AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO"

Transcrição

1

2 AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões que afectam as comunicações comerciais, sendo que a cooperação se substitui à legislação detalhada. Com a auto-regulação da publicidade, a indústria demonstra a sua capacidade para se auto-regular de forma responsável, mediante a promoção activa dos mais elevados padrões éticos nas comunicações comerciais e a salvaguarda dos interesses dos consumidores. As organizações de auto-regulação (OAR) nacionais, com o apoio efectivo dos agentes que constituem a indústria, são responsáveis pela administração dos respectivos sistemas de autoregulação e pela aplicação de códigos nacionais de boas práticas publicitárias - baseados nos códigos da Câmara de Comércio Internacional (CCI) por forma a que os anúncios que não correspondam aos referidos padrões sejam rapidamente corrigidos ou retirados. 2. A European Advertising Standards Alliance (EASA) é a única voz da indústria publicitária na Europa para a auto-regulação da publicidade e actua como polo europeu de coordenação dos organismos e sistemas de auto-regulação da publicidade da Europa. Todos estes sistemas contêm dois elementos essenciais: um conjunto de regras (códigos) e um procedimento para tratamento das reclamações apresentadas relativamente a um determinado anúncio. 3. A EASA foi constituída em 1992 para apoiar e promover a auto-regulação, coordenar o tratamento das reclamações transfronteiriças e providenciar informação e investigação sobre a auto-regulação. 4. Os objectivos da EASA incluem: encorajar boas práticas e elevados padrões comuns na auto-regulação da publicidade estimular o aperfeiçoamento, onde necessário, dos sistemas de auto-regulação nacionais... trabalhar no sentido de estabelecer princípios comuns de boas práticas e uma maior convergência no que diz respeito aos princípios de base. 5. Para ajudar a cumprir estes objectivos, os membros da EASA acordaram uma declaração de princípios comuns e boas práticas de actuação recomendadas para utilização pelas OAR nacionais, que se destinam a orientar, no âmbito da sua actividade, todos os participantes no processo de auto-regulação. Esta declaração aplica-se à auto-regulação da publicidade on-line e off-line. 6. Os códigos são elaborados pela indústria publicitária, incluindo anunciantes, agências e meios de comunicação. A aplicação dos códigos e a gestão dos sistemas são feitas a nível nacional e competem aos organismos de auto-regulação independentes. 7. A auto-regulação constitui um complemento essencial da legislação nacional que rege a publicidade. Tem um papel fundamental na maximização da confiança do consumidor na publicidade e tem demonstrado ser o melhor método para responder, de forma célere, eficiente e eficaz, às preocupações dos consumidores relativamente à publicidade. 1

3 8. Também desempenha um papel importante na educação da indústria publicitária e na prevenção de infracções aos códigos. Este conjunto de princípios e práticas, e as recomendações que deles emanam, baseiam-se na experiência de mais de 65 anos de auto-regulação. Como sucedeu ao longo deste tempo, esperamos que os princípios e práticas evoluam à medida da evolução da sociedade. Assim, será efectuada uma revisão regular destes princípios e práticas com o objectivo de avaliar a sua adequação. 9. Neste documento, os princípios comuns são os valores essenciais que devem sustentar todo e qualquer sistema de auto-regulação dos membros da EASA. As boas práticas de actuação são as normas recomendadas, que todos os sistemas nacionais devem procurar cumprir. A aceitação contínua da auto-regulação pelos consumidores europeus e pelos governos aos níveis nacional e comunitário será mais facilmente assegurada através da presença visível dos princípios comuns e normas de boas práticas em todos os sistemas de auto-regulação nacionais. A EASA assegurará que estes sejam mantidos por todos os seus membros. 2

4 OS PRINCÍPIOS COMUNS DA AUTO-REGULAÇÃO 10. O sucesso da auto-regulação depende da aplicação de um conjunto de princípios que estão subjacentes ao processo e que são comuns a todos os sistemas. Estes princípios comuns pretendem maximizar os benefícios da auto-regulação para os consumidores. 11. Benefícios para o consumidor O objectivo de um sistema de auto-regulação é manter a confiança do consumidor na publicidade, dando uma resposta célere e eficiente às suas preocupações. O sistema de auto-regulação facilita a protecção do consumidor, proporcionando-lhe uma via para expressar a sua opinião directamente à indústria publicitária e ao anunciante. Permite às marcas competirem a um nível benéfico para o consumidor. Em todo este processo, a indústria publicitária será também reconhecida como activa, contínua e responsavelmente comprometida com o consumidor Os sistemas de auto-regulação devem, acima de tudo, assegurar que o consumidor individual seja o centro da atenção. 12. Independência A auto-regulação deve ser imparcial e ser vista como tal O funcionamento e os resultados/decisões dos sistemas de auto-regulação devem ser independentes do governo, de interesses específicos e de grupos de interesses. 13. Transparência e Acessibilidade O acesso ao processo de reclamação deve ser fácil e sem custos para o consumidor O direito do consumidor ao acesso ao sistema de auto-regulação e os meios para o fazer devem ser bem conhecidos As actividades e os resultados/decisões de um sistema de auto-regulação devem ser transparentes para todas as partes. 14. Eficácia No enquadramento legislativo nacional, a auto-regulação deve ser e ser vista como eficaz em termos de funcionamento e de resultados/decisões A auto-regulação deve ser célere, flexível, actualizada e aplicada sem burocracias As regras e os procedimentos da auto-regulação devem ser aplicados tanto no espírito como na letra e devem ser regularmente revistos.. 3

5 15. Tratamento Eficiente das Reclamações e Aplicação das Decisões Um sistema de auto-regulação deve dispor de meios para tratar as reclamações dos consumidores, sem encargos para estes Um sistema de auto-regulação deve prever sanções adequadas e credíveis como suporte das suas decisões Um sistema de auto-regulação deve ter capacidade para implementar eficazmente as suas decisões, ou seja, ter apoio moral e efectivo das partes constituintes da indústria publicitária. 16. A auto-regulação e a lei A auto-regulação deve estar sempre de acordo com a lei e nenhuma parte do processo de auto-regulação deve privar o consumidor da protecção que lhe é conferida pela lei. 17. Cooperação Os sistemas de auto-regulação e os organismos membros da EASA têm o dever de cooperar entre si a fim de tratarem das reclamações eficazmente e convergirem nas boas práticas. 18. Recursos Os sistemas de auto-regulação devem dispor de recursos e apoio suficientes para poderem cumprir os seus objectivos Os membros da indústria devem assegurar o adequado apoio moral e financeiro à auto-regulação da publicidade e às organizações que a implementam. 4

6 NORMAS RECOMENDADAS PARA AS BOAS PRÁTICAS DE ACTUAÇÃO NA AUTO-REGULAÇÃO 19. A auto-regulação é o sistema através do qual a indústria publicitária se auto-policia activamente. As organizações auto-reguladoras (OAR) membros da EASA comprometemse a manter as normas de boas práticas recomendadas, conforme indicado abaixo, no funcionamento dos seus sistemas de auto-regulação e no tratamento das reclamações transfronteiriças. 20. As OAR comprometem-se a manter estas normas de qualidade no seu funcionamento em benefício dos consumidores e para promover as boas práticas da indústria. As normas cumprem os objectivos definidos nos estatutos da EASA, em particular encorajar boas práticas e elevados padrões comuns na auto-regulação publicitária, incluindo monitorização, tratamento de reclamações e observância Pensamos que, desta forma, a auto-regulação da publicidade continuará a assegurar um cumprimento eficiente, eficaz e avaliado. 21. Constituição e membros A constituição e membros de todas as OAR devem ser divulgados e regularmente revistos. 22. Termos de referência das Organizações Auto-Reguladoras (OAR) Incluem: Responsabilidade pela criação e implementação de códigos que ajudem a manter e a sustentar a confiança do consumidor nas normas publicitárias, providenciando meios eficientes para ir ao encontro das suas preocupações e para a sua protecção Responsabilidade prática pela regulação das normas publicitárias, incluindo o poder para fazer cumprir as suas decisões com o apoio moral e prático da indústria publicitária A promoção da auto-regulação publicitária e a demonstração de que esta é mais eficaz do que a legislação detalhada como meio de regular a publicidade e proteger o consumidor. 23. Financiamento e Outros Recursos As partes constituintes da indústria publicitária (ou, no caso de organismos sectoriais, do sector pelo qual são responsáveis), devem dar apoio suficiente para assegurar a eficácia e a credibilidade. 24. Códigos, sua criação e revisão Os códigos auto-reguladores baseiam-se nos seguintes princípios de base, consagrados no Código Geral de Prática Publicitária da Câmara de Comércio Internacional (CCI): o conteúdo da publicidade deve ser legal, decente, honesto e verdadeiro, reflectindo o devido sentido da responsabilidade social e o respeito pelas regras da leal concorrência. 5

7 24.2. Todos os códigos devem ser aplicados tanto no espírito como na letra Os códigos devem reflectir a cultura, a lei e as práticas comerciais nacionais, num espírito de mútuo reconhecimento As OAR devem assegurar a aplicação dos princípios auto-reguladores do conteúdo publicitário a novas áreas da comunicação publicitária e comercial As regras e os procedimentos auto-reguladores devem ser regularmente revistos à luz do desenvolvimento regulatório, social e tecnológico, incluindo as atitudes dos consumidores em relação à publicidade. 25. Funcionamento do sistema de auto-regulação Independência. As decisões das OAR e dos sistemas de auto-regulação devem ser tomadas de uma forma independente e imparcial, e isto deverá reflectir-se na maneira como as reclamações são tratadas Transparência Os códigos, normas e regras que as OAR aplicam, os seus procedimentos e a forma como as reclamações são tratadas, devem ser publicados (imprensa/site na internet) e disponibilizados a todas as partes interessadas Os consumidores e os anunciantes devem poder saber facilmente que provas apresentar O queixoso deve ser notificado da recepção da sua reclamação e, no final do processo, dos respectivos resultados Princípio do contraditório. As entidades objecto da reclamação devem ser convidadas a comentar a reclamação e a apresentar provas que suportem as suas alegações Eficácia Todas as reclamações, seja dos consumidores, seja intra-indústria, devem ser tratadas com celeridade e eficiência; as regras e os sistemas de auto-regulação devem ser regularmente revistos a fim de assegurar que se mantenham apropriados e eficazes Deve ser adoptada uma conduta flexível e não burocrática, em particular no que se refere à interpretação das regras e ao tratamento das reclamações Deve ser efectuada uma identificação rápida da natureza da reclamação e da jurisdição apropriada em termos de origem, sobretudo em casos de fraude ou outras práticas inescrupulosas Deve existir um procedimento de recurso ou revisão adequado. 6

8 25.5. Liberdade e representação A representação legal não faz parte do sistema de auto-regulação, mas as partes, se o desejarem, devem ter direito a serem representadas por terceiros A Auto-regulação e a Lei Nenhum procedimento ou decisão do processo de auto-regulação deve privar o consumidor da protecção que lhe é conferida pela lei As decisões, e as razões que as fundamentam, devem ser imediatamente comunicadas às partes interessadas Aplicação As sanções devem ser eficazes e destinadas a impedir a repetição das infracções. Devem incluir a publicação das infracções aos códigos, o apoio moral e prático das organizações membros e de apoio e a aceitação, por todas as partes envolvidas, da sua aplicação Uma importante sanção das infracções aos códigos deve ser a publicação, numa base regular, destinada tanto aos consumidores como aos agentes da indústria, de uma descrição das actividades das OAR, incluindo informação sobre o número e a natureza das decisões tomadas. 26. Consulta de intervenientes As OAR devem assegurar que todos as partes interessadas na publicidade conheçam o sistema de auto-regulação nacional, as suas regras e procedimentos As OAR devem promover regularmente o sistema junto dos consumidores, outras organizações relevantes, políticos e entidades de regulação As OAR devem assegurar que na criação dos códigos sejam tidas em conta as opiniões relevantes de todos as partes envolvidas As OAR devem assegurar que sejam desenvolvidos programas de educação e formação, assim como aconselhamento, a fim de evitar as infracções aos códigos. 27. Protecção do consumidor e coordenação internacionais eficazes O secretariado da EASA é responsável pela coordenação do sistema de reclamações transfronteiriças, bem como pela ligação a entidades competentes ao nível comunitário com vista a assegurar a resolução rápida das reclamações. São publicados regularmente relatórios sobre o tratamento das reclamações na sua newsletter e no seu site na internet As OAR devem aderir aos procedimentos do sistema de reclamações transfronteiriças da EASA no tratamento de reclamações relacionadas com a publicidade transmitida nos meios de comunicação de um outro país membro. 7

9 27.3. As OAR devem aplicar o princípio do país de origem, estabelecido no procedimento1 para reclamações transfronteiriças, a fim de identificar a OAR competente As OAR devem transferir os casos imediatamente e colaborar na sua resolução As OAR devem notificar-se entre si e o secretariado da EASA da recepção, andamento e resultado de um caso transfronteiriço As OAR devem manter os casos confidenciais no seio da rede da EASA e não os revelar a terceiros, excepto na medida em que tal seja necessário para os resolver, até estarem prontos a serem publicados ou transferidos para as autoridades apropriadas. 28. Promoção e boas práticas Os membros da EASA devem colaborar no sentido da convergência dos sistemas de auto-regulação, da sua administração e procedimentos, com base nas boas práticas identificadas Os membros devem apoiar a EASA a reforçar os sistemas de auto-regulação existentes, sempre que necessário, e a encorajar a criação de sistemas de auto-regulação onde eles não existam. 8

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO

CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO CÓDIGO INTERNACIONAL ICC/ESOMAR PARA A INVESTIGAÇÃO SOCIAL E DE MERCADO INTRODUÇÃO O primeiro Código para a Prática de Investigação Social e de Mercado foi publicado pela ESOMAR em 1948. Depois deste foram

Leia mais

LAR O SEU NEGÓCIO O SEU NEGÓCIO LAR O SEU NEGÓCIO LAR. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs BEM- ESTAR

LAR O SEU NEGÓCIO O SEU NEGÓCIO LAR O SEU NEGÓCIO LAR. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs BEM- ESTAR BEM- ESTAR BEM- ESTAR POLÍTICA DE PRIVACIDADE BEM- ESTAR PARA SITES DE EAs POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs Com o objectivo de criar visibilidade para os produtos Amway, para a Oportunidade de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs

POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS. POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAs POLÍTICA DE PRIVACIDADE PARA SITES DE EAS 1 Com o objectivo de criar visibilidade para os produtos Amway, para a Oportunidade de Negócio Amway e para apoiar os EAs e Clientes Vip na construção do seu negócio,

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas

Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Linhas directrizes que regem a protecção dos consumidores contra as práticas comerciais transfronteiriças fraudulentas e enganosas Originalmente publicadas pela OCDE em Inglês e Francês com os títulos:

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS

CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS CÓDIGO EUROPEU DE CONDUTA DE VENDA DIRECTA FACE A REVENDEDORES, ENTRE REVENDEDORES E ENTRE COMPANHIAS 2. GERAL 1. 1. Introdução O Código Europeu de Conduta de Venda Directa face a Revendedores, entre Revendedores

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

Código de Ética e Conduta do IAPMEI

Código de Ética e Conduta do IAPMEI Código de Ética e Conduta do IAPMEI Âmbito e Objectivo do Documento Públicas (Lei n.º 58/2008, de 9 de Setembro) e da Carta Ética da Administração Pública. O Código de Ética e Normas de Conduta aplica-se

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada

I. Em primeiro lugar apresente a queixa à instituição seguradora autorizada DECLARAÇÃO DE POLÍTICA A PROSSEGUIR NO TRATAMENTO DE QUEIXAS CONTRA SEGURADORAS, MEDIADORES DE SEGUROS E SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES DE DIREITO PRIVADO Introdução 1. Ao abrigo do Estatuto

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais

INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais INFO Network: Abordagens eficazes a princípios fundamentais Setembro de 2014 A International Network of Financial Services Ombudsman Schemes (a INFO Network) é a associação mundial de ouvidores/ombudsmen

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação

Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Código de Conduta do Voluntariado para a Cooperação Preâmbulo Com o objectivo de unir os esforços das Organizações Não Governamentais para o Desenvolvimento (ONGD) associadas da Plataforma Portuguesa das

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING

CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING CÓDIGO DE DEONTOLOGIA EUROPEU DO FRANCHISING O presente Código de Deontologia Europeu do Franchising corresponde à versão actualizada do Código inicialmente elaborado em 1972 pela Federação Europeia da

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura

III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES. Sessão de Abertura III COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES Sessão de Abertura A regulação e supervisão da actividade seguradora e de fundos de pensões Balanço, objectivos e estratégias futuras É com

Leia mais

ANEXO. Termos de referência. Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português. 1 - Introdução

ANEXO. Termos de referência. Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português. 1 - Introdução ANEXO Termos de referência Avaliação global e avaliação da qualidade do sistema do ensino superior português 1 - Introdução Será levada a cabo uma avaliação extensiva, independente e objectiva do sistema

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA

1. INTRODUÇÃO 2. ANÁLISE ESTRATÉGICA CADERNO FICHA 11. RECUPERAÇÃO 11.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA. APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. CÓDIGO DE ÉTICA APFF Administração do Porto da Figueira da Foz, S.A. Índice 1. Preâmbulo 2. Disposições Gerais 2.1. Âmbito de aplicação 2.2. Objectos do 2.3. Dimensões éticas da empresa 2.4. Cumprimento

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES. Aspectos Regulatorios en Internet

FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES. Aspectos Regulatorios en Internet Fernando Teixeira dos Santos FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES Aspectos Regulatorios en Internet Buenos Aires, 21 de Setembro de 2001 Prestação de serviços financeiros (maior rapidez e maior

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROMOTORES Definições: Promotores: toda a pessoa singular que, com o Banco ActivoBank, S.A. tenha celebrado um contrato de prestação de serviços, com o objectivo de exercer, a titulo

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação

CÓDIGO DEONTOLÓGICO APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS. CAPÍTULO I Âmbito de aplicação CÓDIGO DEONTOLÓGICO CÓDIGO DEONTOLÓGICO APFIPP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO, PENSÕES E PATRIMÓNIOS CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1º - Aplicação directa Artigo 2º - Aplicação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou

Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Regulamento da Política de Tratamento da MAPFRE SEGUROS no Quadro do seu Relacionamento com os Tomadores de Seguros, Segurados, Beneficiários ou Terceiros Lesados Janeiro 2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA DE

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

A excelência é o nosso objectivo. E o seu?

A excelência é o nosso objectivo. E o seu? A excelência é o nosso objectivo. E o seu? Quem somos A experiência ao serviço do seu negócio A actuar no mercado desde 1977, a Petrochem Produtos Químicos de Portugal especializou-se no fabrico de soluções

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ONU - ACÇÃO RSE E OS DIREITOS HUMANOS Lisboa, 13 de NOVEMBRO 2012 ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ODETE SEVERINO UE: Responsabilidade Social das Empresas 2002 COM - RSE: um

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES

CÓDIGO BOAS PRÁTICAS COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NA COMUNICAÇÃO COMERCIAL PARA MENORES Setembro 2005 ÍNDICE Introdução.... 2 Âmbito e Aplicação.. 3 Normas Éticas 3 Meios e Suportes... 5 Marketing nas Escolas e Educação Publicitária

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. O conjunto de aspectos abordados encontra-se organizado por artigos que se constituem nos capítulos a seguir identificados:

CÓDIGO DE CONDUTA. O conjunto de aspectos abordados encontra-se organizado por artigos que se constituem nos capítulos a seguir identificados: CÓDIGO DE CONDUTA Através da Directiva ADM/02, de 30/10/2009, foi formalmente estabelecido o Código de Conduta a observar por todos os colaboradores da Companhia e que a seguir se divulga. O conjunto de

Leia mais

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência

Artigo 2.º Equidade, diligência e transparência REGULAMENTO DA POLITICA DE TRATAMENTO DA EMPRESA DE SEGUROS, A.M.A., AGRUPACIÓN MUTUAL ASEGURADORA, MÚTUA DE SEGUROS A PRIMA FIJA NO QUADRO DO SEU RELACIONAMENTO COM OS TOMADORES DE SEGUROS, SEGURADOS,

Leia mais

Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado

Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado Perspectiva da Autoridade de Fiscalização de Mercado Sarogini Monteiro NATUREZA JURÍDICA DA ASAE Serviço central da administração directa do Estado dotado de autonomia administrativa Órgão de Polícia Criminal

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11

Índice. rota 4. Enquadramento e benefícios 6. Selecção de fornecedores 8. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 rota 4 FORNECEDORES Rota 4 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Selecção de fornecedores 8 Percurso 2. Monitorização do desempenho de fornecedores 11 Percurso 3. Promoção do Desenvolvimento

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais