MELHORIA DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE FICHAS CATALOGRÁFICAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP (SBU)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHORIA DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE FICHAS CATALOGRÁFICAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP (SBU)"

Transcrição

1 MELHORIA DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE FICHAS CATALOGRÁFICAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP (SBU) Eixo Temático: Produtos e serviços de catalogação. Roberta Cristina Dal' Evedove Tartarotti 1 Ana Regina Machado 2 Marta dos Santos 3 Rosemeire da Silva 4 Otoniel Feliciano 5 Gilmar Vicente 6 Heloisa Maria Ceccotti 7 Oscar Eliel 8 Resumo: As Bibliotecas do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) realizam o serviço de elaboração de fichas catalográficas atendendo a sua comunidade discente, possibilitando a homologação de sua publicação. O objetivo da catalogação na publicação de dissertações e teses da Unicamp é contribuir para que a produção técnico-científica receba um tratamento descritivo-temático padronizado, permitindo sua efetiva recuperação e promovendo maior visibilidade da produção científica da universidade, não apenas no contexto específico da instituição como em âmbito mundial. O trabalho apresenta o redesenho do processo de elaboração de fichas catalográficas realizado pelo Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU), pautado na metodologia de Gestão por Processos (GePro). Como considerações parciais, destaca-se que a implantação do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU tem viabilizado a unificação, a padronização e a otimização da prestação desse serviço na instituição. Palavras-chave: Gestão por processos. Catalogação na publicação. Desenvolvimento de software. Bibliotecas universitárias. Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU). Abstract: The Unicamp Library System (SBU Sistema de Bibliotecas da Unicamp) offers to the students of Unicamp the service of preparing catalog cards, which enables the approval of their publication. The objective of cataloging in publication of master s dissertations and doctoral theses defended at Unicamp is to contribute to the standardization of the descriptive-thematic treatment of the overall technicalscientific production, by allowing its effective recovery and by promoting greater visibility of the scientific production conducted at the university, be it locally, be it worldwide. The paper presents the redesign of the process of preparing catalog cards developed by the SBU, based on the methodology of Business Process Management (BPM). Our preliminary evaluation has demonstrated that the 1 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 2 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 3 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 4 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 5 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 6 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 7 Contato: Universidade Estadual de Campinas. 8 Contato: Universidade Estadual de Campinas.

2 implementation of the Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas (Preparation of Catalog Cards Online System) of SBU has enabled the unification, the standardization, as well as the optimization of the services offered by the SBU. Keywords: Process management. Cataloging in publication. Software development. University libraries. Unicamp Library System (SBU). Resumen: Las Bibliotecas del Sistema de Bibliotecas de Unicamp (SBU) realizan el servicio de preparación de registros catalográficos para su comunidad estudiantil, lo que permite la homologación de su publicación. El objetivo de la catalogación en la publicación de disertaciones de maestría y tesis doctorales de Unicamp es contribuir para que la producción técnico-científica reciba un análisis descriptivo-temático estandarizado, permitiendo su recuperación efectiva, acompañada de una mayor visibilidad nacional e internacional de la producción científica de la universidad. Nuestro artículo presenta el rediseño del proceso de elaboración de registros catalográficos desarrollados por el Sistema de Bibliotecas de Unicamp (SBU), que se basa en la metodología de Gestión por Procesos (GP). Según nuestra evaluación preliminar, se señala que la implementación del Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas (Sistema Online de Elaboración de Registros Catalográficos) del SBU ha permitido la unificación, la estandarización y la optimización de la prestación de dicho servicio en la institución. Palabras clave: Gestión por procesos. Catalogación en la publicación. Desarrollo de software. Bibliotecas universitárias. Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU). 1 INTRODUÇÃO O Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) foi criado oficialmente em 25/11/2003, através da Deliberação Consu-A-30. O Regimento Interno do SBU foi disposto pela Deliberação CONSU A-4, de 01/06/2005. É composto pelo Órgão Colegiado, Coordenadoria do SBU e 27 bibliotecas, sendo uma Biblioteca Central (BCCL), uma Biblioteca de Área Biblioteca da Área de Engenharia e Arquitetura (BAE), 18 Bibliotecas de Unidades de Ensino e Pesquisa: Colégio Técnico de Campinas (CTC), Colégio Técnico de Limeira (CTL), Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), Faculdade de Ciências Médicas (FCM), Faculdade de Educação (FE), Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA), Faculdade de Educação Física (FEF), Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP), Faculdade de Tecnologia (FT), Instituto de Artes (IA), Instituto de Biologia (IB), Instituto de Economia (IE), Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW), Instituto de Geociências (IG), Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC), Instituto de Química (IQ) e 7 Bibliotecas vinculadas aos Centros e Núcleos: Centro de 2

3 Integração, Documentação e Difusão Cultural (CIDDIC) Centro de Engenharia Biomédica (CEB), Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE), Centro de Memória da Unicamp (CMU), Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP), Núcleo de Estudos de População (NEPO), Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade (NUDECRI) (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, 2012). O Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) tem como missão prover o acesso, a recuperação e a preservação da informação para subsidiar o ensino, a pesquisa e a extensão, contribuindo para a educação universitária e formação profissional do indivíduo, de forma que o conhecimento adquirido possa ser aplicado no desenvolvimento da sociedade. Para o cumprimento de sua missão, o SBU deve obedecer aos seguintes princípios: estabelecer e garantir políticas de acesso à informação; atualizar e preservar continuamente o acervo; promover a integração das Bibliotecas da Unicamp. Quanto aos valores, o SBU busca a satisfação do usuário; a competência profissional; a cooperação para a divulgação da informação científica, tecnológica e artística; a qualidade dos serviços e produtos. O SBU tem como objetivos: dar suporte aos programas de ensino, pesquisa e extensão; definir a política de desenvolvimento dos diferentes acervos que compõem as Bibliotecas da Universidade; possibilitar à comunidade universitária e científica o acesso à informação armazenada e gerada na Unicamp; promover intercâmbio de experiências e acervos (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, 2006). Para atingir seus objetivos, compete ao SBU: a) adotar padrões ou critérios de organização e administração na área biblioteconômica; b) acompanhar e adotar os avanços tecnológicos pertinentes à área de informação utilizando novas tecnologias para integrar rotinas de trabalho, disponibilização de seus acervos online para a pesquisa e localização dos materiais bibliográficos; c) promover o aperfeiçoamento do pessoal técnico e auxiliar; d) cadastrar e disseminar as informações bibliográficas geradas pela própria Universidade, assessorando quanto à apresentação técnica das publicações; e) oferecer atendimento à comunidade universitária, por meio de seu acervo; f) dar acesso à comunidade universitária a documentos não existentes no próprio acervo através de serviços de intercâmbio; g) integrar-se aos sistemas nacionais e internacionais de informação, visando o acesso à produção científica internacional e à divulgação da produção gerada pela 3

4 Universidade (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, 2006). A trajetória do SBU tem sido pautada pela agregação de valores aos serviços e produtos oferecidos à sua comunidade, utilizando as tecnologias de informação e comunicação, na integração das rotinas de trabalho e, principalmente, na disponibilização de seus acervos via redes internas e interface web para a pesquisa e localização dos materiais bibliográficos. A Unicamp, como Universidade de excelência em pesquisa, gera anualmente milhares de documentos de sua produção científica, tanto em artigos de periódicos, quanto de teses, dissertações, trabalhos de conclusão de cursos de Especialização e de Graduação. Para as publicações produzidas na Universidade, com exceção dos artigos, é obrigatória a apresentação da ficha catalográfica, elaborada exclusivamente por um profissional bibliotecário, uma vez que determinadas informações são de cunho técnico da área biblioteconômica. As Bibliotecas do SBU realizam o serviço de elaboração da ficha catalográfica para todos os alunos, possibilitando a homologação de sua publicação. Além disso, realiza a catalogação na publicação para os materiais da Editora da Unicamp, assim como para outras três editoras conveniadas. Cada Biblioteca é responsável pela produção de sua(s) Unidade(s) e as catalogações das editoras são elaboradas pela Diretoria de Tratamento da Informação (DTRI), localizada no prédio da Biblioteca Central César Lattes. Antes da implantação do sistema, as solicitações eram recebidas em cada Biblioteca de diversas maneiras pessoalmente, por meio de formulário ou por . A Biblioteca da Área de Engenharia e Arquitetura (BAE) foi a precursora no desenvolvimento de um software para automatização do processo. O projeto de melhoria de elaboração da ficha catalográfica foi elaborado atendendo os requisitos de melhorias estipulados no Planes Unicamp (Planejamento Estratégico da Unicamp) inserido no Programa 12: simplicidade, racionalidade e padronização dos processos. Atendeu ainda, a linha de ação do programa do Planes SBU: qualidade total do Sistema/propor elaboração de manuais de serviços e procedimentos ao SBU. A proposta de melhoria do processo de elaboração de fichas catalográficas do SBU surgiu a partir das seguintes constatações: falta de padronização do serviço; alto percentual de informações não confiáveis recebidas do aluno; necessidade de várias comunicações entre o bibliotecário e o aluno/orientador, aumentando 4

5 sobremaneira o tempo para sua completa finalização. Além disso, a distância pode ser considerado outro fator no aumento do tempo de elaboração da ficha, uma vez que muitos alunos não residem na cidade, estando por vezes fora do país. Visto estas considerações, o objetivo deste trabalho é apresentar o desenvolvimento e implantação do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU na Unicamp. 2 O PROCESSO DE CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS As bibliotecas universitárias desempenham um importante papel na contemporaneidade, consideradas um sistema de informação inseridas em um contexto maior, acadêmico, cujos objetivos maiores são o desenvolvimento educacional, social, político e econômico da sociedade humana (FUJITA, 2005, p. 2,4) A introdução das novas tecnologias da informação nas bibliotecas universitárias alterou significativamente as formas de produção, armazenamento, processamento e disseminação da informação, possibilitando a utilização de recursos eletrônicos que favorecem o aprimoramento e a agilização do processo de transferência de informação. Ao longo da história, o papel das bibliotecas como instituições inseridas na sociedade giram em torno de quatro principais atividades (e ainda na atualidade): adquirindo materiais informativos diversos, conservando-os de maneira adequada, organizando-os para um acesso público e auxiliando os usuários na localização da informação relevante (MAGÁN WALS, 2004). Desse modo, as bibliotecas universitárias sempre estiveram inseridas em um contexto social e mutável, adaptando-se às mudanças e às novas necessidades sociais, desempenhando papéis estratégicos para o controle da informação. Na atualidade, a diversificação dos suportes empregados para a disseminação da informação e novos desenvolvimentos da técnica para o tratamento, controle e armazenamento da informação como resposta ao fenômeno tantas vezes assinalado como explosão da informação tem sido um desafio para as bibliotecas universitárias (MAGÁN WALS, 2004). 5

6 No âmbito da Ciência da Informação, destaca-se como subárea da Organização da Informação (OI) o Tratamento da Informação (TI), definido como um conjunto de procedimentos que incidem sobre um conhecimento socializado, tendo seu produto uma utilidade social e individual. Por estarem inseridos em uma abordagem social, estes mesmos procedimentos variam de acordo com os contextos em que são produzidos ou os fins a que se destinam, pois é a partir destes que se desenvolvem os parâmetros de organização (GUIMARÃES, 2009, p. 106). Estas características apontam duas vertentes do tratamento documental: tratamento descritivo e tratamento temático. Enquanto o tratamento descritivo centra-se nos aspectos mais objetivos capazes de bem identificar, extrinsecamente, um documento (autor, título, etc.), o tratamento temático, ao contrário, tem uma forte carga subjetiva pois, como o nome indica, visa caracterizar o documento do ponto de vista do seu conteúdo (DIAS; NAVES, 2007). Na esfera do Tratamento da Informação, o processo de catalogação é definido como [...] o estudo, preparação e organização de mensagens codificadas, com base em termos existentes ou passíveis de inclusão em um ou vários acervos, de forma a permitir interseção entre as mensagens contidas nos itens e as mensagens internas dos usuários (MEY, 1995, p. 5). Conforme Raju e Raju (2006, p. 12), também pode ser definido como o processo de preparação de entradas para um catálogo de acordo com um conjunto de regras de modo a permitir que o usuário conheça: quais itens estão disponíveis e a partir do indicador de localização, onde os itens podem ser localizados. Na visão de Guimarães (2009, p. 106), a catalogação é considerada [...] um grande universo de tratamento documental em cujo âmbito se inserem a catalogação descritiva, a catalogação de assunto e, ainda, a classificação, como universo notacional de localização física do documento em bibliotecas organizadas pelo arranjo sistemático. A catalogação descritiva é um aspecto do processo de catalogação que envolve a representação de uma descrição bibliográfica de itens e a determinação de pontos de acesso em registros catalográficos. Não inclui a representação por assuntos (RAJU; RAJU, 2006, p. 13, tradução nossa). Já a catalogação de assunto refere-se ao aspecto do processo de catalogação que consiste na realização de análise de assunto de itens e fornecer notações de classificação e cabeçalhos de assunto que representam o assunto contido nos items (RAJU; RAJU, 2006, p. 15, 6

7 tradução nossa). Através da catalogação descritiva e da catalogação de assunto utilizando padrões de metadados [...] os registros bibliográficos são criados para padrões de informação. Através da organização sistemática destes registros em algumas ferramentas bibliográficas torna-se possível estar ciente de que fontes de informação estão disponíveis e onde elas podem ser localizadas (RAJU; RAJU, 2006, p. 10, tradução nossa). No contexto das bibliotecas universitárias, o catálogo - produto da catalogação - dá visibilidade à coleção de itens informacionais; permite conhecer quais autores, títulos ou determinados assuntos compõem a coleção; reúne todas as obras de um autor e todas as edições de uma mesma obra e todos os trabalhos sobre um mesmo assunto, mesmo que eles não possam ser reunidos fisicamente na coleção e oferece algum tipo de dispositivo de localização para indicar onde na coleção o item pode ser localizado, caso não esteja em circulação. Desta maneira, os dois principais resultados do processo de catalogação são: 1) o arranjo de coleções; e 2) a criação e manutenção do catálogo que fornece o maior acesso para as coleções (TAYLOR; JOUDAREY, 2009, p. 10). Por definição, a catalogação na publicação é a catalogação de teses, dissertações, livros, etc. antes de sua publicação, quando eles ainda se encontram em fase de elaboração do material, de maneira a permitir a impressão de informações bibliográficas no próprio documento, conforme o Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR2) (CÓDIGO DE CATALOGAÇÃO ANGLO- AMERICANO, 2004). A ficha catalográfica de dissertações e teses da Unicamp reúne num único lugar, no verso da página de rosto, dados pertinentes à obra, tais como: autoria, título e subtítulo, ano, orientador e coorientador, local, assuntos (descritores), Cutter, título e subtítulo em inglês, palavras-chave em inglês, programa de pós-graduação e sua respectiva área de concentração, titulação, nome completo dos membros titulares da banca examinadora e data da defesa. Para Raju e Raju (2006, p. 11, tradução nossa), o ponto de acesso refere-se a qualquer termo em um registro bibliográfico que pode ser usado para localizar um registro e um nome, uma palavra ou frase, escolhida por um catalogador ou indexador, colocado em um campo particular em um registro que descreve um recurso. A recuperação bem sucedida dos recursos de informação depende da inclusão de metadados suficientes e a atividade que acrescenta o maior valor para a 7

8 utilidade e potencial de recuperação de uma coleção é o fornecimento de autoridade de nome pessoal controlado, o título e os pontos de acesso por assunto dos recursos de informação (TAYLOR; JOUDAREY, 2009, p. 6). Dessa forma, o objetivo da catalogação de teses e dissertações da Unicamp é contribuir para que a produção técnico-científica da Universidade receba um tratamento descritivo-temático padronizado, permitindo sua efetiva recuperação, não apenas no contexto específico da instituição como em âmbito mundial. 3 A METODOLOGIA DE GESTÃO POR PROCESSOS A metodologia GePro (Gestão por Processos) foi criada em 2003 pela Pró- Reitoria de Desenvolvimento Universitário (PRDU) da Unicamp, com o objetivo de implantar a Gestão por Processos na Universidade (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, 2003). Desenvolvida por profissionais da Unicamp, a metodologia por gestão de processos está baseada em conceitos da gestão da qualidade, construída com base na literatura da área. O objetivo é formar e capacitar os colaboradores das diversas áreas multidisciplinares da Universidade, independente do nível hierárquico, para conduzir e realizar melhorias nos processos em suas rotinas de trabalho. Pretendese ainda, com esta metodologia, desenvolver a competência no assunto em toda a Unicamp, proporcionando uma administração mais ágil e dinâmica, com colaboradores mais motivados. Conforme a Universidade Estadual de Campinas (2003), as principais ferramentas da metodologia GePro utilizadas no desenvolvimento deste projeto foram: VOC (Voz do Cliente): método utilizado para descrever as necessidades do cliente e suas percepções sobre o serviço a ser oferecido ou já oferecido. Através desta ferramenta foi elaborado e enviado um questionário aos alunos e bibliotecários que elaboram a ficha catalográfica. O VOC foi aplicado tanto no processo anterior quanto no processo atual, com o objetivo de identificar possíveis melhorias. Mapas de Relacionamento: O mapa foi utilizado para descrever o processo de elaboração da ficha catalográfica, desde a coleta das informações necessárias para a elaboração até o recebimento da ficha pronta pelo usuário. 8

9 Requisitos: Foram identificados através do VOC, os requisitos desejados pelos clientes (alunos e bibliotecários) referentes aos seus anseios, para a melhoria do serviço. Mapa do Processo Atual e Novo: Esta ferramenta mostra de forma clara quais atividades são realizadas, qual a sequência de execução das mesmas, quem as realiza (área, função ou pessoa), facilitando a visualização de pontos de melhorias necessárias. O mapa do processo (fluxograma) foi utilizado como suporte para descrever o processo de elaboração das fichas antes da implantação e ainda como o processo deveria funcionar após com a implantação do novo Sistema. Desconexões: foi feito um levantamento das atividades desenvolvidas no antigo processo para identificar possíveis desconexões como: saídas de ações necessárias, que deixavam de atender expectativas de qualidade dos usuários ou até prazos, e ainda se as atividades desenvolvidas estavam atendendo as expectativas internas de produtividade ou de custos. Ciclo de melhoria PDSA: Os ciclos PDSA (planejar, fazer, estudar e agir) é um método padrão de trabalho para testar e implementar mudanças de maneira rápida e eficaz. Permitiu avaliar se o tempo gasto pelo catalogador no processo anterior de elaboração de ficha catalográfica era adequado, e também, se esse tempo (incluindo o tempo de feedback do aluno), também era adequado. O ciclo permitiu ainda observar as possíveis inconsistências para assim o processo de melhoria de elaboração de fichas catalográficas. Planilhas de Atividades: ferramenta que permitiu relacionar todas as atividades envolvidas no processo de elaboração da ficha catalográfica, assim como quem realiza cada atividade. A planilha possui ainda um campo de observação para indicar quais normas/legislações que a atividade segue e condições especiais de realização, quando necessário. Plano de Ação 5W2H: esta ferramenta foi utilizada para planejar o processo de melhoria, distribuindo as tarefas entre os integrantes da equipe, permitindo acompanhar o que cada um estava fazendo. Por meio das ferramentas e atividades desenvolvidas no decorrer do curso, foi possível identificar melhorias, permitindo à equipe novos pontos de vista e a identificação de outros fatores que interferiam no processo, e, consequentemente, tornando o sistema/produto final mais organizado e otimizado. 9

10 4 O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DE ELABORAÇÃO DE FICHAS CATALOGRÁFICAS DO SBU Com o intuito de apresentar as principais funcionalidades e tecnologias utilizadas no desenvolvimento do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU, primeiramente é preciso abordar a Engenharia de Software, que foca na qualidade e lança mão de processos, métodos e ferramentas para atingi-la. A Engenharia de Software é o ramo da computação que trata do desenvolvimento de sistemas de softwares complexos, construídos por equipes de engenheiros. Este campo do conhecimento refere-se ao estabelecimento e uso de princípios fundamentais de engenharia para obter software economicamente viável e que funcione eficientemente em máquinas reais (NATO SOFTWARE ENGINEERING CONFERENCE, 1969). Também pode ser definida como a aplicação de uma abordagem sistemática, disciplinada e quantificável para o desenvolvimento de um produto de software (THE INSTITUTE OF ELECTRICAL AND ELECTRONICS ENGINEERS, 1998, grifo nosso). A sistemática envolve uma sequência de atividades e artefatos bem definidos, enquanto que disciplinada significa que todos os processos seguem os princípios organizacionais onde resultados intermediários e finais são corretamente documentados com ações rastreáveis que permitem identificar suas causas. Já quantificável refere-se à mensuração do esforço despendido para cada tarefa (tamanho do código fonte, tamanho do armazenamento de dados, documentação, taxa de erros e apoio ao usuário), sendo que este esforço deve estar dentro dos limites previstos. O projeto deste software surgiu a partir de necessidades apontadas no projeto GePro: melhoria do processo de elaboração de fichas catalográficas do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU). Uma das primeiras fases do projeto foi o levantamento de requisitos, onde buscou-se compreender as reais necessidades dos usuários. Foram realizadas entrevistas objetivando compreender melhor o funcionamento do processo (antigo e novo) de elaboração de fichas catalográficas, o qual seria informatizado. Após o levantamento de requisitos, iniciou-se a etapa de análise das 10

11 necessidades apresentadas pelos usuários (clientes), conhecida como análise de requisitos, onde foram examinados os requisitos enunciados pelos usuários e verificados se estes foram especificados corretamente e se foram realmente bem compreendidos. A partir da etapa de análise de requisitos, foram determinadas as reais necessidades do sistema de informação. Utilizou-se a UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem Unificada), uma linguagem visual para modelar e documentar o sistema de informação por meio do paradigma de Orientação a Objetos (OO). Essa linguagem tornou-se, nos últimos anos, a linguagem padrão de modelagem de software adotada internacionalmente pela indústria de Engenharia de Software. A UML auxilia os engenheiros de software a definir as características do mesmo, tais como seus requisitos, comportamento, estrutura lógica, dinâmica de seus processos e até mesmo suas necessidades físicas em relação ao equipamento sobre o qual o sistema deverá ser implantado. Cada diagrama da UML analisa o sistema, ou parte dele, sob uma determinada ótica, como se o sistema fosse modelado em camadas. Alguns diagramas enfocam o sistema de forma mais geral, apresentando uma visão externa do sistema (o objetivo dos Diagramas de Casos de Uso ou UC), representados nas Figuras 1 e 2, seguidas de uma breve descrição de UC. Figura 1: UC Processo de solicitação. Fonte: Elaborado pelos autores. 11

12 Figura 2: UC Processo de configuração. Fonte: Elaborado pelos autores O processo online de solicitação de ficha catalográfica e consulta de status de pedido são centralizados, ou seja, todos os alunos da Universidade utilizam o mesmo formulário eletrônico para formalizar a solicitação e acompanhar o andamento da mesma. O link de acesso ao formulário de solicitação da ficha no Portal do SBU está disponível na homepage de cada Biblioteca e nas secretarias de pós-graduação. Por sua vez, as solicitações ficam armazenadas em um banco de dados central, visíveis a todas as Bibliotecas do SBU. Entretanto, apenas a Biblioteca/bibliotecário responsável pelo atendimento da solicitação poderá editar/liberar a ficha catalográfica para o aluno. Todo o gerenciamento das solicitações recebidas realizada através do sistema é de responsabilidade do bibliotecário. O acesso à área administrativa é liberado após validação de e senha previamente cadastrados. As principais funcionalidades do gerenciamento de solicitações são representadas no Diagrama de Caso de Uso: Solicitar ficha catalográfica: etapa executada pelo aluno ao preencher e enviar o formulário eletrônico de solicitação de ficha catalográfica. Todos os alunos, independentemente de sua unidade de origem, utilizam o mesmo formulário eletrônico para envio de solicitação. Após o envio, o sistema gera e imprime na tela um número de protocolo de atendimento e envia automaticamente, s para o solicitante e Biblioteca responsável pelo atendimento da solicitação (revisão e 12

13 tratamento da informação recebida). A cada nova solicitação, o sistema envia, automaticamente, um para a Biblioteca responsável. Consultar protocolo de atendimento: etapa executada pelo aluno ao acompanhar online o status de sua solicitação (em andamento, atendido ou cancelada). O sistema disponibiliza um link para download da ficha catalográfica quando o pedido consultado estiver com status "atendido". Revisar dados fornecidos pelo aluno: etapas percorridas pelo bibliotecário ao revisar as informações fornecidas pelo solicitante e, consequentemente, atender uma solicitação. Nesta revisão, o bibliotecário pode alterar o status da solicitação (refletirá na consulta on-line), e se "atendido", o sistema envia automaticamente um para o solicitante, com informações do pedido e link para download (baixar) do arquivo (.pdf) que contém a ficha catalográfica; se "cancelado", o sistema também envia automaticamente um avisando sobre o cancelamento do pedido. A ficha catalográfica é gerada automaticamente pelo sistema a partir dos dados disponíveis enviado pelo aluno e revisado pelo bibliotecário, sem retrabalho. Manter configurações do sistema: etapa percorrida pelo bibliotecário ao manter as configurações do sistema, inclusive, as do formulário de solicitação de ficha catalográfica. Objetivando simplificar e agilizar o processo de desenvolvimento do sistema, utilizou-se também o CakePHP, um framework de desenvolvimento rápido escrito em PHP que fornece uma arquitetura extensível para desenvolvimento, manutenção e distribuição de aplicações. Os frameworks de desenvolvimento (pelo menos os atuais), como parte de sua proposta, adotam a programação orientada a objetos e alguns padrões de projeto. Um dos padrões que merece maior destaque é o padrão MVC (Model,View, Controller) que sugere a divisão do projeto de software em camadas lógicas, de modo a separar as funcionalidades, proporcionando maior facilidade no gerenciamento de mudanças na aplicação e reaproveitamento de funcionalidades em outros projetos (CAKEPHP..., 2013). Para o armazenamento de dados utilizou-se o MySQL, um gerenciador de banco de dados relacional de código aberto usado na maioria das aplicações gratuitas. O serviço utiliza a linguagem SQL (Structure Query Language Linguagem de Consulta Estruturada), a linguagem mais popular para inserir, acessar e gerenciar o conteúdo armazenado em um banco de dados. 13

14 Estrategicamente, o primeiro piloto deste sistema foi implantado apenas na Biblioteca do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC), o que possibilitou identificar e implementar melhorias significativas no sistema informatizado. Em um segundo momento, partiu-se para a implantação do sistema atualizado em outras três bibliotecas do SBU: Biblioteca da área de Engenharia e Arquitetura (BAE), Biblioteca do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) e Biblioteca do Instituto de Biologia (IB). A terceira e última fase da implantação ocorreu em abril de 2013, em que todas as Bibliotecas que compõem o SBU começaram a utilizar o sistema. 5 AVALIAÇÃO DO SISTEMA Para que um sistema de recuperação da informação (SRI) desempenhe de forma efetiva sua função fulcral, que é a recuperação da informação, dois aspectos são fundamentais: o processo de organização e o design de sistema: Às vezes, não está claro onde o processo de organização da informação termina e onde começa o projeto do sistema. Em uma exibição de registros de metadados a partir de uma ferramenta de recuperação, ambos os aspectos se reúnem para apresentar ao usuário as informações solicitadas. Este conjunto de resultados combina as características do processo de organização (pontuação padrão, formas de cabeçalhos, etc.) e as características de design do sistema (etiquetas, layout da tela, etc.) na apresentação dos metadados. Quando os metadados são claros, compreensíveis, facilmente recuperados, e bem apresentados, o usuário geralmente não percebe a maneira como os elementos estão organizados. É só quando há problemas ou confusão que estes elementos são discutidos (TAYLOR; JOUDAREY, 2009, p. 169, grifo e tradução nossos). A pesquisa em design de sistemas pode ser dividida em duas principais categorias: abordagem centrada na tecnologia e abordagem centrada no usuário, sendo que existe uma sobreposição de interesses e interconexões entre as duas (por exemplo, a funcionalidade de pesquisa do sistema e comportamento em busca de informações do usuário têm conexões importantes). As necessidades dos usuários e comportamento de busca devem influenciar o desenho dos sistemas tecnológicos que utilizamos (TAYLOR; JOUDAREY, 2009, p. 169). Desse modo, objetivando realizar a avaliação da implantação do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU pelos usuários que os 14

15 utilizam, foram elaborados dois formulários de pesquisa VOC (Aluno e Bibliotecário) utilizando-se a ferramenta Google Drive. A coleta das informações sobre o status do processo atual permitiu detectar possíveis distorções no processo e, assim, propor ações com o objetivo de atender melhor as expectativas tanto dos usuários que solicitam a ficha catalográfica, quanto do bibliotecário que elabora a mesma e gerencia o processo em sua Biblioteca. 6 RESULTADOS E DISCUSSÃO Por meio do questionário para avaliação do sistema enviado no mês de agosto, dos 328 s enviados aos alunos com fichas finalizadas, foram obtidas 97 respostas. Quanto ao nível de dificuldade no preenchimento do formulário eletrônico, 15 alunos (15,46%) informaram ter alguma dificuldade, enquanto que 82 não (84,54%). Em relação ao nível de dificuldade em acompanhar o andamento da elaboração da ficha, 93 (95,88%) alunos não tiveram dificuldade e 4 alunos (4,12%) sim. Já em relação ao tempo de espera para obter a versão final da ficha, 74 alunos (76,29%) informaram ser muito satisfatório, 20 alunos (20,62%) satisfatório e 3 alunos (3,09%) pouco satisfatório. Nenhum aluno assinalou a opção insatisfatório. Em geral, o nível de satisfação em relação ao Sistema de solicitação de ficha catalográfica foi muito satisfatório (69 alunos ou 71,13%), satisfatório (24 alunos ou 24,72%) e pouco satisfatório (4 alunos ou 4,12%). As principais dificuldades apontadas pelos alunos foram em relação às palavras-chave: preenchimento das mesmas de acordo com os termos padronizados; link que direciona para a página principal do catálogo ao fazer a busca por assunto e não diretamente no índice de assunto; desconhecimento sobre a necessidade de preenchimento de palavras-chave autorizadas; uso de palavraschave muito limitadas; adequação do tema da dissertação/tese às palavras-chave disponíveis; impossibilidade de utilização de determinada palavra-chave no singular. As demais dificuldades apontadas residem na falta de confiabilidade das palavraschave padronizadas pelos bibliotecários em detrimento às informações dadas pelos próprios autores dos trabalhos; não recebimento de notificação quando a ficha foi finalizada; confusão nos exemplos do formato de referência; necessidade de 15

16 substituição das palavras-chave sugeridas, utilizadas em outras áreas do conhecimento diferentes da formação do aluno ou por não constar no catálogo online; demora no preenchimento das informações; constante saída do ar do sistema; nomenclaturas pouco conhecidas; necessidade de novo preenchimento do formulário; prazo de elaboração da ficha superior a dois dias úteis; falta de determinada unidade cadastrada no formulário; impossibilidade de realizar o download da ficha catalográfica; falta de clareza quanto à obrigatoriedade de sugestão de palavras-chave em português no caso de pesquisa cujos termos inéditos são em inglês; pontuação do formulário eletrônico. Quanto às sugestões dos alunos, salienta-se: maior liberdade e disponibilidade de palavras-chave; orientação mais clara sobre o procedimento e consulta das palavras-chave aos estudantes de pós-graduação; melhoria do processo de preenchimento das palavras-chave; implantação da opção de qual extensão de arquivo a ficha catalográfica terá (ex. em formato.doc,.odt ou.pdf; elaboração da ficha em versão LATEX, permitindo a inserção direta na dissertação/tese; orientação aos estudantes de pós-graduação de que existe uma lista a partir da qual as palavras-chave devem ser definidas; tutorial passo-a-passo do preenchimento do formulário eletrônico; padronização de uma referência única para escolha das palavras-chave; disponibilização de conexões mais rápidas e simplificação das questões; integração do sistema com o sistema de informações acadêmicas; maior suporte em relação às palavras-chaves; permissão para inclusão de palavras-chave que não estejam no banco de busca do sistema; forma mais simplificada de cadastro; deixar claro que a outra língua que se refere é inglês; inclusão da ficha catalográfica na dissertação/tese pelo próprio bibliotecário, mediante treinamento; mais opções de termos técnicos no banco de dados; melhoria da comunicação entre bibliotecário e aluno durante o processo de elaboração da ficha catalográfica. Apresenta-se, a seguir, as telas iniciais do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU (Figura 3 e Figura 4) e um exemplo de ficha catalográfica gerada pelo sistema (Figura 5). 16

17 Figura 3: Página inicial do Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU. Fonte: Dados da pesquisa. Figura 4: Formulário eletrônico para solicitação de fichas no Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU. Fonte: Dados da pesquisa. A implantação do Sistema de Elaboração de Fichas catalográficas do SBU proporcionou os seguintes resultados: melhoria no gerenciamento do atendimento das solicitações; maior agilidade no atendimento; maior integração com a PRPG e CCPGs; racionalização das etapas de trabalho; padronização dos trâmites; 17

18 recebimento de informações completas e confiáveis direto da fonte (cliente); maior credibilidade das fontes de informação; visibilidade do status da ficha aos colaboradores (bibliotecários, secretárias das CCPGs, etc.); melhoria da identidade visual; geração de indicadores; melhoria da qualidade dos serviços oferecidos; diminuição da emissão de papel; maior satisfação ao cliente; consulta do status da solicitação atualizado; redução do tempo de espera pelo produto final; melhoria da qualidade no atendimento e disponibilização do acesso ao serviço via WEB, sem fronteiras 24h através da automação dos procedimentos. Figura 5: Exemplo de ficha catalográfica gerada pelo Sistema Online de Elaboração de Fichas Catalográficas do SBU. Fonte: Dados da pesquisa. 18

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 1. O que estamos tentando realizar? Objetivo do Projeto: Padronizar o serviço de atendimento de solicitações de documentos nas do Sistema. Importância do Projeto (ligação com o Planes e os clientes): Ligação

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos

BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário BAIXA PATRIMONIAL DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS: uma ação desenvolvida por processos D ASTUTO, F. L.

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR DIRETRIZES DA BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) Curitiba 2013 Conselho

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN5018 Informatização em Unidades de Informação Professora: Ursula Blattmann PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde

Atualização 2014. Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde MANUAL DO CURRÍCULO LATTES Atualização 2014 Universidade Federal do Paraná Sistema de Bibliotecas Biblioteca de Ciências da Saúde 1 Equipe: Este tutorial faz parte da programação de treinamentos da Biblioteca

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

Título I. Das Finalidades

Título I. Das Finalidades REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO Título I Das Finalidades Art. 1º - A biblioteca foi criada em 13 de maio de 1961. A missão é contribuir para a melhoria do ensino, da pesquisa e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE APOIO À GESTÃO DE EVENTO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Adler H. Schmidt, Caroline F. Vicentini, Patrick P. Viera, Ronaldo C. M. dos Santos, Andrea S. Charão Universidade

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia

SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia SciELO Brasil e o processo de avaliação da área de odontologia Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP 27ª Reunião Anual da SBPqO Águas de Lindóia, 9 setembro 2010 Apresentação

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique

(MINUTA) - Estruturação da Biblioteca Nacional de Saúde de Moçambique (BNS), aperfeiçoamento e ampliação das ações da BVS Moçambique TERMO DE COOPERAÇÃO ENTRE O INSTITUTO NACIONAL DE SAÚDE DE MOÇAMBIQUE (INS) E O INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EM SAÚDE DA FIOCRUZ (ICICT/FIOCRUZ- MS - BRASIL) NO MARCO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DA CATALOGAÇÃO DE ASSUNTO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO INSTITUTO DE BIOLOGIA DA UNICAMP

AVALIAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DA CATALOGAÇÃO DE ASSUNTO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO INSTITUTO DE BIOLOGIA DA UNICAMP AVALIAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DA CATALOGAÇÃO DE ASSUNTO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO INSTITUTO DE BIOLOGIA DA UNICAMP Paula Regina Dal Evedove 1, Roberta Cristina Dal Evedove Tartarotti 2 1 Doutoranda do Programa

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL Nº 056/2013 Prêmio Emerald/Capes 2013 de Pesquisa nas áreas de Ciência da Informação e Administração e Gestão A Fundação Coordenação

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Guia Portal de Periódicos CAPES

Guia Portal de Periódicos CAPES Guia Portal de Periódicos CAPES Manaus, abril de 2010 ACESSO AO PORTAL CAPES DE PERIÓDICOS APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra do Centro Universitário Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL O USO DE INDICADORES DE PRODUÇÃO INTELECTUAL NO PROCESSO DE GESTÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Janise Silva Borges da Costa, Beatriz Helena de Souza Cestari, Carla Metzler

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP Fábio S. Dragone fsdragone@hotmail.com Juliana A. Banik jubanik@yahoo.com.br Rodrigo X. Franco roxf@bol.com.br Fernando

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Apresentação: Busca de artigos, dissertações e teses em bases de dados

Apresentação: Busca de artigos, dissertações e teses em bases de dados Apresentação: Busca de artigos, dissertações e teses em bases de dados Sibele Gomes de Santana Assistente de Pesquisa UNINOVE SÃO PAULO Contexto Acesso e uso da informação nas IES vêm provocando mudanças

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 UNIMED BLUMENAU COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO SCCard Sistema de Autorização On-Line O SCCard é a interface web do sistema de autorização da Unimed Blumenau

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Tutorial de Solicitação de Defesa de MDT Monografia Dissertação Tese AGOSTO DE 2013

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 25/07/2012-16:17:54 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1671 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP Manoel Francisco Carreira 1 Gislaine Camila Lapasini Leal

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades

Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades Sistema de Gerenciamento de Planos de Curso: Uma ferramenta de aperfeiçoamento para o processo de controle de planos de curso nas universidades André Torres, Ednaldo Onofre, Francisco Celestino, Jafet

Leia mais

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full = z A principal característica do portal RH é permitir a descentralização das informações dos colaboradores, possibilitando que o gestor de área se transforme também num

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Processo de Desenvolvimento de Software Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Processo de Desenvolvimento de Software... 04

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Implantação do Setor de Permuta do SIBI/PUCPR utilizando o Módulo de Aquisição do Sistema Pergamum

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Implantação do Setor de Permuta do SIBI/PUCPR utilizando o Módulo de Aquisição do Sistema Pergamum RELATO DE EXPERIÊNCIA Implantação do Setor de Permuta do SIBI/PUCPR utilizando o Módulo de Aquisição do Sistema Pergamum Ana Paula Blaskovski Bibliotecária, Sistema Integrado de Bibliotecas da PUCPR, Setor

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

SIATEX NOVO MANUAL SIATEX. www.siatex.ufba.br

SIATEX NOVO MANUAL SIATEX. www.siatex.ufba.br NOVO MANUAL SIATEX www.siatex.ufba.br Outubro 2013 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 CADASTRO... 4 ACOMPANHAMENTO... 7 CANCELAMENTO... 7 RELATÓRIO... 8 Inscrição Externa... 8 Upload da assinatura... 10 CERTIFICAÇÃO...

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 A INFORMATIZAÇÃO DO CONTROLE DE DOCUMENTOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE MEDIAWIKI: PROPOSTA DE UMA CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INGRESSO 1º SEMESTRE 2016 DOUTORADO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL EDITAL PPGAS 3/2015

PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INGRESSO 1º SEMESTRE 2016 DOUTORADO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL EDITAL PPGAS 3/2015 PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INGRESSO 1º SEMESTRE 2016 DOUTORADO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL EDITAL PPGAS 3/2015 I. Para informações detalhadas sobre o PPGAS (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social)

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL

INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL INSERÇÃO, PRESENÇA E RELEVÂNCIA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÂO INSERÇÃO SOCIAL Maria José Lima da Silva e Valquiria Linck Bassani A Pós-Graduação Brasileira apresenta 2.379 programas de pós-graduação (fonte

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Livre Docência Centro de Informática de São Carlos Julho de 2011 Versão 1.1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Reitor

Leia mais

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA

Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Proposta de Implantação do Software MULTIACERVO no Arquivo do DEINFRA Acadêmicos: CÁSSIA REGINA BATISTA - cassiareginabatista@grad.ufsc.br CLARISSA KELLERMANN clarissakel@gmail.com IVAN MÁRIO DA SILVEIRA

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES: orientações para pesquisa

PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES: orientações para pesquisa UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS Lívia Sandes Mota Rabelo Maria do Carmo Sá Barreto Ferreira PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES: orientações para pesquisa Feira de

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Seção de Acesso a Bases de Dados Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Sumário 1. Instrumentos de Busca 2. Bom atendimento ao usuário 3. Conhecimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Marcos Vinicius Mendonça Andrade 1 Sandra Lopes Coelho 2 1 Bibliotecário, Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL Vitória, 2011 GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES

Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas. Diretoria de Programas - CAPES Acesso à informação científica no Brasil: políticas, estratégias e programas Diretoria de Programas - CAPES Como deveria ser a infra-estrutura de TI das nossas bibliotecas? A infra-estrutura de TI de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais