ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO. INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO. INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE 2010"

Transcrição

1 ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE Outubro de 2010

2 AGRADECEMOS AOS CORREIOS POR VIABILIZAR ESTE ESTUDO 2

3 APOIO TECNOLÓGICO 3

4 INDICE Objetivo Metodologia Indicadores ABEMD 2009 Crescimento Consolidado 1o Sem 2010 Conclusões 4

5 INDICE Objetivo 5

6 OBJETIVO O objetivo deste estudo é desenvolver uma base de informação estratégica atualizada e corrente, sobre o setor de marketing direto, abrangendo todos os segmentos que o compõem. O estudo do mercado de marketing direto envolve estimativa do tamanho do mercado, equivalente ao valor da receita de prestação de serviços dos seus diversos segmentos. 6

7 INDICE Metodologia 7

8 METODOLOGIA As informações apresentadas no presente trabalho resultam do tratamento analítico de dados e informações obtidas de fontes primárias e secundárias: Fontes Primárias, representadas por entrevistas realizadas com empresas prestadoras de serviço de marketing direto, nos seus vários segmentos, empresas clientes, associações de classe e órgãos governamentais, buscando desenvolver a partir dessas informações conhecimento sobre o mercado de marketing direto. Fontes Secundárias estão representadas por elementos extraídos de publicações e relatórios de pesquisas específicas, em diversas fontes de dados além do Banco de Dados da SIMONSEN. 8

9 EMPRESAS CONSULTADAS: ATUALIZAÇÃ ÇÃO: ESTUDO SOBRE 2009 e 2010 Empresas do Setor Empresas Usuárias e Clientes Associações e Entidades 214 Total de Entrevistas 9

10 EMPRESAS CONSULTADAS: NÚMERO DE ENTREVISTAS ESTUDO 2009 = 214 ESTUDO 2008 = 102 ESTUDO 2007 = 125 ESTUDO 2006 =

11 DISTRIBUIÇÃ ÇÃO O GEOGRÁFICA DAS EMPRESAS CONSULTADAS 2009 % POR REGIÃO O GEOGRÁFICA Sul 17 Sudeste 59 Nordeste 13 Centro-Oeste 9 Norte 2 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 11

12 DISTRIBUIÇÃ ÇÃO O GEOGRÁFICA DO PIB ESTIMATIVA 2008 % POR REGIÃO O GEOGRÁFICA 5 NORTE 7 CENTRO OESTE 14 NORDESTE 55 SUDESTE 19 SUL Fonte: Banco Central, IBGE 12

13 DISTRIBUIÇÃ ÇÃO O DA AMOSTRA CONFORME TAMANHO DA OPERAÇÃ ÇÃO O DA EMPRESA NO BRASIL Faturamento Anual Bruto em 2009 (Milhões de R$/ano) % do número de empresas consultadas > > 100 até > 50 até > 10 até < 10 5 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 13

14 INDICE Indicadores ABEMD 2009 Crescimento 1o Semestre

15 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO ESTIMATIVA DO TAMANHO DO MERCADO ( RECEITA ) R$ 21,7 Bi 2009 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 15

16 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO NO ÚLTIMO ANO R$ 21,7 bi R$19,5 bi Crescimento 2008 a 2009 (último ano) = 11,3% a.a Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 16

17 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO (ÚLTIMOS( 9 ANOS) R$ 21,7 bi R$ 7,5 bi Crescimento Médio (últimos 9 anos) = 12,5% a.a Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 17

18 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO Crescimento 2008 a 2009 (último ano) = 11,3% a.a. Crescimento 2000 a 2009 (últimos 9 anos) = 12,5% a.a. Crescimento 1o semestre de 2010 sobre 1o semestre de 2009 (último semestre) = 21,1% a.a. Crescimento Projetado na ótica das empresas 2010 a 2014 (próximos 5) = 16,4% a.a. Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 18

19 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃ ÇÃO O POR SEGMENTO NO MERCADO RECEITA: ESTIMATIVA 2009* % do total Serviços de Internet e E-commerce 24,9% Receita (R$ mi) Empresas de Call Center/Contact center/telemarketing 22,5% Distribuição e Logística Gráficas: Impressão para Marketing Direto 14,0% 13,9% Tecnologia Relacionada a Marketing Direto 13,8% Database e CRM 6,2% Agências de marketing direto 1,8% 400 Fornecedores de Listas 0,4% 90 Outros * Inclui digital em vários dos segmentos Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 2,4% 520 Total M R$

20 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃ ÇÃO O POR SEGMENTO NO MERCADO E CRESCIMENTO ANUAL RECEITA: ESTIMATIVA 2009 Receita % do total (M R$) Serviços de Internet e E-commerce 24,9% Variação 2009/08 (% a.a.) + 15,6 Empresas de Call Center/Contact center/telemarketing 22,5% ,4 Distribuição e Logística 14,0% ,1 Gráficas: Impressão para Marketing Direto 13,9% ,0 Tecnologia Relacionada a Marketing Direto 13,8% ,7 Database e CRM 6,2% ,4 Agências de marketing direto 1,8% ,1 Fornecedores de Listas 0,4% ,5 Outros * Inclui digital em vários dos segmentos Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 2,4% 520 M = Milhão Total M R$ ,6 + 11,3 20

21 COMPARAÇÃ ÇÃO O DO TAMANHO DO MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO COM O PIB MERCADO DE PIB MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃO R$ 3.143,0 bi R$ 21,7 bi 0,69 % * Em 2008 PIB foi R$ 3.004,9 bi e Marketing Direto R$ 19,7 bi ou 0,66 % de participação Fonte: IBGE 21

22 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PRINCIPAIS SEGMENTOS USUÁRIOS: ESTUDO SOBRE 2009 (% DO VALOR) Instituições Financeiras 22 Telecomunicações/Utilidades 15 Publicações e Assinaturas 10,5 Comércio em geral e catálogos Indústria Automobilistica/autopeças 8,5 10 Fund. Raising/religioso 3 Outros diversos * 31 * inclui vários segmentos, sendo os principais construbusiness e educacional Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 22

23 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PRINCIPAIS SEGMENTOS USUÁRIOS: ESTUDO SOBRE 2009 (% DO VALOR) Instituições Financeiras 22 Variação 2009/08 (% a.a.) + 6,4 Telecomunicações/Utilidades ,1 Publicações e Assinaturas 10,5 + 11,3 Comércio em geral e catálogos Indústria Automobilistica/autopeças 8, ,1 + 5,1 Fund. Raising/religioso 3-4,7 Outros diversos * ,0 M = Milhão * inclui vários segmentos, sendo os principais construbusiness e educacional Total M R$ ,3 23

24 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO PARTICIPAÇÃ ÇÃO O NA RECEITA POR TIPO DE OPERAÇÃ ÇÃO ESTUDO SOBRE 2009 B2B 34% B2C 66% Total = G R$ 21,6 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 24

25 MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO ESTIMATIVA DO NÚMERO DE EMPREGOS 2009 Total Mil Empregos Diretos Crescimento de 8,4% a.a. em 2009 Fonte: Simonsen Associados, empresas consultadas 25

26 INDICE Conclusão 26

27 CONCLUSÃO O mercado de prestação de serviços de Marketing Direto é estimado em G R$ 21,7 por ano em O crescimento médio da receita nos últimos oito anos atinge taxa de 12,5% a.a., mostrando o desenvolvimento dos diferentes segmentos componentes do setor. O crescimento do último ano, comparando 2009 em relação a 2008, atinge 11,3% a.a. Já o crescimento obtido no primeiro semestre de 2010 chegou a 21,1% sobre o primeiro semestre de O total de empregos no setor é estimado em 1225 mil postos de trabalho, com crescimento de 8,4% em

28 Indicadores ABEMD 28

29 AGRADECEMOS AOS CORREIOS POR VIABILIZAR ESTE ESTUDO 29

30 APOIO TECNOLÓGICO 30

S IM O N S E N ASSOCIADOS ABEMD INDICADORES 2009

S IM O N S E N ASSOCIADOS ABEMD INDICADORES 2009 ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO INDICADORES 2009 INDICADORES ABEMD MERCADO BRASILEIRO DE MARKETING DIRETO Maio de 2009 EMPRESAS CONSULTADAS: ATUALIZAÇÃO: ESTUDO SOBRE 2008 S IM O N S E

Leia mais

Mercado projeta crescimento sólido

Mercado projeta crescimento sólido Indicadores Mercado projeta crescimento sólido Receitas de serviços de Marketing Direto em 2009 atingem R$ 21,7 bilhões e crescem 11,3% com relação ao ano anterior. Projeção do mercado é de evolução de

Leia mais

S IM O N S E N ASSOCIADOS INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010

S IM O N S E N ASSOCIADOS INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010 INDICADORES ABEMD DE E-MAIL MARKETING 2010 ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO CENÁRIO DO E-MAIL MARKETING DE ACORDO COM A ÓTICA DAS EMPRESAS Dezembro de 2010 e Janeiro de 2011 APOIO TECNOLÓGICO

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017

ESTUDO IDC/ACEPI. Economia Digital em Portugal 2009-2017 ESTUDO IDC/ACEPI Economia Digital em Portugal 2009-2017 ECONOMIA DIGITAL NO MUNDO (2012) 2.5 mil milhões de internautas no mundo 850 mil milhões de euros 300 mil milhões de euros Europa maior mercado de

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA OBJETIVOS FDA Prover recursos para garantir riscos de crédito e viabilizar o acesso de micro e pequenas empresas a linhas de financiamento. ME COMPETITIVA Apoiar financeiramente

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online

Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online Primeira Pesquisa Nacional do Varejo Online DADOS SOBRE A PESQUISA Data de início: 09/06/14 Data de Termino: 11/07/14 Base: E-commerce Brasil Amostra: 668 respondentes Confiança: 95% Margem de Erro: 4,0%

Leia mais

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) definiu a classificação do porte, com base no número de empregados de cada estabelecimento. QUEM SÃO AS EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO E MÉDIO PORTES? Critérios de Classificação: São dois os principais critérios para classificação da empresa por porte. Um é baseado na receita operacional bruta anual,

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

3 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUDESTE 4 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL NORDESTE Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL SUL 5 Jornal da Federação - 2012 ENCONTRO REGIONAL

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar.

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. 0 0 Participação da Indústria no PIB - Internacional Prêmios/PIB em % (2004) 1 1 A Indústria de Seguros no Brasil Desde a implantação do Plano Real,

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária

Área de Inclusão Social Departamento de Economia Solidária Atuação no Microcrédito Produtivo Programas de Apoio ao Microcrédito Produtivo Programa de Crédito Produtivo Popular PCPP Programa de Microcrédito PM Programa de Microcrédito PMC 1996 1997 2003 2004 2005...

Leia mais

Workshop de Telecomunicações da FIESP

Workshop de Telecomunicações da FIESP Workshop de Telecomunicações da FIESP A Qualidade da Banda Larga no Brasil Alexandre Barbosa Cetic.br São Paulo 27 de agosto de 15 Trajetória do CETIC.br Países da América Latina e PALOPs 1995 5 12 q Produção

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR SOLUÇÕES INOVADORAS PARA ORGANIZAÇÃO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR As políticas públicas implementadas nos últimos anos têm consolidado a importância da agricultura familiar para a segurança

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Introdução ao E-Commerce. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373

Introdução ao E-Commerce. São Paulo (11) 4063 0165 Porto Alegre (51) 3092 0102 Recife (81) 4062 9373 Introdução ao E-Commerce ecommerce não é site NÃO É UM SITE, É UMA EMPRESA A DIFERENÇA: FIQUE ATENTO ÀS MÉTRICAS VISITAS E COMENTÁRIOS X RECEITA E MARGEM NÃO É FEELING, É MULTIDISCIPLINARIDADE ecommerce

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Dezembro/ 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

- FÓRUM PET BRASIL 2013 -

- FÓRUM PET BRASIL 2013 - - FÓRUM PET BRASIL 2013 - Co-Gestores Estudo Pet Brasil 2013 e Fórum: Patrocínio Fórum: Apoio Fórum: Associados Comac: Análise Econômica 3 - FÓRUM PET BRASIL 2013 - Faturamento do Varejo Pet de Produtos

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO

SETOR de shopping center no Brasil: UMA VISÃO DO MERCADO Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 NÚMERO DE SHOPPINGS, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. FLUXO DE CLIENTES, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

SETOR de shopping center no Brasil:

SETOR de shopping center no Brasil: Informativo setorial de shopping centers Nº01 maio 2011 número de Shoppings, 2 Descubra a distribuição dos shoppings por área bruta comercial. Fluxo de Clientes, 6 Entenda o fluxo médio diário e a densidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009 PERFIL DO TOTAL DE ENTREVISTADOS Perfil da área de atuação das empresas: Base: todas as empresas respondentes

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

Censo Demográfico de 2010. Primeiros resultados. População e Domicílios recenseados

Censo Demográfico de 2010. Primeiros resultados. População e Domicílios recenseados Censo Demográfico de 2010 Primeiros resultados População e Domicílios recenseados Data 29/11/2010 Censo Demográfico de 2010 Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados. A coleta dos

Leia mais

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Medicina. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Medicina O início do ensino médico no país foi estabelecido na Bahia e no Rio de Janeiro, em 1808, devido à transferência da

Leia mais

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik

Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Muito ALÉM de uma simples LOJA VIRTUAL. Vanessa Kupczik Mestre em Design (UFPR). MBA e pós-graduação em Marketing (UFPR). Pós-graduada em Web Design (PUCPR). Graduação em Desenho Industrial (UFPR). Técnico

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Agosto de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador

Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 2015. Estatísticas do Mercado Segurador Núcleo de Estudos e Projetos Dados até Junho de 215 Estatísticas do Mercado Segurador Mercado Segurador - Visão Geral Arrecadação por segmento - histórico anual 3 Arrecadação por segmento do ano atual

Leia mais

ABEMD. Associação Brasileira de Marketing Direto

ABEMD. Associação Brasileira de Marketing Direto ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto A ABEMD é uma entidade civil, sem fins lucrativos que defende os interesse do setor desde 1976. Constituída por pessoas jurídicas e físicas. Missão - Defender

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK Resumo Executivo Pesquisa 2014 APRESENTAÇÃO Para melhor conhecimento do mercado brasileiro de coberturas em aço e fôrma colaborante steel deck, o CBCA

Leia mais

Pesquisa: Inovação nas médias empresas. Prof. Fabian Salum - 2012

Pesquisa: Inovação nas médias empresas. Prof. Fabian Salum - 2012 Pesquisa: Inovação nas médias empresas Prof. Fabian Salum - 2012 Empresas Participantes: De acordo com a classificação de porte de empresas adotada pelo BNDES, todas as empresas participantes da pesquisa

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

Um pouco sobre o Observatório do Turismo FTH UFF

Um pouco sobre o Observatório do Turismo FTH UFF Um pouco sobre o Observatório do Turismo FTH UFF O Observatório do Turismo da Universidade Federal Fluminense é um grupo de pesquisa ligado à Faculdade de Turismo e Hotelaria (FTH) Criado em 2010, é coordenado

Leia mais

Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário

Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário Encontro Nacional ABC e FNSHDU Diretoria de Crédito Imobiliário As perspectivas do mercado Relevância do CI no desenvolvimento do país Mercado - RS bilhões * PIB - R$ bilhões (***) Crédito Imobiliário

Leia mais

Pesquisa Investimentos em Marketing Digital 2013

Pesquisa Investimentos em Marketing Digital 2013 Investimentos em Marketing Digital 2013 - 1º Edição Investimentos em Marketing Digital 2013 Como as empresas estão alocando seus orçamentos de marketing digital para o ano de 2013? Quais canais, disciplinas

Leia mais

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico

Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Assistência Suplementar à Saúde no Brasil Segmento Odontológico Sindicato Nacional das Empresas de Odontologia de Grupo Sinog Março / 2011 Press Kit para Imprensa Sinog Sindicato Nacional das Empresas

Leia mais

Teleconferência e Webcast de Resultados 4T12

Teleconferência e Webcast de Resultados 4T12 Teleconferência e Webcast de Resultados 4T12 Sexta-feira, 8 de Março de 2013 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EST) Webcast: http://ri.lasa.com.br/webcast4t12 Tel: +55 (11) 4688-6361

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Audiência Pública Seleção de Prestadora SMP Parceira * Operacionalização do MVNO/Correios Infraestrutura Logística A maior Rede de Logística

Leia mais

Business Round Up BUSINESS ROUND UP

Business Round Up BUSINESS ROUND UP BUSINESS ROUND UP 1 Objetivo da Pesquisa QUAIS AS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS DOS PRINCIPAIS SETORES DA ECONOMIA DO BRASIL? Metodologia Pesquisa Quantitativa 400 entrevistas Com empresas associadas

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria no Brasil 2014 Objetivo Metodologia Perfil da Empresa de Consultoria Características das Empresas Áreas de Atuação Honorários Perspectivas e Percepção de Mercado

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resultados de Junho 2009 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2009 IDC. Reproduction

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS

SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS PROGRAMAÇÃO 18h30 18h45 19h15 19h30 19h45 20h 20h15 20h45 21h 21h15 21h30 Recepção Apresentação dos dados Setor

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS ON-LINE Alterada dia 13/01/2015-13h00 Venha fazer parte do sucesso de vendas de camisetas que mais cresce na Internet... Já são mais de 100 micro-franqueados e franqueados no Brasil!

Leia mais

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008

Programa Juro Zero. Guilherme Calheiros Coordenador. Dezembro de 2008 Programa Juro Zero Guilherme Calheiros Coordenador Dezembro de 2008 OBJETIVO O Programa Juro Zero foi criado com a finalidade de estimular o desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas Inovadoras (MPEI

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

As diretrizes de consumo no Brasil

As diretrizes de consumo no Brasil As diretrizes de consumo no Brasil A visão do consumidor Luiz Goes A GS&MD Gouvêa de Souza Consultoria Empresarial Canais de distribuição / Centrais e redes de negócios/ Controladoria e finanças / Crédito

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro Avanços da Educação no Brasil Brasília, 29 de janeiro Objetivos Objetivo 1 - Cuidados na primeira infância e educação; Objetivo 2 - Educação primária universal (EPU); Objetivo 3 - Habilidades para jovens

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010

Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio. Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 Diretoria de Pesquisa Coordenação de Serviços e Comércio Pesquisa Anual de Serviços PAS 2010 26/09/2012 Objetivos da PAS 1 - Reunir um conjunto de informações econômicofinanceiras que permitam estimar

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0

Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0 Dados de Fevereiro/2013, Relatório Número 4 Ainda em ajuste, ICES de fevereiro é 114,0 Em fevereiro, o ICES foi 114,0, com a mesma trajetória de ajuste do mês anterior, mas em uma intensidade bem menor.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

TIC em Grandes Eventos - Brasil. Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved.

TIC em Grandes Eventos - Brasil. Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. TIC em Grandes Eventos - Brasil Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. As Mega Tendências de TI no Brasil para 2011 se aplicam também para a Copa Consolidação,

Leia mais

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação:

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação: NOTÍCIAS Abinpet divulga dados consolidados do mercado pet referentes a 2013 Indústria nacional fatura R$ 15,2 bilhões e já representa 0,31% do PIB nacional De acordo com dados da Associação Brasileira

Leia mais

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL

SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL SINOPSE DE PESQUISA 2012/2013 INDICADORES ECONÔMICOS DAS VIAGENS CORPORATIVAS ALAGEV VERSÃO FINAL São Paulo Janeiro/2014 1 Associação de Apoio à Pesquisa ALAGEV Associação Latino Americana de Gestores

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO)

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Elaboração dos documentos

Elaboração dos documentos Estudo de Caso Área de conhecimento Gerência de Escopo Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Professor(es): Edevandro Nucci de Oliveira

Plano de Trabalho Docente 2010. Professor(es): Edevandro Nucci de Oliveira Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC Rodrigues de Abreu Ensino Técnico Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Gestão e Comércio Habilitação Profissional: Técnico em Logística Qualificação: Módulo:

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV. 11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV. 11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV. 11 Renúncias Previdenciárias (Art. 4 o, 2 o, inciso V, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) QUADRO I RENÚNCIAS PREVIDENCIÁRIAS Modalidade Previsão 2009 (R$) Participação

Leia mais

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 CAIXA e o NORDESTE NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 ATENDIMENTOS CAIXA Total de Transações 921 milhões em terminais de Auto- Atendimento 131 milhões

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 As empresas de Panificação e Confeitaria brasileira confirmam o momento de evolução pelo qual passam nos últimos anos. Em 2010, o índice

Leia mais

Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the

Lorem Ipsum has been the industry's standard dummy text ever since the ESTRATÉGIAS DE MARKETING E AS NOVAS MÍDIAS APRESENTAÇÃO: Com a evolução do mercado digital, o e-commerce, que cresce a taxas muito superiores se comparado ao comércio tradicional, faz-se cada vez mais

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO CENTRO-OESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE TELHAS DE AÇO E STEEL DECK Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO O CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço e a ABCEM Associação Brasileira da Construção Metálica apresentam

Leia mais

A Corretagem como Negócio

A Corretagem como Negócio A Corretagem como Negócio Robert Bittar, Presidente, FENACOR www.fenacor.com.br XVI Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros Florianópolis, Santa Catarina - Outubro/2009 Mudando o Conceito Corretor

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Estar Mais Próximo do Cliente B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Considerações Gerais Considerações referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

Reunião Pública Anual. 19 de dezembro de 2013

Reunião Pública Anual. 19 de dezembro de 2013 Reunião Pública Anual 19 de dezembro de 2013 2 Aviso importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve

Leia mais

EnsinoTécnicoIntegrado

EnsinoTécnicoIntegrado PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 EnsinoTécnicoIntegrado Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Componente Curricular: Marketing Eixo Tecnológico: Gestão

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais Pelo quarto ano consecutivo, a ANS apresenta dados de crescimento do número de beneficiários do setor acima de

Leia mais

Sistemas de BI (Business Intelligence para Empresas com Foco no Cliente)

Sistemas de BI (Business Intelligence para Empresas com Foco no Cliente) Sistemas de BI (Business Intelligence para Empresas com Foco no Cliente) Temas abordados 1. CONTEXTO AMBIENTAL tem por objetivo o entendimento do contexto ambiental em que se encontram as organizações

Leia mais

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600

Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) www.datametrica.com.br faleconosco@datametrica.com.br 81.3316.2600 Perfil geral do Porto Digital (atualizado para Dezembro/2010) Dados Gerais do Porto Digital 191 Empresas *Empresas de TIC: Empresas de software e serviços de TIC; **Serviços associados: Empresas que prestam

Leia mais

Academia do Concurso / FABEC

Academia do Concurso / FABEC Academia do Concurso / FABEC Fusões e Aquisições Junho/2011 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Academia do Concurso Descritivo Empresa do Grupo Damásio localizada no centro da cidade do Rio de Janeiro* Oferece cursos

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais