Motivação Área plantada Produção Produtividade Exportações líquidas Consumo doméstico (total e per capita) Estoques

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motivação Área plantada Produção Produtividade Exportações líquidas Consumo doméstico (total e per capita) Estoques"

Transcrição

1 Novembro 2014

2 Motivação Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura da produção agropecuária. A visão de longo prazo contempla: Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Produção Exportações líquidas Estoques Apresentar, de forma aberta e gratuita, um número privado alternativo ao divulgado pelo Governo Federal, servindo como balizador do mesmo, como ocorre nos EUA.

3 Motivação A partir das projeções, apresentar os seus impactos: Na dinâmica do uso da terra no Brasil e; Na demanda por fertilizantes (agregada, regional e por cultura), destacando a participação do produto importado no mercado nacional, a partir dos novos projetos de investimento.

4 Metodologia A Fiesp contou com a parceria da MB Agro, através do modelo por ela desenvolvido ao longo de dez anos, que de forma geral: Estabelece um balanço de oferta e demanda mundial de alimentos, fibra e energia Calcula as demandas de cada país a partir das expectativas de aumento da população (ONU) e da renda per capita (FMI), combinados às elasticidades-renda dos alimentos Projeta a produção dos alimentos com base na tendência da produtividade e da área disponível em cada um dos principais produtores, sendo o Brasil a variável-chave para fechar o balanço Analisa 20 Produtos: arroz, feijão, milho, soja (grão, farelo e óleo), algodão, trigo, café, floresta plantada para celulose, cana-de-açúcar (açúcar e etanol), carnes (bovina, suína e frango), lácteos, ovos e laranja (suco de laranja). As projeções adotam pressupostos que podem ser modificados ao longo do período considerado: eventos climáticos mais severos, abertura de mercados, modificação de status sanitário e redução ou aumento do protecionismo internacional, são apenas algumas das variáveis que podem afetar as expectativas para determinado produto. Ex: lácteos

5 Momento atual: Virada de Ciclo Econômico, Agrícola e Dúvidas... Novembro 2014

6 Sob o Ponto de Vista Macro Novembro 2014

7 EUA: Ascenção Consolida as expectativas de retomada do crescimento PIB anualizado de 3,5% no 3º tri de 2014 Expectativa PIB 2015: 3% Mercado de trabalho volta à níveis históricos cerca de 5% de desemprego Reassume o protagonismo econômico global Consequências: Continuidade da redução dos estímulos à economia pelo Banco Central (Fed) Juros tendem a subir em 2015 Dólar se fortalece contra as outras moedas

8 EUA: Ascenção Por um lado... Redução do componente especulativo dos futuros agrícolas Por outro... Câmbio mais favorável às exportações

9 Leste Europeu: Conflitos Conflito Rússia/Ucrânia e rotina de embargos comerciais Mudança na dinâmica do comércio mundial de carnes Rússia: maior importadora mundial (individual) Por um lado... Insegurança no cenário geopolítico global Por outro... Oportunidade de expansão das exportações brasileira e de fidelização do mercado russo

10 China: Renda Variável chave para o Brasil

11 Cenário Macro Exportações Brasileiras do Agronegócio Destinos 2003 (209 mercados) 2013 (215 mercados) 58% 54% Fontes: MAPA/AgroStat Brasil e MDIC (fev/2014) U.E % EUA - 16% Asia (- Oriente Médio, China) - 11% China - 7% Oriente Médio - 7% Europa Oriental - 6% África (- Oriente Médio) - 5% ALADI (- Mercosul) - 4% Mercosul - 3% Demais - 4% 29% China - 23% U.E % Asia (- Oriente Médio, China) - 18% Oriente Médio - 8% África (- Oriente Médio) - 7% EUA - 7% ALADI (- Mercosul) - 6% Europa Oriental - 4% Mercosul - 2% Demais - 3%

12 Cenário Macro Mercado Mundial de Soja China maior consumidora mundial Mundo: Principais Importadores China: Principais Fornecedores Total US$ 59 bi Total US$ 38 bi Dependência mútua: Mundo x China China x Brasil e EUA Fonte: UN Comtrade (out/2014) Nota: Soja em grão (SH 1201)

13 China: Renda Variável chave para o Brasil Nova estratégia de crescimento implementada de forma progressiva Ampliação da participação do consumo como alavanca do desenvolvimento Enorme contingente populacional ainda migrará para as cidades até 2025: +93 milhões de famílias Ampliação da renda das famílias urbanas 2025: 70% das famílias com bom nível de renda

14 China: população urbana por faixa de renda Fontes: FMI, National Bureau of Statistics of China e McKinsey Global Institute Analysis

15 China: Renda Variável chave para o Brasil Nova estratégia de crescimento implementada de forma progressiva Ampliação da participação do consumo como alavanca do desenvolvimento Enorme contingente populacional ainda migrará para as cidades até 2025: +93 milhões de famílias Ampliação da renda das famílias urbanas 2025: 70% das famílias com bom nível de renda Limitação para expansão da área e pouca disponibilidade de água Consequências: Maior dependência externa de grãos Soja: produção (12 milhões de toneladas); consumo (85 milhões de toneladas)

16 China: Renda Fontes: USDA

17 China: Renda Por um lado... A desaceleração no ritmo de crescimento Por outro... Ocorre sobre bases maiores A população passará por forte incremento da renda O atual modelo de desenvolvimento favorece o consumo de alimentos Ampliação da presença do Brasil neste mercado

18 Brasil: Incertezas Eleições: vitória da situação com um discurso de mudança Dúvidas sobre a política macroeconômica adotada: volta ao tripé macroeconômico? Em quanto tempo a mudança gera resultados? 2015: cenário dado, baixo crescimento 2016: início da recuperação ou aprofundamento da crise? Haverá credibilidade suficiente para reverter as expectativas/confiança?

19 Brasil: Incertezas Eleições: vitória da situação com um discurso de mudança Dúvidas sobre a política macroeconômica adotada: volta ao tripé macroeconômico? Em quanto tempo a mudança gera resultados? 2015: cenário dado, baixo crescimento 2016: início da recuperação ou aprofundamento da crise? Haverá credibilidade suficiente para reverter as expectativas/confiança? Impacto importante em relação ao agronegócio Proteínas animais: mercado doméstico como vetor do crescimento

20 Cenários para o PIB Brasileiro

21 Brasil: Incertezas Produtos Consumo doméstico brasileiro desempenho dos setores selecionados a partir de diferentes cenários econômicos Unidade Diferença Variação (em %) Atual (A) Base (B) Pessimista (C) (C/B) (B/A) (C/A) Carne Suína Mil toneladas % 29% 16% Carne de Frango Mil toneladas % 23% 16% Carne Bovina Mil toneladas % 22% 15% Leite Mil toneladas % 46% 29% Ovos Milhões de unidades % 32% 17% Café Mil sacas % 25% 16%

22 Brasil: Incertezas Produtos Consumo doméstico brasileiro desempenho dos setores selecionados a partir de diferentes cenários econômicos Unidade Diferença Variação (em %) Atual (A) Base (B) Pessimista (C) (C/B) (B/A) (C/A) Carne Suína Mil toneladas % 29% 16% Carnes: apesar de o consumo crescer em ambos os cenários (otimista e pessimista), a diferença entre eles é de 1,5 milhão de toneladas, o que equivale a exportação total de carne bovina em um ano. Carne de Frango Mil toneladas % 23% 16% Carne Bovina Mil toneladas % 22% 15% Leite Mil toneladas % 46% 29% Ovos Milhões de unidades % 32% 17% Café Mil sacas % 25% 16%

23 Sob o Ponto de Vista do Cenário Agrícola Grãos Novembro 2014

24 Grãos Safra recorde (especialmente EUA) e ciclo de ajustes El Ninho mais fraco, contrariando previsões: boa safra na Ásia Soja (6ª revisão safra 2014/15 - USDA): 311,2 milhões de toneladas (mundo, crescimento 9,2%) 106,9 milhões de toneladas (EUA, crescimento de 16,9%) 94,0 milhões de toneladas (Brasil, crescimento de 8,4%) Milho (6ª revisão safra 2014/15 - USDA): 990,7 milhões de toneladas (mundo, crescimento 0,2%) 367,7 milhões de toneladas (EUA, crescimento de 3,9%) 75,0 milhões de toneladas (Brasil, queda de -5,4%) Possibilidade de redução de área na próxima safra brasileira - Nota: os dados deste slide refere-se ao 6º levantamento do USDA para a safra 2014/2015. As variações são em relação à safra 2013/2014.

25 jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 Grãos Soja (grão): cotações em saca de 60 kg $ 61 US$ 21 Internacional Nacional Δ mês anterior -0,6% -3,0% Δ out14/out13-24,2% -17,2% Média 2013 US$ 30 R$ 69 Média 2012 US$ 32 R$ 68 Média histórica US$ 24 R$ 51 Fontes: Bolsa de Chicago (CME) e CEPEA Milho: cotações em saca de 60 kg $ 24 US$ 9 Internacional Nacional Δ mês anterior 4,4% 7,3% Δ out14/out13-19,7% -2,1% Média 2013 US$ 13 R$ 27 Média 2012 US$ 16 R$ 29 Média histórica US$ 11 R$ 24 Fontes: Bolsa de Chicago (CME) e CEPEA/BM&F Bovespa

26 jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 jan/06 ago/06 mar/07 out/07 mai/08 dez/08 jul/09 fev/10 set/10 abr/11 nov/11 jun/12 jan/13 ago/13 mar/14 out/14 Grãos Soja (grão): cotações em saca de 60 kg US$ 21 Milho: cotações em saca de 60 kg se40 manter como importante exportador de milho? $ 61 $ 24 US$ 9 Internacional Média 2012 US$ 32 R$ 68 Média histórica US$ 24 R$ 51 Fontes: Bolsa de Chicago (CME) e CEPEA Internacional Nacional Δ mês anterior -0,6% -3,0% Δ out14/out13-24,2% -17,2% Média 2013 US$ 30 R$ 69 Competitividade em cenário menos favorável: o Brasil conseguirá Nacional Δ mês anterior 4,4% 7,3% Δ out14/out13-19,7% -2,1% Média 2013 US$ 13 R$ 27 Média 2012 US$ 16 R$ 29 Média histórica US$ 11 R$ 24 Fontes: Bolsa de Chicago (CME) e CEPEA/BM&F Bovespa

27 Sob o Ponto de Vista do Cenário Agrícola Café Novembro 2014

28 Café Estoques globais de café arábica historicamente baixos Oferta mundial em queda Consumo global em alta América Central: se recuperando de um forte surto de ferrugem, o que deverá levar alguns anos Brasil: Pela primeira vez: quebra da bienalidade (safras 2014 e 2015) Forte seca em 2013 e 2014 (pior em mais de 124 anos) Podas drásticas e esqueletamento: safra zero

29 Sob o Ponto de Vista do Cenário Agrícola Suco de laranja Novembro 2014

30 Suco de laranja MUNDO: Nos últimos 5 anos, queda do consumo: 7% no Mundo 12% na União Europeia (maior consumidor) 14% nos EUA (2º maior consumidor) Mudanças no hábito alimentar Maior concorrência com novas bebidas saborizadas

31 Suco de laranja EUA: Problemas climáticos afetaram as lavouras (furacões e geadas) Questões fitossanitários (Greening) Consumo: início da década de litros/hab. Atualmente - 11 litros/hab BRASIL: Problemas climáticos Problemas fitossanitários (Cancro Cítrico e Greening)

32 Sob o Ponto de Vista do Cenário Agrícola Sucroenergético Novembro 2014

33 Sucroenergético 2014: auge de uma crise anunciada Cerca de 60 usinas fechadas na região Centro-Sul do Brasil desde 2007/2008 Endividamento total do setor de R$ 66 bilhões em 2013: praticamente todo o valor da receita auferida pelas usinas no ano Cenário marcado por recuperações judiciais, paralisações e desligamentos

34 Sucroenergético Etanol: Seguidos aumentos dos custos de produção, sem os reajustes necessários dos preços e USDA Em 2013, o preço médio do etanol hidratado nas usinas de SP, sem impostos, foi de R$ 1,18/l. Se o preço da gasolina no Brasil fosse equivalente ao internacional, o preço do hidratado seria R$ 1,34/l, o que levaria a um reajuste proporcional no preço do anidro Essas diferenças de preços representariam um aumento de R$ 4,5 bilhões em receitas do setor, apenas com o etanol Porém, o açúcar também seria beneficiado, com o mix de produção mais voltado ao combustível, reduzindo a oferta de açúcar e contribuindo para recomposição dos preços desse produto no mercado internacional Efeito no Açúcar: entre 2009/2010 e 2012/2013, a redução no consumo do hidratado foi de 5,5 bilhões de litros. Descontado o aumento do consumo de anidro, isso representou cerca de 5,6 milhões de ton adicionais na oferta de açúcar

35 Sucroenergético Etanol: Seguidos aumentos dos custos de produção, sem os reajustes necessários dos preços e USDA O que isso significa? Em 2013, o preço médio do etanol hidratado nas usinas de SP, sem impostos, foi de R$ 1,18/l. 25% das exportações de açúcar em bruto do Brasil em 2013 Se o preço da gasolina no Brasil fosse equivalente ao internacional, o preço do hidratado seria R$ 1,34/l, o que levaria a um reajuste proporcional no preço do anidro 83% do total exportado pela Tailândia em 2012/2013, segundo maior exportador de açúcar global Essas diferenças de preços representariam um aumento de R$ 4,5 bilhões em receitas do setor, apenas com o etanol Porém, o açúcar também seria beneficiado, com o mix de produção mais voltado ao combustível, reduzindo a oferta de açúcar e contribuindo para recomposição dos preços desse produto no mercado 70% da internacional produção de açúcar dos EUA, 33% da U.E. e 20% da Índia Efeito no Açúcar: entre 2009/2010 e 2012/2013, a redução no consumo do hidratado foi de 5,5 bilhões de litros. Descontado o aumento do consumo de anidro, isso representou cerca de 5,6 milhões de ton adicionais na oferta de açúcar

36 Sucroenergético Por um lado... É esperado um novo ciclo em 2015, com uma relação mais favorável entre oferta e demanda de açúcar, delineando possibilidade de recuperação de preços Por outro... Indefinição sobre os preços internacionais da gasolina Indefinição da política doméstica para a gasolina

37 Sob o Ponto de Vista das Proteínas Animais Carnes Novembro 2014

38 Carne bovina EUA: Forte redução do rebanho (clima e custos) Retenção de fêmeas, estimulada pelo preço recorde do bezerro Austrália: Exportação recorde em 2013: reflexo da seca Redução de 9% do rebanho bovino Consequência: menor abate e exportação nos próximos anos

39 Carne bovina Brasil: Aproveita-se do cenário e ganha mercado, ao mesmo tempo: Possibilidade de abertura dos EUA: in natura Caso ocorra: potencial para o Japão, Canadá, México e Coréia Mercado doméstico últimos 2 anos: alta de preços, mas manutenção do consumo Cenário favorável: aumento de investimentos no Brasil e crescimento futuro da produção

40 Carne suína Vírus da Diarreia Epidêmica (PED) em 2014: EUA, Canadá e México Alta mortandade de leitões e difícil controle EUA: Queda de 18% na produção em 2014 Aumento de 25% dos preços em 12 meses China Retomada da expansão no fim de 2014 Processo contínuo de intensificação Forte espaço para crescer: 30% da oferta - pequenos produtores familiares

41 Carne suína Brasil: Grande oportunidade: único entre os 4 maiores exportadores livre de doenças Pode suprir déficits de exportação dos EUA Possibilidade de fornecer volumes maiores a grandes mercados: Japão e México Embargo russo: efeito limitado EUA e Europa já sofriam restrições Carne suína: maior crescimento do consumo per capita entre as carnes (1,5% a.a)

42 Carne de frango China: 2013 e 2014: surto de gripe aviária e redução da oferta Entrada de variantes do vírus de forma endêmica Inviabilidade para suprir a demanda interna e aumento da importação Rússia: Embargo aos EUA, Canadá, Austrália e Países Europeus EUA: maior fornecedor aos russos das 527 mil toneladas importadas, os EUA originam 51%

43 Carne de frango Brasil: Oportunidade de ampliar e fidelizar o mercado russo Fôlego para as exportações, estáveis desde 2011 México: importações brasileiras aquém do potencial Mercado doméstico: seguirá absorvendo cerca de 70% da oferta

44 Projeções para o Agronegócio Brasil Novembro 2014

45 Resultados Brasil Quais serão os resultados para o Agronegócio Brasileiro na próxima década? Redução do ritmo de crescimento da produção e exportação, porém: O ritmo de crescimento da produção brasileira será superior ao do mundo para produtos como: soja, milho, açúcar, carnes bovina e suína

46 Dinamismo da produção Brasil e Mundo Legenda: Mundo Brasil Crescimento Anual* Crescimento Anual* Legenda: Mundo Brasil Soja Carne bovina Milho Carne de frango Açúcar Carne suína * Média anual do período

47 Resultados Brasil Quais serão os resultados para o Agronegócio Brasileiro na próxima década? Redução do ritmo de crescimento da produção e exportação, porém: O ritmo de crescimento da produção brasileira será superior ao do mundo para produtos como: soja, milho, açúcar, carnes bovina e suína O País ganhará market share nas exportações de soja, milho, açúcar e nas carnes de frango e suína.

48 Dinamismo das exportações Brasil e Mundo Legenda: Crescimento Anual* Market share do Brasil Mundo Brasil % 50% Soja 15% 20% Milho 42% 55% Açúcar * Média anual do período

49 Dinamismo das exportações Brasil e Mundo Legenda: Crescimento Anual* Market share do Brasil Mundo Brasil % 16% Carne bovina 40% 42% Carne de frango 7% 8% Carne suína * Média anual do período

50 Resultados Brasil Quais serão os resultados do Agronegócio Brasileiro na próxima década? Arroz, feijão e trigo continuarão dependentes de importações em 2024 Arroz: as importações corresponderão a 9% do consumo doméstico Feijão: 2% Trigo: 46% O mercado doméstico segue como vetor do crescimento da produção brasileira de arroz, trigo, feijão, óleo de soja, milho, carnes, lácteos, ovos e etanol O mercado internacional seguirá preponderante para algodão, soja, farelo de soja, café, açúcar, suco de laranja e celulose

51 Dinamismo do consumo Brasil Legenda: 2013/14* 2023/24 Consumo Total (milhões de t) Variação (em %) Legenda: Consumo Total (milhões de t) Variação (em %) Milho 24 Carne suína 25 Soja 21 Carne de frango 21 Açúcar* 6 Carne bovina 19 *Nota: O consumo de açúcar refere-se a safra 2014/15 e 2024/25

52 Resultados Brasil Quais serão os resultados do Agronegócio Brasileiro na próxima década? O Brasil observará uma demanda de novas áreas para a agropecuária de 395 mil ha/ano, no período projetado

53 Dinâmica do uso da terra Em milhões de hectares Lavouras* (+ 8,4) Agropecuária (+ 4,0) 235,5 239,5 Pastagens (- 4,5) * Cana + Floresta plantada para celulose + lavouras de 1ª safra (algodão, arroz, feijão 1ª safra, milho 1ª safra e soja).

54 Resultados Brasil Quais serão os resultados do Agronegócio Brasileiro na próxima década? O Brasil observará uma demanda de novas áreas para a agropecuária de 395 mil ha/ano, no período projetado A produtividade média dos grãos crescerá 14% entre 2013/14 e 2023/24, resultando na preservação de 8,9 milhões de ha

55 Dinamismo da produção brasileira Grãos* Área (milhões de ha) Produção (milhões de t) + 14,0% + 30,1% As lavouras de segunda safra serão responsáveis por 25% da produção de grãos em 2024 * Grãos: inclui soja, milho (todas as safras), algodão (base pluma), arroz (base casca), feijão (todas as safras), trigo.

56 Resultados Brasil Quais serão os resultados do Agronegócio Brasileiro na próxima década? Consolidação das regiões produtoras

57 Consolidação das Regiões Produtoras Centro-Oeste Centro-Oeste Consolidação da participação na produção de soja e milho, com mais de 40% do total do País. Estímulo ao incremento da produção de carnes (disponibilidade de grãos): Bovina: de 39% para 42% Suína: de 15% para 21% Frango: de 14% para 19%

58 Consolidação das Regiões Produtoras Sul Sul Continuará produzindo quase todo o arroz e trigo do País, com 82% e 95% de participação, respectivamente. Representará cerca de 30% na produção de milho e soja. Perderá participação na produção de carnes para o Centro-Oeste. Ainda assim responderá por quase 60% da produção de suíno e frango.

59 Consolidação das Regiões Produtoras Sudeste Sudeste Maior produtor de: Café: com 92%, amplia a participação na produção, que detém atualmente, de 89%. Cana-de-açúcar: apesar de perder participação para o Centro-Oeste, representará 61% da produção, contra os atuais 64%. Laranja: apesar da crise que o setor vem enfrentando nos últimos anos, deve ampliar sua %, saindo dos atuais 79% para 81% da produção nacional.

60 Nutrientes Fertilizantes Produção Considerando-se os projetos que estão em desenvolvimento no Brasil, a produção de fertilizantes será ampliada em 99%, entre 2013 e Produção (milhões de t) Var.% N 0,8 1,9 130% P K 2,0 3,7 84% 0,3 0,6 120% NPK 3,1 6,2 99%

61 Fertilizantes Dependência externa A expansão da capacidade de produção de fertilizantes, possibilitará ao Brasil reduzir a sua dependência em relação ao mercado internacional desses produtos. N P K NPK Importado Importado Importado Importado Soja, milho e cana continuarão sendo as principais culturas demandantes de fertilizantes, com, respectivamente, 36%, 19% e 13% do consumo total em 2023.

62 Projeções Resultados Produtos Novembro 2014

63 Projeções Produção e Exportação Legenda: Produção Exportação líquida Produção Exportação líquida Legenda: 2013/ / Grãos* (milhões de t) Carne bovina (milhões de t) Soja (milhões de t) Carne Frango (milhões de t) Milho (milhões de t) Carne Suína (milhões de t) * Grãos: inclui soja, milho (todas as safras), algodão (base pluma), arroz (base casca), feijão (todas as safras), trigo.

64 Projeções Produção e Exportação Legenda: Produção Exportação líquida Produção Exportação líquida 2013/ /24 Açúcar* (milhões de t) Algodão (milhões de t) Etanol* (milhões de l) Celulose** (milhões de t) Café* (milhões sacas) Trigo (milhões de t) * O período para açúcar, etanol e café refere-se a 2014/15 a 2024/25. ** Para a cellulose o período refere-se à 2014 e 2024.

65 Projeções Resultados Consolidados Novembro 2014

66 Projeções Produção Produto Produção (1000 t) Área (1000 ha) Produtividade (t/ha) 2013/ /24 Var. (%) 2013/ /24 Var. (%) 2013/ /24 Var. (%) Grãos ,4 3,9 14 Algodão (pluma) ,5 1,8 15 Arroz (em casca) ,1 5,8 13 Trigo ,5 3,0 21 Feijão ,0 1,2 19 Feijão 1ª Safra ,1 1,2 15 Feijão 2ª Safra ,9 1,1 22 Feijão 3ª Safra ,3 1,5 14 Milho ,1 5,4 7 Milho 1ª Safra ,8 5,2 9 Milho 2ª Safra ,3 5,5 5 Soja ,9 3,5 21 Cana-de-açúcar Café 1 e Laranja ¹safras 2014/15 e 2024/25 ²Produção em mil sacas e Produtividade em sacas/ha 3 safra 2013/14 e 2023/24 e Produtividade em caixas de 40,8 kg /ha

67 Projeções Exportações e Consumo Produto Exportações Líquidas (1000 t) Consumo Doméstico (1000 t) 2013/ /24 Var. (%) 2013/ /24 Var. (%) Grãos Algodão (pluma) Arroz (em casca) Trigo Feijão Milho Soja Cana-de-açúcar 1 Açúcar Etanol (milhões de litros) Café (1000 sacas) Suco de laranja (1000 t) 2 e ¹safras 2014/15 e 2024/25 ²safra 2013/14 e 2023/24 3 FCOJ equivalente

68 Projeções Carnes Produto Produção (1000 t) Exportações Líquidas (1000 t) Consumo Doméstico (1000 t) Var. (%) Var. (%) Var. (%) Carnes Bovina Frango Suína

69 Obrigado Novembro 2014

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Desafios e Oportunidades no Agronegócio

Desafios e Oportunidades no Agronegócio Departamento do Agronegócio Desafios e Oportunidades no Agronegócio Antonio Carlos P. Costa Atualmente reversão de expectativas Apesar da safra recorde em 2014/15: Entre janeiro e maio de 2015: leitura

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO

CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO CENÁRIO GLOBAL DE CARNES (FRANGO E SUÍNO) E MILHO Leonardo Sologuren Céleres Junho de 2008 Cresce o consumo de proteína animal no BRIC BRASIL RÚSSIA 108 4,000 60 3.000 kg/habitante/ano 90 72 54 36 18 3,800

Leia mais

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros

21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo. O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo. Alexandre Mendonça da Barros 21º Congresso Internacional do Trigo Abitrigo O mercado de Commodities e as Novas Tendências para o Trigo Alexandre Mendonça da Barros 20 de Outubro de 2014 Índice As transformações da economia agrícola

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil

Perspectivas para o setor agrícola no Brasil Perspectivas para o setor agrícola no Brasil O que a conjuntura macroeconômica nos reserva? Felippe Serigati O queaconteceucom o setoragrícola nas últimas décadas? A importânciado agronegócioparao Brasil

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011

Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes. Março 2012. Visão Geral da Companhia. Resultados do 4T11 e 2011 Março 2012 Mercado Mundial e Brasileiro de Fertilizantes Visão Geral da Companhia Resultados do 4T11 e 2011 CONSUMO MUNDIAL DE FERTILIZANTES POR NUTRIENTES 157,0 159,6 170,4 176,8 181,0 2011 TOTAL N P2O5

Leia mais

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Gabriel Granço www.iconebrasil.org.br Brasília, Julho 2012 Motivação Outlook Brasil Preparar estrategicamente as indústrias de insumos agropecuários

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2014/2015 São Paulo, 23 de abril de 2014 ROTEIRO I. Safra 2013/2014 na região Centro-Sul: dados finais Condições climáticas e agronômicas Moagem e produção Mercados

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol

Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol BMFBovespa Seminário Perspectivas do Agribusiness 2012-2013 Painel 4 Perspectivas dos mercados de açúcar e etanol Andy Duff, Food & Agribusiness Research, Rabobank Brasil 22 de maio de 2012 Food & Agribusiness

Leia mais

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS

AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS AGRONEGÓCIOS AGRONEGÓCIO NO MUNDO PRINCIPAIS PLAYERS Argentina Estados Unidos Indonésia Brasil Canadá Russia Índia Japão Austrália China México Área Agricultável > 30 milhões de ha População urbana > 80

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto

Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Tendências para o mercado de ovos e outras commodities Lygia Pimentel é médica veterinária e consultora pela Agrifatto Para analisar qualquer mercado é importante entender primeiramente o contexto no qual

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO

AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO AGRONEGÓCIO BRASIL EM FOCO Outubro de 2013 Panorama Macroeconômico As atenções do mercado externo seguem concentradas nos EUA, tanto em relação aos próximos passos do Fed como aos impasses políticos. A

Leia mais

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales *

INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL Mário Jales * Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais Institute for International Trade Negotiations INSERÇÃO DO BRASIL NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AGRÍCOLA E EXPANSÃO DOS FLUXOS COMERCIAIS SUL-SUL

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ÍNDICE PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO...

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL

PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL PERSPECTIVAS PARA OS MERCADOS DE AÇÚCAR E ETANOL Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 26 de maio de 2011 SOBRE A UNICA Maior organização representativa

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

I) INDICADORES DA ECONOMIA E DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

I) INDICADORES DA ECONOMIA E DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO I) INDICADORES DA ECONOMIA E DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO 1) COMÉRCIO INTERNACIONAL EM 2014 As exportações foram: o US$ 225,1 bilhões Brasil; o US$ 96,7 bilhões do Agronegócio, o que representou 43% das exportações

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc)

SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) SEMINÁRIO INSTITUTO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO (ifhc) O novo mundo rural e o desenvolvimento do Brasil Marcos Sawaya Jank Diretor Executivo Global de Assuntos Corporativos São Paulo, 12 de novembro de 2014

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro

Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro Resultado da agricultura pressiona desempenho do agronegócio em outubro O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro de outubro de 2014 recuou 0,08%, mas no acumulado do ano manteve o resultado

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos

Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin Flake Economista Senior de Comércio Escritório de Análise Global Serviço Exterior de Agricultura Departamento de Agricultura dos Estados Unidos Levin.Flake@fas.usda.gov Global Policy Analysis Division

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Primeiro Trimestre 2015 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO:

PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: PERSPECTIVAS PARA O AGRONEGÓCIO: REFLEXÕES, OPORTUNIDADES E DESAFIOS Marcelo Fernandes Guimarães Coordenador Geral de Estudos e Informações Agropecuárias Secretaria de Política Agrícola Principais Perspectivas

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

Relatório Executivo: 34ª Rodada Índice de Confiança do Produtor Rural Abril de 2015. AgroFEA Ribeirão Preto FEA-RP/USP

Relatório Executivo: 34ª Rodada Índice de Confiança do Produtor Rural Abril de 2015. AgroFEA Ribeirão Preto FEA-RP/USP Relatório Executivo: 34ª Rodada Índice de Confiança do Produtor Rural Abril de 2015 AgroFEA Ribeirão Preto FEA-RP/USP Pessimismo começa a dar trégua e indicadores de confiança do produtor rural apresentam

Leia mais