O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais,"

Transcrição

1 138 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, são sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados. Apresentamos também o CBU, uma vez que o desenvolvimento dos sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados contribuem eficientemente para a construção do CBU com suas bases que contêm grandes quantidades de registros bibliográficos, os quais representam publicações de várias áreas do conhecimento, em várias línguas, de diversas partes do mundo. A grande quantidade de informações que atualmente é produzida tanto em suportes convencionais quanto em suportes eletrônicos, requer um tratamento físico para que ocorra perda significativa de informações, pois: A evolução é rápida, existe muito tempo para pensar, pesquisar e selecionar. É preciso agir, tomar decisões adequadas, [...] as organizações necessitam de informações precisas e eficazes, pois sem a informação, a tomada de decisão pode ser incorreta e/ou tardia. (SANTOS; FACHIN; VARVAKIS, 2003, v. 32, n. 2, p. 86). A partir dos estudos realizados sobre os processos que a Biblioteconomia utiliza para o tratamento temático e descritivo das informações e dos documentos, podemos concluir que a catalogação é um processo decisivo para proporcionar acesso a informações, uma vez que descreve tanto física como tematicamente os documentos, indicando a localização física do documento. Para que a catalogação cumpra estas funções, tenha qualidade e possibilite a busca rápida e eficiente pelo

2 139 usuário/cliente, a padronização do serviço catalográfico utilizando-se de códigos de catalogação e formatos de intercâmbio reconhecidos internacionalmente é uma necessidade. Ressaltando ainda que [...] à medida em que a informação assume importância cada vez maior nos dias atuais, os usuários de serviços de informação passam a ser cada vez mais exigentes. (SANTOS; FACHIN; VARVAKIS, 2003, v. 32, n. 2, p. 86). A catalogação de qualidade exige o uso de um código de catalogação e de um formato de intercâmbio aceitos internacionalmente para a realização da Catalogação Automatizada. No momento o código AACR2 e o Formato de Intercâmbio MARC21 têm, permitido uma recuperação com bons resultados e o bom desenvolvimento de sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados. No capítulo 2 apresentamos como, ao longo de vários anos, muitas pessoas, isoladamente e em instituições, estiveram envolvidas com exaustivos trabalhos para a elaboração de regras, visando a padronização e normatização mundial no processo da catalogação como sendo este, o meio para o alcance da cooperação bibliográfica e o intercâmbio internacional de informações. Portanto, a normatização no tratamento descritivo das informações é essencial. Com uso das tecnologias de informática em informação, desenvolveu-se o formato MARC que contempla as áreas de descrição do AACR2, e juntos são as ferramentas imprescindíveis para o intercâmbio de dados bibliográficos e catalográficos em nível internacional. A apresentação no capítulo 3 dos sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados teve por objetivo oferecer informações atuais de

3 140 como os sistemas estão sendo desenvolvidos e quais as formas para se filiar ou adotar um deles. Analisando os três programas nos seus pontos vantagens e desvantagens, concluímos que os três tipos de programas de catalogação para alimentação de catálogos e bases de dados poderiam atuar de modo integrado para que houvesse a duplicação de serviços. Para uma melhor visualização das características, semelhanças e divergências dos programas elaboramos um quadro como resultado de nossa análise.

4 Histórico Catalogação Centralizada Catalogação Cooperativa Catalogação na publicação LC 1898 (para duas ou três grandes bibliotecas) 1901 o número de bibliotecas aumentam Precursor: Jewett (1846) LC 1902 Funciona até hoje na LC denominado Programa de Catalogação Cooperativa (PCC), o qual tem quatro membros (SACO, NACO, BIBCO e CONSER) 141 Precursor: Charles Jewett : Justin Winson apresenta uma proposta 1877: implantando o programa na LC 1948: Ranganathan resgata a idéia 1959: a LC inicia novamente o programa 1971: dá-se início na LC à CIP. Brasil Não há uma data específica de implantação Precursora: Lydia de Queiroz Sambaquy SIC: Década de 40 Bibliodata: 1995 Precursores: Regina Carneiro, editores e livreiros jul. 1971: CBL (SP) nov. 1971: SNEL (RJ) Vantagens padronização na descrição dos registros. Menos custos, tempo e recursos humanos; Participação em grandes sistemas cooperativos internacionais; Maior contribuição ao CBU; Padronização dos registros catalográficos. Elaboração da ficha catalográfica antes da edição final do documento. Desvantagens isolamento em relação aos programas cooperativos; maior sobrecarga de serviços; maior perda de tempo; necessidade de mais recursos humanos barreira na aceitação do trabalho Isolamento em relação aos do outro, fazendo com que às programas cooperativos; vezes por questões de detalhes é elaborado um novo registro. Falta de informações como: data de publicação e número de folhas pelo fato da catalogação ser realizada antes da edição final da obra. Semelhanças Como a catalogação na publicação, o processo de catalogação é centralizado em um único lugar Como a catalogação centralizada realiza seu processo de catalogação em um único lugar. Divergências Não coopera; Uso de diferentes formatos em estruturas locais Trabalha na filosofia da cooperação Atua de modo cooperativo e depende das editoras Quadro 1. Características, divergências e semelhanças dos programas de catalogação.

5 142 A catalogação cooperativa é o único programa que apresenta desvantagens somente algumas barreiras, podendo, mesmo as, ser considerado o único capaz de substituir a catalogação centralizada. Se substituir, ao menos trabalharem em conjunto, como ocorre na LC que faz a catalogação cooperativa e a catalogação na publicação. Observe os fluxogramas 7 dos programas de catalogação nas figuras 8 4, 5, 6 e 7, que se seguem nas próximas folhas: 7 Fluxograma baseado no programa cooperativo da Unesp, citando a Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) como exemplo 8 Descrição gráfica dos fluxogramas baseado em Barsotti (1990).

6 143 Início Material para catalogação Pesquisa na Base Local da FFC Legenda: FFC: Faculdade de Filosofia e Ciências RA: Registro Aproveitável IT: Identidade Total CO: Catalogação Original : Entrada ou saída de um documento : Processamento eletrônico : Decisão, para a escolha entre alternativas : Comentário descritivo ou explicativo : Entrada ou saída onde o portador é um disco magnético : Início, fim ou interrupção Encontrou o registro? Verificar a situação do registro É RA Converter e modificar Pesquisar na Base UEP Converter e possivelmente modificar Registro IT Encontrou o registro? Inserir itens: número de tombo, classificação No caso UNESP Bibliodata, LC e OCLC Pesquisar em bases externas Salvar o registro nas bases Encontrou o registro? Base Local Base UEP Encaminhamento para a CO Fim Figura 4. Fluxograma do Programa de Catalogação Cooperativa da Unesp

7 144 Catalogação centralizada Início Chegada do material no Centro Legenda: RA: Registro Aproveitável IT: Identidade Total : Entrada ou saída de um documento : Decisão, para a escolha entre alternativas : Processamento eletrônico : Comentário descritivo ou explicativo : Início, fim ou interrupção Já possui o material registrado RA Modificações e itens Catalogação original Inclusão dos itens Registro IT Salvar o registro na Base Central Fim Figura 5. Fluxograma do Programa de Catalogação Centralizada

8 145 Catalogação na Publicação Legenda: : Início, fim ou interrupção : Processamento eletrônico : Entrada ou saída de um documento : Comentário descritivo ou explicativo Início Chegada do material no Centro Catalogação baseada no material enviado Capa, sumário e um capítulo do material Impressão da ficha catalográfica no material Fim Figura 6. Fluxograma do Programa de Catalogação na Publicação Analisando os fluxogramas podemos concluir que o cenário da catalogação está totalmente dividido. Por um lado existem os programas cooperativos que reduzem custos e tempo, sendo que por outro lado os programas centralizados e na publicação trabalham praticamente isolados. O ideal seria a união de esforços para a formação de uma única base:

9 146 Legenda: Centro de catalogação : Início, fim ou interrupção : Processamento eletrônico : Entrada ou saída de um documento : Comentário descritivo ou explicativo Início Material Pesquisa pelo Centro de Catalogação ou pelas filiadas Em sua base geral e nacional Catalogação original localizado na rede nacional /internacional Conversão Retrospectiva Registro disponibilizado para todos Ajuda ao Controle Bibliográfico Nacional Ajuda ao Controle Bibliográfico Universal Fim Figura 7. A união dos sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados Todos se unindo, cooperam entre si de forma internacional. Os centros de catalogação centralizadas e na publicação converteriam suas

10 147 bases para a base cooperativa nacional catalográfica de seus países excluindo os registros já existentes, se unindo ao centro cooperativo formariam uma única base visando a cooperação ao CBU. Levaria um certo tempo, até que algumas instituições que fazem parte de redes cooperativas convertessem seus registros para o formato MARC21 mas esse trabalho valeria a pena quando se pensa na união dos catálogos. Verificamos ainda no capítulo 3 que o formato MARC foi essencial para a formação de redes cooperativas eliminando barreiras espaciais e lingüísticas. Um incentivo governamental também contribuiria para a construção de bases cooperativas, pois muitas unidades de informação participam de programas cooperativos por falta de recursos. Estabelecer então uma política nacional de transferência de informação permitindo a criação de uma base nacional cooperativa. A sistematização das informações aqui apresentadas favorecem uma reflexão sobre os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados no sentido de analisar os modelos disponíveis para a construção de formas de representação descritivas documentárias e os métodos utilizados para o intercâmbio de dados bibliográficos e catalográficos. Entretanto, pode ser encarado como um trabalho conclusivo, mas como uma organização de informações sobre programas de catalogação preparada com o propósito de servir de subsídios para novas reflexões.

CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS

CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Marília Faculdade de Filosofia e Ciências Departamento de Ciência da Informação CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO:

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: FACE AOS SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE RECUPERAÇÃO ESQUEMA GERAL Importância do acesso à informação, O crescimento e diversificação dos sistemas de informação Explosão bibliográfica

Leia mais

ANEXO A - Estrutura e serviços da Rede Bibliodata. Unidade Central. Comissão diretora. Sete membros constituem esta Comissão, com mandado de dois

ANEXO A - Estrutura e serviços da Rede Bibliodata. Unidade Central. Comissão diretora. Sete membros constituem esta Comissão, com mandado de dois 159 ANEXO A - Estrutura e serviços da Rede Bibliodata Unidade Central [...] responsável pelas atividades executivas na prestação de serviços à Rede, tem sob sua responsabilidade a operação, a manutenção

Leia mais

MANUAL DO CatBib* * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online. Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner

MANUAL DO CatBib* * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online. Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner MANUAL DO CatBib* Elaborado por: Maria do Socorro Gomes de Almeida e Edwin Hübner RIO DE JANEIRO 2002 * Este manual deve ser usado junto com o Sistema Bibliodata Online SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENTRADA

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS. Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados,

3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS. Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados, 60 3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados, conhecidos como programas de catalogação cooperativa, catalogação centralizada e catalogação-na-publicação

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso Editora Universitária Diversidade de conhecimento para você

Universidade Federal do Mato Grosso Editora Universitária Diversidade de conhecimento para você DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE FICHA CATALOGRÁFICA NAS OBRAS DA EDITORA DA UFMT- EdUFMT Sheila Cristina F. Gabriel Bibliotecária CRB1 1618 O presente documento pretende apresentar algumas propostas e

Leia mais

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE

EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE EDITORAÇÃO ELETRÔNICA DE PERIÓDICOS DA ÁREA DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE Eliane Apolinário Vieira Priscila Marylin de Almeida Arlete Inocencia Menezes Roni

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

Astra LX Pré-impressão de etiquetas Guia para o processo de pré-impressão de etiquetas no Programa AstraLX.

Astra LX Pré-impressão de etiquetas Guia para o processo de pré-impressão de etiquetas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Pré-impressão de etiquetas Guia para o processo de pré-impressão de etiquetas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 30/08/2011 1 Sumário Pré-impressão

Leia mais

Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO

Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO Projeto de Intervenção do PROVAB ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO NO MODELO PADRÃO Brasília Setembro de 2014 APRESENTAÇÃO Na perspectiva de formação e avaliação do profissional participante do Programa de Valorização

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos:

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: Mudanças do Currículo Lattes Conheça a interface A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: 1.Barra de Ferramentas: Contém utilidades

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO

I CONGRESSO DE PESQUISA E EXTENSÃO I CONPEX CALENDÁRIO ANEXO B II SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO I ENCONTRO DE PÓS-GRADUANDOS DO IFRO II SEMINÁRIO DE DISSERTAÇÕES E TESES De 21 a 23/10/2013 Câmpus Colorado do Oeste No final de 2010, o IFRO iniciou sua trajetória

Leia mais

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19

MANUAL SCCARD. Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 Rev.00 Aprovação: 16/08/2010 Página 1 de 19 UNIMED BLUMENAU COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO SCCard Sistema de Autorização On-Line O SCCard é a interface web do sistema de autorização da Unimed Blumenau

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UFPR DIRETRIZES DA BIBLIOTECA DIGITAL DE PERIÓDICOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ (UFPR) Curitiba 2013 Conselho

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP GRANDI,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL

PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL-DIGITAL Vitória, 2011 GOVERNO DO ESTADO DO EspíRITO

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de documentação geral e jurídica, julgue os itens a seguir. 51 O tesauro e o esquema de classificação são exemplos de metadocumentos; estes, por sua vez, são, em geral,

Leia mais

1. Controle de exercício

1. Controle de exercício 1 1. Controle de exercício Para realizar lançamentos e emitir relatório o módulo Contabil obriga a criação de exercícios, que na verdade representam os anos de atividade da empresa. Confira algumas dicas

Leia mais

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO

BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO BANCO DE AULAS E PROJETOS MANUAL DO APLICATIVO APRESENTAÇÃO Este aplicativo possibilita o compartilhamento de planos de aulas e projetos desenvolvidos e/ou aplicados nas unidades educacionais, entre os

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM AMBIENTES DIGITAIS NEAD ORIENTAÇÕES SOBRE USO DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (MOODLE) PARA DISPONIBILIZAÇÃO

Leia mais

LANÇAR INTEIRO TEOR DE PARECERES E DECISÕES ADMINISTRATIVAS EM SISTEMA INFORMATIZADO 1 OBJETIVO

LANÇAR INTEIRO TEOR DE PARECERES E DECISÕES ADMINISTRATIVAS EM SISTEMA INFORMATIZADO 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Organização de Acervos de Conhecimento (DICAC) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão e Disseminação do Conhecimento (DECCO) Aprovado por: Diretor-Geral da

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. MANUAL do ALUNO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. MANUAL do ALUNO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL do ALUNO APS - ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS PIPA II (2º/1º semestres) SÃO

Leia mais

HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1. Assistência Técnica e Produção

HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1. Assistência Técnica e Produção HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 1 Assistência Técnica e Produção HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 2 HM-Service-Broschüre-Port 26.04.2004 18:47 Uhr Seite 3 Filiais

Leia mais

INTEGRAÇÃO RM TOTVS X MOODLE FACULDADE FALS PRAIA GRANDE. Marcello Toledo da Silva

INTEGRAÇÃO RM TOTVS X MOODLE FACULDADE FALS PRAIA GRANDE. Marcello Toledo da Silva INTEGRAÇÃO RM TOTVS X MOODLE FACULDADE FALS PRAIA GRANDE Marcello Toledo da Silva Visão geral Descrição do Projeto A Faculdade FALS Praia Grande - SP Como era Solução de Integração Moodle Problemas encontrados

Leia mais

P71 Padronização dos distribuidores Ford

P71 Padronização dos distribuidores Ford P71 Padronização dos distribuidores Ford Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Avaliação de Seminovos... 3 Anexo de Documento

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL Nº 056/2013 Prêmio Emerald/Capes 2013 de Pesquisa nas áreas de Ciência da Informação e Administração e Gestão A Fundação Coordenação

Leia mais

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ Gerencia a informação e o conhecimento; Organiza, conserva e dissemina todo tipo de informação; Importante fonte de apoio bibliográfico e não bibliográfico para formação

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping

Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB. Relatório Biblioteca Penha Shopping Núcleo de Coordenação de Bibliotecas - NCB Relatório Biblioteca Penha Shopping 2015 SUMÁRIO 1 SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS - SIBi... 02 2 NÚCLEO DE COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - NCB... 02 3 UNIDADE

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Manual de Operacionalização do Software Integrado para Gestão Ocupacional SOC Entrega e Controle dos Equipamentos de Proteção Individual E.P.I.

Manual de Operacionalização do Software Integrado para Gestão Ocupacional SOC Entrega e Controle dos Equipamentos de Proteção Individual E.P.I. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...02 2. OBJETIVO...02 3. ACESSO AO SOFTWARE SOC...02 4. OPERACIONALIZAÇÃO DO SOFTWARE SOC...03 5. ENTREGA DE EQUIPAMANTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL...04 5.1 ALTERAÇÃO OU EXCLUSÃO DE UM

Leia mais

Como criar uma avaliação?

Como criar uma avaliação? EDITOR DE AVALIAÇÕES Com o editor, você cria avaliações para seus alunos com uma grande variedade de opções. Por exemplo: - A avaliação pode ser impressa ou aplicada de forma on-line. - Os alunos podem

Leia mais

DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP

DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS DE BOTUCATU RUBIÃO JÚNIOR UNESP Guia para acesso às bases de dados bibliográficos: Scielo Parte VI 2 DIVISÃO TÉCNICA DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO CAMPUS

Leia mais

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER

SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER SISTEMA ELETRÔNICO DE EDITORAÇÃO DE REVISTAS: SEER O Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER/OJS) foi customizado pelo IBICT, e o objetivo principal do projeto foi organizar a informação científica

Leia mais

Tecnologia Aplicada à Gestão

Tecnologia Aplicada à Gestão Tecnologia Aplicada à Gestão Parte 4 Aula 11 Fundamentos de SI Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br Introdução O que são e para que servem os Sistemas de Suporte Gerencial? Como

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO 1. TEMA DO PROJETO TEMA: Implantação da Base de Legislação - Normas do Ministério Público do Estado de São Paulo RESULTADO: Concluído PERÍODO: 2003 ao atual REALIZAÇÃO: Regina Midori Nagashima 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*)

Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Planejamento e Gerência de Sistemas de Informação sob o Ângulo da Gestão por Processos (*) Jaime Robredo 1. Introdução A tradução para o português da expressão inglesa process management não permite evidenciar

Leia mais

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais,

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, APROVA: REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ECOLÓGICA INFANTIL MARIA DINORAH CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua

PATRONAGE - ADMINISTRAÇÃO DE BOLSAS E AUXÍLIOS FAPEMA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO MARANHÃO Rua 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 1 COMO ACESSAR O PATRONAGE... 4 2 INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO... 5 3 PRESTAÇÃO DE CONTAS... 8 3.1 Execução do projeto... 8 3.2 Autorização de recursos (remanejamento de recurso,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN5018 Informatização em Unidades de Informação Professora: Ursula Blattmann PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos

FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos FCT Faculdade de Ciências e Tecnologia Serviço Técnico de Informática STI SGCD Sistema Gerenciador de Conteúdos Dinâmicos Manual do Usuário Presidente Prudente, outubro de 2010 Índice 1. Introdução e Instruções

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Fila de E-mails Página 1 de 8

Manual do Usuário - ProJuris Web - Fila de E-mails Página 1 de 8 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Cristina Lerina Patrícia Rocha Eusebia Diniz Simone Bispo edoc 2015 Rio de

Leia mais

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira

Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP. Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Guia Básico de Utilização da Biblioteca Virtual da FAPESP Thais Fernandes de Morais Fabiana Andrade Pereira Centro de Documentação e Informação da FAPESP São Paulo 2015 Sumário Introdução... 2 Objetivos...

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

PROJETO DA REVISTA CIENTÍFICA BIBLIOTECÁRIOS OLINE.

PROJETO DA REVISTA CIENTÍFICA BIBLIOTECÁRIOS OLINE. Universidade Federal De Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso De Biblioteconomia Disciplina: CIN5034 Editoração Cientifica Profa. Ursula Blattmann Acadêmica: Eliane de Fátima Fernandes PROJETO

Leia mais

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento SEBRAE-GO 1 Sumário Introdução... 3 1) Acesso ao Sistema... 4 1.1. LOGIN... 4 1.2. ALTERAR SENHA... 7 1.3. RECUPERAR SENHA...

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: MONITOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: MONITOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais