Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)"

Transcrição

1 Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta de elevador O caminho é obstruído pela abertura da folha da porta? Corredor de 1,30 de largura localizado em rota de fuga Área de Aproximação Corredores Privativos Corredores Públicos (pav. Térreo) Largura mínima dos corredores e passagens O corredor faz parte da rota de fuga em caso de incêndio ou emergência? _ 0,70m (largura máx=1,25m) Obstáculos _ Bebedouro Largura dos corredores e passagens _ O corredor faz parte da rota de fuga em caso de incêndio ou emergência? 1,30 (térreo e auditório) Ao menos no pav. de consulta cívil (semi-público) seria interessante reposicionar o bebedouro. Na presença de obstáculos acima de 0,40m de extensão, a largura mínima do corredor deve ser de 0,90m. Largura mín de corredor em rota de fuga=1,20m Obstáculo de 0,55m de profundidade (com Largura mín de corredor em rota de fuga=1,20m Obstáculos Não há obstáculos Existem desníveis ou frestas causados por grelhas, tampas ou tapetes? Em alguns pavimentos os tapetes não possuem uma boa aderência ao piso. É preciso retirá-los ou melhorar a aderência. Pisos O material é regular e antiderrapante? _ Quando molhado, o piso pode vir a ser escorregadio (em especial na área de despacho). É preciso cuidado. (com A inclinação longitudinal é adequada? (máx=5%) _ A inclinação transversal é adequada? (máx=2%) _ Largura Da rampa Aprox. 1,60m Do patamar _ Rampa de acesso à edificação sem patamar _ Rampa de Acesso Comprimento da rampa Distância entre patamares _ Aprox. 2,50m _ Não há patamares e nem é preciso A inclinação transversal é adequada? (máx=2%) A decliviade é adequada? (ideal= entre 6,25% e 8,33%) _

2 Dimensão do espelho _ 0,18m _ do piso _ 0,28cm _ Escadas Largura da escada _ 1,25m _ Escada localizada em rota de fuga Do patamar Varia entre 1,20x1,20m e 1,20x3,20m _ Distância entre patamares Varia entre 0,84m e 1,40m Altura do Corrimão _ 0,90m (0,915 da geratriz) _ Largura do Corrimão e distância da parede _ 4,00cm de largura e 4,00cm de distância da parede _ Apesar da distância adequada, a textura da parede pode machucar a mão do usuário. (com Os corrimãos são contínuos? (sem interrupção em patamares - exceto corrimãos intermediários) Por a edificação ser alugada, é preciso estudar se a troca de corrimãos é viável ou não. Corrimão na escada de incêndio Há interrupção nos corrimãos intermediários? Qual o espaçamento entre o fim de um corrimão e o início do próximo? Há o prolongamento do corrimão além do comprimento da escada ou rampa? (prolongamento mín=0,30m) Não há corrimãos intermediários (e nem há necessidade) Por a edificação ser alugada, é preciso estudar se a troca de corrimãos é viável ou não. Há isolamento das áreas adjacentes da escada ou rampa por paredes ou por guarda corpos? Paredes (pois se trata de uma escada de incêndio) Há sinalização em braile e/ou em um anel com textura para indicar o fim da escada ou rampa? _ Não há prolongamento do corrimão que permita a sinalização em braile

3 Há alguma? _ Qual a altura do dispositivo de acionamento manual? _ O percurso é aberto ou em caixa enclausurada? _ Qual a altura total do desnível vencido? Plataforma Elevatória de Percurso Vertical Se em percurso aberto, a plataforma apresenta fechamento contínuo e sem vãos? _ Se em percurso aberto, qual a altura do fechamento? Equipamentos Eletro Mecânicos Se em percurso enclausurado, quais as dimensões da porta de acesso? Se em percurso enclausurado, quais as dimensões da plataforma? _ Plataforma Elevatória de Percurso Inclinado Qual a distância entre a(s) parada(s) programada(s)? Quais as dimensões internas? _ 1,10x1,10 Apesar das dimensões mínimas serem 1,10mx1,40m (NBR / 2000), não há espaço para adaptação (com Elevador Qual a altura do dispositivo operação? _ 1,00 m _ = acima de 0,89m Qual a altura do meio de comunicação? : Entre 890mm e 1350mm acima do piso da cabina. Se for um 1,50m telefone, ele pode ser localizado abaixo de 890mm (NBR / 2000).

4 As letras apresentam tamanho e proporções adequadas à leitura? (mín= 16mm) As letras tem traçado simples e uniforme? Sinalização Visual Em elevadores, as letras estão em alto ou baixo relevo e tamanho adequado? Apesar do tamanho adequado, não há distinção por relevo (NBR / 2000) (com Qual a altura de alarmes visuais? _ Em rota de fuga: 0,20m ; 1,65m ; 1,40m Sinalização de Elevadores: 2,00m Apesar da sinalização superior estar abaixo de 1,80m, isso não compromete sua função Há sinalização em braile em portas, ao lado da maçaneta? Seria ideal a sinalização de (com lavatórios e das portas em rota de fuga Se sim, qual a altura da sinalização braile nas portas? Não há sinalização em braile nas portas Há esse tipo de sinalização na edificação? _ Indicação do pavimento (próximo às portas dos elevadores) Sinalização vertical em áreas de circulação Qual a altura quando com símbolos em relevo? _ Qual a altura quando em braile? 1,00m e 1,10m Indicação do pavimento (próximo às portas dos elevadores) e na porta do banheiro acessível Sinalização Tátil Superfícies horizontais ou inclinadas Há esse tipo de sinalização na edificação? Qual a altura dessa sinalização? _ Nos elevadores, há sinalização em braile a esquerda dos botões? Sinalização Tátil Direcional Há esse tipo de sinalização na edificação? Há a sinalização tátil de alerta indicando mudança de direção? Apenas na recepção (uso público), no entanto, não direciona até os elevadores ou escada de emergência. Também não existe nos outros pavimentos de eventual uso público Sinalização tátil de Alerta Há sinalização de obstáculos suspensos? Há sinalização no início e no final de escadas e de rampas? Há sinalização junto a porta de elevadores? Sim (telefones públicos) Há na rampa de acesso, no entanto não há na escada de emergência. _

5 Sinalização Sonora Há sinalização sonora nos elevadores? Há alarmes sonoros? A intensidade do sinal sonoro é adequada /audível? Alarme de Incêndio _ Qual a quantidade total de assentos? 47 lugares _ Quantos assentos são adaptados a pessoas obesas? Nenhum _ Pela lei /2006 seriam necessários 2 assentos adaptados ou adaptáveis Quais as dimensões do(s) assentos adaptados a obesos? _ Não há assentos adaptados a pessoas com sobrepeso _ Quantos lugares são reservados a pessoas em cadeira de rodas? 2lugares Assentos Reservados Quais as dimensões dos lugares reservados a cadeirantes? _ 0,80m por 1,20m _ Locais de Reunião Quantos assentos são reservados a pessoas com mobilidade reduzida? Não há assentos reservados Por ser um auditório pequeno e de uso restrito, a indicação não é necessária desde que as pessoas que mobilidade reduzida sejam encaminhadas aos assentos da primeira fila (livre de obstáculos) (com Quais as dimensões do espaço livre frontal do(s) assento(s) para pessoas _ com mobilidade reduzida? Se considerada a primeira fileira, não há obstáculos que limitem o espaço livre _ (com Quantos assentos são reservados para deficientes visuais? _ Pelas pequenas dimensões e uso restrito, a indicação não é necessária desde que os deficientes visuais sejam encaminhados aos assentos da primeira fila (com Há camarins acessíveis? Não há camarins _ Palcos e Bastidores Há rampa de desnível entre palco e platéia? Quais as dimensões e inclinação da rampa? Não há rampa Obs: A irregularidade na disposição das longarinas indica que não há espaço suficiente para manter todos os 45 lugares com um espaço adequado entre uma fileira de assentos e outra (mín=0,60m). É recomendávél diminuir a quantidade de lugares adequando a medidadas ergonômicas, pois haviam fileiras sem nenhum espaçamento entre elas.

6 Qual a localização dos equipamentos? (um só ponto, perto da entrada, em vários pavimentos, ) Um único ponto no pavimento térreo (público), próximo à entrada Qual a quantidade total de equipamentos? Dois _ Qual a quantidade de equipamentos por pavimento? (se aplicável) _ Os telefones de uso comum estão localizados no pavimento de ao público. Telefones de Uso comum Há equipamentos com amplificador de sinal? Um _ Altura da parte operacional: 1,40m / Altura livre inferior: 1,30m Há equipamentos de telefonia com texto? Um _ Altura da parte operacional: 1,35m / Altura livre inferior: 1,30m Há equipamentos adaptados ao uso de pessoas em cadeira de rodas ou de baixa estatura? _ Pela NBR 9050/04 é recomendável pelo menos um telefone acessível por pavimento público Qual a altura da parte operacional? Entre 1,35 e 1,40 _ Mobiliário Pela NBR 9050/04 é recomendável altura livre inferior Qual a altura livre inferior? _ 1,30m mínima de 0,73m do piso acabado inferior. Quantidade total de bebedouros por pavimento Um por pavimento Quantidade de bebedouros adaptados a pessoas em cadeira de rodas ou de baixa estatura Todos _ Dimensões da área de aproximação frontal (avanço máximo sob o bebedouro) Não há, pois tratam-se de um bebedouros de galão. _ Bebedouros Altura livre inferior _ Não há, pois tratam-se de um bebedouros de galão. A que altura estão dispostos os copos descartáveis? (se houver) Entre 1,35m e 1,20m Pela NBR 9050/04 é recomendável altura máxima de 1,20m do piso Qual a altura do mecanismo de acionamento do bebedouro? 0,80m Pela NBR 9050/04 é recomendável altura entre 0,80 m e 1,20 m Qual a altura da bica? _ Não há bica (bebedouro de galão)

7 Qual a função do balcão analizado? (bilheteria, auto serviço, caixa de pagamento, ) Recepção Quantidade total de balcões de _ Dois _ Balcões de Atendimento (Térreo) Quantidade de balcões adaptados a pessoas em cadeiras de rodas Altura dos balcões adaptados a P.C.R. Extensão dos balcões (adaptados ou não) _ Um 0,85m _ Balcão comum: 1,20m Aprox. 1,25m _ Avanço máximo sob o balcão 0,30m (adaptado) _ Balcão comum: 0,05m Altura inferior livre 0,80 (adaptado) Balcão comum:1,15m Qual a função do balcão analizado? (bilheteria, auto serviço, caixa de pagamento, ) Consulta de documentos Quantidade total de balcões de _ Um _ Mobiliário Balcões de Atendimento (Pesquisa Cívil) Quantidade de balcões adaptados a pessoas em cadeiras de rodas Altura dos balcões adaptados a P.C.R. _ Nenhum Não há balcões adaptados Mesmo que o ao público seja restrito, ele ainda existe. _ Balcão comum: 1,10m _ Extensão dos balcões (adaptados ou não) Aprox. 0,90m _ Avanço máximo sob o balcão Balcão comum: 0,05m Altura inferior livre _ Balcão comum:1,05m Altura livre inferior _ Não há máquinas de auto Máquinas de auto Profundiade livre inferior Altura e profundiade dos controles que exigem coordenação motora fina Não há máquinas de auto Não há máquinas de auto _ Altura livre inferior Aprox. 0,80m Superfíce de Trabalho Alcance máximo para atividades eventuais Alcance máximo para atividades sem necessidade de precisão Dentro de 0,35 m x 0,25 m _ Alcance máximo para atividades executadas por tempo prolongado _ Dentro de 0,35 m x 0,25 m _

8 Porta de Entrada 2 folhas de correr Automática Entrada Principal Entrada: 0,80m por folha _ Vão total=1,60m _ Porta automática _ O acionamento automático e seu mecanismo de correr dispensam a proteção Porta de vidro 1 folha _ Rota de Fuga Porta Corta Fogo Largura= 0,90m ; Altura= 2,20 _ Pela NBR 9077 / 2001 a largura mínima recomendável é 1,10m ; todavia, por o edifício ser alugado, a viabilidade da adaptação deve ser estudada (com Alavanca altura=1,00m Não há necessidade Por se tratar de uma porta corta fogo, não deve haver visor Portas comuns 1 folha Salas em geral 0,80m _ Alavanca Não há necessidade _ Não há necessidade 1 folha banheiros comuns Porta dos Banheiros comuns 0,60m _ Apesar das dimensões estreitas, por a edificação ser alugada, a viabilidade de adaptação deve ser estudada. (com Alavanca

9 1 folha Banheiro adaptado Porta do banheiro adaptado Porta do auditório 0,80m _ Alavanca Aprox. 0,40m _ Não há necessidade 2 folhas Auditório 0,80cm cada folhas (1,60m total) Cilíndrica _ É recomendável maçaneta tipo alavanca. _ O visor é obrigatório apenas em portas vaivém. Mesmo assim as dimensões estão de acordo Localização (escada protegida, local de permanência, ) Local de permanência _ Janelas Altura do comando _ As alturas variam. As que não se adequam (acima de de 1,20m) infelizmente não estão aptas a serem adaptadas por o edifício ser alugado. (com

10 Altura de interruptores, campainhas e/ou acionador manual (alarmes) Interruptores: 1,10m / Alarme de incêndio: 1,40m e 1,30m / Comando da cortina(auditório): 1,10m Pela NBR9050 é recomendável altura entre 0,60m e 1,00m. Dispositivos até 1,20m são admissíveis, sendo 1,35m o alcance máximo eventual. Cabe estudar a viabilidade de adaptação. (com Altura das tomadas 1,00m e 0,30m Pela NBR9050 é recomendável alturas entre 0,40m e 1,00m. Por a diferença ser pequena, cabe estudar a viabilidade de adaptação. (com Dispositivos Altura do quadro de luz, registro de pressão e comando do ar condicionado Ar condicionado(auditório): 1,00m ; Quadro de luz(auditório): 1,15m Pela NBR9050 é recomendável alturas entre De 0,80m e 1,20m Altura do dispositivo de chamada do elevador Altura de dispositivos de inserção e retirada de produtos Pela Resolução CPA/SEHAB-G/004/2000 a altura deve Aprox. 1,00m estar entre 0,90m e 1,10m _ Não há nenhum Altura de comandos de precisão Quantidade total de banheiros _ 2 por pavimento e um banheiro extra no auditório Quantidade de banheiros adaptados a Pessoas em Cadeira de Rodas 1 banheiro (no térreo) Pessoas de Baixa Estatura _ Nenhum Apesar do Decreto No / 2004 prever o mínimo de 1 banheiro por pavimento, a edificação não dispõe de espaço adaptação de outros. A NBR9050 prevê o mínimo de 1 bacia, no entanto, a adaptação em um edifício alugado e com apenas 2 banheiros por pav a adaptação é pouco viável (com (com Banheiros Barras de Apoio Diâmetro e distância da face interna e da parede _ Diâmetro=3,00cm ; distância=4,00cm Bacia Sanitária Altura Aprox 0,45m Bacia Sanitária (banheiro adaptado) Altura Aprox 0,44m _ Área adjacente (mín=1,50x1,50, sendo 0,80 cm para área de transferência) Área total: 1,50x2,15m ; Área Adjacente: aprox 0,85m _

11 Altura do mictório _ Não há mictórios _ Mictório Altura do acionamento da descarga _ Não há mictórios _ Altura das barras verticais de apoio (se existentes) Não há mictórios _ Segundo a NBR9050 é recomendável de 0,78 m a 0,80 Altura da borda superior 0,83m m do piso acabado, no entanto a diferença é pequena Lavatório (não adaptado) Segundo a NBR9050 é recomendável altura mínima 0,73 Altura livre inferior Aprox. 0,80m Adequada m na sua parte inferior frontal Segundo a NBR9050 a distância máxima=0,50 m da face Distância do comando da torneira 0,30m externa frontal do lavatório Banheiros Faixa de alcance dos acessórios para sanitários (sanitário comum) Posição do espelho (vertical ou inclinado) 1,50m de altura Pela NBR9050 é recomendável altura entre a 0,80 a 1,20m _ Inclinado no adaptado e vertical no comum Espelhos Altura do espelho (comum) _ 1,43m(borda inferior - térreo) Pela NBR9050: altura máxima da borda inferior = 0,90 m Altura do espelho adaptado _ Aprox. 1,00 m adaptado Pela NBR9050:altura máxima da borda inferior = 1,10 m Dispositivos e Acessórios (sanitário adaptado) Apresenta alarme de emergência? 0,30cm do piso Demais dispositivos apresentam altura dequada? _ Papel e sabão a 0,90cm do piso Porta do banheiro adaptado apresenta proteção contra impactos? Banehiro adaptado apresenta dimensões adequadas ao giro de uma cadeira de rodas? 1,50mx2,15m Bancos Profundidade Não há vestiários _ Altura Não há vestiários _ Armários Altura de utilização Não há vestiários _ Altura dos puxadores e fechaduras _ Não há vestiários _ Vestiários Largura da área de circulação _ Não há vestiários _ Dimensões Não há vestiários _ Cabines Individuais Comprimento das barras de apoio (se houver) Não há vestiários _ Altura dos cabides _ Não há vestiários _ Altura das bordas do espelho Não há vestiários _

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015)

GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE (ABNT NBR 9050:2015) GGO - Grupo Gestor de Obras CPO - Coordenadoria de Projetos e Obras Rua Bernardo Sayão, 38 Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - CEP 13083-866 - fone/fax: (19) 3521-4105 CHECKLIST - ANÁLISE Nº ACESSIBILIDADE

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público

Orientações para a identificação de necessidades de acessibilidade Espaço público OBJECTIVO DO DOCUMENTO Informar acerca dos elementos-chave a ter em consideração na avaliação das barreiras à acessibilidade numa casa e espaços comuns. No caso da intervenção é crítico o envolvimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP)

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) CÓDIGO: DC 1.3/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 9 Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) (LUIZA ERUNDINA DE SOUZA, Prefeita do Município

Leia mais

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo)

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Paulo Cesar dos Santos Figueiredo Engenheiro Civil CREA 354/D

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Plataforma de Plano Vertical:

Plataforma de Plano Vertical: 38 - CARTILHA SANTOS PARA TODOS CONDEFI Plataforma de Plano Vertical: A Plataforma Vertical é indicada quando não se pode construir uma rampa, mas há um espaço para fazer uma abertura lateral no plano

Leia mais

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016. Versão 5. Janeiro 2016 Rio de Janeiro

Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016. Versão 5. Janeiro 2016 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 5 Janeiro 2016 Rio de Janeiro Caderno de Diretrizes Técnicas de Acessibilidade Rio 2016 Versão 5 Janeiro 2016 Rio de Janeiro Esta versão

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO Um Check-list! Uma arena multiuso, na maioria das vezes utilizada para jogos de futebol (daí sua importância capital na sociedade brasileira), deve partir de premissa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ANEXO I 1 OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 O presente Termo de Referência tem por objeto a elaboração de Projetos Complementares de Acessibilidade para os imóveis onde estão instaladas a Procuradoria Regional

Leia mais

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS UNIDADE 1 Roberta Muriel Objetivo: Orientar sobre como cada requisito deve ser tratado pela IES e pelos avaliadores. A IES deve: Manifestar-se e apresentar informações sobre

Leia mais

SOCIEDADE CLASSIFICADORA. Programa para Vistorias de Habitabilidade e Acessibilidade de Passageiros no Sistema de Transporte Aquaviário 2014

SOCIEDADE CLASSIFICADORA. Programa para Vistorias de Habitabilidade e Acessibilidade de Passageiros no Sistema de Transporte Aquaviário 2014 Programa para Vistorias de Habitabilidade e Acessibilidade de Passageiros no Sistema de Transporte Aquaviário 2014 REGISTRO BRASILEIRO DE NAVIOS E AERONAVES 1/41 Tel 00 55 21 2178-9560 - Fax 00 55 21 2178-9561

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais

FÓRUM TRABALHISTA DE FLORIANÓPOLIS EDIFÍCIO UTRILLO PROJETO DE ACESSIBILIDADE

FÓRUM TRABALHISTA DE FLORIANÓPOLIS EDIFÍCIO UTRILLO PROJETO DE ACESSIBILIDADE FÓRUM TRABALHISTA DE FLORIANÓPOLIS EDIFÍCIO UTRILLO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ACESSIBILIDADE Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ACESSIBILIDADE OBRA:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 1. CALÇADA ANEXO II ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO ELEMENTOS DO PROJETO DE ACESSIBILIDADE a) Faixa livre para pedestre com

Leia mais

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO TÉCNICO E ESPECIALIZADO DIVISÃO DE ACESSIBILIDADES E AJUDAS TÉCNICAS INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso respeite o direito de ir e vir de cada um Fique sabendo: De acordo com o último senso realizado em 2010, 23,5% da população brasileira tem algum tipo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

Cartilha de Acessibilidade

Cartilha de Acessibilidade Cartilha de Acessibilidade Acessibilidade em Terminais e Pontos de Parada Rodoviários e Estações Ferroviárias do Sistema de Transporte Interestadual e Internacional de Passageiros Realização ANTT - Agência

Leia mais

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708

Lista de Verificação das Acessibilidades - Condomínio da Rua de Gondarém, 708 Percurso 1 - Habitação -> Garagem Avaliação: Não viável Custo global de adaptação: 30.900 Item a verificar Avaliação Descrição Solução apontada 1.1 - Percurso Verificado Verificação da concordância da

Leia mais

ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG

ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG Este roteiro tem como objetivo nortear as fiscalizações a serem realizadas

Leia mais

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão

Código Símbolo Significado Forma e cor Aplicação. Cuidado, risco de incêndio. Cuidado, risco de explosão. Cuidado, risco de corrosão I - Símbolos da sinalização básica ANEXO B SIMBOLOGIA PARA A SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Os símbolos adotados por esta norma para sinalização de emergência são apresentados a seguir, acompanhados de exemplos

Leia mais

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES 6.1 Disposições gerais Art. 154 - Os compartimentos e ambientes deverão ser posicionados na edificação de forma a garantir conforto ambiental e a salubridade,

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Circulações Verticais São meios mecânicos e não mecânicos que permitem a ligação entre

Leia mais

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14021 Segunda edição 30.06.2005 Válida a partir de 31.07.2005 Versão corrigida 31.08.2005 Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano Transport Accessibility

Leia mais

MIG - Identidade Sicoob

MIG - Identidade Sicoob MIG - Identidade Sicoob Acessibilidade Acessbilidade 1. introdução Mais do que cumprir a lei (Lei 10.098/2000 e Decreto 5.296/2004), contemplar acessibilidade nas edificações das cooperativas do Sicoob

Leia mais

Da Eliminação de Barreiras Arquitetônicas para Pessoas Portadoras de Deficiências Físicas, Sensoriais ou Mentais.

Da Eliminação de Barreiras Arquitetônicas para Pessoas Portadoras de Deficiências Físicas, Sensoriais ou Mentais. Autoria: Poder Legislativo LEI N 1203//2005 DATA: 08 de setembro de 2005 SÚMULA: Dispõe sobre as considerações e os direitos das pessoas portadoras de deficiências físicas, sensoriais ou mentais. MARINO

Leia mais

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações

5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM. Designação: Localização: Largo Cândido dos Reis. Empresa que presta serviços de comunicações 5.3.26 IDENTIFICAÇÃO: Designação: Localização: Função: ESTAÇÃO DE CORREIOS DE SANTARÉM Largo Cândido dos Reis Empresa que presta serviços de comunicações Acesso exterior ao edifício Estacionamento Não

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT DEFINIÇÃO ACESSIBILIDADE é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços e mobiliário, equipamentos urbanos,

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

6 Acessos e circulação

6 Acessos e circulação 6 Acessos e circulação 6.1 Circulação - Condições gerais As determinações contidas neste capítulo deverão ser mantidas através da conservação criteriosa e continua, de forma a garantir a qualidade em seu

Leia mais

Biblioteca Delmita Batista Zimmermann

Biblioteca Delmita Batista Zimmermann Capa: Walter Soares Barbosa Rocha Filho Diagramação: Mariana Hunka Patrocinador da 2ª Tiragem (5.000 exemplares): CREA/RN Patrocinador da 1ª Tiragem (5.000 exemplares): CREA/RN. 2007 M622 MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL Danielle Almeida danielle.almeida@terra.com.br Marina Corain mncorain@gmail.com 5. sem. Design de Interiores Disciplina: Desenho Universal Prof.: Helena Degreas Perfil

Leia mais

ACESSIBILIDADE MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS

ACESSIBILIDADE MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS ACESSIBILIDADE SECRETARIA ESPECIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA c2 CPA - Comissão Permanente de Acessibilidade

Leia mais

2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011

2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 2as Jornadas de Segurança aos Incêndios Urbanos Universidade de Coimbra- Portugal 3 de Junho de 2011 AS PESSOAS COM INCAPACIDADES E A EVACUAÇÃO DE CENTROS COMERCIAIS EM CASO DE INCÊNDIO Susana Neves *

Leia mais

Fonte: Universidade Federal do Paraná. Sistema de Bibliotecas. Biblioteca Central. Departamento de Bibliotecas e Documentação

Fonte: Universidade Federal do Paraná. Sistema de Bibliotecas. Biblioteca Central. Departamento de Bibliotecas e Documentação Sigla Código Nome da Biblioteca Banheiros adaptados Bebedouros e lavabos adaptados Entrada/Saída com dimensionamento Banheiros com leiautes adaptados (lavatórios, espelhos, barras de apoio, vasos, papeleiras,

Leia mais

ACESSIBILIDADE DO PORTADOR DE MOBILIDADE REDUZIDA, USUÁRIO DE CADEIRA DE RODAS, AO TRANSPORTE PÚBLICO DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA

ACESSIBILIDADE DO PORTADOR DE MOBILIDADE REDUZIDA, USUÁRIO DE CADEIRA DE RODAS, AO TRANSPORTE PÚBLICO DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA ISSN 1984-9354 ACESSIBILIDADE DO PORTADOR DE MOBILIDADE REDUZIDA, USUÁRIO DE CADEIRA DE RODAS, AO TRANSPORTE PÚBLICO DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA Área temática: Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA

SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA 2 SHORT TRAVEL STANDARD SH ST ALVENARIA Com um conceito que busca facilidades, desenvolvemos uma plataforma cabinada, compacta e moderna, perfeita para o tipo de aplicação em estrutura de alvenaria. Com

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, 708-712. Nevogilde - Porto

Relatório. Avaliação das Acessibilidades. Prédio da Rua de Gondarém, 708-712. Nevogilde - Porto Relatório Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém, 708-712 Nevogilde - Porto 4100-128 Porto Página 1 de 6 Fax 22 609 3198 Relatório da Avaliação das Acessibilidades Prédio da Rua de Gondarém,

Leia mais

Ambientes acessíveis

Ambientes acessíveis Fotos: Sônia Belizário Ambientes acessíveis É FUNDAMENTAL A ATENÇÃO AO DESENHO E A CONCEPÇÃO DOS PROJETOS, PRINCIPALMENTE NOS ESPAÇOS PÚBLICOS,PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES E LIMITAÇÕES DO MAIOR NÚMERO

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA N.º 001/2011

RELATÓRIO VISTORIA N.º 001/2011 RELATÓRIO DE VISTORIA N.º 001/2011 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AGÊNCIA BOCA DO RIO Salvador, 14 de dezembro de 2011 1 RELATÓRIO DE VISTORIA 1 SOLICITANTE: Ministério Público Federal Procuradoria Regional dos

Leia mais

ACESSIBILIDADE FÍSICA X PATRIMÔNIO

ACESSIBILIDADE FÍSICA X PATRIMÔNIO ACESSIBILIDADE FÍSICA X PATRIMÔNIO CARTILHA DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS Graduanda: Renata Dantas Ataliba 1 2 ACESSIBILIDADE FÍSICA X PATRIMÔNIO CARTILHA DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS Graduanda: Renata Dantas Ataliba

Leia mais

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares

ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares ANEXO 1 Informação sobre normas técnicas de acessibilidade em vigor aplicáveis a zonas balneares Lista de Verificação Ponto 1.1 Algumas das principais exigências das normas técnicas do Decreto-Lei n.º

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA DE APROVAÇÃO DA NORMA TÉCNICA Nº 10/2015 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA DE APROVAÇÃO DA NORMA TÉCNICA Nº 10/2015 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA DE APROVAÇÃO DA NORMA TÉCNICA Nº 10/2015 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA PORTARIA N 02/2015 - CBMDF, DE 14 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

NORMA TÉCNICA 09/2014

NORMA TÉCNICA 09/2014 É ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 09/2014 Compartimentação horizontal e vertical SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO

REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO REVISÃO DO DECRETO-LEI N.º163/2006, DE 8 DE AGOSTO Nos termos do Decreto-Lei n.º 163/2006, de 8 de agosto, foram definidas as condições de acessibilidade a satisfazer no projeto e na construção de espaços

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico

plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico plataforma elevatória até 4m modelos ac08 ac11 acionamento hidráulico JUL/2011 Acionamento Hidráulico Atende às normas NBR 9050 e NBR15655-1 Movimentação por botão de pressionamento constante ou joystick

Leia mais

Portaria n.º 232, de 30 de junho de 2008.

Portaria n.º 232, de 30 de junho de 2008. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 232, de 30 de junho de

Leia mais

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL

ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL ANEXO TÉCNICO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL AQUISIÇÃO DE ELEVADOR CONVENCIONAL PARA SER INSTALADO NO EDÍFICIO DO ESCRITÓRIO REGIONAL DA ANATEL EM FORTALEZA-CE.

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO

CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL CONMETRO Resolução n 14/88 O CONSELHO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - CONMETRO, usando das atribuições

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA

PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA REABILITAÇÃO/AMPLIAÇÃO DAS ESCOLAS BÁSICAS DO 1º CICLO E PRÉ-ESCOLAR DE PORTO DE MÓS PARA CENTRO ESCOLAR PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS DE TRANSPORTE DE PESSOAS_PLATAFORMA Projeto de Instalações

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 010/2014 CBMPB

NORMA TÉCNICA Nº 010/2014 CBMPB 1 NORMA TÉCNICA Nº 010/2014 CBMPB Centros Esportivos e de exibição Requisitos de Segurança contra Incêndio Publicada no Diário Oficial nº 15.528 de 09 de maio de 2014. SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

APRESENTAÇÃO CRÉDITOS. Osvaldo Abrão de Souza. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora-Presidente da SPA-MS

APRESENTAÇÃO CRÉDITOS. Osvaldo Abrão de Souza. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora-Presidente da SPA-MS CRÉDITOS APRESENTAÇÃO Prof a. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora presidente da SPA-MS Henrique Rossi Otto Vice-presidente da SPA-MS e Arquiteto e Urbanista Equipe Técnica: Mayara Souza da Cunha Coordenadora

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA RELATÓRIO DE ORIENTAÇÃO PARA ADAPTAÇÃO DE ESCOLAS EM PROMOÇÃO DO USO AUTÔNOMO E SEGURO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA OU MOBILIDADE REDUZIDA CRITÉRIOS

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes:

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

ACESSIBILIDADE: UM DIREITO DE TODOS CARTILHA DE ORIENTAÇÃO

ACESSIBILIDADE: UM DIREITO DE TODOS CARTILHA DE ORIENTAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS ACESSIBILIDADE:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS

PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS GPT/M002/12/R8 PADRONIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VISUAL DOS VEÍCULOS DO SERVIÇO CONVENCIONAL DO TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE CAMPINAS O presente documento estabelece os padrões de comunicação visual a serem

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 43/2011 às normas de segurança contra incêndio edificações existentes

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR PARECER TÉCNICO Nº 011 - CAT Assunto: Saídas de Emergências em Edificações. O Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo:

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

ANEXO 5. Elementos do Projeto Básico Área Complementar

ANEXO 5. Elementos do Projeto Básico Área Complementar ANEXO 5 Elementos do Projeto Básico Área Complementar 1 Nome da Intervenção: Demolição das instalações situadas na área militar Código: ACE 01 Localização Objetivo(s): Disponibilizar área pública do exército

Leia mais

Manual de acessibilidade para agências bancárias

Manual de acessibilidade para agências bancárias Manual de acessibilidade para agências bancárias Especificações técnicas para adequações na acessibilidade para pessoas com deficiência e/ou com mobilidade reduzida Índice 2 M a n u a l d e A c e s s i

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12 01 de 12 ESTANTES METÁLICAS - Componentes Cantoneiras Perfuradas: Tipo N3, produzidas em aço estrutural de média resistência. As cantoneiras podem ser fornecidas em comprimentos múltiplos de 40 mm. 35

Leia mais

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio:

CARTILHA DE BOLSO ACESSIBILIDADE: PROJETANDO E CONSTRUINDO CIDADANIA. Apoio: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE APOIO OPERACIONAL ÀS PROMOTORIAS DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, DO IDOSO, DAS COMUNIDADES INDÍGENAS E DAS MINORIAS ÉTNICAS ACESSIBILIDADE:

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 8 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA EM EDIFICAÇÕES

NORMA TÉCNICA N o 8 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA EM EDIFICAÇÕES ANEXO VIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 8 SAÍDAS DE EMERGÊNCIA EM EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVO Estabelecer critérios mínimos necessários para o dimensionamento das Saídas

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

ANEXO 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA

ANEXO 1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA ANEXO CÓDIGO NT-4 S S/S2 PRÉDIO DA NOVA SEDE DA SEÇÃO JUDICIÁRIA - VITÓRIA MATERIAL PVC mm de espessura pendente no forro com S e S2 em cada face da placa, fundo verde, DIMENSÕES MÍNIMAS (mm) TEXTO LOCAL

Leia mais