ESTRATÉGIAS DE MARKETING E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA PARA AS EMPRESAS DE CONTABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIAS DE MARKETING E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA PARA AS EMPRESAS DE CONTABILIDADE"

Transcrição

1 IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL Gramado RS 13 a 15 de agosto de 2003 ESTRATÉGIAS DE MARKETING E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA PARA AS EMPRESAS DE CONTABILIDADE MARIA APARECIDA SCARPIN Contadora CRCPR Rua Henrique Dias, 580 apto Londrina PR (43) JORGE EDUARDO SCARPIN Contador CRCPR Rua Henrique Dias, 580. apto Londrina PR (43) MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI Técnica em Contabilidade CRCPR Rua Santos, º andar Londrina PR (43)

2 ESTRATÉGIAS DE MARKETING E SUA UTILIZAÇÃO COMO FERRAMENTA COMPETITIVA PARA AS EMPRESAS DE CONTABILIDADE. Resumo Pode-se dizer que a contabilidade continua nos tempo de hoje o mais importante instrumento proporcionador de informações para gerir as organizações. No livro As maiores invenções dos últimos 2000 anos, Gordon Gould considera a escrituração contábil a maior invenção: Se O dinheiro é o sangue e os mercado o sistema circulatório da economia global, os livros de contabilidade de dever-haver são as células nervosas que controlam e respondem a mudanças no fluxo do dinheiro. (BROCKMAN, 2000; pg.70). Nos últimos anos verifica-se substanciais melhorias qualitativas no campo da contabilidade. As mudanças ocorridas no cenário econômico do mundo globalizado provoca forte impacto no desempenho do profissional de contabilidade e do seu reconhecimento por parte das organizações e da própria sociedade como um todo. O contabilista tem dinamizado seu trabalho pela evolução dos sistemas operacionais e pela informática, mas não utiliza técnicas mercadológicas na comercialização de seu produto. Falta estratégias de marketing sobre os serviços contábeis. As funções e atividades do profissional de contabilidade se encontram vinculadas com o negócio do consumidor ou seja: o cliente. Observase que a posição dos consumidores dos serviços vai além da avaliação da capacidade e idoneidade do profissional, já que o mesmo não se encontra capacitado para avaliá-lo tecnicamente. Ele analisa o preço, a localização do escritório, a apresentação do serviço, a atenção que recebe, a garantia futura e um elemento diferencial da proposta profissional que o fará optar, como o faria com um produto qualquer. Tanto as pequenas empresas de serviços contábeis, quanto grandes empresas de consultoria, estão reconhecendo a necessidade de se tornarem mais sofisticadas no que se relaciona ao marketing, pois este propõe, em sua extensão, um processo que aponta para a satisfação do cliente, o que implica diretamente na consciência do prestador de serviços a respeito do grau em que seu trabalho, de fato, esteja apropriado a essa finalidade. É um processo gerencial que se manifesta em programas formulados destinados a obter respostas desejadas. O Marketing ocorre antes mesmo de qualquer venda, envolve a criação de planos e programas cuidadosamente preparados. Na verdade, com os avanços tecnológicos e a globalização, o Marketing passou a ser uma força somatória, onde devem estar também a qualidade dos serviços e a inovação, pois só assim o Contabilista ou sua empresa de serviços contábeis estarão preparados para enfrentar a competitividade, desenvolvendo serviços apropriados, difundindo novas mudanças e tendências, gerando comunicação e, principalmente, uma ação de comprometimento entre o prestador de serviços contábeis e o usuário.

3 Sabe-se que a Contabilidade existe desde o homem primitivo. Ela é tão antiga quanto a origem do homem. A Bíblia relata no seu primeiro livro, o do Gênesis, passagens que sugerem a Contabilidade. Já existia a competição na contagem e evolução da riqueza (rebanho de ovelhas, cabras, camelos e jumentos) entre Jacó e seu sogro Labão, mais ou menos há A. C. Para se conhecer esse fato, era necessário um controle quantitativo, por mais rudimentar que fosse. O homem sempre teve preocupação com sua riqueza. Isto aconteceu na antigüidade e ainda acontece nos dias atuais. Com o advento da revolução industrial, começaram a surgir especialistas em Contabilidade, posteriormente exigidos por lei, para atuarem nas empresas mercantis. No Brasil, há exigência legal para que toda empresa tenha um responsável técnico profissional. A Contabilidade é o instrumento gerador de informações para que os gestores das empresas possam tomar decisões. O AICPA, American Institute of Certified Public Accountants, o mais importante instituto de Contadores americanos, faz uma afirmação que a função fundamental da Contabilidade (...) tem permanecido inalterada desde seus primórdios. Sua finalidade é prover os usuários dos demonstrativos financeiros com informações que os ajudarão a tomar decisões. Embora haja mudanças nos tipos de usuários e nas formas de informação que desejam, esta função da Contabilidade é fundamental. Os demonstrativos financeiros (relatórios contábeis), gerados pela Contabilidade, têm que prover as organizações de informações úteis para a tomada de decisões econômicas. Vê-se, portanto, a importância da Contabilidade para a vida das empresas. Essa, obstante não esgotar em si todas as informações necessárias à tomada de decisões, dispõe de recursos que a coloca como uma área do conhecimento humano de importância para a gestão empresarial. Sua operacionalização permite o registro de dados, levantamento de posições, apuração de resultados e apresentação de relatórios patrimoniais resultantes de gestões das mais diversas entidades, proporcionando uma base sólida para o centro de decisões. O mundo está em constantes mudanças e as empresas modernas vêm sofrendo modificações contínuas. A atual competitividade dos negócios e as constantes alterações nos diversos ambientes organizacionais, exigem um desempenho excepcional dos participantes neste processo. O ambiente se renova com grande velocidade. Atualmente, quase toda empresa, grande ou pequena, é influenciada de alguma forma pela concorrência global. Existem novos tipos de empresas que oferecem novos tipos de serviços em novas modalidades de situações. Tanto as pequenas empresas de serviços contábeis, quanto grandes empresas de consultoria, estão reconhecendo a necessidade de se tornarem mais sofisticadas no que se relaciona ao Marketing. É necessário uma adequada gestão de mercado para o serviço oferecido. A venda de um serviço é uma atitude essencial para criar, construir e manter uma empresa de serviços contábeis produtiva e bem remunerada que para solidificar sua estrutura deve contar com técnicas

4 mercadológicas (LAS CASAS 1991,p.12) define Marketing como: A área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca, orientadas para a satisfação dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos da organização ou indivíduo e considerando sempre o meio ambiente de atuação e o impacto que estas relações causam no bem estar da sociedade. Os serviços de Contabilidade envolvem trocas, principalmente em se tratando de serviços terceirizados, como afirma NASI (1996, p.36): "A terceirização dos serviços contábeis é um caminho cada vez mais procurado pelos empresários" e "caberá aos profissionais da Contabilidade dar a resposta adequada às necessidades dos novos usuários". A não satisfação dos desejos dos clientes, leva a uma estagnação profissional. Nesse sentido, KOTLER e BLOOM (1990,p.16), explicam que o Marketing tornou-se uma força difundida e influente em todas as profissões. Evoluiu de uma imagem desfavorável de algo antiético e desnecessário para o reconhecimento de que se trata de um componente essencial na formação e manutenção de uma atividade profissional compensadora e rentável. O Marketing propõe em sua extensão todo um processo que aponta para a satisfação do cliente, o que implica diretamente na consciência do prestador de serviços a respeito do grau em que seu trabalho, de fato, esteja apropriado a essa finalidade. O profissional contábil tem, diante de si, oportunidades, sobretudo de aprimoramento de seus produtos. Este trabalho propõe apresentar conceitos e estratégias de Marketing e sua utilização como ferramenta competitiva paras as empresas de contabilidade.

5 Teoricamente conclui-se que a globalização e os avanços tecnológicos trouxeram como um dos paradigmas, a qualidade de serviços, e entre eles os serviços contábeis. Proporcionar qualidade total em serviços é uma situação na qual uma organização fornece qualidade e serviços a seus clientes, proprietários e funcionários. A parte essencial da prestação de serviços é as pessoas. Sem o pessoal bem treinado, bem administrado e motivado não haverá prestação de serviço com qualidade. Para que os gestores das empresas possam tomar decisões de forma segura, devem ter a contabilidade como instrumento gerador de informações. Vê-se, portanto, a importância da contabilidade na vida das empresas. O contabilista tem dinamizado seu trabalho pela evolução dos sistemas operacionais e pela informática, mas não utiliza técnicas mercadológicas na comercialização de seu produto. Falta programa de Marketing sobre os serviços contábeis. As pessoas que prestam serviços não podem pressupor que irão satisfazer os clientes apenas proporcionando bons serviços técnicos. As funções e atividades do profissional de contabilidade se encontram vinculadas com o negócio do consumidor ou seja: o cliente. Supõe-se que a posição dos consumidores dos serviços vai além da avaliação da capacidade e idoneidade do profissional, já que o mesmo pode não se encontrar apto para avaliá-lo tecnicamente. Observa-se que a posição dos consumidores dos serviços vai além da avaliação da capacidade e idoneidade do profissional. Já que o consumidor não se encontra capacitado para avaliá-lo tecnicamente, ele analisa o preço, a localização do escritório, a apresentação do serviço, a atenção que recebe, a garantia futura e um elemento diferencial da proposta profissional que o fará optar, como o faria com um produto qualquer. O Marketing, propõe, em sua extensão, um processo que aponta para a satisfação do cliente, o que implica diretamente na consciência do prestador de serviços a respeito do grau em que seu trabalho, de fato, esteja apropriado a essa finalidade. O que é Marketing? Uma correta interpretação do real significado do conceito Marketing, leva ao melhor posicionamento profissional. Em princípio, deve-se deixar claro que Marketing não é exclusivamente venda, publicidade ou relações públicas. É uma série ordenada de atividades humanas com o objetivo de satisfazer necessidades mediante a facilitação das trocas. KOTLER e ARMSTRONG (1995,p.3) definem Marketing como o processo social e gerencial através do qual indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e de que necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com os outros. Portanto, Marketing significa administrar mercados para se chegar a trocas, com propósito de satisfazer necessidades e desejos do homem. O conceito de Marketing sustenta que, para o alcance das metas de uma organização, é preciso que se determine as necessidades e desejos do mercado alvo e se proporcione a satisfação desejada de forma mais eficiente que os concorrentes. Ofereça satisfação ao cliente, pois este é a

6 pessoa mais importante da organização. O cliente não depende da empresa, a empresa é que depende dele. O Marketing opera em um ambiente dinâmico e global. KOTLER e BLOOM (1990,p.19), oferecem uma definição bastante ampla sobre o tema. Marketing é análise, planejamento, implementação e controle de programas cuidadosamente formulados que visam proporcionar trocas voluntárias de valores ou utilidades com mercados-alvo, com o propósito de realizar os objetivos organizacionais. Portanto, Marketing ocorre antes que ocorra qualquer venda, envolve criação de planos é, portanto, um processo gerencial. Tem o propósito de ajudar as organizações a garantir a sobrevivência, atendendo seu mercado com eficácia, fazendo com que a organização consiga atingir seus objetivos. O Marketing é orientado para os usuários para produzir resultados. O Marketing é mais reforçado e mais difundido nas empresas mercantis que vendem produtos, mas uma das principais tendências mundiais é o crescimento dos serviços. A prestação de serviços é responsável pelo aumento de empregos, faz parte da economia de todo o país. Grandes transformações estão ocorrendo nos ambientes das profissões, e uma das causas é a concorrência mais intensa, pois a cada ano aumenta o número de profissionais e o Marketing pode ajudar as organizações profissionais prestadoras de serviços e, aqui, se enquadram as empresas contábeis. Mas o que é serviço? LAS CASAS (1991, p.15) define serviço como uma transação realizada por uma empresa ou por um empresário, cujo objetivo não está associado a transferência de um bem. O mesmo autor enfatiza que serviço é a parte vivenciada, é uma experiência, é o desempenho. Já KOTLER & ARMSTRONG (1995, p.456), definem serviço como toda atividade intangível que uma parte pode oferecer a outra, que não resulta na posse de um bem. Intangível porque não pode ser visto, provado, sentido, ouvido ou cheirado antes de comprar. Não existe um produto real. Suas principais características são: Os serviços são mais intangíveis que tangíveis: um produto é um bem, um objeto, algo palpável. O serviço é resultado de um esforço. Não existe linha de produção para serviço. Os serviços são baseados em pessoas ou equipamentos. O ser humano é o que prevalece e por esta razão é difícil ser produzido de maneira uniforme e padrão. Não existe estoque de serviços. Uma vez produzido, ele precisa ser consumido. Portanto, serviços são simultaneamente produzidos e consumidos. Não podem ser protegidos por patentes. Os serviços são facilmente copiáveis e raramente podem ser protegidos por patente. É difícil o estabelecimento de preço para serviços, pois apoiando-se em trabalho humano, os custos de produção variam, pois eles são estipulados subjetivamente por quem os produz. KOTLER & ARMSTRONG (1995,p.456), colocam de forma esquematizada as principais características de serviços que serão transcritas na figura 1:

7 FIGURA 1 CARACTERÍSTICAS DOS SERVIÇOS Intangibilidade Serviços que não podem ser vistos, provados, sentidos, ouvidos, ou cheirados antes de comprar. Inseparabilidade Os serviços podem ser separados de seus fornecedores. Variabilidade Perecibilidade A qualidade Fonte: dos serviços Os serviços não podem ser depende de quem os estocados para venda ou uso proporciona Fonte: de quando, KOTLER, P. e ARMSTRONG, G. Princípios posterior. de Marketing. Rio de onde e como são Fonte Prentice-Hall do Brasil, 1995, p. 32. Serviços, portanto, são atividades ou benefícios que uma parte pode oferecer a outra e são essencialmente intangíveis e não resultam em posse de bem algum. A natureza e as características dos serviços são distintas. Os serviços são intangíveis, abstratos, variáveis, inseparáveis e perecíveis. Cada uma dessas características apresenta problemas específicos e requer estratégias bem definidas para se atingir a meta proposta. É preciso encontrar meios de torná-los mais tangíveis. As empresas prestadoras de serviços necessitam de utilização de conceitos de Marketing, mas é importante ressaltar que este se difere do Marketing de bens, pois nos serviços as características são diferentes e devem ter um tratamento diferenciado quando se trata de técnicas para sua comercialização, incluídas aqui as empresas prestadoras de serviços de Contabilidade. LAS CASAS (1999,p.27) mostra através da figura 2, abaixo transcrita, como o Marketing de serviços pode ser visto: SERVIÇOS Preço Serviços Distribuição Promoção Intangibilidade Inseparabilidade Heterogeneidade Demanda Flutuante Imagem Treinamento Composto de Serviços Perfil Processo Pessoas Procedimento Fonte: LAS CASAS, A L. Qualidade Total em Serviços São Paulo:Atlas,1999, p.28. Como pode ser observado, os serviços têm características peculiares que os tornam diferentes dos produtos, conseqüentemente merecem tratamento diferenciado. Neste pensamento LAS CASAS (1999,p.27) assim se coloca: as próprias características dos serviços

8 intangebilidade, inseparabilidade, heterogeneidade são importantes diferenciadores e ainda complementa que por isso" necessitam ser compensados com treinamento e formação de imagem para superar as deficiências que impõem" Nos serviços, o composto de Marketing: preço, distribuição e promoção se fazem presentes numa combinação e, nesta, há o envolvimento do cliente interno que são os funcionários e, com isso, o comportamento é elemento base desse cliente interno. É necessário motivar os empregados para que estes possam executar suas tarefas com perfeição, criando um serviço essencial, pois para serem bem sucedidas, as empresas de serviços de Contabilidade precisam criar diferenciações competitivas, ou seja, oferecer serviços de excelente qualidade e encontrar meios de aumentar a produtividade na prestação de serviços. Aqui está uma diferença substancial no que diz respeito a Marketing de serviços. Numa empresa que vende produtos tangíveis, ou seja, bens de consumo, os produtos são, na maioria das vezes, padronizados e podem ficar estocados, aguardando o consumidor. Mas nos serviços o cliente, e o empregado interagem para criar o serviço. Os prestadores de serviços têm de trabalhar muito bem com os clientes para criar um valor superior durante seus contatos. Essa interação tem que ser eficaz. A interação eficaz, por sua vez, depende da capacidade dos empregados da linha de frente, da produção do serviço e dos processos de apoio que dão subsídio a esses empregados KOTLER e ARMSTRONG (1995,p.457). Com isso fica claro a necessidade dos prestadores de serviços concentrarem atenção tanto no cliente externo como no interno. Como todo negócio, as organizações no setor de Contabilidade necessitam do Marketing para um bom desenvolvimento, precisam utilizar de seus conceitos para se estabelecerem em seu mercado de atuação. As perspectivas do mercado contábil são, na verdade, muito boas. Segundo MILIONI (1989, p.29), as estratégias de Marketing variam muito em termos das suas dimensões. Podem ser desde o fomento de uma guerra para criar mercado para armas e munições, passando pelo Marketing religioso, vendendo a salvação eterna, até o que se está acostumado a ver, diariamente, como consumidores: todos são sistematicamente bombardeados com mensagens e envolvidos no mundo mágico da economia de mercado. Pode-se caracterizar as ações de Marketing e aqui aplicadas aos Serviços de Contabilidade, nos seguintes níveis: a) Estágio mais primitivo:concepção e viabilização do produto- satisfação de um mercado. Este é o estágio em que o profissional contábil faz seu trabalho conforme solicitação do cliente, porém não oferece um serviço diferenciado. b)estágio voltado para o mercado: Concepção do produto a partir da expectativa do mercado identificado.

9 Neste nível, os Contabilistas precisam repensar suas ações. É preciso identificar o que o mercado quer. Algumas empresas de serviços contábeis produzem para o mercado balancetes de verificação extremamente pesados e analíticos, não tendo utilidade para tomada de decisões e relatórios pouco claros e sem nenhuma adequação gerencial. Embora respeitando os parâmetros técnicos da profissão, é preciso voltar-se para o mercado consumidor, este é a fonte de sua atuação. Neste estágio, ainda, o Contabilista aproveita as fases de mudanças, implantação de novas leis e normas, tais como o Imposto de Renda, a transformação para o SIMPLES - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das microempresas e das Empresas de Pequeno Porte entre outros. c)estágio voltado para a criação:geração de mercado para uma capacidade de produção-produtor e mercado integrados. Embora o Contabilista busque cumprir todos os papéis legais que lhe cabem, como esclarecer dúvidas e verificar normas, as empresas contábeis estão neste nível numa fase embrionária, não acompanhando ainda o desenvolvimento da competitividade empresarial. A criação de relatórios gerenciais devem merecer uma atenção especial, uma vez que são instrumentos imprescindíveis para tomada de decisões. d) Estágio superior:prospecção de tendências e de necessidades futuras - mercado futuro assegurado. É nesse estágio que o Contabilista deve tornar-se criativo e apresentar ao seu cliente outras opções de serviços, enriquecer seu mix. Ir além das expectativas puramente contábeis passando para um nível de gerenciamento. Ampliar seu leque de serviços, oferecendo eficiência e eficácia, um programa de qualidade e efetividade a fim de atender as necessidades futuras para ter um mercado assegurado. A ação dos estrategistas de Marketing é determinada pela maturidade das organizações e das suas filosofias. No caso de treinamento, pode-se enquadrar o trabalho nessas concepções da seguinte forma: estágio mais primitivo: atendimento de rotina; estágio de mercado soluções de problemas identificados em diagnósticos de necessidades; estágio de criação: ação centrada no desenvolvimento organizacional e estágio superior: integração plena de tecnologia e desenvolvimento no contexto e no crescimento organizacional. Os Contabilistas têm procurado se utilizar de tecnologia, informatizando suas empresas de serviços contábeis. Ainda MILIONI (1989, p.29), considera que juntamente com a atividade de promoções, há necessidade de envolver um bom programa de relações públicas. Este é considerado como fazer aquilo que é certo para o maior número de pessoas envolvidas. As vantagens são muitas. Formar uma boa imagem, mesmo para quem se presta serviços esporádicos como exemplo, nas empresas de serviços contábeis o procedimento de declaração do Imposto de Renda para pessoas físicas uma vez por ano. Isso consegue atrair bons relacionamentos, seja com funcionários, fornecedores ou clientes. Esta área é de certo modo

10 restrita, o enfoque da atividade deve ser nessa região, apesar de que todo o mercado atual ou visado deve ser alvo de um programa de relações públicas. Há possibilidade de desenvolver várias atividades com este objetivo. Algumas delas atraem clientes e desenvolvem imagens favoráveis, como a publicidade gratuita. O varejista pode escrever artigos para jornais de bairro, solicitar reportagens para as suas atividades, entre outras formas de divulgação. Inclui-se qualquer atividade paralela de apoio, como por exemplo, a propaganda institucional. Programas educacionais, melhoramentos como a manutenção da praça, serviços especiais, como ceder auditórios ou espaços para realizações locais de eventos, além de técnicas de relacionamento como um simples obrigado pela preferência, volte sempre etc. fazem parte de um conjunto de atividades que edificam imagens favoráveis ao prestador de serviços. Segundo KOTLER (1996,p.419), os fabricantes de produtos têm quatro alternativas para oferecer serviços pós-venda aos consumidores, sendo: 1- A empresa pode criar um departamento de serviços; 2- A empresa pode fazer acordos com distribuidores e revendedores para fornecer esses serviços; 3- A empresa pode credenciar empresas especializadas para prestar os serviços; e 4- A empresa pode deixar que os consumidores consertem seus próprios equipamentos. Parte dos lucros de alguns fabricantes de produtos é proveniente das peças e serviços pós-vendas. E no setor de serviços, e aqui incluídos os de Contabilidade, esse pós-venda é importante para manter o cliente. Qualquer vendedor é legalmente responsável pelo atendimento das expectativas normais ou razoáveis dos compradores de produtos e também dos serviços. Sua responsabilidade pode ser expressa ou implícita. O produto tem sua garantia protegida por lei, embora muitos fabricantes ofereçam além das garantias normais. Muitos vendedores vão além de oferecerem garantias de conserto e de devolução do dinheiro pago, sendo isso um instrumento, uma ferramenta de vendas. Devem ser divulgadas, no entanto, e depois, anexadas por escrito ao produto. Funcionam melhor quando os termos são claros e isentos de cláusulas evasivas. Considerando que hoje a maioria das empresas está no negócio de satisfazer seus consumidores, muitas estão oferecendo maiores garantias, como se pode verificar na figura 3 abaixo:

11 FIGURA 3 EXEMPLOS DE GARANTIAS Empresa Garantias Além da Normal Xerox Insatisfação até 3 anos o produto será substituído. A.T.Cross Garante canetas e lapiseiras para sempre, se apresentarem defeitos os produtos serão substituídos pelo Correio, sem ônus ao cliente. Deluxe Corporation Promete talões de cheques em 48 horas e zero defeito. (gráfica) Domino s Pizza Entrega 1 pizza em 1 residência dentro de meia hora ou, caso contrário, a entrega fica gratuita. As agências do Depositam $5 na conta de cliente que esperar mais que Banco Wells Fargo cinco minutos em uma de suas filas. Fonte: KOTLER, Administração de Marketing: Análise, planejamento, implementação e controle, 1996, p.420. Nos serviços é necessário que se dê proteção ao consumidor. As empresas devem encontrar meios para tornar tangível o intangível, ter como padrão a qualidade em face da variabilidade e influenciar os movimentos da demanda, melhorando a oferta em razão da perecibilidade do serviço. Não basta apenas as empresas de serviços contábeis elaborarem um contrato de prestação de serviços, agora obrigatório pelo código de ética do contabilista, Do ponto de vista estratégico, há que se considerar o composto de Marketing: produto, preço, distribuição e promoção, estes voltados ao consumidor. O setor de serviços parece estar atrasado em relação às empresas industriais na adoção e no uso dos conceitos de Marketing e as empresas de serviços de Contabilidade, mais ainda. Mas isto está mudando. As mesmas já se preocupam com o assunto, inclusive procurando literatura e palestras. A estratégia de Marketing de serviços exige não apenas Marketing externo, mas também Marketing interno para motivar os funcionários, e Marketing interativo, para criar habilidades nos prestadores de serviços. Os consumidores usarão critérios técnicos e funcionais para julgar a qualidade dos serviços. Conforme RODRIGUES (1983,p.3), o Marketing de serviços é um campo de investigação recente e ainda em fase de estruturação. As empresas de serviços são, via de regra, baseadas em equipamentos ou sobre mão-de-obra/pessoas. Segundo COBRA e ZWARG (1986,p.2), o Marketing de serviços começa a ser reconhecido e aceito como uma disciplina do Marketing. E isto vem ocorrendo graças ao crescimento do setor de serviços em diversos países do mundo.

12 Percebe-se, também, a crescente necessidade de Marketing de serviços contábeis ser uma das disciplinas do Curso de Ciências Contábeis (algumas faculdades já a tem em sua grade curricular) dada à necessidade dos serviços de Contabilidade em todas as organizações. O consumidor é o cliente, este é o objetivo da organização, segundo COBRA e ZWARG (1986,p.98): o objetivo do serviço deve ser sempre o cliente. E é por esta razão que uma empresa de serviços deve paradoxalmente prestar bons serviços. Ou seja, não basta vender um serviço, é preciso assistir ao cliente ou ao usuário para que ele possa ter satisfação com a venda ou uso do serviço, dependendo do enfoque de distribuição ou de uso respectivamente. Porém, essa não é a regra; muitas empresas de serviços e entre elas também as de serviços contábeis, assistem mal ao seu público, sobretudo porque falta Marketing interno para vender a todos os funcionários, indistintamente, mentalidade ideal do serviço: prestar serviços. Mas afinal, o que é serviço ao cliente? O serviço ao cliente é a execução de todos os meios possíveis de dar satisfação por algo que ele adquiriu. Segundo COBRA e ZWARG (1986,p.98): "tantas facilidades quantas forem possíveis, para que ele adquira o serviço ofertado" e, ainda, " tantas satisfações quantas forem possíveis em relação ao serviço adquirido" fazer das necessidades dos clientes o padrão da organização. Oferecer ao cliente um pouco mais do que ele espera receber. O consumidor dos serviços nem sempre sabe o que ele quer, pelo serviço que compra. Corroborando esse pensamento, LAS CASAS (1999,p.34) escreve: "ao consumidor não é suficiente prestar bons serviços. Ele deve perceber o fato" e complementa "aprender o que o consumidor pensa é importante e pode constituir-se em verdadeiro desafio". A satisfação do consumidor através de serviço depende de um grande número de fatores, objetivos e subjetivos. Dentre outros, os seguintes fatores podem ser motivos de compra por parte do consumidor: qualidade do serviço; benefícios do serviço; avaliação de benefícios; garantia do serviço pelo vendedor; adaptação do serviço às necessidades do utilizador; condições de boa utilização assistência técnica; treinamento de funcionários e vendedores do cliente. O que o consumidor busca no serviço são benefícios. Os consumidores de serviços contábeis, em algumas vezes desconhecem os benefícios do serviço comprado, por isso não o valorizam, pois as pessoas não compram o que os serviços fazem, mas o que elas querem ou esperam que eles façam por elas. Afinal, quando os serviços oferecidos vendem mais?.

13 Sobretudo quando as características dos serviços atendem às expectativas de consumo. Quando as funções desempenhadas pelo serviço atendem às necessidades de uso mas, principalmente, quando os benefícios são identificados corretamente por clientes e usuários. Para isso, é preciso saber como os consumidores estão recebendo os benefícios e se há necessidade de benefícios adicionais a serem proporcionados. O cliente é o objetivo das empresas de serviços de Contabilidade, sendo o centro de tudo, e é o fator de existência e da permanência da empresa de Contabilidade no mercado consumidor de serviços. Em razão da aplicação de conceitos de Marketing, o conhecimento do cliente da empresa de serviços contábeis, que é o consumidor dos serviços, passa a ser importante. WHITELEY (1992,p.6) mostra que empresas como a Walt Disney Company, a Wal Mart ou a Honda Motor, na sua visão, estão constantemente "pesquisando, testando e reformulando os seus produtos e serviços" com o único objetivo de "fornecer ao cliente o que o cliente deseja". Para as empresas de serviços contábeis não basta apenas os serviços obrigatórios exigidos por lei. Esses o cliente apenas aceita, mas não lhe trazem satisfações, não suprem a sua necessidade empresarial. O autor ainda cita um pronunciamento do vice presidente da Honda: "Não devemos tentar vender os produtos simplesmente porque existe o mercado, mas deveríamos tentar criar um novo mercado compreendendo exatamente as necessidades potenciais dos clientes e da sociedade". O mercado contábil é protegido por lei, portanto um mercado potencial. O artigo 15 do Decreto-lei n.º 9295/46 faz a exigência que os serviços contábeis sejam executados por profissional habilitado: "Os indivíduos, firmas, sociedades, associações, companhias e empresas em geral, e suas filiais, que exerçam ou explorem, sob qualquer forma, serviços técnicos contábeis, ou a seu cargo tiverem alguma seção que a tal se destine, somente poderão executar os respectivos serviços depois de provarem, perante os Conselhos Regionais de Contabilidade, que os encarregados da parte técnica são exclusivamente profissionais habilitados e registrados na forma da lei". Apesar da proteção legal ao mercado, isto não basta para ser competitivo nele. A palavra serviço significa servir, ou seja, proporcionar um trato diferenciado. O elemento chave é o cliente como meta e fim principais. VICTORINO (1999, p.49) afirma que "deve-se perceber as necessidades do cliente e procurar atendê-las". É preciso ser a melhor alternativa para o cliente. Este, ao procurar uma empresa de serviços de Contabilidade, pelo próprio desconhecimento do produto a ser oferecido busca num primeiro momento, o preço. Uma das maiores dificuldades das empresas de serviços contábeis é o desconhecimento do cliente sobre as vantagens dos serviços contábeis, que é o seu produto, conforme pode-se visualizar no gráfico 1:

14 GRÁFICO 1: AS MAIORES DIFICULDADES ATUAIS DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS 11% 11% 5% mudança constante de leis/ falta de conhecimento de cliente sobre vantagens dos serviços prestados muitos concorrentes no mercado falta de interesse do cliente 18% 55% falta de profissionais experientes controle rígido no mercado Fonte: SCARPIN, 2000, P.79 De quem é a responsabilidade de fazer conhecido os benefícios e as vantagens do seu produto? É do Contabilista a responsabilidade de divulgar, de mostrar o que o seu produto pode fazer pela sua organização deve criar no cliente a necessidade de possuir o seu serviço, que é o primeiro fator num processo de compra. Depois, há o desencadeamento de todo o processo de compra: o cliente busca informações a respeito de ofertas dos concorrentes, verifica as condições de preço e pagamento e avalia os benefícios que pode obter. Esta é a fase mais importante. Finalmente, seleciona o que mais lhe trará vantagens. LAS CASAS (1991,p.30) citando Robert Listman que "identificou cinco estágios no processo de compra de serviços de Contabilidade", e faz sugestões de como as empresas de serviços contábeis devem agir para o "desenvolvimento do seu negócio". A figura 4 demonstra os estágios de compra.

15 FIGURA 4 PROCESSO DE COMPRA DE SERVIÇOS CONTÁBEIS E RESPONSABILIDADE DAS EMPRESAS Comportamento do Consumidor Responsabilidade dos Contadores Desperta necessidades e Problemas Classificar e qualificar necessidades de clientes. Identificar os problemas dos clientes. Mostra interesse em serviços oferecidos Identificar serviços necessários Demonstra convicção diante da compra Explicar como benefícios dos serviços satisfazem necessidades. Demonstra desejo pelo serviço Estabelecer expectativas. Explicar expectativas de resultado da relação comercial Está pronto para a decisão Fechar o negócio. Confirmar condições com o cliente. Satisfazer necessidades. Fonte: LAS CASAS, 1991, p. 26. A Globalização e os avanços tecnológicos trouxeram como um dos paradigmas as qualidade de serviços e, entre eles, os serviços contábeis, que por si só já se torna uma estratégia de Marketing. Como afirma LAS CASAS (1999, p.11), com qualquer estrutura de empresa será possível alcançar patamares mais elevados de excelência de qualidade. Diante desta constatação, mesmo empresas contábeis de pequeno porte podem atender as necessidades e desejos de seus clientes. Para MOLLER (1992, p. 37), não é apenas a qualidade de produtos e serviços que é importante; a qualidade das pessoas que fazem produtos e prestam os serviços é igualmente crucial. Então, seguindo um raciocínio lógico, chegar-se-á à conclusão de que a qualidade pessoal eleva o nível dos departamentos, os quais vão criar produtos e serviços superiores o que, conseqüentemente, resultará em uma empresa de qualidade. Portanto, se os funcionários são o recurso mais importante da empresa, ela deve investir no treinamento e desenvolvimento de todo pessoal. SPINELLI (1993,p.344) afirma que "a falta de treinamento, capacitação técnica, objetivos e a acomodação da pessoas afeta o aspecto técnico contábil, essencial à mensuração das informações. A prestação de serviços contábeis está alicerçada no desempenho humano e para se prestar bons serviços, depende-se da qualidade deste desempenho. Corroborando este pensamento, LAS CASAS (1999, p.125) afirma: "aperfeiçoar serviços é aperfeiçoar desempenho humano, o que é possível através de treinamento". Para se ter serviços com qualidade, é necessário treinar as pessoas em qualquer situação, afirma ainda LAS CASAS (1999, p.125): "treinamento deve existir sempre em todos os níveis organizacionais". Portanto, torna-se imprescindível observar que na busca da qualidade dos serviços de Contabilidade a orientação é fundamental. "É um elemento chave não só no desenvolvimento da cultura, como também na aplicação da qualidade" LAS CASAS (1999, p.125).

16 Vale ressaltar que treinamento não é apenas passar instruções, é muito mais do que isso, é provocar mudanças. Essa estratégia em serviços engloba, além dos clientes externos, todos os que com ela interagem, ou seja, funcionários e administradores. A razão disso é que os serviços, sendo atos, desempenho, ação, pressupõem que cada pessoa próxima ao indivíduo é considerado um cliente. A parte essencial da prestação de serviços são as pessoas. Sem o pessoal bem treinado, bem administrado e motivado, não haverá prestação de serviço, não haverá um produto final que possa agregar valor ao consumidor, que lhe traga real satisfação. O Marketing sendo um processo gerencial onde indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e de que necessitam, é imprescindível neste processo de integração "produto/cliente". Para atingir metas nas organizações, é preciso determinar as necessidades e desejos do mercado alvo e proporcionar satisfação ao cliente. As empresas de Contabilidade não realizam pesquisas de Marketing no sentido de saber se está atendendo às necessidades do cliente. No geral não possuem departamento de Marketing. No gráfico 2, abaixo apresentado tem-se esta constatação: GRÁFICO 7 REALIZAÇÃO DE PESQUISA DE MERCADO 16% 84% sim não Fonte: SCARPIN, 2000, pg. 86. O resultado apresentado é fruto de uma pesquisa realizada com empresas de serviços contábeis e mostra que a maioria dos contabilistas não realizam pesquisas, mas os 16% que já fizeram afirmaram que obtiveram bons resultados para o aperfeiçoamento dos serviços prestados. Sobre esta questão pode-se lembrar as palavras de Leon Wabras, ao dizer que a Contabilidade deve ser estudada, primeiro, como sistema de conhecimentos e, depois, como conjunto de preceitos que permitem adaptá-los às conveniências humanas. Assim, se não houver uma pesquisa, torna-se difícil fazer adaptações às conveniências da clientela. Desta forma, vê-se que o Marketing de serviço pode auxiliar na elaboração de uma proposta que leve à satisfação dos usuários da Contabilidade e ao mesmo tempo à satisfação do profissional da área. Entende-se que a função e atividade do Contabilista se encontram profundamente vinculadas ao o tipo de negócio do cliente. O seu assessoramento influencia decisivamente uma

17 série de elementos que, tomados em forma conjunta, representam a coluna vertebral da estratégia empresarial. O mercado de Contabilidade é bastante amplo, mas não basta somente se ter um bom serviço. É preciso ressaltar os aspectos positivos do serviço e mostrar ao cliente que o serviço satisfaz suas necessidades e desejos. É preciso ampliar seu leque de serviços oferecendo eficiência e eficácia, um programa de qualidade e efetividade a fim de atender as necessidades futuras para ter um mercado assegurado. Conclusão Pode-se verificar, no decorrer deste trabalho, que na profissão contábil, assim como nas demais, o Marketing tem papel fundamental, pois é através do mesmo que se busca a satisfação do cliente, alcançando os objetivos propostos pela organização ou indivíduo. Na verdade, com os avanços tecnológicos e a globalização, as estratégias de Marketing passaram a ser uma força somatória, onde devem estar também a qualidade dos serviços e a inovação, pois só assim o Contabilista ou sua empresa de serviços contábeis estarão preparados para enfrentar a competitividade, desenvolvendo serviços apropriados, difundindo novas mudanças e tendências, gerando comunicação e, principalmente, uma ação de comprometimento entre o prestador de serviços contábeis e o usuário. A venda dos serviços ainda se dá pelo contato direto e indicações de outros clientes, o que comprova que o Contabilista utiliza muito pouco o Marketing para promover seus serviços. O contato do Contabilista com seus clientes, na maioria das vezes, é limitado à parte técnica fiscal, sem visitas de explanações, sem a preocupação com o pós-venda. Uma grande dificuldade encontrada pelas empresas de serviços contábeis sob a visão do Contabilista é a falta de conhecimento por parte do cliente sobre as vantagens dos serviços prestados., apesar da contabilidade ser uma ciência muito antiga o seu Marketing limitou-se à preparação das funções tradicionais de escrituração. O mix de serviços das empresas ainda consiste basicamente em: escrituração fiscal, escrituração contábil e departamento pessoal. Com isso observa-se que os tomadores de decisões das organizações desconhecem o amplo leque de informações e dados que o Contabilista pode fornecer à empresa e acreditam que os serviços prestados se limitam a atender a legislação, deixando de conhecer os inúmeros relatórios de apoio gerencial que podem ser gerados através da Contabilidade. É preciso divulgar isso ao cliente o produto, pois a tendência é o Contabilista passar de executor de Contabilidade para um consultor gerencial, pois através de suas orientações e informações, a administração de uma empresa pode ser desenvolvida de forma coerente e exata, dispondo de seus recursos reais e calcando-se legalmente em leis e incentivos que a amparam.

18 O profissional contábil, no desafio ao futuro, além do conhecimento técnico, necessita desenvolver uma comunicação mais ampla e eficaz. Para a Contabilidade crescer na sua importância, é mister desenvolver formas de divulgação de informações, de modo a torná-las úteis aos seus usuários. A Contabilidade, como linguagem universal de negócios diante da globalização, deve procurar a sua internacionalização uma vez que no processo de mudanças é participante ativa. BIBLIOGRAFIA BROCKMAN, John. As maiores invenções dos últimos 2000 anos. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000 COBRA, Marcos; ZWARG, Flávio Arnaldo. Marketing de Serviços: Conceitos e Estratégias. São Paulo: McGraw-Hill, KOTLER, Philip & ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil, KOTLER, Philip & BLOOM, Paul N. Marketing para Serviços Profissionais. São Paulo: Atlas, LAS CASAS, A. L. Marketing de Serviços. São Paulo: Atlas, LAS CASAS, A. L. Qualidade Total em Serviços: Conceitos, Exercícios, Casos Práticos. 3 ed. São Paulo: Atlas, MILIONI, B. Marketing do Treinamento. Coleção Empresas & Gerentes, vol. 6. São Paulo: Nobel, MOLLER, C. O lado humano da qualidade. São Paulo: Pioneira, NASI, A. C. A Profissão Contábil. XII Convenção Nacional de Contabilistas. Rio de Janeiro, NASI, A.C. A Terceirização dos Serviços Contábeis: aspectos mercadológicos. Revista Brasileira de Contabilidade. n.97. Janeiro/Fevereiro, RODRIGUES, Maria Magdalena Erica Mischan. Marketing de serviços públicos. Revista Mercado Global, nº 54, p.55 a 58, maio/junho, ROSEN, Jo Ann. Marketing Made Easy for the Small Accounting Firm. New York: John Wiley & Sons, Inc. SCARPIN, Maria Aparecida. Utilização de Marketing pelas Empresas de Serviços Contábeis de Londrina - PR. Dissertação de Mestrado em Contabilidade e Controladoria da Universidade Norte do Paraná, defendida em maio de SPINELLI, Enory Luiz. Estratégias na Gestão de Organizações contábeis. IV Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul. 19 a 21 de agosto. Gramado RS, VICTORINO, Carlos Roberto. Qualidade na Organização e nos Serviços Contábeis: Marketing em Serviços. Blumenau, S.C: Editora e Gráfica Odorizzi Ltda.,

19 SPINELLI, Enory Luiz. Estratégias na Gestão de Organizações contábeis. IV Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul. 19 a 21 de agosto. Gramado RS, DECRETO LEI 9295/46

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS Marketing O que é para você? Como se faz? Quais os pontos chaves? Quais as maiores dificuldades? Marketing Vendas? Promoção? Publicidade? Marketing Simplificar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Contabilidade Empresarial

Contabilidade Empresarial 2 Contabilidade Empresarial Aderbal Nicolas Müller Antonio Gonçalves Oliveira Introdução Entre os agentes econômicos, ativos participantes da economia das nações, temos as organizações empresariais, que

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA Luciano Matos Nobre1 Autor Universidade Tiradentes nobre_matos_luciano@yahoo.com.br Marisa Marchi Uchôa Espindola2 Co-autora Universidade Tiradentes

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO

CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO CONTROLADORIA: ATRIBUIÇÃO DE VALOR À ORGANIZAÇÃO Beatriz Alves Paes CONSORTE 1 - RGM 071627 Benedito Fernando FAVARETTO¹ - RGM 028811 Daniel Gazal ZUPO¹ - RGM 085144 Kaleo Carlos Felix BARROSO¹ - RGM 071294

Leia mais

AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DO MARKETING PESSOAL EMPREGADAS PELO MERCADO

AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DO MARKETING PESSOAL EMPREGADAS PELO MERCADO AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DO MARKETING PESSOAL EMPREGADAS PELO MERCADO No mundo globalizado e competitivo em que vivemos, surgem novas necessidades tanto para o consumidor como para as empresas, saber

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE Debora Barbosa Guedes (UEPB ) deborabguedes@yahoo.com.br Anna Cristina

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SLA NO GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS.

A IMPORTÂNCIA DO SLA NO GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS. ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO SLA NO GERENCIAMENTO DOS SERVIÇOS. Renato Barbosa da Silva (LATEC / UFF) Resumo: O setor de serviços vem indicando crescimentos expressivos nos últimos anos e tendo uma

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais