SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA"

Transcrição

1 SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

2 SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act)

3 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

4 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 1 Compromisso e situação de referência pretende assegurar o compromisso da gestão de topo em melhorar o desempenho ambiental da sua organização, identificando as principais preocupações e oportunidades, motivando a participação dos colaboradores no desenvolvimento da qualidade ambiental. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

5 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 1 - Levantamento ambiental. - Draft da política ambiental. - Draft dos indicadores de desempenho ambiental. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

6 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 2 Identificação de requisitos legais e outros requisitos pretende identificar-se o conjunto de requisitos legais relevantes e desenvolver e implementar medidas de controlo para assegurar o cumprimento da legislação ambiental aplicável. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

7 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 2 Identificação de requisitos legais e outros requisitos - Lista dos requisitos legais e outros requisitos ambientais e entendimento da sua aplicabilidade específica à organização. - Procedimento definido para identificar, actualizar e aceder aos requisitos legais e outros requisitos ambientais aplicáveis à organização. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

8 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 3 Desenvolvimento de objectivos, metas e programas pretende estabelecer-se os principais elementos de um SGA e planear as actividades necessárias para atingir um desempenho ambiental melhorado In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

9 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 3 Desenvolvimento de objectivos, metas e programas - Lista de aspectos e impactes ambientais e respectiva significância. - Procedimentos para identificar os aspectos e impactes ambientais e avaliar a sua significância. - Política ambiental finalizada. - Objectivos e metas estabelecidos. - Indicadores para avaliação do desempenho ambiental. - Programas de gestão ambiental. - Procedimento de controlo operacional. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

10 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 4 Implementação e operação do SGA tem como objectivo melhorar a gestão dos elementos de um SGA para suportar operações que estejam em curso, e assegurar que mudanças que tenham efeito na organização possam ser integradas no sistema sem causar perdas de eficiência. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

11 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 4 Implementação e operação do SGA - Estrutura e responsabilidades da gestão claramente definidas. - Acções de formação e sensibilização previstas e produção de registos. - Comunicação formal. - Documentação e manutenção de registos. - Verificar e testar a preparação e resposta a emergências. - Indicadores para o SGA. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

12 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 5 Verificação, auditoria e revisão introduz a disciplina da auditoria do SGA. Pretende concluir o ciclo de desenvolvimento para atingir a eficácia ambiental da organização, e levá-la de encontro aos requisitos dos referenciais existentes (p. ex. EMAS e ISO 14001:2004). No fim desta fase, a organização deve ter um SGA totalmente funcional. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

13 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 5 Verificação, auditoria e revisão - Programa de auditoria. - Verificação da conformidade da organização com os requisitos legais. - Identificação de não-conformidades. - Adopção de acções correctivas ou acções preventivas. - Revisão pela gestão de topo. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

14 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS FASE 6 Preparação para a avaliação externa as empresas que pretendam ser reconhecidas pelo seu desempenho ambiental, assegurado pela implementação de um SGA, esta fase concretiza o processo de certificação. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

15 EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS Principais Outputs Fase 6 Preparação para a avaliação externa - Auditoria interna ao SGA e desempenho ambiental da organização. - Recolha, registo e compilação de informação que sirva de base à elaboração da declaração ambiental. - Declaração ambiental publicada. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

16 EMAS REGISTO NO EMAS O processo de registo no EMAS envolve a APA e verificadores ambientais. Após a conclusão das 6 fases de implementação, uma organização estará em condições de solicitar a verificação do seu SGA e a validação da sua DA por um verificador ambiental acreditado. O verificador ambiental acreditado irá verificar se a política, o levantamento ambiental, o programa e o SGA estão em conformidade com o regulamento e se a DA é válida. O pedido de registo no EMAS deverá ser requerido à APA. In, APA, FCTUNL, Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria. Amadora.

17 EMAS

18 SGA A implementação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) pode trazer benefícios para a organização, por exemplo: Constitui uma base para a melhoria contínua do desempenho ambiental; Possibilita a redução de custos de controlo de poluição, nomeadamente através da identificação de oportunidades de prevenção da poluição; Permite alcançar poupanças nos consumos energéticos e de matériasprimas; Facilita o cumprimento da legislação ambiental aplicável; Diminui os riscos ambientais e, consequentemente, os custos e prejuízos daí derivados; Contribui para a melhoria da imagem da empresa junto dos clientes, público e autoridades; Aumenta a consciencialização e motivação dos empregados para as questões ambientais. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

19 SGA Custos associados à implementação de um Sistema de Gestão Ambiental : Envolvimento de um técnico responsável pela implementação do sistema e, eventualmente, despesas realizadas na contratação de consultores; Envolvimento da administração no acompanhamento das diversas actividades; Investimento na formação dos recursos humanos, nomeadamente custo de oportunidade do tempo despendido pelos formadores e custo do formador. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

20 SGA BENEFÍCIOS ECONÓMICOS BENEFÍCIOS ESTRATÉGICOS Redução do consumo de água, energia, matérias-primas; Valorização de resíduos; Diminuição da produção de efluentes; Redução da poluição; Redução de multas e penalidades devido a questões ambientais; Aumento de mercado Maior eficiência de processos. Melhoria da imagem da organização; Promoção da credibilidade da organização; Melhoria do desempenho ambiental; Melhoria da segurança e saúde dos trabalhadores; Aumento da produtividade; Aumento da motivação de todos os colaboradores; Adequação aos padrões ambientais. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

21 ETAPAS DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM SGA ETAPA DESCRIÇÃO METODOLOGIA PRODUTOS DA ETAPA Definição da política ambiental Linhas de orientação estabelecidas pela direcção. Traçar o caminho ambiental da organização. Política ambiental. Revisão dos requisitos legais Revisão e organização de documentos legais Pesquisa e organização documental de diplomas legais. Avaliação da conformidade legal. Definição da situação de referência Caracterização da situação actual, dos efluentes e das emissões. Levantamento no local de análises aos diferentes efluentes e emissões. Caracterização da situação de referência. Identificação e avaliação dos aspectos ambientais Levantamento dos aspectos ambientais da empresa e avaliação dos seus impactes. Levantamento no local dos aspectos ambientais e avaliação através de uma matriz. Matriz de avaliação dos impactes ambientais. Acções correctivas e preventivas Realização de acções com o objectivo de melhoria ou conformidade legal. Alteração de práticas e procedimentos. Correcção de diversas situações. Melhoria do desempenho ambiental. Definição do programa de gestão ambiental Definição de objectivos e metas ambientais. Análise dos pontos de melhoria e acções correctivas e preventivas. Programa de gestão ambiental. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

22 REQUISITOS LEGAIS DA ORGANIZAÇÃO DIPLOMA OBJECTIVOS- CONTEÚDO

23 ENQUADRAMENTO LEGAL DA ORGANIZAÇÃO DIPLOMA OBJECTIVOS-CONTEÚDO Lei n.º 11/1987 DL n.º 194/2000 Portaria n.º 1047/2001 DL n.º 173/2008 DL n.º 69/200 (revogado) DL n.º 151-B/2013 Directiva n.º 2011/98/UE Lei de Bases do Ambiente Prevenção e Controlo Integrado da Poluição (PCIP). Licenciamento Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) DL 209/2008 (revogado) Regime Exercício da Actividade Industrial (REAI) DL n.º 169/2012 Sistema da Indústria Responsável (SIR) e Zonas Empresarias Responsáveis (ZER) DL n.º 214/2008 DL n.º 316/2009 DL n.º 78/2010 Regime de Exercício da Actividade Pecuária (REAP)

24 ALGUNS DOS REQUISITOS LEGAIS DA ORGANIZAÇÃO DIPLOMA OBJECTIVOS-CONTEÚDO DL 178/2006 DL 79/2006 DL 152/97 DL236/98 DL 306/2007 DL 226-A/2007 DL 208/2008 DL 9/2007 DL 146/2006 DL 230/2004 Portaria 362/2000 DL 97/2000 Despacho 1858/2003 Directiva 80/1268/CEE DL 78/2004 DL 220/2008 Estabelece o regime geral da gestão de resíduos Estabelece normas sobre gestão de energia Estabelece normas, critérios e objectivos de qualidade com a finalidade de proteger o meio aquático e melhorar a qualidade das águas em função dos seus principais usos. Relativo à qualidade da água para consumo humano. Estabelece o regime jurídico da utilização dos recursos hídricos. Estabelece o regime de protecção das águas subterrâneas contra a poluição e deterioração. Aprova o regulamento Geral de Ruído Estabelece o regime jurídico que fica sujeita a gestão de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE). Aprova os procedimentos relativos às inspecções e à manutenção das redes de instalações de gás. Aplica-se a todos os equipamentos destinados a conter fluido a pressão diferente da atmosférica (equipamentos sob pressão (ESP). É aprovada a instrução técnica complementar (ITC) para recipientes sob pressão de ar comprimido Estabelece o regime para as emissões atmosféricas. Legislação sobre segurança contra incêndios em edifícios. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

25 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO DEFINIÇÃO 3.6 DA ISO 14001: ASPECTO AMBIENTAL Elemento das actividades, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o ambiente. Exemplo: Consumo de energia, gás Consumo de água Produção de resíduos Produção de efluentes líquidos Produção de efluentes gasosos Utilização de produtos químicos Incêndio DEFINIÇÃO 3.6 DA ISO 14001: IMPACTE AMBIENTAL Qualquer alteração no ambiente, adversa ou benéfica, resultante, total ou parcialmente, dos aspectos ambientais de uma organização Exemplo: Consumo de recursos renováveis Consumo de recursos renováveis Contaminação e ocupação do solo Contaminação das águas Poluição atmosférica Indirectos da reciclagem e tratamentos Poluição atmosférica In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

26 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO Cada impacte ambiental é classificado em função: TIPO DE INCIDÊNCIA DIRECTA - quando é gerado por actividades da responsabilidade da empresa, podendo ser controlado pela mesma; INDIRECTA - quando é gerado por terceiros e em que a empresa pode ter influência, mas não é directamente responsável. SITUAÇÃO NORMAL - sempre que o impacte resulte de uma actividade de funcionamento normal da instalação ou de rotina; ANORMAL - sempre que resulte de eventos ocasionais mas previsíveis no decurso da actividade e do funcionamento normal da instalação EMERGÊNCIA - sempre que o impacte resulte de eventos excepcionais não desejáveis. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

27 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO PONDERAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA De modo a analisar a significância dos impactes ambientais identificados, foram utilizados os critérios SEVERIDADE e FREQUÊNCIA. A classificação da SEVERIDADE refere-se ao grau na qual a envolvente da empresa é afectada pelo impacte. A FREQUÊNCIA consiste na classificação da ocorrência do aspecto em situação de operação normal ou anormal. Na determinação da SIGNIFICÂNCIA dos aspectos ambientais é utilizada uma expressão, sendo quantificada, para cada aspecto ambiental, a significância dos impactes no Ambiente em função da FREQUÊNCIA e da SEVERIDADE: SIGNIFICÂNIA= FREQUÊNCIA X SEVERIDADE In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

28 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DA SEVERIDADE A classificação da SEVERIDADE refere-se ao grau na qual a envolvente da empresa é afectada pelo impacte. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

29 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DA FREQUÊNCIA A FREQUÊNCIA consiste na classificação da ocorrência do aspecto em situação de operação normal ou anormal. In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

30 IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS E IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO MATRIZ CLASSIFICAÇÃO DA SIGNIFICÂNCIA SIGNIFICÂNIA= FREQUÊNCIA X SEVERIDADE In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

31 MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS IMPACTES AMBIENTAIS DA ORGANIZAÇÃO Quais as Unidades da Organização? - ESCRITÓRIOS - LABORATÓRIOS - ENGARRAFAMENTO - TANOARIA - ADEGA - ARMAZENAGEM -LOGÍSTICA - REFEITÓRIO - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS - ETARI - POSTO DE TRANSFORMAÇÃO - OUTRAS

32 NORMAL ANORMAL EMERGÊNCIA DIRECTO INDIRECTO SEVERIDADE FREQUÊNCIA CLASSIFICAÇÃO APLICÁVEL SIGNIFICÂNCIA MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS IMPACTES AMBIENTAIS DAS ACTIVIDADES DA ORGANIZAÇÃO SITUAÇÃO CONTROLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO OPERAÇÃO/ EQUIPAMENTO ASPECTO AMBIENTAL IMPACTE AMBIENTAL LEGISLAÇÃO In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

33 MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS IMPACTES AMBIENTAIS DAS ACTIVIDADES DA ORGANIZAÇÃO In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

34 MATRIZ DE AVALIAÇÃO DOS IMPACTES AMBIENTAIS DAS ACTIVIDADES DA ORGANIZAÇÃO In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

35 ACÇÕES CORRECTIVAS E PREVENTIVAS ASPECTOS MUITO SIGNIFICATIVOS In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

36 ACÇÕES CORRECTIVAS E PREVENTIVAS ASPECTOS SIGNIFICATIVOS In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

37 ACÇÕES CORRECTIVAS E PREVENTIVAS PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp. (Cont.)

38 ACÇÕES CORRECTIVAS E PREVENTIVAS PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL (Cont.) In, Elias,M Desenvolvimento de um SGA na DFJ vinhos. Trabalho Projecto Engenharia do Ambiente. Escola Superior Agrária Santarém-Instituto Politécnico Santarém, 50 pp.

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013

A ISO 50001. Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Fórum SPQ Expo 27 de Setembro de 2013 Agenda Introdução aos Sistemas de Gestão de Energia Princípios da ISO 50001 Relação entre a ISO 50001 e outras normas como a ISO 14001 ou a ISO 9001 2 O problema económico

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

por AUDITORIAS DE CONFORMIDADE LEGAL SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2005/2006 por Requisitos Legais 1. Processo de por 2. Requisitos Legais 3. Classificação das Não Conformidades 1 Processo de Abordagem

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

servicos ambiente ccambiente ISO50001

servicos ambiente ccambiente ISO50001 servicos ambiente ccambiente ISO50001 Principais benefícios na implementação de um sistema de gestão de energia Promoção da eficiência energética na organização; Redução dos impactes ambientais, nomeadamente

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Certificação NP EN ISO 50001:2012 Lisboa, 6 de novembro de 2014

Certificação NP EN ISO 50001:2012 Lisboa, 6 de novembro de 2014 Certificação NP EN ISO 50001:2012 APCER VISÃO Ser reconhecida como uma empresa de auditoria e certificação global. MISSÃO Auditar e certificar em todo o mundo, com competência e confiança, para benefício

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM).

RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA DE GESTÃO DE SAÚDE NORTE DE MÁLAGA (ASNM). XXV Congreso de la Asociación Latina para el Análisis de los Sistemas de Salud 4, 5 y 6 de septiembre 2014 - Granada RESULTADOS DA POLÍTICA DE GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS DE SAÚDE REALIZADO PELA ÁREA

Leia mais

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria

Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria Manual de Implementação do EMAS no Sector da Hotelaria o o - - - - - Vamos todos Colaborar!! Um dos Objectivos Ambientais e

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS ACOMPANHAMENTO AMBIENTAL DE OBRA Luísa Pinto Maio. 2008, Tektónica Lisboa O que é? Definição, aplicação ou fiscalização da aplicação de medidas de gestão ambiental, incluindo

Leia mais

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos da ISO 14001 e metodologias de resposta aos mesmos. Objectivos

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de:

Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Consultoria e Formação, em Entidades Públicas e Privadas, de Sistemas de Gestão de: Qualidade e IT Service Management Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) Ambiente Higiene e Segurança no Trabalho

Leia mais

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal

Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis. Enquadramento Legal AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Locais de Trabalho Seguros e Saudáveis - Obrigações Gerais do Empregador SERVIÇOS DE ENGENHARIA/SEGURANÇA AICCOPN - 07 de Junho de

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002

AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004. de acordo com ISO 19011:2002 AUDITORIAS INTERNAS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 de acordo com ISO 19011:2002 Antes de começar Este curso está suportado: Nas Normas Internacionais ISO 14001:2004 e ISO 19011:2002 2 Objectivos No final da

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa

Vencemos juntos. Apresentação da Empresa Vencemos juntos Apresentação da Empresa @ 2014 Quem Somos Missão Fornecer ferramentas e recursos, que juntos, colmatam as necessidades dos nossos Clientes tornando-os mais competitivos e eficazes. Visão

Leia mais

Direcção Regional da Economia do Norte Meios de prevenção de acidentes com equipamentos sob pressão

Direcção Regional da Economia do Norte Meios de prevenção de acidentes com equipamentos sob pressão Direcção Regional da Economia do Norte Meios de prevenção de acidentes com equipamentos sob pressão Porto, 15 de Maio de 2010 Paulo Jorge Beja Sardo de Sousa Patrício patricio@drn.min-economia.pt OBJECTIVO

Leia mais

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve

Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Gestão Ambiental no Sector da Saúde da Região do Algarve Organização dos Serviços de Saúde Região do Algarve Nacional Ministério da Saúde Regional ARS Algarve ARS Alentejo ARS Lisboa e Vale do Tejo ARS

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano

A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A solução Integrada para o tratamento de Água para Consumo Humano A legislação nacional relativa à qualidade da água para consumo humano

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço.

S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. S ão as pessoas, não as empresas, que fazem a qualidade do serviço. Qualidade Ambiente Segurança A Quambis é uma empresa do Grupo Sondar, que tem como principal finalidade prestar um serviço integrado

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios

Módulo 6. NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios Módulo 6 NBR ISO 14001 - Interpretação dos requisitos: 2, 3, 4.1, 4.2 até 4.3.2 Exercícios 2 - Referências normativas Relação da ISO 14001:2000 com ISO 14004:2000 Não há referências normativas indicadas

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Guia de Referência do Formulário Online

Guia de Referência do Formulário Online 08 de Junho de 2009 Guia de Referência do Formulário Online Versão 2.0 Índice Introdução Glossário Que equipamento devo ter? Como aceder ao Formulário? Quais os dados que devo saber para preencher o formulário?

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis

LEGISLAÇÃO BÁSICA. Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis LEGISLAÇÃO BÁSICA Especificações GPL Portaria nº 867/89, de 7 de Outubro Determina quais devem ser os parâmetros para caracterizar os gases combustíveis Portaria nº 348/96, de 8 de Agosto Estabelece as

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Módulo 01: Generalidades (10 horas). o Sistema de Gestão: o que é e quais os benefícios? o Qualidade o Ambiental o Saúde e Segurança no Trabalho o Sistema

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA

PROCEDIMENTO MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS DO SGA 1. ESCOPO Identificar e classificar os aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços da XXXX, visando estabelecer quais causam ou poderão causar impactos ambientais significativos. 2. DEFINIÇÕES

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental SGA

Sistema de Gestão Ambiental SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO Um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) constitui uma parte do sistema global de gestão de uma organização que visa o controlo dos seus aspectos ambientais, através

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

Actualização de dados da Declaração Ambiental

Actualização de dados da Declaração Ambiental Actualização de dados da Declaração Ambiental 2 0 0 5 G U I M A R Ã E S REG. Nº P-000014 Actualização de dados da Declaração Ambiental 2005 Índice 1. Política de Qualidade e Ambiente 4 2. Aspectos Gerais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO Preâmbulo O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos Técnicos de Segurança e Higiene do Trabalho e os Técnicos

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG SQ.S.p.. Novembro 2 Índice Introdução 2 2 Campo de aplicação 2 Documentos de referência 2 4 Documento de apoio 5 Metodologia

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das

A Rockwell Automation está empenhada em aplicar. É nossa política irmos além do mero cumprimento. dos regulamentos e agirmos no interesse das ISO 14001 A4PT.QXD 8/31/99 4:52 PM Page 1 POLÍTICA AMBIENTAL A Rockwell Automation está empenhada em aplicar os mais altos padrões de gestão ambiental mundial. É nossa política irmos além do mero cumprimento

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia

Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia Situação em Portugal: A Estratégia Nacional para a Energia No âmbito da Estratégia Nacional para a Energia, aprovada no passado mês de Outubro, foram agora publicados os diplomas que estabelecem os novos

Leia mais