AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA:ELEMENTO CHAVE PARA GESTÃO DOS FLUXOS Barbosa, Maria Beatriz; Fortes, Melissa Belato; Fischer, Ligia C.

2 Projeto de Estações e Gestão dos Serviços de Transporte A gestão das estações e dos trens: influenciam a percepção da qualidade do serviço e o nível de satisfação do cliente como também impactam no grau de eficiência com que se utilizam os recursos investidos (Correa; Caon, 2002). As decisões de projeto: são tomadas com antecedência adequando a oferta à demanda estimada definindo a capacidade de processamento num determinado tempo segundo um determinado nível de serviço. As decisões de gestão: visam adequar a oferta de serviço à demanda desde que não ultrapasse a capacidade de processamento. A complexidade de uma estação de metrô decorre da necessidade de integrar espaços com funções diferenciadas garantindo a mobilidade, a segurança e a rapidez para acessar a plataforma de embarque e desembarque ou a saída.

3 Fatores que Impactam na capacidade de processamento A capacidade do sistema metroviário é dada pela capacidade de gerar viagens. Contudo, há um limite de viagens que podem ser realizadas em determinado tempo. Dentre os gargalos identificados em estações metroviárias, destacam-se: dimensão, forma e configuração de corredores de circulação, existência de obstáculos, escadas, passagens estreitas; largura e velocidade de escadas rolantes; largura de rampas e escadas fixas; quantidade de escadas (fixas e rolantes) e rampas; velocidade dos equipamentos de controle de acesso; dimensão das áreas de acomodação junto às escadas nas áreas de circulação; áreas de acomodação para o desembarque nas plataformas.

4 Ciclo de Serviço de Uma Viagem Integrada Conhecer a capacidade de atendimento disponível significa identificar a capacidade limitante, ou seja, o gargalo Figura 1: Ciclo de serviço de uma viagem integrada. Fonte: adaptado por Barbosa, M.B. a partir de CPTM, Guia do Ciclo da Prestação de Serviço Trem Metropolitano

5 Etapa preliminar: escolha das estações estudos de caso Assim estações representativas para elaboração dos três estudos foram selecionadas a partir das seguintes premissas: a) estação de conexão entre linhas de metrô, com comércio/serviço no seu interior; b) estação de conexão intermodal, com comércio e serviço no seu interior; c) estação agregada a um shopping center. Estas estações foram construídas em diferentes épocas e tiveram mudanças significativas no decorrer dos anos de operação.

6 Levantamento e Elaboração dos Mapas de Fluxos Dentre as etapas do levantamento e elaboração, destacam-se: 1) levantamento da demanda das estações; 2) observação nos horários de pico da manhã e da tarde, anotações e registro fotográfico de: i. circulações horizontais e verticais, incluindo escadas fixas, escadas rolantes, rampas, elevadores; ii. placas de comunicação visual direcional e indicativa e das rotas de fuga; iii. rotas acessíveis utilizadas para o embarque preferencial; iv. fluxos predominantes; v. gargalos;

7 Levantamento e Elaboração dos Mapas de Fluxos 3) elaboração do mapa de fluxo incluindo: i. fluxos predominantes para embarque, desembarque e conexão de cada uma das linhas existentes nos estudos de caso; ii. identificação de pontos de cruzamento e de conflitos de fluxo iii. identificação de estratégias de contorno; iv. existência de obstáculos na rota acessível. 4) confirmação das informações levantadas e os dados obtidos a partir das observações por meio de reuniões com funcionários das estações.

8 Características das Estações Objeto de Estudo

9 Evolução da Demanda das Estações Objeto de Estudo

10 Estudo de caso A Arredores: colégios, hospitais e comércio Características: Integração: Terminal Urbano, estacionamento, bicicletário. Acessos: três no nível da rua. Mezanino área livre: bilheterias, bloqueios,espaços comerciais. Mezanino área paga: fluxo de embarque e desembarque Linha 1 Azul e Linha 2 Verde, SSO e espaço cultural. Gargalo: área paga mezanino.

11 Estudo de caso A - Fotos Estação A plataformas, terminal urbano e mezanino. Crédito: Barbosa, M. B., 2011.

12 Mapa de fluxo- Estação A

13 Estudo de caso B Arredores: Memorial da América Latina, Universidades. Características : Integração: trens metropolitanos, terminal urbano, rodoviário e turístico Acessos: dois acessos Mezanino de distribuição: desenvolve-se sobre as plataformas de embarque para Linha 3. Área livre a passarela de circulação funciona como servidão para passagem de um lado para outro do bairro sobre a ferrovia e o Metrô. Gargalo: cruzamento de fluxos para embarque e desembarque na integração com a ferrovia.

14 Estudo de caso B - Fotos Estação B Área de circulação na passarela e na área de CPTM Crédito: Fischer, L. C., Estação B plataforma, acesso, terminal urbano e mezanino. Crédito: Barbosa, M. B., 2011.

15 Mapa de Fluxo Estação B

16 Estudo de caso C Arredores: colégio; shopping; hospitais; fundação para reabilitação de pessoas com deficiência visual. Caracteríticas: Acessos: dois Mezanino área livre: bilheterias, bloqueios; espaços comerciais e acesso ao shopping. Mezanino área paga: embarque e desembarque Linha 1 - Azul Demanda: aumentou a partir da inauguração do shopping center em 19/11/2001-9% nos dias úteis e 25% nos finais de semana. Gargalo: acesso estação /shopping.

17 Estudo de caso C Figura 11: Estação C acessos a partir da rua e do shopping center. Crédito: Fischer, L. C., 2011.

18 Mapa de fluxos da Estação C

19 Conclusão 1) Importância da gestão dos fluxos. 2) As ferramentas utilizadas para análises dos fluxos: observação, mapa de fluxo e levantamentos de dados de demanda mostrou-se eficaz. 2) Mapa de fluxos: mostrou-se eficiente para a discussão de estratégias de gestão para melhoria dos conflitos. 3) Relevância do sistema de informação e a comunicação visual para minimizar conflitos. 4) Estratégias de contenção ou de orientação de fluxos: restringem a liberdade de escolha do usuário aumentam o percurso, melhoram a capacidade e minimizam conflitos decorrentes da sobreposição de fluxos reduzem a vazão no sentido contrário (situação de emergência). 5) O mapeamento do fluxo pode contribuir para o projeto de novas estações e deve ser considerado nas fases de elaboração do projeto funcional e executivo.

20 GRACIAS POR SU ATENCIÓN GRATO PELA ATENÇÃO Ligia C. Fischer

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA 18ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Projeto de Estações e Gestão dos Serviços de Transporte Tanto o projeto quanto a gestão das estações e dos trens são fundamentais para o desempenho adequado do

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE COPA DO MUNDO PERNAMBUCO - MAIO - 2014

PLANO DE MOBILIDADE COPA DO MUNDO PERNAMBUCO - MAIO - 2014 PLANO DE MOBILIDADE COPA DO MUNDO PERNAMBUCO - MAIO - 2014 SUMÁRIO 1. Tabela dos jogos na Arena Pernambuco 2. Premissas do Plano de Mobilidade 3. Como chegar à Arena Pernambuco (Metrô, BRT e Estacionamentos

Leia mais

ó é é 19-23 de Junio 2013 Rio de Janeiro AÇÕES PARA MITIGAR ACIDENTES COM OS USUÁRIOS Rodrigues, Vagner

ó é é 19-23 de Junio 2013 Rio de Janeiro AÇÕES PARA MITIGAR ACIDENTES COM OS USUÁRIOS Rodrigues, Vagner AÇÕES PARA MITIGAR ACIDENTES COM Rodrigues, Vagner OS USUÁRIOS Caracterização do sistema do Metrô de São Paulo 58 estações; 04 linhas: Linha 1 - AZUL, Linha 2- VERDE, Linha 3- VERMELHA, Linha 5 - LILÁS

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA.

A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA. A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA. Maria Beatriz Barbosa (1); Melissa Belato Fortes (2); Sheila Walbe Ornstein (3) (1) Arquiteta

Leia mais

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO Utilizando um modelo de transporte público existente, denominado Ponte Orca, gerenciado pela EMTU,

Leia mais

Os Transportes Públicos e a Mobilidade dos cidadãos portadores de deficiência motora no Município de Lisboa

Os Transportes Públicos e a Mobilidade dos cidadãos portadores de deficiência motora no Município de Lisboa Os Transportes Públicos e a Mobilidade dos cidadãos portadores de deficiência motora no Município de Lisboa Pedro Morais Rafael Guerreiro Nuno Marques da Costa Índice 1. Objectivos 2. Transportes Públicos

Leia mais

Bem-vindo à Trensurb.

Bem-vindo à Trensurb. Bem-vindo à Trensurb. 2 3 Este guia foi desenvolvido para orientar você sobre os destinos, horários e serviços disponibilizados pela empresa. Informe-se, saiba como utilizá-los e boa viagem. ESQUEMA DA

Leia mais

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo

Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Extensão Norte Linha 1 - TRENSURB São Leopoldo - Novo Hamburgo Metrô em elevado com extensão de 9,3 Km com rede elétrica aérea, sinalização, bilhetagem eletrônica, escadas rolantes Quatro Estações de Passageiros

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE Rio de Janeiro 12 de Março de 2010 Este relatório foi produzido por Amarildo

Leia mais

SERVIÇO BRT ROCK IN RIO

SERVIÇO BRT ROCK IN RIO SERVIÇO BRT ROCK IN RIO Km total: 15 km em faixa exclusiva (BRT Transcarioca). Velocidade comercial estimada: 30 km/h Tempo de ciclo: 15 min de ida e 15 min de volta Capacidade do veículo: em média 180

Leia mais

Fluxograma das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano - Exemplo

Fluxograma das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano - Exemplo 5 Configuração das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano aprov modif alteração/modificação/inclusão/exclusão 5.1 5.1 Condições gerais As áreas de uso público da estação devem

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC

METRÔ CURITIBANO. LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul. Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC METRÔ CURITIBANO LINHA AZUL Santa Cândida / CIC Sul Engº Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do IPPUC PLANO DIRETOR LEI 11.266/2004 Diretrizes de Mobilidade Urbana e Transporte Capítulo II Da

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Estudo do Fluxo de Usuários nas Estações da CPTM. Fernando Galego Boselli Rodrigo Morganti Neres 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Estudo do Fluxo de Usuários nas Estações da CPTM. Fernando Galego Boselli Rodrigo Morganti Neres 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Estudo do Fluxo de Usuários nas Estações da CPTM Fernando Galego Boselli Rodrigo Morganti Neres 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP 2 Autores Fernando Galego Boselli arquiteto da Companhia

Leia mais

Cartilha de Acessibilidade

Cartilha de Acessibilidade Cartilha de Acessibilidade Acessibilidade em Terminais e Pontos de Parada Rodoviários e Estações Ferroviárias do Sistema de Transporte Interestadual e Internacional de Passageiros Realização ANTT - Agência

Leia mais

PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS. NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP

PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS. NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP 1 PLANOS DE NEGÓCIO DAS OPERADORAS METROPOLITANAS NEGÓCIOS NOS TRILHOS 2008 04 a 06 de Novembro Expo Center Norte Pavilhão Vermelho São Paulo - SP Rede Atual de Metrô 2 Rede Atual 3 Atual Extensão 61,3

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Book de inventário L4 Amarela do Metro SP

Book de inventário L4 Amarela do Metro SP 1 3 2 9 7 11 Fase 2 2015/2016 estratégia linha 4 amarela metro sp caminho do usuário Inventário linha 4 amarela metro sp Formato\ Estação Butantã Pinheiros Faria Lima Paulista República Luz Total Monitores

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência

MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL. Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência MARCOPOLO LANÇA NOVO ÔNIBUS VIALE BRT, O MAIS AVANÇADO PRODUZIDO NO BRASIL Veículo utiliza conceitos inéditos de design, conforto e eficiência A Marcopolo lança o seu mais novo e moderno ônibus urbano,

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Missão Proporcionar soluções em transporte público urbano sobre trilhos, com desenvolvimento integrado e sustentável, contribuindo para a mobilidade urbana Visão Ser uma empresa

Leia mais

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14021 Segunda edição 30.06.2005 Válida a partir de 31.07.2005 Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano Transport Accessibility on urban or metropolitan

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região de São Paulo. Instruções para chegar ao Campo Escola Jaraguá

União dos Escoteiros do Brasil Região de São Paulo. Instruções para chegar ao Campo Escola Jaraguá União dos Escoteiros do Brasil Região de São Paulo Instruções para chegar ao Campo Escola Jaraguá Gestão de Adultos Fevereiro de 2013 Sumário Informações aproximadas de geolocalização para uso em GPS:...

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial.

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Elevadores de Passageiros Schindler Tempo O menor tempo entre você e o seu andar O Miconic

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS

APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS APRESENTAÇÃO OFICIAL DO SIM CAXIAS Integração do Transporte Coletivo Eixo Leste/Oeste Integração O crescimento acentuado dos centros urbanos tem gerado inúmeras dificuldades para as cidades em diversas

Leia mais

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO

NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO NOVIDADES TRANSPORTE COLETIVO Segunda Passagem Integrada Grátis 1) Quando será lançada a segunda passagem gratuita? Será lançada no dia 1 de julho. 2) Como funcionará a segunda passagem gratuita? O passageiro

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho

ANEXO 8. Quadro de Indicadores de Desempenho ANEXO 8 Quadro de Indicadores de Desempenho 1 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE O Sistema de Gestão da Qualidade a ser implantado tem por finalidades: 1. Estimular a melhoria contínua da qualidade dos

Leia mais

BONDES EM VITÓRIA E VILA VELHA FORMANDO A REDE DE TRANSPORTE COLETIVO DISPONÍVEL NO INÍCIO DO SÉCULO XX. BONDE NO BAIRRO ARIBIRI EM VILA VELHA

BONDES EM VITÓRIA E VILA VELHA FORMANDO A REDE DE TRANSPORTE COLETIVO DISPONÍVEL NO INÍCIO DO SÉCULO XX. BONDE NO BAIRRO ARIBIRI EM VILA VELHA OS MUNICÍPIOS QUE HOJE FORMAM A REGIÃO METROPOLITANA DE VITÓRIA APRESENTAM PECULIARIDADES SIGNIFICATIVAS EM SEU PROCESSO DE FORMAÇÃO. A FORTE INFLUÊNCIA JESUÍTA NO PROCESSO EDUCACIONAL E O CULTIVO DA TERRA

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014.

Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014. Implantação de serviço de ônibus executivo metropolitano pela EMTU/SP na Copa do Mundo FIFA 2014. Sérgio Ricardo Fortes EMTU/SP Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo - SP Fone:

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO Um Check-list! Uma arena multiuso, na maioria das vezes utilizada para jogos de futebol (daí sua importância capital na sociedade brasileira), deve partir de premissa

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO

CORREDOR GUARULHOS-SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO GUARULHOS - SÃO PAULO ACE Associação Comercial Empresarial de Guarulhos 25/Outubro/2013 MISSÃO: Promover e gerir o transporte intermunicipal de baixa e média capacidades para passageiros

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

Criada pela Lei Estadual nº 7.861 de 28 de Maio de 1.992. - CBTU STU/SP absorvida em 03 de Agosto de 1.993

Criada pela Lei Estadual nº 7.861 de 28 de Maio de 1.992. - CBTU STU/SP absorvida em 03 de Agosto de 1.993 HISTÓRICO Criada pela Lei Estadual nº 7.861 de 28 de Maio de 1.992. - CBTU STU/SP absorvida em 03 de Agosto de 1.993 linha 7 - Rubi - 60,4 Km 17 estações linha 10 - Turquesa - 37,2 Km 14 estações linha

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro

Linha 17 Ouro. Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária. Linha 17 Ouro Ligação do Aeroporto de Congonhas à Rede Metroferroviária CARACTERÍSTICAS CARACTERÍSTICA PRINCIPAL Sistema de Monotrilho Trem com tração elétrica e sustentação por pneus, que se desloca sobre uma viga,

Leia mais

appmetro Manual do utilizador

appmetro Manual do utilizador A aplicação Oficial Metro de Lisboa, é um guia que pretende ser útil, prestando assistência nas deslocações pela cidade de Lisboa, utilizando a rede de transporte metro. Inclui o mapa/diagrama de rede,

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE agosto/2005 Cenário São Paulo tem uma das maiores frotas de ônibus do mundo. São quase 15 mil ônibus, para o transporte diário de mais de 6 milhões de passageiros.

Leia mais

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014

BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 BRT em Belo Horizonte Melhoria da Mobilidade para a Copa 2014 Situação Atual População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da RMBH: 4,5 milhões de habitantes 3,8 milhões de viagens/dia

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

ATA. ATA da 3ª REUNIÃO / 2012 DATA: 22 de agosto de 2013

ATA. ATA da 3ª REUNIÃO / 2012 DATA: 22 de agosto de 2013 ATA CE- 40:000.02 Comissão de Estudo Acessibilidade nos Transportes ATA da 3ª REUNIÃO / 2012 DATA: 22 de agosto de 2013 INÍCIO: 9h00 TÉRMINO: 16h30 LOCAL: Auditório do Centro de Controle Operacional da

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

ANEXO C TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO C TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO C TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DO TIPO TÉCNICA E PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS CIVIS PARA IMPLANTAÇÃO DO RAMAL PARANGABA MUCURIPE METRÔ DE FORTALEZA

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

APÊNDICE 6 Resultado da Pesquisa de Acessibilidade no Rio de Janeiro

APÊNDICE 6 Resultado da Pesquisa de Acessibilidade no Rio de Janeiro APÊNDICE 6 Resultado da de Acessibilidade no Rio de Janeiro Apêndice 6 Resultado da de Acessibilidade no Rio de Janeiro A pesquisa de acessibilidade foi realizada durante os meses de setembro e outubro

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO Fonte: Relatório 2001 do Governo do Estado de SP O sistema metroviário de São Paulo paga suas operações e ainda devolve aos cofres do Estado os investimentos realizados.

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário

Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros. Suburbano e Rodoviário Guia para compra de passagens e contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros 100 95 Suburbano e Rodoviário 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as

Leia mais

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos

Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos Apresentação: WebTour - Sistema de Gestão de Pacotes Turísticos M&M Soluções Web www.mmsolucoesweb.com.br Página 2 de 18 Apresentação Criada oficialmente em 2009, a M&M iniciou suas atividades através

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA RODAS DA PAZ PARA A INTEGRAÇÃO METRO BICICLETA

CONTRIBUIÇÕES DA RODAS DA PAZ PARA A INTEGRAÇÃO METRO BICICLETA CONTRIBUIÇÕES DA RODAS DA PAZ PARA A INTEGRAÇÃO METRO BICICLETA Brasília, Fevereiro de 2015 APRESENTAÇÃO Quando falamos da integração de modais no caso em análise o metrô e a bicicleta não estamos tratando

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras BRTs Criado no Brasil e exportado para diversas cidades, tais como Bogotá, Pequim e Johanesburgo,

Leia mais

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14021 Segunda edição 30.06.2005 Válida a partir de 31.07.2005 Versão corrigida 31.08.2005 Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano Transport Accessibility

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

onthespot é a empresa de digital out of home, do Grupo Telefonica, que está presente na rotina das pessoas, em todos os momentos do seu dia à dia,

onthespot é a empresa de digital out of home, do Grupo Telefonica, que está presente na rotina das pessoas, em todos os momentos do seu dia à dia, DIGITAL OUT OF HOME onthespot é a empresa de digital out of home, do Grupo Telefonica, que está presente na rotina das pessoas, em todos os momentos do seu dia à dia, com um conteúdo pertinente de acordo

Leia mais

São Paulo Linha 4 - Amarela

São Paulo Linha 4 - Amarela São Paulo Linha 4 - Amarela ViaQuatro Composição Acionária 10% Mitsui 58% 30% Montgomery 1% BRT 1% RATP Assistência Técnica Assistência Técnica Linha 4 Projeto 30 anos de concessão operacional 1 Milhão

Leia mais

modernizar confiar financiar decidir Qual é no papel estar atento ampliar estar atento confiar

modernizar confiar financiar decidir Qual é no papel estar atento ampliar estar atento confiar modernizar estar atento estar atento confiar confiar informar formar decidir Qual é no papel modernizar financiar ampliar d0stif financiar O STIF imagina, organiza e financia os transportes públicos para

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL Neste guia você vai encontrar as principais informações que precisa para embarcar no novo sistema

Leia mais

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social

Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social Transporte fluvial Mobilidade com Desenvolvimento Turístico Urbano e Inclusão Social O Rio Capibaribe já foi navegável e suas águas limpas serviam para banhos medicinais. Ele serviu de escoamento para

Leia mais

TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento

TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento TRANSPORTE II ENARTE Guia de Embarque-Desembarque, Traslado e Estacionamento LOCAL DO EVENTO: ESCOLA ESTADUAL DOM PEDRO I Rua Américo Gomes da Costa, 59 - Vila Americana distrito São Miguel Paulista São

Leia mais

Dicas Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior UNIFEI 06/07/2009

Dicas Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior UNIFEI 06/07/2009 Dicas Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior UNIFEI 06/07/2009 1. No aeroporto Charles de Gaulle Imagino que do aeroporto você vá para Paris. É muito fácil. Há uma linha de trem que liga o aeroporto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO SOFIN CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO SOFIN CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS 1. Legislação CONCESSÃO DE DIÁRIAS OU HOSPEDAGEM E PASSAGENS PARA BANCA EXTERNA DE CONCURSOS 1.1 A concessão de Diárias ou Hospedagem e Passagens pelo Setor de Educação da UFPR deverá observar o disposto

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM MOBILIDADE NA RMS COM VISTAS À COPA 2014 Proposta de estruturação com investimentos nos grandes corredores de transporte na Região Metropolitana de Salvador RMS A Fonte Nova

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA

Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA MOBILIDADE URBANA EM REGIÕES METROPOLITANAS Sistema Metro-Ferroviário e a Integração Metropolitana do Transporte na RMPA Marco Aurélio Spall Maia Diretor Presidente TRENSURB-Porto Alegre Região Metropolitana

Leia mais

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

IMPACTO NO MERCADO O empreendimento é um sucesso de vendas. Atualmente está com 95,40% comercializados. A entrega está prevista para abril de 2012.

IMPACTO NO MERCADO O empreendimento é um sucesso de vendas. Atualmente está com 95,40% comercializados. A entrega está prevista para abril de 2012. APRESENTAÇÃO Com projeto inovador e fachada moderna, o Contemporâneo Empresarial é um centro empresarial com alto padrão de tecnologia e segurança, que contempla salas comerciais e lojas. Localiza-se em

Leia mais

Nota: na sequência do cadastramento você será convidado a responder uma pesquisa, visando à melhoria do Sistema de Transporte.

Nota: na sequência do cadastramento você será convidado a responder uma pesquisa, visando à melhoria do Sistema de Transporte. 1. O que é Bilhete Único Mensal? O Bilhete Único Mensal é o cartão que permite ao seu titular, com um único pagamento do valor definido para o mês, o uso do transporte coletivo durante 31 dias a contar

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

MOBILIDADE E LOGÍSTICA NO RJ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES 2015-2018

MOBILIDADE E LOGÍSTICA NO RJ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES 2015-2018 MOBILIDADE E LOGÍSTICA NO RJ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES 2015-2018 Plano Diretor de Mobilidade para Região Metropolitana do Rio de Janeiro Plano Estratégico de Logística e Cargas do Estado do Rio

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Proposta Web Site Institucional Porto Feliz, 28 de maio de 2015.

Proposta Web Site Institucional Porto Feliz, 28 de maio de 2015. Proposta Web Site Institucional Porto Feliz, 28 de maio de 2015. 1. Apresentação 2. Projeto Atuando em análise e desenvolvimento de plataformas para negócios digitais a 8 anos estamos sempre buscando solucionar

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

A TV no Metrô. Apresentação Corporativa TV MINUTO

A TV no Metrô. Apresentação Corporativa TV MINUTO A TV no Metrô É a maior empresa de mídia digital OOH da América Latina (5.280 monitores dentro dos trens do Metrô de São Paulo) Associada ao Grupo Bandeirantes Conteúdos real time Conteúdo Notícias nacionais

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

ANEXO III ELEMENTOS BÁSICOS DE PROJETO E ANTEPROJETO DE ENGENHARIA

ANEXO III ELEMENTOS BÁSICOS DE PROJETO E ANTEPROJETO DE ENGENHARIA ANEXO III ELEMENTOS BÁSICOS DE PROJETO E ANTEPROJETO DE ENGENHARIA VOLUME I ELEMENTOS BÁSICOS DO PROJETO DIRETRIZES MANDATÓRIAS O presente documento estabelece as diretrizes mandatórias para elaboração

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Otávio Vieira da Cunha Filho, Presidente Executivo da NTU Fórum Mobilidade Volvo, Curitiba PR 20 de maio de 2015 Estrutura 1. Visão;

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06

PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 9 PROVA ESPECÍFICA Cargo 06 QUESTÃO 21 A parte da Segurança de Trânsito que procura estudar e caracterizar os acidentes de trânsito, suas causas e suas conseqüências é denominada: a) Transitologia. b)

Leia mais

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS

REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS REGISTRADOR DE EVENTOS SISTEMA INTELIGENTE DE AUXÍLIO, SUPERVISÃO E CONTROLE DE TRENS METROVIÁRIOS Resumo O transporte público atualmente vem passando por diversas mudanças e uma delas é a qualidade nos

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

PESQUISA. Avaliação do BRT TransOeste. Abril 2013

PESQUISA. Avaliação do BRT TransOeste. Abril 2013 PESQUISA Avaliação do BRT TransOeste Abril 2013 1 METODOLOGIA Objetivo: levantar informações sobre as viagens no BRT TransOeste, avaliar a satisfação com este modal, bem como as máquinas de recarga do

Leia mais

Contextualização Turismo Acessível para Todos oferta transversal a todos sem barreiras

Contextualização Turismo Acessível para Todos oferta transversal a todos sem barreiras Access Azores. Associação privada s/ fins lucrativos;. Constituída em 2014;. Idealizada no seio académico das Universidades de Coimbra e de Aveiro;. Professores, alunos e ex-alunos ligados ao setor do

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais