Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde"

Transcrição

1 Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/ Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572 Higiene, segurança e saúde n trabalh n setr da saúde Definições assciadas à segurança, higiene e saúde n trabalh Cnceits de trabalh, de saúde, de perig, de risc, de acidente, incidente, dença prfissinal, dença relacinada cm trabalh, cndições de trabalh, prevençã, prteçã, avaliaçã de riscs, cntrl de riscs Legislaçã de enquadrament da matéria n setr da saúde Riscs prfissinais: Cnceits e terminlgia Princípis gerais de prevençã Tiplgia de riscs prfissinais Lcais e psts de trabalh Equipaments de trabalh Cntact cm prduts químics e tóxics Transprte de cargas Cntact cm fntes elétricas Incêndi, inundaçã e explsã Cntact cm radiações Medidas de prevençã, prteçã e tips de atuaçã n âmbit SHST Sinalizaçã de segurança n lcal de trabalh 19/09/14 e 24/09/14 26/09/14 a 06/02/15 Cnhecer cnteúds, material e nrmas de funcinament da disciplina Fazer diagnóstic de aprendizagens prévias e identificar ptenciais dificuldades Identificar s cnceits básics de segurança, higiene e saúde n trabalh. Identificar a legislaçã de enquadrament n âmbit da segurança, higiene e saúde n trabalh e sua aplicaçã n setr da saúde. Identificar s fatres de risc prfissinal e princípis gerais de prevençã assciads a serviç e funçã desempenhada. Identificar cnceit de ergnmia. Identificar s fatres inibidres de bem-estar assciads a ambiente de trabalh. Identificar s requisits mínims de segurança e saúde a seguir na mvimentaçã de cargas. Identificar as principais denças prfissinais: tiplgia e causas. Explicar que as tarefas que se integram n âmbit de intervençã d Técnic/a Auxiliar de Saúde terã de ser sempre executadas cm rientaçã e

2 Equipaments de prteçã individual e cletiva Rtulagem e armazenagem de substâncias perigsas. Plan de emergência Situações de catástrfe (ex: incêndis, inundações, tremres de terra ) Plan de evacuaçã Ergnmia Cnceit e bjetivs Requisits mínims de segurança e saúde na mvimentaçã manual de cargas Fatres ambientais inibidres d bem-estar n trabalh Ruíd Vibrações Ambiente térmic Qualidade d ar Sistema de iluminaçã supervisã de um Prfissinal de saúde. Identificar as tarefas que têm de ser executadas sb supervisã direta d prfissinal de saúde e aquelas que pdem ser executadas szinh. Aplicar as medidas de prevençã, prteçã e tips de atuaçã n âmbit da higiene e segurança n trabalh. Aplicar nrmas e prcediments a adtar perante uma situaçã de emergência n trabalh. Explicar a imprtância de se atualizar e adaptar a nvs prduts, materiais, equipaments e tecnlgias n âmbit das suas atividades. Explicar a imprtância de manter autcntrl em situações críticas e de limite. Principais denças prfissinais Definiçã legal e sua classificaçã Causas ds acidentes e das denças prfissinais Estatísticas e impacts sciecnómics Explicar impacte das suas ações na interaçã e bem-estar de terceirs. Explicar a imprtância da sua atividade para trabalh de equipa multidisciplinar. Tarefas que em relaçã a esta temática se encntram n âmbit de intervençã d Técnic Auxiliar de Saúde Tarefas que, sb rientaçã de um prfissinal de saúde, tem de executar sb sua supervisã direta Tarefas que, sb rientaçã e supervisã de um prfissinal de saúde, pde executar szinh Explicar a imprtância de cumprir as nrmas de segurança, higiene e saúde n trabalh. Explicar a imprtância de agir de acrd cm nrmas e/u prcediments definids n âmbit das suas atividades. Explicar a imprtância de prever e antecipar riscs; Explicar a imprtância de demnstrar segurança durante a execuçã das suas tarefas. Explicar a imprtância da cncentraçã na

3 execuçã das suas tarefas Prevençã e cntrl da infeçã: princípis básics a cnsiderar na prestaçã de cuidads de saúde Nções básicas de Micrbilgia Intrduçã à micrbilgia Mrflgia e estrutura de micr-rganisms Vírus Bactérias Fungs Parasitas Nutriçã de micrrganisms Meis de cultura de micrrganisms Cresciment micrbian Açã de agentes físics e químics Epidemilgia da infeçã - cadeia epidemilógica Micrrganisms e patgenicidade Reservatóris u fntes ds micrrganisms Prtas de entrada e de saída ds micrrganisms Vias de transmissã Hspedeir e sua suscetibilidade Resistências antimicrbianas Princípis da prevençã e cntrl da infeçã, medidas e recmendações Os cnceits de dença, infeçã e dença infecisa Prgrama Nacinal de Prevençã e Cntrl da Infeçã assciada as cuidads de saúde O papel das cmissões de cntrl de infeçã nas unidades de saúde Enquadrament legal d cntrl da infeçã Cnceits básics assciads à infeçã 11/02/15 a 03/07/15 Explicar a imprtância de desenvlver uma capacidade de alerta que permita sinalizar situações u cntexts que exijam intervençã. Identificar nções básicas de micrbilgia. Identificar s cnceits e princípis assciads à epidemilgia da infeçã e cadeia epidemilógica. Identificar papel das entidades e ds prfissinais intervenientes na prevençã e cntrl da infeçã: rientações, medidas e recmendações. Identificar enquadrament legal assciad a cntrl da infeçã. Identificar s cnceits de dença, infeçã e dença infecisa. Identificar situações de risc ptenciadras da infeçã assciadas as diferentes cntexts de prestaçã de cuidads. Identificar a tiplgia e utilizaçã/funcinalidade ds diferentes equipaments de prteçã individual. Identificar as precauções básicas a ter cm a limpeza d fardament, a vacinaçã e cuidads de higiene pessal. Explicar que prfissinal de saúde pde ser um ptencial hspedeir e/u vetr de infeçã. Identificar as precauções básicas a ter n transprte de utentes

4 Adquirida na cmunidade Nscmial Infeçã Cruzada Expsiçã a risc bilógic Cnceit de agente bilógic Prevençã na expsiçã a risc bilógic Tuberculse Hepatite A, B e C HIV Identificar as precauções básicas a ter n transprte de amstras bilógicas. Identificar as precauções básicas a ter ns cuidads a crp e transprte pst-mrtem. Aplicar as técnicas de higienizaçã das mãs, n âmbit das tarefas assciadas à prestaçã de cuidads direts, de acrd cm rientações, medidas e recmendações da OMS e Prgramas Nacinais. Ptenciais alvs da infeçã O Técnic Auxiliar de Saúde cm ptencial hspedeir e/u vetr de infeçã Situações de risc ptenciadras da infeçã Os Cntexts de prestaçã de cuidads (institucinalizaçã/cmunidade) e especificidades na área da prevençã e cntrl da infeçã de frma a prevenir a transmissã da infeçã (disseminaçã aérea, pr gtícula e pr cntact; precauções cm equipament, transprte e aljament d utente) A prevençã das infeções assciadas às unidades/ serviçs específics e recmendações assciadas O islament Unidades de utentes imundeprimids Pediatria Unidades de cuidads intensivs peratóris Salas de part Labratóris Cnsultas Outras A prevençã das infeções assciadas à prestaçã de cuidads específics e recmendações assciadas O utente submetid a intervençã Utilizar e descartar crretamente equipament de prteçã individual adequad, n âmbit das tarefas assciadas à prestaçã de cuidads direts, de acrd cm rientações, medidas e recmendações da OMS e Prgramas Nacinais. Explicar a imprtância de se atualizar e adaptar a nvs prduts, materiais, equipaments e tecnlgias n âmbit das suas atividades. Explicar a imprtância de manter autcntrl em situações críticas e de limite. Explicar dever de agir em funçã das rientações d prfissinal de saúde. Explicar impacte das suas ações n bem-estar de terceirs. Explicar a imprtância da sua atividade para trabalh de equipa multidisciplinar. Explicar a imprtância de cumprir as nrmas de segurança, higiene e saúde n trabalh. Explicar a imprtância de agir de acrd cm

5 invasiva O transprte de utentes O transprte de amstras bilógicas Os cuidads a crp e transprte pstmrtem Precauções básicas e equipament de prteçã individual Equipament de prteçã individual (qual, quand e cm usar) Higiene das mãs (cnceit, técnicas, prcediments) Us adequad e segur das barreiras prtetras Cuidads de higiene pessal Vacinaçã Fardament nrmas e/u prcediments definids n âmbit das suas atividades. Explicar a imprtância de prever e antecipar riscs. Explicar a imprtância de demnstrar segurança durante a execuçã das suas tarefas. Explicar a imprtância da cncentraçã na execuçã das suas tarefas. Explicar a imprtância de desenvlver uma capacidade de alerta que permita sinalizar situações u cntexts que exijam intervençã. Tarefas que em relaçã a esta temática se encntram n âmbit de intervençã d Técnic Auxiliar de Saúde Tarefas que, sb rientaçã de um prfissinal de saúde, tem de executar sb sua supervisã direta Tarefas que, sb rientaçã e supervisã de um prfissinal de saúde, pde executar szinh Nta: O númer ttal de hras e de blcs referid inclui pel mens três hras, u seja, dis blcs de nventa minuts pr módul para a realizaçã de avaliaçã sumativa Higiene, segurança e saúde n trabalh n setr da saúde Ttal de hras: 72 aulas x 45 = 3240 minuts = 54 hras 6562 Prevençã e cntrl da infeçã: princípis básics a cnsiderar na prestaçã de cuidads de saúde Ttal de hras n 1º an: 108 hras Ttal de hras: 72 aulas x 45 = 3240 minuts = 54 hras

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Planificação Disciplina de Saúde 3.º ano Módulos 7, 8, 9 (98 horas 118 tempos de 50 minutos) 2016/2017 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de Saúde 3.º ano Módulos 7, 8, 9 (98 horas 118 tempos de 50 minutos) 2016/2017 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde DGEstE Direçã-Geral ds Estabeleciments Esclares Direçã de Serviçs Regiã Centr Agrupament de Esclas Figueira Mar Códig 161366 Cntribuinte n.º 600 074 978 Objetivs gerais: Planificaçã Disciplina de Saúde

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS NEVES JÚNIOR Prgrama de Higiene, Saúde e Segurança n Trabalh Curss de Educaçã e Frmaçã MÓDULO 3 Intrduçã à Higiene, Segurança e Saúde n Trabalh II 1 Apresentaçã Tend já

Leia mais

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016

GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 GRADE CURSO CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE PINTURA DE CAVALETE 2016 Módul l CIENCIAS EMPRESARIAIS ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO PESSOAL - DOCUMENTAÇÃO 05 de Març Sábad Das 9 às 17h Apresentaçã d curs Sbre lcal de

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO

INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO Universidade de Caxias d Sul Cmitê de Prevençã da Gripe INFLUENZA A H1N1 PREVENÇÃO E PRECAUÇÃO Orientações para aluns, prfessres e funcináris. Caxias d Sul, 14 de agst de 2009. INFLUENZA A H1N1 - PREVENÇÃO

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Proposta de texto NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

Proposta de texto NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prpsta de text NR 01 PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SUMÁRIO 1. OBJETIVO E APLICAÇÃO... 3 2. DEFINIÇÕES BÁSICAS... 4 3. PREVENÇÃO EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO... 5 3.8. ORGANIZAÇÃO PARA

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso

CURSO DE INICIAÇÃO. Programa do Curso CURSO DE INICIAÇÃO Duraçã: 16 hras - 2 Dias Frmadr: Belinda Lureir u Sandra Gril u Daniel Seelw Prgrama d Curs - Filsfia e Cultura RE/MAX - Métds e Técnicas de Angariaçã - Métds e Técnicas de Psicinament

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS

E.B. 2,3 VISCONDE DE CHANCELEIROS DISCIPLINA: Educaçã Musical ANO LETIVO: 2015/2016 Critéris de Avaliaçã Avaliar nã é apenas examinar e classificar. A avaliaçã cnstitui um prcess reguladr das aprendizagens, rientadr d percurs esclar e

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Sustentabilidade para Cmbustíveis: Tips de cmbustíveis: Para ônibus deverá ser utilizad diesel cm 20% de bidiesel (B20), de rigem vegetal; Para geradres deverá ser utilizad diesel cm 20%

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Componente de Formação Sócio-cultural

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Componente de Formação Sócio-cultural CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PROGRAMA Cmpnente de Frmaçã Sóci-cultural Higiene, Saúde e Segurança n Trabalh Direcçã-Geral de Frmaçã Vcacinal 2005 Parte I Orgânica Geral Índice: Página 1. Caracterizaçã

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m

AUTOR NICOLAU BELLO 1. N I c o b e l o @ h o t m a I l. C o m AUTOR NICOLAU BELLO 1 N I c b e l @ h t m a I l. C m PROPÓSITO DAS INVESTIGAÇÕES Ter relatóris ds acidentes Respstas imediatas inicial Reunir às evidências Análises de suas causas. Ações crretivas. Relatóris

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

5 o Encontro da Escola de

5 o Encontro da Escola de 5 Encntr da Escla de SAÚDE E ALIMENTAÇÃO: UMA VISÃO INTERPROFISSIONAL PROGRAMAÇÃO 13 DE MAIO DE 2014 PALESTRAS E MESAS REDONDAS PARTICIPE E ACOMPANHE Infrmações e inscrições: www.anhembi.br 5 Encntr da

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLÉSTER VF BRANCO 028/04 Data da última revisã: 20.02.2008 Códig Nº: PA32.096 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLASTA F AZUL TITANIUM MET 214 Data: 10.10.2008 Revisã: 0 Códig Nº: PA 38.214. Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7

Número de cédula profissional (se médico); Nome completo; 20/06/2014 1/7 Mdel de Cmunicaçã Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes d Sistema Nacinal de Vigilância Epidemilógica.

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Esclarecimento sobre Condições de Qualidade do Ar Interior Em Sistemas de AVAC e AQS. Enforce Engenharia da Energia SA

Esclarecimento sobre Condições de Qualidade do Ar Interior Em Sistemas de AVAC e AQS. Enforce Engenharia da Energia SA Enfrce Engenharia da Energia SA PARK DECOR Centr de Invaçã e Negócis Parque Industrial da Cvilhã, lte C6 6200-027 Cvilhã T: +351 275 099 911 F: +351 275 334 090 www.enfrce.pt geral@enfrce.pt Esclareciment

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 410, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 Regulamenta s curss especializads brigatóris destinads a prfissinais em transprte de passageirs (mttaxista) e em entrega de mercadrias (mtfretista) que exerçam

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Infrmática U.C. REDES DE COMPUTADORES Ficha da Unidade Curricular Hras presenciais / An 56 An Lectiv 2010 / 2011 Hras

Leia mais

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação

Competências Clínicas para a Prática de Profissionais com Certificado Internacional de Consultor em Amamentação Cmpetências Clínicas para a Prática de Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã Prfissinais cm Certificad Internacinal de Cnsultr em Amamentaçã (Cnsultres em Amamentaçã) demnstram

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Componente % do peso ACGIH TLV OSHA PEL: DICLOROMETANO 75-09-2. 60-100 50 ppm TWA; 174 mg/m3 TWA

Componente % do peso ACGIH TLV OSHA PEL: DICLOROMETANO 75-09-2. 60-100 50 ppm TWA; 174 mg/m3 TWA 1. Identificaçã da substância u prepar e da empresa Detalhes d Prdut: Nme d Prdut: PX REMOVEDOR DE JUNTAS 12OZ AE Códig d Item: 80646 Tip de prdut: Limpadr Aersl Fabricante / Frnecedr: ANAEROBICOS BRASIL

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Manual de Prevenção de Riscos Profissionais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Manual de Prevenção de Riscos Profissionais Manual de Prevençã de Riscs Prfissinais NORMAS TÉCNICAS Listagem nã exaustiva de Nrmas Técnicas prtuguesas sbre aspects que se relacinam cm a segurança e saúde d trabalh Fernand Cabral SEGURANÇA E SAÚDE

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. Infrmaçã Exame de Equivalência à Frequência Educaçã Visual e Tecnlógica 2º cicl d Ensin Básic 2012 1. Intrduçã O presente dcument visa divulgar as características da prva final d 2.º cicl d ensin básic

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente.

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. NGL-5.3.1-16.28 1 / 15 Sumári 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETIVOS... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 3 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... 3 4.1. Orientaçã... 3 4.2. Prcediments... 4 4.3. Móduls de Treinament... 4 4.3.1.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP)

Termo de Referência para Elaboração do Relatório Ambiental Prévio (RAP) Term de Referência para Elabraçã d Relatóri Ambiental Prévi (RAP) O Relatóri Ambiental Prévi é um estud técnic elabrad pr um prfissinal habilitad u mesm equipe multidisciplinar que ferece elements para

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS AQUISIÇÃO / LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS

CADERNO DE ENCARGOS AQUISIÇÃO / LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS ANEXO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 N âmbit d prjet da Agência para a Sustentabilidade e a Cmpetitividade (RUCI / Prj A3P1), a Câmara Municipal de Águeda encntra-se a prmver a implementaçã de um cnjunt de

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 10ºano Turmas: 10ºI Professora: Susana Borges 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina

Leia mais

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA APRESENTAÇÃO Nssa Empresa denmina-se GTER SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA, cm sede e fr n Municípi d Ri de Janeir RJ, que tem pr finalidade prestar Serviçs de Segurança Cntra Incêndi e Pânic. A segurança

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC. - Anexo 1 - Anexo à oferta de Infraestruturas Aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC - Anex 1 - Anex à ferta de Infraestruturas Aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Características Técnicas das Cndutas e Câmaras de Visita Índice 1. Intrduçã 3 2. Enquadrament Preâmbul

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais