Spinelli Análise VisaNet

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Spinelli Análise VisaNet"

Transcrição

1 Spinelli Análise VisaNet 02 de outubro de 2009 Destaques: VNET3 Preço alvo: R$ 20,62 Cotação: R$ 17,00 Upside: 21,3% Empresa: A VisaNet é a empresa líder da indústria de cartões de pagamento no mercado brasileiro e segue como única credenciadora da bandeira VISA no Brasil, exclusividade que deverá ser encerrada em meados de 2010, caso seja mantida decisão atual do Cadê, operando com os cartões de crédito da bandeira VISA e com os cartões de débito Visa Electron. De acordo com o Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos, é a empresa que tem a maior cobertura no país, estando em mais de 96,7% dos municípios brasileiros, abrangendo cerca de 1,5 milhão de estabelecimentos. A bandeira Visa é a marca líder de cartões de pagamento no País, com participação de mercado de 46,8% no ano de 2008, em termos de Volume Financeiro de Transações, e reconhecida pelos Estabelecimentos credenciados como a bandeira mais utilizada pelos portadores, de acordo com o Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos. No início de julho, a companhia concluiu sua oferta pública inicial (IPO) secundária de 559,8 milhões de ações, no valor de R$ 8,4 bilhões (R$ 15,00 por ação), com a venda de participação dos controladores. Erika Mudalen (11) Resultado: A VisaNet divulgou balanço sólido no 2T09, com forte crescimento de receitas e aumento comedido de custos e despesas, o que resultou em expansão de suas margens. A empresa registrou Receita Operacional Líquida de R$ 862,9 milhões no 2T09, expansão de 28,9% na ante o 2T08 e 9% sobre o 1T09, impulsionada pelo forte crescimento das receitas com antecipações de recebíveis, atividade recentemente iniciada pela companhia, e manutenção de expansão forte das operações com cartão de crédito. As receitas com cartão de crédito cresceram 26,1% ante o 2T08 e 7,3% ante o 1T09. As operações com cartões de débito avançaram 22,7% em relação ao 2T08 e praticamente estáveis ante o 1T09. O aluguel de POS foi responsável por 27,2% da Receita Bruta e cresceu 18,8% sobre o 2T08, mas apenas 1,7% sobre o 1T09. Outras receitas cresceram 0,7% no 2T09, ante o 2T08 e até caíram ante o 1T09, mas tem participação pequena no resultado total. Já as receitas financeiras, provenientes das operações de liquidação antecipada de recebíveis, atingiram 4,7% da Receita Bruta e se expandiram 105,3% sobre o 1T09 (essa receita não é comparável ao 2T08, pois essa operação teve início em setembro de 2008).

2 O Custo dos Serviços Prestados teve crescimento mais comedido, de 13% no 2T09 ante o 2T08 e de 7,65% sobre o 1T09 e as Despesas Operacionais recuaram 39,5% (Pessoal e Administrativas responsáveis por 70% do total) sobre o 2T08, contudo, expurgando-se os R$ 65,3 milhões extraordinários, haveria aumento de 7%, ante evolução de 28,9% da ROL. Ante o 1T09, as Despesas Operacionais recuaram quase 10% e passaram a representar 11% da ROL, ante 12,6% no 1T09. Essa combinação de forte crescimento da receita, com aumento mais comedido de custos e despesas fez a empresa registrar expansão de 39,9% no EBITDA Ajustado no 2T09, com Margem EBITDA Ajustada de 67,3%, avanço de 5,3 pontos porcentuais sobre o 2T08 e contra 65,9% verificado no 1T09. O Lucro Líquido Recorrente da companhia apresentou um aumento de 48% em relação ao 2T08 e de 9,48% sobre o 1T09. Atividades: As receitas da Visanet são basicamente oriundas da: 1) captura, processamento e liquidação financeira das transações com cartões de crédito; 2) captura, processamento e liquidação financeira das transações com cartões de débito; 3) aluguel de equipamentos para captura eletrônica de transações, chamados de POS; 4) liquidação financeira antecipada aos estabelecimentos credenciados sobre os recebíveis com cartões de crédito, apurando uma receita financeira; 5) outras receitas. 2

3 Cartão de Crédito - Principal produto da companhia, responsável por 50% de sua Receita Operacional Líquida (ROL), consiste na captura, processamento e liquidação financeira das transações com cartões, cobrando por esses serviços uma taxa de administração aplicada sobre o valor de cada transação realizada pelos estabelecimentos (lojas, restaurantes, etc...), de cerca de 1,5% nas operações de crédito (líquida da taxa de intercâmbio com o emissor do cartão). Vale destacar a sazonalidade das receitas com a modalidade, tendo em vista o período de vendas de Natal no último trimestre de cada ano. Essa atividade vem registrando as maiores taxas de crescimento, resultado do aumento do crédito e da maior penetração do uso do cartão no consumo brasileiro. Cartão de Débito Responsável por pouco menos de 15% da ROL total, essas receitas são oriundas da captura, processamento e liquidação financeira das transações com cartões, cobrando uma taxa de administração pelos serviços de cerca de 0,75% nas operações. No Brasil, o cartão de débito vem substituindo uso dos cheques e dinheiro como meio de pagamento, por ser mais seguro e conveniente e é mais recente que o segmento de cartão de crédito, possuindo uma taxa de penetração mais baixa na população e grande potencial de crescimento. Aluguel de Equipamentos de Captura - Responsável por cerca de 25% da ROL da VisaNet, consiste no aluguel de equipamentos pelos estabelecimentos para captura eletrônica de transações, como o POS, que permitem a captura com todos os tipos de cartão da bandeira VISA e o Pin Pad, usado para a leitura de cartões, adotados por grandes redes varejistas ou em lugares com grande número de transações e ao contrário do POS pode ser de propriedade do estabelecimento. Existem também cerca de 13 mil POS, normalmente em estabelecimentos de menor 3

4 porte, compartilhados entre a Redecard e VisaNet. Nesse caso, uma das empresas (Redecard ou Visanet) recebe o aluguel do POS, em média de R$ 60,00 a R$ 70,00, e a outra recebe uma taxa de conexão, que chega a aproximadamente R$ 30,00. Contudo, essa taxa de conexão já é líquida, enquanto o aluguel requer manutenção e outras despesas que reduzem a margem líquida para próximo dessa taxa de conexão. Antecipação de Recebíveis - A VisaNet faz a liquidação financeira antecipada aos estabelecimentos credenciados sobre os recebíveis com cartões de crédito, apurando uma receita financeira. A empresa iniciou essa atividade em setembro de 2008, bem depois da sua concorrente. Essa linha de atividade vem apresentando crescimento expressivo, já que foi iniciada recentemente e possui grande potencial. Para ilustrar, essa receita já representa cerca de 20% da ROL total da Redecard, enquanto ainda corresponde a menos de 5% da ROL da VisaNet. Outros Produtos e Serviços Pouco representativa na ROL total ( cerca de 3%) não apresenta grande crescimento no momento. Abrange: roteamento e transmissão de transações realizadas com cartões de benefício, os cartões Private Label; recarga de celular POS, que permite recarregar celulares pré-pago usando o cartão de crédito ou débito nos POS habilitados nos estabelecimentos; Troco-Fácil, que possibilita realizar saque associados a compras em estabelecimentos credenciados; o Cartão BNDES destinado a facilitar o acesso aos recursos do BNDES para micro, pequenas, e médias empresas. 4

5 Setor: A indústria brasileira de cartões encerrou 2008 com um desempenho superior ao estimado no início do ano. Números da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) indicam que o volume financeiro negociado por meio de todos os plásticos em circulação no mercado (crédito, débito, loja e rede) somou ao longo do ano passado R$ 388,7 bilhões, cifra 24% maior do que em As projeções iniciais eram de fechar 2008 com um crescimento em torno de 22%. A maior parte da cifra foi concentrada nos cartões de crédito, que movimentaram R$ 223,5 bilhões, um aumento de 22% em relação ao ano anterior. Os cartões de débito, por sua vez, apresentaram o avanço mais expressivo, de 32%, com um volume financeiro de R$ 112,3 bilhões. O faturamento dos cartões de loja e rede cresceu 17%, para R$ 53 bilhões. O desempenho permanece positivo em 2009, a despeito da crise financeira mundial. Segundo projeções da Abecs, a expectativa é de que a indústria como um todo pode avançar de 15% a 20%, com o segmento crédito crescendo de 14% a 18%, o de débito de 20% a 27%, e o de loja e rede de 10% a 14%. Segundo recente estudo divulgado pelo Banco Central e pela Anefac, em 12 meses, encerrados em julho, o volume emprestado mensalmente via cartão de crédito cresceu 35,9%, ante 9,7% do crédito pessoal e consignado, 4,8% do financiamento imobiliário e 0,9% do cheque especial. Em julho passado, de cada R$ 4,00 emprestados pelos brasileiros, R$ 1,00 foi no cartão de crédito. O bom resultado do setor reflete a combinação de três fatores: 1) continuidade da migração de meios de pagamento como cheque e dinheiro para o cartão; 2) crescimento das vendas no comércio; 3) ingresso de novos portadores de cartões. Outro fator importante para a expansão do uso do cartão é o próprio aumento da bancarização da economia brasileira. Normalmente, o crescimento do uso do cartão se situa na faixa de 2,5 a 2,8 vezes o crescimento do consumo das famílias e possui representatividade ainda baixa no Brasil, quando comparada com as economias desenvolvidas. Para ilustrar, a participação do cartão de crédito no consumo total estava em 21% no Brasil no final de 2008, mesmo patamar verificado nos EUA em Atualmente, o cartão já responde por mais de 40% do consumo no mercado americano. Dessa forma, o desempenho da VisaNet deverá continuar refletindo a migração de meios de pagamento como cheque e dinheiro para o cartão, crescimento das vendas no comércio e ingresso de novos portadores de cartões. 5

6 Riscos e Regulamentação: Além dos riscos relacionados à concorrência com outros meios de pagamento, eventuais novos participantes e outras alternativas de crédito, vale destacar a proximidade do fim da exclusividade do credenciamento da VISA pela Visanet e a nova regulamentação que vai vigorar sobre o setor, que está em fase de conclusão pelo governo. É possível que as ações sigam pressionadas até a definição da questão, que, é evidente, pode ter impacto negativo sobre a companhia. Mas confiamos na capacidade da empresa em superar essas desavenças e manter o sólido desempenho apresentado. São esperadas medidas que incentivem a concorrência, como a abertura do credenciamento (fim da exclusividade), compartilhamento de redes entre as empresas de credenciamento, ampliação dos serviços oferecidos pelas redes nacionais nos cartões de débito, criação de câmara de compensação para as operações de cartão de crédito e maior transparência na definição das tarifas de intercâmbio cobradas entre as credenciadoras de cartões e suas bandeiras. Abaixo discorremos sobre eventuais impactos de algumas dessas medidas: 1) Fim da exclusividade do credenciamento da Visa com a Visanet: A SDE instaurou um processo administrativo contra a companhia no início de agosto, para apurar se havia conduta anti-competitiva na relação comercial entre a VisaNet e a bandeira VISA, emitindo simultaneamente uma medida preventiva de modo a suspender os efeitos do contrato de exclusividade que existe entre as duas companhias. A decisão tomada no dia 6 de agosto pela SDE suspendia imediatamente a exclusividade da Visa com a VisaNet, ao contrário do cronograma anteriormente definido pela empresa de finalizar a exclusividade em 30 de junho de Porém no dia 17 de setembro, os conselheiros do Cade anunciaram o entendimento de que a exclusividade não apresenta risco à competitividade no setor, suspendendo imediatamente a medida da SDE. A decisão dos conselheiros do Cade refere-se apenas à medida preventiva, sendo que os mesmos ainda precisam debater sobre o processo administrativo aberto pela SDE contra a VisaNet. Apesar disso, o mercado sinalizou positivamente à notícia, pois adia o processo de concorrência entre as credenciadoras, já que a exclusividade com a Visa também impede a VisaNet de credenciar outras bandeiras, como a Mastercard. Com relação à exclusividade da Redecard com a bandeira Mastercard, ela já foi extinta há tempos. Vale destacar que a VISA possui market share maior no mercado brasileiro, de aproximadamente 60%, ante cerca de 40% da Mastercard. Portanto, o aumento da concorrência com fim da exclusividade tenderia a ser mais benéfico para a Redecard, que teria um mercado maior a explorar. Todavia, não esperamos grandes mudanças no curto prazo. 2) Compartilhamento dos equipamentos de captura de transações: Apesar de responder por pouco mais de 25% da ROL da VisaNet, acreditamos que o efeito de uma decisão no sentido de unificar as máquinas de captura não seria significativo sobre o valuation da empresa, mesmo no pior cenário. Mais da metade das transações das credenciadoras já é proveniente de equipamentos que não pertencem à adquirente (Redecard ou VisaNet) ou são compartilhados, como: 1) os chamados PDV (Pontos de Venda), que são computadores pertencentes ao estabelecimento, como ocorre em grandes supermercados, redes de drogarias e varejistas, que possuem tecnologia necessária para realizar o serviço; 2) cerca de 13 mil POS (equipamentos de captura pertencentes à adquirente), normalmente em estabelecimentos de menor porte, são compartilhados entre a Redecard e VisaNet. Nesse caso, uma das empresas (Redecard ou Visanet) recebe o aluguel do POS, em média de R$ 60,00 a R$ 70,00, e a outra recebe uma taxa de conexão, que chega a aproximadamente R$ 30,00. Contudo, essa taxa de conexão já é líquida, enquanto o aluguel requer manutenção e outras despesas que reduzem a margem líquida para próximo dessa taxa de conexão. 6

7 Ou seja, mesmo que as empresas tenham que compartilhar o serviço, o que seria bom para o lojista, as credenciadoras não perderiam grande parcela de suas margens sobre a operação. Vale destacar ainda o elevado volume de credenciamento de novos estabelecimentos, o que compensaria parte dos pontos perdidos em espaço de tempo relativamente curto. 3) Prática de preços diferentes para compras no cartão e via outros meios de pagamento: No que diz respeito à possibilidade de o lojista fixar formalmente dois preços para meios de pagamentos diferentes, consideramos que as operações parceladas não deverão ser afetadas, na medida em que o governo não deverá estimular o uso do pré-datado. No caso da diferenciação da forma de pagamento em compras à vista, além de informalmente já ser possível ser praticada atualmente, o cartão oferece algumas vantagens aos estabelecimentos, principalmente o repasse do risco de crédito do portador para a instituição financeira, o que desestimula o interesse do lojista pelo recebimento em cheques. Outras vantagens ainda incluem a logística, no caso de movimentação de grandes somas de dinheiro, e a segurança, dado que a utilização do cartão reduz o volume de dinheiro disponível no estabelecimento. 4) Redução do prazo de recebimento dos valores pelo lojista de D+30 para D+2: Essa medida teria maior impacto para os bancos no primeiro momento. Atualmente, os lojistas recebem os recursos das vendas à vista em D+30 e há um pleito para reduzir esse repasse a D+2. Os maiores prejudicados pela medida seriam os bancos, que teriam que repassar os recursos para os lojistas em D+2, mas só receberiam o pagamento dos clientes em D+30, gerando um efeito carregamento negativo. Porém, a medida também afetaria a VisaNet, no caso das operações de pré-pagamento de vendas à vista. Contudo, como a empresa iniciou a antecipação de recebíveis recentemente, em setembro de 2008, e ainda representa menos de 5% da ROL a decisão seria menos prejudicial para a Visanet. No caso da Redecard, as operações de antecipação correspondem a quase 20% da ROL e o pré-pagamento de vendas à vista corresponde a cerca de 40% da receita total com a antecipação. Caso os lojistas passem a receber os recursos em D+2, não necessitariam mais antecipar os recursos de suas vendas à vista, apenas das vendas parceladas, o que reduziria a receita da Redecard. A empresa, porém, conservaria as receitas com pré-pagamento das vendas parceladas. Conclusão: O desempenho recente da VisaNet mostra o espaço que a atividade de cartão de crédito possui para crescer no Brasil, tendo em vista sua representatividade ainda baixa no consumo, quando comparada com as economias desenvolvidas. Dessa forma, o desempenho da VisaNet deverá continuar refletindo a migração de meios de pagamento como cheque e dinheiro para o cartão, crescimento das vendas no comércio e ingresso de novos portadores de cartões. A VisaNet não possui risco de crédito, que fica por conta do banco emissor, e cresce a taxas superiores aos custos e despesas. Mesmo com os entraves causados pela mudança regulatória, supomos que o impacto é administrável e será compensado pelo crescimento das demais linhas de receita. Dessa forma, iniciamos a cobertura de seus papéis recomendando a Compra com preço alvo de R$ 20,62. Vale lembrar que a empresa não precisa de grandes investimentos e deve manter política de distribuir cerca de 90% do lucro em dividendos, o que poderá resultar em um yield atrativo nos próximos anos, que pode chegar a 8% em

8 milhões R$ 2011 e 2010 e 2009 e 2008 Receita Líquida* Lucro Líquido Dívida Líquida n.ações Ebitda Ajustado Cotação 17,00 17,00 17,00 17,00 LPA 1,55 1,34 1,15 1,02 P/L 10,96 12,69 14,80 16,65 VPA 1,77 1,38 1,05 0,76 P/VPA 9,59 12,28 16,20 22,31 ROE 87,53% 96,8% 109,5% 134,0% ROA 11,4% 11,2% 10,8% 10,7% Dívida Líquida/ Ebitda -0,09-0,06-0,02 0,01 Margem Ebitda 64,8% 66,0% 66,3% 62,3% * inclui Antecipação de Recebíveis, líquido Destaques Fluxo de Caixa VisaNet Custo de Capital Taxa Livre de Risco 4,00% Risco País 3,00% Prêmio de Risco 5,00% Beta 0,50 Custo da Dívida Custo nominal da dívida 10,5% WACC 9,60% Capital Terceiros 9,77% Capital Próprio 90,23% Taxa de Crescimento em Perpetuidade 4,00% VPL dos fluxos de caixa (em R$ milhões) ,3 Dívida Líquida (em R$ milhões) 17,2 Valor Justo ,1 nº de ações (em milhões) 1.364,8 Valor justo por ação 20,62 Cotação 17,00 Upside 21,3% 8

9 Análise Tel: Açúcar & Álcool Petróleo, Gás & Petroquímico Alimentos, Bebidas & Fumo Bancos & Serviços Financeiros Construção Civil Mineração Papel & Celulose Siderurgia Telecom, Mídia & Tecnologia Utilities Erika Mudalen Outros Erika Mudalen Este Relatório foi preparado pela Spinelli S.A. CVMC para uso exclusivo do destinatário, não podendo ser reproduzido ou distribuído por este a qualquer pessoa sem expressa autorização da Corretora. Este Relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer valor mobiliário ou instrumento financeiro. As informações contidas neste Relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Spinelli garantia de exatidão das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas, e não devem ser consideradas como tais. As opiniões contidas neste Relatório são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudanças. Sem prejuízo do disclaimer acima e em conformidade com as disposições da Instrução CVM nº 388, o analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório declara que: (I) é certificado pela APIMEC e registrado na Comissão de Valores Mobiliários. (II) as análises e recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, às quais foram realizadas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Spinelli. (III) não mantém vínculo direto com qualquer pessoa natural que exerça qualquer função de diretoria e/ou gerência na companhia objeto da análise neste Relatório. (IV) não é titular, diretamente ou indiretamente, de ações e/ou outros valores mobiliários de emissão da companhia objeto da análise neste Relatório, que representem 5% ou mais de seu patrimônio pessoal, e não está envolvido na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado. (V) sua remuneração é fixa e não está, diretamente ou indiretamente, relacionada à recomendação específica ou atrelada à precificação de quaisquer dos valores mobiliários de emissão da companhia objeto de análise neste Relatório. (VI) a Spinelli detém, indiretamente, ações e/ou outros valores mobiliários de emissão da companhia alvo da análise neste relatório e está envolvida na aquisição, alienação e intermediação de tais valores mobiliários no mercado. Informações adicionais sobre quaisquer companhias objeto de análise e recomendação podem ser obtidas diretamente, por telefone, com o(s) analista(s) responsável(eis) pela análise. Informações e análises de companhias que não são objeto de análise e recomendações podem ser obtidas através de solicitação. 9

NUTRIPLANT ON (NUTR3M)

NUTRIPLANT ON (NUTR3M) NUTRIPLANT ON (NUTR3M) Cotação: R$ 1,79 (18/06/2014) Preço-Alvo (12m): R$ 2,10 Potencial de Valorização: 18% 4º. Relatório de Análise de Resultados (1T14) Recomendação: COMPRA P/L 14: 8,0 Min-Máx 52s:

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

Daniel Zanela. Redecard

Daniel Zanela. Redecard Daniel Zanela Redecard Evolução: Faturamento e Volume de Cartões Quantidade de Cartões em Milhões 700 600 500 400 300 200 100 Faturamento em Bilhões R$ 600,00 R$ 500,00 R$ 400,00 R$ 300,00 R$ 200,00 R$

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento. CARDS 28 de abril de 2009 Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento CARDS 28 de abril de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização dos Instrumentos

Leia mais

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento

Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamento Audiência Pública CAE junho de 2009 Agenda 2 Introdução Relatório Metodologia e Fonte de Dados Aspectos Abordados Introdução 3 Projeto de Modernização

Leia mais

Carteira de Dividendos Maio/15

Carteira de Dividendos Maio/15 A Carteira de Dividendos Planner encerra abril com valorização de 5,23% acumulando ganho de 4,53% no ano A Carteira de Dividendos leva em consideração os seguintes itens na escolha das ações: i) forte

Leia mais

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados

APRESENTAÇÃO APIMEC. Março de 2015. Copyright Cielo Todos os direitos reservados APRESENTAÇÃO APIMEC Março de 2015 Copyright Cielo Todos os direitos reservados A COMPANHIA FAZ DECLARAÇÕES SOBRE EVENTOS FUTUROS QUE ESTÃO SUJEITAS A RISCOS E INCERTEZAS Tais declarações têm como base

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

APIMEC 3T10 Novembro de 2010

APIMEC 3T10 Novembro de 2010 APIMEC Novembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos ou incertezas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

04 de maio de 2015. A Carteira Dinâmica apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015

04 de maio de 2015. A Carteira Dinâmica apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015 A apresentou valorização de 5,03% em abril, acumulando alta de 5,24% em 2015 Período: 04/05 a 08/05 Com base em análises fundamentalistas, apresentamos alternativas de investimento no curto prazo. Acreditamos

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 19/02/2010 CETIP S.A BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS A Companhia A CETIP S.A. - Balcão Organizado de Ativos e Derivativos ( Companhia ou CETIP ) opera o maior Mercado Organizado para Ativos de

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

Oferta Pública de Ações. Março 2009

Oferta Pública de Ações. Março 2009 Oferta Pública de Ações Março 2009 Aviso Importante Este material foi preparado pela Redecard S.A. ("Redecard" ou "Companhia") exclusivamente para as apresentações relacionadas à Oferta Pública Secundária

Leia mais

Spinelli Panorama Diário

Spinelli Panorama Diário Spinelli Panorama Diário 18 de setembro de 2009 Indicadores Análise Gráfica Ibovespa: Após o teste do suporte de 55.300 pontos, o Ibovespa registrou forte recuperação, superou a resistência de 57.300 pontos,

Leia mais

Trading Idea (BBRK3 Compra)

Trading Idea (BBRK3 Compra) Trading Idea (BBRK3 Compra) Destaques/ Operação Sob a ótica fundamentalista, recomendamos a compra das ações da Brasil Brokers vislumbrando um posicionamento de médio/longo prazo. Entrada: até R$ 6,60

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Setembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 DESTAQUES DO DIA INFLAÇÃO A inflação de janeiro, medida pelo IPC- Fipe fechou com alta de 0,54%, acumulando 6,4% em 2010. Outros índices de inflação, o IGP- DI e o

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Senado Federal 23.jun.2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Senado Federal 23.jun.2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Senado Federal 23.jun.2009 O que representa a indústria de cartões... 38 bancos emissores 500 milhões de plásticos e 5,5 bi de transações mais de 60% dos domicílios

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio

Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista. Fecomercio Cartões de Crédito A Visão do Comércio Varejista Fecomercio SOBRE A FECOMERCIO Principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços Congrega 152 sindicatos patronais, que abrangem mais

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1

Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1 Estudo sobre a Indústria de Cartões 1/7/2010 1 Glossário de Termos Técnicos Bases operacionais de cartões são as alternativas de captura de dados que os estabelecimentos podem utilizar para efetivar as

Leia mais

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL

A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL A INDÚSTRIA DE CARTÕES NO BRASIL Ivo Vieitas ABECS 1 Agenda Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma Indústria Forte 2. Uma indústria Complexa 3. Nova Realidade 2 Agenda 1. Mercado de Cartões no Brasil 1. Uma

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador FLEXA RIBEIRO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 677, de 2007, que dispõe sobre o compartilhamento da infraestrutura

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 23/07/2010 AMIL S.A. A Companhia COMPRA Código em Bolsa AMIL3 Setor SAÚDE Cotação em 15/07/10 R$ 15,00 Preço Alvo R$ 20,60 Potencial de Valorização 37,33% Valor de Mercado (em mil) R$ 5.426.775 Cotação

Leia mais

Panorama Diário Spinelli

Panorama Diário Spinelli Indicadores Variação -% Bolsas Pontos Dia Mês Ano Ibovespa 66.684 0,61% -2,77% -3,78% IBX 21.607 0,56% -3,48% -2,84% S&P500 1.320 0,93% -0,47% 4,93% Dow Jones 12.342 0,46% 0,18% 6,60% Câmbio 73.000 71.000

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões Página 1 de 9 Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões A partir de 1º de julho de 2010, com a quebra da exclusividade, os Estabelecimentos

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

HORA DE COMPRAR AÇÕES DA PETROBRAS?

HORA DE COMPRAR AÇÕES DA PETROBRAS? A reprodução indevida, não autorizada, deste relatório ou de qualquer parte dele sujeitará o infrator a multa de até 3 mil vezes o valor do relatório, à apreensão das cópias ilegais, à responsabilidade

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007

Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 1 Mercado de Cartões de Crédito: Análise PLS 213/2007 e PLS 677/2007 Secretaria de Acompanhamento Econômico 1 Brasília 27 de maio de 2008 2 ESTRUTURA A Secretaria de Acompanhamento Econômico/MF Panorama

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 3T15. 10 de novembro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 3T15 10 de novembro de 2015 Magazine Luiza Destaques do 3T15 Vendas E-commerce Ganho de participação de mercado com aumento da margem bruta Receita bruta consolidada de R$2,4

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2T15. 31 de julho de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2T15 31 de julho de 2015 Magazine Luiza Destaques do 2T15 Vendas E-commerce Ganho consistente de participação de mercado Redução na receita líquida de 10,1% para R$2,1 bilhões

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

São Paulo, 17 de outubro de 2012.

São Paulo, 17 de outubro de 2012. São Paulo, 17 de outubro de 2012. Discurso do Diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, no 7º CMEP Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento Boa tarde a todos Primeiramente gostaria

Leia mais

Spinelli Panorama Diário

Spinelli Panorama Diário Spinelli Panorama Diário 09 de fevereiro de 2010 Indicadores Variação - % Pontos dia semana mês Bolsas Ibovespa 63.153 0,62 0,62-3,44 IBX 19.989 0,47 0,47-3,70 S&P500 1.056-0,89-0,89-1,60 Dow Jones 9.908-1,04-1,04-1,58

Leia mais

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010

Divulgação de Resultados do 2T10. 4 de agosto de 2010 Divulgação de Resultados do 4 de agosto de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15

TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 TELECONFERÊNCIA DE RESULTADOS 1T15 RESULTADOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS RECEITA LÍQUIDA 300,1 361,1 20,3% EBITDA AJUSTADO 56,5 68,7 21,6% MARGEM EBITDA AJUSTADO 1 17,9% 18,4% 0,5 p.p. LUCRO LÍQUIDO AJUSTADO

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

PETROBRAS Resultado Neutro no 4T09 e PN 2010-14

PETROBRAS Resultado Neutro no 4T09 e PN 2010-14 Analista PETROBRAS Resultado Neutro no 4T09 e PN 2010-14 A Petrobras divulgou na última sexta-feira seus resultados referentes ao 4T09 e ao fechamento de 2009 que mostraram um desempenho um pouco mais

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Seminário GVcev Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Produto Private Label fortalecendo a parceria entre varejo e instituições financeiras Marcelo Noronha Agenda Parceria Produto Private Label Bradesco

Leia mais

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 15 DE AGOSTO DE 2011

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 15 DE AGOSTO DE 2011 DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 15 DE AGOSTO DE 2011 p Índice ÍNDICE S&P 500... 2 ÍNDICE BOVESPA FUTURO AGO/11... 3 PETRÓLEO SPOT TIPO BRENT... 4 PETROBRÁS PN... 5 TAXA DE CÂMBIO SPOT USD/EURO...

Leia mais

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008

Resultados do 1T08. 14 de maio de 2008 Resultados do 1T08 14 de maio de 2008 Destaques do Trimestre Desenvolvimento dos Negócios Início dos desembolsos das operações de FINAME e BNDES Automático Bim Promotora de Vendas fase piloto das operações

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha.

Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Manutenção de Domicílio Bancário no Mercado de Cartões. Cartilha. Índice Introdução O Que é o Que Bandeira Credenciadoras Domicílio Bancário Estabelecimentos Manutenção de Domicílio Bancário Máquinas de

Leia mais

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012

Apresentação de Resultados 2T12. 10 de agosto de 2012 Apresentação de Resultados 2T12 10 de agosto de 2012 Aviso Legal Esta apresentação contém certas declarações futuras e informações relacionadas à Companhia que refletem as visões atuais e/ou expectativas

Leia mais

PRACTICO LIVE! FINANCEIRO CONFIGURAÇÕES BÁSICAS

PRACTICO LIVE! FINANCEIRO CONFIGURAÇÕES BÁSICAS PRACTICO LIVE! FINANCEIRO CONFIGURAÇÕES BÁSICAS Acessando Global -> Configuração Básica, temos: Assistente de Configuração A funcionalidade principal do Assistente é configurar as informações básicas para

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A.

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A. Resultados 2T15 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação

Leia mais

Valor Inovação Gestão de Negócios

Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Definição de Negócios Assessorar o empresariado brasileiro para o desenvolvimento dos setores comercial, industrial e de serviços. Ser um agente eficiente

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014 Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2014 Destaques do Expressivo crescimento em vendas mesmas lojas (25,4%) com rentabilidade Crescimento da receita líquida total: 28,5% versus 1T13 R$2,3 bilhões

Leia mais

PRODUTOS E SERVIÇOS CARTÕES BRADESCO

PRODUTOS E SERVIÇOS CARTÕES BRADESCO L2 6 PRODUTOS E SERVIÇOS CARTÕES BRADESCO Em março, o Bradesco firmou parceria com a American Express Company, pela qual assumiu suas operações de cartões de crédito e atividades correlatas no Brasil,

Leia mais

Relatório Analítico 19 de abril de 2012

Relatório Analítico 19 de abril de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa AM BV4 Segmento de Atuação Principal Alimentos Categoria segundo a Liquidez 1 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 80,99 Valor Econômico por Ação (R$) 81,05 Potencial

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

Cartões Private Label

Cartões Private Label Cartões Private Label Quando implementar? Como ativar? Por que ir além? Walter Rabello Quando Implementar Como Ativar Por que Ir além O que é Private Label? Para quem trabalha no mercado de cartões: Cartão

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda 02/06/2010 YARA BRASIL FERTILIZANTES S.A. A Companhia A Yara International ASA é uma empresa global especializada em produtos agrícolas e agentes de proteção ambiental. A empresa, sediada em Oslo, tem

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard

Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Teleconferência sobre a Oferta Pública de Ações da Redecard Roberto Egydio Setubal Presidente & CEO 16 Abril 2012 Fato Relevante de 12 de Abril de 2012 Preço: R$ 35,00 dentro da faixa de preço justo (entre

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda. Suas unidades de negócio estão divididas em:

- Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda - Consultores Ltda. Suas unidades de negócio estão divididas em: 23/04/2010 FERTILIZANTES FOSFATADOS S.A. - FOSFERTIL A Companhia COMPRA Código em Bolsa FFTL4 Setor FERTILIZANTES Cotação em 08/04/10 R$ 17,27 Preço Alvo R$ 28,43 Potencial de Valorização 64,61% Valor

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T15

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T15 Caxias do Sul, 04 de maio de 2015 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2015 (1T15). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009

Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Revisão Copel (CPLE6) Preço Teórico R$ 35,00 (COMPRA) 28.01.2009 Empresa Código Recomendação Fechamento* Preço-Teórico* Upside Risco Lote Copel PNB CPLE6 Compra 21,85 35,00 60,2% Elevado 1 EV/EBITDA (atual)

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo;

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo; LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. Projeto de Lei que estabelece normas para acompanhamento fiscal do ISS, relativo as operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências.

Leia mais

Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015

Meios de Pagamento. IBRAC 18 de setembro de 2015 Meios de Pagamento IBRAC 18 de setembro de 2015 1 OBSERVAÇÕES 1. As informações que serão apresentadas refletem uma visão geral, não se relacionando com casos concretos ou investigações em curso na SG;

Leia mais

Estudo Grendene - jmeloblog - h3p://jmeloblog.wordpress.com - Jean Melo RELATÓRIO DE AÇÕES

Estudo Grendene - jmeloblog - h3p://jmeloblog.wordpress.com - Jean Melo RELATÓRIO DE AÇÕES RELATÓRIO DE AÇÕES EMPRESA: GRENDENE CÓDIGO: GRND3 Quantidade de ações: 300.720.000 SETOR: CALÇADOS PREÇO ATUAL: R$ 8,88 MÁXIMA 52 SEM: R$9,84 MÍNIMA 52 SEM: R$6,93 RECOMENDAÇÃO: WATCH LIST Atividade Principal

Leia mais

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF

O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF O mercado de pagamentos eletrônicos e o TEF Apresentação para Clientes Barueri, Julho de 2012 Esta apresentação é para uso exclusivo do cliente. Nenhuma de suas partes pode ser veiculada, transcrita ou

Leia mais

Análise de Empresas 27/02/2015. Ambev: Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas ABEV3. Recomendação: Preço-alvo: 18,00 Upside: -1,9%

Análise de Empresas 27/02/2015. Ambev: Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas ABEV3. Recomendação: Preço-alvo: 18,00 Upside: -1,9% : Resultado do 4T14 e Revisão de Estimativas A AmBev registrou um crescimento do Ebitda de 5% em relação a igual período do ano anterior no 4T14, 3% acima da nossa estimativa, impulsionada pela alta dos

Leia mais

GRÁFICOS ATIVO NOVA ANTERIOR

GRÁFICOS ATIVO NOVA ANTERIOR GRÁFICOS ATIVO NOVA ANTERIOR 160 150 140 130 120 110 100 90 80 70 Carteira UM = 67,84% 60 IBOV = -13,83% 50 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 Carteira de Dividendos UM Investimentos

Leia mais

A Regulamentação dos Cartões de Crédito

A Regulamentação dos Cartões de Crédito A Regulamentação dos Cartões de Crédito Maria Inês Dolci Coordenadora Institucional Junho / 2009 Cartões de Crédito Rotativo: Taxas anuais 600,00% 500,00% 400,00% 17% 300,00% a.m 200,00% 100,00% 10,02%

Leia mais

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11)

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11) QUALICORP REGISTRA CRESCIMENTO DO TRIMESTRE NO NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS DE 18,5%, RECEITA LÍQUIDA DE 43,9%, EBITDA AJUSTADO DE 36,6% EM RELAÇÃO AO 2T10 1 São Paulo, 12 de agosto de 2011. A QUALICORP S.A.

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Agosto. Carteira Sugerida de Julho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Agosto. Carteira Sugerida de Julho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Spinelli Mercado Top Picks Semanal

Spinelli Mercado Top Picks Semanal 08 de Novembro de 2010 Spinelli Mercado Top Picks Semanal 1. Cenário de Mercado FED injeta mais liquidez os EUA e parte do dinheiro pode vir para o Brasil Atendendo as expectativas dos investidores, na

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA

Crescimento de 11,2% na. Receita Líquida. Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado R$ 4,0 bi. +10,5% Crescimento de 18,5% no EBITDA Resultados 3T15 GMV Receita Líquida Crescimento SSS GMV alcançou R$ 4,9 bilhões Crescimento de 11,2% na Receita Líquida Receita Líquida mesmas lojas de 9% no Trimestre Controladora R$ 2,2 bi. +11,2% Consolidado

Leia mais

Spinelli Estratégia Mensal

Spinelli Estratégia Mensal Spinelli Estratégia Mensal O novo ano figura a esperança de avanço do crescimento mundial. A declaração de Obama de que a crise norte-americana chegou ao fim, junto ao término do QE3 e a proximidade do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Financiamento de Veículos Posicionamento

Financiamento de Veículos Posicionamento Financiamento de Veículos Posicionamento Market Share de Produção em % Ranking Novos Financiamentos (3º Trim 14) 15,5% 1º 13,8% 14,5% 2º 2º 3º 1ºT 14 2ºT 14 3ºT 14 Pesados Autos Novos Motos Autos Usados

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Abril de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos

Leia mais

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br CSU CARDSYSTEM SA investidorescsu@csu.com.br 2 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1

Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 Deve-se proibir a diferenciação de preços entre compras à vista e com cartão de crédito? Paulo Springer de Freitas 1 De tempos em tempos a sociedade debate se deve ser permitida a diferenciação de preços

Leia mais

Cartões de Crédito e Concorrência. César Mattos Conselheiro do CADE

Cartões de Crédito e Concorrência. César Mattos Conselheiro do CADE Cartões de Crédito e Concorrência César Mattos Conselheiro do CADE Mercado de Cartão de Crédito como Mercado de Dois Lados Plataforma Portadores do Cartão Externalidades Positivas Vendedores que Aceitam

Leia mais