Vitalino Garcia OLIVEIRA (UFG - Câmpus jataí) Neuda Alves do LAGO (UFG - Câmpus jataí) Tatiana Diello BORGES (UFG - Câmpus jataí) Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vitalino Garcia OLIVEIRA (UFG - Câmpus jataí) Neuda Alves do LAGO (UFG - Câmpus jataí) Tatiana Diello BORGES (UFG - Câmpus jataí) Introdução"

Transcrição

1 DURANTE TODA MINHA VIDA, TIVE ESSA CONCEPÇÃO DE QUE A LÍNGUA INGLESA ESTAVA INTIMAMENTE LIGADA AOS ESTADOS UNIDOS - CRENÇAS DE UM ALUNO DE LETRAS (INGLÊS) ACERCA DAS VARIEDADES DESSA LÍNGUA Vitalino Garcia OLIVEIRA (UFG - Câmpus jataí) Neuda Alves do LAGO (UFG - Câmpus jataí) Tatiana Diello BORGES (UFG - Câmpus jataí) ABSTRACT: In this paper, we present some beliefs of a student from the Modern Languages Course at a Goias State university, about the varieties of English. Regarding data, we chose the case study as methodology, and the instruments were questionnaires, a narrative and an interview. The general aim of the study was to analyze the participant s beliefs concerning the English language varieties, while the specific aims were: (1) to identify the participant s beliefs about the topic and (2) to verify possible implications of those beliefs in his pedagogical practice. The results point to the need of reflection about the teacher s beliefs. RESUMO: Apresentamos, neste artigo, algumas crenças de um aluno do curso de Letras (Inglês) de uma universidade do interior de Goiás, acerca das variedades do inglês. A metodologia de pesquisa foi o estudo de caso, e os instrumentos de coleta de dados foram questionário, narrativa e entrevista. O objetivo geral foi analisar as crenças do participante em relação às variedades da língua inglesa, enquanto os específicos foram: (1) identificar as crenças do participante relacionadas ao tema; (2) verificar possíveis implicações das crenças aferidas em sua prática pedagógica. Os resultados apontam para a necessidade de se refletir sobre as crenças do professor. PALAVRAS-CHAVE: Crenças; Variedades Linguísticas; Ensino de Inglês. Introdução Variedades linguísticas são as variações que uma língua apresenta em razão das condições sociais, culturais e regionais nas quais é utilizada. Tais condições, apesar de vistas como algo positivo pelos estudiosos do assunto, podem ser motivo para preconceitos, quando da não aceitação de uma variedade em detrimento de outra, a exemplo, da aceitação do inglês americano em relação ao britânico e vice-versa. Como observa Ferreira (2001, p. 1-2), para muitos [alunos] somente é bom professor de inglês aquele que tiver a pronúncia americana ou britânica. Há casos extremos em que, ao buscarem por escolas de línguas, alguns destes [...] recusam-nas porque não oferecem o inglês americano. De acordo com a autora ainda essas variedades evidenciam-se fortemente na situação de ensino de língua inglesa, isso porque, os aprendizes reiteradamente fazem alusão ao tipo de inglês, se americano ou britânico (FERREIRA, 2001, p. 1). É preciso compreender, a nosso ver, que todas as variedades linguísticas são apropriadas, desde que atinjam eficientemente o caráter básico de uma língua: tornar possível a interação verbal entre os indivíduos, isto é, a comunicação. Essas questões são de fundamental importância para o professor de língua estrangeira - em especial o de língua inglesa - que deve ficar atento no sentido de não reproduzir em sala de aula suas concepções pessoais e, por vezes, equivocadas e preconceituosas em relação às variedades linguísticas manifestadas por seus alunos, pois, como se sabe, as crenças de professores (e alunos) são capazes de influenciar suas atitudes e decisões tomadas em sala de aula (SOARES E BEJARANO, 2008). Tendo em vista o exposto, apresentamos neste trabalho algumas das crenças de um aluno do curso de Letras (Inglês), professor em formação, de uma universidade federal do interior de Goiás, acerca das variedades da língua inglesa. O objetivo geral foi analisar as crenças do participante em relação às variedades do inglês, enquanto os específicos foram: (1) identificar as crenças do acadêmico relacionadas ao tema e (2) verificar possíveis implicações das crenças aferidas em sua prática pedagógica.

2 Este trabalho está organizado em quatro partes. Na primeira seção, apresentamos o referencial teórico, no qual discorremos sobre o construto crenças na área de ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras. Na segunda parte, trazemos a metodologia escolhida para a realização do estudo, detalhando sua natureza, o contexto investigado, o participante, os instrumentos empregados na coleta de dados e os procedimentos adotados na análise dos resultados. Na terceira, apresentamos os resultados obtidos. Finalmente, trazemos, na quarta seção, as considerações finais acerca deste estudo. 1. Referencial Teórico Conforme afirmado anteriormente, esta pesquisa apresenta como embasamento teórico o construto crenças. Assim apresentamos, primeiramente, um breve levantamento das diversas definições existentes acerca desse tema e, em seguida, procedemos à revisão de um trabalho que, dentre outras coisas, preocupou-se em pesquisa sobre crenças relacionadas às variedades linguísticas, foco deste trabalho. A década de 70 acarretou uma profunda mudança de paradigmas no ensino de línguas estrangeiras e isso se deve, dentre outras coisas, à consolidação da abordagem comunicativa. Dessa forma, pesquisadores em todo o mundo desviaram o foco da linguagem propriamente dita e passaram a considerar o aprendiz (BARCELOS, 2004). Esta mesma autora afirma ainda que, a partir dos anos 80, pesquisas sobre crenças de aprendizagem têm ganhado destaque no contexto da Linguística Aplicada, já que, de acordo com Pajares (1992), cada vez mais é importante saber como o aluno concebe sua aprendizagem. Dessa preocupação em desvendar o complexo universo do aprendiz, surge, na década de 80, o interesse crescente de pesquisadores estrangeiros pelo construto crenças relacionado ao ensino/aprendizagem de línguas. O marco inicial dessa tendência é a criação do BALLI - Beliefs About Language Learning Inventory - criado por Horwitz (1985). Não poderíamos deixar de mencionar ainda Wenden (1986), que, com seu movimento de autonomia da aprendizagem, trouxe importante contribuição para o ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras. No Brasil, as pesquisas tiveram início na década seguinte, com Leffa (1991), que investigou as crenças de alunos ingressantes na 5ª série do Ensino fundamental e Barcelos (1995), que conduziu pesquisa tendo como participantes alunos formandos de Letras. Definir crenças não é uma tarefa simples. Pajares (1992, p. 309) argumenta que tal dificuldade se deve ao caráter complexo das mesmas, haja vista a profusão de denominações que esse termo encerra - atitudes, valores, julgamentos, axiomas, opiniões, ideologia, percepções, conceituações, teorias implícitas, teorias explícitas e teorias pessoais, dentre outras. Para Barcelos (2001, p. 72) crenças são idéias, opiniões e pressupostos que alunos e professores têm a respeito dos processos de ensino/aprendizagem de línguas e que os mesmos formulam a partir de suas próprias experiências. Para Silva (2005, p. 77), esse construto é definido como idéias ou conjunto de idéias para as quais apresentamos graus distintos de adesão (conjecturas, idéias relativamente estáveis, convicção e fé). As crenças na teoria de ensino e aprendizagem de línguas são essas idéias que tanto alunos, professores e terceiros têm a respeito dos processos de ensino/aprendizagem de línguas e que se (re)constrói neles mediante as suas próprias experiências de vida e que mantêm por um certo período de tempo. É importante ressaltar que à medida que se (re) constroem através da interação social, as crenças estão em constante transformação, assumindo, portanto, um caráter dinâmico de sensibilidade aos contextos (SILVA, 2005, p. 77). Para Mastrella (2002, p.33) crenças seriam interpretações da realidade socialmente definidas que servem de base para uma ação subseqüente. Perina (2003, p.10-11), por sua vez, argumenta que tal construto constitui-se como verdades pessoais, individuais, baseadas na experiência, que guiam a ação e podem influenciar a crença de outros. Além disso, o conceito crenças relacionado ao aprendizado de línguas confunde-se com abordagem ou cultura de

3 aprender (ALMEIDA FILHO, 1993, BARCELOS, 1995), mitos (CARVALHO, 2000), imaginário (CARDOSO, 2002), dentre outros. As definições acima têm em comum o fato de considerarem o contexto em que alunos e professores se inserem. Concordamos com Barcelos (2001) ao afirmar que os estudos dessa natureza deveriam extrapolar a simples descrição de crenças, rumo a uma investigação contextualizada das mesmas. Em relação à importância de se estudar as crenças de professores em formação, foco desta pesquisa, Pintrich (1990) apud Pajares (1992, p ), argumenta que [...] as crenças são os instrumentos psicológicos mais valorosos que se pode ter na construção da formação do professor. Freeman e Johnson (1998), por sua vez, acrescentam ainda que as experiências anteriores, os valores pessoais e as crenças dos professores, além de serem capazes de influenciar sua formação inicial, também podem moldar o que fazem, ou farão, em sala de aula. Nesse sentido, concordamos com Breen (1985, p. 136) apud Barcelos (2004, p. 125), ao afirmar ser imprescindível compreender que nenhuma instituição ou relacionamento humano pode ser adequadamente entendido, a menos que consideremos as suas expectativas, valores e crenças. Neste trabalho, definimos crenças como as opiniões que tanto alunos quanto professores de inglês possuem em relação ao processo de ensino/aprendizagem desta língua, pois entendemos que essas opiniões compartilhadas modelam os processos e as estratégias que esses indivíduos desenvolvem e implementam ao aprender e utilizar a língua estudada/ensinada. (BORGES, LAGO e OLIVEIRA, 2011) Feitas essas considerações, passemos à revisão de um trabalho que se ocupou da análise de crenças relacionadas às variantes linguísticas. Villani (2009), em pesquisa de natureza qualitativa etnográfica em que discute algumas crenças dos professores de língua inglesa que poderiam justificar alguns fracassos de sua atuação em sala de aula, verificou que as crenças de alguns dos participantes refletiam-se na performance dos mesmos em sala de aula. Exemplo disso seria a falta da fluência esperada, o que fazia com que os mesmos se sentissem inferiores aos professores nativos. Sobre isso, o referido autor afirma que essa questão torna-se especialmente interessante quando se leva em consideração as variedades de pronúncias e sotaques do inglês ao redor do mundo: Fala-se inglês nos Estados Unidos e na Inglaterra, mas também fala-se inglês em Singapura, no Canadá, no Caribe e em países africanos. Todos são considerados falantes nativos, mas possuem diferenças legítimas na forma como utilizam e lidam com a língua na vida cotidiana. Qual o melhor inglês? Este não é, com certeza, o cerne da questão (VILLANI, 2009, p.4). Para esse autor, essa concepção errônea de que existiria um melhor inglês (grifo nosso) não passa de um componente do imaginário coletivo das populações que usam a língua inglesa como língua estrangeira (VILLANI, 2009, p. 4). Nessa pesquisa, o autor conclui que a discussão acerca da melhor variedade (americana ou britânica) é sucumbida pelo temor do professor em ter testada sua proficiência na língua-alvo. Ao final dessa revisão de literatura, gostaríamos de ressaltar a importância de estudos como esse para desvendar certos mitos que povoam a mente da grande maioria dos professores de língua inglesa e, não raro, impedem-nos de ter sucesso no ensino dessa língua. 2. Metodologia Este trabalho foi realizado com o propósito de investigar as crenças de um aluno/professor em formação. Como tal, imbuímo-nos da tarefa de acessar elementos abstratos dentro da mente de uma pessoa, a qual só pode ser realizada, geralmente, de duas formas: a) pelo que o participante afirma; b) pelo que observamos, a partir do seu comportamento. Optamos, neste estudo, pela alternativa a: nossa investigação se baseia nas afirmações do participante. Como tal, decidimos utilizar os pressupostos de uma pesquisa dominantemente qualitativa, cuja modalidade delineadora das ações foi o estudo de caso. Justificamos esta

4 modalidade pelo fato de o nosso foco de estudo ter sido escolhido previamente, além de trabalharmos com apenas um participante, conforme salienta Johnson (1992). Para analisar as crenças de acordo com os dados obtidos, comparamos o conjunto das informações correlatas para então categorizá-las, de acordo com a recomendação de Morrison (1993), numa busca por compreender as crenças do participante da forma como elas se apresentam à consciência dele (VAN MANEN, 1990). Os instrumentos que utilizamos para a coleta do material documentário, posteriormente a serem transformados em dados para estudo (ERICKSON, 1986), foram um questionário fechado e um aberto. No questionário fechado, o participante deveria escolher, em uma escala de níveis de proficiência, aquela que mais se adequava ao seu conhecimento de língua inglesa, em sua opinião. Ademais, deveria numerar, numa escala de importância, as razões pelas quais as pessoas, de forma geral, estudam a língua inglesa. Outras perguntas fechadas diziam respeito à sua variedade de inglês preferida e à sua opinião sobre o prestígio sociocultural dessas variedades. O questionário aberto continha quatro partes. Na primeira delas, o aluno deveria prover informações pessoais, como idade, cidade de nascimento e profissão. Na segunda parte, solicitamos respostas a perguntas relacionadas ao seu contato com a língua inglesa, tais quais as razões que o levaram a estudá-la, e por quanto tempo, assim como se já fez alguma viagem ao exterior, quais países gostaria de visitar, e há quanto tempo leciona a língua inglesa. Na terceira parte do questionário aberto, inquirimos sobre a opinião do participante acerca da(s) variedade(s) mais privilegiada(s) de inglês, acerca do World English, do perfil dos falantes de língua inglesa, e do ensino de cultura na sala de aula de língua inglesa. A quarta parte continha assertivas que deveriam ser comentadas. As afirmações referiam-se a estereótipos acerca da superioridade de algumas variedades sobre outras, de pureza lingüística, de dificuldade/facilidade intrínseca de algumas variedades. Além dos questionários, utilizamos uma narrativa do aluno, em que ele pôde se expressar mais livremente acerca de sua experiência com a língua inglesa e do assunto central do estudo. Conforme enfatizado por Paiva (2006), as narrativas dos aprendizes de língua estrangeira oferecem ao pesquisador uma visão mais ampla da complexidade desse processo. Outrossim, como justifica Barcelos (2006, p. 150), as histórias de nossos alunos nos propiciam uma melhor compreensão de quem eles são ou se tornaram como aprendizes. Nosso terceiro instrumento de coleta do material documentário foi uma entrevista semiestruturada. Baseamo-nos, essencialmente, nas perguntas dos questionários, solicitando esclarecimentos ao participante acerca de algumas das suas respostas. Outras perguntas iam surgindo, no decorrer da entrevista (ver BOGDAN E BIKLEN, 1998). O uso dessas fontes distintas de dados, assim como a análise por parte de três pesquisadores, permitiu a triangulação dos dados e a validação dos resultados (WATSON-GEGEO, 1988; DAVIS, 1995). Com relação às informações pessoais de Val (codinome escolhido pelo participante), ele é brasileiro, branco, paulista e tem 25 de idade. Tem estudado a língua inglesa há 15 anos, e começou a ensiná-la há 11 anos. Começou a estudar a língua porque ganhou uma bolsa, por bom rendimento na escola, em uma franquia conhecida nacionalmente. À época da coleta do material documentário, Val nunca tinha viajado ao exterior, mas pretendia ir à Europa no ano seguinte. Sua proficiência na língua inglesa, de acordo com sua própria avaliação, é ótima. Ele diz ter facilidade com a língua, mas reconhece que tem muito para aprender e que esse processo é eterno. 3. Resultados Apresentamos, nesta seção, as crenças do participante relacionadas às variedades linguísticas da língua inglesa. A análise nos possibilitou a divisão das suas crenças nas seguintes categorias: (1) Crenças sobre as peculiaridades do inglês americano e britânico; (2) Crenças sobre o papel do professor em relação às variedades do inglês; (3) Crença sobre os fatores que

5 motivam a escolha do inglês enquanto língua estrangeira; e, (4) Crença relacionada ao World English 1. (1) Crenças sobre as peculiaridades do inglês americano e britânico O participante de nosso estudo parece possuir as seguintes crenças relacionadas às peculiaridades do inglês americano e britânico: (a) o inglês americano é mais informal e apresenta mais gíria, enquanto o inglês britânico é mais clássico ( o inglês americano, por ser mais pra negociação, contato, eu acredito que seja uma língua mais informal. Eu acho que o inglês britânico é uma língua clássica, coisa muito distante da realidade que nos temos aqui, por exemplo - entrevista), (b) o inglês americano é muito mais fácil de entender que o britânico, (c) os americanos falam rápido demais quando estão conversando entre si, (d) o inglês britânico é mais chique, pomposo, culto e tem menos gírias que o inglês americano ( o inglês britânico me faz lembrar a realeza, príncipes, etc. - questionário), (e) poucas pessoas falam inglês britânico ( o inglês britânico é muito difícil você encontrar, embora na universidade nós tenhamos professores que falam inglês britânico, eu acho que é muito mais fácil você encontrar pessoas que falam inglês americano - entrevista), (f) o inglês britânico tem menor prestígio por questão econômica. O pessoal acaba preferindo o inglês americano pela facilidade do acesso - entrevista), (g) o falante de inglês americano é branco, com peso proporcional e de um nível cultural razoável (questionário) e (h) o falante de inglês britânico é uma pessoa bem culta, de situação econômica bem favorável, branca (questionário). (2) Crenças sobre o papel do professor em relação às variedades do inglês Os resultados sugerem que, para Val, (a) os professores de inglês, de forma geral, privilegiam uma variedade em detrimento das outras ( eu acho que acaba existindo mesmo uma preferência, quando eu estudei, eu estudei inglês americano, então, tanto é que em termos de pronúncia é inglês americano. Acaba existindo uma preferência, não que seja um preconceito, mas acaba existindo - entrevista), (b) para níveis mais avançados, professores nativos são melhores ( se você já tem o domínio da língua e quer aperfeiçoar, mais contato com gírias, expressões, por exemplo, eu acredito que um nativo ele vai te oferecer um maior suporte - entrevista), (c) o professor deve ensinar a cultura britânica e americana nas aulas de inglês. Nas palavras de nosso participante: [Ao] aprender uma língua é muito importante que você tenha em mente a questão da cultura. No meu caso, a gente trabalha com ambas as culturas, já que sabemos que as duas são importantes e tem aluno que opta por inglês britânico, inglês americano, então eu acredito que seja importante o aluno ter contato com ambas (entrevista). (d) Na grande maioria das escolas, usa-se o inglês americano, talvez porque os Estados Unidos são uma potência na economia e influenciam, assim, no ensino da língua em nosso país (questionário). (3) Crença sobre os fatores que motivam a escolha do inglês enquanto língua estrangeira 1 O World English não é simplesmente a língua inglesa que se tornou uma língua mundial [...]. A língua inglesa que circula no mundo, que serve como meio de comunicação entre os diferentes povos do mundo de hoje, não pode ser confundida com a língua que se fala nos Estados Unidos, no Reino Unido, na Austrália ou onde quer que seja. A língua inglesa, tal qual vai se expandindo no mundo inteiro (a que chamo de World English é um fenômeno lingüístico, pois, segundo as estimativas, nada menos que dois terços dos usuários desse fenômeno lingüístico são aqueles que, segundo os nossos critérios antigos e ultrapassados, seriam considerados não-nativos (RAJAGOPALAN, 2005, p apud DAMIANOVIC, 2006, p. 23).

6 Val parece acreditar que a motivação extrínseca é dominante entre os aprendizes de inglês. Segundo ele, as pessoas estudam inglês mais por questões de trabalho do que por afinidade ou facilidade com a língua, [ou seja,], ter o domínio de uma língua estrangeira é um diferencial no mercado (questionário). (4) Crença relacionada ao World English Para nosso participante, o World English existe para facilitar a comunicação entre os povos. Em suas palavras: é o inglês que vai facilitar a comunicação entre pessoas que moram na África, pessoas que moram na América do Sul, o que acaba facilitando a comunicação sem preconceitos (entrevista). 4. Considerações finais Apresentamos, neste artigo, algumas crenças de um aluno do curso de Letras (Inglês) de uma universidade do interior de Goiás, acerca das variedades do inglês. O objetivo geral foi analisar as crenças do participante em relação às variedades da língua inglesa, enquanto os específicos foram: (1) identificar as crenças do acadêmico relacionadas ao tema e (2) verificar possíveis implicações das crenças aferidas em sua prática pedagógica. A análise dos dados possibilitou o estabelecimento de quatro categorias de análise, a saber: (1) Crenças sobre as particularidades do inglês americano e britânico; (2) Crenças sobre o papel do professor em relação às variedades do inglês; (3) Crença sobre os fatores que motivam a escolha do inglês enquanto língua estrangeira; e (4) Crenças sobre o papel do professor em relação, às variedades do inglês. Como forma de atender ao objetivo geral - analisar as crenças do participante em relação às variedades da língua inglesa - retomaremos agora alguns pontos já apresentados que achamos essenciais. Val parece apresentar algumas crenças bastante estereotipadas, por vezes preconceituosas, principalmente se considerarmos o fato de ser ele um professor, que, mesmo em formação, é um profissional do qual se espera uma postura diferenciada. É o caso, por exemplo, da seguinte crença: O falante de inglês americano é branco, com peso proporcional e de um nível cultural razoável (Val, questionário). Na Psicologia Social, estereótipos são crenças sobre características pessoais que atribuímos a indivíduos ou grupos (RODRIGUES, EVELINE e JABLONSKI, 2007). Lopes (2009, p. 2) argumenta que a palavra estereótipo é carregada de significados negativos, relacionados à segregação e ao prejuízo social, calcada em preconceitos. Em outras palavras: os estereótipos são a base cognitiva do preconceito (RODRIGUES ET AL. 2007, p. 2). Assim, ao generalizar a informação de que o falante de inglês americano é de etnia branca, peso proporcional e de nível cultural razoável, talvez sem se dar conta, nosso participante lança mão de um discurso cujo subentendido falacioso é o seguinte: nos Estados Unidos, não há lugar para negros, obesos ou pessoas sem instrução. A verdade é que, de acordo com Moucho (2012), naquele país o fenômeno da multiculturalidade está em clara ascensão, e a expectativa é que, para 2050, hispânicos, negros e asiáticos - hoje minorias- tornar-se-ão maiorias. Em relação ao peso do norte-americano, pesquisas revelam dados preocupantes. É que os EUA, juntamente com o Reino Unido, têm as maiores taxas de obesidade dentre os países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento econômico), e que o Tio Sam deve chegar em 2030 com um aumento de 65 milhões de obesos em relação ao quadro atual. Diante de todo o exposto, claro está que nosso participante apresenta uma visão estereotipada, errônea e/ou ingênua a respeito do povo americano. Outro dado que nos chama a atenção é o fato de que o referido participante parece refletir o discurso universitário em seu emaranhado de crenças. Essa hipótese parece ser confirmada a partir da seguinte crença: o professor deve ensinar a cultura britânica e americana nas aulas de inglês. Entender e refletir sobre cultura e comportamento, de acordo com Cleary (2008) apud Ianuskiewtz (2012), é estar bem preparado para compreender a cultura e o comportamento alheio, condição essencial para a criação de uma base para uma comunicação intercultural bem

7 sucedida. Em outras palavras, é conhecer a cultura do outro para conhecer melhor a sua própria cultura, é valorizar e respeitar a cultura de outrem para que tenha a sua cultura também valorizada. Ao enfatizar a necessidade de o professor ensinar as culturas americana e britânica, por um lado, nosso participante reproduz o discurso acadêmico que trata da importância de se despertar a consciência intercultural nos educandos. Por outro lado, ao enfatizar o ensino apenas das culturas americana e britânica, Val apresenta uma visão muito reducionista a respeito do tema. Afinal, a língua inglesa é falada em vários países como primeira língua, e por que então ficar-se restrito apenas ao inglês americano e britânico? Esse fato possibilita-nos aventar algumas possibilidades: Val estaria apenas reproduzindo uma crença difundida pela universidade? Haveria uma contradição entre ser favorável à multiculturalidade e, ao mesmo tempo, valorizar apenas a cultura americana e britânica? Em caso afirmativo, vale salientar que tal contradição seria perfeitamente possível, uma vez que crenças são contraditórias. Entretanto, dado o caráter qualitativo desta pesquisa, não temos como chegar a uma resposta definitiva, haja vista que temos como suporte apenas o discurso oral e escrito do participante. Passamos agora a atender ao segundo objetivo específico deste trabalho - verificar possíveis implicações das crenças aferidas na prática [pedagógica do participante em questão]. Embora não tenhamos feito observação das aulas de Val, as teorias pessoais aventadas por meio dos instrumentos utilizados permitem-nos inferir algumas possíveis interferências do seu sistema de crenças em sua prática pedagógica. Em primeiro lugar, gostaríamos de destacar as crenças positivas em relação ao inglês americano (mais informal, mais fácil de entender, com maior número de falantes) em detrimento do inglês britânico (falado por poucas pessoas, com menor prestígio em relação à variedade americana). Ora, tal preferência pela variante americana pode trazer como consequência, dentre outras coisas: (1) certa intolerância à variedade britânica; (2) correção excessiva de algum aluno que porventura tenha como modelo de pronúncia a variedade britânica; (3) desprezo pela cultura britânica; (4) exaltação da cultura americana; (5) desinteresse pelas culturas de outros países anglo-falantes. Outro dado que merece atenção está na crença de que o professor nativo teria mais sucesso no ensino de turmas avançadas. A crença na maior eficácia do falante nativo em relação ao estrangeiro é bastante comum. Sobre isso, Villani (2009) afirma que existe uma postura dos aprendizes em tratar o nativo como se fosse um sujeito ideal, transcendental, o que o transformaria em um mito, um ser isento de impurezas. Essa extrema valorização do professor nativo traz, como consequência, o descrédito em relação ao professor estrangeiro, fadado a nunca ter sucesso de verdade, haja vista que somente os nativos poderiam usufruir de tal privilégio. Ao final deste trabalho, faz-se necessário ponderar sobre dois aspectos extremamente relevantes em relação ao processo de ensino/aprendizagem de línguas. Primeiramente, a relevância de alunos/professores se tornarem conscientes de suas próprias crenças, já que elas influenciam suas tomadas de decisão e, em segundo lugar, a necessidade de os cursos de formação de professores investirem na preparação de seus alunos, futuros professores, para que estes possam lidar com a diversidade de crenças existentes em sala de aula. Referências ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, BARCELOS, A. M. F. A cultura de aprender língua estrangeira (inglês) de alunos de Letras Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada). Campinas: UNICAMP, Metodologia de pesquisa das crenças sobre aprendizagem de línguas: estado da arte. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 1, n. 1, p.71-92, 2001.

8 . Crenças sobre aprendizagem de línguas, Lingüística Aplicada e ensino de línguas. Linguagem & Ensino, v. 7, n. 1, p , Narrativas, crenças e experiências de aprender inglês. Linguagem & Ensino, v. 9, n. 2, p , BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education: an introduction to theory and methods. Boston: Allyn and Bacon, BORGES, T; LAGO, N; OLIVEIRA, V. G. O perfil psicológico do egresso oferecido ao mercado de trabalho: crenças de formandas no curso de Letras (Inglês). Anais do III Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de Línguas. Taubaté: p O bom professor continua a aprender : analisando as crenças de uma formanda em Letras (Inglês) acerca do processo de ensino/aprendizagem de língua inglesa. Anais da 8ª Semana de Licenciatura. Jataí: p CARDOSO, R. C. T. O imaginário do comunicativismo entre professores de língua estrangeira/inglês (e sua confrontação com teoria externa) Tese (Doutorado em Letras - Filologia e Lingüística Portuguesa). Assis: UNESP, CARVALHO, V. C. P. S. A aprendizagem de língua estrangeira sob a ótica de alunos de Letras: crenças e mitos Dissertação (Mestrado em Estudos Lingüísticos). Belo Horizonte: UFMG, DAMIANOVIC, M. C. Aprender inglês para não perder o bonde da História. Soletras, n. 12, p , DAVIS, K. A. Qualitative theory and methods in applied linguistics research. TESOL Quarterly, v. 29, n. 3, p , ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. In: WITTROCK, M. C. (Ed.). Handbook of research on teaching. New York: Macmillan, p FERREIRA, A. de J. Formação de Professores de Língua Inglesa e o Compromisso Social. Anais do I Seminário de Educação: Paulo Freire na contemporaneidade. Rio de Janeiro: 2011.p. 1-5 (CD-ROM). HORWITZ, E. Using students beliefs about language learning and teaching in the foreign language methods course. Foreign Language Annals, v. 18, n. 4, p , IANUSKIEWTZ, A. Aspectos (inter) culturais no ensino-aprendizagem de língua estrangeira. Iluminart, Ano IV, n. 85, Nov/2012. JOHNSON, D. M. Approaches to research in second language learning. New York: Longman, LOPES, L. B. Personagens e Estereótipos: estudo sobre representação visual de Personagens com base em estereótipos. Disponível em: <wwwusers.rdc.pucrio.br/sbgames/09/_proceedings/.../59244.pdf>. Acesso em: 25/01/2013. MASTRELLA, M. R. A relação entre crenças dos aprendizes e ansiedade em sala de aula de língua inglesa: um estudo de caso Dissertação (Mestrado em Letras). Goiânia: UFG, 2002.

9 MORRISON, K. R. B. Planning and accomplishing school-centred evaluation. Norfolk: Peter Francis Publishers, MOUCHO, C. De minorias a maiorias - Etnias nos E.U.A. Disponível em: <http://globoterrestre.blogspot.com.br/2012/09/de-minorias-maiorias-etnias-nos-eua.html>. Acesso em 25/01/2013. PAIVA, V. L. M. O. Autonomia e complexidade. Linguagem & Ensino, v. 9, n. 1, p , PAJARES, M. F. Teachers beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, v. 62, n. 3: , PERINA, A. A. As crenças dos professores em relação ao computador: coletando subsídios Dissertação de Mestrado. São Paulo: PUC-SP, RODRIGUES, A. A; EVELINE M. L., JABLONSKI, B. Psicologia social. Petrópolis: Vozes, SILVA, K. A. Crenças e aglomerados de crenças de alunos ingressantes em Letras (Inglês) Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Campinas: UNICAMP, SOARES. I. M. F.; BEJARANO. N. R. R. Crenças dos professores e formação docente. Revista Faced, v. 13, n.14, p , VAN MANEN, M. Researching lived experience. New York: SUNY Press, WATSON-GEGEO, K. A. Ethnography in ESL: defining the essentials. TESOL Quarterly, v. 22, n. 4, p , VILLANI, F. L. O efeito das crenças dos professores de língua inglesa na escola pública. Múltiplas leituras, v. 2, p. 10, WENDEN, A. Helping language learners think about learning. ELT Journal, v. 40, n. 1, p. 3-12, 1986.

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 ENSINAR INGLÊS É O MÁXIMO! : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

Leia mais

APRENDER INGLÊS É MARAVILHOSO, APESAR DAS DIFICULDADES : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE UMA ALUNA FORMANDA EM LETRAS (INGLÊS)

APRENDER INGLÊS É MARAVILHOSO, APESAR DAS DIFICULDADES : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE UMA ALUNA FORMANDA EM LETRAS (INGLÊS) APRENDER INGLÊS É MARAVILHOSO, APESAR DAS DIFICULDADES : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE UMA ALUNA FORMANDA EM LETRAS (INGLÊS) 1. Introdução Tatiana Diello Borges (UFG) Neuda Alves do

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)?

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 2845 PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 0. Introdução Tatiana Diello BORGES - UFG/CAJ Neuda Alves

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE DE LETRAS

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE DE LETRAS CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE DE LETRAS Tatiana Diello Borges (UFG Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) Vitalino Garcia Oliveira (UFG Campus Jataí) RESUMO: Esta comunicação apresenta as

Leia mais

8ª Semana de Licenciatura

8ª Semana de Licenciatura 8ª Semana de Licenciatura O professor como protagonista do processo de mudanças no contexto social De 14 a 17 de junho de 2011 O BOM PROFESSOR CONTINUA A APRENDER : ANALISANDO AS CRENÇAS DE UMA FORMANDA

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA CONCLUINTE DO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DO QUE SEJA UM BOM PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DE UMA ALUNA CONCLUINTE DO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DO QUE SEJA UM BOM PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA CRENÇAS DE UMA ALUNA CONCLUINTE DO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DO QUE SEJA UM BOM PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Vitalino Garcia Oliveira 1 Tatiana Diello Borges 2 RESUMO: Neste trabalho apresentamos os

Leia mais

Palavras-chave: ensino/aprendizagem de inglês, crenças, formação de professor Área Temática: Formação e prática docente (FPD).

Palavras-chave: ensino/aprendizagem de inglês, crenças, formação de professor Área Temática: Formação e prática docente (FPD). A PRÁTICA DO BOM DOCENTE DE LÍNGUA INGLESA DEVE FOCAR EM PROBLEMAS RELEVANTES DA CULTURA EM QUE O ALUNO TÁ INSERIDO : ALGUMAS CRENÇAS ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE INGLÊS DE UM PROFESSOR

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO Diana Vasconcelos LOPES 1 Eduardo BARBUIO 2 Objetivou-se com o trabalho identificar as principais crenças sobre

Leia mais

Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma

Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma Crenças de uma professora de língua inglesa acerca do ensino/aprendizagem desse idioma Beliefs of a teacher of english language about teaching / learning that language Tatiana Diello Borges * Vitalino

Leia mais

UM ALUNO FORMANDO DE LETRAS (INGLÊS): QUAIS SÃO SUAS CRENÇAS ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA?

UM ALUNO FORMANDO DE LETRAS (INGLÊS): QUAIS SÃO SUAS CRENÇAS ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA? UM ALUNO FORMANDO DE LETRAS (INGLÊS): QUAIS SÃO SUAS CRENÇAS ACERCA DO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA? Tatiana Diello BORGES (UFG - Campus Jataí) tatiana.diello@gmail.com Neuda Alves

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI,

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

FATORES AFETIVOS INFLUENCIANDO A APRENDIZAGEM EM LÍNGUA INGLESA

FATORES AFETIVOS INFLUENCIANDO A APRENDIZAGEM EM LÍNGUA INGLESA FATORES AFETIVOS INFLUENCIANDO A APRENDIZAGEM EM LÍNGUA INGLESA Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) Marrine Oliveira Sousa (UFG Campus Jataí) RESUMO: Neste trabalho, apresentamos um estudo realizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS A IMPORTÂNCIA DO PAIR WORK NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA PARA NÍVEIS INICIAIS SOUSA, Marrine Oliveira (UFG) LAGO, Neuda (UFG) Resumo: Através desta pesquisa foi analisada a importância do trabalho

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Tatiana Diello BORGES (Universidade Federal de Goiás) tatiana.diello@gmail.com

Tatiana Diello BORGES (Universidade Federal de Goiás) tatiana.diello@gmail.com O BOM PROFESSOR DE INGLÊS É FLUENTE NA FALA E NA ESCRITA, E TEM CONHECIMENTOS GERAIS DA CULTURA ESTRANGEIRA": CRENÇAS DE UMA FORMANDA DO CURSO DE LETRAS Tatiana Diello BORGES (Universidade Federal de Goiás)

Leia mais

Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa

Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa Thaíse Jordania Porto Dos Santos 1 Resumo: Diante de todos os avanços tecnológicos e em meio a tempos de total globalização, o Inglês

Leia mais

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Fabio Madeira R. Jaguaribe, 629, apto. 3d. São Paulo SP Instituto de Estudos da Linguagem Abstract. This

Leia mais

Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês

Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês Subsídios para elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês Teresa Helena Buscato Martins ( Comunicação apresentada no I SEMAPLE. ) A falta de preparo profissional adequado do professor

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

travessias número 02 revistatravessias@gmail.com ISSN 1982-5935

travessias número 02 revistatravessias@gmail.com ISSN 1982-5935 1 CRENÇAS DE DUAS ALUNAS-PROFESORAS SOBRE O ENSINO DE INGLÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA EM ESCOLA PÚBLICA TWO STUDENT-TEACHERS BELIEFS ABOUT TEACHING ENGLISH AS A FOREING LANGUAGE IN PUBLIC SCHOOLS Josiane

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL

A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL A QUESTÃO INTERCULTURAL NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA: DESENVOLVENDO A SENSIBILIDADE INTERCULTURAL Daniel de Lima Goulart 1 Neuda Alves do Lago 2 Maria Cristina Faria Dalacorte Ferreira

Leia mais

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafaela Alves Melo RESUMO O presente projeto buscou investigar a presença de temas que envolvem questões ambientais

Leia mais

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS

ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS ATIVIDADES DE DESENHO COMO PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA: AS EXPECTATIVAS DE CRIANÇAS APRENDENDO INGLÊS Hidemi Senno (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes) Ingrid Carvalho (Letras Inglês/UEL/Pibid/Capes)

Leia mais

Ensino de língua inglesa e a motivação para aprender dos alunos

Ensino de língua inglesa e a motivação para aprender dos alunos Ensino de língua inglesa e a motivação para aprender dos alunos Cristiane Manzan Perine Universidade Federal de Uberlândia Orientadora: Profa. Dra. Fernanda Costa Ribas Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS NO APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ESTUDANTES BRASILEIROS E PORTUGUESES

A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS NO APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ESTUDANTES BRASILEIROS E PORTUGUESES A INFLUÊNCIA DAS CRENÇAS NO APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ESTUDANTES BRASILEIROS E PORTUGUESES THE INFLUENCE OF BELIEFS IN THE ENGLISH LANGUAGE LEARNING:A COMPARATIVE STUDY

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER

CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER CRENÇAS DE APRENDIZES INICIANTES DE ESPANHOL SOBRE O BOM ALUNO 1 SPANISH BEGINNER LEARNERS BELIEFS ABOUT THE GOOD LEARNER Luciana Schuster 2 Resumo: Esta pesquisa procura verificar as crenças de aprendizes

Leia mais

CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1

CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1 CRENÇAS RELACIONADAS À MOTIVAÇÃO DE APRENDER LE (INGLÊS) NO CURSO DE LETRAS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA 1 Hélvio Frank de Oliveira 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é identificar crenças relacionadas à

Leia mais

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi

8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.02.00.00-1 LETRAS PRESENÇA DE MODELOS TEÓRICOS EM UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Giovanna Roggi Curso de Letras Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Arte

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB

OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB OS PROBLEMAS ENFRENTADOS PELOS DOCENTES E DISCENTES DA EJA NA ÁREA DA MATEMÁTICA DA ESCOLA JOSÉ LUIZ NETO DE BARRA DE SANTA ROSA PB Francilene Almeida SOUSA 1 Universidade Federal de Campina Grande francy.1511@hotmail.com

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO Elza Maria Duarte Alvarenga de Mello Ribeiro (1); Carla Cristina de Souza (2); Giovana de Oliveira Caxias (3). (1) Instituto Federal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguística Aplicada. Formação de professores. Crenças sobre ensino/aprendizagem de inglês. 1 Introdução

PALAVRAS-CHAVE: Linguística Aplicada. Formação de professores. Crenças sobre ensino/aprendizagem de inglês. 1 Introdução O Professor de Inglês em Formação Inicial em Foco: Investigando as Crenças de um Acadêmico Ingressante em Letras Inglês Acerca do Processo de Ensino/Aprendizagem de Língua Inglesa Focus on the Pre-Service

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Investigando as EstratÉgias de Aprendizagem utilizadas por dois alunos de um centro de idiomas um estudo de caso

Investigando as EstratÉgias de Aprendizagem utilizadas por dois alunos de um centro de idiomas um estudo de caso Investigando as EstratÉgias de Aprendizagem utilizadas por dois alunos de um centro de idiomas um estudo de caso Vitalino Garcia Oliveira (UFG - Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (Orientadora) RESUMO:

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa ARTIGO...Letrônica v. 3, n. 1, p.153, julho 2010 O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa Luciane Guimarães de Paula Introdução O presente artigo 1 relata um recorte dos resultados de

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

Maria da Conceição Aparecida Pereira Zolnier 1

Maria da Conceição Aparecida Pereira Zolnier 1 O ensino ideal de Inglês e a realidade na escola: crenças de estudantes e de uma professora The ideal English teaching and the reality at school: students and teacher s beliefs Maria da Conceição Aparecida

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORAS DE INGLÊS: AS MANHÃS DE SÁBADO DE UM GRUPO DE ESTUDOS 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DOCENTE: SUBSÍDIOS PARA UMA REFLEXÃO Monique da Silva de Araujo UNESA monique_msa@yahoo.com.br Daniela Punaro Baratta de Faria UNESA daniela.punaro@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica

Estudo de Caso. Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira. Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica Estudo de Caso Edite Gonçalves Lurdes Sá Maria Caldeira Mestrado em Educação - Supervisão e Orientação Pedagógica DEFCUL Metodologia de Investigação 2004/2005 O que é um Estudo de Caso? É um processo específico

Leia mais

Olhar de Professor ISSN: 1518-5648 olhardeprofessor@uepg.br. Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino. Brasil

Olhar de Professor ISSN: 1518-5648 olhardeprofessor@uepg.br. Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino. Brasil Olhar de Professor ISSN: 1518-5648 olhardeprofessor@uepg.br Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino Brasil Teixeira PASSINI, Michele Andreza; Andrade JAMOUSSI, Thaísa de PRACTICE MAKES PERFECTION

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Leandro Leal (UFG Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) RESUMO: A influência do conhecimento

Leia mais

As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24

As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24 As atividades colaborativas no processo de ensino/aprendizagem da língua inglesa 24 Assis, Eleone Ferraz de 25 RESUMO: Este trabalho se propõe investigar os efeitos das atividades colaborativas no 3º ano

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Segundo Paiva (1996), há uma crescente demanda para a aprendizagem do inglês no

1. INTRODUÇÃO. Segundo Paiva (1996), há uma crescente demanda para a aprendizagem do inglês no 1. INTRODUÇÃO Segundo Paiva (1996), há uma crescente demanda para a aprendizagem do inglês no mundo inteiro. Estudar inglês tornou-se um fenômeno mundial. A língua inglesa vem servindo a uma séria de propósitos

Leia mais

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES DO PROFESSOR-LEITOR NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Resumo JALIL, Samira Abdel FARESC samirajalil@hotmail.com Área Temática:

Leia mais

O OUVINTE E SUA RELAÇÃO COM A LÍNGUA DE SINAIS E COM A SURDEZ

O OUVINTE E SUA RELAÇÃO COM A LÍNGUA DE SINAIS E COM A SURDEZ O OUVINTE E SUA RELAÇÃO COM A LÍNGUA DE SINAIS E COM A SURDEZ Marlene Catarina de Freitas - IEL/UNICAMP marleneped@hotmail.com Resumo: Esse trabalho tem como objetivo apresentar uma pesquisa em andamento

Leia mais

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi.

Ensino de Arte e Encontro Regional de Pólos da Rede Arte na Escola (UFU/ UFG/ UNIPAM). pela professora Dra. Cristina Grossi. A RELAÇÃO INDIVÍDUO-MÚSICA NUM PROJETO SOCIAL: ASPECTOS INTRODUTÓRIOS DA COLETA DE DADOS 1 Paula Andrade Callegari - paula_callegari@yahoo.com.br Universidade Federal de Uberlândia UFU; Conservatório Estadual

Leia mais

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática

O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática O Que Pensam Alunos E Professores De Um Curso De Licenciatura Sobre A Importância Do Trabalho Com As Tendências Em Educação Matemática (WHAT DO YOU THINK STUDENTS AND PROFESSORS ABOUT A COURSE OF TO LICENSE

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

8ª Semana de Licenciatura

8ª Semana de Licenciatura 8ª Semana de Licenciatura O professor como protagonista do processo de mudanças no contexto social De 14 a 17 de junho de 2011 MOTIVAÇÃO E ANSIEDADE: A AFETIVIDADE NO PROCESSO DE ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

CONSCIÊNCIA METACOGNITIVA DAS ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO A CURSOS TÉCNICOS

CONSCIÊNCIA METACOGNITIVA DAS ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO A CURSOS TÉCNICOS CONSCIÊNCIA METACOGNITIVA DAS ESTRATÉGIAS DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO INTEGRADO A CURSOS TÉCNICOS Resumo Simara Cristiane Braatz 1 - IFPR Câmpus Irati Grupo de Trabalho Formação

Leia mais

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA

DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA DIFICULDADES NO ENSINO DA ORALIDADE EM AULAS DE LÍNGUA INGLESA Maria do Socorro Silva RESUMO: O artigo aqui presente trata-se de uma pesquisa realizada em turmas de 9º ano, de duas escolas de rede publica

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A INFLUÊNCIA DA PEDAGOGIA TECNICISTA NA PRÁTICA DOCENTE DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA AZEVEDO, Prof. Dr. Antulio José de antuliojose@uol.com.br Docente do Curso de Pedagogia da FAEF/ACEG BONADIMAN,

Leia mais

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS?

COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? COVERSAS COLABORATIVAS ENTRE PROFESSORES DE INGLÊS: PRINCÍPIO PARA A DESNATURALIZAÇÃO DE CRENÇAS? SILVA, Arivan Salustiano da Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem MeEL/UFMT arivanss@yahoo.com

Leia mais

Palavras-chave: Crenças; Ensino/Aprendizagem; Diário Reflexivo.

Palavras-chave: Crenças; Ensino/Aprendizagem; Diário Reflexivo. Crenças sobre ensinar e aprender inglês no ensino fundamental: um estudo de caso Beliefs about teaching and learning English in elementary school: a case study Márcia Aparecida Silva 1 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores DIFICULDADES ENFRENTADAS POR DEFICIENTES VISUAIS DURANTE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Professor: Dra. Vanessa Borges de Almeida (borgesalmeida@unb.br)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Professor: Dra. Vanessa Borges de Almeida (borgesalmeida@unb.br) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS E TRADUÇÃO (LET) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA APLICADA FONE: (61) 3107-7618 - TELEFAX: (61) 3307-7619 E-mail:

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais