A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP"

Transcrição

1 A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam estimular esta cperaçã: III Cnferência da CPLP, Maput Declaraçã sbre VIH/SIDA Cncentrar esfrçs e recurss em acções e prjects para a prevençã e cntrle das DST e d SIDA Desenvlver prgramas e prjects de cperaçã técnica na área das DST e d SIDA Cnjugar esfrçs junt ds rganisms internacinais multilaterais e utras entidades financiadras, cm vista a prviment de recurss suplementares para s prjects de cperaçã técnica na área das DST e d SIDA Envidar esfrçs junt ds rganisms multilaterais, particularmente a OMS e a ONUSIDA, para a btençã de api para a cnsecuçã ds cmprmisss acima III Reuniã ds Pnts Fcais de Cperaçã Prgrama de Api à Luta cntra DST/VIH/SIDA ns Países de Língua Oficial Prtuguesa De acrd cm a Declaraçã sbre VIH/SIDA, este Prgrama fi apresentad pel Secretariad Executiv à III Reuniã ds Pnts Fcais de Cperaçã. O Prgrama viria a ser refrmulad e em 2003 apresentad a Fund Mundial de Luta cntra a SIDA, Malária e Tuberculse (Fund Glbal SIDA), que recusu seu financiament IV Cnferência da CPLP, Brasília Resluçã sbre Cmbate a VIH/SIDA Os EM aprvaram Acrd de Cperaçã sbre Cmbate a VIH/SIDA Acrd de Cperaçã sbre Cmbate a VIH/SIDA Declarar cmbate a VIH/SIDA e utras DST cm um ds bjectivs principais da CPLP Clabrar na implementaçã ds Prgramas Nacinais de Cmbate a VIH/SIDA Dar priridade: (i) a api na elabraçã e implementaçã ds Prgramas Nacinais de Cmbate a VIH/SIDA; (ii) a api à implementaçã de estruturas que permitam diagnóstic precce das DST e d VIH/SIDA; (iii) a api a desenvlviment de estruturas básicas de saúde; (iv) a acess a preservativs e utrs materiais de prevençã e a medicaments, inclusive anti-retrvirais, que cmbatam eficazmente VIH/SIDA; (v) à frmaçã e capacitaçã de prfissinais; (vi) à infrmaçã, educaçã e cmunicaçã para desenvlviment de cmpetências na prevençã e cmbate a VIH/SIDA; (vii) à prmçã de uma plítica de defesa ds direits humans face à discriminaçã e a estigma assciads a VIH/SIDA Cncentrar esfrçs e recurss n cmbate a VIH/SIDA Dispnibilizar cmpetências nacinais em benefíci ds EM da CPLP Desenvlver uma estratégia internacinal de negciaçã para a aquisiçã de medicaments, preservativs, reagentes e tecnlgias, a preçs acessíveis Desenvlver uma estratégia internacinal de negciaçã para a mbilizaçã de recurss financeirs 1

2 Estabelecer um Prgrama da CPLP sbre Cmbate a VIH/SIDA Este Acrd entru em vigr a 1 de Abril de 2004, depis de terem sid depsitads n Secretariad Executiv s instruments de ratificaçã d Brasil, Cab Verde, Guiné-Bissau, Mçambique, Prtugal e Sã Tmé e Príncipe V Cnferência da CPLP, Sã Tmé Resluçã sbre a Luta cntra VIH/SIDA Os EM: Aprvaram a campanha de infrmaçã n âmbit da luta cntra HIV/SIDA apresentada pr Prtugal e destinada a cnjunt ds EM da CPLP Mandataram Secretariad Executiv a prmver a execuçã desta campanha em clabraçã cm s EM, em particular cm as estruturas nacinais de cmbate a VIH/SIDA Mandataram Secretariad Executiv a cntactar instâncias internacinais de cmbate a VIH/SIDA e fundações privadas activas nesta área Resluçã sbre Cmbate à Malária/Paludism, Sã Tmé Os EM aprvaram Acrd de Cperaçã sbre Cmbate à Malária/Paludism Acrd de Cperaçã sbre Cmbate à Malária/Paludism Declarar cmbate à malária cm um ds bjectivs principais da CPLP Clabrar na implementaçã ds Prgramas Nacinais de Cmbate à Malária Dar priridade: (i) a api na elabraçã e implementaçã ds Prgramas Nacinais de Cmbate à Malária; (ii) a api à implementaçã de estruturas que permitam diagnóstic rápid e tratament adequad; (iii) a api a desenvlviment de estruturas básicas de saúde; (iv) à frmaçã e capacitaçã de prfissinais; (v) à infrmaçã, educaçã e cmunicaçã visand cmpetências familiares e pessais na prevençã e cmbate à malária. Cncentrar esfrçs e recurss n cmbate à malária Dispnibilizar cmpetências nacinais em benefíci ds EM da CPLP Desenvlver uma estratégia internacinal de negciaçã para a aquisiçã de medicaments antimalárics, msquiteirs, insecticidas e utrs artigs de cmbate à malária Desenvlver uma estratégia internacinal de negciaçã para a mbilizaçã de recurss financeirs Estabelecer um Prgrama da CPLP sbre Cmbate à Malária Aguarda-se depósit n Secretariad Executiv ds instruments de ratificaçã para que este Acrd entre em vigr X Reuniã ds Pnts Fcais de Cperaçã Prgrama de Api à Luta cntra VIH/SIDA, Malária e Tuberculse ns Países de Língua Oficial Prtuguesa De acrd cm recmendações da V Cnferência da CPLP, este Prgrama fi apresentad pel Secretariad Executiv à X Reuniã ds Pnts Fcais de Cperaçã VI Cnferência da CPLP, Bissau Declaraçã sbre s Objectivs de Desenvlviment d Miléni: Desafis e Cntribuições da CPLP N dmíni da saúde, s EM declararam interesse em estabelecer cm priritáris s seguintes ODM: (i) reduçã da mrtalidade infantil, (ii) melhria d acess à saúde 2

3 reprdutiva e reduçã da mrtalidade materna e (iii) cmbate a VIH/SIDA, malária, tuberculse e utras denças infeccisas endémicas VII Cnferência da CPLP, Lisba Resluçã sbre Empenhament da CPLP n Cmbate a VIH/SIDA Os EM apiaram refrç das respstas nacinais a VIH/SIDA, através d estabeleciment, n quadr d Plan Estratégic de Cperaçã em Saúde da CPLP, de uma cperaçã intracmunitária que, pssibilite uma mair capacidade de decisã ds hmens e das mulheres e cntemple as rientações decrrentes de utrs fra da CPLP nde esta prblemática tem vind a ser tratada, nmeadamente, a Reuniã Ministerial Plíticas para Mulheres e HIV: Cnstruind Alianças entre s Países de Língua Prtuguesa para Acess Universal, a I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP e a Reuniã da Rede d VIH/SIDA da CPLP. # # # Paralelamente, têm sid realizadas inúmeras acções na área da saúde, frut de uma cperaçã relativamente infrmal, nmeadamente entre rganizações da sciedade civil ds EM da CPLP, das quais se destacam as seguintes: 2004 I Encntr de Especialistas sbre Malária da CPLP Març 2004, Sã Tmé Fram abrdadas, entre utras, questões relativas às investigações em curs e à frmaçã de técnics, na área da malária. Fi aprvad um Plan de Acçã para dis ans I Encntr de Medicina Trpical ds Países de Língua Prtuguesa Març 2006, Teresina Durante este Encntr, fi criada a Rede de Investigaçã e Desenvlviment em Saúde Trpical ns Países da CPLP (RIDES), liderada pr Prtugal, Angla e Brasil. Semana da Saúde da CPLP Julh 2006, Lisba Esta Semana fi dividida em duas partes: (i) recurss humans da saúde e (ii) pediatria e redes de enfermagem. Estiveram presentes Dr. Jrge Sampai, na qualidade de Embaixadr de Ba Vntade da CPLP para a área da saúde, e s Observadres Cnsultivs da CPLP da área da saúde. I Seminári sbre Terapêutica de Malária da CPLP Outubr 2006, Lisba Dand cumpriment a uma das actividades previstas n Plan de Acçã d I Encntr de Especialistas sbre Malária, Seminári decrreu n Institut de Higiene e Medicina Trpical, tend juntad cientistas e investigadres da CPLP para analisar e delinear acções de cperaçã ligadas à temática das resistências as medicaments antimalárics, n cntext da RIDES (Rede de Investigaçã e Desenvlviment em Saúde Trpical ns Países de Língua Prtuguesa). Reuniã ds Instituts Nacinais de Saúde da CPLP Nvembr 2006, Lisba Desta reuniã, rganizada pela Fundaçã Oswald Cruz em parceria cm Institut de Higiene e Medicina Trpical, resultu a criaçã de uma Rede ds Instituts Nacinais de Saúde da CPLP. 3

4 I Cngress da Cmunidade Médica de Língua Prtuguesa Nvembr 2006, Praia Fram apresentads váris prjects, nmeadamente, prpstas de criaçã de assciações especializadas de médics a nível da CPLP e de cperaçã para a frmaçã de prfissinais, assim cm a pssibilidade de criaçã, em Cab Verde, de um Centr de Frmaçã Médica Especializada da CPLP. I Cngress da CPLP sbre DST e SIDA Dezembr 2006, Luanda Estiveram presentes representantes ds EM, que reafirmaram direit à educaçã e à infrmaçã sbre as ITS e VIH/SIDA, cm frma de prevençã, assim cm cmprmiss em frtalecer sistemas de infrmaçã sbre s preçs ds anti-retrvirais, n âmbit de uma estratégia cmum e integrada ds EM da CPLP Reuniã Laçs Sul-Sul Fevereir 2007, Praia A cnvite da rganizaçã, Secretariad Executiv da CPLP, Prtugal e Mçambique estiveram presentes na qualidade de bservadr. Nesta casiã, fi discutida, cm s restantes EM da CPLP, a pssibilidade de criaçã de uma Rede Técnica da CPLP sbre VIH/SIDA, cm a finalidade de melhrar as respstas nacinais a VIH/SIDA e a utras DST, através da cperaçã técnica e da cncertaçã plítica entre s EM. II Encntr de Medicina Trpical ds Países de Língua Prtuguesa Març 2007, Camps d Jrdã Neste II Encntr, pesquisadres e cientistas ds países de língua prtuguesa debateram questões relacinadas cm a medicina trpical, n âmbit da Rede de Investigaçã e Desenvlviment em Saúde Trpical ns Países da CPLP RIDES (criada durante I Encntr, em Març de 2006). II Mstra de Saúde e Prevençã nas Esclas d Brasil Junh 2007, Brasília Aprveitand a presença de representantes ds Ministéris da Saúde da CPLP e d Secretariad Executiv, realizu-se uma reuniã para debater as futuras actividades de cperaçã da Rede Técnica de Cperaçã em HIV/ SIDA da CPLP. Debateu-se a primeira prpsta de Estatut da Rede, bem cm s passs a serem dads para I Encntr da Rede III Cnferência de Gestã Hspitalar ds Países de Língua Prtuguesa Outubr 2008, Lisba Esta Cnferência, que cntu cm api institucinal d Secretariad Executiv da CPLP, decrreu de 29 a 31 de Outubr, em Oeiras, nde se reuniram administradres hspitalares e respnsáveis gvernamentais ds países da CPLP para trca de experiências e partilha de bas práticas. Decrreu, à margem deste event, uma feira de equipaments, prduts e serviçs médics e hspitalares. I Cngress Lusófn de Medicina Familiar Nvembr 2008, Salvadr da Bahia Este Cngress abrdu aspects relacinads cm exercíci diári da Medicina Familiar, cm bjectiv de actualizar cnheciments e prmver aperfeiçament técnic através da trca de experiências entre s prfissinais ds países da CPLP I Reuniã da Rede Técnica de VIH/SIDA da CPLP Març de 2009, Frtaleza 4

5 Estiveram presentes representantes d Brasil, de Cab Verde, da Guiné Bissau, de Prtugal e de S. Tmé e Príncipe, que analisaram aspects relacinads cm a cperaçã técnica na área d VIH/Sida. I Cngress da Sciedade Ortpédica de Língua Prtuguesa Abril de 2009, Mindel Este Cngress teve lugar a 29 e 30 de Abril de 2009, na cidade d Mindel, em Cab Verde, tend cngregad rtpedistas riunds de váris países da CPLP. # # # Em matéria de Saúde, destaca-se ainda seguinte: Centr de Frmaçã Médica Especializada da CPLP em Cab Verde De acrd cm as deliberações d I Cngress da Cmunidade Médica de Língua Prtuguesa (Nvembr 2006, Praia), fi assinad, em Junh de 2007, um Memrand de Entendiment entre Gvern da República de Cab Verde, a Cmunidade Médica de Língua Prtuguesa e a CPLP, prevend estabeleciment em Cab Verde deste Centr de Frmaçã, destinad a médics ds PALOP e de TL. Reuniões Técnicas Preparatórias da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP Nvembr 2007 (Praia) e Març 2008 (Lisba) Nesta Reuniã fram debatidas várias das questões que mereceram a atençã ds Ministrs da Saúde da CPLP em Abril de 2008, designadamente a prpsta de elabraçã d futur Plan Estratégic de Cperaçã em Saúde da CPLP (PECS/CPLP). I Reuniã Ministerial de Plíticas para as Mulheres e VIH/SIDA Març 2008, Ri de Janeir Estiveram reunids n Ri de Janeir, de 24 a 25 de Març, representantes ministeriais ds Estads membrs da CPLP, respnsáveis pelas tutelas d géner e d VIH/SIDA. Fi aprvada a Carta d Ri Janeir, que apia refrç da cperaçã n espaç da CPLP cm vista a cmbater, mais eficazmente, a feminizaçã desta epidemia. I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP Abril 2008, Praia Esta Reuniã teve lugar na cidade da Praia, de 11 a 12 de Abril, tend dela resultad a deliberaçã de se avançar n sentid da elabraçã d Plan Estratégic de Cperaçã em Saúde da CPLP (PECS/CPLP). II Cngress da CPLP sbre DST e SIDA Abril 2008, Ri de Janeir Este Cngress teve lugar n Ri de Janeir, de 14 a 17 de Abril, cumprind a deliberaçã d I Cngress (Dezembr 2006, Luanda) de realizar este encntr bienalmente. Fi aprvada a Carta d Ri de Janeir. Reuniã Extrardinária ds Ministrs da Saúde da CPLP Setembr 2008, Ri de Janeir Esta Reuniã teve lugar a 20 de Setembr de 2008, tend dela resultad a aprvaçã d Dcument Base d PECS/CPLP, que define as directrizes rientadras, s eixs estratégics, as áreas e prjects priritáris, as estruturas de peracinalizaçã d PECS/CPLP , assim cm s aspects prcessuais e de mbilizaçã de recurss para a implementaçã d referid Plan. A Reuniã fi antecedida pr reuniões técnicas, realizadas a 18 e 19 de Setembr, na Fundaçã Oswald Cruz, n Ri de Janeir. II Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP Mai 2009, Estril 5

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum

Da Declaração à Ação dos Vários Interessados Diretos Primeira reunião do fórum Da Declaraçã à Açã ds Váris Interessads Direts Primeira reuniã d fórum Centr de Cnvenções Brasil 21 Brasília, DF, 8 e 9 de mai de 2012 AGENDA ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Newsletter Codificação #3-5/06/2006

Newsletter Codificação #3-5/06/2006 Newsletter Cdificaçã #3-5/06/2006 Car clega: Este é n.º 3 da nssa newsletter. A sua intençã é ser um mei de partilha de infrmaçã entre s médics cdificadres prtugueses preparand caminh para a criaçã duma

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Seminário Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS 20 a 22 de Outubro de 2014. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Seminário Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS 20 a 22 de Outubro de 2014. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Seminári Pntificia Universidade Católica d Ri Grande d Sul PUCRS 20 a 22 de Outubr de 2014 Ministéri da Ciência, Tecnlgia e Invaçã ÍNDICE Cm funcina CNPq? Sistema de Avaliaçã Prjets e Blsas. Platafrmas

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA PORTUGAL - CHINA 一 届 中 国 葡 萄 牙 商 务 论 坛 UMA PARCERIA PARA O FUTURO 锻 造 未 来 合 作 CONFERÊNCIAS DE NEGÓCIOS FEIRA DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO III GALA : PRÉMIOS DE MÉRITO EMPRESARIAL 商 务 会 议 投 资 与 贸 易 会 务 三

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO NACIONAL SOBRE RINOCERONTE E MARFIM (NIRAP) 2015 2016

PLANO DE ACÇÃO NACIONAL SOBRE RINOCERONTE E MARFIM (NIRAP) 2015 2016 1. REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA TERRA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO RURAL PLANO DE ACÇÃO NACIONAL SOBRE RINOCERONTE E MARFIM (NIRAP) 2015 2016 Data, Març de 2015 1 P á g i n a Plan de Acçã Nacinal

Leia mais

RESERVAS DA BIOSFERA EM ILHAS E ZONAS COSTEIRAS EM ÁFRICA MODELOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. 3 a 10 de Maio de 2013

RESERVAS DA BIOSFERA EM ILHAS E ZONAS COSTEIRAS EM ÁFRICA MODELOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. 3 a 10 de Maio de 2013 RESERVAS DA BIOSFERA EM ILHAS E ZONAS COSTEIRAS EM ÁFRICA Dia 03/05/2013: (sexta- feira) MODELOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 3 a 10 de Mai de 2013 Lcal: Regiã Autónma d Príncipe, Sã Tmé e Príncipe

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

EuropeAid. Instrumentos de Harmonização no contexto da. ajuda externa (Blending Instruments)

EuropeAid. Instrumentos de Harmonização no contexto da. ajuda externa (Blending Instruments) Instruments de Harmnizaçã n cntext da ajuda externa (Blending Instruments) 1 Índice 1. O que sã s Instruments de Harmnizaçã? Prquệ? O que permitem? Objectivs 2. Os diferentes tips de Instruments de Harmnizaçã

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LÉS-A-LÉS, PELA CIDADANIA GLOBAL COM A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO 1. INTRODUÇÃO, OU COMO SURGE A ED O cnceit de Educaçã para Desenvlviment surge n cntext ds prcesss de desclnizaçã d pós-guerra

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA

PROJETO CADASTRO DE FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUA SUBTERRÂNEA IINNTTRRODDUUÇÇÃÃO I As decisões sbre a implementaçã de ações de cnvivência cm a seca exigem cnheciment básic sbre a lcalizaçã, caracterizaçã e dispnibilidade das fntes de água superficiais e subterrâneas.

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Promover a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realização dos projetos de vida pessoais, familiares e das comunidades.

Promover a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realização dos projetos de vida pessoais, familiares e das comunidades. 4 EIXOS ESTRATÉGICOS 4.1 CIDADANIA EM SAÚDE Prmver a Cidadania numa cultura de saúde e bem-estar para a realizaçã ds prjets de vida pessais, familiares e das cmunidades. 4.1.1 Intrduçã Cnceits Cidadania

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011

Ministério da Educação. Gabinete de Avaliação Educacional PLANO DE ACTIVIDADES. Janeiro 2011 Ministéri da Educaçã Gabinete de Avaliaçã Educacinal PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Janeir 2011 ÍNDICE Pág. 1. NOTA INTRODUTÓRIA 3 2. OBJECTIVOS 4 3. PROJECTOS E ACTIVIDADES 6 3.1. Elabraçã de instruments de

Leia mais

Carta de Brasília. Recomendações para a Formulação e Implementação de uma Política Nacional de Prevenção da Violência e Segurança nos Estádios

Carta de Brasília. Recomendações para a Formulação e Implementação de uma Política Nacional de Prevenção da Violência e Segurança nos Estádios Carta de Brasília Recmendações para a Frmulaçã e Implementaçã de uma Plítica Nacinal de Prevençã da Vilência e Segurança ns Estádis Seminári sbre Segurança ns Estádis Ministéri d Esprte / Ministéri da

Leia mais

Notas sobre Jornadas de Cooperação no Sector da Saúde

Notas sobre Jornadas de Cooperação no Sector da Saúde Ntas sbre Jrnadas de Cperaçã n Sectr da Saúde Arséni Paul Relatóri para a: Maput, Outubr 2011 Índice Índice... 1 Intrduçã:... 3 Sbre a Temática I: Planificaçã e Orçamentaçã... 4 Sbre Temática II: Recurss

Leia mais

INDICE Plano de atividades 2012

INDICE Plano de atividades 2012 INDICE INTRODUÇÃO 5 CARACTERIZAÇÃO DO IPDJ, I.P. 7 ATRIBUIÇÕES DO IPDJ, I.P. 8 PARA QUEM ATUAMOS E COM QUEM NOS RELACIONAMOS 12 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 13 QUAR IPDJ - OBJETIVOS ESTRATÉGICOS 14 ATIVIDADES

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

MONITORIA & AVALIAÇÃO:

MONITORIA & AVALIAÇÃO: MONITORIA & AVALIAÇÃO: Os fundaments para bter resultads Bénédicte de la Briere O Banc Mundial Os bjetivs desta sessã 1 2 3 4 5 Prquê cncentrar-se ns resultads Mnitria u Avaliaçã Utilizar uma cadeia de

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Carla Cristina Martins Pica

Carla Cristina Martins Pica Carla Cristina Martins Pica Telemóvel: 91 712 29 69 Crrei electrónic: carla.pica@marinha.pt u carlapica@me.cm Habilitações Literárias e Académicas Mestre em Ciências Jurídic-Plíticas, pela Faculdade de

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014

DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 DOSSIER DE IMPRENSA FEVEREIRO 2014 1. NOVARTIS NO MUNDO A Nvartis é uma cmpanhia farmacêutica, líder mundial na investigaçã e desenvlviment de sluções de saúde invadras destinadas a dar respsta às necessidades

Leia mais

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP Estud sbre Envlviment d Setr TICE Prtuguês n Desenvlviment da Sciedade de Infrmaçã ns Outubr de 2013 - Versã Preliminar - Relatóri cm Recmendações de Ligaçã d Sectr Empresarial e Universitári Prtuguês

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

IV E nc ontro N a c iona l de Fa rm á c ia s U nivers itá ria s - E nfa runi. Natal/RN, 12 a 14 de novembro de 2012

IV E nc ontro N a c iona l de Fa rm á c ia s U nivers itá ria s - E nfa runi. Natal/RN, 12 a 14 de novembro de 2012 IV E nc ntr N a c ina l de Fa rm á c ia s U niers itá ria s - E nfa runi Natal/RN, 12 a 14 de nembr de 2012 S eriç s fa rm a c êutic s Ta rc is i Js é Pa lha n Assessr da Presidência d Cnselh Federal de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de RPPNs

IV Congresso Brasileiro de RPPNs Prt Alegre - RS 26 a 29 de utubr de 2011 IV Cngress Brasileir de RPPNs A cnservaçã vluntária para um Brasil sustentável Api: Organizaçã: Realizaçã: Secretaria Estadual d Mei Ambiente d Ri Grande d Sul

Leia mais

Secretaria-Geral do Ministério da Justiça Plano de Atividades 2015

Secretaria-Geral do Ministério da Justiça Plano de Atividades 2015 Secretaria-Geral d Ministéri da Justiça Plan de Atividades 2015 Dezembr de 2014 SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Plan de Atividades 2015 Dezembr 2014 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça d Cmérci 1149-019

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1

PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1 Junts pelas crianças PRINCIPAIS FACTOS E NÚMEROS SOBRE NUTRIÇÃO 1 O impact ds atrass de cresciment: Glbalmente, pert de uma em cada quatr crianças menres de 5 ans (165 milhões u 26 pr cent em 2011) sfrem

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

PROJETO DE CAPTAÇÃO. XI Congresso Internacional de Metrologia Elétrica (SEMETRO)

PROJETO DE CAPTAÇÃO. XI Congresso Internacional de Metrologia Elétrica (SEMETRO) PROJETO DE CAPTAÇÃO 8 Cngress Brasileir de Metrlgia XI Cngress Internacinal de Metrlgia Elétrica (SEMETRO) II Cngress Brasileir de Metrlgia das Radiações Inizantes (CBMRI) II Wrkshp da Rede de Metrlgia

Leia mais

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade

MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmio Braztoa de Sustentabilidade MANUAL DE APRESENTAÇÃO DA INICIATIVA 3º Prêmi Brazta de Sustentabilidade Sã Paul - 2014 Seja bem vind a 3 Prêmi Brazta de Sustentabilidade É ntória as crescentes demandas que setr de turism tem cm tema

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES. O Diretor. 27 de dezembro de 2013

PLANO DE ATIVIDADES. O Diretor. 27 de dezembro de 2013 PLANO DE ATIVIDADES 2014 O Diretr 27 de dezembr de 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 ÍNDICE 1. Missã, Princípis e Valres 2 2. Objetivs Estratégics 3 3. Ações a Desenvlver em 2014 4 31. Investigaçã 4 3.2.

Leia mais

As eleições europeias

As eleições europeias As eleições eurpeias Significads e implicações para futur da Eurpa Priridades para Futur da Eurpa Partid Ppular Eurpeu [PPE] Criar prsperidade para tds Criar nvs empregs (priridade central) refrma e investiment

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro Ri + 20 O papel das cidades a 20 ans da Cúpula da Terra d Ri de Janeir DOCUMENTO DE COLABORAÇÃO DE MERCOCIDADES "O Desenvlviment Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem pôr em perig

Leia mais

Mestrado em Sistemas de Informação

Mestrado em Sistemas de Informação U n i v e r s i d a d e d M i n h Departament de Sistemas de Infrmaçã Mestrad em Sistemas de Infrmaçã 2003/2005 Tecnlgias de Streaming em Cntexts de Aprendizagem Sb a rientaçã d Prfessr Dutr Henrique Sants

Leia mais

SÍNTESE DA PROPOSTA. CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade

SÍNTESE DA PROPOSTA. CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade Universidade Federal d Recôncav da Bahia SÍNTESE DA PROPOSTA DE PROGRAMA DE GESTÃO À REITORIA DA UFRB (2015-2019) DA CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade Prfa. Dra. Ana Rita Santiag (Reitra) Prf. Dr.

Leia mais

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative

Programa de Rádio. Ritmo Económico. Angola!Open!Policy!Initiative Prgrama de Rádi Ritm Ecnómic AnglaOpenPlicyInitiative 1 Rádi: Kairós da Igreja Metdista de Angla Nme d Prgrama: Ritm Ecnómic Géner: Talk shw Educativ Data da primeira ediçã: (pr definir) Apresentadres:

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

a Francofonia PASSAPORTE Português Francês www.francophonie.org

a Francofonia PASSAPORTE Português Francês www.francophonie.org PASSAPORTE * FRANCOFONIA * 2013 * a Francfnia PASSAPORTE www.francphnie.rg Prtuguês Francês A Francfnia 5 cntinentes p m p u u n 900 milhões de habitantes ORGANISATION INTERNATIONALE DE LA FRANCOPHONIE

Leia mais

Situação Atual da EFTP no Afeganistão

Situação Atual da EFTP no Afeganistão Data: 8 de mai de 2015 Situaçã Atual da EFTP n Afeganistã Dr. Enayatullah Mayel Diretr Executiv d Prgrama Prgrama Nacinal de Desenvlviment de Cmpetências Ministéri d Trabalh, Assunts Sciais, Mártires e

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l

Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i o R e g i o n a l p a r a o B r a s i l e o C o n e S u l Fund de Desenvlviment das Nações Unidas para a Mulher E s c r i t ó r i R e g i n a l p a r a B r a s i l e C n e S u l Fnd de Desarrll de las Nacines Unidas para la Mujer O f i c i n a R e g i n a l p

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais