes essa participação já se eleva a 19,2%, muito embora ainda se mantenha abaixo da média nacional.

17 IBAM 17 Nos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes 47,0% deles possui emissora de rádio AM, entretanto, os percentuais passam a ser mais expressivos para as três maiores faixas populacionais: 81,5% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes; 80,5% para aqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes; e 92,3% para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de emissoras de rádio AM, alguns resultados que se destacam são: a existência de mais de 6 emissoras de rádio AM em 38,5% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes; e a existência entre 2 e 5 emissoras de rádio AM em 54,4% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes, em 38,5% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes e em 34,9% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes. TABELA 11 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM RÁDIO AM E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO RÁDIO AM POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ radio AM 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais

18 IBAM 18 A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existem emissoras de rádio AM em 27,4% dos Municípios da região Sul, em 24,5% daqueles da região Norte, em 23,9% dos Municípios do Sudeste, em 21,5% dos do Centro-oeste e em 17,9% dos Municípios do Nordeste. Para os Municípios que têm 1 emissora de rádio AM destacam-se as regiões Sul (21,2%) e Norte (19,0%). Para os Municípios que possuem entre 2 e 5 emissoras de rádio AM destacam-se as regiões Sudeste (6,3%) e Sul (5,9%). Quanto aos Municípios onde são encontrados mais de 6 emissoras de rádio AM os destaques são para as regiões Sudeste (0,6%) e Centro-oeste (0,5%). TABELA 12 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM RÁDIO AM E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO RÁDIO AM REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem MUNICÍPIOS c/ rádio AM 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste

19 IBAM 19 Emissora de rádio FM Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontradas emissoras de rádio FM em 36,7% deles. Desses Municípios 23,5% possui apenas 1 emissora de rádio FM, em 12,3% existem entre 2 e 5 emissoras de rádio FM e em 0,9% dos Municípios foram encontradas mais de 6 emissoras de rádio FM. A tendência apresentada é de aumento da participação relativa à medida em que aumenta a população dos Municípios, destacando-se que existe um participação relativa 14,1 pontos percentuais acima da ocorrência de Municípios com emissoras de rádio AM. Na prática essa maior participação se deve à elevação do número de Municípios nas duas faixas de menor população. Nos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes 21,3% deles possuíam emissora de rádio FM em seu território, enquanto que nos Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes essa participação é de 35,3%. Em ambos os casos o percentual de ocorrência é inferior ao da média nacional. Nos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes o percentual encontrado é de 55,3%. Entretanto, a exemplo do que também aconteceu no caso das emissoras de rádio AM, é entre os Municípios das três maiores faixas populacionais que são alcançados percentuais bastante elevados: 83,6% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes; 83,3% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes; e 88,5% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes. No que diz respeito à intensidade da ocorrência de emissoras de rádio FM, alguns resultados que se destacam são: a existência de mais de 6 emissoras de rádio FM em 65,5% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes e em 12,6% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes; além da existência entre 2 e 5 emissoras de rádio FM em 54,6% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes, em 45,1% daqueles com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 22,5% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes.

20 IBAM 20 TABELA 13 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM RÁDIO FM E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO RÁDIO FM POPULAÇÃO TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem (por mil) MUNICÍPIOS c/ radio FM 5 mais inform TOTAL até I I I I e mais A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existem emissoras de rádio FM em 50,2% dos Municípios do Sudeste e em 42,4% daqueles do Nordeste. Nas demais regiões, os percentuais de Municípios que possuem emissoras de rádio FM são: 33,3% no Norte; 22,4% no Centro-oeste e 17,5% no Sul. Para os Municípios que têm 1 emissora de rádio FM destacam-se as regiões Sudeste (30,5%) e Nordeste (27,4%). Para os Municípios que possuem entre 2 e 5 emissoras de rádio FM destacam-se as regiões Sudeste (18,0%) e Nordeste (14,3%). Quanto aos Municípios onde são encontrados mais de 6 emissoras de rádio FM os destaques são para as regiões Sul (4,3%) e Sudeste (1,7%).

21 IBAM 21 TABELA 14 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM RÁDIO FM E SUA QUANTIDADE, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO RÁDIO FM REGIÕES TOTAL DE tot. munic. 1 2 até 6 e nenhuma sem MUNICÍPIOS c/ rádio FM 5 mais inform BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste Sintonia das redes de TV Os resultados da pesquisa mostraram que das redes nacionais de TV, a Rede Globo é sintonizada em 98,2% dos Municípios brasileiros, a Rede SBT em 88,6% dos Municípios, a Rede Bandeirantes em 75,4% dos Municípios, a Rede Record em 52,7% dos Municípios e as Redes de TV Educativa/Cultura têm seu sinal captado em 42,5% dos Municípios. A tendência observada é de que aumenta a participação de Municípios que sintonizam as emissoras à medida em que aumenta sua população. Em todas as redes comerciais a sintonia abrange a todos os Municípios com população superior a 500 mil habitantes. No caso das Redes Educativa/Cultura o sinal não é captado em 1 desses Municípios.

22 IBAM 22 O sinal da Rede Globo é o mais difundido. Os Municípios com menos de 10 mil habitantes são os que apresentam o menor percentual, mesmo assim registrando a marca de 97,2%. Nas demais faixas os percentuais são acima de 98,9% (Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes), alcançando a totalidade dos Municípios das duas faixas superiores: com população entre 100 mil e 500 mil habitantes e com população superior a 500 mil habitantes. A Rede SBT se coloca em segundo lugar, com 9,6 pontos percentuais atrás da Rede Globo. Os Municípios com menos de 10 mil habitantes são os que apresentam o menor percentual de sintonia (85,3%), enquanto que os Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes apresentam um percentual de 89,4%. Para as demais faixas de população os percentuais são superiores a 92,5%. A Rede Bandeirantes vem em terceiro lugar, alcançando a 68,3% dos Municípios com população inferior 10 mil habitantes e 76,6% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Os Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes têm um percentual de 85,9%, sendo que os Municípios das demais faixas consegue alcançar um percentual superior a 90%. A Rede Record aparece em quarto lugar, com um desempenho próximo da metade dos Municípios. Nos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes o sinal da Rede Record é captado em 43,9% dos seus Municípios, o mesmo acontecendo com 51,6% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Para os Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes o percentual de Municípios que captam o sinal da emissora é de 64,0% e para aqueles com população entre 50 mil e 100 mil habitantes o percentual é de 77,1%. O que se observa é que o diferencial entre as emissoras comerciais está no número de Municípios de menor porte demográfico alcançado pelo sinal, de vez que naqueles de maior porte demográfico os números são bastante próximos. Isso faz com que se fosse considerado o quantitativo demográfico alcançado pelas emissoras, o equilíbrio seria muito grande, principalmente em relação às três maiores redes comerciais, havendo também uma sensível aproximação da Rede Record, pois o seu sinal alcança a todos os Municípios com população superior a 500 mil habitantes e a 96,0% dos Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. De fato, os Municípios com população superior a 100 mil habitantes representam 3,5% do seu total, mas concentram 46,0% da população (descontado no caso o Distrito Federal).

23 IBAM 23 Com relação às redes de TV Educativa/Cultura, o que se observa é que o sinal somente é captado em 42,5% dos Municípios brasileiros. Nos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes os Municípios alcançados pelo sinal em pouco ultrapassam a uma terça parte do seu conjunto (34,3% dos Municípios), enquanto que para os Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes o percentual daqueles que captam o sinal das Redes de TV Educativa/Cultura perfazem 41,1%. Os Municípios que conseguem superar a média nacional do alcance das Redes Educativa/Cultura são aqueles com população acima de 20 mil habitantes: 52,6% para aqueles com população entre 20 mil e 50 mil habitantes; 67,7% para os Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes; 81,0% para os Municípios com população entre 100 mil e 500 mil habitantes; e 96,2% dos Municípios com população superior a 500 mil habitantes. Verifica-se que no caso específico das Redes Educativa/Cultura há uma lacuna na cobertura de um significativo número de Municípios, principalmente daqueles de menor porte demográfico. TABELA 15 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE RECEBEM SINAL DAS REDES DE TV COMERCIAIS LIDERES, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO REDE REDE REDE REDE POPULAÇÃO TOTAL DE COMERCIAL COMERCIAL COMERCIAL COMERCIAL (por mil) MUNICÍPIOS GLOBO SBT BANDEIRANTES RECORD TOTAL até I I I I e mais

24 IBAM 23 TABELA 16 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE RECEBEM SINAL DAS REDES DE TV EDUCATIVAS, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO REDES DE POPULAÇÃO TOTAL DE TVS (por mil) MUNICÍPIOS EDUCATIVAS TOTAL até I I I I e mais A distribuição dos Municípios segundo as regiões, mostra que de um modo geral todas as redes comerciais, exceto a Rede Record, e as Redes de TV Educativa/Cultura têm uma participação maior junto aos Municípios do Sudeste, vindo em segundo lugar a região Sul. No caso da Rede Record, em primeiro lugar está a região Sudeste e em segundo lugar a região Centro-oeste. O que se pode destacar com relação às Redes de TV Educativa/Cultura é que a única região que supera sua média nacional é a Sudeste (64,3%). Na região Sul as Redes de TV Educativa/Cultura alcançam a 41,2% dos Municípios, o mesmo acontecendo em 37,8% dos Municípios do Centro-0este, com 30,2% daqueles da região Nordeste e com apenas 18,9% dos Municípios da região Norte do País.

25 IBAM 24 TABELA 17 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE RECEBEM SINAL DAS REDES DE TV COMERCIAIS LIDERES, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO REDE REDE REDE REDE REGIÕES TOTAL DE COMERCIAL COMERCIAL COMERCIAL COMERCIAL MUNICÍPIOS GLOBO SBT BANDEIRANTES RECORD BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste TABELA 18 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE RECEBEM SINAL DAS REDES DE TV EDUCATIVAS, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO REDES DE REGIÕES TOTAL DE TVS MUNICÍPIOS EDUCATIVAS BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste

26 IBAM 25 TV a cabo, provedor de internet e video locadoras Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontrados o serviço de TV a cabo em apenas 6,7% deles. O serviço de provedor de Internet foi encontrado em 15,3% dos Municípios e a existência de estabelecimentos de video locadora foi constatada em 63,9% dos Municípios brasileiros. É bem possível que a profusão de estabelecimentos de video locadoras venha a explicar o motivo pelo qual o percentual de salas de cinema foi o mais baixo de todos os equipamentos culturais levantados. A tendência verificada nos três itens levantados é de que aumenta a participação dos Municípios que os possuem à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional. Existe o serviço de TV a cabo em 2,4% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 5,3% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 8,7% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes é encontrado o serviço de TV a cabo; o mesmo acontecendo em 19,4% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 43,7% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes o serviço de TV a cabo é encontrado em 76,9% deles. Existe o serviço de provedor de Internet em 3,0% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 10,2% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 29,4% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes é encontrado o serviço de provedor de Internet; o mesmo acontecendo em 67,0% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 81,6% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes o serviço de provedor de Internet é encontrado em 92,3% deles.

27 IBAM 26 Quanto aos estabelecimentos de video locadoras, eles existem em 42,8% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes. Essa primeira faixa populacional apresenta resultado abaixo da média nacional. Esses estabelecimentos existem em 74,3% dos Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes; em 92,4% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes; em 98,9% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em na totalidade daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes e com população superior a 500 mil habitantes. TABELA 19 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM TV A CABO, PROVEDOR DE INTERNET E VIDEO-LOCADORA, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO TV PROVEDOR VIDEO- POPULAÇÃO TOTAL DE A DE LOCADORA (por mil) MUNICÍPIOS CABO INTERNET TOTAL até I I I I e mais A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existe o serviço de TV a cabo em 9,0% dos Municípios do Sudeste e em 8,0% daqueles do Sul do País. Seguem-se em importância as regiões Centro-oeste (7,6%), Norte (7,3%) e Nordeste (3,2%). A região que apresenta maior participação de Municípios com provedor de Internet é a Sudeste (22,0%), seguida pelas regiões Sul (21,0%), Centro-oeste (17,3%), Norte (10,2%) e Nordeste (6,3%).

28 IBAM 27 A região que apresenta maior participação de Municípios com estabelecimentos de video locadora é a Sudeste (76,4%), seguida pelas regiões Sul (74,5%), Centro-oeste (67,4%), Nordeste (49,3%) e Norte (44,5%). TABELA 20 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM TV A CABO, PROVEDOR DE INTERNET E VIDEO-LOCADORA, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO TV PROVEDOR VIDEO- REGIÕES TOTAL DE A DE LOCADORA MUNICÍPIOS CABO INTERNET BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste Ginásio poliesportivo, livraria, loja especializada em discos/fitas/cds e shopping center Nos Municípios que responderam ao questionário foram encontrados ginásio poliesportivo em 65,0% deles. As livrarias foram encontradas em 35,3% dos Municípios. A existência de loja especializada na venda de discos, fitas e CDs foi constatada em 34,4% dos Municípios e os shopping centers foram encontrados em apenas 6,2% dos Municípios brasileiros.

29 IBAM 28 A tendência verificada nos quatro itens levantados é de que aumenta a participação dos Municípios que os possuem à medida em que também aumenta o seu quantitativo populacional. Os ginásios poliesportivos são encontrados em 55,0% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 63,7% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 81,3% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes é encontrado o ginásio poliesportivo; o mesmo acontecendo em 93,2% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 96,0% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes o ginásio poliesportivo é encontrado em 96,2% deles. As livrarias são encontrados em 17,6% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 34,8% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 60,2% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes é encontrada livraria; o mesmo acontecendo em 87,1% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 94,3% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes as livrarias são encontradas em todos os Municípios. As lojas especializadas na venda de discos, fitas e CDs são encontradas em 9,8% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes. Essa primeira faixa populacional apresenta resultado abaixo da média nacional. As lojas especializadas na venda de discos, fitas e CDs são encontradas em 38,6% dos Municípios com população entre 10 mil e 20 mil habitantes; em 70,3% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes; em 92,8% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 97,1% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes as lojas especializadas na venda de discos, fitas e CDs são encontradas em todos os Municípios.

30 IBAM 29 Os shopping centers são encontrados em apenas 0,6% dos Municípios com população inferior a 10 mil habitantes e em 2,4% daqueles com população entre 10 mil e 20 mil habitantes. Essas duas primeiras faixas populacionais apresentam resultados abaixo da média nacional. Em 8,8% dos Municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes é encontrado shopping center; o mesmo acontecendo em 30,1% dos Municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e em 58,0% daqueles com população entre 100 mil e 500 mil habitantes. Para os Municípios com população superior a 500 mil habitantes os shopping centers são encontradas em todos os Municípios. TABELA 21 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM GINÁSIO POLIESPORTIVO, LIVRARIA, LOJA ESPECIALIZADA EM DISCOS / FITAS / CDS E SHOPPING CENTER, SEGUNDO AS FAIXAS DE POPULAÇÃO (1) FAIXAS DE NÚMERO GINÁSIO LOJA DE SHOPPING POPULAÇÃO TOTAL DE POLIESPORTIVO LIVRARIA DISCOS / FITAS CENTER (por mil) MUNICÍPIOS e CDs TOTAL até I I I I e mais

31 IBAM 30 A distribuição dos Municípios segundo as regiões mostra que existe ginásio poliesportivo em 84,0% dos Municípios do Sul e em 80,2% daqueles do Centro-oeste do País. Seguem-se em importância as regiões Sudeste (74,6%), Nordeste (45,3%) e Norte (43,7%). A região que apresenta maior participação de Municípios com livrarias é a Sul (58,2%), seguida pelas regiões Centro-oeste (42,9%), Sudeste (32,0%), Nordeste (24,6%) e Norte (24,3%). A região que apresenta maior participação de Municípios com lojas especializadas na venda de discos, fitas e CDs é a Sul (40,0%), seguida pelas regiões Sudeste (39,9%), Centro-oeste (35,7%), Nordeste (29,2%) e Norte (19,2%). A região que apresenta maior participação de Municípios com shopping centers é a Sudeste (10,1%), seguida pelas regiões Sul (7,4%), Centro-oeste (3,6%), Nordeste (3,2%) e Norte (2,7%). TABELA 22 DISTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS QUE POSSUEM GINÁSIO POLIESPORTIVO, LIVRARIA, LOJA ESPECIALIZADA EM DISCOS / FITAS / CDS E SHOPPING CENTER, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES (1) GRANDES NÚMERO GINÁSIO LOJA DE SHOPPING REGIÕES TOTAL DE POLIESPORTIVO LIVRARIA DISCOS / FITAS CENTER MUNICÍPIOS e CDs BRASIL Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-oeste

32 IBAM 31 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BREMAEKER, François E. J. de. Evolução das finanças municipais no período 1989/1998. Rio de Janeiro, IBAM / APMC / NAPI / IBAMCO, p. (Estudos especiais, 18) Necessidades financeiras para fazer face à pressão demográfica sobre os Municípios. Rio de Janeiro, IBAM / APMC / NAPI / IBAMCO, p. (Estudos especiais, 19) Padrões de crescimento da população brasileira em nível municipal ( ). Rio de Janeiro, IBAM / APMC / NAPI / IBAMCO, p. (Estudos demográficos, 20). FUNDAÇÃO IBGE. Perfil dos Municípios brasileiros: pesquisa de informações básicas municipais Rio de Janeiro, IBGE, Diretoria de Pesquisas / Departamento de População e Indicadores Sociais. IBGE, p Estimativas de população para Rio de Janeiro, IBGE. Diário Oficial da União. h:\area\pmc\articul\estespec\esp031p.rtf

INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) IBAM ATIVIDADES MUNICIPAIS TERCEIRIZADAS

Leia mais

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados Nº 56 Março 2013 Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS

GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES NOS MUNICÍPIOS INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) GUARDAS MUNICIPAIS EXISTENTES

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Reformulação dos Meios de Pagamento - Notas Metodológicas

Reformulação dos Meios de Pagamento - Notas Metodológicas Reformulação dos Meios de Pagamento - Notas Metodológicas Apresentação A institucionalização da série Notas Técnicas do Banco Central do Brasil, cuja gestão compete ao Departamento Econômico (Depec), promove

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS

O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS O PAPEL DOS MUNICÍPIOS DO RIO GRANDE DO SUL NA AMPLIAÇÃO DO ATENDIMENTO EM CRECHE ÀS CRIANÇAS DE 0 A 3 ANOS Débora Brondani da Rocha Bacharel em Direito e Auditora Pública Externa do TCERS Hilário Royer-

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 12/2014

NOTA TÉCNICA N o 12/2014 NOTA TÉCNICA N o 12/2014 Brasília, 21 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Fundo de Participação dos Municípios (FPM) REFERÊNCIA: Constituição Federal de 1988; Resolução TCU nº242; Lei 5.172/1966,

Leia mais

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial 29 Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial Gabriel Barreto Correa (*) Isabel Opice (**) 1 Introdução Não é novidade que o Brasil apresenta, além de índices educacionais muito baixos

Leia mais

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Serviço social Os cursos de graduação presenciais de Serviço Social no Brasil surgem na segunda metade dos anos 30, em um contexto

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno.

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. Questão 11 O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. b) Porque há diferentes modos de ocupação do solo. Nas áreas onde a cobertura vegetal é mais densa, ocorre uma

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

Comentários sobre os resultados

Comentários sobre os resultados Comentários sobre os resultados Os resultados da conta financeira e da conta de patrimônio financeiro são consolidados na relação da economia nacional com o resto do mundo e não consolidados para os setores

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Incentivo à Educação Escolar Básica Gratuita (PRONIE). O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Programa Nacional de

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Infantil Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

AÇÕES MUNICIPAIS PARA A ATRAÇÃO DE ATIVIDADES ECONÔMICAS

AÇÕES MUNICIPAIS PARA A ATRAÇÃO DE ATIVIDADES ECONÔMICAS INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) AÇÕES MUNICIPAIS PARA A ATRAÇÃO

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME MACROECONOMIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME MACROECONOMIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME MACROECONOMIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA E A TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS ENTRE

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil.

Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Relatório Final da Subcomissão Especial de Rádio Digital destinada a estudar e avaliar o modelo de rádio digital a ser adotado no Brasil. Presidente:

Leia mais

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Desafios da Educação O PNE Quantidade Qualidade Equidade Diversidade Inovação Quantidade www.observatoriodopne.org.br 1 - Educação Infantil Universalizar,

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE

A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE A GERAÇÃO DE ENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO DAS REGIÕES NORTE E NORDESTE MISSÃO DO IPEA: "Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro, por meio da produção e disseminação

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

Pesquisa das Características e motivação de consumidores de produtos do Comércio Justo e Solidário

Pesquisa das Características e motivação de consumidores de produtos do Comércio Justo e Solidário Durante ação de promoção comercial ocorrida na Exposustentat 2010, o FACES do Brasil realizou uma pesquisa para conhecer o perfil do público da feira e entender melhor as motivações dos consumidores potenciais

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000

Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000 Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas

Escola Bilíngüe. O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas Escola Bilíngüe É uma escola unique Diana Mandelert Diana Cerdeira Apresentação O texto que se segue pretende descrever a escola bilíngüe com base nas informações obtidas na página da escola na Internet,

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL

INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL Área de Promoção do Município e da Cidadania Núcleo de Articulação Político-Institucional Banco de Dados Municipais (IBAMCO) IBAM INTRUMENTOS LEGAIS DE JUSTIÇA

Leia mais

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3.

E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1. Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. E-COMMERCE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR FRENTE ÀS TRANSAÇÕES ON-LINE 1 Tahinan Pattat 2, Luciano Zamberlan 3. 1 Trabalho de conclusão de curso de Administração da Unijuí 2 Aluno do Curso de Administração

Leia mais

Paula Roberta Chagas. *Prof Ms. do curso de história da Universidade Estadual de Goiás - UEG

Paula Roberta Chagas. *Prof Ms. do curso de história da Universidade Estadual de Goiás - UEG Levantamento e catalogação de documentos históricos do sul goiano: a produção de material para o ensino de história da população na Universidade Estadual de Goiás (UEG - Brasil) Paula Roberta Chagas *Prof

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES Introdução Paulo Speller 1 Nos anos recentes, diversos países vem debatendo a possibilidade de promoverem alterações em seus sistemas de educação

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 27-702 Ano 5 Número 24 Agosto de 205 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica I - Mercado de trabalho 24 Crise econômica muda relação de brasileiros com o mercado de trabalho

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto elaborado por Lorenzo Seguini lorenzo_seguini@yahoo.it Projeto Diálogos Setoriais União Europeia - Brasil 1 Sumário 1. Introdução...3

Leia mais

(MENSAGEM N o 812/2005)

(MENSAGEM N o 812/2005) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.539, DE 2006 (MENSAGEM N o 812/2005) Aprova o texto do Acordo sobre Serviços Aéreos entre o Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação

Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação Roger de Miranda Guedes Introdução As bibliotecas comunitárias são ambientes físicos criados e mantidos por iniciativa das comunidades civis, geralmente

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

NOTA JURÍDICA CONASEMS n. 014 NÚCLEO DE DIREITO SANITÁRIO

NOTA JURÍDICA CONASEMS n. 014 NÚCLEO DE DIREITO SANITÁRIO ASSUNTO: DEFINIÇÃO DO QUE SEJAM AÇÕES E SERVIÇOS DE SAÚDE. DESNECESSIDADE DE NOVA REGULAMENTAÇÃO. ART. 200 DA CF E ART. 6º DA LEI 8.080/90. Desde o ano 2000, quando foi promulgada a Emenda Constitucional

Leia mais

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA

RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA DICAS PARA UTILIZAÇÃO DE RENÚNCIA FISCAL DO IMPOSTO DE RENDA Oportunidades e Legislação Parceria ÍNDICE EDITORIAL Uma oportunidade de contribuir com a transformação social 1. O QUE É RENÚNCIA FISCAL 1.1

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE 32,1% das empresas da indústria de transformação não aumentaram sua produtividade nos últimos 5 anos. Na indústria da construção este percentual sobe para 46,9%. 25% das

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre o quórum de aprovação de convênio que conceda remissão dos créditos tributários constituídos em decorrência de benefícios, incentivos fiscais ou financeiros instituídos

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO TÉCNICA E PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO URBANÍSTICO

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

cultura em nova iguaçu

cultura em nova iguaçu cultura em nova iguaçu metodologia campo: 11 de abril a 30 de maio de 2014 margem de erro 6pp 299 pessoas com mais de 12 anos foram entrevistadas em Nova Iguaçu entrevistados foram abordados em pontos

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

Atividade Financeira do Estado

Atividade Financeira do Estado Atividade Financeira do Estado O Estado desenvolve atividades políticas, econômicas, sociais, administrativas, financeiras, educacionais, policiais, com a finalidade de regular a vida humana na sociedade,

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90

O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 O Ensino Superior Brasileiro na Década de 90 Paulo Corbucci* O presente texto aborda alguns aspectos do desenvolvimento do ensino superior brasileiro na década de 90, tendo, como eixos de análise, a oferta,

Leia mais

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil Projeto de Pesquisa Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil João Saboia (Instituto de Economia

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Gestão social da valorização fundiária urbana

Gestão social da valorização fundiária urbana Gestão social da valorização fundiária urbana Audiência Pública PL n 5.015/2013 Ministério das Cidades Brasília, 20 de novembro de 2013 O que é a gestão social da valorização fundiária urbana? Ações e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador RENAN CALHEIROS

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador RENAN CALHEIROS PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 56, de 2011, do Senador Luiz Henrique, que altera

Leia mais

Destes temas prioritários, apenas a Educação teve a Câmara temática instalada no mês de março, quando da realização do primeiro Pleno do CDES.

Destes temas prioritários, apenas a Educação teve a Câmara temática instalada no mês de março, quando da realização do primeiro Pleno do CDES. Análise dos Resultados do Survey para as Câmaras Temáticas O survey indicou 7 temas prioritários para os conselheiros: Educação, Segurança Pública, saúde, capacidade de Investimento do estado, Infraestrutura

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Regionalização Brasileira

Regionalização Brasileira GEOGRAFIA DO BRASIL Regionalização Brasileira A República Federativa do Brasil é formada por 26 estados e pelo Distrito Federal. Os estados, por sua vez, dividem-se em municípios, os quais são as menores

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 b A Engenharia e o Meio Ambiente Parte II Edgar Aberto de Brito SEGUNDA PARTE Soluções para as novas diretrizes do tratamento de resíduos. Resíduos

Leia mais

MÓDULO 6 Mensuração e previsão de demanda

MÓDULO 6 Mensuração e previsão de demanda MÓDULO 6 Mensuração e previsão de demanda Ao perceber um mercado atrativo, a empresa deve avaliar com cautela seu atual tamanho e seu potencial futuro. Não se pode superestimar ou subestimar um mercado,

Leia mais

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL

A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL Anderson Paulino da Silva 1 André Augusto P. Brandão 2 Salete da Dalt 3 Resumo: Este trabalho examina a relação

Leia mais

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Segurança Pública no Brasil

Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Segurança Pública no Brasil Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) Segurança Pública no Brasil 30 de março de 2011 Dando continuidade à tarefa de contribuir com a discussão sobre a percepção da população brasileira em

Leia mais

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos 81% das empresas utilizam capital próprio como principal fonte de financiamento. 48% das empresas não perceberam redução nos juros. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos empréstimos não se alteraram.

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

RESPOSTA AOS PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO Referência: PA Nº 4419AD/2015 CONCORRÊNCIA Nº 03/2015 Interessado: Procuradoria-Geral de Justiça do Maranhão Assunto: Parecer acerca de esclarecimentos ao Edital da Concorrência nº 03/2015 Objeto: A presente

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 5.218, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 5.218, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 5.218, DE 2013 Acrescenta o art. 27-A à Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a obrigatoriedade

Leia mais

SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1

SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 SISTEMA CFC: UMA ABORDAGEM BASEADA NA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna do Curso de

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 361, DE 2006 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 361, DE 2006 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 361, DE 2006 Altera o art. 3º da Lei Complementar nº 62, de 1989. Autor: Deputado ARNALDO MADEIRA Relator: Deputado

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais