norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT GN-SP.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP."

Transcrição

1 norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT GN-SP.ESS Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Estándar de Seguridad y Salud: Evaluación del desempeño en seguridad y salud de las empresas colaboradoras, Edição 1, com o fim de facilitar a compreensão do seu conteúdo por todos os funcionários do Grupo Gas Natural Fenosa. Em caso de divergência de interpretação resultante da tradução, o conteúdo da versão original em espanhol que está em vigor é o que deve prevalecer para todos os efeitos. Data de aprovação: 03/03/2015 Data da tradução: 09/03/2015 Avalie a necessidade de imprimir este documento; após impresso, ele será considerado cópia não controlada. Protejamos o meio ambiente.

2 Histórico de Revisões Edição Data Motivo da edição e/ou resumo de alterações 1 01/08/2014 Primeira edição do documento. Edição: 1 Página: 2 de 12

3 Índice 1. Objetivo 4 2. Abrangência 4 3. Documentos de referência 4 4. Definições 4 5. Responsabilidades 5 Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos 5 Unidade Responsável 5 Unidade corporativa de Qualidade de fornecedores 5 Unidade corporativa de Compras 6 6. Desenvolvimento Avaliação periódica do desempenho de segurança e saúde de empresas colaboradoras Métricas de Segurança e Saúde 6 7. Registros e dados. Formatos aplicáveis 9 Anexo 02: Programa de avaliação do desempenho de segurança e saúde de Empresas Colaboradoras 10 Edição: 1 Página: 3 de 12

4 1. Objetivo O presente documento estabelece os aspectos e critérios de avaliação periódica de empresas colaboradoras, que permitam avaliar de forma objetiva e homogênea o comportamento destas em matéria de segurança e saúde. Através deste, pretende-se definir mecanismos que permitam medir, controlar e gerir a melhoria continua no desempenho em. Esses mecanismos devem ser entendidos no contexto mencionado, não sendo adequada a sua aplicação direta para aspectos diferentes, tais como ações sancionadoras ou a comparação entre contratos de natureza diferente. 2. Abrangência É de aplicação em todas as empresas do grupo Gas Natural Fenosa com participação majoritária e nas empresas ou entidades onde tem responsabilidade por sua operação e/ou gestão. A avaliação do desempenho em segurança e saúde será realizada, pelo menos, para as empresas colaboradoras que se encontram classificadas dentro das famílias de compras com criticidade de risco em matéria de segurança e saúde (atividades relacionadas com a construção, exploração, manutenção, desenvolvimento de obras e serviços ou telecomunicações). 3. Documentos de referência NG GN Manual do sistema integrado de gestão. NG GN Norma Geral de Contratação Externa. NG GN Norma Geral de Qualidade de fornecedores. PG GN Compras. PG GN Gestão da qualidade de fornecedores NT GN-SP.ESS-PT.02 Inspeção Documentada. NT GN-SP-ESS Comunicação e investigação de acidentes e incidentes. NT GN-SP-ESS Regime sancionador aplicável a empresas contratadas. 4. Definições Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos: pessoa ou pessoas nomeadas por cada Negócio e/ou país, com a responsabilidade de realizar a avaliação periódica do desempenho de no âmbito do referido negócio e de transmitir os resultados da avaliação indicada às unidades corporativas de Compras e Qualidade de Fornecedores, coordenando as ações a serem realizadas. Edição: 1 Página: 4 de 12

5 Unidade Responsável: unidade organizativa de cada Negócio e/ou país, que gere de forma direta as atividades executadas por empresas colaboradoras, com base em um contrato estabelecido entre a companhia e as empresas contratadas. 5. Responsabilidades Todas as Direções Gerais do grupo Gas Natural Fenosa deverão zelar pela aplicação dos princípios gerais da presente norma, sendo sua obrigação verificar a implementação da mesma. Em seguida, são detalhadas as funções e responsabilidades derivadas desta norma: Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos - Definir o perímetro de aplicação da presente norma, quanto a empresas colaboradoras e contratos, no âmbito do seu negócio. - Obter ou coordenar a obtenção das Métricas de Segurança e Saúde definidas na presente norma, a partir da informação existente nos sistemas estabelecidos para o efeito e da informação reportada pelas unidades responsáveis e, se for o caso, pela unidade de prevenção de riscos laborais do grupo Gas Natural Fenosa. - Emitir um relatório de avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras dentro do perímetro definido para o seu negócio, segundo a periodicidade estabelecida. - Definir e realizar o acompanhamento dos planos de melhoria necessários nas empresas colaboradoras nas quais assim for definido, de acordo com o estabelecido no item 6. - Coordenar com as unidades corporativas de Compras e Qualidade de fornecedores a aplicação dos resultados das avaliações do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras nos processos de avaliação global de fornecedores e nos processos de licitação ou renovação de contratos. Unidade Responsável - Colaborar com o Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos na obtenção das Métricas de Segurança e Saúde definidas na presente norma, especialmente na que se refere à revisão de trabalhos finalizados. - Colaborar na definição e acompanhamento dos planos de melhoria necessários nas empresas colaboradoras. Unidade corporativa de Qualidade de fornecedores - Incorporar os resultados das avaliações do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras nos processos de avaliação global de fornecedores e garantir a custódia integrada dos resultados de avaliação de desempenho de fornecedores. Edição: 1 Página: 5 de 12

6 - Colaborar com o Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos na coordenação das ações necessárias a adotar, com base nos resultados de desempenho. Unidade corporativa de Compras - Incorporar os resultados das avaliações do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras nos processos de licitação ou renovação de contratos. 6. Desenvolvimento 6.1. Avaliação periódica do desempenho de segurança e saúde de empresas colaboradoras A avaliação de segurança será realizada para cada um dos fornecedores classificados dentro das famílias de compras com criticidade de risco, por contrato, pedido ou agrupamento de contratos que, na opinião do avaliador do desempenho em segurança e saúde em contratos, seja considerado mais conveniente para o seu negócio. Esta avaliação será realizada uma vez por ano (sobre um período de doze meses), ao longo do primeiro semestre do ano, e de forma pontual quando tenha ocorrido um acidente grave, muito grave ou mortal, ou qualquer outra circunstância que assim o aconselhe. O avaliador do desempenho em segurança e saúde em contratos do negócio realizará a avaliação de segurança das empresas colaboradoras no seu âmbito, a partir da informação e das métricas de segurança que devem proporcionar às empresas colaboradoras, às Unidades Responsáveis e, se for o caso, a unidade de Prevenção de riscos laborais do grupo Gas Natural Fenosa. A avaliação de desempenho de segurança será realizada preenchendo o formato NT GN-SP.ESS-FO.01 Avaliação do desempenho de segurança e saúde de empresas colaboradoras, que será enviado pelo avaliador do desempenho em segurança e saúde em contratos às unidades de Compras/Qualidade de Fornecedores. Esta avaliação de segurança será incorporada nos processos de avaliação global da empresa colaboradora, centralizada em Compras/Qualidade de Fornecedores, de forma que, para cada fornecedor avaliado, se disponha de uma avaliação do desempenho de segurança Métricas de Segurança e Saúde Os Índices de Segurança e Saúde da avaliação do desempenho de segurança e saúde das empresas colaboradoras são: IV1. Índice de acidentes. Será calculado considerando os acidentes laborais que a empresa colaboradora teve. Edição: 1 Página: 6 de 12

7 IV2. Índice de incidentes. Será calculado considerando os incidentes de segurança e saúde que a empresa colaboradora tenha comunicado. IV3. Índice de inspeções documentadas. Será calculado considerando os resultados das inspeções documentadas à empresa colaboradora. IV4. Índice de documentação de segurança e saúde laboral. Será calculado considerando a documentação de segurança e saúde entregue pela empresa colaboradora. IV5. Índice de implantação de segurança e saúde nos trabalhos. Será calculada considerando a implicação e o compromisso da empresa colaboradora com o projeto de segurança e saúde do Grupo GNF. IV6. Índice de infrações e sanções. Será calculado considerando as infrações e sanções impostas à empresa colaboradora em matéria de segurança e saúde. Quando se tiver a pontuação de cada uma das considerações anteriores, serão somadas e é obtida a pontuação geral da empresa colaboradora. A avaliação total destes índices será realizada sobre uma base máxima de 100 pontos, de forma que as empresas colaboradoras devem obter uma pontuação mínima global de 70 pontos. Se uma empresa colaboradora não alcançar a pontuação mínima, deverá implementar imediatamente um plano de melhoria que deve ser aprovado pelo negócio, cuja eficácia será revisada pelo avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos ao fim de três meses. Esta revisão será realizada preenchendo o formato NT GN-SP.ESS-FO.01 Avaliação do desempenho de segurança e saúde de empresas colaboradoras. A avaliação compreenderá o período decorrido entre a implementação e a finalização do plano de melhoria executado pela empresa colaboradora. Se a empresa colaboradora não melhorar os seus resultados de Segurança e Saúde depois do referido plano, o negócio comunicará a Compras e Qualidade de fornecedores, para que sejam aplicados os mecanismos determinados nas normas e procedimentos gerais estabelecidos para o efeito (NG.0004.GN, NG.0008.GN, PG GN, PG GN), e/ou os indicados nas normas técnicas em matéria de segurança e saúde que sejam aplicáveis. No final do ano, cada Diretoria Geral poderá realizar um reconhecimento à empresa colaboradora com melhor desempenho em segurança e saúde dentro do seu negócio Índice de acidentes, IV1 Os acidentes causados por atos ou ações inseguras da empresa colaboradora resultarão em penalização na classificação com uma pontuação máxima de 30 pontos. Edição: 1 Página: 7 de 12

8 A categorização dos acidentes das empresas colaboradoras seguirá o critério assinalado na NT GN-SP-ESS Comunicação e investigação de acidentes e incidentes. O cálculo do índice de acidentes IV1 é indicado no anexo Índice de incidentes, IV2 Os incidentes comunicados pela empresa colaboradora contribuirão para a classificação de forma positiva com um máximo de 5 pontos, para compensar os pontos perdidos no item IV1, dado que é evidenciado com este fato a vontade de melhorar o planejamento preventivo da atividade. Caso a pontuação do índice IV1 seja 30, o índice IV2 não se aplicará na avaliação. Para considerar a avaliação positiva do incidente, em conjunto com a comunicação do mesmo, o avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos deverá indicar a lição aprendida e/ou as ações preventivas implementadas. A categorização dos incidentes das empresas colaboradoras seguirá o critério assinalado na NT GN-SP-ESS Comunicação e investigação de acidentes e incidentes. O cálculo do índice de incidentes IV2 é indicado no anexo Índice de inspeções documentadas, IV3 Os resultados das inspeções documentadas penalizarão a classificação com uma pontuação máxima de 20 pontos. As inspeções documentadas serão realizadas seguindo a NT GN-SP.ESS- PT.02. "Inspeção documentada" O cálculo do índice de inspeções documentadas IV3 é indicado no anexo Índice de documentação de segurança e saúde laboral entregue, IV4 As falhas na entrega de documentação de segurança e saúde laboral penalizarão a classificação com uma pontuação máxima de 15 pontos. Através da ferramenta de gestão documental, será avaliado o compromisso da empresa colaboradora na contribuição e atualização da documentação em matéria de prevenção de riscos laborais exigida previamente e durante a execução dos trabalhos. O atraso na entrega da documentação de segurança e saúde laboral requerida, pode implicar em atrasos no início dos trabalhos que serão tidos em conta pelo Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos. O cálculo do índice de documentação de segurança e saúde laboral IV4 é indicado no anexo 02 Edição: 1 Página: 8 de 12

9 Índice de implantação de segurança e saúde nos trabalhos, IV5 A avaliação da implicação da empresa colaboradora com o projeto de segurança e saúde do Grupo GNF contribuirá para a classificação com uma pontuação máxima de 15 pontos. O Avaliador do desempenho de segurança e saúde em contratos do negócio solicitará à Unidade Responsável pela atividade que a empresa colaboradora desenvolve, a avaliação com o compromisso visível de segurança e saúde dos trabalhos executados pelo contratado de acordo com o indicado no item de implantação de segurança e saúde nos trabalhos (anexo 02). O cálculo do índice de implantação de segurança e saúde nos trabalhos IV5 é indicado no anexo Índice de Infrações e sanções, IV6 As infrações e sanções penalizarão a classificação com uma pontuação máxima de 20 pontos. A categorização de desvios que tenham sido causados por ações sancionadoras a empresas colaboradoras, seguirá o critério assinalado na NT GN-SP- ESS Regime sancionador aplicável a empresas contratadas O cálculo do índice de infrações e sanções IV6 é indicado no anexo Registros e dados. Formatos aplicáveis NT GN-SP.ESS-FO.01 Avaliação do desempenho de segurança e saúde de empresas colaboradoras Edição: 1 Página: 9 de 12

10 Anexo 02: Programa de avaliação do desempenho de segurança e saúde de Empresas Colaboradoras Para cada empresa contratada será realizado um processo de avaliação com uma pontuação de objetivo máximo de 100 pontos, de forma que serão aplicados pontos em função dos critérios indicados em seguida. Caso algum aspecto desta avaliação não seja avaliável pela tipologia da atividade que a empresa colaboradora está desenvolvendo, os pontos serão atribuídos proporcionalmente aos aspectos restantes. 1) Consideração de acidentes, IV1 PONTUAÇÃO DE PARTIDA 30 Pontos Por cada acidente causado por ações ou condições inseguras por parte da empresa contratada, serão subtraídos pontos de acordo com a seguinte tabela. acidente sem baixa acidente leve com baixa acidente com baixa grave ou mortal -3 pontos -10 pontos -30 pontos 2) Consideração de incidentes, IV2 O número de incidentes reportados pela empresa melhorará a pontuação conseguida até um máximo de 5 pontos. Cada incidente reportado compensará com 1 ponto os subtraídos no item anterior de consideração de acidentes IV1, de forma que a soma do IV1+IV2 não será superior a 30. Caso o índice IV1 seja 30, o índice IV2 não será aplicado na avaliação. 3) Consideração de inspeções documentadas, IV3 PONTUAÇÃO DE PARTIDA 20 Pontos Em função dos resultados obtidos nas inspeções documentadas serão subtraídos pontos de acordo com a seguinte tabela: Proporção < 0,25 0,25 Proporção < 0,5 0,5 Proporção < 0,75 0,75 Proporção < 1 Proporção = 1 IV3 0 pontos -5 pontos -10 pontos -15 pontos -20 pontos Proporção = (nº inspeções com desvios)/(nº de inspeções realizadas) Edição: 1 Página: 10 de 12

11 4) Consideração de documentação de segurança e saúde laboral entregue, IV4 PONTUAÇÃO DE PARTIDA 15 Pontos A porcentagem de documentos não apresentados corretamente relativamente ao total da documentação solicitada. Caso se disponha de verificações periódicas do grau de preenchimento de documentação de segurança e saúde, o cálculo será realizado sobre o valor médio das referidas verificações. Caso contrário, o cálculo será realizado segundo a documentação disponível no momento da avaliação. % % 5 5 < % < % 15 % > 15 IV4 0 pontos -5 pontos -10 pontos -15 pontos %=(nº documentos não apresentados corretamente)/(nº total de documentos considerados) 5) Consideração de implantação de segurança e saúde nos trabalhos, IV5 PONTUAÇÃO DE PARTIDA 15 Pontos A avaliação da implicação e do compromisso visível da empresa colaboradora com o projeto de segurança e saúde do Grupo GNF durante o desenvolvimento dos trabalhos será realizada pela unidade responsável, considerando os seguintes critérios: Aspectos Compromisso visível das chefias intermédias da empresa colaboradora com o projeto de segurança e saúde. Diligência na solução das deficiências detectadas nas suas obras. Desenvolvimento de iniciativas próprias de melhoria da segurança nas obras do Grupo GNF. Colaboração da empresa colaboradora com o pessoal do Grupo GNF nas OPS e atividades de supervisão. Participação ativa da empresa colaboradora em questões de segurança e saúde durante as reuniões de coordenação. Uma vez analisados estes aspectos, serão atribuídos os pontos correspondentes tendo como referência a seguinte tabela: Tipo de Compromisso Compromisso EXCELENTE Compromisso BOM Compromisso REGULAR Compromisso MAU Pontos 15 pontos 10 pontos 5 pontos 0 pontos Edição: 1 Página: 11 de 12

12 6) Consideração de Infrações e sanções, IV6 PONTUAÇÃO DE PARTIDA 20 Pontos Por cada desvio serão subtraídos pontos de acordo com a seguinte tabela Desvio leve Desvio grave Desvio muito grave -3 Pontos -10 pontos -20 pontos Edição: 1 Página: 12 de 12

13 Avaliação do Desempenho de Segurança de Empresas Colaboradoras Negócio: Empresa Colaboradora: Contrato/ pedido a avaliar: PONTUAÇÃO OBJETIVO 100 Pontos Realizado por: Data avaliação: Período de avaliação: Consideração de acidentes, IV1 mínima máxima 0 30 Classificação de acidentes N.º acidentes Subtotal 1.1 inicial N/A N/A Sem Baixa 1.3 Leve com Baixa 1.4 Com baixa grave ou mortal Penalização por acidente Total IV1 ( ) Consideração de incidentes, IV2 mínima máxima Critério Incidentes+ Lição+Ações* N.º incidentes notificados por incidente notificado 1 Subtotal Total IV2 (2.1) NT GN-SP.ESS-FO.01 Rev. 1 Consideração de inspeções documentadas, IV3 Consideração de documentação de segurança e saúde laboral entregue, IV4 Consideração de implantação de segurança e saúde nos trabalhos, IV5 Consideração de Infrações e sanções, IV6 mínima máxima 0 20 mínima mínima mínima máxima 0 15 máxima 0 15 máxima 0 20 IDS com desvios/ids realizadas Penalização Subtotal 3.1 inicial N/A Proporção < 0,25 0,25 Proporção < 0,5 0,5 Proporção < 0,75 0,75 Proporção < 1 Proporção = Total IV3 ( ) % documentação não entregue corretamente Penalização % documentação não apresentada Subtotal 4.1 inicial N/A % 5 5 < % < % 15 % > Aspectos máxima Subtotal Compromisso Visível de chefias Diligência resolver deficiências Iniciativas próprias em segurança Colaboração com a GNF Participação em reuniões Total IV5 ( ) Classificação de infrações e sanções No. Penalização por infração/sanção Subtotal 6.1 inicial N/A N/A Leves 6.3 Graves 6.4 Muito Graves Total IV4 ( ) Total IV6 ( ) PONTUAÇÃO TOTAL * Cada incidente reportado com a lição aprendida e as ações de prevenção implementadas compensará com 1 ponto os subtraídos no ponto anterior de Consideração de acidentes IV1. Caso a pontuação do índice IV1 seja 30, o índice IV2 não se aplicará na avaliação.

norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Colaboradoras Código: NT.00051.GN-SP.ESS Edição: 1

norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Colaboradoras Código: NT.00051.GN-SP.ESS Edição: 1 norma técnica Norma de Segurança e Saúde: Orientação e informação a Empresas Código: NT.00051.GN-SP.ESS Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do documento original Estándar de Seguridad

Leia mais

O DIRETOR DE COMPRAS, PREVENÇÃO E SERVIÇOS GERAIS

O DIRETOR DE COMPRAS, PREVENÇÃO E SERVIÇOS GERAIS norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: Regime sancionador aplicável a empresas contratadas Código: NT.00045.GN-SP.ESS Edição: 2 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014 NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP Outubro 2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Outubro de 2014 Agenda 1. O Grupo EDP 2. O Sistema de Gestão da

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda.

Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. Condições Gerais de Compra da Air Products Brasil Ltda. 1. Aplicabilidade 2. Entrega 3. Preços e pagamentos 4. Inspeção 5. Garantia 6. Cancelamento 7. Subcontratação e Cessão 8. Código de conduta 9. Saúde

Leia mais

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE Página 1 Anexo II.2 PROJETO BÁSICO: SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE 1. CONCEITUAÇÃO O Sistema de Controle da Qualidade do Serviço Público de

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

Service Desk. IT Management Software. Certified Partner

Service Desk. IT Management Software. Certified Partner Certified Partner Você não está precisando melhorar a qualidade do suporte técnico de sua empresa, reduzir radicalmente o tempo de resposta e gerir com as melhores práticas os processos de serviço? Atualmente,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Disciplina: Segurança do Trabalho Alunos: Douglas Jeronymo Serra João Longo Profᵃ. Elizabeth Cox História da CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Leia mais

Processo de Não Conformidade, Produto Não Conforme e Melhorias

Processo de Não Conformidade, Produto Não Conforme e Melhorias Dono do Processo Bruno Silva Mendonça Substituto: Marilusa L B Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção 1 OBJETIVOS Estabelecer o mecanismo de identificação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. N 56/02 SECRETARÍA DEL MERCOSUR DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE REGULAMENTOS TÉCNICOS MERCOSUL E PROCEDIMENTOS MERCOSUL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC N

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

invgate Service Desk

invgate Service Desk invgate Service Desk 02 Informação Geral. 03 Funcionalidades. 06 Beneficiação. Índice. 02 Informação Geral. Revolucione seu departamento de IT Administrar seu departamento de IT é fácil Atualmente, os

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 22.2.2014 Jornal Oficial da União Europeia C 51/3 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 19 de novembro de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Estágio Regimento Interno

FACULDADE 7 DE SETEMBRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Estágio Regimento Interno FACULDADE 7 DE SETEMBRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Regimento Interno Objetivo: Promover a prática profissional para os alunos do Curso de Sistemas de Informação criando as circunstâncias necessárias: ao exercício

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS

TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM CUSTO CONTRATAÇÃO POR MÓDULOS Gestão de Pessoas OTIMIZA O ATENDIMENTO ÀS NORMAS ISO, ONA, OHSAS, TS, AS, PBQP-h, ABNT, NR, ANVISA, entre outras, além de se adaptar aos requisitos internos da empresa. TREINAMENTO E SUPORTE ONLINE SEM

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MAIO / 2015 REGULAMENTO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS Art. 1º: Aproveitamento de estudos é o resultado do reconhecimento da equivalência

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA EDITAL DE SELEÇÃO. Projeto de Extensão Educação para o trânsito: a comunicação contribuindo para a cidadania.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA EDITAL DE SELEÇÃO. Projeto de Extensão Educação para o trânsito: a comunicação contribuindo para a cidadania. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA EDITAL DE SELEÇÃO Projeto de Extensão Educação para o trânsito: a comunicação contribuindo para a cidadania. A Coordenação do Projeto de Extensão Educação para o trânsito:

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO APRESENTAÇÃO Este manual é

Leia mais

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI

Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Gerenciamento de Redes Gerenciamento OSI Disciplina: Gerenciamento e Segurança de Redes Prof.: Edmar Roberto Santana de Rezende Faculdade de Engenharia de Computação Centro de Ciências Exatas, Ambientais

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO

COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO COMISSÃO DA MARCA DE QUALIDADE LNEC SECÇÃO DE INSCRIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO QUALIFICAÇÃO COMO GESTOR GERAL DA QUALIDADE DE EMPREENDIMENTOS DA CONSTRUÇÃO INSTRUÇÕES DE CANDIDATURA 1. DESTINATÁRIOS A Marca de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara

AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara AUDITORIA EM SISTEMAS DA QUALIDADE (CONCEITOS) Prof. William Takahara INTRODUÇÃO AUDITORIA NÃO É SINDICÂNCIA AUDITADO NÃO É PESSOA SISTEMA PROCESSO PRODUTO REPRESENTANTE DO AUDITADO DIRETOR GERENTE CHEFE

Leia mais

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96;

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96; ATO NORMATIVO da Secretaria Municipal da Educação Resolução SME nº4, de 05 de março de 2015. Dispõe sobre a Recuperação da Aprendizagem, de maneira Contínua e/ou Paralela, no Ensino Fundamental da Rede

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Saada Chequer Fernandez

Saada Chequer Fernandez Saada Chequer Fernandez Analista de Gestão em Saúde Coordenação da Qualidade CIQ/Direh/FIOCRUZ Gerenciamento da Qualidade em Laboratório de Anatomia Patológica VI Congresso Regional de Histotecnologia

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Atrair visitantes para a programação dos equipames Número de visitantes presentes nas atividades da programação Somatório de público presente nas atividades da programação >= 180000 Promover a visitação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.010 Denominação: Controle de Documentos do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática e os critérios para a elaboração, revisão, aprovação

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS)

Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS) Definições relativas ao Banco de Dados de Perdas Operacionais Susep (BDPOS) 10ª Reunião do GT de Risco Operacional DITEC/CGSOA/COARI/DIRIS Etapas para a implementação do BDPOS Controles de Captura e Classificação

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs s para o direito interno a diretiva

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Política de Qualidade e de Gestão Ambiental

Política de Qualidade e de Gestão Ambiental Política de Qualidade e de Gestão Ambiental Por convicção própria, para a Ayesa Engenharia Civil e Arquitetura, a orientação para a satisfação dos nossos dos nossos clientes, a excelência na qualidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais