INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS. Roteiro de Estudo I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS. Roteiro de Estudo I"

Transcrição

1 INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS Depto. de Física - FIS Introdução à Física Quântica Roteiro de Estudo I Este roteiro foi preparado para servir de guia de estudo e para chamar a atenção sobre os pontos considerados mais essenciais. Não se pretende que ele esgote a matéria. 1. Radiação Térmica: (a) Procure entender e saber definir o conceito de radiação térmica. (b) Como se relacionam as taxas de emissão e absorção em um corpo que tem temperatura superior à do meio em que está imerso? E como se relacionam estas taxas quando o equilíbrio térmico é atingido? (c) Procure entender o conceito de corpo negro. Esteja certo(a) de entender a diferença conceitual entre reflexão e emissão. (d) É importante entender bem porque uma cavidade que se comunica com o exterior fornece um bom modelo de corpo negro. (e) Fixe o conceito de radiância espectral. (f) Saiba caracterizar graficamente de forma qualitativa um espectro de corpo negro, ou seja, saiba fazer um gráfico rudimentar de um espectro de corpo negro (R T (ν) vs. ν), inclusive no que se refere à dependência com a temperatura. (g) Fixe o conceito de radiância, e saiba distingui-lo de radiância espectral. (h) Fixe a lei de Stefan, R T = σt 4, onde R T é a radiância. Não é necessário memorizar o valor da constante σ, mas é importante conhecer o enunciado da lei. (i) Fixe a lei de deslocamento de Wien, tanto na forma ν max T quanto na forma λ max T = cte. (não é necessário decorar o valor da constante). (j) Procure seguir e entender o procedimento que leva à expressão para o número de freqüências permitidas no intervalo entre ν e ν + dν, por unidade de volume da cavidade : N(ν)dν = (8π/c 3 )ν 2 dν (Ver, p. ex., Eisberg & Resnick, 1988). Este procedimento não será cobrado em provas nesta disciplina, mas é importante que seja compreendido para que o estudante possa acompanhar o raciocínio que leva à expressão obtida por Rayleigh e Jeans para a densidade de energia na cavidade, bem como seguir a modificação introduzida por Planck. (k) Uma vez obtida expressão para N(ν)dν, saiba explicar os passos seguidos por Rayleigh-Jeans para obtenção de ρ T (ν) (saiba explicar o que representa esta grandeza). Saiba também explicar em que aspectos o resultado obtido difere do resultado observado experimentalmente. (l) De forma análoga, saiba explicar a essência da modificação introduzida por Planck. Procure compreender em que medida a hipótese de Planck representava uma noção radicalmente nova, em termos de descrição da energia de sistemas oscilantes? (m) Saiba obter ρ T (λ) a partir de ρ T (ν). (n) Saiba explicar como, a partir de dados empíricos referentes à radiação térmica e conhecendo-se o valor da velocidade da luz, é possível usar a expressão para a densidade espectral de energia encontrada por Planck para determinar as constantes h e k (cte. de Planck e cte. de Boltzmann, respectivamente). (o) Acompanhe o Ex. 1-6, do Eisberg & Resnick, 1988 (em conexão com a discussão do início da seção 1-6), e procure entender porque a quantização da energia dos sistemas oscilantes proposta por Planck para explicar a radiação de corpo negro não é observável no convívio com objetos macroscópicos. (p) Leia a seção 1-7 do Eisberg & Resnick, 1988, com aspectos históricos a respeito da postura de Planck frente à hipótese inovadora que introduziu. Em particular, esta seção menciona que a proposta de Planck era originalmente menos abrangente do que a forma tratada em aula e no Cap. 1 de Eisberg & Resnick, (q) Questões: i. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 1.1) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 1.15) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 1.17)

2 (r) Problemas: i. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.1) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.4) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.5) iv. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.7) v. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.12) vi. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.14) vii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.16) viii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.17) ix. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 1.18) 2. Propriedades Corpusculares da Radiação: (a) Procure compreender e saber descrever de forma breve, embora clara, os aspectos essenciais das experiências sobre efeito fotoelétrico. (b) Quais os três aspectos do fenômeno (efeito fotoelétrico) que se revelaram inexplicáveis em termos da teoria ondulatória clássica da luz? Você sabe explicar por que estes aspectos representam uma dificuldade do ponto de vista ondulatório? (c) Estude o Ex. 2-1 do Eisberg & Resnick, 1988, em conexão com um dos aspectos mencionados no item anterior. (d) Procure entender e incorporar à memória os aspectos principais da abordagem de Einstein para o efeito fotoelétrico. (e) Saiba expor e explicar de que forma a teoria formulada por Einstein podia explicar satisfatoriamente os aspectos do fenômeno de emissão fotoelétrica que permaneciam inexplicados pela teoria ondulatória da luz. (f) Procure compreender as semelhanças e diferenças entre a proposta de Planck para a radiação térmica e a proposta de Einstein para o efeito fotoelétrico. (g) Estude os exemplos 2-2 e 2-3 do Eisberg & Resnick, (h) Familiarize-se com os aspectos básicos do chamado efeito Compton. Saiba descrever de forma sucinta o experimento envolvido e formular qualitativamente a explicação do fenômeno, envolvendo o conceito de fótons. (i) Saiba formular matematicamente a descrição do fenômeno envolvido no efeito Compton, desenvolvendo as equações até chegar à chamada equação de Compton, λ = (h/m e c)(1 cos θ). Note que será usada uma mecânica envolvendo efeitos relativísticos. Estas aplicações vão permitindo que o estudante ganhe familiaridade com alguns aspectos da mecânica relativística (como a relação entre energia e momentum), mesmo que ainda não tenha sido exposto à dedução das relações utilizadas. (j) Você sabe explicar porque aparecem dois picos no espectro do espalhamento Compton, um correspondendo ao comprimento de onda original do fóton e o outro com o comprimento de onda modificado? (k) Em conexão com o efeito Compton, encontramos no Eisberg & Resnick, 1988 menção ao espalhamento Thomson, em que não há mudança no comprimento de onda nos fótons espalhados. Procure entender a natureza do processo, e saber explicar porque é dito que o espalhamento Thomson é um caso onde resultados clássicos e quânticos se confundem. (l) Existe região do espectro eletromagnético em que o espalhamento Thomson domina e o efeito Compton não é perceptível? E região em que o efeito Compton é dominante? Que regiões são essas? (m) Faça o Ex. 2-4 do Eisberg & Resnick, (n) É um bom momento para refletir sobre a natureza dual da radiação eletromagnética. Tenha em mente que é possível conciliar os aspectos ondulatórios com os corpusculares, com o uso da mecânica quântica, o que veremos mais adiante... (o) Que aspecto da emissão de raios X fica inexplicado com o uso da teoria eletromagnética clássica (tratamento ondulatório da radiação?). Como fica a explicação envolvendo o conceito de fótons? (p) Estude e procure compreender o processo de produção e aniquilação de pares (secão 2-7, Eisberg & Resnick, 1988); faça a parte (a) do Ex. 2-7 (mesmo livro). Este processo também põe em evidência o conceito de fóton, mas não será de momento abordado em aula, pois sua descoberta foi posterior à formulação da Mec. Quântica por Schrödinger. Estamos discutindo, na primeira fase da disciplina, fenômenos que levaram ao desenvolvimento da Mec. Quântica, como problemas na interpretação da radiação térmica, efeito fotoelétrico e efeito Compton.

3 (q) Questões: i. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 2.3) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 2.8) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 2.10) (r) Problemas: i. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.1) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.5) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.9) iv. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.11) v. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.16) vi. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.19) vii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.20) viii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.25) ix. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 2.26) x. (French & Taylor, probl. 1-8) xi. (French & Taylor, probl. 1-10) xii. (French & Taylor, probl. 1-12) 3. Propriedades Ondulatórias das Partículas: (a) Qual é a essência da proposta de de Broglie, relativamente à descrição da matéria, e como se expressa esta proposta no que se refere à energia e ao momentum de uma partícula? (b) Procure familiarizar-se com as expressões ligando momentum e comprimento de onda e ligando energia e freqüência. Elas devem se tornar tão conhecidas quanto a expressão F = ma, por exemplo. (c) A partir das expressões mencionadas no item anterior, obtenha uma expressão que forneça o comprimento de onda associado a uma partícula com uma dada energia cinética K (tratamento não relativístico). Obtenha também λ como função de K para o caso relativístico, supondo uma partícula com massa de repouso m 0 (Ver French & Taylor, seção 2-3, por exemplo, para encontrar as expressões relativísticas relevantes). (d) Procure familiarizar-se com os experimentos que evidenciam a difração de elétrons por uma rede cristalina (experimento de Davisson e Germer; experimento de Thomson). Qual é a diferença principal entre estes dois experimentos? (e) Procure reconstituir a dedução da relação de Bragg, utilizando esta relação no cálculo do comprimento de onda associado ao elétron no experimento de Davisson-Germer, com posterior comparação com a previsão da proposta de de Broglie. (f) A natureza ondulatória das partículas seria perceptível se tentássemos realizar um experimento de difração usando equipamentos adequados para experiências de difração de ondas eletromagnéticas (fazendo elétrons passarem por fendas duplas com a dimensão utilizada para produzir franjas de interferência com luz visível, por exemplo)? (g) De maneira geral, é mais facilmente mensurável o comportamento ondulatório em partículas de pequena massa ou de grande massa? (h) Estamos estudando a chamada dualidade onda-partícula. Estes dois aspectos se manifestam simultâneamente para uma partícula, ou precisamos considerar um ou outro dependendo da circunstância? Procure pensar em exemplos. (i) Familiarize-se com o princípio da complementaridade (Niels Bohr). (j) Mais adiante, nesta disciplina, vamos desenvolver uma formulação ondulatória da Mec. Quântica, usando a Eq. de Schrödinger. Por enquanto, abordamos apenas alguns aspectos preliminares. Por exemplo, associamos propriedades ondulatórias às partículas. Supondo uma função ondulatória ψ associada a uma partícula, você sabe explicar qual a interpretação que estamos dando ao módulo quadrado desta função? Temos uma interpretação diretamente aplicável à função ψ propriamente dita? (Obs.: O tema não é absolutamente trivial. No momento nos contentaremos com uma interpretação que podemos chamar de convencional. Mais adiante, voltaremos a discutir a questão). (k) Familiarize-se com as relações de incerteza de Heisenberg. Procure compreender seu significado e implicações mais imediatas, no que se refere à possibilidade de conhecimento simultâneo de certas propriedades dos sistemas físicos (posição e momentum, por exemplo).

4 (l) É importante compreender claramente que relações de incerteza são propriedades inerentes a uma descrição ondulatória. Por exemplo, uma emissora de rádio emitindo um sinal com freqüência pura (única) estaria emitindo apenas um som uniforme. Para transmitir uma mensagem com conteúdo (um sinal), é necessário combinar várias freqüências, formando um pacote de ondas cuja amplitude é modulada. Ou seja temos uma emissora AM (existem também as FM, freqüência modulada, mas não vamos nos dispersar nestes detalhes). O importante é constatar que um sinal com uma dada duração temporal t é obtido por meio de uma largura de banda no espaço de freqüências ( ν E), e que uma diminuição de t requer um aumento de ν. (m) Estude e compreenda o conceito de pacotes de ondas (já mencionado no item anterior). Acompanhe o exemplo encontrado no Eisberg & Resnick, 1988, onde está feita a superposição de duas ondas, levando à obtenção das velocidades de fase e de grupo, e mostrando que esta última corresponde à velocidade da partícula à qual a onda está associada. (n) Igualmente, acompanhe e saiba reproduzir a discussão associada a um pacote mais complexo (introduzido em aula), onde supusemos uma ψ(x) tal que ψ(x) = dk e ikx A(k), onde A(k) = 1, para k 0 k/2 < k < k 0 + k/2, e A(k) = 0 fora deste intervalo. Obtenha ψ(x) explicitamente, bem como seu quadrado. Discuta a relação de incerteza encontrada entre posição e momentum. Ela está de acordo com o princípio de incerteza de Heisenberg? (o) Em conexão com o tema, procure ler as seções 3-2, 3-3, 3-4 e 3-7 do livro de A. Beiser, Concepts of Modern Physics, McGraw-Hill, New York, 1987, 4a. ed. Este livro, que será referido no futuro como Beiser, 1988, não está na lista da bibliografia de consulta mas pode prestar bons serviços ao estudante, em certos pontos. (p) É conveniente estudar com atenção as seções 1-2 até 1-6 do Feynman et al., 1965, o volume 3 da coleção The Feynman Lectures on Physics, indicado como bibliografia de consulta, ou as seções 37-2 a 37-6 do volume 1 da mesma coleção (as seções indicadas do vol. 3 são idênticas a estas do Vol. 1). Nestas seções discute-se um gedanken experiment, ligado à difração de elétrons, onde Feynman tenta evidenciar o que ele chama de um mistério que está no coração da Mecânica Quântica. (q) Estude o exemplo 3-5 do Eisberg & Resnick, 1988, onde é introduzido o conceito de largura de linha para linhas espectrais de emissão, largura esta conectada à incerteza E na energia do estado excitado. (r) Estude os exemplos 3-6 e 3-7 do Eisberg & Resnick, 1988, ambos ligados ao princípio de incerteza. (s) As seções 3-5 e 3-6 do Eisberg & Resnick, 1988 trazem uma discussão sucinta sobre consequências do princípio de incerteza, e sobre aspectos filosóficos da Mec. Quântica. A leitura destas seções antecipa alguns dos tópicos com os quais continuaremos nos defrontando mais adiante. (t) Um item para dar o toque final antes de passar para questões e problemas: antes que você comece a achar tudo isto um tanto exótico e distante da realidade prática, lembre-se que um microscópio eletrônico funciona exatamente usando as propriedades ondulatórias dos elétrons em lugar de luz. (u) Questões: i. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 3-13) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 3-14) (v) Problemas: i. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 3-3) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 3-5) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 3-11) iv. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 3-24) v. (French & Taylor, probl. 2-5) vi. (French & Taylor, probl. 2-8) vii. (French & Taylor, probl. 2-10) 4. Modelos Atômicos: (a) Procure compreender a descrição qualitativa do átomo, segundo o modelo de Thomson. Estude o exemplo 4.1 (Eisberg & Resnick, 1988), onde é feito o cálculo da freqüência de oscilação característica de um elétron no átomo, segundo este modelo. Em que sentido o resultado obtido conflitava com o espectro observado do hidrogênio? (b) Não vamos nos aprofundar no estudo dos modelos atômicos mais antigos. Entretanto, o estudante deve conhecer e saber descrever o experimento de espalhamento de partículas α realizado por Rutherford e seu grupo.

5 (c) Segundo o experimento de Rutherford e seu grupo, a fração de partículas α sofrendo espalhamento em ângulos maiores do que 90 era Compare com o resultado previsto pelo modelo de Thomson, mencionado no exemplo 4-2 (Eisberg & Resnick, 1988). (d) Você sabe descrever qualitativamente os aspectos essenciais do modelo de Rutherford? De que ordem de grandeza seria o raio do núcleo, comparado com o raio do átomo? (e) Leia a seção 4-3 (Eisberg & Resnick, 1988), onde está discutido o problema da estabilidade do átomo. Esteja certo(a) de compreender porque a existência de átomos estáveis era de difícil compreensão, em face do modelo de Rutherford. (f) Familiarize-se com a noção de espectros atômicos. (g) Familiarize-se com as séries de emissão do átomo de hidrogênio. Procure fixar a expressão que resulta nas séries conhecidas e batizadas (Lyman, Balmer, Paschen, Brackett e Pfund). Olhando para a expressão, como se diferenciam estas séries? (h) Saiba a diferença entre espectro de emissão e espectro de absorção. Existe correspondência bi-unívoca entre as linhas destes dois espectros? (i) Procure saber de memória os postulados de Bohr. (j) Observe a natureza híbrida do modelo de Bohr, que mistura noções clássicas com noções quânticas. Como o modelo de Bohr lidou com o problema da estabilidade do átomo? (k) Atente para o fato de que o modelo de Bohr incorporou o conceito de pacote de energia para a radiação eletromagnética (utilizado no caso do efeito fotoelétrico), ao propor que a freqüência da radiação emitida seria proporcional à diferença de energias entre os estados inicial e final de uma transição. (l) Saiba aplicar o modelo de Bohr para o caso de um elétron em órbita circular em torno do núcleo, obtendo o raio da órbita e os níveis de energia, supondo o núcleo com massa infinita. Estude o exemplo 4-6 do Eisberg & Resnick, (m) Saiba aplicar o modelo de Bohr para obter a expressão que fornece as linhas espectrais do hidrogênio (considerando infinita a massa do núcleo). Obtenha a constante de proporcionalidade R, em termos de outras grandezas (e, h,...). Utilize os valores numéricos destas quantidades para obter o valor de R, comparando-o com o valor experimental da constante de Rydberg. (n) Como o modelo de Bohr, aliado com resultados básicos da estatística de sistemas em equilíbrio, explica as propriedades do espectro de absorção dos átomos de um elétron? (o) Procure aplicar o modelo de Bohr, considerando finita a massa do núcleo (M), e obtenha a expressão para as linhas de emissão onde aparece a constante R M em lugar de R. (p) Estude os exemplos 4-8, 4-9 e 4-10 do Eisberg & Resnick, São aplicações imediatas do modelo de Bohr. (q) Familiarize-se com a experiência de Franck-Hertz, que demonstrou de maneira direta a existência de níveis de energia no átomo, fora do contexto da espectroscopia. Saiba descrever de forma resumida a experiência propriamente dita e os resultados obtidos (Sugere-se que o estudante procure colocar esta descrição por escrito, para poder avaliar melhor seu conhecimento do assunto e sua capacidade de expressar este conhecimento). (r) Saiba enunciar as regras de quantização de Wilson-Sommerfeld. Conscientize-se de que as mesmas são aplicáveis a quaisquer sistemas físicos cujas coordenadas são periódicas no tempo, o que inclui como casos especiais a quantização do modelo de Bohr e a quantização proposta por Planck. (s) Saiba aplicar as regras de Wilson-Sommerfeld para sistemas simples: o oscilador harmônico simples, levando à condição de quantização de Planck, e o caso do elétron se movendo em órbita circular, levando à quantização introduzida no modelo de Bohr. (t) Qual foi o aspecto novo introduzido pelo modelo atômico de Sommerfeld (na formulação não relativística), em relação ao modelo de Bohr? (u) Quantos e como são chamados os números quânticos que aparecem na teoria de Sommerfeld para o átomo? (v) Por que é dito que a teoria de Sommerfeld fornece estados degenerados para o átomo? Como Sommerfeld conseguiu resolver este problema e explicar a estrutura fina do espectro de hidrogênio? Por falar nisto, você sabe explicar o que é a estrutura fina? (w) Estude e saiba enunciar as regras de seleção. O modelo de Sommerfeld explica as regras de seleção? (x) Estude a seção 4-12 do Eisberg & Resnick, 1988 e procure compreender e saber explicar os aspectos ali mencionados que tornavam insatisfatória a chamada antiga Teoria Quântica, apesar dos seus muitos sucessos.

6 (y) Questões: i. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 4-8) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, questão 4-23) (z) Problemas: i. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-16) ii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-19) iii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-25) iv. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-27) v. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-29) vi. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-32) vii. (Eisberg & Resnick, 1988, probl. 4-34) viii. (French & Taylor, probl. 2-15) ix. (French & Taylor, probl. 1-16) x. (French & Taylor, probl. 1-25) xi. (French & Taylor, probl. 1-26)

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428 Aula 8 Fótons e ondas de matéria II Física Geral F-428 1 Resumo da aula anterior: Planck e o espectro da radiação de um corpo negro: introdução do conceito de estados quantizados de energia para os osciladores

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex Modelo de Sommerfeld (1916) Modelo de Sommerfeld (1916) Sommerfeld aperfeiçoou o modelo de BOHR, incluindo órbitas elípticas para o elétron, que teria energias diferentes dependendo do tipo de órbita descrita.

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

2.1: Espalhamento de Raios X

2.1: Espalhamento de Raios X Unidade 1 - Aula * Tradução e adaptação livre das aulas do Professor Rick Trebino em: www.physics.gatech.edu/frog Propriedades da Onda de Matéria ria* * + Difração de Elétrons.1 Espalhamento de Raios X.

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio.

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio. O Átomo de BOHR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXB (FIS1057). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista 1 Tópicos. O Átomo de

Leia mais

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA

NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA NOTAS DE AULAS DE ESTRUTURA DA MATÉRIA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 9 INTERAÇÃO MAGNÉTICA E SPIN Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 9 - INTERAÇÃO MAGNÉTICA E SPIN ÍNDICE 9-1- Momento de Dipolo

Leia mais

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução

Astroquímica. Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. Prof. Dr. Sergio Pilling. Alunos: Víctor de Souza Bonfim. 1. Introdução Astroquímica Mestrado e Doutorado em Física e Astronomia Prof. Dr. Sergio Pilling Alunos: Víctor de Souza Bonfim Aula 2 - Astronomia atômica e molecular. 1. Introdução Nossas discussões desta aula procuram

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau U L 9 Meta da aula plicar o formalismo quântico ao caso de uma partícula quântica que incide sobre o degrau de potencial, definido na ula 8. Vamos

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo 01. Dois astronautas, A e B, encontram-se livres na parte externa de uma estação espacial, sendo desprezíveis as forças de atração gravitacional sobre eles. Os astronautas com seus trajes espaciais têm

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos

objetivos A partícula livre Meta da aula Pré-requisitos A partícula livre A U L A 7 Meta da aula Estudar o movimento de uma partícula quântica livre, ou seja, aquela que não sofre a ação de nenhuma força. objetivos resolver a equação de Schrödinger para a partícula

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ Teoria Pura Tenho

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios.

objetivo Exercícios Meta da aula Pré-requisitos Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. Exercícios A U L A 10 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico estudado neste módulo à resolução de um conjunto de exercícios. objetivo aplicar os conhecimentos adquiridos nas Aulas 4 a 9 por meio da

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Ondas II F-228 UNICAMP

Ondas II F-228 UNICAMP Ondas II F-228 UNICAMP http://thenonist.com/index.php/thenonist/permalink/stick_charts/ Superposição de ondas Resumo de ondas mecânicas Superposição de ondas Exemplos Representação matemática Interferência

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO FÍSICA PARA ENGENHARIA ELÉTRICA José Fernando Fragalli Departamento de Física Udesc/Joinville EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Near the end of this decade, when they begin enumerating the names of the people who

Leia mais

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica.

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1-1 1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1.1 A radiação térmica No último ano do século XIX, e especialmente no ano 1900, Max Planck (1858-1947) procurou encontrar uma fórmula, com a qual se poderia

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA

O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA (NOTAS DE AULA) SILVIO SENO CHIBENI Departamento de Filosofia - IFCH - UNICAMP A história das grandes transformações sofridas pela física e que culminaram na formulação

Leia mais

Princípio da Incerteza de Heisenberg

Princípio da Incerteza de Heisenberg Princípio da Incerteza de Heisenberg UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXA (FIS1056). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista

Leia mais

O caso estacionário em uma dimensão

O caso estacionário em uma dimensão O caso estacionário em uma dimensão A U L A 6 Meta da aula Aplicar o formalismo quântico no caso de o potencial ser independente do tempo. objetivos verificar que, no caso de o potencial ser independente

Leia mais

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV.

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV. 1. (Ufpr 2014) As teorias atômicas vêm se desenvolvendo ao longo da história. Até o início do século XIX, não se tinha um modelo claro da constituição da matéria. De lá até a atualidade, a ideia de como

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

Espectros atômicos e o modelo de Bohr

Espectros atômicos e o modelo de Bohr Capítulo 4 Espectros atômicos e o modelo de Bohr Em 1912, Niels Bohr (1885-1962) transferiu-se para o laboratório de Rutherford, que nessa época se encontrava em Manchester. Bohr, como veremos, procurou

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de FÍsica, do 12ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36

CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO. Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2. Capítulo 2 Campo elétrico, 36 Sumário Parte 1 CARGAS ELÉTRICAS EM REPOUSO Capítulo 1 Eletrização. Força elétrica, 2 1. Eletrização por atrito. Noção de carga elétrica, 2 Leitura A série triboelétrica, 4 2. Princípios da Eletrostática,

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): Série: 3ª Turma: Disciplina: Física Professor: Hélio Código: INTRODUÇÃO À FÍSICA MODERNA Física Clássica: Física desenvolvida antes de 1900. Física Moderna:

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 12º ANO Ano lectivo 2015/2016 Competências Gerais Conteúdos programáticos /Temas Objectivos Gerais Aulas Previstas (blocos

Leia mais

Épreciso imaginação para pensar como um químico. Imaginação química significa que

Épreciso imaginação para pensar como um químico. Imaginação química significa que Átomos: O Mundo Quântico Quais São as Idéias Importantes? A matéria é composta de átomos. A estrutura dos átomos pode ser entendida por meio da teoria conhecida como mecânica quântica, na qual as propriedades

Leia mais

Fig. 3 Aula 1; cuja temática são os conceitos sobre luz

Fig. 3 Aula 1; cuja temática são os conceitos sobre luz A primeira aula será sobre conceitos que envolvem a temática luz (fig. 3), uma vez que nosso planeta é iluminado por uma fonte luminosa proveniente de uma estrela, o Sol, localizada no centro do Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA Edição de junho de 2014 CAPÍTULO 3 MODELOS ATÔMICOS E A VELHA TEORIA QUÂNTICA ÍNDICE 3.1-

Leia mais

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância)

2. Duração da Prova: - Escrita: 90 min (+30 minutos de tolerância) - Prática: 90 min (+30 minutos de tolerância) ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES Física 12º ano CÓDIGO 315 (1ª e 2ª Fases ) INFORMAÇÃO PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Alunos do Decreto-Lei nº 74/2004 Formação Específica Ano Letivo:

Leia mais

Laboratório de Física Moderna

Laboratório de Física Moderna Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Arturo R. Samana Semestre: 2014.1 Conteúdo - Objetivos da Disciplina - Ementa curricular - Critérios de avaliação - Conteúdo programático - Programação Objetivos

Leia mais

CONSTANTE DE PLANCK 739EE

CONSTANTE DE PLANCK 739EE 1 T E O R I A 1. INTRODUÇÃO Segundo Studart (2000).. A invenção do quantum de energia é um dos muitos exemplos na historia da ciência que revela que conceitos científicos são criados por ações da imaginação

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER)

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) 01)Um veículo está se movendo ao longo de uma estrada plana e retilínea. Sua velocidade em função do tempo, para um trecho do percurso, foi registrada e

Leia mais

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano.

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. -> mais conhecido por suas contribuições para a teoria quântica.

Leia mais

Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido

Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido 1 INTRODUÇÃO As ondas podem sofrer o efeito de diversos fenômenos, dentre eles estão a difração e a interferência. A difração

Leia mais

2FIS023 FÍSICA GERAL III

2FIS023 FÍSICA GERAL III 1ª Série 2MAT032 CÁLCULO E GEOMETRIA ANALÍTICA I A derivada: números reais. Planos cartesianos e gráficos de funções. Limite e continuidade de funções reais. Diferenciação de funções reais e aplicações.

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS

APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS http://hermes.ucs.br/ccet/deme/emsoares/inipes/complexos/ APLICAÇÕES DE NÚMEROS COMPLEXOS Silvia Carla Menti Propicio Universidade de Caxias do Sul Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de

Leia mais

Oscilador Harmônico Simples

Oscilador Harmônico Simples Motivação Oscilador Harmônico Simples a) espectroscopia molecular, b) cristais e outras estruturas no estado sólido, c) estrutura nuclear, d) teoria de campo, e) ótica, f) mecânica estatística, g) aproximante

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Introdução à cosmologia observacional

Introdução à cosmologia observacional X ESCOLA DO CBPF MÓDULO GRADUAÇÃO Introdução à cosmologia observacional Ribamar R. R. Reis IF - UFRJ O que é cosmologia? Cosmologia é o estudo do universo como um todo. Para tornar esse estudo possível

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 4 MODELOS ATÔMICOS ÍNDICE 4.1- Modelo de Thomson 4.2- Modelo de Rutherford 4.2.1-

Leia mais

Capítulo 1: Como tudo Começou Catástrofe do Ultravioleta e Efeito Fotoelétrico

Capítulo 1: Como tudo Começou Catástrofe do Ultravioleta e Efeito Fotoelétrico Material Elaborado por Caio Guimarães Física Moderna: Análise da Aplicação da Teoria nos Exercícios do ITA Capítulo 1: Como tudo Começou Catástrofe do Ultravioleta e Efeito Fotoelétrico Nota do Autor A

Leia mais

Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008

Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008 Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008 12 de maio de 2008 1 (a) O objetivo principal da oficina de espectroscopia é que os aprendizes aprendessem, rápido, a interpretar espectros e linhas espectrais,

Leia mais

Valter L. Líbero EFC

Valter L. Líbero EFC Valter L. Líbero EFC - 2012 1- Teoria Atômica 2- Interação Matéria Radiação 3- Relatividade Referências: Tipler e Llewellyn J. P. McEvoy E Oscar Zarate O Conceito de Átomo Demócrito (o grego), 450 ac:

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Prof. Dr. Joel Mesa Hormaza. Semestre Letivo: ( ) Primeiro ( X ) Segundo

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. DOCENTE RESPONSÁVEL : Prof. Dr. Joel Mesa Hormaza. Semestre Letivo: ( ) Primeiro ( X ) Segundo PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Física Médica MODALIDADE: Bacharelado DISCIPLINA: Física Moderna (X) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: Física e Biofísica DOCENTE RESPONSÁVEL : Prof. Dr. Joel

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 1.º Teste sumativo de FQA 21. Out. 2015 Versão 1 10.º Ano Turma A e B Professora: Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas e termina na palavra

Leia mais

Princípios da Mecânica Quântica

Princípios da Mecânica Quântica Princípios da Mecânica Quântica Conceitos básicos de Mecânica Quântica Em 1900 Max Planck introduziu o conceito de quantum de energia. Neste conceito a energia só poderia ser transferida em unidades discretas

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva O Efeito Compton Einstein, em 1919, concluiu que um fóton de energia E se desloca em uma única direção (diferentemente de uma onda esférica) e é portador de um momento

Leia mais

Uma breve história do mundo dos quanta. Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso

Uma breve história do mundo dos quanta. Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso Uma breve história do mundo dos Érica Polycarpo Equipe de Física Coordenação: Prof. Marta Barroso Tópicos da Segunda Aula Abordagem histórica Radiação de corpo negro Efeito fotoelétrico Espalhamento Compton

Leia mais

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2

QUÍMICA I. Teoria atômica Capítulo 6. Aula 2 QUÍMICA I Teoria atômica Capítulo 6 Aula 2 Natureza ondulatória da luz A teoria atômica moderna surgiu a partir de estudos sobre a interação da radiação com a matéria. A radiação eletromagnética se movimenta

Leia mais