Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas;"

Transcrição

1 URBCOM SISTEMA DE INCENTIVOS A PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem a mdernizaçã de actividades empresariais d cmérci e de alguns serviçs, e a qualificaçã ds espaçs urbans envlventes e a prmçã d respectiv prject glbal, quand integrads em áreas limitadas ds centrs urbans cm características de elevada densidade cmercial, centralidade, multifuncinalidade e desenvlviment ecnómic, patrimnial e scial. Objectivs Mdernizar as unidades empresariais integradas em áreas urbanas delimitadas; Revitalizar espaç públic envlvente; Prmver acções de prmçã e animaçã cmercial. Beneficiáris Micr, pequenas e médias empresas (Recmendaçã da Cmissã 2003/361/CE); Estruturas Assciativas de Cmérci; Câmaras Municipais; Unidade de Acmpanhament e Crdenaçã (Regulament específic na parte final desta Ficha). Sectres de Actividade Cmérci, Turism e Serviçs, nas seguintes CAE: Sectr CAE Elegíveis Cmérci 50 a 52 Turism 5530, 5540 Serviçs 9301, 9302 Cndições de Elegibilidade D Prmtr Empresas Encntrar-se legalmente cnstituídas; Pssuir situaçã cntributiva regularizada perante Estad, a Segurança Scial e as entidades pagadras d incentiv; Dispr de cntabilidade rganizada de acrd cm Plan Oficial de Cntabilidade; 1

2 Cumprir as cndições necessárias a exercíci da actividade, nmeadamente ter a situaçã regularizada em matéria de licenciament e cadastr cmercial e cumprir as nrmas ambientais em vigr; Pssuir capacidade técnica e de gestã adequada à dimensã e cmplexidade d prject; Apresentar uma situaçã ecnómic-financeira equilibrada (Anex II d Regulament); Cmprmeter-se a afectar prject à lcalizaçã gegráfica e à respectiva actividade pr um períd mínim de 5 ans após a ntificaçã da aprvaçã d incentiv; Deter a aprvaçã pelas respectivas Câmaras Municipais de tds s prjects que se mstrem necessáris à execuçã d investiment. Estruturas Assciativas Encntrar-se legalmente cnstituídas; Pssuir situaçã cntributiva regularizada perante Estad, a Segurança Scial e as entidades pagadras d incentiv; Dispr de cntabilidade rganizada de acrd cm Plan Oficial de Cntabilidade; Ter assegurads s necessáris recurss humans e técnics adequads à cncretizaçã d prject; Fazer prva de que pel mens 25% ds empresáris que aderiram a prject Glbal URBCOM já cncretizaram s investiments; Quand existam investiments em frmaçã prfissinal, cumprir as cndições estabelecidas na legislaçã enquadradra ds apis financiads pel FSE. Câmaras Municipais Cumprir s prcediments administrativs relativs a prcess de candidatura (Anex I d Regulament); Garantir financiament d prject através da inscriçã da respectiva cntrapartida municipal; Nã ter iniciad investiment há mais de 6 meses da data da apresentaçã da candidatura; Nã ter investiment cncluíd na data da apresentaçã de candidatura. D Prject Empresas Situar-se na área de intervençã d Prject Glbal URBCOM e integrar-se ns bjectivs definids n Estud Glbal; Nã incluir despesas anterires à data da candidatura (excepções n Regulament); Ter um investiment elegível igual u inferir a ; Nã ultrapassar, em temp de execuçã, praz de 12 meses após a ntificaçã da aprvaçã d incentiv; Demnstrar que se encntram asseguradas as fntes de financiament. 2

3 Estruturas Assciativas Ter viabilidade técnica e crrespnder às necessidades enunciadas n Estud Glbal d prject URBCOM; Estar integrad n plan de actividades plurianual da Estrutura Assciativa e respeitar as regras de nã cumulaçã de incentivs; Nã incluir despesas anterires à data da candidatura, à excepçã das despesas relativas a estuds desde que iniciads há mens de 1 an; Quand existam investiments em frmaçã prfissinal, cumprir as cndições estabelecidas na legislaçã enquadradra ds apis financiads pel FSE. Despesas Elegíveis Empresas Realizaçã de bras na fachada ds estabeleciments e bras de adaptaçã u necessárias à alteraçã d layut e de redimensinament d interir d estabeleciment, incluind as destinadas à melhria das cndições de segurança, higiene e saúde, até a limite de 50% d investiment elegível ttal; Aquisiçã u alteraçã de tlds e reclams luminss; Aquisiçã de equipaments de expsiçã, visand a melhria da imagem e animaçã ds estabeleciments e a adequada identificaçã, lcalizaçã e apresentaçã de prduts; Aquisiçã de máquinas e equipaments (incluind sftware/hardware), intrduçã de tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã, investiments em serviçs pós-venda e utrs que se mstrem essenciais a exercíci da actividade; Despesas cm acções de marketing n pnt de venda, incluind vitrinism; Elabraçã d prcess de candidatura, de estuds, diagnóstics e prjects de arquitectura, engenharia e design, até a limite de 6% d investiment elegível ttal cm um máxim de 6.000; Aquisiçã de marcas, patentes e alvarás; Intervençã de técnics ficiais de cntas u revisres ficiais de cntas até a limite de 1.250; IVA pderá ser cnsiderad elegível sempre que prmtr nã seja sujeit passiv desse impst u nã pssa exercer direit à deduçã d mesm. Estruturas Assciativas Custs d estud glbal; Custs de acções de prmçã e animaçã cmercial: Sacs, autclantes e brindes; Flhets e u suprtes de apresentaçã e divulgaçã d plan glbal de cmunicaçã e u prmçã cmercial; Publicidade em jrnais, revistas, rádi, utdrs, muppies, mailings, flhets e brchuras; 3

4 Prduçã de rteirs e pequens flhets u catálgs; Despesas cm aluguer de equipament em épcas festivas e aluguer de cmbi turístic; Cntrataçã de animadres; Cntrataçã de vitrinistas para api as empresáris; Organizaçã e realizaçã de events, nmeadamente: Desfiles de mda que envlvam uma participaçã directa ds empresáris da zna de intervençã; Cncurss/feiras gastrnómicas, desde que se realizem n âmbit espacial da zna de intervençã; Outras acções de dinamizaçã cmercial integradas em festas, feiras, festivais, expsições temáticas, desde que crram em paralel e que cntribuam para a dinamizaçã d cmérci; Realizaçã de cncurss; Cncepçã e divulgaçã de imagem, criaçã de lgótip, mascte; Cncepçã e u rganizaçã, gestã e acmpanhament das iniciativas incluídas n prject; Intervençã de técnics ficiais de cntas u revisres ficiais de cntas; Custs cm a frmaçã prfissinal a favr ds recurss humans das empresas inseridas na área de intervençã. Câmaras Municipais Pavimentaçã, cm exclusã das infra-estruturas respectivas, salv n que cncerne à rede de águas pluviais n máxim de elegibilidade de 10% d ttal da bra a que se refere; Cbert vegetal, incluind rede de rega n máxim de elegibilidade de 10% d ttal da bra a que se refere; Espelhs de água, cm elegibilidade das respectivas infra-estruturas até 10% d ttal da bra de cnstruçã civil a que se refere; Mbiliári urban e equipament de api; Sinalética; Iluminaçã, incluind iluminaçã cénica, cm exclusã das respectivas infraestruturas, salv n que cncerne às caixas de derivaçã; Pavimentaçã de áreas de estacinament à superfície cm exclusã das respectivas infra-estruturas; Investiments incrpóres relativs as prjects de execuçã ds prjects crpóres. Despesas Nã Elegíveis 4

5 Empresas Cnstruçã u aquisiçã de instalações; Terrens; Trespasses e direits de utilizaçã de espaçs; Equipaments e utrs bens em estad de us; Veículs autmóveis, rebques e semi-rebques; Mbiliári e utrs equipaments nã directamente ligads a exercíci da actividade; Custs interns da empresa; Fund de manei. Estruturas Assciativas Custs de acções de prmçã e animaçã cmercial: Estuds de mercad; Despesas cm júris de cncurss; Prémis de cncurss; Fg de artifíci; Espectáculs de laser; Espectáculs de palc/cntrataçã de artistas de palc; Reprtagens víde u ftgráficas para cmprvaçã da realizaçã ds events; Despesas cm iluminaçã festiva; Aquisiçã de bens em estad de us; Aquisiçã de equipaments, salv quand se demnstre, de frma inequívca, que nível de utilizaçã destes equipaments garante a rentabilidade desta pçã face a aluguer; Despesas cm aljament; Despesas cm deslcações e alimentaçã, pdend vir a ser cnsiderada, excepcinalmente, esta tiplgia de despesa em situações de cntrataçã de entidades sem fins lucrativs, desde que as mesmas nã usufruam de uma cntrapartida mnetária. Incentiv Incentiv nã reemblsável. Empresas A taxa de incentiv é fixada de acrd cm a Qualidade d Prject (QP): Taxa de incentiv de 45% - para prjects pntuads cm QP frte; 5

6 Taxa de incentiv de 35% - para prjects pntuads cm QP médi. O indicadr Qualidade d prject (QP) é avaliad em funçã de dis critéris (A Atractividade d estabeleciment e B Reestruturaçã funcinal da empresa) aferids ns terms d Anex IV d Regulament. O incentiv a cnceder, pr empresa beneficiária, nã pde exceder durante s três ans seguintes, cntads a partir da data da aprvaçã d primeir incentiv. Este valr inclui s incentivs cncedids n âmbit de utrs sistemas de incentiv, a abrig ds auxílis de de minimis. Estruturas Assciativas Estud glbal: taxa de incentiv de 75%, até a limite de ; Prject prmcinal: taxa de incentiv de 75%, até a limite de Neste cas, mntante d investiment elegível tem cm limite 7,5% d mntante d investiment elegível ttal ds prjects empresariais da respectiva área de intervençã, pdend este limite ser reduzid em 30% se a taxa de adesã das empresas fr inferir a 50%. Câmaras Municipais Investiment incrpóre: taxa de incentiv de 75% d investiment elegível de natureza incrpórea, nã pdend exceder 35% d investiment elegível ttal (crpóre e incrpóre); Investiment crpóre: taxa de incentiv de 50% d investiment elegível de natureza crpórea. O investiment elegível da envlvente cmercial tem cm limite 20% d mntante d investiment elegível ttal ds prjects empresariais da respectiva área de intervençã, pdend este limite ser reduzid em 30% se a taxa de adesã das empresas fr inferir a 50%; Apresentaçã de Candidaturas As candidaturas devem ser enviadas pela Internet, através d frmulári electrónic dispnível n site d PRIME, u apresentadas ns psts de atendiment d Ministéri da Ecnmia e da Invaçã. Os prmtres devem apresentar as candidaturas individuais n períd estabelecid nas Nrmas Específicas d respectiv prject glbal. Organisms Respnsáveis Organism Crdenadr IAPMEI Institut de Api às Pequenas e Médias Empresas Organism Especializad DGE Direcçã Geral da Empresa (para s prjects das Estruturas Assciativas e das Câmaras Municipais) Âmbit Gegráfic Cntinente e Regiões Autónmas. 6

7 Regulament Específic de Api à Cnstituiçã e Dinamizaçã de Unidades de Acmpanhament e Crdenaçã (UAC) Define a frma de cnstituiçã da Unidade de Acmpanhament e Crdenaçã (UAC) de prjects URBCOM, bem cm seu acess a api n âmbit desta Medida. Beneficiáris Unidades de Acmpanhament e Crdenaçã (UAC) de prjects URBCOM (devem revestir a frma jurídica de uma assciaçã privada sem fins lucrativs, que deverá ter, brigatriamente, a participaçã da Estrutura Assciativa e da Câmara Municipal, dada a sua qualidade de prmtres glbais). Cndições de Elegibilidade D Prmtr Encntrar-se legalmente cnstituíd; Pssuir uma estrutura rganizacinal e de recurss humans qualificads adequada às actividades a desenvlver, da qual cnste brigatriamente um gestr d centr urban; Ter a situaçã regularizada face à administraçã fiscal, à segurança scial e às entidades pagadras d api; Dispr de cntabilidade rganizada, ns terms legais aplicáveis; Pssuir s meis financeirs adequads a financiament da sua actividade e implementaçã d prject; Dispr de instalações adequadas, preferencialmente na área de intervençã, cm frma de melhr peracinalizar a sua actuaçã; Cumprir, quand existam investiments em frmaçã prfissinal, tdas as cndições de acess das entidades previstas na regulamentaçã enquadradra d FSE. D Prject Enquadrar-se numa estratégia de intervençã específica; Apresentar um plan de acçã, assim cm respectiv rçament e plan de financiament; Garantir a adequaçã d prject, incluind a cmpnente de frmaçã prfissinal, à estratégia de intervençã específica e a plan de acçã; Garantir a afectaçã de recurss humans qualificads adequads a prject, incluind gestr d centr urban; Nã incluir despesas anterires à data da candidatura, à excepçã das despesas relativas à elabraçã da estratégia de intervençã específica desde que iniciadas há mens de um an 7

8 pdend ser apresentadas pela Estrutura Assciativa u Câmara Municipal, n cas da UAC nã se encntrar legalmente cnstituída; Nã ultrapassar, em temp de execuçã, praz de 2 ans após a ntificaçã da aprvaçã d incentiv; Demnstrar, através d plan de financiament devidamente justificad que se encntram asseguradas as fntes de financiament d prject; Cncluir prject anterirmente aprvad n âmbit d presente regime. Despesas Elegíveis Assistência técnica externa relativa à elabraçã da estratégia de intervençã específica, até a limite de 6.500; Retribuiçã mensal, u pr utrs períds certs e iguais, acrescida de subsídis de férias e de Natal inerentes a cntrat de trabalh a celebrar cm s recurss humans, a afectar directamente a prject, limitad pr UAC a máxim de: 1 Gestr d Centr Urban seis saláris mínims nacinais/mês (Gestr Sénir Gestr cm curs de frmaçã de gestr de centr urban aceite pela DGE) u cinc saláris mínims nacinais/mês (Gestr Júnir Gestr cm participaçã em acçã de sensibilizaçã na área de gestã de centr urban); 1 Quadr Técnic quatr saláris mínims nacinais/mês; 1 Assistente Administrativ - dis saláris mínims nacinais/mês; Custs cm a inscriçã em acções de frmaçã prfissinal a frequentar pel gestr d centr urban e quadr técnic, ns terms da regulamentaçã enquadradra d FSE; Aquisiçã de equipament infrmátic (hardware/sftware) e de cmunicaçã, indispensáveis a desenvlviment da actividade, de acrd cm a estratégia de intervençã específica e plan de acçã, até a limite de 6.000; Cntrataçã de serviçs, nmeadamente na área de higiene, segurança e api a cnsumidr e utras despesas cm acções que prmvam e garantam a individualizaçã e atractividade da área de intervençã, excluind-se as despesas previstas na alínea b), d artig 21.º, da Prtaria n.º 188/2004, de 26 de Fevereir, tend em cnta a dimensã da área de intervençã, até a limite de ; Custs de acções de prmçã e animaçã cmercial da zna de intervençã, para prjects glbais, cujas acções se encntrem cncluídas à data de entrada em vigr da Prtaria n.º 188/2004, de 26 de Fevereir u que, decrrid praz de candidatura, nã tenham sid apresentadas pela Estrutura Assciativa, tend em cnta a dimensã da área de intervençã, até a limite de Despesas Nã Elegíveis Aquisiçã u aluguer de instalações; Realizaçã de bras; Aquisiçã de mbiliári; Veículs autmóveis e utr material de transprte; 8

9 Aquisiçã de equipaments e utrs bens em estad de us. Critéris de Selecçã Os prjects sã hierarquizads e pntuads em funçã de um cnjunt de critéris, sendlhes atribuída uma pntuaçã final - Valia Ecnómica (VE) - calculada de acrd cm a seguinte fórmula: em que: VE = 0,50C1 + 0,25C2 + 0,25C3, C1 Avaliaçã d perfil d gestr d centr urban; C2 Avaliaçã da qualidade da estratégia de intervençã específica; C3 Adequaçã d prject à estratégia de intervençã específica. A pntuaçã as critéris C1, C2 e C3 será atribuída ns seguintes terms: Frac 0 pnts; Médi 40 pnts; Frte 70 pnts; Muit Frte 100 pnts. Nã sã elegíveis s prjects que btenham uma valia ecnómica inferir u igual a 50 pnts. Incentiv Natureza e Taxas Incentiv nã reemblsável. Limites Taxa de incentiv de 50% das despesas elegíveis cm aquisiçã de equipament infrmátic (hardware/sftware) e de cmunicaçã, indispensáveis a desenvlviment da actividade (de acrd cm a estratégia de intervençã específica e plan de acçã); Taxa de incentiv de 75% para as restantes despesas elegíveis. O incentiv a cnceder relativ à cntrataçã de recurss humans é aplicad durante 24 meses as custs cm retribuiçã mensal. Apresentaçã de Candidaturas As candidaturas sã apresentadas junt d IAPMEI, acmpanhadas de tds s elements cmprvativs d cumpriment das cndições de elegibilidade. 9

10 A apresentaçã de candidaturas é efectuada pr fases, cujs períds e dtaçã rçamental sã definids pr despach d Ministéri da Ecnmia e da Invaçã, pdend ainda vir a ser definidas utras especificidades. Encntra-se aberta a 1.ª Fase de Candidaturas para as UAC: Fase de Candidatura - UAC CD NOVO PRIME Ediçã e Prpriedade Gabinete de Gestã d PRIME Rua Rdrigues Sampai, LISBOA Tel.: Fax: URL: Ediçã de Fevereir de

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015

Comércio Investe. Período de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Cmérci Investe Períd de Candidaturas de 13/02/2015 a 27/03/2015 Investiment mínim de 15.000,00 Incentiv 40% fund perdid (limite máxim 35.000,00 ) Decisã da candidatura: 22 de julh de 2015 Abertas nvas

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade

Formação integrada em Contabilidade, Finanças e Fiscalidade Frmaçã integrada em Cntabilidade, Finanças e Fiscalidade Objetivs Gerais Este Curs pretende dtar e cnslidar ns participantes s cnheciments avançads para desempenh das suas atividades prfissinais ns dmínis

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Fundo Modernização Comércio

Fundo Modernização Comércio 1 Fundo Modernização Comércio IAPMEI Portaria 236/2013 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos a Apoiar 4. Elegibilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas

Acção 3.1.2. Criação e Desenvolvimento de Microempresas A Eurpa investe nas Znas Rurais Acçã 3.1.2. Criaçã e Desenvlviment de Micrempresas Âmbit Criaçã e desenvlviment de micrempresas cuj ram de actividade pderá ser alv de delimitaçã n âmbit ds Plans de Desenvlviment

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO DE RECURSOS (PO SEUR) EIXO PRIORITÁRIO 3 PROTEGER O AMBIENTE E PROMOVER A EFICIÊNCIA DOS RECURSOS

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional

Consultoria de Gestão. Projectos de Investimento. Formação Profissional Consultoria de Gestão Projectos de Investimento Formação Profissional - 2009 - Candidaturas de 22 de Janeiro a 11 de Março O Objectivo Modernizar e revitalizar a actividade comercial, em especial, em centros

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

APEIEMP. Associação para o Pólo de Excelência e Inovação para as Empresas do Mobiliário de Portugal PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO

APEIEMP. Associação para o Pólo de Excelência e Inovação para as Empresas do Mobiliário de Portugal PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO APEIEMP Assciaçã para Pól de Excelência e Invaçã para as Empresas d Mbiliári de Prtugal PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO 2010 ÍNDICE 1. Intrduçã 3 2. Envlvente macrecnómica 4 3. Envlvente sectrial 5 4.

Leia mais

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária

Uma nova proposta para a Agenda Ambiental Portuária Uma nva prpsta para a Agenda Ambiental Prtuária Marcs Maia Prt Gerente de Mei Ambiente O grande desafi a tratar cm as questões ambientais prtuárias é bter um resultad equilibrad que harmnize s cnflits

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 13 CMVC TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2014 ATÉ À DATA : 2014/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES RÇAMENTAIS DTAÇÕES

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI)

Desafios e Oportunidades. Os Planos de Gestão de Riscos de Inundações (PGRI) Desafis e Oprtunidades. Os Plans de Gestã de Riscs de Inundações (PGRI) Cláudia Brandã e Jsé Salvad Divisã d Estad das Dispnibilidades Hídricas 5/02/2015 O QUE SE COMENTA SOBRE AS CHEIAS OU INUNDAÇÕES

Leia mais

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE

Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Apresentação da Medida COMÉRCIO INVESTE Salão Nobre da Câmara Municipal de Arouca 28/10/2013 Agenda 1 - Projeto individual Condições de elegibilidade do promotor e do projeto Despesas elegíveis Incentivos

Leia mais

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015

Resultados Consolidados 1º Semestre de 2015 SAG GEST Sluções Autmóvel Glbais, SGPS, SA Sciedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadra Capital Scial: 169.764.398 Eurs sb númer únic de matrícula e de pessa clectiva 503 219 886 COMUNICADO Resultads

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca

Turismo Sénior. Outono / Inverno 2011-12. Benalmadena Benidorm Maiorca Turism Sénir Outn / Invern 2011-12 Benalmadena Benidrm Mairca Entidades envlvidas Oriznia é descbrir e desfrutar. É fazer cm a cnfiança que smente uma rganizaçã líder n sectr turístic ibéric pde ferecer.

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

Plano de Formação 2012

Plano de Formação 2012 1 INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALGARVE Plan de Frmaçã 2012 Centr de Empreg e Frmaçã Prfissinal de Prtimã 2 APRENDIZAGEM nível IV SAÍDA PROFISSIONAL INICIO FINAL

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização Sistema de Incentivs à Qualificaçã e Internacinalizaçã 1. Enquadrament geral N Sistema de Incentivs à Qualificaçã e Internacinalizaçã existem dis tips de prjets: Qualificaçã das PME. Internacinalizaçã

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Modelos 3D e Vinhetas Animadas

ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Modelos 3D e Vinhetas Animadas ESCOPO DETALHADO - CO 137-012 - Mdels 3D e Vinhetas Animadas Cntrataçã de prdutra para desenvlviment ds mdels 3D das marcas e das vinhetas de animaçã 3D O Cmitê Ri 2016 pretende cm este prcess seletiv

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AC Nº 07/2015 Atualiza a Lista de Prduts, Linhas e Prgramas Passíveis de Outrga de Garantia pel Fund Garantidr para Investiments FGI.

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa

Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Fundo de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho de Serpa Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se colocar à disposição das

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Comércio Investe. Projetos Individuais

Comércio Investe. Projetos Individuais Comércio Investe Projetos Individuais Portal dos Incentivos Fev 2015 Índice 1 Apresentação do Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Entidades Beneficiárias... 2 1.3 Condições de Elegibilidade do Promotor...

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais

Governação Corporativa e Mercado de Capitais Gvernaçã Crprativa e Mercad de Capitais A Realidade Anglana Luanda, 4 de Dezembr de 2014 Cnferência da ABANC Assciaçã Anglana de Bancs Gvernaçã Crprativa A Realidade Anglana A Gvernaçã Crprativa diz respeit

Leia mais

Designação do projeto Órgão de Acompanhamento das Dinâmicas Regionais de Lisboa (OADRL)

Designação do projeto Órgão de Acompanhamento das Dinâmicas Regionais de Lisboa (OADRL) Designaçã d prjet Órgã de Acmpanhament das Dinâmicas Reginais de Lisba (OADRL) - 2016 Códig d prjet LISBOA-09-6177-FEDER-000003 Objetiv principal Criar as cndições e reunir s meis necessáris para exercíci

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.3

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.3 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit PME Cresciment 2015 ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME Cresciment 2015, detalhadas em prmenr n Anex III) A

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA

MODIFICAÇÕES AO ORÇAMENTO DA DESPESA ENTIDADE MDIFICAÇÕES A RÇAMENT DA Pagina: 1 TTAL DE ALTERAÇÕES : 22 MUNICÍPI DE VENDAS NVAS TTAL DE REVISÕES : 2 D AN CNTABILISTIC DE 2015 Período: 2015/01/02 a 2015/12/31 IDENTIFICAÇÃ DAS RUBRICAS MDIFICAÇÕES

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.2

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2015 - Documento de divulgação - V.2 Síntese ds terms e cndições da Linha de Crédit PME Cresciment 2015 ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME Cresciment 2015, detalhadas em prmenr n Anex III) A

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

URBCOM PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL

URBCOM PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL URBCOM PROJECTOS DE URBANISMO COMERCIAL DOCUMENTO DE DIVULGAÇÃO DOS PROJECTOS APROVADOS E HOMOLOGADOS EM 2007 TRABALHO ELABORADO POR SANDRA COSTA SANTOS Novembro de 2009 PROGRAMA DE INCENTIVOS À MODERNIZAÇÃO

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.1 AGRICULTURA BIOLÓGICA Enquadrament Regulamentar Artig 29º - Agricultura bilógica d Regulament

Leia mais

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007

RESULTADOS SONAE SIERRA DE 2007 COMUNICADO SONAE - SGPS, S. A. Sede: Lugar d Espid, Via Nrte, Maia Capital scial: 2.000.000.000,00 Matriculada na Cnservatória d Regist Cmercial da Maia sb númer únic de matrícula e identificaçã fiscal

Leia mais

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por:

J U N H O NEWSLETTER N.º 3 INDICE. Criado por: EWSLETTER.º 3 CTAS E RESLTADS - IDICE 1. Editrial 2. Resum das brigações fiscais 3. 3.1 Prgrama Estágis Prfissinais ível 5 3.2 Estágis Prfissinais Frmações Qualificantes de íveis 3 e 4 3.3 Inv vem 4. vidades

Leia mais

Linha para Apoio à Revitalização Empresarial - Documento de divulgação - V.1

Linha para Apoio à Revitalização Empresarial - Documento de divulgação - V.1 Síntese ds terms e cndições da Linha de de Api à Revitalizaçã Empresarial ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Api à Revitalizaçã Empresarial, detalhadas em prmenr n

Leia mais

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (Empreendedorismo Qualificado) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda.

RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO. BRACING PT2020 (Empreendedorismo Qualificado) Página 1 de 8. Bracing Consulting, Lda. RECURSOS FINANCEIROS EXTRA PARA O CRESCIMENTO DO SEU NEGÓCIO BRACING PT2020 (Empreendedrism Qualificad) Página 1 de 8 Bracing Cnsulting, Lda. Rua d Tâmega, S/N. 4200 502 Prt Prtugal +351 917 000 020 inf@bracing

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais