Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade. Docentes: Discentes:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade. Docentes: Discentes:"

Transcrição

1 Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Docentes: Discentes: Professor Doutor José Carlos Marques Ana Fernandes nº Hugo Freitas nº Ruben Sousa nº Telma Marques nº

2 1

3 Índice Índice...2 Introdução...4 ISO...5 ISO O que é a ISO 9000?...5 História da ISO Vantagens da ISO Requisitos necessários...12 ISO O que é a ISO 14000?...15 Termos e definições básicas da ISO História da ISO Requisitos necessários...19 Vantagens e desvantagens da ISO ISO O que é a ISO 17025?...25 História da ISO História da ISO

4 Requisitos da ISO Requisitos da ISO Vantagens e desvantagens da ISO HACCP...34 O que é o HACCP?...34 Princípios gerais do HACCP...35 História do HACCP...36 Requisitos do HACCP...37 Vantagens do HACCP...38 Perigos do HACCP...38 Conclusão...39 Bibliografia

5 Introdução Neste trabalho, iremos falar sobre os referenciais mais importantes na certificação da qualidade, ou seja, abordaremos detalhadamente as normas ISO 9000, ISO 14000, ISO e sistema HACCP. Devido à crescente necessidade de acrescentar algo mais a uma empresa/organização, é indispensável a eistência de normas que valorizem aquelas que prezam pela qualidade e como tal, apresentam uma preocupação inecedível para com os clientes. Deste modo, será essencial fornecer informações sobre a história de cada referencial, dando inicialmente uma definição objectiva e facultando os requisitos fundamentais para a sua implementação. Serão também fornecidas as vantagens e desvantagens resultantes da aplicação de ferramentas que assegurem um determinado nível de qualidade, eigidas para a certificação segundo os referenciais mencionados. Esperamos que o conteúdo apresentado neste trabalho sirva para esclarecer as dúvidas que ocorram, no que diz respeito ao processo de certificação sobre as normas anunciadas anteriormente. 4

6 ISO A sigla ISO intitula a Internacional Organization for Standardization, ou seja, Organização Internacional de Padronização. Esta organização foi fundada em 1947 em Genebra e tem como objectivo a promoção da normatização de produtos e serviços tendo em conta uma serie de normas de forma a melhorar continuamente a qualidade dos produtos. ISO 9000 O que é a ISO 9000? A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de certificação. A ISO 9000 é um modelo de padronização, composto por um conjunto de normas com carácter internacional, através do qual as empresas podem encaminhar as suas tarefas, e atendendo alguns requisitos da ISO, tornam-se empresas certificadas por organismos certificadores, como por eemplo, SGS (Société Générale de Surveillance), Fundação Carlos Alberto Vanzolini, SAS Certificadora, Loyds, Bureau Veritas Quality International, atendendo, assim, às eigências de qualidade dos seus clientes. Fonte: 5

7 História da ISO 9000 Antes da ISO 9000 Durante a segunda Guerra Mundial muitas empresas Britânicas, quer de alta tecnologia quer de munição, estavam com alguns problemas no que toca á qualidade dos seus produtos. Assim a solução que encontraram foi pedir aos fabricantes procedimentos de produção e apresentá-los por escrito. Isto porque muitas bombas eplodiam dentro das fábricas ou no seu transporte, criando um ambiente instável na sociedade. Assim, foi adoptada a norma BS 5750 conhecida como uma norma de gestão, pois não só especificava como produzir, mas também como gerir todo o processo de produção. Segundo Seddon Em 1987, o governo britânico persuadiu a Organização Internacional de Padronização (ISO) para adoptar a BS 5750 como uma norma de padrão internacional. Assim, a BS 5750 tornouse a ISO Versão 1987 ISO 9000: Continua com a estrutura da norma britânica BS 5750, ou seja, com três modelos de gestão do sistema da qualidade; ISO 9001: Modelo de garantia da qualidade para projecto, desenvolvimento, produção, montagem e prestadores de serviço (para companhias que tinham como actividade a criação de novos produtos); 6

8 ISO 9002: Modelo de garantia da qualidade para produção, montagem e prestação de serviço. Basicamente as mesmas normas da ISSO 9001 mas sem circunscrever a criação de novos produtos; ISO 9003: Modelo de garantia da qualidade para inspecção. (preocupa-se apenas com a inspecção final do produto, e não como o produto era feito). Versão 1994 ISO 9000: Proporcionava a garantia da qualidade por meio de acções preventivas e continuava a eigir os procedimentos de produção escritos. Contudo esta versão começou a gerar alguns problemas, nomeadamente o facto das empresas começarem a implementar os seus próprios requisitos e os manuais de procedimentos começaram a aumentar consideravelmente. Versão 2000 ISO 9001: concentra as três normas 9001, 9002 e 9003 tudo numa que em 2000 era designada de Os projectos de desenvolvimento que antes eram pedidos para todas as empresas, agora são solicitados apenas para empresas que investem na criação de novos produtos. 7

9 Esta versão tem como principal objectivo mudar a forma de controlo do processo. Como? Na versão de 1987, o objectivo era controlar o processo na etapa final, nesta versão passa a eistir um controlo de processo ao longo do mesmo. Um distinto objectivo debruça-se na melhoria: Do processo, através da avaliação da performance; Dos indicadores para medir o desenrolar das acções; Dos indicadores relativos á medição das actividades desenvolvidas. Contudo a principal mudança foi a integração do cliente no sistema da organização. A qualidade é vista através de varias dimensões e definida pelas necessidades e desejos dos clientes. Versão 2005 ISO 9000: Esta foi a única norma lançada no ano de 2005, sendo aplicada a: Organizações que procuravam vantagens através da implementação de um sistema de qualidade; Organizações que desejavam encontrar a confiança dos fornecedores, pois eram destes que dependiam os a qualidade dos requisitos dos seus produtos; Usuários dos produtos; Indivíduos internos ou eternos á organização, que avaliam o sistema de gestão da qualidade de modo a verificarem se os requisitos estão em conformidade com as normas; 8

10 Versão 2008 ISO 9001: Esta nova versão da norma ISO 9001é considerada uma versão final da norma. A última versão foi elaborada de forma a eistir uma maior compatibilidade com a ISO e de forma a proporcionar um melhor sentido e interpretação da mesma. Fonte: Fonte: 9

11 Vantagens da ISO 9000 Redução de riscos quer para a empresa quer para os clientes; Redução de custos para as empresas (redução de perdas de produção, menos reprocessamento; menor numero de reposições), para os clientes (redução de custos de aquisição do produto) e para a sociedade (menor desperdício em certos factores produtivos, como a energia); Outros: Para a empresa: Mais participação no mercado; Maior satisfação do cliente; Aumento da competitividade; Aumento da confiança por parte dos clientes. Para o cliente: Maior satisfação em relação aos produtos adquiridos com menor custo. Para a sociedade: Maior competitividade da actividade industrial no mercado nacional; Desenvolvimento da nação e por isso maiores benefícios para toda a sociedade. 10

12 Para os colaboradores/ empregados: Maior integração dos sectores e por isso menos conflitos no trabalho; Melhores condições para acompanhar todos os processos; Maior oportunidade de formação; Menos possibilidade de acidentes de trabalho. Em suma, as principais vantagens associadas a esta norma são: Facilidade de utilização pois esta norma utiliza uma linguagem clara e compreensível; Articulação entre os diversos sistemas de gestão da qualidade; Maior orientação para a melhoria contínua e satisfação do cliente; Compatibilidade com outros sistemas de qualidade, tal como, a ISO 14000; Introdução do conceito de "par consistente" - A norma ISO 9001 contemplando os requisitos a serem cumpridos e a norma ISO 9004 numa análise "para além dos requisitos", de forma a melhorar a performance das organizações. 11

13 Requisitos necessários A ISO 9000 é um modelo que serve de padrão a um restrito conjunto de entidades que seguem as normas de qualidade eigidas. A organização deve seguir alguns passos e cumprir com alguns requisitos da ISO 9000 para serem certificadas, nomeadamente: Padronização de todos os processos-chave do negócio, processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; Monitorização e medição dos processos de fabricação para assegurar a qualidade do produto/serviço, através de indicadores de desempenho e desvios eistentes; Implementar e manter os registos adequados e necessários para garantir a rastreabilidade do processo; necessário; eficácia. Inspecção de qualidade e meios apropriados de acções correctivas quando Revisão sistemática dos processos e do sistema da qualidade para garantir sua Embora a padronização tenha surgido nas indústrias, focando-se fundamentalmente na produção, actualmente a norma vem sendo implementada por outros tipos de organizações. Um "produto", tendo em conta a ISO, pode significar um objecto físico, um serviço ou um software. 12

14 Tabela dos principais requisitos das normas ISO 9000: Rubrica ISO ISO ISO Resumo Requisitos formais gerais 4.1 Responsabilidade da direcção Politica da qualidade Organização Responsabilidade e autoridade Eistência de métodos escritos suficientes sobre todos os pontos relevantes para a qualidade dos produtos e/ou serviços. Supervisão geral da eficácia e da aplicação destes mesmos métodos. Manual da qualidade descrevendo as medidas adoptadas, ou seja, o Sistema da Qualidade no qual a empresa está empenhada. Rastreabilidade, permitindo descobrir a origem dos defeitos detectados e verificar, após a realização da auditoria, a boa aplicação do Sistema da Qualidade descrito no respectivo manual. A empresa deve estabelecer objectivos precisos relativos à qualidade, em função das epectativas dos seus clientes (se possível de forma a ultrapassar os seus concorrentes). A empresa deve quantificar os seus objectivos e segui-los, procurando eplorar os eventuais litígios e as reclamações dos clientes. A organização deve estar definida e permitir o bom funcionamento da empresa (ou seja, alcançar os objectivos da qualidade previstos). Os meios devem permitir o bom funcionamento da empresa. Deve ser designado um representante da Direcção, incumbido de gerir o Sistema da Qualidade de forma a assegurar que a qualidade não se deteriore com o tempo apesar da evolução da empresa e dos seus quadros. A qualidade deve ser gerida, devendo ser-lhe atribuída prioridade ao mais alta nível da empresa de forma a mantê-la permanente Meios Representante da direcção Análise pela Direcção 4.2 Sistema da qualidade Generalidades Procedimento do Sistema da Qualidade Planificação da qualidade A empresa deve resumir num Manual da Qualidade quais as medidas que foram tomadas com vista a garantir a qualidade dos bens e/ou serviços prestados. Os métodos de trabalho essenciais devem ser formalizados, -cf. os requisitos genéricos As medidas que permitem garantir a qualidade devem ser objecto de uma organização global a fim de garantir a sua lógica e eaustividade, como, por eemplo: plano da qualidade especifico, plano de aferição 4.3 Análise do contrato A empresa deve «fiabilizar» os produtos/serviços oferecidos nos seus contratos: -verificando que os produtos/serviços correspondem adequadamente às epectativas dos clientes, são completos, fiáveis e que o preço é adequado. - organizando os contratos de forma a assegurar o seu bom desenvolvimento. 4.4 Controlo da concepção Os estudos e os desenvolvimentos devem ser organizados de forma criteriosa, a fim de garantir a qualidade dos produtos finais: organização, planificação, gestão de projectos, caderno de encargos, métodos de desenvolvimento; validação e qualificação, industrialização; 13

15 4.5 Controlo dos documentos e dos dados Os documentos devem ser objecto de uma gestão bem organizada, de forma a evitar erros, assegurando uma adequada estrutura geral, controlo, difusão, arrumação, actualização, arquiva, o mesmo se aplica em relação aos dados: ficheiros informatizados, bases de dados. 4.6 Aprovisionamento Os fornecedores e subempreiteiros devem ser geridos em função da qualidade dos bens ou produtos a fornecer As encomendas devem ser validadas; validação técnica, com controlo do acordo estabelecido com o fornecedor, verificação formal 4.7 Controlo do produto fornecido pelo cliente 4.8 Identificação e rastreabilidade do produto Os produtos fornecidos pelos clientes devem ser objecto de um estudo cuidado O produto e os seus elementos constituintes devem estar adequadamente identificados e rotulados, permitindo a sua rastreabilidade, ou seja, encontrar as informações necessárias à verificação da qualidade do produto e à análise das causas dos incidentes 4.9 Controlo dos processos A empresa deve mostrar que controla bem os trabalhos associados à certificação, designadamente, os processos cujos resultados são difíceis de controlar (soldadura, engaste, tratamentos térmicos ) 4.10 Inspecção e ensaios A empresa deve efectuar os controlos e ensaios suficientes, sob condições rigorosas que possam dar garantias adequadas Controlo dos equipamentos de inspecção, medição e ensaio 4.12 Estado de inspecção e ensaio 4.13 Controlo do Produto não conforme 4.14 Acções correctivas e preventivas 4.15 Manuseamento, armazenamento, embalagem, prevenção, epedição 4.16 Controlo dos registos da Qualidade 4.17 Auditorias internas da qualidade Os aparelhos de medição devem ser suficientemente precisos, devendo ser objecto de manutenção, regulação, e aferição adequada. Antes de epedir os seus produtos, a empresa deve assegurar, que todas as verificações, ensaios e, de uma forma mais generalizada, todas as disposições previstas à qualidade foram devidamente cumpridas e que não se registaram anomalias Os produtos não conformes devem ser isolados e sujeitos a tratamento especial, evitando a sua reintrodução no circuito de produção enquanto a não qualidade não for eliminada. As acções iniciadas no seguimento dos problemas detectados devem ser geridas e acompanhadas até que a situação tenha sido normalizada A empresa deve fazer com que as diferentes condições não possam deteriorar a qualidade dos seus produtos Os diferentes registos à qualidade devem ter sido compreendidos, devendo ser conservados em arquivo (cf. requisitos genéricos) Vigilância do bom funcionamento e do bom cumprimento das medidas efectuadas, através de auditorias regulares 4.18 Formação A formação necessária à qualidade dos trabalhos deve ser registada e cumprida 4.19 Assistência após venda Esta rubrica respeita às prestações «aneas» tais como AAV e assistência técnica, desde que estes representem apenas uma pequena parte da actividade da empresa A empresa deve indicar as medidas adoptadas com vista a garantir a qualidade destes serviços Técnicas estatísticas A empresa deve indicar as regras aplicadas para efeitos de controlo estatístico, designadamente a nível do controlo de riscos Fonte: 14

16 ISO O que é a ISO 14000? Esta norma refere-se ao Sistema de Gestão Ambiental, isto é, aplica-se a aspectos ambientais de forma que a organização possa controlar e influenciar todas as áreas envolventes. Tem como principais objectivos: Averiguar se as empresas minimizam os efeitos prejudiciais no ambiente (resultantes das suas actividades, produtos e/ou serviços); Verificar continuamente se há ou não um melhoramento do desempenho das empresas perante o ambiente. Assim, a ISO contém apenas eigências que podem ser objecto de auditorias e análises críticas ao meio ambiente. Esta auilia o encontro e o mensuramento para a obtenção e manutenção dos objectivos previstos. Porém, uma certificação deste tipo não garante que uma empresa tenha capacidade de alcançar o melhor desempenho ambiental possível, somente certifica que foram instalados os elementos básicos de um sistema de gestão ambiental. Portanto, fornecer a uma organização um processo estruturado e um conteto de trabalho com os quais possa alcançar e controlar sistematicamente o nível de desempenho ambiental é a sua finalidade. O nível real de desempenho, os sucessos e o resultado em 15

17 relação a todo o processo depende do conteto económico, da regulamentação e de outras circunstâncias que afectam directa e indirectamente o mesmo. Termos e definições básicas da ISO Uma organização que adopta o sistema da ISO 14000, é mencionada como "uma empresa, corporação, firma, empreendimento, instituição e partes ou combinações destas, mesmo que não pertençam à mesma razão social públicas e privadas, que tenham sua própria função e administração". Cláusula 3.12 da ISO 14001(1996) No que se refere ao meio ambiente, opera nos seguintes domínios: "ar, água, terra, recursos naturais, flora, fauna, seres humanos e suas inter-relações. É também importante referir o facto do meio ambiente se alongar do interior da organização até ao sistema global. Fica a cargo da organização identificar os aspectos ambientais de seus produtos, processos e serviços ao estabelecer um Sistema de Gestão Ambiental, sendo indispensável ter smepre em conta que qualquer mudança no ambiente, seja adversa ou benéfica, resultante total ou parcialmente das actividades, produtos e/ ou serviços de uma organização, tem que ser controlada e inspeccionada. O Sistema de Gestão Ambiental inclui a estrutura organizacional, as actividades de planeamento, as responsabilidades, práticas, procedimentos, processos e recursos para desenvolver, implementar, alcançar e proceder à avaliação crítica. 16

18 História da ISO Foi em 1972, que a ISO ganhou vida. Resultou da Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente Humano (CNUMAD), e da Rodada do Uruguai de Negociações do GATT (General Agreement on Tariffs and Trade), sendo que a 1ª, tinha como principal objectivo reduzir as barreiras não tarifárias e a 2ª, o compromisso de protecção do meio ambiente em todo o mundo e o fortalecimento do conceito de Desenvolvimento Sustentável. Anos mais tarde, é através do Relatório da Comissão Brundtland de 1987 que é feito um pedido à indústria para que esta passasse a se preocupar mais com o meio ambiente, e desta forma, contribuísse para o desenvolvimento dos sistemas de gestão ambiental efectivos. Em 1993, surgiu a necessidade de criar uma norma internacional para que a gestão ambiental fosse alargada a todos os países do mundo, com o objectivo de: Promover um Sistema de Gestão Ambiental similar ao Sistema de Qualidade; Enriquecer as habilidades das organizações em atender e medir as melhorias do desempenho ambiental; Facilitar as habilidades das organizações em atender e medir as melhorias do desempenho ambiental. Assim, foi criado em 1991 o SAGE (Strategic Advisory Group on the Environment), com a finalidade de eaminar a utilidade e o conteto onde estes objectivos seriam adoptados. Em 1993 o SAGE anuncia a aprovação e constituição da nova norma relacionada com a gestão ambiental: a ISO Esta iria passar a preocupar-se com assuntos no âmbito de: 17

19 Auditorias Ambientais; Avaliações do Desempenho Ambiental; Rotulagens Ambientais; Análises do Ciclo de Vida; Aspectos Ambientais em Normas de Produtos. A 1ª evolução da ISO deu-se em 1996, com o aparecimento da ISO e foi divulgada em Portugal no ano de Posteriormente, muitas mais evoluções da ISO se deram, todas com o intuito de alcançar os objectivos / assuntos impostos em 1993 pelo SAGE. Fonte: Fonte: 18

20 Requisitos necessários Para que qualquer empresa possa obter um certificado ISO é necessário obter certas eigências: Política ambiental é necessário criar dentro da empresa em questão uma Política Ambiental que represente os seus produtos e serviços e que seja divulgada entre os funcionários e a própria comunidade. Assim, a direcção da empresa terá de cumprir esta política de forma a obter um contínuo melhoramento do seu desempenho ambiental; Aspectos ambientais é etremamente importante que as empresas integrem procedimentos capazes de identificar, conhecer, administrar e controlar os resíduos que esta gera durante o processamento e uso dos seus produtos/serviços (eemplos: emissões atmosféricas, efluentes líquidos e resíduos sólidos); Eigências legais é essencial que a empresa respeite todas as leis envolventes nos seus processos e que os seus funcionários tenham conhecimento e acesso às mesmas; Objectivos e metas devem ser criados objectivos e metas a atingir, de acordo com a política ambiental definida na empresa. Assim, esta será capaz de reflectir os aspectos ambientais, os resíduos gerados e seus impactos no meio ambiente, bem como considerar eigências legais e outros aspectos inerentes ao próprio negócio; 19

21 Programa de gestão ambiental deve eistir, na organização, um programa estruturado e pessoas capazes de coordenar e implementar um conjunto de acções que cumpram o que foi estabelecido na política ambiental e respectivas eigências legais, que atinjam os objectivos e metas e que contemplem o desenvolvimento de novos produtos e novos processos. Este programa deve ainda prever acções associadas aos riscos envolvidos e aos respectivos planos de emergência, assim como integrar as funções dos funcionários da empresa, através da descrição de cargos e funções relativas à questão ambiental; Estrutura organizacional e responsabilidade toda e qualquer organização deve conter um organograma que comprove que as suas inter-relações estão bem definidas e comunicadas por toda a empresa. Deste modo, é necessário haverem profissionais conscientes dos assuntos específicos da gestão ambiental; Consciencialização e eecução é necessário que todos os funcionários tenham consciência das tarefas que têm a seu cargo e de todas as eigências, quer legais, quer não, definidas pela empresa. A eecução também deve ter ponderação sobre os impactos ambientais reais ou potenciais associados às actividades de trabalho; Comunicação é importante que a empresa possua um sistema que permita enviar e receber comunicados relativos às questões ambientais para os funcionários e a comunidade; Documentação do Sistema de Gestão Ambiental toda e qualquer organização deve ter uma espécie de manual que contemple todo o sistema de gestão ambiental implementado pela mesma; 20

22 Controlo de documentos devem haver procedimentos para que todos os documentos sejam controlados e assinados pelos responsáveis. Estes devem ser de acesso fácil aos interessados, actualizados, identificados, legíveis e armazenados adequadamente; Controlo operacional é necessário haver inspecções e controlo dos aspectos ambientais das organizações, e ainda, procedimentos para a manutenção dos equipamentos que fazem esses mesmos controlos; Situações de emergência a empresa deve possuir procedimentos para prevenir, investigar e responder a situações de emergência. Também deve ter planos e funcionários treinados para actuar neste tipo de situações; Avaliação deve haver sempre um programa que meça o desempenho ambiental com que são efectuadas as diversas tarefas da organização; Não conformidade, acções correctivas e acções preventivas a empresa deve definir responsáveis com autoridade para investigar as causas das não-conformidades ambientais e tomar as devidas acções correctivas e preventivas ; Registos é fundamental arquivar todos os resultados de auditorias e análises críticas relativas às questões ambientais para que sempre que seja necessário haja maneira de mostrar e provar, a quem quer que seja, que a empresa possui um sistema conforme o que é eigido pela norma; 21

23 Auditoria do Sistema da Gestão Ambiental a organização precisa ter um programa de auditoria ambiental periódica e os resultados das auditorias devem ser documentados e apresentados à alta administração da empresa ; Análise crítica do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) baseado nos resultados da auditoria do SGA, a organização deve fazer uma análise crítica do Sistema de Gestão Ambiental e as devidas alterações, para que atenda às eigências do mercado, clientes, fornecedores e aspectos legais, na busca da melhoria contínua. Fonte: 22

24 Vantagens e desvantagens da ISO Vantagens: A ISO é uma certificação à disposição das empresas, cuja implementação traz inúmeras vantagens relativamente à gestão ambiental, tanto para as organizações, como para os clientes: assegurar um compromisso de gestão ambiental perante os clientes; manter boas relações com o público em geral; satisfazer os critérios dos investidores e melhorar o acesso ao capital; fortalecer a imagem e a participação no mercado; satisfazer os critérios de certificação do vendedor; demonstrar actuação cuidadosa; conservar e reduzir o consumo de matérias-primas e energia; facilitar a obtenção de licenças e autorizações; estimular o desenvolvimento e compartilhar soluções ambientais; melhorar as relações indústria/governo; reduzir resíduos e reutilização de recursos; melhorar o controlo de custos e sua redução; reduzir eventuais indemnizações resultantes de incidentes; 23

25 reduzir os custos relacionados com o cumprimento de requisitos legais; melhorar contínuamente do desempenho ambiental. Ainda assim, a certificação do sistema poderá contribuir para: demonstrar publicamente o compromisso relativo à gestão ambiental; melhorar a imagem, notoriedade e aceitação no mercado real e potencial; manutenção de boas relações públicas; obter seguros a custos mais razoáveis; satisfação de critérios de investimento e melhoria de acesso ao capital; melhoria do relacionamento com todas as partes interessadas. Desvantagens: aumento dos investimentos em tecnologias de processo; aumento dos custos; aumento das despesas com contratação / formação de pessoal; aumento da burocracia na empresa. As desvantagens apresentadas são, essencialmente relativas ao curto-prazo, apesar de numa perspectiva de longo-prazo verificarmos que as vantagens cobrem de uma forma etremamente positiva, a despesa e os contratempos resultantes da sua implementação. 24

26 ISO O que é a ISO 17025? A ISO é um sistema de qualidade que serve de padrão no domínio dos testes laboratoriais. Apesar de eistirem semelhanças com a ISO 9000, esta acrescenta competências ineistentes na norma anterior. A ISO adiciona requisitos técnicos que valorizam a competência do pessoal, as metodologias utilizadas e testes sobre os equipamentos. Os laboratórios utilizam este sistema de qualidade, visando melhorar a sua capacidade de produzir resultados válidos consistentemente, sendo também a base para a realização de um trabalho fiável e competente. 25

27 História da ISO Foi em 2001, no Working Group que ficou acordada a 1ª edição da ISO Esta denominou-se por ISO 17025:1999, visto já estar a ser estudada desde essa altura, mas só ter sido aprovada em Entretanto, e porque era necessário inovar, actualizar e implementar uma ISO mais evoluída e com outros tipos de vantagens e requisitos (mais eigentes), surgiu, em Fevereiro de 2005, através da votação do FDAM (Final Draft Amendment), a ISO 17025:2005. Contudo, apenas foi publicada a 15 de Maio de A partir de então mais evoluções se deram, sempre com o intuito de conseguir implementar uma ISO que apresente melhores condições que a anteriormente desenvolvida. 26

28 Requisitos da ISO A ISO apresenta requisitos relacionados com a administração e requisitos técnicos. Requisitos da administração: Organização: Estabelecer responsabilidades e estrutura organizacional; Gerir as actividades realizadas nas instalações permanentes e temporárias, Ter uma gerência técnica e um gerente da qualidade; Proteger as informações confidenciais e direitos de propriedade do cliente; Estabelecer medidas que evitem quaisquer pressões e influências que possam afectar a qualidade de seus trabalhos. Sistema da Qualidade: Estabelecer, implementar e manter um sistema da qualidade documentado para assegurar a qualidade dos resultados de ensaios e/ou calibrações; Elaborar um manual da qualidade que inclua as políticas e os principais objectivos do sistema de qualidade adoptado pela empresa. 27

29 Controlo de documentos: Controlar todos os documentos que fazem parte de seu SQ (Sistema de Qualidade), assegurando uma análise crítica e uma aprovação por parte do pessoal competente e posteriormente a sua disponibilidade aos operários. Análise critica dos pedidos, propostas e contractos: Documentar e entender os requisitos solicitados pelos clientes; Ter capacidade e recursos para atender os requisitos do cliente; Seleccionar o método de calibração ou ensaio mais apropriado. Subcontratação de ensaios e calibrações: Assegurar que o subcontratado seja competente e aceite pelo cliente. Aquisição de serviços e suprimentos: Assegurar que os serviços e a qualidade dos ensaios ou calibrações, estejam de acordo com as especificações. Atendimento ao cliente: Oferecer cooperação ao cliente e permitir que este monitorize o desempenho do laboratório em relação ao trabalho realizado. 28

30 Reclamações: Tentar solucionar todo o tipo de reclamações feitas pelos clientes. Controlo dos trabalhos de ensaios e/ou calibração: Apreender acções imediatas quando qualquer aspecto do trabalho de ensaio e/ou calibração não estiver em conformidade com os próprios procedimentos ou com os requisitos acordados com os clientes. Acções correctivas e preventivas: Implementar acções correctivas e preventivas sempre que necessário, evitando a sua reincidência. Registos: Efectuar registos de tudo aquilo que é feito para que, a qualquer momento possam ser verificados. Auditorias Internas: Verificar, periodicamente, se as suas actividades continuam a atender a todos os requisitos, quer do Sistema de Qualidade, quer da própria norma. Análise crítica pela gerência: Assegurar a contínua adequação e eficácia do sistema da qualidade, assim como das actividades de ensaio e/ou calibração, e, introduzir mudanças ou melhorias necessárias. 29

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

TUTORIAL SOBRE A ISO 9000

TUTORIAL SOBRE A ISO 9000 TUTORIAL SOBRE A ISO 9000 A International Organization for Standardization Organização Internacional de Normalização é uma entidade não governamental criada na Suíça em 1947, com sede em Genebra e que

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques NORMAS ISO Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Antes do aparecimento das normas ISO,

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS

NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS NBR ISO/IEC 17025 CONCEITOS BÁSICOS Alexandre Dias de Carvalho INMETRO/CGCRE/DICLA 1/ 28 NBR ISO/IEC 17025 Estabelece requisitos gerenciais e técnicos para a implementação de sistema de gestão da qualidade

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria

Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Catálogo Serviços Auditorias - Consultadoria Contactos: www.silliker.pt info@silliker.pt Tel: 227 150 820 Fax: 227 129 812 Auditorias Consultadoria A Silliker Portugal desenvolve soluções de consultadoria

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Universidade da Madeira

Universidade da Madeira Universidade da Madeira Licenciatura em Gestão Referenciais da Qualidade Controlo da Qualidade Elaborado por: Sónia Vieira da Silva 2043407 Nádia Andrade Abreu 2038907 João Gilberto Ramos Abreu 2089606

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade

Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Curso: Gestão 2007/2008 2º Semestre Controlo de Qualidade Docente: Discentes: Professor Doutor José Carlos Marques Ana Fernandes nº 2049007 Hugo Freitas nº 2033707 Ruben Sousa nº 2053807 Telma Marques

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

ISO 9000. Índice. História

ISO 9000. Índice. História ISO 9000 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Modelo da Série NBR ISO 9000

Modelo da Série NBR ISO 9000 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP CURSO DE ADMINISTAÇÃO Prof a : NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Origem da Norma para Sistemas da Qualidade ISO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NP EN ISO 9001:2008 CAPITULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES CAPÍTULO I ESTRUTURA DO MANUAL DA QUALIDADE E REGISTO DE REVISÕES ÍNDICE 1. ESTRUTURA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

Norma ISO 9000. Docente: Discentes-Grupo 3: Prof. Dr. José Carlos Marques. Lúcia Catira Luciane Fonseca Ana Paula Castro Paula Neves

Norma ISO 9000. Docente: Discentes-Grupo 3: Prof. Dr. José Carlos Marques. Lúcia Catira Luciane Fonseca Ana Paula Castro Paula Neves Norma ISO 9000 1 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Lúcia Catira Luciane Fonseca Ana Paula Castro Paula Neves Funchal, Abril de 2009 1 GESTÃO DA QUALIDADE A qualidade e o seu reconhecimento

Leia mais

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima

Material para os Discentes da Universidade da Madeira. NP EN ISO 9000, 9001 e 9004. Elaborado em 2005 por. Herlander Mata-Lima Material para os Discentes da Universidade da Madeira NP EN ISO 9000, 9001 e 9004 Elaborado em 2005 por Herlander Mata-Lima 1 NORMAS ISO 9000 As normas ISO 9000 servem de base para as organizações, independentemente

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000:

ISO 9001:2008. A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: A International Organization for Standardization (ISO) publicou em 2008-11- 14 a nova edição da Norma ISO 9000: ISO 9001:2008 Esta nova edição decorre do compromisso da ISO em rever e actualizar as Normas,

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003.

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) São Paulo, 10 de março de 2003. http://www.ibamapr.hpg.ig.com.br/14001iso.htm ii Índice INTRODUÇÃO...3

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Revisão ISO 9001:2008

Revisão ISO 9001:2008 Revisão ISO 9001:2008 O O que significa? Eng.º Ricardo Ferro Director Comercial & Marketing Bureau Veritas Portugal Apresentação : Anabela Pontes ATEC Fórum Qualidade e Ambiente 2 3-1 0-2 0 0 8 Slide.

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

HACCP. Hazard Analysis and Critical Control Points. Escola Superior Agrária de Coimbra / Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentares

HACCP. Hazard Analysis and Critical Control Points. Escola Superior Agrária de Coimbra / Departamento de Ciência e Tecnologia Alimentares 1 HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Análise de Perigos Controlo de Pontos Críticos Uma definição... O sistema HACCP consiste numa abordagem sistemática e estruturada de identificação de

Leia mais

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Curso de Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Objectivos: Os formandos no fim do curso devem: Dispor de conhecimentos técnicos e metodológicos sobre o modo de desenvolvimento de uma Auditoria da

Leia mais

Avis juridique important 31991L0412

Avis juridique important 31991L0412 Avis juridique important 31991L0412 Directiva 91/412/CEE da Comissão, de 23 de Julho de 1991, que estabelece os princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos veterinários Jornal

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso

NORMA ISO 14001. Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso Página 1 NORMA ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, Especificação e Diretrizes Para Uso (votação 10/02/96. Rev.1) INTRODUÇÃO 1 ESCOPO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 4.0. Generalidades

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

MATRIZ DE COMPARAÇÃO DS 3027E:2002 / NP EN ISO 22000:2005

MATRIZ DE COMPARAÇÃO DS 3027E:2002 / NP EN ISO 22000:2005 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR MATRIZ DE COMPARAÇÃO DOS REQUISITOS DA NORMA DS 3027E:2002 E DA NORMA NP EN ISO 22000:2005 1. OBJECTIVO Este documento tem como objectivo o apoio às organizações

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

Consultoria Presencial

Consultoria Presencial Consultoria Presencial A Qi Consultoria Tem profissionais responsáveis por mais de 80 implementações e certificações de sucesso em todo tipo de seguimento, isso quer dizer que; A QI Consultoria possui

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA MUNICÍPIO DE SÁTÃO Nº EXPEDIENTE: 2008/0132/ER/01 NORMA DE APLICAÇÃO: ISO9001:2008 Nº RELATÓRIO: 08 TIPO DE AUDITORIA: AS1 Requer envio de PAC à LUSAENOR: SIM X NÃO o Data de realização

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Certificação de Sistemas de Gestão ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2008); 2. Certificação

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001

CHECK-LIST - NP EN ISO 9001 4 Sistemas de gestão da qualidade 4.1 Requisitos gerais A organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema de gestão da qualidade e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof.

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Carlos Marques HACCP IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Rodrigues 2019306 Jhonny Viveiros 2035006 Curso de Gestão

Leia mais

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo.

PREFÁCIO. Trata-se de um guia prático de orientação e interpretação dos requisitos deste referencial e não dispensa a leitura atenta do mesmo. PREFÁCIO Este documento tem por objectivo constituir um apoio na interpretação da norma NP EN ISO 22000:2005 Sistemas de gestão da segurança alimentar; Requisitos para qualquer organização que opere na

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais