PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTO DIAS. Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: www.google.com.br/imagens"

Transcrição

1 H O S P I TA L & Família! A parceria que cuida do paciente com competência e carinho. Fonte: 1

2 Telefones Úteis (HPD) Call Center 9999 Nutrição 3106 (Bloco A) / 9652(Bloco D) Recepção 9357 Lanchonete 3135 (Bloco A) / 9374(Bloco D) Ouvidoria 3041 Lavanderia 9924 Outros telefones úteis Loja Órteses e Próteses 3131 Transporte Especial: (Alcance) (Alexandre Souza) Extra Farma - Mauriti Big Ben - Mauriti Pharma Pele - Mauriti Manicure Autorizada (Selma) 2

3 Em caso de incêndio, como devo agir? O HPD conta com uma equipe de 500 brigadistas capacitados conforme as Normas de Segurança e legislação do Corpo de Bombeiros do Pará para atuar nessas situações. Acione os brigadistas do andar mantenha a calma, aproxime-se a uma distância segura para ver o que está queimado e a extensão do fogo, saia imediatamente do local, fechando todas as portas e janelas, sem trancá-las. Não perca tempo tentado salvar objetos, procure chegar ao térreo usando sempre a escada, sem correr. JAMAIS use os elevadores. Deixe a rua e as entradas livres para a ação dos bombeiros e do pessoal de socorro médico. A OUVIDORIA ATENDE DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 19H, E AOS SÁBADOS DAS 7H ÁS 11H. O cliente também pode dar sua opinião por meio de formulários que são entregues pelas assistentes de ouvidoria nas visitas às Unidades de Internação e nas UTI s, ou pelo 3

4 1 - Como ocorre o procedimento de identificação de pacientes e visitantes no HPD? A identifi cação de pacientes e seus visitantes é um ato de promoção da segurança. No ato da internação o paciente receberá uma pulseira branca de identifi cação com seu nome, número de internação hospitalar e data de nascimento. Também os visitantes recebem identifi cação para terem acesso ao hospital. 2 - Como posso fazer a visita ao paciente? Nas unidades de internação, em apartamentos, a visita pode ser feita por 3 pessoas de cada vez, de 8h às 21h. Nas enfermarias, permite-se visita de 1 pessoa alternadamente no horário de 18h às 19h. Para enfermaria feminina, só será permitido acompanhante do mesmo sexo. Para situações diferenciadas, procure a assistente social para liberação do acompanhante do sexo oposto. Nas Unidades de Terapia Intensiva, as visitas podem ser feitas no período da manhã, de 11:30h às 12:30h, com acesso de 01 pessoa; à tarde, de 16:30h às 17:30h (boletim médico), permite-se 02; e à noite, das 21h às 22h, permite-se 01 pessoa. NÃO É PERMITIDA A ENTRADA DE MENORES DE 12 ANOS NAS VISITAS E NEM DE MENORES COMO ACOMPANHANTES. 3 - Como se dá a assistência médica ao paciente? O HPD conta com quadro qualifi cado de médicos para atendê- -los. O seu familiar terá uma médico assistente responsável pela prescrição, da dieta, medicamentos e procedimentos. Ele é o profi ssional responsável e mais capacitado para prestar informações. Eventualmente poderá designar um substituto para fazê-lo. Sabemos que todos querem informações frequentes e precisas, por isso não serão dadas informações por telefone. 4 Manual de Orientação da Familia

5 4 - Se houver intercorrência com o paciente, a quem devo recorrer? Para eventuais atendimentos de emergência na Unidade de Internação, o hospital dispõe de uma equipe de médicos plantonistas 24h, solicite à enfermeira do posto de enfermagem que acione o médico plantonista. 5 - O que eu faço com as medicações que o meu familiar faz uso em casa? As medicações que seu familiar faz uso contínuo em casa podem ser importantíssimas para a condução do tratamento no hospital. Você deve informar ao médico e à equipe de saúde, todos os medicamentos em uso e não administrar nenhum medicamento sem consentimento médico dentro do Hospital Porto Dias. 6 Se eu tiver dúvidas quanto à administração de medicações ao meu familiar, o que devo fazer? Primeiramente procure a Enfermeira do andar em que seu familiar esta internado, caso não consiga falar com a enfermeira, entre em contato com a Farmácia do hospital (telefone da farmácia: / 9977 / 9950) 7 - Como é feita a higienização do paciente dentro do Hospital Porto Dias? Nas unidades de assistência do HPD, os pacientes recebem os cuidados de uma equipe de enfermagem, que está pronta e treinada para atender as necessidades de cada paciente. Procedimentos como banho ao leito, asseios são avaliados pela equipe (médico/ enfermeiro) e indicados quando o paciente está impossibilitado de dirigir-se ao banheiro (PACIENTES ACAMADOS). Se você tem dúvidas, dirija-se à enfermagem para esclarecimentos. 8 - Se eu precisar de orientações sobre contas médicas, autorizações, exames e procedimento do paciente, a quem devo me dirigir? Existe em cada andar na Unidade de Internação uma sala de prescrição médica, onde se encontra um funcionário das contas 5

6 médicas que é responsável pelo relacionamento com as operadoras de saúde. Ele poderá informá-lo sobre processo de autorização de exames, procedimentos e outras contas médicas. 9 - O que devo perguntar à equipe de saúde e com que frequência devo solicitar informações? Você pode anotar suas dúvidas e preocupações quando estas surgirem, facilitando o esclarecimento das mesmas quando estiver com os profi ssionais de saúde envolvidos na assistência. Aproveite a visita médica na unidade de internação, pergunte sobre suas dúvidas e repasse aos demais familiares, para que todos fi quem informados. É recomendado escolher um membro da família para ser o interlocutor com a equipe de saúde. Na UTI, o momento do boletim médico é a oportunidade diária para esclarecimentos Como posso ter informações de especialistas que atendem o paciente? Quem é o medico responsável da UTI? O médico assistente por vezes solicita avaliação de especialistas. Na unidade de internação, pergunte ao médico assistente ou diretamente ao especialista sobre tal avaliação. Na UTI, os responsáveis são os médicos plantonistas que fornecem o boletim médico do paciente Como devo falar com meu paciente? Posso tocá-lo? Você deve conversar com ele da mesma maneira como faz habitualmente, mesmo que ele esteja desorientado ou em estado comatoso. Na UTI, a equipe poderá auxiliá-lo a encontrar formas de mostrar seu apreço e ajudar o seu paciente e informará caso seja necessário adotar algum cuidado especial no contato Devo trazer algo de casa? Objetos familiares podem servir para reconfortar. Fotografi as, cartões, materiais religiosos e produtos de higiene da preferência do paciente podem ser permitidos para favorecer o bem-estar, exceto na UTI e em situações especiais. Ressaltamos que alimentos e bebidas devem ser oferecidos ao paciente somente com consentimento formal do médico assistente e da nutricionista do plantão. 6

7 13 - Se a condição clínica não é curável ou a recuperação é improvável, quais são as opções para oferecer conforto ao paciente? Na UTI, o médico poderá discutir todas as opções com você e com sua família. As opções podem incluir decisões sobre tratamentos como diálise, medicamentos, exames diagnósticos, procedimentos etc Como posso colaborar com a prevenção de infecção hospitalar? A ação mais importante é a Higienização das mãos. Lave as mãos utilizando o sabão antisséptico apropriado e álcool gel, antes e depois da visita. É recomendável, em caso de estado gripal (recente ou atual), não visitar os pacientes internados. Caso a visita seja imprescindível, é necessária a utilização de máscara descartável, disponível nos postos de enfermagem Como ocorre a alta hospitalar do paciente da UTI? Assim que o médico determinar a alta hospitalar, o paciente será liberado com a presença do acompanhante ou responsável. A enfermeira responsável providenciará um representante do hospital para acompanhá-lo até a Unidade de Internação do Hospital Porto Dias, para o leito de enfermaria ou apartamento conforme seu contrato com a operadora de saúde Posso trazer nosso líder religioso ao hospital para visitar o paciente? Sim. Informe e procure negociar o horário com a Assistente Social a fi m de não atrapalhar o horário de visita do familiar Caso não esteja satisfeito com a conduta tomada relacionada à assistência hospitalar dada ao meu familiar (o paciente), a quem devo procurar? A ouvidoria é um canal de comunicação direto entre o cliente e a diretoria do Hospital Porto Dias. Foi criada para ouvir comentários e sugestões, além de atender o cliente para que ele se sinta satisfeito e esclarecido. 7

8 HOSPITAL Serviços Porto Dias Cuidando da sua saúde Consultórios Especializados Call Center: / Serviço de Radioterapia: Porto Dias Diagnósticos Serviço de Diagnósticos por Imagem Avenida Almirante Barroso, 1425 Marco Fone: Unidade Doca Serviço de Diagnósticos por Imagem e Reabilitação Rua Municipalidade, 773 esquina com a Doca Fone: Unidade Metropolitan Serviço de Diagnósticos por Imagem Rua dos Mundurucus, 3100 Fone:

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário Manual do Usuário Este manual foi feito para orientar os usuários dos serviços de internação domiciliar da HN Home Care Home Care, tanto para a modalidade de plantão de enfermagem de 12h, quanto para o

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES Prezado usuário Esta cartilha foi desenvolvida na perspectiva de orientá-lo sobre as rotinas das clínicas de internação

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável.

Guia do Paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Guia do Paciente Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Apresentação O Hospital São Francisco é referência em diversas especialidades médicas, oferecendo à comunidade alta tecnologia hospitalar,

Leia mais

Guia de Orientação ao Paciente

Guia de Orientação ao Paciente Guia de Orientação ao Paciente Esse guia foi desenvolvido especialmente para melhor atendê-lo durante a permanência no HSR. Aqui encontrará informações sobre nosso funcionamento, serviços e práticas que

Leia mais

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você.

Guia do paciente. Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Guia do paciente Leia com atenção e tenha uma estadia mais agradável. Mais recursos para seu médico, mais segurança e conforto para você. Apresentação O Hospital São Francisco se tornou referência em

Leia mais

Transferências. Manual do Paciente [3]

Transferências. Manual do Paciente [3] INTERNAÇÃO Procedimentos de internação A recepção de internação é a responsável pela formalização de sua acolhida neste hospital. Internação particular DE URGÊNCIA: Pagamentos efetuados a cada 48 horas,

Leia mais

Manual de Orientação ao Paciente

Manual de Orientação ao Paciente Manual de Orientação ao Paciente Caros pacientes e familiares, O Hospital do Rio deseja um período o mais breve e tranquilo possível em nossas instalações. Desde já, agradecemos sua confiança e preferência.

Leia mais

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Atendimento. Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Atendimento Hospitalar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Pra facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE

Leia mais

Manual de Orientação. ao cliente. Tudo uma. por. cód FR 333. porque a vida humana é sagrada

Manual de Orientação. ao cliente. Tudo uma. por. cód FR 333. porque a vida humana é sagrada Manual de Orientação ao cliente por Tudo uma porque a vida humana é sagrada cód FR 333. Prezado (a) Cliente: O Hospital São Francisco de Assis coloca-se inteiramente à sua disposição e de seus familiares

Leia mais

Guia do Paciente e Familiar

Guia do Paciente e Familiar Guia do Paciente e Familiar Guia do Paciente e Familiar Obrigado por escolher o Placi como parte da sua equipe de saúde. Apreciamos muito a confiança que está depositando em nossa equipe nesse momento

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP

H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP H O S P I T A L S ÃO P AULO RIBEIRÃO PRETO - SP Localização dos Leitos Ala Pavimento Leito de 01 a 08 Câmara Hiperbárica Monoplace Leito de e 01 a 08 Leito de 01 a 02 Quarto 201 a 204 Quarto 205 a 207

Leia mais

Hospital Med Center. Bem vindo(a) ao

Hospital Med Center. Bem vindo(a) ao Bem vindo(a) ao Hospital Med Center A nossa equipe agradece por escolher o Hospital Med Center e por confiar os cuidados com saúde ou de alguém muito importante para você! Os esclarecimentos a seguir serão

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

Novo. Pintou um. Esperança. Hospital. Olinda

Novo. Pintou um. Esperança. Hospital. Olinda Pintou um Hospital Novo Esperança em Olinda Sumário Política de Qualidade - 5 Seja Bem-vindo - 5 Internação - 6 Assistência Multidisciplinar - 9 Hospedagem - 15 Acompanhantes e Visitantes - 19 Alta Hospitalar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ A clínica de Tisiologia é constituída com pacientes que, para tratamento de sua patologia, necessitam de longa permanência no hospital. Assim, a fim de facilitar a convivência

Leia mais

CUIDE DA SAÚDE DO SEU PLANO COM RESPONSABILIDADE. Como utilizar corretamente o plano de saúde Bradesco

CUIDE DA SAÚDE DO SEU PLANO COM RESPONSABILIDADE. Como utilizar corretamente o plano de saúde Bradesco CUIDE DA SAÚDE DO SEU PLANO COM RESPONSABILIDADE Como utilizar corretamente o plano de saúde Bradesco Prezado usuário, Este manual foi preparado para que você e seus dependentes tenham a melhor orientação

Leia mais

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES

NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES NORMAS PARA PACIENTES, ACOMPANHANTES E VISITANTES INFORMAÇÕES GERAIS Terão direito a um (01) acompanhante, pacientes com mais de 60 anos, menores de 18 anos, pessoas com deficiência ou que tenham dificuldade

Leia mais

paciente Hospital Unimed-Rio 1

paciente Hospital Unimed-Rio 1 Guia do paciente Hospital Unimed-Rio 1 2 Guia do Paciente Hospital Unimed-Rio 3 A UNIMED-RIO A Unimed-Rio é uma cooperativa de médicos com mais de 40 anos de tradição e cerca de 900 mil clientes, o que

Leia mais

Diretor do Into: Dr. Geraldo Motta Filho. Coordenador da Unidade Hospitalar (COUNH): Dr. Naasson Cavanellas

Diretor do Into: Dr. Geraldo Motta Filho. Coordenador da Unidade Hospitalar (COUNH): Dr. Naasson Cavanellas Diretor do Into: Dr. Geraldo Motta Filho Coordenador da Unidade Hospitalar (COUNH): Dr. Naasson Cavanellas Coordenador de Ensino, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (COENP): Dr. Sérgio Vianna Divisão

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES 30.01.006 1/13 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para controlar a entrada de visitas aos clientes internados e de seus respectivos acompanhantes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores, clientes,

Leia mais

Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos Rua Augusto Viana, s/nº, Canela Salvador/BA CEP.: 40110-060

Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos Rua Augusto Viana, s/nº, Canela Salvador/BA CEP.: 40110-060 IM 83 D.H. 01/03/10 REV. 02/04/12 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PACIENTES E FAMILIARES Complexo Hospitalar Universitário Professor Edgard Santos Rua Augusto Viana, s/nº, Canela Salvador/BA CEP.: 40110-060

Leia mais

Guia. Guia do do. Paciente

Guia. Guia do do. Paciente Guia Guia do do Paciente Esse guia foi desenvolvido especialmente para melhor orientá-lo durante a permanência no Hospital. Aqui serão encontradas informações sobre o nosso funcionamento. uia do A leitura

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED I. DO ATENDIMENTO O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido

Leia mais

Urologia Pediátrica Dr. Eulálio Damazio

Urologia Pediátrica Dr. Eulálio Damazio Orientações anestésicas para cirurgias pediátricas urológicas Meu filho vai ser operado. Como será a cirurgia? E a anestesia? São seguras? Ele vai acordar logo? E o jejum? Estas questões são muito comuns

Leia mais

Orientações à pessoa traqueostomizada

Orientações à pessoa traqueostomizada Orientações à pessoa traqueostomizada Prezado paciente, Esta cartilha tem como principal objetivo orientá-lo a respeito da traqueostomia e os efeitos que ela terá na sua vida. Esperamos ajudar a esclarecer

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS NDF IN PROFISSIONAIS Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição (fantasia):

Leia mais

Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009

Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009 Portaria HGPV 022/2009 de 01 de junho de 2009 Normatiza acesso de Visitantes e Acompanhantes de pacientes do Hospital Geral Prado Valadares e dá outras providências. O DIRETOR do Hospital Geral Prado Valadares,

Leia mais

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS CENTRO DE PROMOÇÃO À SAÚDE Iwata-shi Kounodai 57-1 É um órgão da prefeitura que tem como objetivo principal: promover serviços visando o bem-estar e a saúde dos cidadãos e a

Leia mais

Internação de urgência (Pronto Atendimento)

Internação de urgência (Pronto Atendimento) 1 de 8 RESULTADO ESPERADO: Proporcionar aos pacientes agilidade, segurança e comodidade durante o seu período de internação. 694 PROCESSOS RELACIONADOS: Apoio ao Cliente Assistência Cirúrgica Assistência

Leia mais

3. Abrangência Esse serviço será prestado nas principais capitais brasileiras e em cidades da Grande São Paulo e Grande Rio de Janeiro.

3. Abrangência Esse serviço será prestado nas principais capitais brasileiras e em cidades da Grande São Paulo e Grande Rio de Janeiro. Assistência Pet 1. EMPRESA CONTRATADA A Assistência Pet refere-se ao pacote de serviços contratado pelo Zurich Santander Brasil Seguros S.A., com a empresa USS Soluções Gerenciadas Ltda., CNPJ 01.979.936/0001-79

Leia mais

Manual de orientação ao paciente para internação

Manual de orientação ao paciente para internação Manual de orientação ao paciente para internação Aos nossos clientes O Hospital São José agradece a sua preferência por nossos serviços. Esperamos que sua estada em nossas dependências seja rápida e tranqüila,

Leia mais

MANUAL DE. Missão. Visão. Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade.

MANUAL DE. Missão. Visão. Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade. MANUAL Do paciente Missão Cuidar da saúde do ser humano na sua integralidade. Visão Ser uma instituição nacional e internacionalmente reconhecida pelo tratamento humanizado e de alta qualidade. Valores

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL 1 Identificação REGULAMENTO INSTITUCIONAL DO PACIENTE AMBULATORIAL 1.1 É obrigatória a identificação do paciente e de seu acompanhante na Recepção, nos dias de atendimento, mediante apresentação dos seguintes

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J Versão 4.8.J Sumário PORT - Módulo de Apoio Portaria 3 1 Manual... de Processos - Portaria 4 Fluxo - Portaria... 5 2 Configurações... 6 Unidades... de Internação 6 Setores Administrativos... 9 Configuração...

Leia mais

Tratamento pediátrico no INCA. Orientações aos pacientes

Tratamento pediátrico no INCA. Orientações aos pacientes Tratamento pediátrico no INCA Orientações aos pacientes 2010 Instituto Nacional de Câncer / Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA A ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO - PET

DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA A ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO - PET DESCRIÇÃO DO PRODUTO ASSISTÊNCIA A ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO - PET DEFINIÇÕES Usuário: é a pessoa física titular de plano de Assistência a Animais de Estimação - Pet, contratado junto à Contratante. Animal

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011

Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Chat com Fernanda Dia 17 de março de 2011 Tema: O papel do terapeuta ocupacional para pessoas em tratamento de leucemia, linfoma, mieloma múltiplo ou mielodisplasia Total atingido de pessoas na sala: 26

Leia mais

1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos.

1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos. 1. OBJETIVO DO SERVIÇO O Pet Assistência tem por objetivo proporocionar o atendimento a um conjunto de assistência a seus animais domésticos. A quantidade de animais de estimação não será limitada, podendo

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Guia do do. Guia. Paciente Av. Sete de Setembro, 301 - Santa Rosa - Niterói - RJ Tel.: (21) 3602-1400. www.niteroidor.com.br

Guia do do. Guia. Paciente Av. Sete de Setembro, 301 - Santa Rosa - Niterói - RJ Tel.: (21) 3602-1400. www.niteroidor.com.br Guia Guia do do Paciente Av. Sete de Setembro, 301 - Santa Rosa - Niterói - RJ Tel.: (21) 3602-1400 www.niteroidor.com.br NOSSA MISSÃO Prestar atendimento médico-hospitalar de alta eficácia, com equipes

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Unidade Integrada de Saúde Mental U I S M 1 ENDEREÇO: MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA UNIDADE INTEGRADA DE SAÚDE MENTAL

Leia mais

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

HOTELARIA HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Sumário HOTELARIA HOSPITALAR Definição Atribuições Organograma da Hotelaria Hospitalar Diretor de Hotelaria Hospitalar (descrição de cargo) Ouvidoria ou Ombudsman Código de Ética do

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

18/05/2015 - SEGUNDA- FEIRA

18/05/2015 - SEGUNDA- FEIRA 18/05/2015 - SEGUNDA- FEIRA 08:00h Abertura da Semana do Bebê MEAC - Coral dos profissionais da MEAC Responsável: Juliana (nutricionista) LOCAL: RECEPÇÃO PRINCIPAL 09:00h - Grupo de mães sobre cuidados

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

A Direcção, Dora Dias Susana Silva

A Direcção, Dora Dias Susana Silva A Mais Família é uma empresa recente, sediada no centro de Matosinhos. Somos uma empresa de APOIO DOMICILIÁRIO, tutelada pelo Instituto da Segurança Social, com o alvará nº 23/2011, prestando assistência

Leia mais

Cuidados em Casas de Repouso

Cuidados em Casas de Repouso Guia de Cuidados em Casas de Repouso Perguntas frequentes dos residentes e seus familiares Departamento de Saúde Pública de Massachusetts Acerca deste guia No momento em que você e sua família se integram

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO

SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SAÚDE CONNECT 3.001 AUTORIZAÇÃO SUMÁRIO ATENDIMENTO / AUTORIZAÇÃO... 2 1. GUIA DE CONSULTA... 2 2. GUIA DE SP/SADT... 10 3. ANEXO SOLICITAÇÃO OPME... 18 4. ANEXO DE QUIMIOTERAPIA... 22 5. ANEXO DE RADIOTERAPIA...

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR III PORTO ALEGRE 2011 1 ADELITA ENEIDE FIUZA RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

www.drmoksha8.com.br

www.drmoksha8.com.br www.drmoksha8.com.br Material destinado exclusivamente à classe médica. Para devolução ou solicitação de informações adicionais, entre em contato com: moksha8 Brasil Distribuidora e Representação de Medicamentos

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO

ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO ACONSELHAMENTO EM AMAMENTAÇÃO Dra. Samantha Caesar de Andrade Nutricionista do CRNutri Centro de Referência para a Prevenção e Controle de Doenças Associadas à Nutrição ACONSELHAR x ACONSELHAMENTO Aconselhar

Leia mais

Guia Prático de Utilização do Plano

Guia Prático de Utilização do Plano Guia Prático de Utilização do Plano Aqui você tem o que há de melhor para a sua saúde. O QUE É A UNIMED APRESENTAÇÃO Sua finalidade é prestar assistência médica e hospitalar de alto padrão, dentro do sistema

Leia mais

Internação de urgência (Recepção Principal)

Internação de urgência (Recepção Principal) 1 de 8 RESULTADO ESPERADO: Proporcionar aos pacientes agilidade, segurança e comodidade durante o seu período de internação. 643 PROCESSOS RELACIONADOS: Apoio ao Cliente 1. Manual 1. Entregar o "Manual

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE ITAJUBÁ - MG

MANUAL DE ORIENTAÇÕES SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE ITAJUBÁ - MG Organização: Comissão de Assistência Hospitalar ao Cliente Manual de Orientações aos pacientes, acompanhantes e visitantes, 2012; 30p. santacasaitajuba@santacasaitajuba.com.br (35) 36295600 MANUAL DE ORIENTAÇÕES

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética Afonso França Engenharia - 23 Detalha as normas de conduta esperadas pela Afonso França Engenharia de seus profissionais. A Afonso França tem e dissemina princípios que devem nortear

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Prezado (a) paciente HISTÓRIA

Prezado (a) paciente HISTÓRIA GUIA DO PACIENTE Prezado (a) paciente Seja bem-vindo (a) ao Hospital Maternidade Saúde da Criança (HMSC). Esse guia foi especialmente preparado para orientá-lo, assim como seus familiares e amigos, sobre

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

Produtos Unimed Grande Florianópolis

Produtos Unimed Grande Florianópolis Produtos Unimed Grande Florianópolis A Unimed é o plano de saúde que oferece os melhores médicos do Brasil. Vamos além para que sua saúde seja plena e de qualidade. Para nós, o importante é ver você bem

Leia mais

TREINAMENTO OPERACIONAL

TREINAMENTO OPERACIONAL TREINAMENTO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Introdução; Público; Objetivo do Workshop; INÍCIO IDENTIFICAÇÃO O processo normal de identificação para que um determinado beneficiário possa ter atendimento, deverá

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE

PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE PROJETO PARCERIAS SAÚDE E SOCIEDADE Sub-Projeto: Redes de Apoio aos Usuários e Familiares do HMIPV Introdução: O Hospital Materno Infantil Presidente Vargas é um hospital público Municipal que atende mulheres

Leia mais