REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA"

Transcrição

1

2 II Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP) Divisão de Informação e Documentação Gomes, Daniel Galhardo Análise de Ferramentas de Gestão do Processo de Desenvolvimento de Produtos no Setor Aeroespacial Brasileiro para a Melhoria de sua Eficiência / Daniel Galhardo Gomes. São José dos Campos, f. Dissertação de mestrado Mestrado Profissionalizante em Engenharia Aeronáutica Área de Sistemas Aeroespaciais e Mecatrônica Instituto Tecnológico de Aeronáutica, Orientadores: Prof. Dr. Luís Gonzaga Trabasso. 1. Processo de Desenvolvimento de Produto. 2. Desenvolvimento Lean. 3. Ferramentas de aumento de eficiência. I. Comando-Geral de Tecnologia Aeroespacial. Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Departamento de Engenharia Mecânica. II. Análise de Ferramentas de Gestão do Processo de Desenvolvimento de Produtos no Setor Aeroespacial Brasileiro para a Melhoria de sua Eficiência REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA GOMES, Daniel Galhardo. Análise de Ferramentas de Gestão do Processo de Desenvolvimento de Produtos no Setor Aeroespacial Brasileiro para a Melhoria de sua Eficiência f. Dissertação de Mestrado em Engenharia Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos. CESSÃO DE DIREITOS NOME DO AUTOR: Daniel Galhardo Gomes TÍTULO DO TRABALHO: Análise de Ferramentas de Gestão do Processo de Desenvolvimento de Produtos no Setor Aeroespacial Brasileiro para a Melhoria de sua Eficiência TIPO DO TRABALHO/ANO: Dissertação de Mestrado Profissionalizante/ 2009 É concedida ao Instituto Tecnológico de Aeronáutica permissão para reproduzir cópias desta dissertação e para emprestar ou vender cópias somente para propósitos acadêmicos e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte desta dissertação pode ser reproduzida sem a sua autorização (do autor). Daniel Galhardo Gomes Av. Tubarão, 300 ap. 121 bloco A. Jd. Aquarius São José dos Campos - SP

3 III ANÁLISE DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS NO SETOR AEROESPACIAL BRASILEIRO PARA A MELHORIA DE SUA EFICIÊNCIA Daniel Galhardo Gomes Composição da Banca Examinadora: Prof. Luís Gonzaga Trabasso Presidente/Orientador - ITA Dr. Paulo Tadeu de Mello Lourenção Co-orientador Embraer Prof. Arnoldo Souza Cabral ITA Dr. Sandro Giovanni Valeri Embraer ITA

4 IV Dedicatória Dedico este trabalho a minha esposa Milene, que me inspira a ser uma pessoa melhor todos os dias, e aos meus pais, Manoel e Marilena, pelo apoio e dedicação na construção da minha educação.

5 V Agradecimentos Agradeço a Deus, pela saúde e pela oportunidade que me concede, a cada dia, de continuar em busca dos meus ideais. Aos meus orientadores, Prof. Gonzaga e Dr. Paulo Lourenção, pelo apoio e pelas críticas sempre construtivas a este trabalho. A minha esposa, Milene, pela força extra nos momentos de fraqueza e pela compreensão do tempo que deixei de dedicar a ela em prol da conclusão deste trabalho. A minha família, pelo carinho e motivação constantes. Ao Manoel de Queiroz, que me apoiou e também me orientou neste trabalho. A todas as pessoas entrevistadas durante a pesquisa deste trabalho, pela oportunidade de compartilhar seus conhecimentos e pela contribuição imensurável a este trabalho. Aos colegas de trabalho, José Roberto e Everton, pelo apoio fundamental a conclusão deste trabalho. Aos amigos da décima turma do PEE, pelo companheirismo e pela contribuição a construção do conhecimento que levou aos primeiros passos em direção a este trabalho.

6 VI "Sucesso parece ser em grande parte uma questão de continuar depois que outros desistiram." William Feather ( )

7 VII Resumo A definição de excelência em gestão de projetos deve ir muito além de uma experiência de sucesso. As organizações de reconhecida excelência em gestão de projetos criam um ambiente no qual existe um fluxo contínuo de projetos gerenciados com sucesso. Conforme menciona Kerzner (2006), para atingir a excelência em gestão de projetos o desafio está na forma de implementação das técnicas de gestão presentes nas referências há mais de trinta anos. Neste contexto, a abordagem Lean, baseada na metodologia aplicada pela Toyota, se destaca como uma abordagem capaz de colocar em prática eficazmente conceitos há tempo existentes de gestão de projetos. Assim, este trabalho possui três objetivos principais: primeiro, identificar e avaliar as principais dificuldades de aumentar a eficiência do Processo de Desenvolvimento de Produtos (PDP), identificadas como oportunidades de melhoria; segundo, identificar na abordagem Lean três ferramentas de auxilio a gestão deste processo; e terceiro, avaliar a relação de impacto das ferramentas nas oportunidades de melhoria analisando a eficácia das ferramentas em prover a melhoria da eficiência do PDP. O método proposto para a realização destas avaliações tem por base entrevistas semi-estruturadas realizadas com onze profissionais experientes em PDP, representantes de quatro diferentes empresas com atuação na indústria aeronáutica e aeroespacial. As entrevistas foram estruturadas em duas etapas, a primeira o sujeito de pesquisa realizava a avaliação do impacto das oportunidades de melhoria na eficiência do PDP, com base numa escala de importância, e na segunda etapa o sujeito de pesquisa realizava a avaliação da relação de impacto de cada ferramenta identificada nas oportunidades de melhoria, utilizando uma matriz de comparação. Os resultados mostraram que as principais oportunidades de melhoria no PDP estão relacionadas a dificuldades de comunicação e gestão das atividades. O conjunto de ferramentas avaliadas demonstrou ser eficaz afetando de forma moderada a forte a maioria das causas da ineficiência do PDP.

8 VIII Abstract Definition of excellence in project management should go beyond of a unique successful experience. Organizations recognized by excellence in project management create an environment in which there is a continuous flow of projects managed successfully. As mentioned by Kerzner (2006), the challenge in achieve excellence in project management lives in how to implement management techniques present in references for over thirty years. In this context the Lean approach, based on Toyota design system, stands out as an approach to effectively put into practice well-know concepts of project management. This thesis has three main objectives: first, identify and assess the main difficulties to increase the efficiency of the Product Development Process (PDP), described as opportunities of improvement; second, identify inside the Lean approach three tools able to improve the way to manage this process; and third, to evaluate the impact of these tools on the opportunities of improvement, providing improvement to PDP efficiency. The proposed method for conducting such assessments is based on semi-structured interviews with eleven professionals experienced in PDP, representatives of four different companies with experience in the aerospace industry. The interviews were conducted in two stages, in the first stage; the interviewed performed the assessment of how the opportunities of improvements impact on the PDP efficiency, using a level of agreement scale chart, and the second stage the interviewed performed the assessment of how each tool impacts on the opportunities of improvement, using a matrix of correlation. The results showed that the main opportunities of improvement in the PDP are related to difficulties in communication and management activities. The toolkit evaluated proved effective thus affecting moderate to strong most of the PDP inefficiency causes.

9 IX Lista de Ilustrações Figura Classificação do tipo de produto Figura Características similares das equipes de desenvolvimento, classificadas por área do gráfico Figura Processo de Desenvolvimento de Produtos segundo Rozenfeld et al. (2006) Figura 2-4 Exemplo de WBS com algumas tarefas decompostas em pacotes de tarefas. Fonte: Adaptado do PMI (2004, p. 114) Figura 2-5 Exemplo de um Diagrama de Rede do Projeto (Diagrama PERT) Fonte: Adaptado do PMI (2004, p. 131) Figura Atributos que definem o que é valor para o cliente de produtos aeronáuticos Figura Avaliação do esforço de engenharia Figura Avaliação das atividades de engenharia (% em tempo)...43 Figura 2-9 Combinação da avaliação de valor agregado de tarefas típicas da engenharia aeroespacial Figura Resultados obtidos pelo LAI ao aplicar os conceitos Lean no PDP Convencional (resultado medido em tempo do ciclo de desenvolvimento e desvio padrão do tempo do ciclo) Figura 2-11 Tipos de desperdício de conhecimento Figura 2-12 Ilustração da separação das responsabilidades do PDP gerando Hand-off Figura Processo de Desenvolvimento em "V" Figura Processo de desenvolvimento em "V" cascateado Figura 2-15 Representação da gestão do PDP oscilando entre gestão do caos e gestão de processos Figura 2-16 Representação da Gestão do PDP equilibrada entre a Gestão baseada em processos fortemente controlados e a gestão do caos (processos flexíveis), convergindo para a melhoria da eficiência Figura 3-1 Roteiro para o processo de implementação do empreendimento Lean

10 X Figura Comparação entre o resultado esperado e o resultado obtido da análise do impacto das Oportunidades de Melhoria na Eficiência do PDP Figura 5-2 Representação da proporção do impacto de cada oportunidade de melhoria estudada na eficiência do PDP Figura 5-3 Comparação entre o resultado esperado e o resultado obtido do impacto da ferramenta Manual de Conceitos nas Oportunidades de Melhoria Figura 5-4 Comparação entre o resultado esperado e o resultado obtido do impacto da ferramenta Reunião Diária nas Oportunidades de Melhoria Figura 5-5 Comparação entre o resultado esperado e o resultado obtido do impacto da ferramenta Checksheets nas Oportunidades de Melhoria Figura 5-6 Comparação entre resultado esperado e resultado obtido do impacto do conjunto de ferramentas em cada oportunidade de melhoria Figura Comparação entre resultado esperado e resultado obtido do impacto de cada ferramenta no conjunto de oportunidades de melhoria

11 XI Lista de Tabelas Tabela 3-1 Relação entre as oportunidades de melhoria levantadas e as áreas de dificuldades no PDP que levam a ineficiência Tabela 3-2 Representação dos 5 princípios da abordagem Lean de acordo com os focos do PDP Tabela 4-1 Dados dos entrevistados Tabela 5-1 Resultados Quantitativos da Primeira Etapa da entrevista Tabela 5-2 Tabela de pontos atribuída aos itens da escala de importância Tabela 5-3 Consolidação do resultado da aplicação da primeira etapa da pesquisa Tabela 5-4 Classificação das oportunidades de acordo com o número de pontos Tabela 5-5 Relação de pesos atribuídos ao impacto de cada oportunidade na eficiência do PDP Tabela 5-6 Avaliação do impacto de cada ferramenta em cada oportunidade de melhoria de acordo com a análise das referências Tabela 5-7 Tabela de pontos atribuída as classificações de impacto da ferramenta na oportunidade de melhoria Tabela 5-8 Síntese das avaliações do impacto de cada ferramenta em cada oportunidade de melhoria Tabela 5-9 Relação entre somatório de pontos obtidos pela síntese dos resultados e a classificação do impacto da ferramenta nas oportunidades de melhoria Tabela 5-10 Resultado da compilação das avaliações realizadas pelos sujeitos de pesquisa relacionando o impacto de cada ferramenta em cada oportunidade de melhoria Tabela 5-11 Síntese dos resultados da primeira e segunda etapa da pesquisa

12 XII Lista de Abreviaturas e Siglas CAD Computer Aided Design (Projeto apoiado por Computador) CAPP Computer Aided Process Planning (Planejamento de Processo Apoiado por Computador) CAE Computer Aided Engineering (Engenharia Apoiada por Computador) CMMI Capability Maturity Model Integration DFMA Design for Manufacturing and Assembly DFx Design for X (for manufacturing, for reliability, for maintainability, etc) DIP Desenvolvimento Integrado de Produto DP Desenvolvimento de Produto EESC-USP Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo FMEA Failure Modes and Effects Analyses (Análise de Modos de Falhas e seus Efeitos) LAI Lean Advancement Initiative MIT - Massachusetts Institute of Technology P&D Pesquisa & Desenvolvimento PDP Processo de Desenvolvimento de Produto PERT Program Evaluation and Review Technique PLM Product Life-cycle Management PMBOK Project Management Body of Knowledge PMI Project Management Institute QFD Quality Function Deployment (Desdobramento da Função Qualidade) ROI Return on Investment (Retorno ao Investimento) UFSC Universidade Federal de Santa Catarina WBS Work Breakdown Structure

13 XIII Sumário DEDICATÓRIA... IV AGRADECIMENTOS... V RESUMO... VII ABSTRACT... VIII LISTA DE ILUSTRAÇÕES... IX LISTA DE TABELAS... XI LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... XII 1. INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO E CONTEXTUALIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico DELIMITAÇÃO DO TRABALHO RECURSOS E MÉTODOS ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TIPO DE PRODUTOS PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Modelo de Processo de Desenvolvimento Integrado de Produtos Forma Convencional de Gestão do Processo de Desenvolvimento Integrado de Produtos PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS LEAN Abordagem Lean Objetivos Específicos do PDP Lean Conceitos Associados ao PDP Lean PDP CONVENCIONAL VERSUS PDP LEAN... 42

14 XIV 3. MODELO CONCEITUAL ADOTADO OPORTUNIDADES DE MELHORIA NO PDP CONVENCIONAL FERRAMENTAS LEAN DE GESTÃO DO PDP Manual de Conceitos Reuniões Diárias Checksheets ESTRUTURA DA PESQUISA MÉTODOS E ABORDAGENS INSTRUMENTOS DE ANÁLISE E ETAPAS DA PESQUISA UNIVERSO DE PESQUISA E AMOSTRA RESULTADOS PRIMEIRA ETAPA DA PESQUISA AVALIAÇÃO DAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA SEGUNDA ETAPA DA PESQUISA AVALIAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN Análise Individual de Cada Ferramenta Análises do impacto do conjunto de ferramentas CONSIDERAÇÕES FINAIS ANÁLISE DA CONSECUÇÃO DOS OBJETIVOS E SÍNTESE DOS RESULTADOS RECOMENDAÇÕES E DESENVOLVIMENTOS FUTUROS Avaliar novos conjuntos de ferramentas Avaliar as dificuldades de implementação das ferramentas REFERÊNCIAS APÊNDICE I ESBOÇO DO MANUAL DE CONCEITOS APÊNDICE II ESBOÇO DE CHECKSHEET APÊNDICE III CARTA DE INFORMAÇÃO AO SUJEITO DE PESQUISA APÊNDICE IV QUESTIONÁRIO DE PRIMEIRA ETAPA DA PESQUISA

15 XV APÊNDICE V MATRIZ D E CO MPARAÇÃO DA S EGUNDA E TAPA DA PESQUISA APÊNDICE VI FORMULÁRIO DE IDENTIFICAÇÃO DO ENTREVISTADO ANEXO I - EXEMPLOS DE RESULTADOS DA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS LEAN NO PDP

16 16 1. Introdução 1.1. Motivação e Contextualização O sucesso econômico de muitas empresas depende da sua habilidade de identificar as necessidades dos clientes e rapidamente criar produtos que vão de encontro a essas necessidades. Atingir esses objetivos não é unicamente um problema de análise de mercado, nem tão pouco um problema unicamente de projeto ou de manufatura do produto; a dificuldade está no Processo de Desenvolvimento de Produto que envolve todas estas funções (ULRICH & EPPINGER, 2008). Assim é possível verificar a forte relação entre eficiência empresarial e a eficiência do Processo de Desenvolvimento de Produtos. No contexto de desenvolvimento de produtos complexos, que segundo Ulrich e Eppinger (2008), são aqueles oriundos de uma atividade de engenharia e cujo produto é formado por sistemas e subsistemas que interagem entre si, esta relação se torna ainda mais forte, como é o caso da indústria aeronáutica (MURMAN et al., 2002). Apesar desta forte relação sempre existir, Kerzner (2006) comenta que por cerca de trinta e cinco anos antes do início da década de 1990, a gestão de projetos era considerada um processo inovador, mas estava muito longe de ser vista como essencial para sobrevivência da empresa. Via-se na gestão de projetos uma ameaça potencial a linhas tradicionais de autoridade e, na maioria dos casos, utilizava-se apenas uma gestão parcial de projetos (KERZNER, 2006). Em meados da década de 1990, essa mentalidade começou a mudar. As empresas viram-se submetidas a fortes pressões competitivas para criar produtos de qualidade em prazos cada vez menores. A gestão de projetos deixou de ser percebida como um sistema de interesse exclusivo do plano interno das organizações, e passou a ser vista como uma arma

17 17 competitiva que representa níveis crescentes de qualidade e agrega valor aos interesses dos clientes (KERZNER, 2006). Dada a importância crescente de metodologias capazes de melhorar a eficiência da gestão de projetos, os resultados obtidos pelo sistema de desenvolvimento da Toyota se destacaram. Segundo Morgan e Liker (2008), a Toyota se mostrou capaz de produzir automóveis com cerca da metade do tempo das concorrentes norte-americanas e européias e ainda utilizando metade dos engenheiros; portanto, quatro vezes mais produtiva. Em 2005, a Toyota já tinha atingido o status de maior montadora de automóveis do mundo, superando a americana General Motors em número de vendas e em margens de lucro. Com isso, em 2005 o valor de mercado da Toyota (US$ 177 bilhões) era superior ao valor somado das empresas General Motors, Chrysler e Ford, ou 13 vezes maior que o daquele da General Motors sozinha (MORGAN & LIKER, 2008). A Toyota, portanto, se tornou reconhecida pela excelência em gestão de projetos, pois, conforme define Kerzner (2006), a definição de excelência em gestão de projetos deve ir muito além de uma experiência de sucesso; as organizações de reconhecida excelência criam uma ambiente no qual existe um fluxo contínuo de projetos gerenciados com sucesso. Estes impressionantes resultados da Toyota despertaram o interesse do mundo todo em verificar as causas deste nível de eficiência tão sobressalente. Nos últimos anos, diversos trabalhos (LAI, 2008) vêm sendo realizados no intuito de mapear as metodologias e principalmente as ferramentas utilizadas pela Toyota. Apesar dos conceitos aprimorados pela Toyota já possuírem o reconhecimento do mercado, muito ainda se tem a estudar para compreender de que forma esta metodologia pode ser implementada e operacionalizada sistematicamente (PESSÔA, 2006).

18 18 Segundo Kerzner (2006), atualmente a ênfase dos estudos avançados ligados a gestão de projetos deve estar na implementação, ou seja, na maneira de aplicar os trinta anos de teoria de gestão de projetos. Tanto pelo lado acadêmico, quanto pelo lado da indústria, existe um forte interesse em entender de que forma os conceitos aplicados pela Toyota estão ligados com a sua eficiência. A proposta deste trabalho alinha-se a esse conjunto de iniciativas Objetivos Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é avaliar se determinadas ferramentas Lean são relevantes para o aumento da eficiência do Processo de Desenvolvimento de Produtos Complexos e qual seria o impacto do uso destas ferramentas como solução das principais causas da falta de eficiência deste processo Objetivo Específico Os objetivos específicos deste trabalho são apresentados a seguir: Mapear um modelo convencional do processo de desenvolvimento de produtos complexos; Identificar e avaliar as causas da ineficiência inerente a forma de gerir e organizar este processo; Reconhecer dentro da abordagem Lean ferramentas capazes de melhorar a eficiência do PDP; Investigar a percepção de profissionais experientes no PDP quanto à eficácia de ferramentas Lean na melhoria da eficiência do PDP.

19 Delimitação do Trabalho Este trabalho limita-se a avaliar o contexto do setor aeroespacial brasileiro. Sendo assim, o Processo de Desenvolvimento de Produtos analisado refere-se a esse setor, assim como a identificação de áreas de dificuldades na gestão deste processo. O Processo de Desenvolvimento de Produtos refere-se ao desenvolvimento de novos produtos ou de melhorias de produtos que afetam um grande número de sistemas. Os produtos provenientes deste processo devem atender a requisitos de mercado, ou seja, produtos cujo cliente pode optar por outro fornecedor. A análise da eficiência do Processo de Desenvolvimento de Produtos refere-se a simplificações de processos, ganho de tempo, melhor alocação de recursos e atendimento das restrições de tempo, escopo e custo. Não se pretende realizar uma avaliação do aumento dos ganhos econômicos e financeiros, como forma de melhoria da eficiência. Entende-se que este tipo de análise poderia ser endereçado num desdobramento deste trabalho Recursos e Métodos O modelo de Processo de Desenvolvimento de Produtos utilizado como referência neste trabalho foi baseado num modelo genérico, segundo características usuais e padrões descritos nas referências deste trabalho. A escolha de um processo baseado nas referências bibliografias, e não pelo o processo real de uma empresa, é justificada por dois motivos principais. Primeiro, o desenvolvimento de um sistema complexo é um conjunto de atividades que leva, em geral, um longo tempo para ser concluído, por exemplo: no caso de uma aeronave, cerca de quatro a seis anos. Dado o tempo hábil para a execução desta pesquisa, não haveria tempo suficiente para acompanhar um PDP que não fizesse uso das ferramentas Lean

20 20 avaliadas neste trabalho e um PDP que fizesse uso delas, de modo a realizar a comparação analítica da eficiência de ambos. O segundo motivo vem da dificuldade de expor o processo de desenvolvimento de produtos de uma empresa privada. Este tipo de informação é tido como segredo industrial e possui proteções legais quanto à exposição destas informações, o que acarretaria em diversas dificuldades para o cumprimento dos objetivos deste trabalho. Deste modo, optou-se por utilizar um modelo amplamente conhecido e utilizado pela indústria de um modo geral, descrito amplamente na literatura. As características críticas da gestão deste processo, objeto de estudo deste trabalho, foram baseadas nas dificuldades e problemas descritos nas referências. Assim, o método de pesquisa adotado neste trabalho foi o de entrevistas semiestruturadas (YIN, 1994) com profissionais experientes no Processo de Desenvolvimento de Produtos Complexos, buscando captar a percepção destas pessoas quanto ao impacto das ferramentas elegidas na eficiência do PDP. Uma descrição mais ampla dos métodos, abordagens e instrumentos utilizados para a realização desta pesquisa é apresentado no capítulo quatro Estrutura da Pesquisa Organização do Trabalho O trabalho foi estruturado em seis capítulos. O primeiro é de caráter introdutório e apresenta o contexto, a motivação, o objetivo geral e os objetivos específicos desta pesquisa. Este capítulo ainda apresenta uma descrição geral do método utilizado para a realização da pesquisa e o modo como foi organizada a apresentação deste trabalho. O segundo capítulo contém a fundamentação teórica utilizada no trabalho. Ele inicia com uma descrição do tipo de produto do qual se deseja estudar o processo de desenvolvimento, e continua com a descrição de um modelo de referência que foi utilizado

21 21 como base deste trabalho. A seguir, é realizada uma breve descrição sobre a abordagem Lean e quais são os objetivos e os conceitos a ela associados. Por fim, é realizada uma comparação entre o processo convencional de desenvolvimento de produtos e o processo de desenvolvimento de produtos que aplica a abordagem Lean, de acordo com a ótica dos estudiosos da abordagem Lean. O terceiro capítulo descreve a contribuição principal deste trabalho. São apresentados os critérios de seleção das oportunidades de melhoria relacionadas com as dificuldades do aumento da eficiência do PDP e, em seguida, as ferramentas Lean para melhoria da eficiência do PDP e o critério de escolha destas ferramentas. O quarto capítulo apresenta os métodos, abordagens e os instrumentos utilizados para a realização da pesquisa mencionada no item 1.3. São também descritas as etapas para a realização das entrevistas assim como a descrição do universo de pesquisa e da metodologia utilizada para a obtenção da amostra deste universo. O quinto capítulo analisa os resultados da pesquisa. O sexto capítulo traz a conclusão do trabalho que consiste na forma de consecução dos objetivos e a síntese dos principais resultados obtidos. Por fim, este capítulo ainda contém sugestões para trabalhos futuros nesta área.

22 22 2. Revisão Bibliográfica 2.1. Tipo de Produtos O processo de desenvolvimento de produtos consiste em um conjunto de atividades para transformar informações tecnológicas e de mercado em um produto que venha ao encontro das necessidades deste mercado. Toda vez que se inicia um processo de desenvolvimento de produto, diversos requisitos, naturalmente impostos pelo mercado, devem ser atendidos. O processo de desenvolvimento de produto situa-se, portanto, na interface entre a empresa e o mercado (ROZENFELD et al., 2006). Desde modo, pode-se dizer que esse conjunto de atividades se inicia na percepção de uma oportunidade de mercado e finaliza na produção, venda e entrega do produto (ULRICH & EPPINGER, 2008). Segundo Ulrich e Eppinger (2008), um produto é algo que possa ser vendido por uma empresa para um consumidor. Sendo assim, é possível identificar diversas categorias de produtos existentes. Este trabalho se limita à gama de produtos que são criados pelas atividades de engenharia. Segundo Rozenfeld (2007), existem algumas formas de classificar um produto, como por exemplo, pela complexidade de sua interface com o cliente. Um produto com alta complexidade de interface é aquele cujos parâmetros, que são as necessidades dos clientes traduzidas em requisitos, são qualitativos. Um produto com baixa complexidade de interface são produtos cujo cliente sabe o que quer e os parâmetros são objetivos e bem definidos (ex: compras técnicas). Um produto com alta complexidade de interface, por sua vez, envolve parâmetros que o cliente não consegue especificar claramente, como a facilidade de interação com o produto, por exemplo. Rozenfeld (2007) afirma ainda que um produto pode ser classificado pela sua complexidade de conteúdo tecnológico. Geralmente, quanto mais complexo tecnologicamente, mais avançada é a tecnologia necessária para seu

23 23 desenvolvimento, e, portanto, mais especialista deverá ser a mão-de-obra que irá desenvolver o produto (ROZENFELD, 2007). A Figura 2-1 faz uma relação entre os dois modos de classificação de produtos acima referenciadas e ilustra alguns exemplos. Figura Classificação do tipo de produto. Fonte: Adaptado de Rozenfeld (2007). A linha verde tracejada representa o mínimo de complexidade tecnológica, e a linha com traços e pontos em azul representam o mínimo de complexidade de interface. Por esse gráfico, é possível agrupar determinados tipos de produtos e a identificar características similares no processo de desenvolvimento para cada um destes grupos. Rozenfeld (2007) defende que para o desenvolvimento de produtos com alta complexidade de interface e com alta complexidade do conteúdo tecnológico, é necessário equipes multidisciplinares e com participações de equipes com competências tecnológicas. A Figura 2-2 ilustra as características peculiares as equipes de desenvolvimento dos produtos de cada área delimitada no gráfico da Figura 2-1.

24 24 Figura Características similares das equipes de desenvolvimento, classificadas por área do gráfico. Fonte: Rozenfeld (2007). Por uma delimitação de escopo, este trabalho trata especificamente de sistemas complexos. Sistemas complexos são sistemas que possuem muitos outros subsistemas e componentes que interagem entre si (ULRICH & EPPINGER, 2008). Este tipo de produto situa-se no quadrante superior direito dos gráficos das Figura 2-1 e Figura 2-2. Exemplos deste tipo de produto são aeronaves e automóveis. Como o intuito deste trabalho é analisar a eficiência do processo de desenvolvimento de produto, a decisão por sistemas complexos se torna quase natural, pois, tradicionalmente, o processo de desenvolvimento deste tipo de produto, na maioria das empresas ao redor do mundo, é ineficiente (KATO, 2005). Por exigir equipes multidisciplinares e equipes de competências tecnológicas, a gestão das atividades durante o processo de desenvolvimento de sistemas complexos não é trivial, e a interface entre as equipes e a otimização do produto são pontos de atenção constante.

25 Processo de Desenvolvimento de Produtos O modelo de desenvolvimento que predominou após a Primeira Guerra Mundial é conhecido como Desenvolvimento de Produtos Se qüencial. Esse modelo é assim denominado porque as informações geradas sobre um produto eram encaminhadas de uma área funcional para outra, seguindo uma seqüência lógica: primeiro Marketing, depois Design, Engenharia, Produção etc. Não havia, portanto, uma interação forte entre as áreas durante e depois da realização das atividades. O processo seqüencial gerava um ambiente com diferentes padrões de trabalho, e a experiência de cada área evoluía de forma diferente, o que acarretava a evolução dos procedimentos e das atividades baseados na experiência de cada pessoa (ROZENFELD et al., 2006). Uma das características deste modelo de desenvolvimento é que as atividades da equipe de Desenvolvimento de Produto (DP) e das equipes de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) 1 eram consideradas como um conjunto de atividades de risco e, portanto, de difícil mensuração e controle. Deste modo, existia nestas áreas, uma forte resistência a controles, à contabilidade de custos e análise do retorno de investimentos. Esta característica gerava uma série de dificuldades para o modelo, exemplificada pela distância entre a alta administração da empresa e as definições de metas das equipes de P&D e de DP, além de formar uma barreira de comunicação entre essas áreas e o restante da empresa (ROZENFELD et al., 2006). As limitações inerentes a esse modelo não tardaram a aparecer. À medida que a concorrência aumentava, impondo às empresas requisitos de qualidade, tempo e custo, novas técnicas de DP foram surgindo e modificando sua forma seqüencial. 1 O processo de P&D realiza atividades de pesquisa voltadas para o desenvolvimento ou domínio de tecnologias, isto é, soluções baseadas em fenômenos físicos e químicos voltados para a solução de problemas bastante específicos, que serão posteriormente utilizadas no processo de Desenvolvimento de Produtos (DP) (ROZENFELD et al., 2006).

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO. GETÃO DE PROJETOS Turma 93 IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO GETÃO DE PROJETOS Turma 93 A Gestão de Projetos na Indústria de Autopeças Hugo Joaquim De Moro Belo Horizonte, novembro de 2010. A Gestão de Projetos

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis

Gerenciamento de Projetos. Prática essencial para gerar negócios sustentáveis MBA em Gestão de Projetos Gerenciamento de Projetos Prática essencial para gerar negócios sustentáveis Prof: Ângelo Braga, PMP, MBA angelo.braga@fgv.br eu@angelobraga.com.br 2/154 Contatos Prof. Ângelo

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA

Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Proposta de Projeto Certificação de Consultores SENAI-DN/CCM-ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias 12228-900

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso.

Estar apto a utilizar técnicas, ferramentas e terminologias básicas do gerenciamento de projetos após a realização do curso. Curso sobre Gerenciamento de Projetos Apresentação O Gerenciamento de Projetos evoluiu nos últimos anos, ampliando sua área de atuação dentro das organizações. Nos mais variados campos da administração,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12

Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Minicurso : Elaboração de Projetos Dr. Manoel Veras 27.08.2014 8 as12 Dr. Manoel Veras Eng. de Telecomunicações, UFRN Mestre em Eng. de Telecomunicações, UNICAMP Doutor em Administração, USP EX-Cientista

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr.

Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos. Nasario de S. F. Duarte Jr. Atendimento aos requisitos de Projeto e Desenvolvimento da ISO9001:2008 em Empreendimentos Nasario de S. F. Duarte Jr. Resumo Embora organizações projetizadas (empresas que trabalham sob projetos) existam

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos

Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos Gestão da Qualidade: Gerenciamento por Processos Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade de Engenharia do Campus

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Lílian Simão Oliveira Contexto Gerentes lutam com projetos assustadores e com prazos finais difíceis de serem cumpridos Sistemas não satisfazem aos usuários Gastos

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos

Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Executive Proposal: Um Padrão para a Apresentação de Propostas de Projetos Corneli Gomes Furtado Júnior 1, Thiago Ferraz 1, Rossana Maria de Castro Andrade 1 1 Departamento de Computação Universidade Federal

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias

Planejamento e Gerenciamento de Software. Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento e Gerenciamento de Software Tema 3. Gerência de Projetos Profa. Susana M. Iglesias Planejamento A primeira atividade do gerenciamento de projeto é Planejamento Depende de estimativas (Grado

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI

DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA PARA GERENCIAMENTO DA EXECUÇÃO DE PROJETOS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO BASEADO NOS PARÂMETROS DA METODOLOGIA PMI UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/AUTOMAÇÃO HENRY MEINELECKI BUENO BARBOSA LUCAS PEVIDOR DE CARVALHO CAVALLARI MURILO

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos

Aula 4. Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Aula 4 Introdução ao PMBOK e aos Processos da Gerência de Projetos Objetivo Visualizar a gerência de projetos como um conjunto de processos encadeados e integrados. Lidar com as interações que podem ser:

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros

PMBok x PRINCE2. Flávia David de Oliveira Gomes. Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes. Víctor Hugo Rodrigues de Barros PMBok x Flávia David de Oliveira Gomes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel flavia@cp2ejr.com.br Prof. Msc. Guilherme A. Barucke Marcondes Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel guilherme@inatel.br

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK

Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK 180 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Sistema de Gerenciamento de Riscos em Projetos de TI Baseado no PMBOK Thiago Roberto Sarturi1, Evandro Preuss2 1 Pós-Graduação em Gestão de TI Universidade

Leia mais

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3

Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos. Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Modelo de Maturidade Organizacional de Gerência de Projetos Introdução Organizational Project Management Maturity Model - OPM3 Um trabalho voluntário A idéia de um modelo não é novidade, as organizações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

A metodologia P 3 no Gerenciamento de Portfólio de Projetos

A metodologia P 3 no Gerenciamento de Portfólio de Projetos Artigos técnicos selecionados A metodologia P 3 no Gerenciamento de Portfólio de Projetos Heber A. A. Nascimento 1, 2, Jandira Guenka Palma 1, 2, Rafael Soares Parente 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Sistemas Complexos

Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Sistemas Complexos Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Sistemas Complexos Prof. Steven D. Eppinger Massachusetts Institute of Technology Sloan School of Management Engineering Systems Division Leaders for Manufacturing

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos

Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Aula 3 Fase de Iniciação de projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades que constituem a fase inicial dos projetos. Alem disso, vamos discorrer sobre

Leia mais

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO Visão Geral do PMBOK As três dimensões da GP Ciclo de Vida de s Operação Grupo de Processos Encerramento Teste / Pré Operação Execução Execução Monitoramento

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos

Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos Capítulo 1 Introdução ao gerenciamento de projetos 1.1 Introdução 31 1.2 O que é um projeto? 31 1.3 Ciclo de vida do projeto 33 1.4 O que é gerenciamento de projetos? 36 1.5 Relacionamento entre grupos

Leia mais

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012

Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Gestão de Projetos MBE_UFRGS_2012 Istefani Carísio de Paula Programa 07/03 - Conceitos, definições e método de GP 14/03 Gestão de Portfólio 21/03- Gestão de Portfólio 28/03 Iniciação e Planejamento do

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais