QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?........."

Transcrição

1 ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página O que achou? Tem sugestões a apresentar? 02. Qual sua opinião sobre o Sistema Parecer implantado na Rede Municipal? 03. Você tem conhecimento de pais de alunos, em sua turma, que acompanha o rendimento escolar dos filhos através de acesso ao Sistema Parecer? 04. Qual seu ponto de vista sobre o computador como possibilidade de recurso pedagógico nas aulas? 05. Sua turma é contemplada pelo programa UM COMPUTADOR POR ALUNO? O uso do laptop educacional tem contribuído com o avanço na aprendizagem? Comente.

2 06. Você costuma utilizar o Laboratório de Informática da Escola? (Específico para as Escolas Érico e Leôncio) APOIO À LEITURA E ESCRITA 07. Você costuma utilizar livros paradidáticos como apoio para a aprendizagem? De que forma? 08. Você incentiva sua turma a frequentar a Biblioteca Municipal, a Biblioteca Escolar ou mesmo fazer uso do cantinho de Leitura organizado na escola? De que forma isso acontece? 09. Você teve conhecimento da 3ª Edição do Concurso de Redação da Rede Municipal? De que forma você incentivou seus alunos a participarem? 10. Utilizou, este ano, algum texto que foi produzido por aluno da escola no Concurso de Redação de 2013? Os alunos sentiram-se motivados em trabalhar leitura e interpretação com texto de algum colega estudante, ou isso não foi percebido?

3 PRÁTICA PEDAGÓGICA 11. Ao iniciar o ano letivo, foi construído um diagnóstico sobre o desenvolvimento dos alunos frente às competências e habilidades que deveriam dominar? De que forma este relatório foi sistematizado? E qual utilização você fez no decorrer das aulas? 12. Você costuma fazer interferências visando recuperar a aprendizagem dos alunos com dificuldade? De que forma acontece? 13. O planejamento de suas aulas tem como base as competências e habilidades previstas para o 4º Ano? Como estas competências e habilidades são exploradas no planejamento e nas atividades desenvolvidas? 14. As avaliações que constituem TESTES ou PROVAS são elaboradas fazendo cumprir as competências e habilidades que o aluno deve alcançar durante o 4º Ano? De que forma você distribui as questões selecionadas ou elaboradas, contemplando competências e habilidades previstas? 15. Como você autoavalia a prática da contextualização nas aulas que ministra, em Língua Portuguesa e Matemática?

4 16. Em nível de planejamento e na prática em sala de aula, tem feito explorado a interdisciplinaridade? Exemplifique. 17. Com base no acompanhamento constante da sua turma, em quais descritores de Língua Portuguesa e de Matemática, separadamente, seus alunos possuem maior dificuldade? 18. As ideias apresentadas ou defendidas nos Parâmetros Curriculares Nacionais são levadas em conta no Planejamento de Ensino, para sua turma? Em quais aspectos? 19. Quantos alunos em sua turma estão em distorção idade x série? Em síntese, eles apresentam grandes dificuldades de aprendizagem? 20. Sua turma participou de algum Projeto Pedagógico desenvolvido na escola, até o momento, neste ano letivo? Qual o tema abordado? Houve avanço da aprendizagem em decorrência deste projeto? Em quais competências e habilidades? 21. Neste ano letivo você já conduziu a turma para alguma aula de campo? Qual tema foi abordado? Como você avalia a(s) experiência(s)?

5 22. A Educação Religiosa é contemplada em seu planejamento, conforme prevê a Matriz Curricular, de forma integrada aos componentes curriculares? 23. No planejamento de aula você contempla a Lei /2008? De que forma isso acontece? 24. Como você descreve a utilização feita do Livro Didático em sua turma? 25. Tem algum aluno da sua turma com frequência escolar irregular, havendo o registro excessivo de faltas? Alguma atitude você já adotou frente a esse problema? 26. Neste ano letivo como você vem organizando a sistemática de avaliação na turma? 27. Qual sua opinião sobre a realização dos Pré-Conselhos de Classe ao final de cada unidade?

6 EDUCAÇÃO ESPECIAL 28. Em sua turma há alunos portadores de necessidades especiais? Como você costuma trabalhar os conteúdos de aula e atividades com eles? 29. O(s) aluno(s) da sua turma, portador(es) de necessidades especiais frequentam a sala de Recursos Multifuncional da Rede Municipal? Existe interação entre você e o professor da Sala de Recursos e vice versa? Como ocorre esta interação? APOIO AO PROFESSOR 30. O acompanhamento dado pela Coordenação Pedagógica da escola satisfaz sua expectativa? Apresente sugestões sobre o que deve melhorar. 31. Como você avalia a atuação da Supervisão Pedagógica da Secretaria de Educação? Apresente sugestões que podem ser colocadas em prática. 32. Que reflexo, ou positivo ou negativo, a gestão escolar exerce sobre seu trabalho em sala de aula?

7 AÇÕES E ORGANIZAÇÃO ESCOLAR 33. Quantas vezes, este ano, você já participou de reunião com os pais ou responsáveis dos alunos? Quais assuntos foram abordados? 34. Você tem contato constante com os servidores de apoio da escola, a exemplo de porteiros, serventes, merendeiras e funcionários da secretaria? Esta relação favorece sua prática pedagógica de alguma forma? Comente. 35. O que você mudaria na estrutura física da sua escola? 36. Em sua opinião quais aspectos na estrutura da escola são favoráveis à prática pedagógica? E quais são desfavoráveis e necessitam de intervenções da secretaria de Educação para serem mudados? 37. Você tem conhecimento de reuniões realizadas pelo Conselho Escolar? Quais assuntos foram abordados nas últimas vezes? 38. Você considera os recursos didáticos que a escola dispõe satisfatórios? Apresente sugestões sobre outros recursos que podem ser incrementados.

8 39. Você teve conhecimento sobre o Prêmio Educador Emérito, promovido este ano pela Secretaria de Educação? Fez inscrição, participou? Por que participou? Ou por que não participou? 40. Você conhece o Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola? Como você avalia, na prática, a proposta e a concepção pedagógica que é defendida? 41. Você conhece o Regimento Escolar Unificado? Em algum artigo, tem sugestão de adequação a oferecer? PROJETOS DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 42. Você possui Aluno-Ciclista contemplado pelo programa Caminho da Escola? Quantos? Eles cuidam ou utilizam diariamente a Bicicleta Escolar? Você conhece a Cartilha do Aluno Ciclista? Você presta alguma orientação a estes alunos? 43. Você já teve contato com agentes do Núcleo de Apoio ao Estudante e à Família (NAEF)? Sobre quais aspectos?

9 44. Neste ano de 2014, o NAEF já realizou visita na residência de algum aluno da sua turma? Por qual motivo? Quais resultados foram obtidos após a visita? 45. Você conhece o Programa Presente Garantindo o Futuro? Ele contribui de alguma forma para a frequência escolar? De que forma? Ou você considera desnecessário? 46. Em sua escola funciona o Projeto PETECA? Sua turma está contemplada? Caso afirmativo, como você avalia o desenvolvimento deste Projeto? 47. Sua turma possui alunos participando do Programa MAIS EDUCAÇÃO? Existe alguma interação entre você e os monitores do MAIS EDUCAÇÃO? De que forma ocorre esta interação? 48. Como você autoavalia a estima do Professor da Rede Municipal? 49. Em sua opinião, quais temáticas devem ser abordadas com prioridade, nos próximos cursos de formação oferecidos pela Secretaria de Educação? 50. Expresse sua opinião sobre este Sistema de Avaliação utilizado pela Secretaria de Educação, denominado SIGA.

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO N 001/2014 A Prefeitura do Município de Bananal/SP, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no artigo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

Data 2008 BLOCO I INFORMAÇÕES GERAIS

Data 2008 BLOCO I INFORMAÇÕES GERAIS COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA/FACESA INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS SEGMENTO: ALUNOS Data 2008 CURSO: Enfermagem / TURNO: Matutino SEMESTRE: Primeiro BLOCO I INFORMAÇÕES GERAIS P1. Sexo A) ( ) Feminino

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva

1- Apoiar a construção coletiva e a implementação do Plano Municipal de Educação. 2 - Educação Inclusiva Projeto do Plano Conferência Projeto realizado Conferência realizada Elaborar o Plano com ampla participação dos setores da sociedade Realizar a Conferência com a participação de todos os setores da sociedade

Leia mais

Colégio Casimiro de Abreu Sistema Dom Bosco de ensino

Colégio Casimiro de Abreu Sistema Dom Bosco de ensino Caro(a) Conveniado, O COLÉGIO CASIMIRO DE ABREU, escola dedicada ao Ensino Fundamental I, II e Ensino Médio, tem grande satisfação em oferecer a você, através do convênio com o SEAAC, um benefício que

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96;

Considerando o disposto no artigo 12, inciso V; artigo 13, inciso IV, e artigo 24, inciso V, alínea e, da Lei Federal 9394/96; ATO NORMATIVO da Secretaria Municipal da Educação Resolução SME nº4, de 05 de março de 2015. Dispõe sobre a Recuperação da Aprendizagem, de maneira Contínua e/ou Paralela, no Ensino Fundamental da Rede

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL MARIA HELENA ALBANEZE SALA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

ESCOLA ESTADUAL MARIA HELENA ALBANEZE SALA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL ESCOLA ESTADUAL MARIA HELENA ALBANEZE SALA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PLANO DE AÇÃO Andréa Luiza da Costa Oliveira CORUMBÁ/MS DEZEMBRO DE 2013 ESCOLA ESTADUAL MARIA HELENA ALBANEZE SALA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

GARANTIR O DIREITO DE APRENDER O grande desafio da educação. Para cada criança Saúde, Educação, Igualdade, Proteção FAZENDO A HUMANIDADE AVANÇAR

GARANTIR O DIREITO DE APRENDER O grande desafio da educação. Para cada criança Saúde, Educação, Igualdade, Proteção FAZENDO A HUMANIDADE AVANÇAR GARANTIR O DIREITO DE APRENDER O grande desafio da educação O PROGRAMA DE PAÍS DO UNICEF As ações prioritárias do UNICEF no Brasil para os próximos cinco anos enfocam 5 direitos das crianças: - Sobreviver

Leia mais

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010

É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 É possível utilizar os resultados da avaliação em larga escala para melhorar o desempenho dos alunos? Maria Inês Fini Out./2010 Em que contexto de gestão estão inseridos os usos de seus resultados? Nível

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS

IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS IDEB ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CONCEITOS E USOS Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP epazello@usp.br Instituto Fonte 26/11/2013 Roteiro da apresentação Descrever o cálculo do IDEB, procurando

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Escola Técnica Estadual Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Informação

Leia mais

AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS

AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS PARCEIROS INSTITUCIONAIS Durante o primeiro semestre de 2003, 17 Centros Regionais de Ensino da Secretaria de Educação Básica do Estado e 5 Secretarias Municipais de Educação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013

ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR UNIAO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS RELATÓRIO GERAL DE REPOSTA DE PROFESSORES. 2º SEMESTRE DE 2013 1.1 Organização Institucional Q1 Cumprimento da missão da

Leia mais

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL

RESULTADO DE ENQUETE APLICADA PELO PORTAL 01/11/2012 10:31:12 1 Código Nome da Enquete D. Inicio D. Fim 597 Outras Dimensões - 4º ano A 08/10/12 31/10/12 1-1. 1ª Dimensão Planejamento Institucional: Você acessa as normas institucionais (Regimento,

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

Relatório da Avaliação pela CPA

Relatório da Avaliação pela CPA 1 Relatório da Avaliação pela CPA 10 de outubro 2011 Visando atender a abrangência necessária no que tange à Avaliação Institucional da AJES, conforme Sistema elaborado pela CPA, este Relatório busca aliar

Leia mais

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010.

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Cria Cargos de Professor para os Níveis da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de provimento efetivo, no Quadro de Pessoal

Leia mais

Projeto Rede Formação docente: interdisciplinaridade e ação docente

Projeto Rede Formação docente: interdisciplinaridade e ação docente Projeto Rede Formação docente: interdisciplinaridade e ação docente 1 Promover a formação continuada de professores da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio, incluindo a elaboração

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL Nº 01/2014 ANEXO II PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS EMPREGOS (Ciências) (Ensino Fundamental) ATRIBUIÇÕES proposta da escola. fixando metas, definindo objetivos.

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

1. Assinale a série em que você estuda. a. 1ª série do Ensino Médio b. 2ª série do Ensino Médio

1. Assinale a série em que você estuda. a. 1ª série do Ensino Médio b. 2ª série do Ensino Médio Prezado aluno: Esta pesquisa tem como objetivo conhecer um pouco mais sobre você, aluno, suas necessidades, expectativas e sua percepção individual em relação ao Expoente. Este questionário é totalmente

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

O PSDB e as Políticas Sociais: Passado, Presente e Futuro

O PSDB e as Políticas Sociais: Passado, Presente e Futuro O PSDB e as Políticas Sociais: Passado, Presente e Futuro Experiências Inovadoras em Políticas Sociais: o caso de Teresina - PI João Pessoa Maio - 09 Antecedentes Foco na alfabetização (2005 a 2008); Universalização

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LETIVO :

ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LETIVO : ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EDUCAÇÃO INFANTIL Aluno: CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANO LETIVO : RA: Semestre: Turma: Endereço Completo: _ R. Cep: Telefone: E-MAIL Avaliação do Professor Orientador de Estágio:

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DOCENTE - 2014.1 A Comissão Própria de Avaliação (CPA) é o órgão responsável por coordenar,

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA DIREÇÃO DE ENSINO DO CÂMPUS CURITIBA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 A Direção de Ensino do câmpus Curitiba, compreendendo todas as suas seções, com a finalidade

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA

ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA ESCOLA ESTADUAL GETÚLIO VARGAS ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO RÁDIO ESCOLA APRESENTAÇÃO: A Escola Estadual Getúlio Vargas Ensino Fundamental, do Município de Engenheiro Beltrão, Estado do Paraná, preocupada

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

VII CENSO DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA UERJ

VII CENSO DOS ALUNOS DE GRADUAÇÃO DA UERJ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO- UERJ NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E ESTUDOS DE CONJUNTURA NIESC/PRODEMAN SUB-REITORIA DE GRADUAÇÃO- SR-1 DEPARTAMENTO DE ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA - DEP Prezado

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO

PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO PLANEJAMENTO DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO: A INTENÇÃO É COMPARTILHAR CONHECIMENTOS, SABERES E MUDAR O JOGO Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira/ UEM Equipe Gestora Evando Carlos Moreira/ UFMT Equipe Colaboradora

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2

PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR. Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2 PROPAV COCENAI RELATÒRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR Introdução 3DUWH&217(;78$/,=$d 2'$%$6('($78$dÆ2'$68%&20,66 2,%$6('($78$d 2'$68%&20,66 2,&XUVRVGHJUDGXDomRRIHUHFLGRVQDiUHDGD6XEFRPLVVmR

Leia mais

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa

PNAIC. CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa PNAIC POLO DE POÇOS OS DE CALDAS Equipe do PNAIC-CEAD CEAD-UFOP Coordenadora Geral: Profa. Dra. Gláucia Jorge Coordenador Adjunto: Prof. Dr. Hércules Corrêa Supervisão de avaliação ão: Profa. Dra. Carla

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/02 CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: DISCENTES:

Leia mais

F A C I C FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO

F A C I C FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO (deve ser emitido em papel timbrado da Escola) ATESTADO DE DOCÊNCIA* Atesto, para os devidos fins, que, R.G. exerceu horas de docência na ( ) Educação Infantil ( ) Ensino Fundamental Séries Iniciais, nessa

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 06/2009 - CME Estabelece a Matriz Curricular para o Ensino Fundamental nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Natal/RN. O CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Capa FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EAD UNIDADE PEDAGÓGICA DE SALVADOR CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA EXPERIENCIA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Salvador Bahia 2010 Folha de Rosto

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

O uso dos computadores e da internet nas escolas públicas de capitais brasileiras

O uso dos computadores e da internet nas escolas públicas de capitais brasileiras O uso dos computadores e da internet nas escolas públicas de capitais brasileiras A Fundação Victor Civita, que tem por missão contribuir para a melhoria da qualidade da Educação Básica no Brasil, produzindo

Leia mais

PATRÍCIA SANTOS COUTO UFRPE/LACAPE JOSINALVA ESTACIO MENEZES UFRPE/LACAPE jomene@ufrpe.br

PATRÍCIA SANTOS COUTO UFRPE/LACAPE JOSINALVA ESTACIO MENEZES UFRPE/LACAPE jomene@ufrpe.br UMA EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DE JOGOS E MATERIAL CONCRETO EM CAPACITAÇÕES COM PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO EM PERNAMBUCO: INTERDISCIPLINARIDADE, REFLEXOS E PERSPECTIVAS PATRÍCIA

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos.

Assim, a avaliação da aprendizagem possibilita ao professor consciência sobre o curso dos processos e dos resultados educativos. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO III- A PORTARIA E/SAPP Nº 48/2004: ASPECTOS CENTRAIS Uma concepção de avaliação Os artigos 1º e 2º da Portaria E/SAPP 48/04 destacam a concepção de avaliação que fundamenta

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância

EDITAL Nº 11/2014. Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância UDF - CENTRO UNIVERSITÁRIO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 11/2014 Processo Seletivo de Bolsistas para Monitoria em Ensino a Distância A Pró-Reitora, no uso de suas atribuições regimentais e tendo em

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Elaboração do programa das disciplinas

Elaboração do programa das disciplinas Elaboração do programa das disciplinas Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Questões fundamentais O que pretendo alcançar? Uma disciplina

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão)

Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) CURSO PRÉ-VESTIBULAR DA UNIOESTE UM AMBIENTE INTERDISCIPLINAR PARA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Área Temática: Educação Adair Santa Catarina 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Aparecida Favoretto 2, Bruna S.

Leia mais

Objetivo construção de um cenário

Objetivo construção de um cenário Objetivo Levantar informações junto aos professores de Educação Física e aos diretores / vice diretores das escolas públicas brasileiras, de modo a permitir o mapeamento e a construção de um cenário sobre

Leia mais

PORTARIA Nº 4060/2011-GAB/SEE

PORTARIA Nº 4060/2011-GAB/SEE PORTARIA Nº 4060/2011-GAB/SEE O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da competência prevista pelo inciso III, art. 13 da Lei nº 17.257, de 25 de janeiro de 2011, e tendo em vista as novas Diretrizes

Leia mais