Proposta de Criação de um Programa Q3 Qualificar o 3º Sector

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Criação de um Programa Q3 Qualificar o 3º Sector"

Transcrição

1 Prpsta de Criaçã de um Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr Dada a dimensã ecnómica e scial, a imprtância na criaçã de empreg (qualificad e deslcalizad) e n desenvlviment lcal justifica-se que se prmva desenvlviment das cmpetências nas rganizações d 3º Sectr, melhrand a qualidade das suas prestações e cntribuind para a sua sustentabilidade. Estã sbejamente identificadas e caracterizadas algumas debilidades d 3º Sectr, que pdem ser clmatadas cm um prgrama de api à qualificaçã, integrad nas medidas de frmaçã e cnsultria, à semelhança das dispníveis ns anterires Quadrs Cmunitáris de Api, mas apenas para as empresas. Através d Prject C3 Cnsultria para 3º Sectr adaptu-se uma metdlgia de intervençã capaz de reslver cm eficácia s prblemas deste sectr, designada Mdel de Intervençã C3. A Parceria de Desenvlviment que prmveu este prject e desenvlveu Mdel prpõe alargament d cntext da sua aplicaçã, através da criaçã de um prgrama de âmbit nacinal Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr, a enquadrar n próxim Quadr de Referência Estratégica Nacinal (QREN), cm vigência n períd de 2007 a 2013.

2 1. A evluçã d Prject C3 e desenvlviment d Mdel de Intervençã C3 Evluçã d Prject C3 A execuçã d Prject C3 fi e está ainda a ser apiada pela Iniciativa Cmunitária (IC) EQUAL, inserind-se na sua Área de Intervençã Qualificaçã das rganizações e ds prfissinais da ecnmia scial que, pr sua vez, está integrada na Priridade 2-Espírit Empresarial. O prject tem seguind um prcess dinâmic e evlutiv, cnsubstanciad n desenvlviment de 3 Acções, ist é, durante três fases de desenvlviment de actividades que crrespndem a: - Acçã 1 - cnstituiçã da Parceria de Desenvlviment (PD) e da cperaçã transnacinal; diagnóstic de necessidades, cncepçã e planeament d prject; - Acçã 2 - desenvlviment e avaliaçã d prject; - Acçã 3 - disseminaçã de recurss técnic-pedagógics e de práticas bem sucedidas. Na Acçã 1, que teve a duraçã de 6 meses e que decrreu entre Janeir e Junh de 2002, Prject C3 teve cm principal resultad a realizaçã d Diagnóstic de Necessidades d 3º Sectr, que prcuru identificar s principais prblemas que afectam as rganizações d 3º sectr. A Acçã 2, que decrreu entre Nvembr de 2002 e Dezembr de 2004, fi dedicada à criaçã de um cnjunt de prduts: Mdel de Intervençã C3 (Mdel), Estuds de Cas, Materiais para Aplicaçã, dispnibilizads n site A Acçã 3, que está actualmente em curs desde de Outubr 2005 até Setembr de 2006, visa a disseminaçã destes prduts através da realizaçã de acções de frmaçã para frmadres/as e cnsultres/as que pssam utilizar/aplicar Mdel e através da realizaçã de um cnjunt de sessões de infrmaçã e sensibilizaçã que mbilizem entidades d 3º Sectr ptencialmente beneficiárias de intervenções n âmbit d Mdel, s decisres plítics e s respnsáveis públics para a necessidade de criaçã de um Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr. 2

3 Desenvlviment d Mdel de Intervençã C3 O desenvlviment d Mdel de Intervençã C3 fi realizad durante a Acçã 2 d Prject C3. Nesta Acçã, partiu-se da missã d prject - prmver a cmpetitividade e a sustentabilidade das rganizações d 3º Sectr, preparand pós QCA III, num cntext de mair eficácia ds serviçs prestads e de autnmia face a Estad - e traçu-se cm estratégia adaptar a 3º Sectr Mdel d Prgrama Frmaçã PME. Desta frma fi-se a encntr d desígni da IC EQUAL, n que tca a refrç da capacidade das rganizações e ds/as agentes da Ecnmia Scial, u seja, garantir que estas rganizações e seus/as prfissinais pssuam as cmpetências e recurss necessárias para desenvlver plenamente as suas actividades. O Mdel é sustentad pr dis princípis basilares: a participaçã de tds s elements da rganizaçã nas actividades desenvlvidas e a sustentaçã das medidas a executar em dads cncrets e à medida ds prblemas reais das rganizações. Mais, para além de detectar e tentar slucinar s prblemas que afectam dia-a-dia das rganizações, Mdel cntribui ainda para empwerment rganizacinal e pessal, na medida em que envlve s/as dirigentes e clabradres/as na intervençã. N fund, prmve-se a cmpetitividade das rganizações d 3º Sectr através d desenvlviment e valrizaçã ds seus recurss humans. O Mdel cnsubstancia-se numa metdlgia de intervençã, que é desenvlvida a lng de várias fases: - - recrutament e selecçã das rganizações beneficiárias / prédiagnóstic; - - integraçã das rganizações frmandas / cntrat para desenvlviment; - - diagnóstic / entrevistas e árvre de prblemas; - - plan de desenvlviment / quadr de actividades; - - implementaçã de medidas / matriz de planeament de prjects pr bjectivs; frmaçã e cnsultria frmativa; - - acmpanhament e avaliaçã / cnsultria de ligaçã e validaçã. Dimensã participativa e empwerment A análise da intervençã efectuada nas rganizações que beneficiaram de uma intervençã n âmbit d Prject C3 e das medidas implementadas para cmbater s prblemas diagnsticads, permite cnstatar a adequaçã e pertinência d Mdel de Intervençã C3. Esta adequaçã prende-se cm 3

4 fact deste respnder a prblemas cncrets das rganizações d 3º Sectr, sem partir de bjectivs e prblemas identificads à priri. Desta frma, um ds principais factres que legitimam interesse e imprtância da implementaçã d Mdel C3 em instituições d 3º Sectr dizem respeit, nã apenas à nvidade ds prblemas inventariads, mas à sua dimensã participativa, através d envlviment ds/as dirigentes e tds s membrs das rganizações em tdas as fases de intervençã e à capacidade de criar/desenvlver cmpetências, numa perspectiva de empwerment. II. 3º Sectr - cnceit, cmplexidade e cntribut para desenvlviment lcal, ecnmia e empreg 3º Sectr Nas últimas décadas 3º Sectr tem apresentad um cresciment significativ, que permitiu uma mair visibilidade das actividades e serviçs pr ele prestads. Perante este factr surge interesse neste cnjunt de rganizações, nde se englbam assciações de desenvlviment lcal, instituições particulares de slidariedade scial, cperativas, assciações mutualistas, fundações e utras assciações sem fins lucrativs. Cnceit Utiliza-se, prtant, cnceit de 3º Sectr para fazer a distinçã entre chamad primeir sectr - Estad, cm uma lógica prteccinista e prvidencial e segund - Mercad, que funcina na lógica da ferta e da prcura. O 3º Sectr, nã tend cm bjectiv últim lucr, baseia a sua actuaçã na satisfaçã de necessidades através da aut-rganizaçã ds própris interessads u da mbilizaçã ds/as cidadãs/ãs, numa lógica assciativa e slidária. Estas rganizações destacam-se pel fact de prestarem serviçs na perspectiva de satisfazer necessidades que Estad e Mercad nã cntemplam. Cmpsiçã Frmas legais A cmpsiçã d 3º Sectr é cmplexa e pde ser analisada sb diverss ânguls, tais cm as áreas de actuaçã das rganizações que cmpõem (cultura, artes e recreaçã; educaçã, investigaçã e frmaçã; saúde; serviçs e equipaments sciais; assistência a grups desfavrecids; prtecçã ambiental e patrimnial; desenvlviment territrial; defesa ds direits civis; actividades internacinais, api a empresas e empreendedrism; desprt; utras); as frmas legais que essas rganizações assumem (assciações, fundações, instituições de 4

5 Mtivações Funções desenvlviment lcal, misericórdias, museus, rganizações nãgvernamentais para desenvlviment; assciações mutualistas e cperativas de slidariedade scial de habitaçã e cnstruçã), mtiv que está na sua rigem (iniciativas ligadas à igreja, às misericórdias, de desenvlviment lcal, de mradres, de pais e prfessres) e, pr últim, cnsiderand as várias funções que desempenham (prestaçã de serviçs, defesa de causas e advcacia, expressã e criaçã de capital scial). Desenvlviment lcal Também a nível d desenvlviment lcal, as entidades d 3º Sectr desempenham um imprtante papel, centrand a sua actuaçã nas pessas, que assumem um papel activ, participand ns prcesss de decisã lcais, reginais e glbais. Cntribut para a ecnmia e empreg na Eurpa Relativamente a cntribut d 3º Sectr para a ecnmia e empreg, na Eurpa s dads demnstram dinamism da sciedade civil, a nível da participaçã cívica n âmbit d assciativism (na Suécia cada cidadã é em média assciad de quatr assciações), da prestaçã de serviçs sciais as cidadãs (em Itália 25% ds serviçs sciais sã prestads pr empresas da ecnmia scial), d pes crescente ds trabalhadres sciais (entre 1982 e 1990, em França, númer de trabalhadres sciais aumentu 27% para ) e da capacidade de gerar nvs empregs (ainda em França, em 1999, ds nvs empregs criads pel Prgrama Nvs Serviçs Nvs Empregs, fram na Ecnmia Scial). Cntribut para a ecnmia e empreg em Prtugal Em Prtugal 3º Sectr é, desde lg, um cntribuinte cnsiderável para rendiment e despesas nacinais: em 2002 as rganizações da sciedade civil tiveram despesas de mais de 5,4 mil milhões de eurs, que equivale a 4,2% d PIB. É também um empregadr significativ: sã cerca de as pessas equivalentes a trabalhadres a temp inteir, das quais 70% sã trabalhadres remunerads e cerca de 30% sã vluntáris; significand ist que as rganizações da sciedade civil representam 4,2% da ppulaçã ecnmicamente activa. 5

6 III. Principais prblemas que afectam desempenh das rganizações d 3º Sectr Há prblemas que reduzem a eficiência e afectam a qualidade ds serviçs prestads Apresentáms anterirmente alguns elements que caracterizam e demnstram a imprtância d 3º Sectr, a nível eurpeu e em Prtugal, tend em cnta seu cntribut para desenvlviment lcal, para a ecnmia e para empreg. Cntud, cm verems de seguida, existe um cnjunt de prblemas ligads à sua gestã e a funcinament intern das rganizações que cmpõem, que reduz a eficiência e a prestaçã de serviçs de qualidade. Esta situaçã, n futur, em cenáris de mair cmpetitividade, pde clcar em causa a sbrevivência de muitas destas rganizações, pis algumas das suas vantagens cmparativas nã pdem ser assumidas cm garantidas. O fact de muitas delas funcinarem em mercads relativamente cativs, ist é, nde a cncrrência é baixa, talvez explique a menr priridade que tem sid atribuída à melhria d seu funcinament e ds prduts e serviçs que ferecem. Esta situaçã fi pressupst de partida, cmprvad pel Prject C3 Categrias de prblemas identificads Esta situaçã, que marca muitas das rganizações d 3º Sectr em Prtugal, e cnjunt desses prblemas já fi estudad/reflectid pr váris autres, destacand-se Rque Amar (1998) e Jã Ferrã (2000). A sua existência fi pressupst de partida d Prject C3, que fi cmprvad na fase de diagnóstic realizada em seis rganizações beneficiárias participaram n prject. Esta fase permitiu, a partir d cnjunt alargad desses prblemas identificads, agregá-ls em sete categrias: liderança, gestã de recurss humans, gestã financeira, financiament, estratégia, cmunicaçã interna e externa, equipaments e instalações. Estams, pis, a tratar de um sectr cm elevada imprtância a nível Necessidade de metdlgias de intervençã adaptadas sci-ecnómic e d empreg, mas cujas rganizações apresentam prblemas de vária rdem, nmeadamente de gestã. Para s slucinar é necessári encntrar respstas adaptadas à especificidade d tip de rganizações em que eles se encntram. Significa ist que sã necessárias metdlgias de intervençã adaptadas às rganizações d 3º Sectr, capazes de cntribuir eficazmente para a sua melhria 6

7 IV. Prpsta de criaçã de um Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr Cnsiderand que Mdel de Intervençã C3 é cmprvadamente uma metdlgia de intervençã adaptada a 3º Sectr, capaz de reslver cm eficácia s seus prblemas, prpõe-se alargament d cntext da sua aplicaçã através da criaçã de um prgrama de âmbit nacinal Prgrama Q3 Qualificar 3º Sectr, a enquadrar n próxim Quadr de Referência Estratégica Nacinal (QREN), cm vigência n períd de 2007 a Características d Prgrama Q3 MISSÃO Desenvlver as cmpetências das rganizações d 3º sectr, melhrand a qualidade das suas prestações e cntribuind para a sua sustentabilidade OBJECTIVO GERAL Realizar intervenções tendentes à melhria rganizacinal/prfissinal d 3º sectr, utilizand Mdel de Intervençã C3, abrangend um númer significativ e crescente deste tip de rganizações em td país, n períd de 2007 a OBJECTIVOS ESPECÍFICOS Melhrar a qualidade da gestã das instituições d 3º Sectr, actuand sbre: frmas de rganizaçã e gestã, cadeia de valr ds serviçs, integraçã das TIC e mdels de cperaçã inter-institucinal. Desenvlver cmpetências internas, actuand sbre: frmaçã/desenvlviment estratégic ds dirigentes e frmaçã específica ds clabradres. DESTINATÁRIOS/AS Entidades Beneficiárias Assciações Fundações Instituições de: Desenvlviment Lcal (IDL), Particulares de Slidariedade Scial (IPSS) e de Cultura, Recrei e Desprt (ICRD) Misericórdias Assciações Mutualistas Cperativas Organizações Nã-Gvernamentais para Desenvlviment Membrs das Entidades Beneficiárias Elements ds Órgãs Sciais Trabalhadres/as d Quadr de Pessal Clabradres/as Externs/as (ex. Avençads/as, Frmadres/as Externs/as) Vluntáris/as Estagiáris/as e Outrs/as Clabradres/as (enquadrads/as em prgramas de incentiv à criaçã de a empreg e mercad scial de empreg) 7

8 PRÉ-REQUISITOS A AVALIAR NA INTEGRAÇÃO DOS/AS DESTINATÁRIOS/AS TIPOLOGIAS DE INTERVENÇÃO Os destinatáris d Prgrama devem reunir s seguintes pré-requisits, a avaliar cm base em evidências dcumentadas e/u cmprváveis: 1. pssuir as características cmuns e essenciais que definem uma rganizaçã d 3º Sectr; 2. desenvlver uma u várias actividades enquadradas na tiplgia das áreas de actuaçã d 3º Sectr; 3. apresentar um ptencial mínim de incrpraçã ds resultads da intervençã, de desenvlviment rganizacinal e de impact ns seus própris beneficiáris/as, a avaliar através de: presença de massa crítica: quantidade de membrs que regularmente participam, trabalham na rganizaçã, representatividade: base frmal de api e legitimaçã da rganizaçã quantidade de assciads/as, utilidade pública e scial: quantidade de pessas e/u entidades que beneficiam da actividade da rganizaçã (para além ds/as assciads/as). Tdas as fases da intervençã têm bjectivs frmativs n sentid da qualificaçã das rganizações, através d aument/melhria das cmpetências ds seus membrs. Esta intervençã de natureza frmativa, deve assumir as seguintes mdalidades e metdlgias: cnsultria frmativa, seguind a metdlgia da árvre de prblemas e matriz de planeament de prjects pr bjectivs; semináris de frmaçã/sensibilizaçã de dirigentes (em grups inter-instituições); frmaçã de clabradres (inter u intra instituições). FORMAS DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA A implementaçã pde ser segmentada em escalões que enquadram as diferentes cmbinações entre númer de membrs, númer de assciads/as e númer de beneficiáris/s e as quais crrespndem dtações rçamentais, que englbam a gestã e a implementaçã. Nº de Nº de N.º de Dtaçã Escalã Membrs Assciads/as Beneficiáris/as Orçamental I > 100 > > 10 II <= 100 <= III > 100 > <= 10 IV <= 100 <= CERTIFICAÇÃO DOS AGENTES C3 Dand sequência a trabalh de definiçã de metdlgias e de certificaçã de agentes, deve criar-se um mecanism certificaçã ds/as frmadres/as e cnsultres/as a envlver. Significa ist que, para além de terem de pssuir CAP de Frmadr/a, estes prfissinais terã brigatriamente de frequentar um curs de frmaçã prfissinal para pderem adquirir estatut Agentes C3, cm frmadres/as e cnsultres/as especialistas u cnsultres/as de ligaçã, que s/as capacite para a actuaçã/aplicaçã n âmbit d Mdel de Intervençã C3. 8

9 Gestã, Acmpanhament e Funcinament O mdel de rganizaçã e gestã d Prgrama deve assumir a particularidade da sua rigem, garantind papel activ da parceria de desenvlviment que rigina e prtagniza. MODELO DE GESTÃO O Prgrama Q3 Qualificar 3º sectr, cnstituind-se cm uma eventual medida de um prgrama peracinal n âmbit d QREN, deve ser gerid e implementad cm base num triângul entre: - Estad, cm entidade financiadra nível macr; - a PD C3, cm entidade reguladra nível intermédi: a abrig de um prtcl de clabraçã e actuaçã a estabelecer entre tdas, n âmbit d Prgrama; - as Entidades Prmtras nível micr: sã ptenciais entidades prmtras, antes de mais e numa primeira fase de vigência d Prgrama, as 6 entidades que cmpõem a PD. Numa fase psterir, utras rganizações d 3º Sectr cm funções de estrutura de suprte territrial u de estrutura de cúpula/sectriais pderã também desempenhar esta funçã. Tip de Entidade Quem Funções Entidade Financiadra Estad Gestã da medida Entidade Reguladra Entidades Prmtras PD C3 Parceria regida pr um prtcl de clabraçã e actuaçã Estruturas de Suprte Territrial Estruturas de Cúpula/Sectriais Análise e gestã de candidaturas Definiçã das metdlgias frmativas Credenciaçã/Frmaçã de cnsultres/frmadres Parecer sbre as candidaturas das entidades prmtras, emitid em cmité de análise Estuds de avaliaçã, tend em vista a actualizaçã de bjectivs (pela UTAD) Apresentaçã de candidaturas, para intervençã sectrial / territrial Divulgaçã e selecçã de entidades beneficiárias Implementaçã d prgrama nas entidades beneficiárias MECANISMOS DE ACOMPANHAMENTO E FUNCIONAMENTO A nível intermédi, a PD C3 deve, em relaçã às entidades prmtras, assumir papel de acmpanhament/avaliaçã da implementaçã d Prgrama, bem cm de api cnsultiv e frmativ. Em relaçã a Estad, deve assumir um papel de regulaçã, através da emissã de pareceres e um papel de disseminaçã, através da rganizaçã de events que publicitem prgrama e divulguem e s seus resultads. A nível micr, as intervenções das entidades prmtras desenvlvem-se a lng de 3 fases e suprtam-se em ferramentas que permitem acmpanhament/avaliaçã pr parte da PD C3: - Fase O: Preparaçã da Intervençã Recrutament e Pré-Selecçã Pré-Diagnóstic e Selecçã Relatóri da Fase - Fase 1: Diagnóstic Cntrat para Desenvlviment Árvre de Prblemas Quadr de Medidas Validaçã d Diagnóstic e Relatóri da Fase - Fase 2: Implementaçã de Medidas Matriz de Planeament de Prjects pr Objectivs Cadern de Encargs pr Medida Relatóri de Implementaçã de Cada Medida Avaliaçã das Medidas pels/as Participantes Validaçã d Diagnóstic e Relatóri da Fase Relatóri Final 9

10 Faseament e Orçament FASEAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO Deve cnsiderar-se uma fase pilt, de 2 ans, em que se candidatam cm entidades prmtras, apenas as entidades da PD-C3. A partir d 3º an, as candidaturas devem ser abertas a tdas as entidades dentr d perfil definid. A lng d períd de vigência d QREN (2007 a 2013), prevê-se a realizaçã de 6 edições d Prgrama Q3, devend a primeira ter a duraçã de dis ans para cntemplar a fase de preparaçã da própria Medida de enquadrament e para pssibilitar temp para encntrar s mecanisms de ajuste à gestã acmpanhament e funcinament d Prgrama. As restantes cinc edições deverã ter uma duraçã de um an. ORÇAMENTO Mantend s padrões actuais de financiament n quadr d POEFDS, pde prever-se um rçament glbal de cerca de 41,5 milhões de eurs para períd Pressupsts de base à previsã rçamental: - cust médi de pr intervençã/entidade beneficiária; este valr inclui as despesas directas e s custs de gestã d prgrama; - abrangência de 20 frmands/as pr entidade beneficiária, em média TOTAL Nº Entidades Beneficiárias Nº Frmands/as Orçament

11 V. Parceria de Desenvlviment C3 AEP Assciaçã Empresarial de Prtugal Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Suprte Territrial An de Cnstituiçã: Ans Âmbit Territrial de Intervençã: Nacinal N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: 200 EXPONOR Edifíci de Serviçs AEP, Leça da Palmeira / MATOSINHOS Pessa de Cntact: Maria da Saúde Ináci Telefne: / Fax: Web Site: / Assciaçã IN LOCO Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Suprte Territrial An de Cnstituiçã: Ans Âmbit Territrial de Intervençã: Lcal/Reginal (znas rurais ds cncelhs de Silves, Lulé, S. Brás de Alprtel e Tavira) N.º de Cncelhs Abrangids: 4 / N.º de Freguesias Abrangidas: 29 Abrangência Territrial: km2 / Abrangência Ppulacinal: habitantes N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: 250 Avenida da Liberdade, Síti da Campina / SÃO BRÁS DE ALPORTEL Pessas de Cntact: Artur Filipe Gregóri e Maria Priscila Sares Telefne: / Fax: Web Site: / CPCCRD Cnfederaçã Prtuguesa das Clectividades de Cultura, Recrei e Desprt Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Cúpula/Cnfederaçã An de Cnstituiçã: Ans N.º de Assciações Federadas: Âmbit Territrial de Intervençã: Nacinal (Cntinente e Regiões Autónmas) N.º de Cncelhs Abrangids (n Cntinente): 227 N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: Rua da Palma, 248 / LISBOA Pessa de Cntact: Artur Martins Telefne: / Fax: Web Site: FENACERCI Federaçã das Cperativas de Slidariedade Scial, FCRL Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Cúpula/Federaçã An de Cnstituiçã: Ans N.º de Assciações Federadas: 51 N.º Aprximad de Utentes/Beneficiáris das Assciações Federadas: 7000 Âmbit Territrial de Intervençã: Nacinal (Cntinente e Regiões Autónmas) N.º de Cncelhs Abrangids (cnsiderand as sedes): 50 N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: 51 Rua August Maced, n.º 2 / LISBOA Pessa de Cntact: Sónia Fntes Telefne: / Fax: Web Site: / 11

12 IEBA Centr de Iniciativas Empresariais Beira Aguieira Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Suprte Territrial An de Cnstituiçã: Ans Âmbit Territrial de Intervençã: Lcal/Reginal (cncelhs de interir n eix entre Cimbra e Viseu) Abrangência Territrial: 1 464,5 km2 N.º de Cncelhs Abrangids: 8 (Carregal d Sal, Mealhada, Mrtágua, Penacva, Santa Cmba Dã, Tábua, Tndela, Vila Nva de Piares) N.º de Freguesias Abrangidas: 90 Abrangência Ppulacinal: habitantes N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: 481 Parque Industrial Manuel Lurenç Ferreira, Lte 12 Apartad 38 / Códig Pstal: MORTÁGUA Pessas de Cntact: Carla Duarte e Patrícia Silva Telefne: / Fax: Web Site: / e MINHA TERRA Federaçã Prtuguesa das Assciações de Desenvlviment Lcal Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Cúpula/Federaçã An de Cnstituiçã: Ans N.º de Assciações Federadas: 48 Âmbit Territrial de Intervençã: Nacinal (Cntinente e Regiões Autónmas) Abrangência Territrial: km2 N.º de Cncelhs Abrangids: 248 N.º de Freguesias Abrangidas: Abrangência Ppulacinal: habitantes N.º de Entidades Ptencialmente Beneficiárias: 478 Rua Bartlmeu Dias, 172 D - 1º Esq. / LISBOA Pessas de Cntact: Esmeralda Srd e Luís Chaves Telefne: / Fax: Web Site: e UTAD Universidade de Trás-s-Mntes e Alt Dur Tip de Entidade Face a 3º Sectr: Estrutura de Ensin Superir, Frmaçã Pós- Graduada e Investigaçã An de Cnstituiçã: Ans Âmbit Territrial de Intervençã: Nacinal Abrangência Ppulacinal: Ppulaçã adulta cm 12 º an Avenida Almeida Lucena, n.º 1 / VILA REAL Pessas de Cntact: Albert Mreira Baptista e Artur Cristóvã Telefne: / Fax: Web Site: / e 12

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Enquadrament 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3. Frmaçā

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2013

PLANO DE ACTIVIDADES 2013 PLANO DE ACTIVIDADES 2013 Índice 1. Missã, Visã e Valres 2. Desafi Estratégic 3. Prjects e Actividades 4. Cnslidaçā Interna 4.1. Aspects Gerais da Organizaçā e Funcinament da AJU 4.2. Recurss Humans 4.3.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010

//FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Contributo de Portugal Janeiro de 2010 //FUTURO DA ESTRATÉGIA DE LISBOA-ESTRATÉGIA UE2020 Cntribut de Prtugal Janeir de 2010 A Estratégia UE 2020 deve desempenhar um papel estruturante na cnslidaçã d prject eurpeu, agregand uma estratégia de

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual d Utilizadr Frmulári de Candidatura às Acções Frmativas - 02 de Outubr de 2008-3ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS...4 2 PRINCIPAIS PRESSUPOSTOS...

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO

CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO CURSO GESTÃO DE PROJECTOS SOCIAIS DE INTERVENÇÃO Intrduçã Os prjects sciais nascem d desej de transfrmar uma determinada realidade. O prject deve sempre cnter um cnjunt de acções planeadas e articuladas,

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA

FÓRUM ECONÓMICO PORTUGAL - CHINA PORTUGAL - CHINA 一 届 中 国 葡 萄 牙 商 务 论 坛 UMA PARCERIA PARA O FUTURO 锻 造 未 来 合 作 CONFERÊNCIAS DE NEGÓCIOS FEIRA DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO III GALA : PRÉMIOS DE MÉRITO EMPRESARIAL 商 务 会 议 投 资 与 贸 易 会 务 三

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Primeira Intervenção (Oradores)

Primeira Intervenção (Oradores) Oeiras, Ambiente e Mei Urban - Relatóri da Sessã Cm bjectiv de trnar prcess de revisã d PDM Oeiras numa prtunidade de definir um cnjunt de estratégias e linhas de acçã sólidas e eficazes na cncretizaçã,

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13

Introdução... 03 1. Objetivos Estratégicos... 06 2. Projetos de Desenvolvimento... 06 3. Orçamento... 13 Plan de Atividades 2014 1 Intrduçã... 03 1. Objetivs Estratégics... 06 2. Prjets de senvlviment... 06 3. Orçament... 13 2 Intrduçã O an de 2014 reserva para a ADRAVE um nv mment de psicinament estratégic

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

Situação Atual da EFTP no Afeganistão

Situação Atual da EFTP no Afeganistão Data: 8 de mai de 2015 Situaçã Atual da EFTP n Afeganistã Dr. Enayatullah Mayel Diretr Executiv d Prgrama Prgrama Nacinal de Desenvlviment de Cmpetências Ministéri d Trabalh, Assunts Sciais, Mártires e

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

Global Knowledge Portugal

Global Knowledge Portugal Glbal Knwledge Prtugal Quem é a Glbal Knwledge? A Glbal Knwledge é a empresa líder a nível mundial em frmaçã IT & Business Skills Adaptam-ns às necessidades ds nsss clientes ministrams curriculum cmplet

Leia mais

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GUIA DO CURSO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Curs em regime de e-learning Curs de Frmaçã em Direit e Práticas Labrais 2 A dinâmica da gestã ds recurss humans deve acmpanhar a dinâmica das próprias rganizações.

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL

CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL CURSO DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO CURSO COMPLETO SOBRE O NOVO SISTEMA TESOURO GERENCIAL Carga Hrária: 16 hras/atividade Hrári: 8h30 às 18h (cm interval para almç) Brasília, 26 e 27 de nvembr de 2015

Leia mais

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique

III Jornadas de Cooperação no Sector de Saúde em Moçambique. Planificação no Sector da Saude em Moçambique III Jrnadas de Cperaçã n Sectr de Saúde em Mçambique Planificaçã n Sectr da Saude em Mçambique Maput, Març de 2013 INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO # Jrnadas de Cperaçã d Sectr da Saúde cnstituem um event anual:

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Prefeitura Municipal

Prefeitura Municipal Prefeitura Municipal Publicad autmaticamente n Diári de / / Divisã de Prtcl Legislativ Dê-se encaminhament regimental. Sala das Sessões, / / Presidente Curitiba, 22 de julh de 2015. MENSAGEM Nº 049 Excelentíssim

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por:

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por: EWSLETTER.º 3 CTAS E RESLTADS - IDICE 1. Editrial 2. Resum das brigações fiscais 3. 3.1 Prgrama Estágis Prfissinais ível 5 3.2 Estágis Prfissinais Frmações Qualificantes de íveis 3 e 4 3.3 Inv vem 4. vidades

Leia mais