norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Colaboradoras Código: NT GN-SP.ESS Edição: 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Colaboradoras Código: NT.00051.GN-SP.ESS Edição: 1"

Transcrição

1 norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Código: NT GN-SP.ESS Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do documento original Estándar de Seguridad y Salud: Orientación e información a Empresas (NT GN-SP.ESS), Edição 1, com o fim de facilitar a compreensão do seu conteúdo por todos os funcionários do Grupo Gas Natural Fenosa. Em caso de divergência de interpretação resultante da tradução, o conteúdo da versão original em espanhol que está em vigor é o que deve prevalecer para todos os efeitos. Data de aprovação: 05/02/2015 Data da tradução: 28/01/2015. Propriedade do grupo Gas Natural Fenosa. Reprodução proibida

2 Histórico de Revisões Edição Data Motivo da edição e/ou resumo de alterações 1 04/12/2014 Documento com nova edição Edição: 1 Página: 2 de 7

3 Índice Página 1. Objetivo 4 2. Abrangência 4 3. Documentos de Referência 4 4. Definições 4 5. Responsabilidades 4 6. Desenvolvimento Workshop de Liderança de Segurança e Saúde Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde 5 7. Registro de dados 6 Edição: 1 Página: 3 de 7

4 1. Objetivo A presente Norma de Segurança e Saúde tem por objetivo estabelecer as ações para a transmissão do Compromisso de Segurança e Saúde do grupo Gas Natural Fenosa às Empresas. 2. Abrangência Aplica-se a todas as empresas em que a Gas Natural Fenosa tenha participação majoritária e às empresas onde tem responsabilidade por sua operação e gerenciamento. As ações descritas neste documento serão realizadas, pelo menos, para aquelas Empresas, doravante EC, que se encontrem classificadas dentro das famílias de compras com criticidade de risco em matéria de segurança e saúde. 3. Documentos de Referência NG GN: Manual do sistema integrado de gestão de qualidade, meio, segurança e saúde NT GN-SP.ESS-PT.03: Padrão de Segurança e Saúde: Controle Prévio, Inspeções Documentadas e Reuniões de Coordenação com as ECs 4. Definições Dinamizador: pessoa do grupo Gas Natural Fenosa, doravante a empresa, e designada pela unidade de negócio correspondente para ministrar as sessões informativas do Workshop de Liderança. Workshop de Liderança: sessão informativa ministrada pelos Dinamizadores às pessoas das ECs com pessoal a seu cargo e que tem como missão a transmissão dos objetivos e conceitos do projeto de Compromisso com a Segurança e a Saúde (CSS) do grupo Gas Natural Fenosa. Workshop de Sensibilização: sessão formativa ministrada pelas próprias ECs e que tem como missão enraizar o CSS no pessoal das ECs. 5. Responsabilidades São identificadas em cada uma das seções que formam esta norma técnica. 6. Desenvolvimento A orientação e informação às ECs se baseia em duas linhas de ação: Workshop de Liderança de Segurança e Saúde. Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde Edição: 1 Página: 4 de 7

5 6.1. Workshop de Liderança de Segurança e Saúde Os objetivos fundamentais são dois: Transmissão dos conceitos fundamentais do Compromisso de Segurança e Saúde do grupo Gas Natural Fenosa, assentando as bases para que as ECs os adotem e integrem em sua atividade e gerenciamento diários. Elaboração de seu próprio plano de ação por parte das ECs para a transmissão dos princípios fundamentais do Compromisso de Segurança e Saúde a seus funcionários e empresas colaboradoras. O público-alvo deste workshop será o pessoal das ECs que tenha pessoal a seu cargo. Os responsáveis pela transmissão da informação às ECs serão os Dinamizadores nomeados por cada um dos negócios/países da empresa. As sessões de informação serão englobadas nas Reuniões de Coordenação de acordo com a NT GN- AP.ESS-PT.03. Com o objetivo de a transmissão ser homogênea em todos os negócios/países, os Dinamizadores serão treinados através da Universidad Corporativa (UC). Quando as ECs tiverem recebido a informação através dos Dinamizadores, serão as responsáveis por transmitir os princípios fundamentais do CSS dentro de suas empresas. A informação colocada à disposição das ECs estará depositada na Universidad Extendida (UE). As ECs, com pedido prévio à UE, poderão descarregá-la sempre que o considerarem oportuno, sem que lhes seja cobrado qualquer encargo por parte do grupo Gas Natural Fenosa. A elaboração inicial da documentação será da responsabilidade da Rede de Empresas. Será da responsabilidade dos negócios/países a elaboração de um plano anual de implementação do workshop, bem como a detecção de necessidades de sessões informativas para as ECs de nova incorporação ou aquelas existentes nas quais seja considerado oportuno. Em cada uma das sessões e na ata da reunião de coordenação (NT GN- SP.ESS-PT-03) será incluída a informação descrita na seção Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde Os objetivos fundamentais são dois: Motivar todos os funcionários das ECs, sem pessoal a seu cargo, a participar ativamente no projeto CSS da empresa. Desenvolver as capacidades dos trabalhadores para prevenir incidentes e para trabalhar em equipe através da informação de determinadas capacidades como: Edição: 1 Página: 5 de 7

6 o Reconhecer, corrigir e evitar condições inseguras. o Reconhecer atos inseguros. o Evitar lesões por atuar de forma insegura. o Evitar que colegas de trabalho atuem de forma insegura. Será da responsabilidade da empresa a exigência contratual destas sessões de treinamento, sendo a responsabilidade de ministrar das próprias ECs, as quais, ao terminar as mesmas, entregarão um certificado pessoal (modelo do formato NT GN-SP.ESS-FO.01) ao interessado e, nos países onde estiver implementada, transmitirão a informação do mesmo na plataforma CONTROLAR 1. As ECs poderão ministrar este Workshop de Sensibilização com uma base documental própria ou através do módulo do workshop preparado pelo grupo Gas Natural Fenosa e colocado à disposição das ECs através da UE, com pedido prévio expresso. Além disso, os instrutores das ECs poderão ser próprios ou contratados 2, sendo informados pela EU da empresa, se os necessitarem e os solicitarem através do processo habitual da UE. 7. Registro de dados O registro do Workshop de Liderança de Segurança e Saúde será a ata de reunião de coordenação (NT GN-SP.ESS-PT.03) especificando na mesma os seguintes conteúdos: DATA, dia em é realizada a sessão. DINAMIZADOR, nome e sobrenome da pessoa que realiza a sessão. UNIDADE/UNIDADES PARTICIPANTES, unidade ou unidades organizativas da empresa para a qual será realizada a sessão (no caso de o Dinamizador não pertencer à unidade e, além disso, no caso de um mesmo Dinamizador ministrar sessões para diferentes unidades organizativas de um negócio/país) ECs, razão social das empresas contratadas que estarão presentes nos workshops. NÚMERO DE PRESENÇAS, número de pessoas presentes por parte das ECs. NÍVEL DE PARTICIPAÇÃO, indicar se a atitude dos participantes foi Muito Participativa, Participativa ou Pouco participativa. NÍVEL DE CONHECIMENTO do projeto CSS da empresa (indicar se o grupo de participantes, antes do início da sessão, conhecia Muito, Pouco ou Nada o projeto). 1 Nos restantes países será o negócio a determinar o processo de informação. 2 Estes instrutores contratados não poderão ser do grupo Gas Natural Fenosa. Edição: 1 Página: 6 de 7

7 ASPECTOS POSITIVOS DA SESSÃO, comentários sobre aspectos positivos da sessão. ASPECTOS NEGATIVOS DA SESSÃO, comentários sobre aspectos negativos da sessão. DÚVIDAS dos participantes sobre o projeto CSS da empresa. OBSERVAÇÕES. NT GN-SP.ESS-FO.01 Certificado de Presença no Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde Edição: 1 Página: 7 de 7

8 Workshop de Sensibilização Segurança e [Escrever texto] Saúde ESPAÇO RESERVADO PARA MARCA EMPRESA COLABORADORA CERTIFICADO DE PRESENÇA NO WORKSHOP DE SENSIBILIZAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE O/A Sr./Srª. Nome e sobrenome (nº identificação) do responsável pela E.C. certifica: Primeiro, que o/a Sr./Srª. nome e sobrenomes (nº identificação) do trabalhador, a data dia / mês / ano esteve presente no Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde, sendo o seu aproveitamento adequado. Segundo, que o/a Sr./Srª. nome e sobrenomes (nº identificação) do instrutor/quem ministra o workshop, da empresa 1 razão social da empresa, ministrou o Workshop de Sensibilização de Segurança e Saúde de indicar número de horas da sessão horas de duração e no qual foram incluídos os temas indicados no rodapé do presente certificado. Empresa responsável EC Empresa Instrutor Empresa Trabalhador Rodapé citando: Tema 1 O que são os incidentes e acidentes Tema 2 Comportamentos reativos e proativos Tema 3 Como prevenir os incidentes Tema 4 Cinco princípios básicos Compromisso de Segurança e Saúde do grupo Gas Natural Fenosa 1 Só será necessário no caso de o instrutor não ser da mesma empresa NT GN-SP.ESS-FO.01 Ed.2

9 ESPAÇO RESERVADO PARA MARCA EMPRESA COLABORADORA [Escrever texto] Tema 5 Liderança em Segurança e Saúde NT GN-SP.ESS-FO.01 Ed.2

norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP.

norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP. norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP.ESS Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento

Leia mais

O DIRETOR DE COMPRAS, PREVENÇÃO E SERVIÇOS GERAIS

O DIRETOR DE COMPRAS, PREVENÇÃO E SERVIÇOS GERAIS norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: Regime sancionador aplicável a empresas contratadas Código: NT.00045.GN-SP.ESS Edição: 2 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original

Leia mais

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO... 3 2.

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Sustentabilidade

Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Sustentabilidade Caixa Mais - Gestão de Atuação Comercial Política de Introdução Política de O BI assume o papel importante que desempenha na promoção do desenvolvimento sustentável de Cabo Verde, uma vez que pode contribuir

Leia mais

Treinamento Idiomas Método Passo a Passo

Treinamento Idiomas Método Passo a Passo Treinamento Idiomas Método Passo a Passo Tópicos Idiomas Carga Horária Livros Método: Plano de Aula (Visão geral) 32 aulas do livro 8 aulas de revisão de gramática 4 aulas temáticas 2 aulas tira dúvidas

Leia mais

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA

PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA MERCOSUL/CMC/DEC N 2/99 PROGRAMA DE ASSUNÇÃO SOBRE MEDIDAS DE SIMPLIFICAÇÃO OPERACIONAL E TRÂMITES DE COMÉRCIO EXTERIOR E DE FRONTEIRA TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

Semana Aberta da Propriedade Industrial na Universidade de Aveiro

Semana Aberta da Propriedade Industrial na Universidade de Aveiro A UATEC Unidade de Transferência de Tecnologia da, através do GAPI Gabinete de Apoio à Promoção da Propriedade Industrial, e em parceria com o INPI Instituto Nacional da Propriedade Industrial promovem

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA Pág.: 1/10 HISTÓRICO DO DOCUMENTO / EMISSÃO Data Ver. Objeto da Revisão Elab. / Verif. (Função / Nome / Assinatura(*)) C. Técnicocientífica/ S. Iglésias Aprovação (Função / Nome / Assinatura(*)) Diretora/

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança

Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança Incorporando Controle de Riscos Críticos e Comportamento à Gestão de Saúde e Segurança ENIO VITERBO JUNIOR Diretor Corporativo SSMA 18/04/2012 Título da Apresentação 1 Objetivos Apresentar uma maneira

Leia mais

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013.

2. A proposta será avaliada pelo Subcomitê Virtual de Revisão (SVR) e examinada pelo Comitê de Projetos em março de 2013. PJ 45/13 9 janeiro 2013 Original: inglês Disponível em inglês e português P Comitê de Projetos 5. a reunião 7 março 2013 Londres, Reino Unido Empoderamento das mulheres nas cooperativas de café brasileiras

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

O que é ISO 9001:2000?

O que é ISO 9001:2000? O que é ISO 9001:2000? Um guia passo a passo para a ISO 9001:2000 SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Conteúdo * SISTEMAS DA QUALIDADE ISO 9001:2000 E PDCA... 1 * OITO PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE...

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES

REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES REGuLAMENTO DE RECRuTAMENTO, SELECçãO E CONTRATAçãO DE FORMADORES Regulamento n.º 743/2010 OA (2.ª série), de 19 de Julho de 2010 / Conselho Geral da Ordem dos Advogados - Regulamento de Recrutamento,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

FAÇA AGORA SUA FORMAÇÃO EM COACHING COM CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL A MAIOR ESCOLA DE COACHING DE MINAS.

FAÇA AGORA SUA FORMAÇÃO EM COACHING COM CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL A MAIOR ESCOLA DE COACHING DE MINAS. FAÇA AGORA SUA FORMAÇÃO EM COACHING COM CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL A MAIOR ESCOLA DE COACHING DE MINAS. IWRCOACHING É uma empresa jovem e dinâmica que continua crescendo e se expandindo a cada dia, com

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Área Emitente: Gestão com Pessoas/SESMT ASSUNTO: ELEIÇÃO DA CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NR-5

Área Emitente: Gestão com Pessoas/SESMT ASSUNTO: ELEIÇÃO DA CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NR-5 Código: Data emissão: Data de Vigência: Página 1 de 7 1- Objetivo: Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho aplicando as determinações da legislação NR-5. 2- Aplicação: Este procedimento aplica-se

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER I. PROPÓSITO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER A corrupção é proibida pelas leis de quase todas as jurisdições do mundo. A Danaher Corporation ( Danaher ) está comprometida em obedecer as leis

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP

Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Política de Prevenção e Controlo do Álcool no Grupo EDP Para preencher o rodapé: 1. Pressione a tecla F5 2. Prima o seguinte botão EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Agenda 1. Apresentação. O Grupo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

24-06-2015. Um programa educativo: Parceiros: A DINÂMICA

24-06-2015. Um programa educativo: Parceiros: A DINÂMICA Um programa educativo: Parceiros: A DINÂMICA 1 COMO PARTICIPAR? APRESENTAÇÃO E INSCRIÇÕES Cada grupo cria a sua página no Facebook Apresentação do Programa Young VolunTeam às escolas no início do ano letivo

Leia mais

USO INTERNO. Projeto Estruturação Organizacional Place Consultoria

USO INTERNO. Projeto Estruturação Organizacional Place Consultoria Projeto Estruturação Organizacional Place Consultoria Sumário 1 2 3 3.1 3.2 3.3 3.4 4 5 6 Introdução Objetivo Sistemática Mapeamento dos processos Definição do organograma Criação das políticas Treinamento

Leia mais

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA

LP EMPREENDIMENTOS CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO LTDA PROGRAMA DE GESTÃO DE SMS Procedimento Operacional Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados à Gerência de Operações, indicando o item a ser revisado, a proposta e a

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Nº Municipal de Emergência EB 2/3 ESCULTOR ANTÓNIO FERNANDES DE SÁ -OLIVEIRA DO DOURO. Contamos contigo!

Nº Municipal de Emergência EB 2/3 ESCULTOR ANTÓNIO FERNANDES DE SÁ -OLIVEIRA DO DOURO. Contamos contigo! No dia 15 de março de 2013, para terminar as escolas do Agrupamento Escultor António Fernandes de Sá, de Oliveira do Douro, realizaram-se ações de sensibilização sobre conceitos de prevenção e segurança

Leia mais

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3

Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Curso Fundamentos de Gerenciamento de Serviços de TI baseado no ITIL V3 Todos nossos cursos são preparados por profissionais certificados e reconhecidos no mercado de Gerenciamento de Serviços de TI. Os

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 TOP 10 RISK LIST

GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 TOP 10 RISK LIST GRUPO PSICO ENGENHARIA DE SOFTWARE II 2005/06 Psico_Top10RiskList_2006-03-06_v0.1.doc Versão 0.1 8 de Março de 2006 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data V0.1 Bruno Fernandes

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

COACHING EM PORTUGAL 2009

COACHING EM PORTUGAL 2009 Alexandra Barosa-Pereira e Diana Vieira 16H30 APRESENTAÇÃO DO ESTUDO 18H00 COFFEE-END ORGANIZAÇÃO Licenciatura em Recursos Humanos ESEIG Núcleo de Investigação e Desenvolvimento em RH NID-RH ESEIG ABP

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA E GESTÃO AMBIENTAL

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA E GESTÃO AMBIENTAL METODOLOGIA O curso é dividido em 14 Módulos, sendo 01 módulo de introdução ao curso, 06 módulos com foco em Gestão Ambiental, 06 módulos com foco em Tecnologia Ambiental e 01 módulo correspondente ao

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS

CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS CENTRO DE FORMAÇÃO BOMBEIROS DE ALBUFEIRA CURSOS PRIMEIROS SOCORROS Empresas, Instituições e População no Geral 20 horas Idade Mínima de 16 anos e máxima de 60/65; Dominar a língua Portuguesa Nº de Formandos

Leia mais

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009

Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006. Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Normas de Segurança da Informação Processo de Certificação ISO 27001:2006 Ramon Gomes Brandão Janeiro de 2009 Agenda Elementos centrais da Seg. da Informação O Par ABNT:ISO 27001 e ABNT:ISO 17799 Visão

Leia mais

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA

DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA DETALHAMENTO DA FORMAÇÃO EM COACHING EM RESILIÊNCIA FILOSOFIA DO TREINAMENTO, MODELO E ABORDAGEM O Coaching em Resiliência é uma formação de coaching exclusiva licenciada pela SOBRARE e única especializada

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP:

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CREDENCIAMENTO NO SEBRAE-SP: A oportunidade de se tornar um facilitador de aprendizagem e/ou consultor para o sucesso das micro e pequenas empresas APRESENTAÇÃO Esta cartilha

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

OSBLU. 6º Encontro Catarinense dos Observatórios Sociais BOAS PRÁTICAS

OSBLU. 6º Encontro Catarinense dos Observatórios Sociais BOAS PRÁTICAS OSBLU 6º Encontro Catarinense dos Observatórios Sociais BOAS PRÁTICAS Contribuição de Blumenau para troca de experiência entre os Observatórios de Sta. Catarina. BOAS PRÁTICAS Programas do OSB: - Qualidade

Leia mais

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 13 Índice 1. FLUXO DO PPS - PROCESSO DE PROPOSTA DE SOLUÇÃO... 3 2. SOBRE ESTE DOCUMENTO... 4 2.1 GUIA DE UTILIZAÇÃO...

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA PROMOCIONAL: CERTIFICA SENIOR

REGULAMENTO DA CAMPANHA PROMOCIONAL: CERTIFICA SENIOR REGULAMENTO DA CAMPANHA PROMOCIONAL: CERTIFICA SENIOR 1. Da Campanha Promocional: Campanha de incentivo à construção colaborativa de questões de certificação promovida pela Senior. Inscrita no CNPJ 80.680.093/0001-81

Leia mais

RELATÓRIO AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIAS 2012 INSIGHT GESTÃO

RELATÓRIO AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIAS 2012 INSIGHT GESTÃO 1 de 28 RELATÓRIO AVALIAÇÃO POR COMPETÊNCIAS 2012 INSIGHT GESTÃO Pessoas gerando resultados INICIAR Objetivos e Metodologia 2 de 28 Objetivos da Avaliação Avaliar os Colaboradores para implantar ações

Leia mais

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio

Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem. Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio Contrato Erasmus+ AÇÃO-CHAVE 1 Mobilidade individual para fins de aprendizagem Ensino Superior - Mobilidade para estudos e/ou estágio [Denominação legal da entidade de envio e código Erasmus, se aplicável]

Leia mais

Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati

Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati Transporte e Distribuição Ivan Rigoletto Diretor de Meio Ambiente, Saúde e Segurança, PPG América Latina Coordenador do Coatings Care, Abrafati São Paulo, 22 de agosto de 2013 Transporte e Distribuição

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Chamada Pública para o Processo Seletivo do I Curso de Formação de Mediadores especializados em Justiça Restaurativa no Rio de Janeiro

Chamada Pública para o Processo Seletivo do I Curso de Formação de Mediadores especializados em Justiça Restaurativa no Rio de Janeiro Chamada Pública para o Processo Seletivo do I Curso de Formação de Mediadores especializados em Justiça Restaurativa no Rio de Janeiro O Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDECA

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING A Designarte é uma empresa com 15 anos de experiência na área do design, web, marketing e comunicação. Com um vasto portefólio, a nossa preocupação é apresentar aos clientes as soluções

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

TNT Cargas e Encomendas Expressas

TNT Cargas e Encomendas Expressas TNT Cargas e Encomendas Expressas Introdução Ação: Programa Road Safety Período: outubro de 2011 - atual Responsável pela ação: Setor de Treinamento de Motoristas E-mail: emerson.lima@tntbrasil.com.br

Leia mais

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

RH: QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO Designação da Ação Paralisia Cerebral (varias abordagens) Definição implementação de PI Qualidade do Serviço e Satisfação do Cliente Suporte Básico de Vida Comunicação e Relacionamento Interpessoal Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO FGV CORPORATIVO NO ÂMBITO DA PARCERIA COM A ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO FGV CORPORATIVO NO ÂMBITO DA PARCERIA COM A ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE REGULAMENTO DOS CURSOS DO FGV CORPORATIVO NO ÂMBITO DA PARCERIA COM A ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O Regulamento do Programa de Capacitação em Administração Pública a Distância é

Leia mais

COBIT Foundation v. 4.1

COBIT Foundation v. 4.1 COBIT Foundation v. 4.1 Versão 1 Ago 2010 Preparatório RFS para o exame de certificação Programa: Menos Papel, Mais Árvores Nós devemos ser a mudança que queremos ver no mundo (Gandhi) Qual é o mundo que

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor.

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor. Este material foi desenvolvido especialmente para a disciplina Gestão da TI ministrada no curso de graduação em Sistemas de Informação da AES (Academia de Ensino Superior). Algumas imagens são de domínio

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais