Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]"

Transcrição

1 Astronomia/Kepler < Astronomia Astronomia Uma das importantes personagens da Astronomia foi Johannes Kepler.. Como muitos astrônomos de sua época, Kepler era também um astrólogo e uma de suas crenças fundamentais era no conceito de que a Terra devia fazer parte de um todo harmônico que rege o mundo e não aceitava o modelo Ptolomaico dos epiciclos como uma explicação para o comportamento dos planetas. O estudo aprofundado que ele conduziu sobre o movimento dos planetas levou a elaboração das Leis de Kepler, um dos pilares sobre o qual Newton criou a lei da Gravitação Universal. As hipóteses de Kepler [editar] Modelo de Kepler para o Sistema Solar O interesse de Kepler pelos astros foi incentivado em sua família desde sua infância. Ele escreveu sobre dois eventos da infância quando ele viu um cometa e um eclipse lunar. A varíola que ele teve durante a infância, porém, danificou sua vista e seus interesses deram a ele uma capacidade impressionante de fazer cálculos das estrelas. Kepler, um luterano, foi estudante de teologia na Universidade de Tübingen e possuía a reputação de ser um brilhante astrólogo. Foi lá que ele foi introduzido aos modelos de Ptolomeu e de Copérnico para o sistema solar. Kepler acreditava que as leis que regiam o universo eram as mesmas que regiam a terra e, por isso, foi um defensor do modelo de Copérnico. Kepler obcecadamente buscava encaixar o movimento planetário em um sistema místico que ele publicou em seu livro Mysterium Cosmographicum. Colaborações com Tycho Brahe [editar]

2 Modelo de Tycho Brahe para o Sistema Solar. A Terra ocupa o centro do universo. O Sol e as estrelas fixas giram ao redor da Terra e os outros planetas giram ao redor da Terra. Tecnicamente, este modelo é equivalente ao modelo atual do movimento planetário, se tomarmos como referencial a Terra. Kepler foi convidado pelo astrônomo e nobre dinamarquês Tycho Brahe para trabalhar conjuntamente. Tycho era dono de um dos observatórios astronômicos mais precisos da era antes da descoberta do telescópio e ele possuía uma imensa compilação de dados a respeito da posição dos astros, frutos de uma imensa paciência e cuidado com o trabalho. Tycho Brahe, porém, tinha um modelo próprio para o sistema solar e, por conta disso, protegia seus dados. Somente após a morte de Tycho Brahe, Kepler recebeu como herança todos os dados e foi a partir destes que Kepler elaborou as 3 leis que recebem seu nome. A Primeira Lei de Kepler [editar] A partir dos dados de Tycho, Kepler procurou encaixar as coordenadas dos planetas no seu modelo, com os planetas navegando em órbitas circulares ao redor do Sol. Ele obteve um grau de sucesso alto, mas a precisão dos dados obtidos através de observações não fechavam completamente com as órbitas circulares. Kepler alterou o seu sistema para um sistema no qual os planetas descrevem órbitas elípticas, com o Sol posicionado em um dos focos dessa elipse. A elipse é o lugar geométrico dos pontos de um plano cuja soma das distâncias de um ponto na curva até dois pontos fixos é constante. Sejam os dois pontos e, o lugar geométrico pode ser descrito por:

3 Uma elipse com alguns pontos notáveis Quando e coincidem para um ponto, o lugar geométrico se degenera para uma circunferência: Assim, podemos ver que a lei de Kepler não retira a possibilidade de uma órbita perfeitamente circular. Apenas expande a classe de órbitas possíveis. Vamos então estudar alguma propriedades importantes da elipse. Os pontos e recebem o nome de focos da elipse, enquanto que o ponto médio do segmento é chamado de centro da elipse. Os pontos e mostrados no gráfico, e que são definidos pela intersecção da reta que passa pelos focos com a elipse determinam o eixo maior da elipse. Já a reta perpendicular ao eixo maior e que passa pelo centro da elipse é chamada de eixo menor da elipse, e é determinado pelos pontos e, da figura acima. As dimensões e da figura acima são chamados de semi-eixo maior e semi-eixo eixo menor respectivamente. A distância entre o centro e qualquer um dos focos da elipse é chamado de distância focal, e a relação entre a distância focal e o eixo maior da elipse é chamada excentricidade. Na figura acima vemos a distância focal representada por. Um exercício interessante é calcular a equação da elipse. Seja e os focos e, de forma que o centro da elipse coincida com a origem do sistema de coordenadas e que o eixo maior da elipse coincida ida com o eixo horizontal do sistema de coordenadas. Seja ainda a constante utilizada na definição do lugar geométrico da elipse. A escolha pode parecer uma decisão arbitrariamente mágica, mas arazão dessa escolha é tem uma justificativa. Da figura acima, vemos que.

4 Como Como equação:, por simetria, então temos que., então a escolha é apropriada. Podemos, então, escrever a seguinte Manipulando a expressão acima é possível reduzir a expressão a: A forma canônica da equação de uma elipse com centro na origem e que contém os pontos e, em coordenadas cartesianas é É fácil verificar que as constantes e são iguais ao eixo maior e ao eixo maior respectivamente. Fazendo a identidade entre a expressão que nós encontramos e a forma canônica, chegamos na identidade. Utilizando essa identidade, chegamos uma forma canônica para uma elipse a partir dos valores da distância focal e da excentricidade: A excentricidade é um bom indicativo da forma da elipse. À medida que se aproxima de, a elipse vai se transformando em uma circumferência; quando se aproxima de a elipse vai ficando cada vez mais alongada até o ponto em que ela se degenera à reta. Vamos lembrar agora que o Sol não está no centro da órbita e sim em um dos focos. Então é conveniente também determinar a equação da órbita tendo o foco no centro do espaço. Não iremos provar aqui a expressão, que fica como exercício para o aluno. A prova é fácil no sistema de coordenadas polares e o resultado para uma elipse com as dimensões utilizadas até aqui são: Vamos voltar um pouco para a Astronomia! Por causa da órbita ser elíptica, existe um ponto em que um planeta está mais próxima do Sol, o periélio e outro no qual o planeta está mais distante, o afélio.. Voltando à figura acima, supondo que o Sol está em, o afélio e o periélio correspondem aos pontos e respectivamente. A Lua também descreve uma órbita elíptica ao redor da Terra e os pontos de maior e menor aproximação são chamados de apogeu e perigeu.

5 É importante lembrar que, apesar de elíptica, as órbitas da maioria dos planetas é quase-circular, com excentricidades muito próximas de 0. A Terra, por exemplo, tem excentricidade 0.016, e Mercúrio tem a maior excentricidade entre os planetas solares. Plutão, que não é mais um planeta tem excentricidade A Segunda Lei de Kepler [editar] A segunda observação de Kepler foi que os planetas não giram ao redor do sol com velocidade uniforme, porém mais rápido quando mais próximos do sol e mais devagar quando mais longe dele, precisamente deste modo, suponha que um planeta seja observado em dois momentos sucessivos quaisquer, com uma diferença de uma semana, e que se trace o raio do vetor * até o planeta para cada posição observada. O arco orbital percorrido pelo planeta durante a semana e os dois raios vetores delimitam certa área plana, a área sombreada. Caso se realizem duas observações semelhantes com uma semana de distância em uma parte orbita mais distante do sol (onde o planeta se desloca mais lentamente), a área igualmente delimitada será exatamente igual á do primeiro caso. Assim, de acordo com a segunda lei, a velocidade orbital de cada planeta é tal que o raio "varre" áreas iguais em períodos iguais. A Terceira Lei de Kepler [editar] Finalmente, uma terceira lei foi descoberta por Kepler muito depois; é uma lei de categoria diferente de todas as outras duas, por lidar não apenas com o planeta individual, mas relacionar um planeta ao outro. Essa lei reza que, quando se comparam o período orbital e o tamanho da órbita de dois planetas quaisquer, os períodos são proporcionais á 3/2 da potência do tamanho da órbita. Nesta afirmação, o período é o intervalo de tempo que um planeta leva para percorrer completamente em sua órbita e o tamanho e medido pelo comprimento do maior diâmetro da órbita elíptica, tecnicamente conhecido como o eixo maior. Mais simplesmente, se os planetas girassem em círculos, como quase fazem, o tempo necessário para percorrer o circulo seria proporcional á 3/2 da potência do diâmetro (ou raio).

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica As Leis de Kepler Rogemar A. Riffel Teoria heliocêntrica A Teoria Heliocêntrica conseguiu dar explicações mais simples e naturais para os fenômenos observados Movimento retrógrado

Leia mais

APOSTILA DE GRAVITAÇÃO. Johannes Kepler (1571-1630)

APOSTILA DE GRAVITAÇÃO. Johannes Kepler (1571-1630) APOSTILA DE GRAVITAÇÃO Johannes Kepler (1571-1630) Astrônomo alemão, publicou sua primeira obra, "Mysterium Cosmographicum", em 1596, na qual se manifesta pela primeira vez a favor da teoria heliocêntrica

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

Apostila de Física 28 Gravitação Universal

Apostila de Física 28 Gravitação Universal Apostila de Física 28 Gravitação Universal 1.0 História Astrônomo grego Cláudio Ptolomeu (87-150): Sistema planetário geocêntrico A Terra é o centro do universo. A Lua e o Sol descreveriam órbitas circulares

Leia mais

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade:

Podemos considerar a elipse como uma circunferência achatada. Para indicar o maior ou menor achatamento, definimos a excentricidade: Leis de Kepler Considerando um referencial fixo no Sol, por efeito da lei da gravitação universal, o movimento dos planetas ao redor do Sol acontece segundo as três leis de Kepler. Na verdade, as leis

Leia mais

Aula 18 Elipse. Objetivos

Aula 18 Elipse. Objetivos MÓDULO 1 - AULA 18 Aula 18 Elipse Objetivos Descrever a elipse como um lugar geométrico. Determinar a equação reduzida da elipse no sistema de coordenadas com origem no ponto médio entre os focos e eixo

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Página 1 de 5 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra no centro. Essa concepção do Universo, denominada

Leia mais

Unidade IX: Gravitação Universal

Unidade IX: Gravitação Universal Colégio Santa Catarina Unidade IX: Gravitação Universal 143 Unidade IX: Gravitação Universal 9.1 Introdução: Até o século XV, o homem concebia o Universo como um conjunto de esferas de cristal, com a Terra

Leia mais

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe

Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe Disciplina: Física Geral e Experimental III Curso: Engenharia de Produção Assunto: Gravitação Prof. Dr. Marcos A. P. Chagas 1. Introdução Na gravitação

Leia mais

As cônicas. c, a 2 elipse é uma curva do plano em que qualquer um de seus pontos, por exemplo,, satisfaz a relação:

As cônicas. c, a 2 elipse é uma curva do plano em que qualquer um de seus pontos, por exemplo,, satisfaz a relação: As cônicas As cônicas podem ser definidas a partir de certas relações que caracterizam seus pontos. A partir delas podemos obter suas equações analíticas e, a partir delas, suas propriedades.. A elipse

Leia mais

UNIDADE 2 MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso)

UNIDADE 2 MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso) UNIDADE MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso) O Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor constitui uma das atividades mais antigas da humanidade. Os movimentos do

Leia mais

Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes.

Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes. Aula 3 GRAVITAÇÃO META Apresentar o sistema heliocêntrico de Copérnico e, como a partir dele Kepler e Isaac Newton formularam as leis do movimento dos corpos celestes. OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento

Leia mais

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 12.2 Conteúdo:

UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 12.2 Conteúdo: UNIDADE III Energia: Conservação e transformação. Aula 12.2 Conteúdo: Quantidade de Movimento e Gravitação Universal. Habilidades: Confrontar interpretações científicas com interpretações baseadas no senso

Leia mais

Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 05: Gravitação

Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 05: Gravitação Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 05: Gravitação Lei da Gravitação http://www.geocities.com/capecanaveral/hangar/6777/newton.html Era um tarde quente, no final do verão de 1666. Um homem jovem,

Leia mais

Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi

Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi Aula 2 Órbitas e Gravidade. Alex C. Carciofi Geocentrismo: um modelo amplamente aceito A Terra parece firme e estável. As estrelas parecem descrever circunferências no céu, em torno dos pólos celestes.

Leia mais

UNIDADE 2: ASTRONOMIA

UNIDADE 2: ASTRONOMIA UNIDADE 2: ASTRONOMIA ARISTÓTELES (384-322 a.c.) Afirmou que a Terra era redonda devido à sombra esférica deixada por ela durante o eclipse lunar. ERATÓSTENES (273-194 a.c.) Mediu a circunferência da Terra

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Johannes Kepler (1571 1630)

Johannes Kepler (1571 1630) Johannes Kepler (1571 1630) Prometi a Deus que tornaria público este maravilhoso exemplo da Sua sabedoria. Johannes Kepler Misterium Cosmographicum (1597) ASTRÓNOMO ALEMÃO JOHANNES KEPLER FOI A PRIMEIRA

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Introdução à Astronomia Movimento dos Planetas eclips e.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler de Souza Oliveira

Leia mais

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 4 de junho de 2013

Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá. 4 de junho de 2013 GRAVITAÇÃO Mecânica II (FIS-26) Prof. Dr. Ronaldo Rodrigues Pelá IEFF-ITA 4 de junho de 2013 Roteiro 1 Lei da Universal Roteiro Lei da Universal 1 Lei da Universal Motivação Lei da Universal Movimento

Leia mais

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!!

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!! Astronomia História... O modelo grego para explicar o movimento dos corpos celestes foi estabelecido no século IV a.c. Neste modelo a Terra estava no centro do universo e os outros planetas, Sol e Lua

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

SISTEMA PLANETÁRIO COMO OS PLANETAS SE MOVEM

SISTEMA PLANETÁRIO COMO OS PLANETAS SE MOVEM GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Gravitação universal e a forca de atração que age entre todos os objetos pôr causa da sua massa - isto e, a quantidade de matéria de que são constituídos. A gravitação mantém o universo

Leia mais

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Sem a Matemática, não poderia haver Astronomia; sem os recursos maravilhosos da Astronomia, seria completamente

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

Sempre que os livros didáticos do

Sempre que os livros didáticos do João Batista Garcia Canalle Instituto de Física da Universidade Estadual do Rio de Janeiro canalle@uerj.br Este trabalho foi motivado pela reação inesperada de centenas de professores participantes da

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 6 CÁLCULO DAS SOMBRAS E SIMULAÇÕES. Cálculo do comprimento das Sombras. Cálculo do raio da sombra da Terra à Distância da Lua. Exemplos de Cálculos de Eclipses. Simulações dos Satélites GPS e

Leia mais

Na cauda do cometa. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Motivar o estudo das cônicas para a astronomia;

Na cauda do cometa. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Motivar o estudo das cônicas para a astronomia; Na cauda do cometa Série Matemática na Escola Objetivos 1. Motivar o estudo das cônicas para a astronomia; Na cauda do cometa Série Matemática na Escola Conteúdos Geometria analítica, cônicas, elipse,

Leia mais

Níve v l e 4 Prof. Alex Samyr

Níve v l e 4 Prof. Alex Samyr Nível 4 Prof. Alex Samyr - Origem e desenvolvimento - Origem do universo - Teoria do Big-Bang É a mais antiga das ciências (desde os pré-históricos) Desde a antiguidade o céu é usado como: MAPA, RELÓGIO

Leia mais

07 e 08 06/10/2011 Sumário

07 e 08 06/10/2011 Sumário Sumário Correção do TPC. Conclusões da atividade experimental da lição anterior. Como se tornou possível o conhecimento do Universo? Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica.

Leia mais

OS MODELOS PARA A DESCRIÇÃO DO MOVIMENTO DOS CORPOS NO SISTEMA SOLAR Notas para estudo (M. F. Barroso)

OS MODELOS PARA A DESCRIÇÃO DO MOVIMENTO DOS CORPOS NO SISTEMA SOLAR Notas para estudo (M. F. Barroso) FÍSICA 1-015 S MDELS PARA A DESCRIÇÃ D MVIMENT DS CRPS N SISTEMA SLAR Notas para estudo (M. F. Barroso) 1. S MVIMENTS N SISTEMA SLAR 1.1) Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor constitui uma

Leia mais

4.2 A lei da conservação do momento angular

4.2 A lei da conservação do momento angular 4.2-1 4.2 A lei da conservação do momento angular 4.2.1 O momento angular e o torque Até agora, não fizemos uso da segunda parte das experiências de Mach, ver capítulo 2, Eq. (2.3). Heis aqui outra vez

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

Movimento real e aparente das estrelas e dos planetas

Movimento real e aparente das estrelas e dos planetas José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Movimento real e aparente das estrelas e dos planetas 1 O Movimento da Lua A Lua apresenta sempre a mesma face virada

Leia mais

O problema do ensino da órbita da Terra

O problema do ensino da órbita da Terra O problema do ensino da órbita da Terra João Batista Garcia Canalle Instituto de Física/UERJ canalle@uerj.br Resumo Este trabalho foi motivado pela reação inesperada de centenas de professores participantes

Leia mais

UNIDADE I GRAVITAÇÃO NEWTONIANA

UNIDADE I GRAVITAÇÃO NEWTONIANA UNIDADE I GRAVITAÇÃO NEWTONIANA AULA 1 FUNDAMENTOS DA GRAVITAÇÃO NEWTONIANA OBJETIVOS: Ao final desta aula, o aluno deverá: ter uma visão qualitativa de como a força gravitacional atua entre os corpos;

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Física Experimental - Mecânica - Aparelho rotacional EQ002D.

Física Experimental - Mecânica - Aparelho rotacional EQ002D. Índice Remissivo... 4 Abertura... 6 Documentação do produto / Documentación del producto / Product Documentation....6 Atendimento ao cliente.... 7 Também dos Direitos Autorais:... 7 A publicação/divulgação

Leia mais

O raio vetor varre ÁREAS IGUAIS em iguais intervalos de tempo.

O raio vetor varre ÁREAS IGUAIS em iguais intervalos de tempo. Os antigos astrônomos gregos estudaram os movimentos dos planetas e da Lua. Entretanto, esse movimentos só foram corretamente explicados no final do século XVII, quando o cientista inglês Isaac Newton,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Matemática em Toda Parte II

Matemática em Toda Parte II Matemática em Toda Parte II Episódio: Matemática no Espaço Sideral Resumo O que é o universo? Ele é infinito ou finito? O que são as estrelas? Como os corpos celestes e os satélites artificiais se movimentam?

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Fundamentos de Astronomia e Astrofísica: FIS02010 Prof. Tibério B. Vale Como se calcula o comprimento da sombra?

Leia mais

Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I

Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I Cap. 2 Mecânica do Sistema Solar I Nosso Lugar no Universo 1 min luz = 1,798 x 10 7 km 1 ano-luz = 9.460.800.000.000.00 Km ~10 12 km 100.000 a.l. = 946073047258080000 km = 9.46 x 10 17 km Observando o

Leia mais

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una.

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. Os povos primitivos já utilizavam símbolos representando os corpos celestes

Leia mais

História da Astronomia

História da Astronomia História da Astronomia Motivações: A necessidade de sobrevivência levou as tribos remanescentes das últimas glaciações a observarem o Sol, a Lua e suas relações com as estações do ano e com a natureza

Leia mais

Roteiro para uso da simulador das órbitas planetárias

Roteiro para uso da simulador das órbitas planetárias Roteiro para uso da simulador das órbitas planetárias Evandro da Rosa e Maria de Fátima Oliveira Saraiva A simulação mostra os movimentos dos planetas e permite verificar as três Leis de Kepler. Se você

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Elipses e Gravitação

Elipses e Gravitação Elipses e Gravitação Cássio dos Santos Sousa 6 de novembro de 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Definição 3 3 Nomenclaturas 3 4 Equação da elipse na forma cartesiana 4 5 Semi-latus rectum 5 6 Excentricidade

Leia mais

O UNIVERSO EM ESCALA PLANETÁRIA

O UNIVERSO EM ESCALA PLANETÁRIA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2013 1ª FASE 18 de maio de 2013 NÍVEL III Ensino Médio- 3ª série Ensino Técnico- 4ª série O UNIVERSO EM ESCALA PLANETÁRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM

Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I BCC70 204-02 Aula Prática 02 Exercício Codifique em Scilab as seguintes expressões matemáticas, armazenando-as em variáveis na memória conforme os exemplos. A sin(3.45) cos(2

Leia mais

INTRODUÇÃO O sistema de coordenadas ao qual estamos acostumados é o sistema de coordenadas

INTRODUÇÃO O sistema de coordenadas ao qual estamos acostumados é o sistema de coordenadas Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 17 ESTUDO DAS CÔNICAS USANDO COORDENADAS POLARES Tiago Santos Arruda 1, Bruno Rogério Locatelli dos Santos, Eugenia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - DCET GEOMETRIA ANALÍTICA ASSUNTO: CÔNICAS. Usando a definição de parábola determinar, em cada um dos itens a

Leia mais

As variações dos intervalos de tempo entre as fases principais da Lua

As variações dos intervalos de tempo entre as fases principais da Lua As variações dos intervalos de tempo entre as fases principais da Lua REVISTA BRASILEIRA DE ENSINO DE FÍSICA, SÃO PAULO, 23 (3): 300 307, SETEMBRO, 2001 Fernando Lang da Silveira Universidade Federal do

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Na natureza, muitos animais conseguem guiar-se e até mesmo caçar com eficiência, devido à grande sensibilidade que apresentam para a detecção de ondas, tanto eletromagnéticas quanto mecânicas.

Leia mais

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver: Caracterização do

Leia mais

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem:

Física FUVEST ETAPA. ε = 26 cm, e são de um mesmo material, Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2. c) Da definição de potência, vem: Física QUESTÃO 1 Um contêiner com equipamentos científicos é mantido em uma estação de pesquisa na Antártida. Ele é feito com material de boa isolação térmica e é possível, com um pequeno aquecedor elétrico,

Leia mais

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs:

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs: O SISTEMA SOLAR Para entendermos o mecanismo do "SISTEMA TERRA" temos que ter noções básicas de um contexto mais amplo: o espaço cósmico, onde se processam, entre outros milhares, o "SISTEMA SOLAR". UNIVERSO

Leia mais

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Minha História Nome: Luiz Fernando Casado 24 anos Naturalidade: São José dos Campos Professor de Física e Matemática Formação:

Leia mais

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D

Lista 1 Cinemática em 1D, 2D e 3D UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA DEPARTAMENTO DE ESTUDOS BÁSICOS E INSTRUMENTAIS CAMPUS DE ITAPETINGA PROFESSOR: ROBERTO CLAUDINO FERREIRA DISCIPLINA: FÍSICA I Aluno (a): Data: / / NOTA: Lista

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Astronomia D I S C I P L I N A. Leis de Kepler e a gravitação universal. Autores. Joel Câmara de Carvalho Filho. Auta Stella Medeiros Germano.

Astronomia D I S C I P L I N A. Leis de Kepler e a gravitação universal. Autores. Joel Câmara de Carvalho Filho. Auta Stella Medeiros Germano. D I S C I P L I N A Astronomia Leis de Kepler e a gravitação universal Autores Joel Câmara de Carvalho Filho Auta Stella Medeiros Germano aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula

Leia mais

Lista Gravitação. Lista de Física

Lista Gravitação. Lista de Física ALUNO(A): COLÉGIO PEDRO II UNIDADE ESCOLAR SÃO CRISTÓVÃO III Lista Gravitação SÉRIE: 1ª TURMAS COORDENADOR: Eduardo Gama PROFESSOR(A): Lista de Física 1) Um satélite artificial S descreve uma órbita elíptica

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 Competências Gerais Conteúdos programáticos /Temas Objectivos Gerais Aulas Previstas (blocos

Leia mais

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON

Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON Aluno (a): N Série: 1º Professor : Vinicius Jacques Data: 03/08/2010 Disciplina: FÍSICA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES / LEIS DE NEWTON 01. Explique a função do cinto de segurança de um carro, utilizando o

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas

Exercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas Eercícios de Matemática Geometria Analítica Cônicas ) (ITA-004) Considere todos os números z = + i que têm módulo e estão na elipse + 4 = 4. Então, o produto deles é igual a 9 49 8 4 ) (VUNESP-00) A figura

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Autor: Josiane Bernini Jorente Martins NRE: Assis Chateaubriand Escola: Colégio Estadual Chateaubriandense

Autor: Josiane Bernini Jorente Martins NRE: Assis Chateaubriand Escola: Colégio Estadual Chateaubriandense Autor: Josiane Bernini Jorente Martins NRE: Assis Chateaubriand Escola: Colégio Estadual Chateaubriandense Disciplina: Matemática ( ) Ensino Fundamental Disciplina da relação interdisciplinar : Geografia

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

NÍVEL II OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2013. Ensino Médio - 1ª e 2ª séries. 1ª FASE 18 de maio de 2013

NÍVEL II OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2013. Ensino Médio - 1ª e 2ª séries. 1ª FASE 18 de maio de 2013 OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2013 1ª FASE 18 de maio de 2013 NÍVEL II Ensino Médio - 1ª e 2ª séries O UNIVERSO EM ESCALA PLANETÁRIA LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Esta prova destina-se exclusivamente

Leia mais

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Marcus Sant Ana / Fabiano Dias DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO: Nº: I N S T R U Ç

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Escola de Engenharia Industrial Metalúrgica de Volta Redonda PROVAS RESOLVIDAS DE CÁLCULO VETORIAL Professora Salete Souza de Oliveira Aluna Thais Silva de Araujo P1 Turma

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. por unidade de carga

POTENCIAL ELÉTRICO. por unidade de carga POTENCIAL ELÉTRICO A lei de Newton da Gravitação e a lei de Coulomb da eletrostática são matematicamente idênticas, então os aspectos gerais discutidos para a força gravitacional podem ser aplicadas para

Leia mais

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano.

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano. Física - UFRGS 2010 01. Alternativa E De acordo com as leis de Kepler, a órbita de cada planeta é uma elipse com o Sol em um dos focos. A reta que une um planeta e o Sol, varre áreas iguais em tempos iguais

Leia mais

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação

Física Simples e Objetiva Mecânica Cinemática e Dinâmica Professor Paulo Byron. Apresentação Apresentação Após lecionar em colégios estaduais e particulares no Estado de São Paulo, notei necessidades no ensino da Física. Como uma matéria experimental não pode despertar o interesse dos alunos?

Leia mais

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1

3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 1 3.3 Espaço Tridimensional - R 3 - versão α 1 1 3.3.1 Sistema de Coordenadas Tridimensionais Como vimos no caso do R, para localizar um ponto no plano precisamos de duas informações e assim um ponto P

Leia mais

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO SANJAY VASHIIST ALUNO DO CURSO DE FILOSOFIA DA UFJF. W.W.W.SANJAYMX@YAHOO.COM.MX O esforço de compreender o cosmo tem sido uma das inquietações inerentes

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência

Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Leitura e interpretação de gráficos: Cada vez mais os vestibulares exigem essa competência Por: George Schlesinger Existem diversos tipos de gráficos: linhas, barras, pizzas etc. Estudaremos aqui os gráficos

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

5 Movimento devido a forças centrais

5 Movimento devido a forças centrais 5.1-1 5 Movimento devido a forças centrais Forças centrais apontam sempre para o mesmo ponto do espaço e são da forma F(r) = F(r) r/r (1) Vimos nas seções anteriores, veja 4.6.2, que as forças centrais

Leia mais

2. A astronomia da antiguidade à idade moderna. 2.1.A astronômia na antiguidade:

2. A astronomia da antiguidade à idade moderna. 2.1.A astronômia na antiguidade: Historia da Astronomia: A evolução da idéia do universo da antiguidade à idade moderna. Deivd Andrade Porto. Mestrado Nacional Profissionalizante em Ensino de Física. 1. Introdução. Este artigo tem como

Leia mais

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação.

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação. Terceira Lei de Newton A terceira lei de Newton afirma que a interação entre dois corpos quaisquer A e B é representada por forças mútuas: uma força que o corpo A exerce sobre o corpo B e uma força que

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões.

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Capítulo 1 Astronomia (Os cientistas e suas teorias sobre o Universo

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Elementos de Astronomia Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel Planetas Planetas são corpos que orbitam estrelas e não tem nem nunca tiveram reações nucleares, além de terem forma determinada

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais