Produção mais limpa e design do ciclo de vida de móveis estofados no Estado de Alagoas, Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção mais limpa e design do ciclo de vida de móveis estofados no Estado de Alagoas, Brasil"

Transcrição

1 Produção mais limpa e design do ciclo de vida de móveis estofados no Estado de Alagoas, Brasil Áurea Luiza Q. R. e S. RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Bolsista CAPES PIQDTEC Asher KIPERSTOK Dr. em Engenharia Química/Tecnologias Ambientais (UMIST/UK), Coordenador da Rede de Tecnologias Limpas, Teclim, EP UFBA Sandro Fábio CÉSAR Sandro Fábio CÉSAR Dr. em Engenharia de Produção (UFSC), Coordenador do Laboratório de Madeiras, LabMad, EP UFBA

2 Introdução Indústria moveleira no mundo: uma das mais tradicionais e produz bens duráveis; Produção de móveis: em geral estrutura-se em sistema de manufatura semiindustrial e apresenta processos de fabricação com limites em relação: ao uso eficiente e racional dos materiais; à redução das perdas que dele decorre. (Vezzoli, 2010, Ferreira et al, 2008; Manzini et al, 2005) Este estudo apresenta resultados obtidos pela primeira análise do processo de fabricação de móveis estofados no APL de Móveis do Agreste do Estado de Alagoas (Brasil), a partir dos conceitos de Produção mais Limpa e do Design do Ciclo de Vida do Produto.

3 Metodologia Procedimentos utilizados: 1. Revisão dos resultados obtidos em pesquisa exploratória de abordagem qualitativa (Miguel, 2010), através de estudo de caso em empresa de estofados do APL de Móveis do Agreste (AL); 2. Análise e síntese de materiais e insumos, fases e etapas do processo de desenvolvimento de sofá (fabricação de produto novo), entradas, fluxos, saídas, perdas e emissões, que foram sintetizados nos estudos de (Rapôso;Kiperstok:César, 2010a e 2010b). Sobre a empresa caso: Localiza-se na cidade de Arapiraca; Produção de estofados para classe C e B (renda média de 2 a 5 SM e de 5 a 10 SM). Modelo de sofá produzido no APL alagoano Fonte imagem 1: RAPÔSO,

4 Resultados e discussões Cadeia Moveleira Sistema Industrial de Base Sistema Industrial de Base Florestal (Moraes, 2002)

5 Subsistema da Indústria Moveleira (Moraes, 2002) montante jusante

6 A cadeia produtiva de madeira e móveis No Brasil A cadeia produtiva de móveis no Brasil compõe-se por micro,,pequenas e médias empresas, que operam com elevado número de informalidade e baixa inovação tecnológica. Caracterizam-se pela forte fragmentação, diversidade tecnológica e verticalização, devido à ausência de fornecedores de partes e componentes para móveis (Guéron et al, 2004). Em Alagoas Observa-se quadro similar ao da cadeia nacional: composta em sua maioria por empresas de micro e pequeno porte, informais e fragmentadas nos segmentos de móveis de madeira, metal e estofados. É na região do agreste alagoano que a produção moveleira se concentra e mantém um APL.

7 O móvel estofado do APL Materiais predominantes do móvel estofado (tipo sofá): (1) a madeira, elemento estruturante e formador da grade do modelo; (2) as espumas e plumas sintéticas, elementos estofadores dos encostos, braços e almofadas, cujas densidades são bastante variadas (oscilando entre D23 e D28 para encosto e assento); (4) as molas e/ou cintas sintéticas, que exercem papel significativo na sustentação inferior das almofadas de assento. Modelo de sofá produzido no APL alagoano Fonte imagem 2: RAPÔSO, (3) os tecidos, elemento responsável pelo Esses materiais e seus fluxos, etapas e recobrimento e acabamento da peça operações de processos, perdas e estofada, que podem ser naturais e/ou emissões do sistema de fabricação de sofá sintéticos; em empresa do APL moveleiro do agreste alagoano foram mapeados e descritos em (Rapôso;Kiperstok:César, 2010a e 2010b). 2

8 Tabela 1. Síntese analítica das Entradas-Saídas e Destinações Tabela 1. Síntese analítica das Entradas-Saídas e Destinações Segmento produtivo Matérias primas (entradas) Tipos de Perdas (saídas) Destinação Uso (subproduto) Estofados Madeira Aparas madeira Venda Queima em fornos de Padarias e Olarias Pó de serra Venda Forração de camas de galinha em Granjas Cinta de nylon Aparas cinta Descarte (lixo comum) Espumas Aparas espuma Reprocessamento para flocos de espuma Flocos de espuma Reinserção no processo de fabricação (Etapa 3) (subproduto) Acabamento peça (recheio das almofadas) Aplicação em almofadas de assento ç ( p ) eencostodosofá encosto sofá Venda do excedente Outras empresas ou artesãos Tecidos Aviamentos (costura em geral) Retalhos de tecidos Sem resíduos (mínimo) Descarte (lixo comum)

9 Tabela 2. Síntese analítica do mapeamento do processo de fabricação de Sofá Quanto ao processo Quanto à linha de montagem Quanto às entradas e saídas (A) Fluxos de diferentes materiais em sua linha de produção (E) Materiais utilizados em um produto, não são necessariamente os mesmos utilizados no seguinte (I) Ausência de esforços/planejamento o ej e para eliminação das perdas (B) Alterações constantes em função da linha de produção por pedido (fluxo diário não-contínuo) (F) Linha de montagem única para dois fluxos distintos de produção: (1) fabricação e (2) restauração (J) Iniciativas incipientes de aproveitamento das saídas em subprodutos do processo e de outros (C) Arranjo físico da área não planejado para processo-produçãoprodução (G) Espaço disponível solicita rearranjo físico para melhoria do processo (K) Falta avaliação e controle das rotas e destinações das entradas e saídas e/ou dos subprodutos (D) Demanda de revisão do layout dos setores e compartimentos de produção, estoque e expedição (H) Desperdício e subutilização interna e/ou externa de materiais e subprodutos do processo (L) Falta de planejamento para reduzir ou reinserir as perdas na produção ou em outros processos

10 P+L e LCD do móvel estofado Cliente Requisitos do produto Vendas Pedido Vendedor Através das Tabelas 1 e 2, foi elaborado fluxograma do processo de fabricação de sofá (intra-empresa), que representa as interações materiais- operações e localiza os pontos de desperdício e áreas de oportunidades de melhoria. Não Modificações no produto Não Ordem de serviço Orçamento e prazo de entrega Sim Estoque da matéria-prima Produção Sim? Reprojeto Projetista Vendedor/Gerente de Vendas Diretor?

11 Implantação indireta de princípios p da P+L Produção Emissão? Gerente de Produção Não há planejamento específico para ações mais efetivas de reuso, recuperação, reciclagem interna e externa de materiais e subprodutos; Madeira Pinus taeda Corte (1) Preparação madeira Serragem Aparas de madeira Emissão Pó de serra Fornos Camas de Galinha Etapa 1 Estrutura e Percinta Corte (2) Montagem grade Aparas de madeira Fornos Corte e montagem Emissão Ações incipientes i i para recuperar algumas perdas pelo reprocessamento como subproduto de outra etapa do processo ou para etapas de processos de outras cadeias. Cinta sintética Grampeamento Aplicação cinta Aparas cinta Descarte s/ destinação?

12 Pontos de desperdício e oportunidades de melhoria: Etapa 2 Estofamento Espuma Cola Corte espuma Colagem espuma na grade Emissão Aparas espuma Perdas a trabalhar: aparas de cinta e retalhos de tecidos; Emissões a neutralizar ou eliminar: controle do material particulado em dispersão e controle de toxicidade do uso de cola. Etapa 3 Montagem Final Costura e acabamento Retalhos de Descarte s/ Tecido Corte tecido tecido destinação Aviamentos Cola Flocos espuma Costura Aplicação tecido no estofado Acabamento Estoque de móveis acabados Expedição Emissão (re) processamento em flocos Retalhos de tecido Vendedor/Gerente de Vendas Vendas Descarte s/ destinação?

13 Considerações finais Para o segmento de móveis estofados: 1. As ações ainda transitam na fase de descarte, sobretudo na correção do processo de produção, através de destinações reativas para perdas e/ou subprodutos excedentes; 2. Observação de lacunas de interação entre os atores do processo produtivo (planejamento projeto produção); p j p 3. Necessidade de otimização do uso dos insumos e subprodutos, através do design do ciclo de vida do produto para não-geração de perdas; 4. Ações estratégicas para implantação gradativa de oportunidades de P+L em um nível mais desejável do ponto de vista organizacional e ambiental para redução e/ou controle na fonte; 5. Perspectivas positivas para estudo de ACV em produto estofado que permita ampliar o escopo analítico iniciado nesse estudo, com vistas a avaliar os impactos do processo, para melhorias de desempenho do produto e da produção.

14 Referências Azevedo, P. S. de, Nolasco, A. M., 2009a, Fatores de incorporação de requisitos ambientais no processo de desenvolvimento de produtos em indústrias de móveis sob encomenda. Ciência Rural, v.39, n.8, Azevedo, P. S. de, Nolasco, A. M., 2009b, Requisitos ambientais no processo de desenvolvimento de produtos em indústrias de móveis sob encomenda. 2 nd International Workshop Advances in Cleaner Production acessado em Fevereiro/2011. Bachmann Associados. Levantamento dos Gargalos Tecnológicos Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis. Relatório Técnico. SEBRAE-PR, Curitiba. Brasil-IPT, Divisão de Produtos Florestais, Prospectiva Tecnológica da Cadeia Produtiva Madeira e Móveis, 2002, _ pdf acessado em Maio/2010. Ferreira, M. J. B. et. al, 2008, Relatório de acompanhamento setorial indústria moveleira. v. I, Unicamp - ABDI, Campinas. Gaia, R. V., Rapôso, A., Silva, A. M. F. da, Miranda, C. G. de, Design, cultura e produtos moveleiros alagoanos: do design anônimo ao desenho contemporâneo. V Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação acessado em Fevereiro/2011. Hillig, E., Schneider, V. E., Pavoni, E. T., 2009, Geração de resíduos de madeira e derivados da indústria moveleira em função das variáveis de produção. Produção, v. 19, n.2, Kazazian, T The ecodesign process. In: Bourg, D., Erkman, S. (Eds), Perspectives on Industrial Ecology. Greenleaf Publishing, Midsomer Norton, pp Kipertsok, A. et al (Org.), 2002, Prevenção da Poluição,SENAI/DN, Brasília. Kiperstok, A., Tanimoto, A., Fontana, D., Cohim, E. B., Mendonça, J., Pessoa, L., Pustinilki, L., Cardoso, L. F., Kalid, R. de A., Teixeira, A., 2008, Fundamentos da Produção Limpa. In: Kiperstok, A., et al (Org.), Prata da casa: construindo produção limpa na Bahia, UFBA-TECLIM, Salvador, pp LaGrega, M. D., Buckingham, P. L., Evans, J. C., 1994, Hazardous Waste Management: environmental resources management. McGraw-Hill, New York. Machado, M. C., Toledo, N. N., 2008, Gestão do processo de desenvolvimentos de produtos: uma abordagem baseada na criação de valor. Atlas, São Paulo. Manzini, E.; Vezzoli, C., 2005, O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. Edusp, São Paulo. MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 2009 Matriz dos 5 APLs por Estado, acessado em Setembro/2009. Mello, M. C. C. de, Nascimento, L. F., Produção mais limpa: um impulso para a inovação e a obtenção de vantagens competitivas. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção acessado em Dezembro/2010. Miguel, P. A. C., 2010, Metodologia de Pesquisa em Engenharia de Produção e Gestão de Operações. Elsevier, Rio de Janeiro. Moares, M. A. F. D., 2002, Estudo da competitividade de cadeias integradas no Brasil: impactos das zonas livre de comércio. Cadeia: Madeira e Móveis. Nota Técnica Final. UNICAMP-IE-NEIT, Campinas. Noronha, E. G., Turchi, L., 2005, Política industrial e ambiente institucional na análise de Arranjos Produtivos Locais, Texto para Discussão Nº 1076, IPEA, Brasília. Papanek, V., 1995, Arquitectura e Design. Ecologia e Ética. Edições 70, Lisboa. Rapôso, A., Kiperstok, A., César S. F., 2010a. Identificação de oportunidades de produção mais limpa na fabricação de sofá em microempresa moveleira do APL de Móveis do Agreste do Estado de Alagoas. XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção acessado em Novembro/2010. Rapôso, A., Kiperstok, A., César S. F., 2010b. Produção mais Limpa e estofados: oportunidades para fabricação de sofá em microempresa do APL de Móveis do Agreste alagoano. V Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação acessado em Fevereiro/2011. Sigeor-SEBRAE 2009 Sistema de Informação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados, Projeto: APL Móveis Agreste, acessado em Abril/2010. Vezzoli, C., Design de sistemas para a sustentabilidade: teoria, métodos e ferramentas para o design sustentável de sistemas de satisfação, EDUFBA, Salvador.

15 Contato Colaborações... Áurea L. Q. R. e S. RAPÔSO Agradecimentos

IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA FABRICAÇÃO DE SOFÁ EM MICROEMPRESA MOVELEIRA DO APL DE MÓVEIS DO AGRESTE DO ESTADO DE ALAGOAS

IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA FABRICAÇÃO DE SOFÁ EM MICROEMPRESA MOVELEIRA DO APL DE MÓVEIS DO AGRESTE DO ESTADO DE ALAGOAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Oportunidades de Produção mais Limpa em processo de fabricação de móveis sob medida: estudo de caso de um guardaroupa

Oportunidades de Produção mais Limpa em processo de fabricação de móveis sob medida: estudo de caso de um guardaroupa Oportunidades de Produção mais Limpa em processo de fabricação de móveis sob medida: estudo de caso de um guardaroupa DÓRIA, M.V.C. (IFAL/UFBA, Mestrando) LINS, P. S. (IFAL/UFBA, Doutoranda) RAPÔSO, A.

Leia mais

Oportunidades de Produção mais Limpa emprocesso de Fabricação de Móveis sob Medida: Estudo de Caso de um Guarda-Roupa

Oportunidades de Produção mais Limpa emprocesso de Fabricação de Móveis sob Medida: Estudo de Caso de um Guarda-Roupa Oportunidades de Produção mais Limpa emprocesso de Fabricação de Móveis sob Medida: Estudo de Caso de um Guarda-Roupa LINS, P. S. a,c*, DÓRIA, M.V.C., b,c, RAPÔSO, A. a,c, KIPERSTOK, A. c a. Instituto

Leia mais

Identificação de Oportunidades para Produção mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas

Identificação de Oportunidades para Produção mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas Identificação de Oportunidades mais Limpa em Indústria de Tampas Plásticas de Alagoas SILVA, C. a,b*, SOUSA, S. a,b RAPOSO, A. a,b, KIPERSTOK, A. b a. Instituto Federal de Alagoas, Maceió-AL b. Universidade

Leia mais

Modelo para Análise do Impacto Ambiental na Indústria do Vestuário

Modelo para Análise do Impacto Ambiental na Indústria do Vestuário Modelo para Análise do Impacto Ambiental na Indústria do Vestuário CASTILLO L. a,c*, TEIXEIRA G a a. Programa de Pós-Graduação em Design, Universidade Federal de Pernambuco, UFPE *Correspondingauthor,

Leia mais

Sustentabilidade, design e sistema de produto-serviço: interrelações para produção de estofados em pequena escala

Sustentabilidade, design e sistema de produto-serviço: interrelações para produção de estofados em pequena escala 20 Sustentabilidade, design e sistema de produto-serviço: interrelações para produção de estofados em pequena escala Sustainability, design and product-service system: connections to production of upholstered

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental no setor florestal

Sistema de Gestão Ambiental no setor florestal REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N 77 - NOVEMBRO DE 2003 Gestão - Manejo Sistema de Gestão Ambiental no setor florestal Verifica-se na última década um aumento na consciência social com relação à necessidade

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar Análise do Ciclo de Vida - ACV Vera Lúcia P. Salazar ACV Todo produto, não importa de que material seja feito (madeira, vidro, plástico, metal, etc.), provoca um impacto no meio ambiente, seja em função

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN

Indicadores de Entrada e Saída com base na Norma NBR ISO 14031. Estudo de Caso no Setor de Pintura de uma empresa do APL MMAVRN Título do Artigo : Indicadores de Desempenho Ambiental como instrumento auxiliar de monitoramento no programa de Produção mais Limpa do Setor de Pintura em uma empresa do Arranjo Produtivo Local Madeira

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

Estratégias para a confecção de moda do futuro

Estratégias para a confecção de moda do futuro Anne Anicet Ruthschilling 1 Érica Arrué Dias 2 - SEPesq Estratégias para a confecção de moda do futuro 1. Introdução O design do século XXI aponta para a integração do design, tecnologia, inovação e sustentabilidade.

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba.

Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba. Design Sustentável aplicado à decoração de Natal do Shopping Popular de Curitiba. Sustainable Design applied to the decoration of Christmas Shopping Popular de Curitiba. Perozza, Roberta Augustinho; Graduanda;

Leia mais

ESTABELECENDO RELAÇÕES: DESIGN, CONSUMO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESUMO. Palavras-chave: Design, Sustentabilidade, Consumo consciente.

ESTABELECENDO RELAÇÕES: DESIGN, CONSUMO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RESUMO. Palavras-chave: Design, Sustentabilidade, Consumo consciente. 1 ESTABELECENDO RELAÇÕES: DESIGN, CONSUMO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Patrícia Oliveira de Abreu 1 Sandro Ferreira de Souza 2 Taís de Souza Alves Coutinho 3 RESUMO O consumo consciente, assim como o

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA

TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA TERMO DE REFERÊNCIA SUBSÍDIOS PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA 1. A CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA CERÂMICA Segundo a Associação

Leia mais

Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis

Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis Otimização dos tempos e movimentos em uma fábrica de móveis Rayane C. M. REZENDE 1 ; Marislaine C. COSTA 1 ; Poliane C. dos S. LOPES 1 ; Fernando S. JORGE 1, Yahayra do V. B. SILVA 1, Rodrigo H. da SILVA

Leia mais

Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul

Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul Plano de sensibilização do Projeto Simbiose Industrial para os Arranjos Produtivos Locais do Rio Grande do Sul Porto Alegre, 17 de janeiro de 2014 Sumário: 1. Ecologia Industrial 2. O que é Simbiose Industrial

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL

REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS TÊXTEIS ATRAVÉS DA COLAGEM TÊXTIL Anne ANICET 1, Pedro BESSA 2, Ana Cristina BROEGA 3 1 Doutoranda em Design na Universidade de Aveiro 2 Doutor em Design na Universidade de

Leia mais

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação

ECOLOGIA INDUSTRIAL diminuição eliminação A crescente necessidade de preservação ambiental tem levado à adoção de tecnologias que utilizam os recursos naturais de maneira mais econômica e menos destruidora. Ao mesmo tempo, buscam-se soluções para

Leia mais

Aplicabilidade da madeira reciclada no design de móveis conceito e desenvolvimento de mesas de centro

Aplicabilidade da madeira reciclada no design de móveis conceito e desenvolvimento de mesas de centro Aplicabilidade da madeira reciclada no design de móveis conceito e desenvolvimento de mesas de centro Recycled wood applied to furniture design concept and development of coffee tables Cunha, Rita Dione

Leia mais

Rota Estratégica de Metal Mecânica

Rota Estratégica de Metal Mecânica Rota Estratégica de Metal Mecânica Reuso, Redução e Reciclagem: Case -Interação Universidade/Empresa Prof. Dr. IVANIR LUIZ DE OLIVEIRA Departamento de Eng. Mecânica e PPGEP/UTFPR-Ponta Grossa Grupo de

Leia mais

Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes. Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br

Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes. Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br Produção mais Limpa Aplicada em Restaurantes Cláudio Senna Venzke senna@unisinos.br Contexto Desperdício da alimentos Problema recorrente, tanto na etapa de produção, como transporte,preparo e pós consumo.

Leia mais

SIG COMO FERRAMENTA DE APOIO À GESTÃO DO USO INDUSTRIAL DA ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES

SIG COMO FERRAMENTA DE APOIO À GESTÃO DO USO INDUSTRIAL DA ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES SIG COMO FERRAMENTA DE APOIO À GESTÃO DO USO INDUSTRIAL DA ÁGUA E GERAÇÃO DE EFLUENTES Elicelma CARVALHO (1) Geógrafa Ucsal 2008, Pesquisadora da Rede de Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos (TECLIM),

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA DA MADEIRA: ESTADO DA ARTE

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA DA MADEIRA: ESTADO DA ARTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RESÍDUOS DA INDÚSTRIA DA MADEIRA: ESTADO DA ARTE Sheila Luz 1, Priscila Pasti Barbosa 1, Heverton Borges da Costa 2, Fernando Cesar Penteado 1, Carlos

Leia mais

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move... Alternando entre o clássico e o moderno o Sofá Move se coloca como uma alternativa sóbria e elegante para a decoração

Leia mais

Gestão do Uso de Óleos Vegetais em Restaurante Visando a Produção Mais Limpa

Gestão do Uso de Óleos Vegetais em Restaurante Visando a Produção Mais Limpa Gestão do Uso de Óleos egetais em Restaurante isando a Produção Mais Limpa R. C.. chneider a, E. antos a, R. A. Klamt a, E. L. Machado a a. Universidade de anta Cruz do ul UC, anta Cruz do ul, rosana@unisc.br

Leia mais

Tecnologias Limpas e

Tecnologias Limpas e Tecnologias Limpas e Minimização de Resíduos Professor: Neyval Costa Reis Jr. Departamento de Engenharia Ambiental Centro Tecnológico UFES Introdução Programa do Curso Parte I Parte II Minimização de Resíduos

Leia mais

Metamorfose: fragmentos têxteis em prol da cidadania e do meio-ambiente

Metamorfose: fragmentos têxteis em prol da cidadania e do meio-ambiente Metamorfose: fragmentos têxteis em prol da cidadania e do meio-ambiente Tatiana Laschuk Mestre Centro Universitário Ritter dos Reis tlaschuk@gmail.com Resumo O projeto Metamorfose: fragmentos têxteis em

Leia mais

O Ecodesign Aplicado às Indústrias de Confecção: Um Estudo de Caso

O Ecodesign Aplicado às Indústrias de Confecção: Um Estudo de Caso O Ecodesign Aplicado às Indústrias de Confecção: Um Estudo de Caso The Ecodesign Applied to the Clothing Industry: a Study Case Cardoso, Marina Xavier; Discente; Universidade Estadual de Londrina marinaxcardoso@gmail.com

Leia mais

Ecodesign e consumo: pesquisa sobre o mercado para mobiliários em garrafas PET recolhidas

Ecodesign e consumo: pesquisa sobre o mercado para mobiliários em garrafas PET recolhidas Ecodesign e consumo: pesquisa sobre o mercado para mobiliários em garrafas PET recolhidas Júlio Augusto da Silva (INT) julio.silva@int.gov.br Áurea Rapôso (CEFET-AL) aurearaposo@ig.com.br Marcos Garamvolgyi

Leia mais

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações

Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações Produção Mais Limpa no Setor de Fabricação de Artefatos de Couro: Panorâma e Considerações K. M. C. Mattos a, M. R. Monteiro b a.centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materias CCDM- UFSCar,São

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS ACV AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS Ângela M. Ferreira Lima (IFBA, antigo CEFET-BA); Asher Kiperstok (UFBA/TECLIM); Maria de Lourdes de Almeida Silva (UFBA/TECLIM);

Leia mais

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI Artigo Técnico Por Silvio Neto Pereira do Vale, Técnico de Ensino do CPC - Centro SENAI de Produção mais Limpa Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI As organizações mundiais e brasileiras

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO

CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO CONSUMO DOMICILIAR E USO RACIONAL DA ÁGUA EM ÁREAS DE BAIXA RENDA: PESQUISA DE OPINIÃO Ana Garcia Mirian Santos Dijara Conceição Adriana Machado Asher Kiperstok REDE DE TECNOLOGIAS LIMPAS DA BAHIA PPG

Leia mais

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente

A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente A Ecologia Industrial no Contexto das Políticas Públicas de Meio Ambiente - Uma discussão preliminar sobre as oportunidades e limites da incorporação da ecologia industrial à gestão pública do meio ambiente

Leia mais

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ

PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ FACULDADE PRUDENTE DE MORAES PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO CESAR BOCHINI Itu 2009 Faculdade Prudente de Moraes MBA Executivo PERFIL DOS CLIENTES DA MARCENARIA SANTA CRUZ MAURICIO

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo.

Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de. fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. MISSÃO SEBRAE/ES Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável de micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo no Estado do Espírito Santo. UNIDADE DE PROJETOS INDUSTRIAIS Promover

Leia mais

DESIGN, CULTURA E PRODUTOS MOVELEIROS ALAGOANOS: DO DESIGN ANÔNIMO AO DESENHO CONTEMPORÂNEO

DESIGN, CULTURA E PRODUTOS MOVELEIROS ALAGOANOS: DO DESIGN ANÔNIMO AO DESENHO CONTEMPORÂNEO DESIGN, CULTURA E PRODUTOS MOVELEIROS ALAGOANOS: DO DESIGN ANÔNIMO AO DESENHO CONTEMPORÂNEO Rossana VIANA GAIA (1) Áurea RAPOSO (2); Ana Maria FELIX DA SILVA (3); Welle Cristina GOMES DE MIRANDA (4) (1)

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA 573 5.2 ESFORÇOS E CAPACIDADES TECNOLÓGICAS E INOVATIVAS Silvio A. F. Cário * A estrutura industrial do estado de Santa Catarina respondeu de forma positiva à mudança no marco regulatório da economia brasileira

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)

A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) A INCLUSÃO DO CONCEITO DA AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA NA GRADE CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM) R.L. CONTIERO 1, F.I. BÁNKUTI 1, J.F. BENCHIMOL 2, T.C.L.CAIRES

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA Edson Augusto Lopes RESUMO Atualmente com a globalização as indústrias vem investindo em máquinas e equipamentos modernos

Leia mais

Projeto Kid Vinil: Um Estudo de Caso para a Reutilização de Resíduos de Lona Vinílica.

Projeto Kid Vinil: Um Estudo de Caso para a Reutilização de Resíduos de Lona Vinílica. Projeto Kid Vinil: Um Estudo de Caso para a Reutilização de Resíduos de Lona Vinílica. Kid Vinil Project: A Case Study for the Reuse of Vinyl Tarp Waste. MARTINUSSI, Julia C.; Graduando em Design; Universidade

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Kaline Muriel de Figueiredo Gomes (IFRN) kmuriel2001@yahoo.com.br Handson Cláudio Dias Pimenta (IFRN) handson@cefetrn.br

Kaline Muriel de Figueiredo Gomes (IFRN) kmuriel2001@yahoo.com.br Handson Cláudio Dias Pimenta (IFRN) handson@cefetrn.br XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Gestão de Resíduos Sólidos Ordem de Prioridade 1. Não geração 2. Redução 3. Reutilização 4. Reciclagem 5. Tratamento dos resíduos sólidos 6. Disposição final ambientalmente

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL: APOIO À GESTÃO AMBIENTAL DE UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA

INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL: APOIO À GESTÃO AMBIENTAL DE UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL: APOIO À GESTÃO AMBIENTAL DE UMA INDÚSTRIA PETROQUÍMICA Karla Patrícia Santos Oliveira Rodriguez Esquerre (1) Engenheira Química Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES EM UM RESTAURANTE INSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO

SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES EM UM RESTAURANTE INSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO SUSTENTABILIDADE NA PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES EM UM RESTAURANTE INSTITUCIONAL DO MUNICÍPIO DE OURO PRETO SOUZA, Waldir Júlio 1 PIERRE, Letícia Terrone 2 MOREIRA, Karina 3 LANNA,Talline 4 INTRODUÇÃO O impacto

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2

Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG. Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 1 Atividades Impactantes e Impactos Ambientais Oriundos da Indústria de Móveis Pólo Moveleiro de Ubá MG Celso Coelho de Souza 1, Elias Silva 2 A partir da década de 90, alguns segmentos da indústria brasileira

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012

INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL. Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 INOVAÇÃO para a SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Eng. Márcio Torres Diretor CNTL SENAI/UNIDO/UNEP Novembro de 2012 SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade Ambiental x Econômica Megatendências... Crescimento da

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Aplicação de Design com Sustentabilidade na Produção de Móveis a partir de Madeira Reciclada

Aplicação de Design com Sustentabilidade na Produção de Móveis a partir de Madeira Reciclada Aplicação de Design com Sustentabilidade na Produção de Móveis a partir de Madeira Reciclada Sandro Fábio César (1), João Paulo Leite Guedes (2), Rita Dione Araujo Cunha (3) (1) Laboratório de Madeiras,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL

A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL ISSN 1984-9354 A SUSTENTABILIDADE EM PROJETOS DE PRODUTO: UMA ABORDAGEM AMBIENTAL Jaqueline Colares Viegas (UFF) Mara Telles Salles (UFF) Resumo A sustentabilidade tem se tornado um tema cada mais relevante

Leia mais

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL

DIRETORIA DE INOVAÇÃO E MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA CASOS DE SUCESSO EM EMPRESAS SUSTENTÁVEIS Produção Mais Limpa: Aplicação contínua de estratégia econômica, ambiental e tecnológica não-geração não-geração reciclagem reciclagem

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA: APOIO À GESTÃO DE UMA EMPRESA DE LATICÍNIOS DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS, AL.

PRODUÇÃO MAIS LIMPA: APOIO À GESTÃO DE UMA EMPRESA DE LATICÍNIOS DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS, AL. PRODUÇÃO MAIS LIMPA: APOIO À GESTÃO DE UMA EMPRESA DE LATICÍNIOS DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS, AL. ROBERTO FERNANDES DA CONCEIÇÃO Universidade Federal da Bahia - UFBA, Programa de Engenharia Industrial, Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Redução da geração de sucatas metálicas por meio da reutilização interna e reciclagem externa na

Leia mais

Revista Design em Foco Universidade do Estado da Bahia designemfoco@uneb.br ISSN (Versión impresa): 1807-3778 BRASIL

Revista Design em Foco Universidade do Estado da Bahia designemfoco@uneb.br ISSN (Versión impresa): 1807-3778 BRASIL Revista Design em Foco Universidade do Estado da Bahia designemfoco@uneb.br ISSN (Versión impresa): 1807-3778 BRASIL 2005 Marcelo Geraldo Teixeira / Sandro Fábio César ECOLOGIA INDUSTRIAL E ECO-DESIGN:

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

ASTI Yuruzu Yamakawa

ASTI Yuruzu Yamakawa ASTI Yuruzu Yamakawa ASTI Yuruzu Yamakawa CONCEITO Leveza e comodidade são marcas registradas da coleção Asti. Agregar e ressaltar o valor das matérias-primas através da artesania e da arte do design com

Leia mais

Solução de problemas tecnológicos e de gestão

Solução de problemas tecnológicos e de gestão Solução de problemas tecnológicos e de gestão para micro, pequenas e médias empresas Programa de Apoio Tecnológico às Micro, Pequenas e Médias Empresas do Estado de São Paulo Extensão Tecnológica Programa

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio Matriz de Especificação de Prova da : Técnico em Design de Móveis Descrição do Perfil Profissional: Desenvolve esboços, perspectivas e desenhos normatizados de móveis. Realiza estudos volumétricos e maquetes

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda. Edição 2015-06- 29

RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda. Edição 2015-06- 29 RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda Edição 2015-06- 29 MISSÃO: Conquistar e fidelizar clientes satisfazendo-os com a técnica, experiência e dinamismo da direção e dos colaboradores, produzindo

Leia mais

PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DO RAMO DE FORJARIA NO MUNICÍPIO DE QUEIMADOS RJ

PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DO RAMO DE FORJARIA NO MUNICÍPIO DE QUEIMADOS RJ ISSN 1984-9354 PRODUÇÃO MAIS LIMPA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DO RAMO DE FORJARIA NO MUNICÍPIO DE QUEIMADOS RJ Mônica Pacheco de Paula (LATEC / UFF) Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

Implementação da Produção mais Limpa em uma Indústria Têxtil: Vantagens Econômicas e Ambientais

Implementação da Produção mais Limpa em uma Indústria Têxtil: Vantagens Econômicas e Ambientais Implementação da Produção mais Limpa em uma Indústria Têxtil: Vantagens Econômicas e Ambientais H. C. D. Pimenta a, R. P. Gouvinhas b a. Instituto Federal do Rio Grande do Norte, Natal, handson.pimenta@ifrn.edu.br

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Título. Seguro Residencial Itaú com Serviços Ambientais. Introdução

Título. Seguro Residencial Itaú com Serviços Ambientais. Introdução Título Seguro Residencial Itaú com Serviços Ambientais. Introdução A discussão sobre a incorporação da questão ambiental no Seguro Residencial Itaú começou em 2008, antes mesmo da integração entre o Itaú

Leia mais

Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas

Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas Manual do Empresário sobre Redução de Desperdícios em Micro e Pequenas Empresas Metodologia Sebrae 5 Menos que São Mais - Redução de Desperdício SEBRAE/DF - Brasília/DF, 2003 1 INTRODUÇÃO Este Trabalho

Leia mais

Ambiental: Estudo de Caso em uma Indústria de Plásticos na Serra Gaúcha

Ambiental: Estudo de Caso em uma Indústria de Plásticos na Serra Gaúcha Produção Mais Limpa e Sustentabilidade Ambiental: Estudo de Caso em uma Indústria de Plásticos na Serra Gaúcha Julio Cesar Ferro de Guimarães Eliana Andréa Severo Eric Dorion Pelayo Munhoz Olea INTRODUÇÃO

Leia mais

Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções

Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções Produção Mais Limpa E Os Aspectos Da Política Nacional De Resíduos Sólidos No Setor De Confecções BIERMANN, M.J.E. 1 Pontifícia Universidade Católica PUC, RS, mjulieta@terra.com.br. Resumo Estima-se que

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br

Organização da produção - Renato Garcia, setembro de 2005. renato.garcia @poli.usp.br Mesa - Organização da Produção Caracterização da estrutura produtiva em Sistemas Locais de Produção (APLs) proposições e implicações de políticas Renato Garcia, POLI-USP renato.garcia@poli.usp.br Apresentação

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES

PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES PRÁTICAS AMBIENTAIS EM UMA INDÚSTRIA DE FERTILIZANTES BAIOTTO, Alexandre 1 ; COSTA, Augusto Cesar da 1 ; SCHMIDT, Alberto 2 Palavras-Chave: Gestão ambiental. Empresa. Produção sustentável. Introdução Agregados

Leia mais

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP.

GEIA. Grupo de Ecologia Industrial Aplicada FLUXUS. Laboratório de Estudos em Sustentabilidade Socioambiental e Redes Técnicas FEC/UNICAMP. São Paulo Brazil May 20th 22nd 2009 Evolução das Abordagens Industriais Ambientais MSc. Juliana C. Fontes Lima, Profa. Dra. Emília W. Rutkowski FEC/UNICAMP GEIA. Grupo de Ecologia. Faculdade Industrial

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR MOREJON, C. M. F.,a, BIANCO, T. S. D b, LIMA, J. F.. c, PLEC, O. d a. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais