SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011"

Transcrição

1 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e da capacidade de respsta e presença activa das PME n mercad glbal. Mdalidade de prject Prject individual prjects de investiment prmvids pr uma empresa, a títul individual, tend em vista a invaçã, mdernizaçã e internacinalizaçã, através da utilizaçã de factres dinâmics da cmpetitividade Prject de Cperaçã prjects apresentads pr uma PME u cnsórci liderad pr PME, que se prpnha desenvlver um prject de cperaçã interempresarial; Tiplgia de investiment Prject internacinalizaçã Prjects nas restantes tiplgias Prpriedade industrial (Frmulaçã de pedids de patentes, mdels de utilidade e desenhs u mdels, nacinais, n estrangeir pela via directa nas administrações nacinais, cmunitáris, eurpeus e internacinais) Criaçã, mda & design (Criaçã de marcas, insígnias e clecções próprias e melhria das capacidades de mda e design) Desenvlviment e Engenharia de Prduts, Serviçs e Prcesss (Melhria das capacidades de desenvlviment de prduts, prcesss e serviçs, designadamente pela criaçã u refrç das capacidades labratriais) Organizaçã e Gestã e Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) (Intrduçã de nvs mdels u nvas filsfias de rganizaçã d trabalh, refrç das capacidades de gestã, intrduçã de TIC, redesenh e melhrias de Layut, acções de Benchmarking) Qualidade (Certificaçã, n âmbit d Sistema Prtuguês da Qualidade (SPQ), de sistemas de gestã da qualidade, certificaçã de prduts e serviçs cm btençã de marcas bem cm a implementaçã de sistemas de gestã pela qualidade ttal) Ambiente (Investiments assciads a cntrl de emissões, auditrias ambientais, gestã de resídus, reduçã de ruíd, gestã eficiente de água, intrduçã de tecnlgias ec-eficientes, bem cm certificaçã, n âmbit d SPQ, de sistemas de gestã ambiental, btençã d rtul eclógic, Sistema de Ec-Gestã e Auditria (EMAS)) Invaçã (Investiments assciads à aquisiçã de serviçs de cnsultria e de api à invaçã bem cm à certificaçã, n âmbit d SPQ, de sistemas de gestã da investigaçã, desenvlviment e invaçã (IDI)) Diversificaçã e Eficiência Energética (Aument da eficiência energética e diversificaçã das fntes de energia cm base na utilizaçã de recurss renváveis) Ecnmia Digital (Criaçã e/u adequaçã da infra-estrutura interna de suprte cm vista à inserçã da PME na Ecnmia Digital e à melhria ds mdels de negócis cm base numa presença mais efectiva na ecnmia digital que permitam a cncretizaçã de prcesss de negócis desmaterializads cm clientes e frnecedres através da utilizaçã das TIC) Cmercializaçã e Marketing (Refrç das capacidades de cmercializaçã, marketing, distribuiçã e lgística)

2 Internacinalizaçã (Cnheciment de mercads, desenvlviment e prmçã internacinal de marcas, prspecçã, e presença em mercads internacinais, cm exclusã da criaçã de redes de cmercializaçã n exterir, e prmçã e marketing internacinal) Respnsabilidade Scial e Segurança e Saúde n Trabalh (Investiments de melhria das cndições de higiene, segurança e saúde n trabalh, bem cm na certificaçã de sistemas de gestã da respnsabilidade scial, de sistemas de gestã da segurança alimentar, de sistemas de gestã de recurss humans e de sistemas de gestã da segurança e saúde n trabalh, n âmbit d SPQ) Igualdade de Oprtunidades (Definiçã e implementaçã de plans de igualdade cm cntributs efectivs para a cnciliaçã da vida prfissinal cm a vida familiar, bem cm a facilitaçã d mercad de trabalh inclusiv) Para POR Lisba nã sã elegíveis as seguintes tiplgias de prjects: Âmbit Territrial Organizaçã e Gestã e Tecnlgias de Infrmaçã e Cmunicaçã (TIC) Qualidade Ecnmia Digital Respnsabilidade Scial e Segurança e Saúde n Trabalh Igualdade de Oprtunidades Tdas as Regiões d cntinente Cndições de acess Orientaçã para mercads externs Os prjects deverã cntribuir para uma mair rientaçã da empresa para s mercads externs Inserçã ds Prjects em Estratégias de Eficiência Clectiva - Tiplgia Clusters Inserçã em EE-Clusters devem cumprir s critéris que cnstam ds seguintes referenciais Enquadrament Sectrial e Territrial Tiplgias de Investiment Elegíveis Certificaçã de PME As empresas devem bter u actualizar a certificaçã electrónica através d site d IAPMEI Restantes cndições de acess cnsultar Avis para Apresentaçã de Candidaturas Limites da Despesa Elegível Mínim Taxas Máximas, Limites de Incentivs e Majrações Incentiv reemblsável 40% Majraçã Tip de Estratégia de 5% (s prjects inserids em EEC-Clusters beneficiam desta majraçã) Apresentaçã de candidaturas entre dia 1 de Març de 2011 e dia 18 de Abril de 2011 (24 hras). Para mais infrmações cntacte Gabinete Ecnómic-Financeir da UACS u site

3 Infrmaçã que cnsta d Regulament d Sistema de Incentivs à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prtaria nº 1101/2010 de 25 de Outubr Beneficiáris Empresas de qualquer natureza e frma jurídica Cndições de elegibilidade prmtr Encntra-se legalmente cnstituíd Cumprir cndições legais necessárias a exercíci da actividade Nã ter dívidas à Segurança Scial, Finanças e entidade pagadra d incentiv Pssuir u assegurar recurss humans e físics necessáris a desenvlviment d prcess Ter cntabilidade rganizada Situaçã ecnómica financeira equilibrada, Autnmia Financeira 15% Designar um respnsável técnic d prject Cumprir quand exista investiment em frmaçã prfissinal, tdas as regras definidas Cndições de elegibilidade prject Ter iníci 9 meses após a cmunicaçã de decisã de financiament Demnstrar que se encntram asseguradas as fntes de financiament d prject Manter afects à respectiva actividade s activs respeitantes a investiment apiad, bem cm a lcalizaçã gegráfica definida n prject, durante períd de vigência d cntrat de incentivs, n mínim, durante três ans após encerrament d prject Nã incluir despesas anterires à data da candidatura, à excepçã ds adiantaments par sinalizaçã, até 50% d cust de cada aquisiçã e despesas relativas a estuds prévis, desde que realizads há mens de 1 an Ser previamente declarad de interesse para turism, ns cass aplicáveis Crrespnder a uma despesa mínima elegível de Ter uma duraçã máxima de execuçã de 2 ans, except em cass devidamente justificads Demnstrar, quand integrar acções de frmaçã prfissinal, que prject frmativ se revela cerente e cnsnante cm s bjectivs d prject e cumpre s nrmativs a definir em diplma específic Despesas elegíveis 1) Despesas a) Activ fix tangível i) Aquisiçã de máquinas e equipaments específics e exclusivamente destinads às áreas da gestã, da cmercializaçã e marketing, da distribuiçã e lgística, d design, da qualidade, da segurança e saúde n trabalh, d cntrl labratrial, da eficiência energética e energias renváveis, d ambiente em particular s de tratament de águas residuais, emissões para a atmsfera, resídus, reduçã de ruíd e de

4 intrduçã de tecnlgias ec-eficientes para a utilizaçã sustentável de recurss naturais ii) Aquisiçã de equipaments infrmátics relacinads cm desenvlviment d prject iii) Sftware standard e específic, relacinad cm desenvlviment d prject iv) Aquisiçã de equipament que permita às empresas superar as nrmas em matéria de ambiente (inclui n cas d sectr ds transprtes, s custs suplementares de aquisiçã de veículs cm nível de prtecçã d ambiente superir a exigid pelas nrmas cmunitárias) b) Activ intangível i) Transferência de tecnlgia através da aquisiçã de direits de patentes, licenças, saber-fazer u cnheciments técnics nã prtegids pr patente, send que n cas de empresas nã PME estas despesas nã pderã exceder 50% das despesas elegíveis d prject c) Outras despesas i) Despesas cm a intervençã de técnics ficiais de cntas u revisres ficiais de cntas ii) Estuds, diagnóstics, auditrias e plans de marketing assciads a prject de investiment iii) Investiments na área de eficiência energética e energias renváveis, nmeadamente assistência técnica, auditrias energéticas, testes e ensais iv) Custs assciads as pedids de Direits de Prpriedade Industrial (frmulaçã de pedids de patentes, mdels de utilidade e desenhs u mdels, nacinais, n estrangeir pela via directa nas administrações nacinais, cmunitáris, eurpeus e internacinais), designadamente taxas, pesquisas a estad da técnica, anuidades e hnráris de cnsultria em matéria de Prpriedade Industrial v) Despesas relacinadas cm a prmçã internacinal, designadamente alugueres de equipaments e espaç de expsiçã, cntrataçã de serviçs especializads, deslcações e aljament e aquisiçã de infrmaçã e dcumentaçã especifica relacinadas cm a prmçã internacinal que se enquadrem n âmbit das seguintes acções: (1) Acções de prspecçã e presença em mercads externs, designadamente prspecçã de mercads, participaçã em cncurss internacinais, participaçã em certames internacinais ns mercads externs, acções de prmçã e cntact direct cm a prcura internacinal (2) Acções de prmçã e marketing internacinal, designadamente cncepçã e elabraçã de material prmcinal e infrmativ e cncepçã de prgramas de marketing internacinal vi) Despesas assciadas a investiments de cnciliaçã da vida prfissinal cm a vida familiar e pessal, bem cm s custs assciads a implementaçã de Plans de Igualdade vii) Despesas inerentes à certificaçã ds sistemas, prduts e serviçs nas áreas da qualidade, d ambiente, da invaçã e da respnsabilidade scial e segurança e saúde n trabalh, nmeadamente, despesas cm a entidade certificadra, assistência técnica específica, ensais e dispsitivs de mediçã e mnitrizaçã, calibrações, bibligrafia e acções de divulgaçã viii) Despesas inerentes à implementaçã de sistemas de gestã pela qualidade ttal e à participaçã em prémis nacinais e internacinais ix) Implementaçã de sistemas de planeament e cntrl x) Despesas inerentes à btençã d rótul eclógic e à certificaçã e marcaçã de prduts xi) Despesas cm a criaçã e desenvlviment de insígnias, marcas e clecções próprias xii) Regist inicial de dmínis e fees assciads à dmiciliaçã da aplicaçã em entidade externa, adesã a marketplaces e utras platafrmas electrónicas, criaçã e

5 publicaçã de catálgs electrónics de prduts e serviçs, bem cm a inclusã e u catalgaçã xiii) Custs, pr um períd até vinte e quatr meses, cm a cntrataçã de um máxim de dis nvs quadrs técnics a integrar pr PME, cm nível de qualificaçã igual u superir a VI, necessáris à implementaçã d prject xiv) Investiments em frmaçã de recurss humans n âmbit d prject, a definir em diplma específic - as despesas elegíveis em frmaçã nã pderã representar mais de 30% das despesas elegíveis d prject Despesas nã elegíveis Incentiv Aquisiçã de terrens Cmpra de imóveis Cnstruçã u bras de adaptaçã de edifícis Trespasses e direits de utilizaçã de espaçs Aquisiçã de veículs autmóveis e utr material de transprte Aquisiçã de aernaves e utr material aernáutic Aquisiçã de bens em estad de us Jurs durante períd de realizaçã d investiment Fund de manei Trabalhs para a própria empresa Publicidade crrente Transacções entre entidades participantes ns prjects Despesas de funcinament da entidade prmtra relacinadas cm actividades de tip periódic u cntínu Despesas referentes a investiments directs n estrangeir que visem a aquisiçã u cnstituiçã de sciedades ligadas à criaçã u funcinament de redes de distribuiçã n exterir Incentiv nã reemblsável, até a limite máxim de pr prject. Taxa máxima de incentiv Taxa máxima 40% (except para a despesa elegível prevista na subalínea xiv) da alínea c) Majrações: Majraçã tip de empresa 5% para as pequenas empresas Majraçã tip despesa: 5% para as médias empresas aplicável às despesas elegíveis prevista na alínea c), except as previstas na subalínea xiii) 10% para as pequenas empresas (acumulável cm a majraçã tip de empresa) e 5% para as médias empresas aplicável às despesas elegíveis previstas na subalínea iv) da alínea a)

6 Majraçã tip de estratégia 5% para s prjects que estejam inserids numa estratégia de eficiência clectiva Apis cncedids a abrig d regime de auxílis de minimis Investiments prevists na subalínea v) da alínea c), relativs à participaçã em feiras u expsições Incentiv relativ às despesas previstas na subalínea iv) da alínea c) Investiments realizads nas NUTS II Regiã de Lisba e Algarve, bem cm s realizads n sectr ds transprtes relativs às despesas previstas na alínea a), cm excepçã da subalínea iv), na alínea b) e na subalínea xiii) da alínea c)

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas;

Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas; URBCOM SISTEMA DE INCENTIVOS A PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem a mdernizaçã de actividades empresariais d cmérci e de alguns serviçs, e a qualificaçã ds espaçs urbans

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Cmérci Investe Períd de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Investiment mínim de 15.000,00 Incentiv 40% fund perdid (limite máxim 35.000,00 ) Decisã da candidatura: 22 de julh de 2015 Abertas nvas

Leia mais

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas A Eurpa investe nas Znas Rurais Acçã 3.1.2. Criaçã e Desenvlviment de Micrempresas Âmbit Criaçã e desenvlviment de micrempresas cuj ram de actividade pderá ser alv de delimitaçã n âmbit ds Plans de Desenvlviment

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2 Acreditads pr Partners 1. QUEM SOMOS l 2 A g3p cnsulting apsta na prmçã da excelência peracinal, através da realizaçã de prjects de cnsultria e frmaçã, que ptenciam ganhs a nível da melhria da prdutividade

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais até concursos abertos 16 de abril de 2012 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010 //FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Cntribut de Prtugal Janeir de 2010 A Estratégia UE 2020 deve desempenhar um papel estruturante na cnslidaçã d prject eurpeu, agregand uma estratégia de

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI)

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI) Desafis e Oprtunidades. Os Plans de Gestã de Riscs de Inundações (PGRI) Cláudia Brandã e Jsé Salvad Divisã d Estad das Dispnibilidades Hídricas 5/02/2015 O QUE SE COMENTA SOBRE AS CHEIAS OU INUNDAÇÕES

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007 COMUNICADO SONAE - SGPS, S. A. Sede: Lugar d Espid, Via Nrte, Maia Capital scial: 2.000.000.000,00 Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Maia sb númer únic de matrícula e identificaçã fiscal

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

Plano de Formação 2012

Plano de Formação 2012 1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALGARVE Plan de Frmaçã 2012 Centr de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Prtimã 2 APRENDIZAGEM nível IV SAÍDA PROFISSIONAL INICIO FINAL

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Trimestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Amadra sb númer únic de matrícula

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 5 MUNICIPI DE ESPINH TTAL DE REVISÕES : 1 D AN CNTABILISTIC DE 2007 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13 Plan de Atividades 2014 1 Intrduçã... 03 1. Objetivs Estratégics... 06 2. Prjets de senvlviment... 06 3. Orçament... 13 2 Intrduçã O an de 2014 reserva para a ADRAVE um nv mment de psicinament estratégic

Leia mais

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP

Relatório com Recomendações de Ligação do Sector Empresarial e Universitário Português ao dos PALOP Estud sbre Envlviment d Setr TICE Prtuguês n Desenvlviment da Sciedade de Infrmaçã ns Outubr de 2013 - Versã Preliminar - Relatóri cm Recmendações de Ligaçã d Sectr Empresarial e Universitári Prtuguês

Leia mais

Proposta de Criação de um Programa Q3 Qualificar o 3º Sector

Proposta de Criação de um Programa Q3 Qualificar o 3º Sector Prpsta de Criaçã de um Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr Dada a dimensã ecnómica e scial, a imprtância na criaçã de empreg (qualificad e deslcalizad) e n desenvlviment lcal justifica-se que se prmva desenvlviment

Leia mais

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia

Prezado Senhor Diretor Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olavo Morales Garcia Prezad Senhr Diretr Presidente CASUL- COOPERATIVA DE AGRÁRIA CAFEICULTORES DO SUL DE SÃO PAULO Olav Mrales Garcia O IBRASS INSTITUTO BRASILEIRO DO ASSOCIATIVISMO, entidade sem fins ecnômics, frmada pr

Leia mais

SI QUALIFICAÇÃO DE PME

SI QUALIFICAÇÃO DE PME SI QUALIFICAÇÃO DE PME SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (AVISOS DE CANDIDATURA MAIO 2010) TURISMO QREN QUADRO DE REFERÊNCIA ESTRATÉGICO NACIONAL 2007-2013 INFORMAÇÃO SINTETIZADA

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais